VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias

Metroviárias de SP denunciam o programa Zorra Total


24/09/2011 - 22h37

da Secretaria de Assuntos da Mulher do Sindicato dos Metroviários de SP, sugestão do André





93 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Thais

31 de dezembro de 2011 às 17h52

A atriz que faz este quadro, Thalita Carauta, esteve, junto a outros convidados, no programa Sem Censura, da TV BRASIL, em 27/12/2011. Dá para assistir online: http://tvbrasil.org.br/semcensura/

A ABORDAGEM DA APRESENTADORA Leda Nagle, QUANTO ÀS CRÍTICAS ao quadro "humorístico" em que Carauta atua, foi ABSURDAMENTE SUPERFICIAL E ACRÍTICA (incomum à apresentadora). "Absurdamente" principalmente por se tratar de uma TV pública, inclusive conforme apresentação institucional:
"A TV Brasil veio atender à antiga aspiração da sociedade brasileira por uma televisão pública nacional, independente e democrática. Sua finalidade é complementar e ampliar a oferta de conteúdos, oferecendo uma programação de natureza informativa, cultural, artística, científica e formadora da cidadania." http://tvbrasil.org.br/sobreatv/

Cabe ao programa Sem Censura, sem dúvida, promover uma discussão crítica sobre a subestimação da violência sexista promovida por programas "humorísticos". Afinal, o objetivo é formação da/para cidadania.

Responder

Alvaro

24 de outubro de 2011 às 01h43

As reclamações de algumas pessoas aqui mostram a falta de educação e valores
recebidos em casa. É o Brasil de alguns desorientados que veem aberrações
como o quadro grotesco da globo e ainda acham que ele deve ser visto como
uma piada.

É simples. Convidem a irmã ou a mãe e vão passear de metrô. Vejam se elas vão
gostar das piadas. Os palhaços da globo acham graça porque não precisam pegar
metrô lotado para ir e voltar do trabalho.

Responder

Rômulo, agressor de Rhanna, tem habeas corpus preventivo negado | Viomundo - O que você não vê na mídia

23 de outubro de 2011 às 11h18

[…] Metroviárias de SP denunciam o programa Zorra Total […]

Responder

Custo do machismo no país de Rafinha Bastos: placas e pinos no braço porque disse não | Viomundo - O que você não vê na mídia

14 de outubro de 2011 às 21h09

[…] Metroviárias de SP denunciam o programa Zorra Total   […]

Responder

SPM sobre Zorra Total: Solidarizar-se com as mulheres não é pedir censura | Viomundo - O que você não vê na mídia

07 de outubro de 2011 às 00h23

[…] Metroviárias de SP denunciam o programa Zorra Total   […]

Responder

João Negrão: As duas mortes do Toni | Viomundo - O que você não vê na mídia

26 de setembro de 2011 às 18h15

[…] Metroviárias de SP denunciam o programa Zorra Total Violência contra as mulheres não é piada! […]

Responder

Zé das Couves

26 de setembro de 2011 às 16h35

Contar piada de português é "lusitanofobia", ou algo assim?

Responder

Zé das Couves

26 de setembro de 2011 às 16h31

Piada de papagaio pode?

Responder

Alexandre Felix

26 de setembro de 2011 às 12h17

Lendo alguns comentários acima, fico chocado em notar a dificuldade de alguns em se colocar no lugar de outros. Triste ver que falta muito para deixarmos a postura machista para trás. Muitos se voltam para o passado, o futuro para estas pessoas será uma grande frustração. Além do mais, meus caros, perder tempo num sábado a noite…assistindo Zorra Total é extremamente deprimente. Que tal convidar amigas e amigos para debater sobre esse episódio infeliz bebendo um choppinho?

Responder

Luci

26 de setembro de 2011 às 11h17

Sugiro ao Sindicato dos Metroviários de São Paulo e sua Secretaria da Mulher através do Departamento Jurídico que marquem um encontro-debate como a direção da emissora que exibe o programa, diretor do programa e com os intérpretes dos personagens, que reproduzem todos os sábados estereótipos preconceituosos e apologia à bolinação. Eles estão Ou eles que significa. A bolinação consiste em um indivíduo – geralmente do sexo masculino, esfregar -se propositalmente e de forma lasciva e com fim libidinosos em um indivíduo do sexo oposto. Quem acha graça na representação mencionada,, pode estar simplificando o "global" apontado na mensagem do Sindicato dos Metroviários: os indíces alarmantes e vergonhosos de violência contra a mulher que inclui estupros e assassinatos.A bolinação consiste em um indivíduo – geralmente do sexo masculino – esfregar -se propositalmente e de forma lasciva em um indivíduo do sexo oposto. Não nos tratem como idiotas onde está a ética e o humor ? Quem patrocina este modelo de pretensas piadas é co-autor da falta de ética e cidadania.

Responder

xicobarreto

26 de setembro de 2011 às 10h30

Sei lá. Uso o controle remoto.
Graças ao bom Deus faz um bom tempo que não assisto algo neste TV.
ET: apenas assisto aos jogos de futebol nos PFC´s da vida ou nos premiere,
Sou uma pessoa agraciada com o dom divino de saber o que é lixo.
Bilú tetéia.

Responder

    Mário SF Alves

    26 de setembro de 2011 às 13h22

    Olá, Xico. O problema é que essa e outras pérolas do PIG-mor, definitivamente, não foram "elaboradas" para pessoas como você. E é justamente aí que reside o problema: tais coisas destinam-se ao grande público, à massa, ao contraponto da Casa Grande, à senzala.

Neo-tupi

26 de setembro de 2011 às 03h40

Por causa deste comportamento e depois de muita reclamação, no metrô do Rio foi criado um vagão das mulheres (exclusivo para mulheres na hora do rush, quando andam lotado). O problema é grave e não tem graça nenhuma.

