VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Por 2 a 1, TRF-5 proíbe negociata armada por Parente sem licitação

05 de junho de 2018 às 11h17

Agências Brasil e Petrobrás

Da Redação

Nessa terça-feira (05/06),  4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) julgou a “venda”, sem licitação e a preço irrisório, da maior rede de dutos de gás de petróleo do Brasil.

A negociata de Pedro Parente e Ivan Monteiro foi derrotada por 2 a 1.

No texto abaixo, que publicamos antes do julgamento, o presidente da Frente Nacional dos Petroleiros (FNP) mostra a armação para saquear os cofres da Petrobrás.

por Adaedson Costa, especial para o Viomundo

Nesta terça-feira, a 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) julga um agravo de instrumento no qual está em jogo um patrimônio bilionário do Brasil: a venda, sem licitação e a preço irrisório, da maior rede de dutos de gás de petróleo do Brasil, que pertence a TAGTransportadora Associada de Gás, uma empresa controlada pela Petrobrás.

Resumidamente, assim, Pedro Parente (agora, ex-presidente) e Ivan Monteiro (agora, presidente e e-diretor financeiro da Petrobrás) colocaram a TAG à venda:

A alta lucratividade está assim descrita no teaser do negócio:

A TAG obteve no ano de 2016 lucro líquido de R$ 7 bilhões:

O insuspeito jornal O Globo noticiou assim o grande negócio:

“Com uma rede de cerca de 4,5 mil quilômetros de gasodutos que atravessam dez estados nas regiões Norte e Nordeste, a TAG é um negócio considerado de baixo risco e retorno garantido com base nos contratos existentes que são de longo prazo, dizem especialistas. Isso tem atraído o interesse de empresas nacionais e estrangeiras, completou a fonte.”
(em https://oglobo.globo.com/economia/quatro-grupos-estao-de-olho-na-tag-rede-de-gasodutos-da-petrobras-22466101)

É isso mesmo: 4.500 km de gasodutos, construídos com o dinheiro do povo brasileiro, serão entregues a preço de banana.

O “comprador” terá lucro garantido:

a) Vai comprar por US$ 8 bilhões –  valor equivale a apenas 4 anos de lucro da TAG! — a maior malha de dutos do país, recém-construída e de alta qualidade, operando com baixo custo de manutenção.

Ou seja, um valor irrisório pelo que representa.

b) Depois, alugará essa mesma malha de dutos para a Petrobrás por meio de um contrato de longo prazo com uma cláusula de “Ship-or-Pay”, ou seja, receberá por toda a capacidade de transporte da companhia, mesmo que não seja totalmente utilizada.

A Petrobrás já anunciou estar iniciando as tratativas finais para a entrega da TAG a uma empresa denominada Engie.

Trata-se de uma negociata vergonhosa, cuja finalidade exclusiva é saquear os cofres da Petrobrás.

As perguntas que se fazem, de maneira simples, direta e objetiva, são:

1)Por qua motivo a Petrobrás escolheu a Engie como comprador?

2) Se é para vender, o que impede que a venda seja feita mediante licitação, em busca do melhor preço?

Não fosse a completa ausência de norma legal a embasar a referida Sistemática, o fato é que a 14º Rodada de Licitações da ANP e 2ª Rodada de Licitações da ANP em Regime de Partilha de Produção são prova inconteste da lesividade das alienações feitas com base na malfadada Sistemática de Desinvestimentos e na falácia da alegada situação de penúria da Petrobrás.

Em resumo, essas duas rodadas comprovam:

1) Que a realização de leilões viabiliza a obtenção do melhor preço, ali um ágio de 1.500%.

2) Que a Petrobrás dispõe de capacidade de investimento de R$ 225 bilhões, o que desmascara a necessidade da venda TAG a preço vil.

Explico. Se 0,8% dos “investimentos previstos no Plano de Negócios e Gestão 2017-2021” montam a R$ 1,8 bilhão, a capacidade de investimento é relevada por simples conta: R$ 1.800.000.000,00 / 8 x 1000 = R$ 225 bilhões

3) Que o gigantesco campo de petróleo de Carcará foi entregue para a empresa norueguesa Statoil a preço vil em comparação com o preço pago por esta mesma empresa pela área Norte de Carcará:

O contraste é marcante:

a) A Petrobrás entregou o campo de Carcará, com reservas provadas e delimitadas, por US$ 2,5 bilhões, sendo que destes apenas 50% à vista e a Statoil vai ficar com todo o óleo e gás lá produzidos;

b) No Leilão da ANP, a mesma Statoil pagou pelo Norte de Carcará um bônus de R$ 3 bilhões e vai entregar à União 67,12% do óleo bruto.

c) Em relação aos demais campos que foram vendidos na 14ª Rodada, obteve-se um ágio de 1.556%!

Isto tudo prova que, em um processo licitatório digno deste nome, a Petrobrás com certeza obteria um melhor preço pelos valiosíssimos ativos que ofertou aos felizardos escolhidos a dedo pela atual da companhia.

Vale enfatizar que a licitação é um remédio que não possui contraindicações: previne doenças como corrupção, fraude e outros desvios assemelhados, e assegura a obtenção do melhor preço.

Ainda há tempo de salvar o patrimônio da Petrobrás de tamanho prejuízo.

É isso que a 4ª Turma vai julgar nesta terça-feira: o patrimônio do Brasil vai continuar sendo dessas tenebrosas transações?

Em tempo. Ivan Monteiro, na condição de diretor-financeiro da Petrobrás, foi o grande articulador da  “venda” (“doação” seria mais exato) de ativos para fazer caixa.

O mercado o reconhece como o comandante do programa de venda de ativos, a partir da posse de Podre Parente.

*Adaedson Costa é coordenador-geral da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP)

 

Leia também:

Petroleiros tentam no TRF-5 suspender venda da maior e mais nova malha de gasodutos do País

Apoie o VIOMUNDO

Crowdfunding

Veja como nos apoiar »

O lado sujo do futebol

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Entre os mais vendidos da VEJA, O Globo, Época e PublishNews. O Lado Sujo do Futebol é o retrato definitivo do que acontece além das quatro linhas. Um dos livros mais corajosos da história da literatura esportiva, revela informações contundentes sobre as negociatas que empestearam o futebol nos últimos anos. Mostra como João Havelange e Ricardo Teixeira desenvolveram um esquema mafioso de fraudes e conchavos, beneficiando a si e seus amigos. Fifa e CBF se tornaram um grande balcão de negócios, no qual são firmados acordos bilionários, que envolvem direitos de transmissão e materiais esportivos. Um grande jogo de bolas marcadas, cujo palco principal são as Copas do Mundo.

por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet.

Compre agora online e receba em sua casa!

 

2 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Julio Silveira

05/06/2018 - 20h35

Parece que alguns juridicos começaram a perceber que o objetivo desses golpistas e como o de qualquer golpista, se dar bem e nunca foi de fazer o Brasil soberano, nem menos corrupto, mas ao contrario. Mas também devem olhar para dentro de seus intestinos e ver o golpistas de curriola que se escondem lá para os mesmos fins e comemorar em Nova York.

Responder

Carlos Cleto

05/06/2018 - 18h24

O Tribunal na tarde de hoje (05/06) barrou a negociata e proibiu que a TAG seja vendida sem licitação. O placar foi 2 x 1; os Desembargadores Dr. Edílson Nobre e Dr. Rubens Canuto votaram contra a venda e o Juiz Convocado Dr. Leonardo Coutinho votou para permitir a venda.

Responder

Deixe uma resposta