VIOMUNDO

Diário da Resistência


Criminalistas pintam quadro sombrio de abusos: “Tenho medo de que nossos coelhos já tenham morrido”
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Denúncias

Criminalistas pintam quadro sombrio de abusos: “Tenho medo de que nossos coelhos já tenham morrido”


20/06/2018 - 19h14

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Da Redação

Nos dias 14 e 15 deste mês, cerca de mil advogados criminalistas participaram, no Rio de Janeiro, do Nono Encontro Brasileiro da Advocacia Criminal.

A reunião foi marcada pelas denúncias contra ações do Judiciário que ameaçam o equilíbrio dos poderes e os direitos da cidadania.

O ex-presidente do Conselho Federal da OAB, José Roberto Batochio, criticou a decisão do Supremo Tribunal Federal de mandar prender o então senador Delcídio do Amaral e, igualmente, a que impediu a posse de Cristiane Brasil no Ministério do Trabalho — respectivamente, dos ministros Teori Zavascki e Cármen Lúcia.

Zavascki fez uma ginástica para considerar Delcídio parte de uma organização criminosa e, assim, em “estado de permanente flagrância”. Já o puxadinho jurídico de Cármen teria invadido prerrogativas do presidente da República.

“A Constituição diz que compete ao presidente da República nomear os ministros. Mas, a despeito de a Constituição regular esse tema, o STF concede decisões anulando a nomeação de uma ministra. E ninguém fala nada. ‘Presidente, não gostei que você nomeou um ministro, logo concedo liminar pra anular a nomeação’. Estamos falando de institucionalidade! O Judiciário brasileiro perdeu o juízo”, criticou Batochio, como informou o Consultor Jurídico.

Por sua vez, o criminalista Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, criticou a decisão dos ministros Cármen Lúcia e Luís Roberto Barroso de interferirem no indulto de Natal concedido por Michel Temer em 2017, um abuso de outra prerrogativa presidencial.

Kakay também apontou para o efeito Moro, em referência à disseminação das práticas adotadas pelo juiz da 13a. Vara Federal de Curitiba, que muitas vezes se confunde com a acusação: “Hoje, existem vários Moros Brasil afora. E, muitas vezes, com muito mais perversidade do que ele.”

Curiosamente, o encontro dos criminalistas aconteceu num momento em que decisões do STF podem frear, ao menos em parte, os abusos denunciados pelos advogados.

Recentemente, o plenário da Corte proibiu a condução coercitiva e, na Segunda Turma, uma decisão que beneficiou a presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, colocou em xeque as condenações baseadas apenas em depoimentos de delatores, sem provas.

O ex-desembargador Geraldo Prado, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, traçou paralelos desconcertantes durante sua palestra aos advogados.

“Estamos lidando com juízes de assalto. Outros povos já lidaram com eles e perderam. Estou me referindo à magistratura alemã dos anos 30 e 40. Na quarta-feira (13/6), assistindo a uma sessão de julgamento [do Supremo Tribunal Federal sobre a validade das conduções coercitivas], em determinados momentos me vi assistindo a uma corte na Alemanha de 1939″, afirmou.

O criminalista Leonardo Yarochewsky disse que ministros do STF deveria ser impichados por violar a Constituição.

“É desanimador ver [Luís Roberto] Barroso falando isso [sobre um suposto surto de garantismo]. Eu não fiz Direito pra ver esse STF. Eu não fiz Direito pra ver ministros decidindo com base no sentimento do povo, contra a Constituição Federal”.

O jurista Lenio Streck também participou do evento. Lembrou aos advogados presentes que tripulantes dos primeiros submarinos levavam coelhos nas viagens para servirem de alerta quando o oxigênio a bordo começava a rarear.

“Tenho medo de que nossos coelhos já tenham morrido e não tenhamos percebido”, disse.