Responder

Luiz

26 de setembro de 2011 às 00h30

Não sei porque esse alarde todo com UM dos quadros do Zorra-Total… O programa não tem credibilidade informacional nenhuma, sem contar que é apresentado na globo, uma emissora que prima pela banalização da informação e os maiores níveis de audiência, independente do conteúdo mostrado. Sempre foi realmente a maior zorra e ninguém falou nada… Agora que está na moda essa defesa infindável às mulheres, todo mundo aproveita pra dar uma alfinetada… Sou contra o abuso, não às mulheres, mas a qualquer ser humano. Porém acho ridículo dizer que um quadro que não dura nem 10 minutos incentiva o estupro e blá blá blá…

Responder

alex

26 de setembro de 2011 às 00h22

Zorra total é a imagem da emissora que a produz.

Responder

Grazie

25 de setembro de 2011 às 22h44

Para quem ainda não sabe a piada sempre tem um conteúdo ideologico. Infelizmente ainda existem pessoas que acham que uma piada é só uma piadinha! Todo o movimento nazi-facista começou exatamente com piadinhas sobre as características étnicas dos não arianos. Lamentável que com tanta leitura de qualidade as pessoas se autorizem a postar o que "acham". Eu jamais opinarei sobre temas que eu não tenha estudado, mas este eu estudei e muito! Posso garantir que as gracinhas machistas são formas de criar e manter ideias sobre as diferenças de gênero, reforçando relações de dominação. Machismo e violência não tem graça nenhuma.

Responder

Paulo MArcel

25 de setembro de 2011 às 21h37

Ainda bem que eu não assisto a este lixo.
Zorra Total é o programa mais sem graça de todas as galáxias… Sempre foi!!!!
Inclusive Azenha, eu gostaria de pedir sua permissão para postar a carta em meu blog http://todeolhomalandragem.blogspot.com

Abraço

Responder

Roberto Locatelli

25 de setembro de 2011 às 21h19

Zorra total é lixo total.

Responder

Helena

25 de setembro de 2011 às 21h02

Eu simplesmente não assisto aos programas de humor da Globo. Faz muito tempo que perderam a graça. Sei que nem todo mundo tem a TV a cabo como alternativa, mas pelo menos pode-se tentar mudar de canal. Normalmente nesse horário estou na internet lendo os Blogues Sujos_o que acho muito mais divertido. E ao mesmo tempo me mantenho atualizada. É a melhor coisa a fazer…tirar-lhes a audiência. Não gostou? Não assista!

Responder

Abel

25 de setembro de 2011 às 20h46

Eu não assisto a esse lixo – nem a qualquer outro programa que faça uso de humor rasteiro com o intuito de menosprezar "diferenciados" (sejam ou não de minorias). E atacar dizendo que na Globo só tem v…. não contribui muito para o debate.

Responder

claudio

25 de setembro de 2011 às 20h22

É isto a Rede Globo!!!!!!!!!!
Ofender!!!
Fazer falsas denuncias!!
Partido de Imprensa Golpista!!!
E outros adjetivos!!!!

Responder

Marcio H Silva

25 de setembro de 2011 às 19h13

Éa censura, cacete!
Estamos vivendo um momento impar de nossa "democracia" onde se discute o marco regulatório, que não fala em censura. E o povo aqui concordando em censurar um programa humorístico? estão querendo dar chance para o azar?
Quem viveu o regime militar e conheceu o AI-5 sempre será contra a censura. Chico Buarque muito censurado, uma vez perguntado o que achava da censura, respondeu: nada contra, quando vou lá, a sala tem ar condicionado, me servem agua e cafezinho e me tratam muito bem. Inteligente o cara, e por isso muito respeitado naquela época.
Tudo tinha que passar pela censura, musica, filme, livros, revistas.
Não quero reviver os tempos de PASQUIM onde todos foram presos no quartel de deodoro por mais de trinta dias, e a publicação editada por jornalistas amigos.
Não quero ver artistas e ou cidadãos tendo que viver no exílio forçado ( não foi o caso do serra, porque todos sabem que ele fugiu ).

Responder

    Marcio H Silva

    25 de setembro de 2011 às 19h14

    Cont.
    Não quero ver alunos do CEFET-RJ, como eu, que tiveram que conviver com pessoal do SNI nos seus calcanhares, monitorando todos os nossos movimentos dentro da escola.
    Quando Dilma, foi destratada no JN na campanha, e ela é mulher, nenhum movimento feminista ou não fez ou falou algo contra a atitude do JN.
    Agora pergunto: o problema da bulinação existe, correto? porque as metroviárias de SP não fazem uma campanha para melhorar o serviço de transporte do metro em sua cidade, utilizando a claque do programa como denuncia? estão com receio do patrão, no caso o governo de são paulo? porque uma reclamação desta é que irá denunciar o problema e alertar a população para termos um sistema de transporte condizente com o valor dos impostos pagos. Censurar o programa não vai resolver o problema.

    Preto Velho

    25 de setembro de 2011 às 22h15

    Uma coisa é censura, outra é apologia ao abuso sexual.

    Marcio H Silva

    26 de setembro de 2011 às 00h23

    Então temos que acabar com o desfile de escolas de samba no Brasil.

    Filipe Raslan

    25 de setembro de 2011 às 22h59

    Olá, Márcio.
    Muito bom você ter falado de censura aqui no site. Os blogs têm cumprido um papel muito importante de divulgar situações e fatos que não são cobertos pelos grandes conglomerados de impressa. Trazer para o debate esse "humor" do Zorra Total é um mérito muito grande para o Azenha e para a Conceição que tocam esse blog. Você reclama que os Metroviários não fazem uma campanha para melhorar as condições do Metrô, mas é exatamente isso que eles estão fazendo. Fazem uma campanha para melhoria do metrô e denunciam esse "humor". Bastaria você ir ao site dos metroviários para ver o panfleto.
    ALIÁS, acho problemático os moderadores do blog VIOMUNDO também praticarem CENSURA, ou pelo menos EDIÇÃO, do material distribuído pelos METROVIÁRIOS de SP. No site do Sindicato pode-se encontrar o conteúdo integral de quem produziu e quem apoiou o material. Fala-se aqui no blog de tucanos, petistas e não se divulga que o Movimento Mulheres em Luta, a Oposição Bancária de SP e Secretaria de Mulheres do PSTU apoiam o conteúdo do panfleto. Por que o Blog cortou exatamente a assinatura do panfleto e os apoios? Por que o Blog não colocou o panfleto completo??? Estranho, muito estranho.