Abaixo, a Carta do Rio de Janeiro:

Os advogados e advogadas criminalistas brasileiros, reunidos no IX Encontro Brasileiro da Advocacia Criminal, realizado na cidade do Rio de Janeiro, sob os auspícios da ABRACRIM, nos dias 14 e 15 de junho de 2018, CONSIDERANDO que:

1. No Estado Democrático de Direito existiam limites rígidos ao exercício do poder, e que, atualmente em tempos de pós-democracia, estão sendo, não só violados, como também, extirpados, em prol do autoritarismo ao arrepio da constituição, carente de qualquer responsabilização dos agentes que desse artificio se utilizam para violar normas legais e constitucionais;

2. A presunção de inocência é direito de todos e engendra garantias do cidadão que não podem, em hipótese alguma, ser limitadas e violadas por decisões judiciais;

3. O devido processo legal (contraditório e ampla defesa) deve informar e estruturar o processo penal, desde o âmbito investigativo e até o término da etapa processual, na forma da Constituição da República;

4. Não há processo penal democrático constitucional, justo e coerente, sem a observância do necessário e indispensável equilíbrio de forças entre acusação e defesa, com pleno acesso das partes à integralidade da produção probatória e da prova colhida;

5. A norma penal criminalizadora deve estar subordinada, em termos de legitimidade, ao contexto das relações intersubjetivas e materiais, na forma da Constituição da República;

6. As condições extremas de marginalização social descaracterizam os elementos de ilicitude penal;

7. O direito penal não pode ser desvinculado de elementos empíricos de delimitação do poder punitivo;

8. A corrosão do Estado Democrático de Direito tende a intimidar e criminalizar o pleno exercício da advocacia na luta pelos direitos e garantias individuais;

9. O ataque recorrente aos direitos e prerrogativas no exercício da advocacia – particularmente aquela criminal – demonstra a faceta mais cruel do autoritarismo estatal;

10. Não haverá Estado Democrático de Direito sem o pleno exercício da advocacia forte, capacitada e apta para lutar pelos direitos de todos e todas, frente ao furor do poder estatal, em especial na proteção dos menos favorecidos socialmente;

11. É direito, não só do advogado como, principalmente, dos acusados, reunir e colher provas de seus interesses, desde o momento pré-processual e principalmente no curso do processo, em especial na implementação da investigação defensiva;

12. O processo de guerra jurídica no uso de expressões bélicas, tal como o lawfare, parte de premissas violadoras das prerrogativas, fulminando direitos do cidadão;

13. Tendo em vista a banalização no uso desenfreado das medidas cautelares, incluindo restrições que sequer estão previstas em lei, assim como a prisão preventiva como verdadeira antecipação de tutela processual civil de nítida satisfação meritória, subverte sua finalidade processual;

14. Com a decisão do STF proibindo os abusos das conduções coercitivas, que vinham sendo decretadas de maneira automática e flagrantemente ilegal, sem prévia intimação do acusado, como consequência já se tem notícia, por mais absurdo que possa parecer, do aumento da decretação de prisões temporárias em substituição das conduções coercitivas, sob a alegação de que seriam elas “imprescindíveis para as investigações policiais”;

RESOLVEM proclamar solenemente à nação:

1. A necessidade imperiosa de que todos e particularmente os órgãos do Poder Judiciário respeitem e façam respeitar a Constituição da República, na forma como legitimamente promulgada;

2. A tentativa de intimidação e coação dos advogados no exercício do direito de defesa fere os preceitos defendidos pela ONU em seu artigo 16 da 8ª assembleia ocorrida em 1990 em Havana;

3. A advocacia criminal tem de ver resgatada sua participação na produção de elementos probatórios, desde o momento investigativo e toda persecução penal em juízo, para que toda decisão judicial passe pelo crivo de legitimação democrática, que é o efetivo contraditório e tenha como base a vontade geral da nação expressa nas normas que compõem o ordenamento jurídico;