Sergio

25 de setembro de 2011 às 17h55

Sugiro não perder tempo gastando pérolas com os porcos de mente retrógada e filhos de chocadeira. Melhor mesmo é que todos os que condenam quadros "humoristicos" como esse do ZORRA, demonstrem sua insatisfaçao, enchendo de e-mails os canais de contato da rede globo e de qualquer grande veiculo de midia do País. A melhor maneira de combater esses programas com suas piadas nojentas é expor a sua insatisfação. Não percamos tempo em argumentar com os adoradores de Bolsonaro e filhos de chocadeira. Protestem já…!!!

Responder

Geysa Guimarães

25 de setembro de 2011 às 17h51

Desconhecia, bom que o André veio informar.
Mais um programa que comprova a transformação do padrão global em Padrão FECAL.
Decadência total – e sem elegância.

Responder

Humor, política e preconceito: Por que a traição sofrida por FHC não foi para o Zorra Total? | Maria Frô

25 de setembro de 2011 às 15h48

[…] 2011 by mariafro Hoje no facebook entre os vários debates, a leitora Solange Fagá questionou a nota de protesto das Metroviárias contra o programa Zorra Total que fez piada com a violência contra a mulher. Para Solange Fagá as pessoas como eu e as […]

Responder

Maristela

25 de setembro de 2011 às 15h44

E há ainda quem ache que discutir violência de gênero é coisa ultrapassada. Uma passada de vista pelos textos mostra o quanto nossa sociedade precisa evoluir no que diz respeito ao direito das mulheres. O argumento " e se sua irmã…" a meu ver é muito raso. Não é preciso ter irmã, namorada ou ainda pensar na mãe para indignar-se com a violência contra as mulheres. Esta violência cotidiana, hipócrita, fruto de uma sociedade desigual, parte também do princípio de que nós, mulheres, precisamos que os homens nos defendam, nem que para isto precisem pensar na mãe, irmã, namorada e por aí vai… Nós temos força prá reinvidicar nossos direitos e se o apoio dos homens é super bem vindo, não é com argumentos deste tipo. Francamente…

Responder

Rafael

25 de setembro de 2011 às 15h27

Amigos. Não sou do tipo que ri da desgraça, e tampouco pretendo julgar sob meus parâmetros morais o quadro do zorra total. O que quero dizer é que temos que tomar cuidado antes de ficar pedindo a proibição do que fere seus princípios. A globo tem que pagar pelo que de fato ela ela comete de crime. Dentre estes se incluem as publicações de matérias que achincalham pessoas que não a agradam, está o crime da transmissão do futebol brasileiro, que ela interfere no calendário, na escalação dos juízes, está suas relações com os escândalos do governo de sp, tão suspeitamente acobertados pelas operações abafa quando estouram na Assembléia e nunca viram CPI. Acho que tudo isso, dentre outras coisas, têm que ser apurado e julgado publicamente. Mas, daí a passar a proibir artistas de fazerem seus quadros de humor à maneira deles, já não corresponde com os interesses de liberdade a que estamos lutando. Se o problema da violência do transporte público subjuga a mulher, ele acontece muito antes deste quadro do zorra total surgir. As metroviárias tiveram todo tempo pra fazerem alguma ação de combate, e eu, como usuário do transporte público e do metrô nunca me deparei com uma ação afetiva de combate a essa violência, assinada pelo sindicato. Esse quadro humorístico só existe porque a violência existe e não o contrário. Precisamos a todo tempo de governos e sindicatos que combatam a violência contra as mulheres Porém, não se combate uma mazela social em detrimento de uma liberdade de expressão. Se o sindicato quer agir com radicalidade, tem que ter a clareza de agir na raiz do problema, caso contrário, suas medidas não passarão de tentativas de censura.

Responder

Antonio

25 de setembro de 2011 às 15h25

O que as mulheres precisam fazer é criar uma situação em que as pessoas ao redor percebam e reajam ao que está acontecento, pois nínguém que seja sano gosta dessa situação. Então, precisamos sair da passividade e colocar esses sujeitos em seu devido lugar e depois entregá-los à polícia. Veremos que rapidamente os espertos desaparecem, com medo de levarem uma boa sova da coletividade. Temos, como cidadãos, que repudiar esses programas, mas também precisamos reagir, para que haja um maior controle desses doentes sexuais que agem livremente. Não estou aqui propalando a justiça com as próprias mãos, mas sim um maior controle pela sociedade desses sociopatas sexuais, pela segurança de todas as mulheres. Eu não ficaria quieto ao me ver diante de uma situação dessas.

Responder

Raphael Tsavkko

25 de setembro de 2011 às 15h10

Zorra total é o fim da comédia, nojento!

Responder

Silvio I

25 de setembro de 2011 às 14h06

Isso passa por ver TV, e em ela programas de pouco valor feitos para entreter e parece sem outras intenções. E ai onde nos enganamos a traves de isso vai instruções subliminares, que vão formando o deformando o caráter das pessoas. Não só esse caso aqui pranteado.Acaba de ocorrer um assassinato por parte de um menino de 10 anos a sua professora.Porque ocorreu isso porque ele esta vendo isso todos os dias na TV, e os jogos eletrônicos que não presta si ele não consegue matar uns 20 por dia o mais.Também não chama atenção que a policia invada minha casa a noite, o de dia sem ordem judicial, coloca a bota na porta a derruba e entre principalmente si Eu fosse negro,ou pobre.Pois nos filmes que todos os dias passa na TV ocorre isso.Todo isso tem sido feito com segundas intenções, e uma de elas e que as pessoas tenham o conceito que isso e o certo.Desta forma se preparam os povos para serem escravos de alguém.Passam a não ser homes livres.si não dominados. O programa da CHUXA que comandou durante muitos anos, e ela não e a culpada, ela foi o médio de deixar sem raciocínio toda uma geração de garotos, que não estudavam, mais ficavam fascinados pelas cozinhas bonitinhas, que ela apresentava, inclusive chegando em uma nave espacial. Os culpados não estavam frente as câmaras,estavam escrevendo seu roteiro.Tem muito mais.Agora vocês tirem suas conclusões.