4. Urge que a presidência do STF paute com urgência o julgamento das ADC’s 43, 44 e 54, pelo que nessas causas há de interesse coletivo, relevo jurídico e social. A omissão na prestação jurisdicional é inaceitável e fere a consciência jurídica brasileira;

5. Dar apoio à edição de provimento pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil que regulamente a atuação da advocacia na investigação defensiva e efetiva implementação do contraditório na produção de qualquer elemento probatório desde a fase pré-processual, reestabelecendo a necessária par conditio;

6. Lamentar que ministros da mais alta Corte do país recorram ao populismo punitivista, ao aplauso da mídia opressiva e, sobretudo, a um tal “sentimento pessoal” que refletiria também a ânsia punitiva popular, de forma seletiva, fundamentos do fascismo para justificar julgamentos que afrontam de forma deliberada a Constituição e revelam, assim, a clara imposição de interesses e vontades pessoais incompatíveis com o Estado Democrático de Direito;

7. Proclamar que o processo, descaracterizado como dialética legal e democrática e degenerado em guerra jurídica, é dizer, lawfare, deve ser repudiado com toda ênfase pelos verdadeiros advogados brasileiros, eis que expressão perfeita e acabada do mais condenável autoritarismo;

8. Que a proibição das conduções coercitivas sem prévia intimação do acusado, decidida pelo STF, faz temer pelo inaceitável aumento do uso da prisão temporária, expediente este execrável e atentatório aos mais elementares princípios de liberdade vigorantes no Estado Democrático de Direito;

9. Conclamar a todos a participar da elaboração legislativa democrática, mormente aquela que diz respeito ao novo Código de Processo Penal, de forma a que seja compatível, em todos os sentidos, com a Constituição da República;

10. Conclamar os advogados e advogadas e, particularmente, aos criminalistas, que lutem pelo respeito à Constituição da República e as leis democráticas sempre pensando que este é o único sentido possível para uma democracia que abarque a todos.

Colocado em votação, foi aprovado pelo Plenário.

Rio de Janeiro, 15 de junho de 2018

Leia também:

Lula diz que decisão do STF sobre Gleisi feriu indústria das delações

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Julio Silveira

21 de junho de 2018 às 17h24

O problema com o sistema de justiça publico nacional é que ele funciona voltado para si proprio. Não importam criticas, importam as convicções de seus membros e os reforços delas formados nas panelas formadas no sistema. Sistema que não é aberto, por isso não precisa ser democratico. Principalmente no sentido de ter que passar por aprovações da sociedade, por isso a midia se torna tão importante, por ter o poder de provocar revisões, por isso a Globo e tão mimada. Criticas ou elogios, pouco importa, os componentes que adentram o sistema criam habitos, inerentes a forma como ele (sistema) foi instituido. Sentem-se, em relação ao populacho, como entediados seres divinos obrigados a darem seus momentos de juizo a uma humanidade burra, sentindo-se muito mal pagos por isso, como vemos.

Responder

Luiz Hortencio Ferreira

21 de junho de 2018 às 16h55

Novamente eu pergunto a todos os Doutores Advogados que estão preocupados com o estado de exceção que estamos vivendo no nosso país… Cadê a Entidade de Classe que representam vocês? Qual é a posição desta nobre entidade? Que só existe graças às anuidades pagas pelos profissionais que não podem exercer sua profissão se não passar no teste e pagar às taxas!!

Responder

Luís Augusto

21 de junho de 2018 às 11h29

Excelente matéria!
As pessoas precisam enxergar a loucura que contamina o nosso judiciário.
Mas os coelhos, realmente estão quase todos mortos.
Deus salve a nossa pátria!
O povo precisa de vocês que ainda
prezam pela manutenção e conservação da democracia e direitos humanos!

Responder

Luiz

21 de junho de 2018 às 11h14

Só uma pergunta. Onde estava o Conselho Federal da OAB? ou será que estão iguais aos coelhos? já morreu e ninguém percebeu.