Responder

Segio R. Dias

25 de setembro de 2011 às 13h34

Isto é a cara da rede bobo! O que diga-se de passagem não assisto a anos. O baixo nível virou referência nesta emossora. Recomendo aos amigos a fazerem como eu, não assistam a rede bobo!

Responder

Luiz

25 de setembro de 2011 às 13h12

O que é "Zorra Total"?

Responder

Luci

25 de setembro de 2011 às 12h55

Submeter à humilhação de todo sábado as mulheres ouvirem a mesma mensagem é opressão e humilhação, não é humor. Graça é respeitar o outro, é entender as graves questões sociais deste país com origem na exclusão e preconceitos.Qual é o público alvo: As piadas são para os agressores que agem nos transportes públicos, o Ministério Público tem conhecimento da graça que violenta?

Responder

Gustavo Pamplona

25 de setembro de 2011 às 12h52

Eu quando olho estes artigos aqui eu só penso… "Oh… em que ponto vamos chegar, levar piada a sério"

O pessoal aqui adora criticar o CQC por causa do Rafinha Bastos por causa de piadinhas e alguns até… pasmem… acham o programa homofóbico… mas se esquecem que foi este programa que denunciou a sociedade aquele deputado homofóbico chamado Jair Bolsonaro.

E provavelmente nem sabem que o Marcelo Tas tem uma filha lésbica e que estuda nos EU, é um dos mais ferrenhos apoiadores da causa LGBTT e o CQC e o "A Liga" do Rafinha Bastos são os poucos programas na TV brasileira que defendem a causa.

Outra coisa, esta semana testemunhei um "absurdo" aqui no blog quando falei do programa do Caco Barcellos, "Profissão Repórter" e falei que o "A Liga" da Band dava de 10 a 0, notei que o pessoal aqui defendeu um programa da Globo?
https://www.viomundo.com.br/voce-escreve/edu-guim-

Eu pergunto: Será que eu estou tendo problemas? Ou conforme eu venho dizendo já faz tempo aqui que ando notando que vocês não estão batendo muito bem? Defender um programa da Globo?

Um comentarista de nome "cass" me respondeu dizendo que odiava o "A Liga" por causa do Rafinha e das grosserias que ele diz no CQC e falou dos "guris de classe média alta que adoram mostrar que sabem falar inglês"

Bom.. eu te respondo meu amigo: Diferentemente de outros programas na TV nenhum deles é filho de alguém famoso e ninguém era "conhecido" antes do programa, com exceção do Felipe Andreoli, cujo pai o Luiz Andreoli trabalhou em algumas TV's e é claro o Marcelo Tas.

Todos vieram do sub-mundo da comédia stand-up (em pé) de São Paulo e a única mulher do programa, a Monica Iozzi (e que era totalmente desconhecida) entrou via concurso aberto para a escolha do 8° Integrante em 2009.

E sobre a língua inglesa, bom…teve até o Renato Lira que chegou a me chamar de "colonizado" somente porque eu respondi em inglês (bom… eu estava a fim de provocar mesmo!), então eu te pergunto:

Você chamaria o Luiz Carlos Azenha de "colonizado" também? E olha que o Azenha estudou e morou nos EUA na época quando era estudante, quando foi correspondente, etc.

Amigo… se você não sabe inglês hoje você está "morto" já que não vai conseguir um emprego "decente" e dificilmente vai conseguir se comunicar com alguém de fora do país.

E outra coisa: Porque será que as pessoas ainda consideram o inglês lingua apenas de um país? Amigo… é a língua do mundo.

Procurem um psicólogo, um psiquiatra, vão se tratar….

Responder

Flor

25 de setembro de 2011 às 12h41

Vamos colocar nos seguintes termos, já q nem td mundo tem mãe, irmã, namorada, amiga, ou esposa; e ainda existem vários q msm tendo, não estão nem aí.

Se outro homem se aproveitasse do aperto do metrô para estacionar atrás de vc esfregando a genitália em suas nádegas, seria engraçado?

Responder

    carioca

    25 de setembro de 2011 às 20h27

    Eles fazem essa chanchada de 5ª, porque só tem viado nesta por…..a de emissora!!!

Luci

25 de setembro de 2011 às 12h34

A Rede Globo e o diretor do Programa Zorra Total Maurício Sherman, devem uma explicação à sociedade, sobre qual é o objetivo deste quadro que diz todos os sábados que a mulher (caracterizada como horrorosa) feia, deve aproveitar o momento que homens lhe bolinem, dentro do Metrô! Tem razão o Sindicato dos Metroviários.Pegar um trem do Metrô, a pessoa fica exposta àquele comportamento dos homens?
Como é possível justificar mensagem grotesca de baixo nível.Os homens também devem repelir o tal quadro, é hora de nos sensibilizarmos com as questões que incentivam a violência, o mundo está em convulsão, pelo desrespeito a dignidade humana, pela globalização do capitalismo que desqualifica quem não tem dinheiro.Piada que desqualifica mulheres que utilizam transporte público de massa, expõe que nossa sociedade precisa repensar valores humanos essenciais a uma convivência de respeito e solidariedade, e reconhecimento de que todos nós somos responsáveis pela utilização e respeitabilidade do que é público, portanto a mensagem é equivocada e de má fé.

Responder

Luiz Fernando

25 de setembro de 2011 às 12h26

Não gente isto tá indo longe demais, não é assim não, será que existe uma pesquisa sobre bolinação no metro são paulo? Se tiver não vai ser a a maioria das mulheres que são bulinadas! Estamos entrando em histeria chega de medo!

Responder

    Carina

    25 de setembro de 2011 às 13h06

    Ah, e é vc, um homem, quem sabe nos dizer…

Ivonete

25 de setembro de 2011 às 11h05

O quadro do programa não só estimula, como minimiza o abuso contra mulheres. É um lixo total.