Responder

Cláudio

21 de junho de 2018 às 04h13

:
: * * * * 04:13 * * * * .:. Ouvindo As Vozes do Bra♥♥S♥♥il e postando: Poesia contra a distopia (Distopia = Ideia ou descrição de um país ou de uma sociedade imaginários (!??!!!????) em que tudo está organizado de uma forma opressiva, assustadora ou totalitária, por oposição à utopia. “Distopia”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, [consultado em 13-10-2016].) : Poemas (acrósticos) de autoria do PoeTa anarcoexistencialista Cláudio Carvalho Fernandes para alguns dos valorosos blogueiros progressistas:

. . .

.:.
Para o Luiz Carlos Azenha, do Viomundo:

Luiz Carlos Azenha, a senha para a boa informação
Um jornalista que dignifica o jornalismo
Investigativo do poder e a liberdade de expressão
Zênite do mais humano altruísmo

Comunicação com amor à verdade
Ao nobre propósito de bem servir bem
Rumo a uma nova sociedade
Livre para se ir mais além
Observando criticamente a realidade
Somando experiência(s) e multiplicando-as também

Admirável ativista do bem humano
Zelando sempre pela justiça social
Entusiasta da liberdade, igualdade e fraternidade, no plano
Natural de quem é tal e qual
Homem civilizado, honesto, bom e lhano
Ah, se todo ser fosse a você igual!
.:.
.:.

Poema acróstico para o maior e melhor brasileiro de todos os tempos : Luiz Inácio LULA da Silva :

L ouvemos quem bem merece o mais pleno louvor:
U m homem simples, como as coisas boas da vida,
Í ntimo camarada, nosso irmão e amigo de valor,
Z elando sempre pelo bem da humanidade querida.

I nimigo dos maus, amigo dos bons, trabalhador
N ascido do povo que muito o ama e admira,
Á rvore de bons frutos, os de melhor sabor,
C onsciência plena de tudo que no mundo gira,
I magem perfeita do homem de si senhor,
O humano defensor de humana lira.

L uz de nossa gente, lutador incansável,
U m verdadeiro herói do povo brasileiro,
L úcido e consciente do mais admirável
A mor pelo ser humano e verdadeiro.

D igno e sincero, fraterno e muito humano,
A migo do povo, honesto e sempre lhano.

S eja o meu/nosso canto para te louvar,
I sso que a voz do povo já disse várias vezes:
L ula, o BraSil vive mais feliz só por te amar,
V itória da melhor sorte no número treze,
A fazer do brasileiro a humanidade a se ampliar.
::
Autor: Cláudio Carvalho Fernandes ( PoeTa anarcoexistencialista )
.:.
L uz do povo brasileiro,
U m digno e fiel lutador,
L astreando com real valor
A honra do BraSil inteiro.
.:.
L ula livrou 36 milhões da pobreza,
U m feito memorável, sem precedentes,
L utando contra a mídia venal, teve a certeza
A bsoluta de estar ao lado dos brasileiros conscientes.
.:.
L ivrando da miséria extrema 36 milhões de brasileiros,
U m feito sem igual, que, por si só, já bastaria,
L ula segue sendo no mundo um dos primeiros
A fazer de seu povo a eterna rima rica de sua poesia.
.:.

♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
* * * * * * * * * * * * *
* * * *
Por uma verdadeira e justa Ley de Medios Já pra antonti (anteontem. Eu muito avisei…) ! ! ! ! Lul(inh)a Paz e Amor (mas sem contemporizações indevidas, ou seja : SEM VASELINA) 2018 neles/as (que já PERDERAM, tomaram DE QUATRO nas 4 mais recentes eleições presidenciais no BraSil) ! ! ! ! !
* * * *
* * * * * * * * * * * * *
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏
:: 👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏
::

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!