Responder

Luci

25 de setembro de 2011 às 10h39

Arcaico, sem graça e desrespeitoso com as Mulheres e com a sociedade que tem altos indices de violência contra a mulher. Piada que retrata a falta de educação cidadã.´E o fim do humor, onde determinados artistas reinventam o desrespeito à dignidade humana, demonstrando o atraso da educação deste país, que não educa para a Cidadania.
Parabéns ao Sindicatos dos Metroviários e ao Sindicato de Mulheres, temos o direito de exigir comportamento da mídia em defesa de nossos direitos.
O que tem graça e dá lucro hoje é a demonstração de que estamos involuindo no respeito aos Direitos Humanos.
E o Ministério dads Mulheres a Secretaria das Mulheres já emitiu o Ministério

Responder

Hélson

25 de setembro de 2011 às 10h30

Todos os questionamentos giram em torno da questão do quanto sugestionáveis somos nós brasileiros. Porque tal piada representa perigo quando alguns de nós NÃO conseguimos entender o quanto aquilo é nocivo na vida real e nos aproveitamos da exposição na TV para considerarmos isso "normal" e até praticar! Aqui no Brasil, onde temos um histórico de dominação e hipnotismo televisivo aliado a deficiência da nossa EDUCAÇÂO pública, essa preocupação se justifica. Só discernimento e saúde mental razoável podem evitar que uma piada de HUMOR- NEGRO se torne uma arma contra a sociedade. Saúde mental é uma questão mais delicada, mas discernimento só se consegue com EDUCAÇÃO. Senador Cristóvão Buarque é quem sempre teve razão!

Responder

JOSE DANTAS

25 de setembro de 2011 às 10h01

Deixar de sofrer abuso dentro dos trens é mais difícil, agora o Zorra Total só depende do "controle", como sugeriu uma grande mulher outro dia. Aliás, eu nem sabia que ainda existia esse programa e agora essa matéria me deixa curioso, apesar de indignado.

Responder

Klaus

25 de setembro de 2011 às 10h49

Se "O Médico e o Monstro" fosse escrito hoje no Brasil, o Conselho Federal de Medicina entraria com uma representação contra os autores. Os chatos herdarão a Terra, certamente.

Responder

    Elton

    25 de setembro de 2011 às 10h42

    De acordo com sua lógica, fazer piada com a sua ignorância pode, né?

    Marcos C. Campos

    25 de setembro de 2011 às 13h46

    o cara compara alhos com bugalhos e acha que tem lógica o argumento.
    "o médico e o monstro" é uma obra de ficção que mostra dois lados do ser humano, portanto tem fundo, vamos dizer assim, psicológico. Mas, as tais "piadas" , DESQUALIFICAM, um grupo social, para não dizer que incentivam tais "abordagens". Ridículo tais tipos de humor. O fato é que estão perdendo a criatividade e apelando para a imbecilidade.

    Ricardo JC

    08 de outubro de 2011 às 17h42

    Olá Marcos

    Concordo plenamente com sua colocação. Só gostaria de fazer um adendo. As tais piadas desqualificam (muito bem colocado), um grupo social e "banalizam" tais abordagens, que é muito pior do que incentivar. Quando há incentivo, se colocar contra ou a favor é uma posição respeitável. Quando há banalização, se colocar contra é ser apenas chato. A banalização desta situação, como se fosse aceitável que ela seja (e é) corriqueira, é muito grave. Não entender isto é simplesmente, em minha opinião, olhar o mundo do avesso.

    Fran

    25 de setembro de 2011 às 11h35

    A tua visão assim como a visão do tal Allan reflete a opinião de uma parte de telespectadores infelizmente.Há poucos meses uma piada infeliz do "humorista" (um cara sem graça,forçado na minha opinião) virou polemica pois a tal piada dizia q as feias tinham que agradecer por terem sido estrupadas e ainda teve muita gente que saiu em defesa do tal Rafinha ,que isso seria coisa dos politicamente corretos coisa e tal,quer dizer,parece que há uma inversão de valores,daqui a pouco nós vamos ter que pedir desculpas por defender os direitos das pessoas a terem um minimo de dignidade e respeito.Onde nós vamos parar desse jeito?Quanto ao "O médico e o monstro" é uma obra de ficção,nada tendo haver essa comparação.

    El Cid

    25 de setembro de 2011 às 13h20

    Resumo

    Sr. Utterson, o advogado, Dr. Henry Jekyll, o médico, e Edward Hyde, sem profissão definida, são as três pessoas envolvidas diretamente na trama novelesca, no mistério da obra.

    O que teria levado Dr. Jekyll, homem recatado, elegante, de finas maneiras, a proteger, até depois de sua morte, Edward Hyde, um criminoso de feições grosseiras e hábitos estranhos e assustadores?

    O que acontecerá com Sr. Utterson, o advogado de Jekyll, ao receber das próprias mãos do médico um testamento, nomeando Hyde como único herdeiro? De onde teria surgido essa criatura, de passado desconhecido e de presente comprometedor?

    Se ele é aquele que se esconde, eu serei aquele que procura.

    Segundo as teorias de Dr. Jekyll, o homem, na verdade, não é apenas um, mas dois. Todo ser humano é dotado de duas naturezas completamente opostas equilibradas de acordo com sua saúde mental. Uma é boa, aquela que traz admiração das pessoas, compaixão dos mais velhos, elogios dos amigos e da esposa ou namorada; outra é má, aquela que é violenta, agressiva, mal-educada, feia e temida por todos. Quando bem distribuídas, com pequenas alternâncias de estado, o homem pode ser considerado normal, mas há os casos em que uma natureza se sobrepõe a outra, tentando se libertar. O problema torna-se grave quando quem alcança a liberdade é o lado negativo, gerando as fatalidades que estamos acostumados a presenciar nos noticiários.

    Com base nessas idéias, o médico e cientista, Dr. Jekyll dedicou anos de estudo em busca de uma fórmula que fosse capaz de trazer à tona a natureza má do ser humano. Enfim, ele conseguiu.

    O livro tem início com a presença de Sr. Utterson, o advogado de Dr. Jekyll, caminhando pelas ruas silênciosas de Londres ao lado de seu parente, Sr. Richard Enfield, a quem ele narra os estranhos acontecimentos envolvendo uma porta e uma figura misteriosa. Ele diz que presenciou o momento em que um homem de aparência detestável, que andava a passos largos, atropelou uma criança que vinha em sentido contrário, deixando-a aos berros na calçada. Após perseguido e trazido ao local do acidente, o monstruoso homem, que se chamava Hyde, disse que estaria disposto a pagar pelos prejuízos causados à família da menina. Não acreditando na afirmação daquele sujeito horrendo, Sr. Utterson foi com ele até uma estranha porta e ficou estarrecido quando recebeu um cheque com fundos. A narração termina com a promessa de Sr. Utterson em realizar uma pesquisa sobre o Sr. Hyde a todo custo.

    Para deixar o advogado ainda mais confuso a respeito do último acontecimento, ele recebe uma notificação de Dr. Jekyll, um respeitado e admirado médico, favorecendo em seu testamento, em caso de desaparecimento, ninguém menos que Dr. Hyde. A partir desse ponto, o médico começa a se isolar em seu quarto, deixando de lado todos os seus conhecidos, enquanto o advogado passa a acreditar em seqüestro, chantagem e até mesmo assassinato envolvendo o amigo. As piores hipóteses passam a adquirir sentido quando Sir Danvers Carew, um velho rico e tranqüilo, é assassinado de forma brutal, sob os olhares de uma criada do alto de uma janela. Após a descrição da moça, Dr. Hyde se torna o maior suspeito do crime, passa a ser perseguido pela polícia local e desaparece sem deixar vestígios, no mesmo instante em que Dr. Jekyll ressurge na sociedade. A partir desse ponto, o leitor ainda irá encontrar muitas surpresas até a revelação final, quando o espesso nevoeiro londrino irá se dissipar.

    Numa linguagem bem acessível, O Médico e o Monstro inspirou diversos autores na construção de suas obras, gerou alguns filmes, principalmente os que envolvem dupla personalidade, e até um personagem dos quadrinhos. Robert Louis Stevenson conduz essa trama como se fosse mais uma aventura gótica do detetive Sherlock Holmes, de Conan Doyle, deixando pistas e intrigando ao mesmo tempo em que suas descrições perturbam o leitor desacostumado com o gênero. Dr. Hyde é apresentado como uma pessoa de aparência negativa e curiosa, dando a impressão que se trata de uma criatura deformada, mesmo não sendo. Sua baixa estatura, sua palidez mórbida, seu sorriso desagradável e voz medonha, tudo se definia nas assustadoras palavras de Sr. Utterson: pobre Sr. Jekyll, se alguma vez vi a marca de Satanás num rosto, foi no de seu novo amigo.

    Cesar Constantino

    25 de setembro de 2011 às 15h50

    Esta comparação que vc fez é uma tremenda bobagem! Nem vou entrar no mérito da questão quanto ao fato do clássico de Robert Louis Stevenson ter sido escrito em outro contexto histórico. O fato é que o Conselho Federal de Medicina não entrou com nenhuma representação contra a série "House", por exemplo.
    O que está em jogo aqui é a violência simbólica de gênero, contra um grupamento social historicamente minoritário em termos de auto-empoderamento.
    Esta tua mentalidade de senso comum não alcança a complexidade do assunto.

    Jumper

    23 de outubro de 2011 às 16h16

    Pois é Klaus, logo logo, teremos um comitê de verificação de obras artistas…para "inibir" quem faz piadas contra gordos, louras, mulheres, homossexuais, velhos, crianças…e também contra qualquer espécie animal…Vai ser difícil fazer homor….pois os "politicamente corretos" vão estar patrulhando tudo e todos….não basta apenas se aparelhar o estado mas vigiar a "todos" com uma KGB à brasileira….

Helena Novaes

25 de setembro de 2011 às 09h40

Fácil falar pra quem não passa aperto dentro do metrô lotado. Não tem exagero nenhum nisso.
Nós não gostamos de homens roçando na gente dentro do metrô. Se você gosta, bom proveito!

Responder

Robinson Dias

25 de setembro de 2011 às 07h51

E ontem nesse mesmo programa vi aquele quadro que eles ridicularizam a Dilma e o Lula.

É nítida a campanha que já esta sendo tramitada contra o governo brasileiro ai nessa emissora. Afinal, existe 3º turno das eleições?????????? Que tal um quadro ali brincando com o Picolé de Xuxu??

Responder

    Fabio SP

    26 de setembro de 2011 às 16h50

    Ah… bons tempos em que se gozava só do FHC nos quadro humorísticos. Não tinhas esses "patrulheiros" para encher o saco…

    cronopio

    27 de setembro de 2011 às 11h18

    Acho que você tem saudades de outros tempos, né, Fabio SP? Quando o cassete zunia gostoso no lobo de subversivo, né, Fabio?

    Marcelo Duarte

    09 de outubro de 2011 às 10h35

    É verdade.

    Zuar o FHC pode, o lula e a dilma, nao pode.

    Esses esquerdistas sao doentes.

Marcio H Silva

25 de setembro de 2011 às 02h42

Erro de estratégia. Se tem a piada e é denunciada no programa de homorismo, de forma humoristica, é porque o problema existe e o movimento deveria utilizar o programa como denuncia e não querendo censurá-lo. Costinha se tivesse vivo não ia ter como ganhar a vida. O Humor, desde que me conheço por gente utiliza as nuances, diferenças, caricaturas de uma sociedade para fazer humor, que também é uma forma de denuncia. Estamos nos transformando em que tipo de sociedade? depressiva e falsa moralista?

Responder

    Marcio H Silva

    25 de setembro de 2011 às 02h43

    E quem acompanha o blog sabe que odeio a rede globo.

    Magali Pedro

    25 de setembro de 2011 às 10h15

    "o movimento deveria utilizar o programa como denúncia e não querendo censurá-lo"

    Como, na sua opinião, isso poderia ser feito, Marcio? O que você sugere?

    Marcio H Silva

    25 de setembro de 2011 às 18h22

    Utilizar o programa como exemplo. Taí o problema existe, tanto existe que faz parte de um programa de televisão. Não ´pe censurando o programa que o problema vai ser resolvido e os tarados vão deixar de fazer o que fazem em público. Não entendo termos lutado tanto contra a censura e agora vejo uma porção de gente aqui querendo a censura de volta. Temos casos piores no jornalismo dos PIGs e não vemos nenhum movimento social ou de classes solicitar nada. Temos que usar a inteligencia para combater o mal não a censura a programa de humor.

Allan Erick

24 de setembro de 2011 às 23h00

Nossa quanto exagero! Ninguém pode mais fazer nada nesse país…fazer brincadeira com Gay ou defender a legitimidade do movimento orgulho hétero é ser homofóbico, chamar alguém de "negão" é ser racista, criticar o estado de Israel é ser "antissemita", criticar a bandidagem é fazer "apologia à violência", e por aí vai. Essa nossa "democracia" está mesmo fora de controle…

Responder

    ana maria santeiro

    25 de setembro de 2011 às 01h11

    me desculpa, mas não concordo. achar que a mulher tem que aproveitar a bolinação porque ela "não está podendo" é o cúmulo do incentivo ao abuso. E uma visão distorcida de que a mulheres feias teriam que agradecer por serem estupradas como já falou outro humorista. Estou com as metroviárias. Quero ver se um homem começar a te bolinar se você vai achar bom.

    Arlequim

    25 de setembro de 2011 às 04h16

    Sim, o maior exagero memso! Daqui a pouco vamos estar tratando a todos com dignidade e tolerância. Tremendo exagero, não acha?

    WitchDoctress/SP

    25 de setembro de 2011 às 04h48

    Que pena que há quem perca a excelente oportunidade de não se pronunciar em blogs como esse. Violência contra a mulher e desrespeito aos direitos humanos jamais terão graça! Pessoas como você estão fora de moda, pra dizer pouco! … Todo o meu apoio às metroviárias e a todas nós, mulheres que, ao contrário do que pensam alguns "super bem-humorados e irreverentes", merecemos ser tratadas com todo o respeito! O corpo de uma mulher é dela, ok?! Só chegue perto com consentimento!

    Sérgio

    25 de setembro de 2011 às 08h37

    Ninguém mais pode achar-se ofendido por uma piada? Logo aparece quem acredite nos exageros….
    Me pergunto como reagiria o Allan, se ele, acompanhado de uma amiga, dentro de um vagão lotado, percebesse nela desconforto por ser 'bolinada' por um gaiato que ainda fizesse dele, uma piadinha.
    Allan, te usei como exemplo mas isso acontece todo dia. E com a mãe, a irmã, a amiga de um monte de gente. Não acredito e nem desejo que vc passe por um constrangimento assim.
    Pra terminar, ja presenciei em pelo menos dois casos de defensores da piada, uma reação muito mais violenta do que este protesto no jornal. É que a gente tende a só entender o calo alheio, quando coloca o sapato apertado do outro.

    El Gordo

    25 de setembro de 2011 às 09h05

    Sr. Allan Erick, com todo o respeito: vá carpir um lote, seu hipócrita.

    Will

    25 de setembro de 2011 às 09h26

    Caro Allan, vc é casado? Tem uma uma filha? O que vc falaria pra ela se ela sofresse esse tipo de abuso? Falaria que ela está exagerando?

    Conceição Lemes

    25 de setembro de 2011 às 10h00

    Allan, vc é filho de chocadeira? E a tua irmã, namorada ou esposa, filha? Se uma delas tivesse de enfrentar o inferno dos metrôs de São Paulo de manhã ou no final da tarde, vc mudaria se opinião. Eu sei o que é andar de metrô, ônibus e lotação em horários de pico. Por isso, pra mim, quem faz "humor" em cima de uma situação como essa, a mãe não é séria. É um idiota, estúpido, canalha, como a piada.

    Klaus

    25 de setembro de 2011 às 10h32

    Vocês da esquerda se acham mais inteligentes que o povo, estes estúpidos iletrados. Assim, como o povo estúpido não sabe diferenciar um quadro de humor da realidade, vocês, os iluminados, os guias do povo estúpido, as lideranças, têm que defender este povo, que é incapaz de saber o que é representação e o que é realidade. Se for contra a Globo, melhor ainda. São vocês das esquerdas que tratam o povo como idiotas. Ah, antes que pergunte, tenho mãe, noiva e amigas, e um quadro como este não piora e nem melhora a vida delas. Nenhuma mulher vai ser ou deixar de ser bolinada por causa do quadro do Zorra Total (péssimo, por sinal).

    silvio

    25 de setembro de 2011 às 10h59

    tu é bobo ou se faz?

    El Cid

    25 de setembro de 2011 às 11h09

    então, "Herr Rechte Getarnt", deixou claro sua posição ideológica? ótimo saber que você saiu de cima do muro !!

    ah, quanto ao seu sentimento da ignorância e da falta de instrução do povo, é notório: a diferença é que os esquerdistas tem defeitos visíveis…

    já a sua turma da direita…

    Mário SF Alves

    26 de setembro de 2011 às 13h40

    El Cid,
    Sem desviar a atenção do tema, que é realmente importante. Mas, só para não perder o foco, não seria o caso de dar crédito e responder à altura o "Vocês da esquerda se acham mais inteligentes que o povo, estes estúpidos iletrados. Assim, como o povo estúpido não sabe diferenciar um quadro de humor da realidade, vocês, os iluminados, os guias do povo estúpido, as lideranças, têm que defender este povo, que é incapaz de saber o que é representação e o que é realidade." exposto pelo "Santa" Klaus? Mesmo porque, afinal, o que é que o Klaus entende de esquerda?

    El Cid

    26 de setembro de 2011 às 18h11

    é verdade, Mário… eu sou exigente demais com os trolls !!!

    Raphael

    25 de setembro de 2011 às 12h00

    Entendo que o povo (ou melhor, todos nós) tenha capacidade de discernir a ficção da realidade, muitos entendem o contrário, mas isso certamente não possui relação com a orientação ideológica do sujeito. Obviamente esse não é o foco do assunto. A questão é a seguinte: o desrespeito à mulher, ou à sua liberdade sexual, pode ser objeto de piada?

    Rute

    25 de setembro de 2011 às 14h51

    Ora meu amigo qdo fala que esse tipo de piada não vai incentivar esse tipo de prática está enganado. Infelizmente no nosso país o acesso a "educação" para a massa é através da mídia e isso inclui programas desse tipo.
    Pode até não aumentar as ocorrências por isso mas com certeza induz a achar normalzinho, normalzinho. O povo meu caro é idiota sim, haja vista os governantes que elegem.

    Antonio

    25 de setembro de 2011 às 15h13

    Ô Bobão, não tem nada a ver se somos de esquerda ou de direita. A questão é a dignidade e a segurança da mulher. Já pensou o que você faria se tua mulher de direita fosse bolinada severamente no metrô e você estivesse ali ao lado? Você gostaria que um programa de televisão idiota ou um pretenso humorista idiota, através do humor, ratificasse esse comportamento? É porque é isso que o humor idiota faz e ele é usado para isso, para a banalização de situações que se queiram banalizar. Você alguma vez pensou nisso? Se colocou no lugar dessas mulheres. Idiota.

    Mário SF Alves

    26 de setembro de 2011 às 13h32

    Antônio, perfeito, cara. Você tem toda a razão. De fato, não é o enquadramento/dicotomia direita x esquerda que determina tal questão. E, de mais a mais, é muito provável que as parentes (se é que as tem) de quem motivou sua resposta nunca, jamais usou ou teve o pesadelo de estar usando metrôs, seja o de SP, do RJ, ou o do raio que o parta.

    Luciana

    25 de setembro de 2011 às 14h36

    Sabe o que é mais engraçado, Conceição? é que só quem acha graça em violência contra a mulher, só quem acha que é perseguição aos humoristas, só quem acha graça em piada de estupro, só quem acha que a "democracia está fora de controle" são os homens (ou quem se acha homem…), os causadores dessas desgraças todas e justamente quem jamais será vítima delas.

    Brasileira

    25 de setembro de 2011 às 17h10

    Luciana quem são os homens que desrespeitam as mulheres brasileiras? Porque desrespeitam?

    Rodrigo Leme

    25 de setembro de 2011 às 23h30

    É verdade Conceiçlão, devemos ser sempre rigorosos contra quem faz piada baixa com mulheres e com gays:

    [youtube c_2csPaWL4s http://www.youtube.com/watch?v=c_2csPaWL4s youtube]

    Mário SF Alves

    26 de setembro de 2011 às 15h01

    Rodrigo,
    Duvido que você ignore a máxima que diz "um erro não justifica o outro" e, menos ainda "milhares e milhares de erros não justificam nem mesmo um outro, ainda que sendo um erro do Lula. Mas, você tem razão em lembrar essa coisa aí do Lula. Eu, pra te ser franco não achei a menor graça.

    El Cid

    26 de setembro de 2011 às 18h12

    é isso aí trollzinho, concordo com você… o PSDB agradece a sua colaboração !!

    Luci

    25 de setembro de 2011 às 12h45

    Allan lamentavelmente voce assimilou a ideologia preconceituosa, num humor agressivo, repetitivo, que verbaliza as diferenças, em piadas onde pessoas são estereotipadas, num total desrepeito à dignidade humana.
    Falta aqueles humoristas, e os que aprovaram a idéia para o quadro ir ao ar, BOLINAR O CÉREBRO para fluirem idéias criativas de humor inteligente, e os tornem cidadãos conscientes de suas responsabilidade pelas mensagens que veiculam.
    É o declínio de uma geração que patrocina o BULLYiNG, impunemente.

    Priscila

    25 de setembro de 2011 às 14h58

    Doente quem acha essas coisas normais, doente.

    Cesar Constantino

    25 de setembro de 2011 às 15h53

    Esse Allan deve ser daqueles que contam piadas com aleijados e ainda caem na gargalhada! Pobre diabo de mentalidade estreita e discurso de senso comum. Dignidade alhiea é exagero para ele!

    Galego

    25 de setembro de 2011 às 16h03

    Eu sou da direita, não gosto do molusco e não voto em ninguem que tenha , C ou T no nome do partido. E mesmo assim sei diferenciar humor e banalizacao de conduta criminosa. Referenciar bolinacao dentro de transporte publico e classificar de normal eh um desrespeito a qualquer pessoa que respeite o conceito tradicional de familia crista .

    Luiz

    26 de setembro de 2011 às 00h23

    Tava achando que ia ler algo construtivo até chegar ao final e ficar triste ao ver alguem com uma construção de ideias bem coerente terminar a frase com: "conceito tradicional de familia cristã"
    Sai dessa :P

    Fabio SP

    26 de setembro de 2011 às 16h48

    O gozado é que quando o quado é sobre o "marido corno", todas elas acham engraçado…

    ROBERTO DE LACERDA

    26 de setembro de 2011 às 18h29

    Lacerda O QUADRO É DE FATO GROTESCO! PORÉM, QUE MEUS QUERIDOS COLEGAS METROVIÁRIOS ME DESCULPEM, MAS SE FOSSE ASSIM, TODA VEZ QUE ALGUEM ASSISTISSE A UM FILME DE VELHO OESTE SAIRIA COM UM "COLT" ATIRANDO NOS OUTROS NO MEIO DA RUA? TODA VEZ QUE ASSI…STISSE A UM FILME DE AMOR, SAIRIA BEIJANDO AS CAIXAS DOS SUPERMERCADOS? QUANDO ASSISTISSE A UM FILME DE TERROR SAIRIA COM UMA MOTO-SERRA CORTANDO CABEÇAS PELO MEIO DA RUA? REALMENTE, O PROBLEMA DO BRASIL É DE AUSÊNCIA DE AUTORIDADE E INEXISTÊNCIA DE JUSTIÇA! HAVENDO ISSO, OS PROBLEMAS SERIAM MUITO MENORES… ABRAÇOS A TODOS


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding