VIOMUNDO

Diário da Resistência


Ignorante, Mourão critica o décimo terceiro salário como se ele beneficiasse o trabalhador
Mourão na sede da Associação Rural de Bagé/Facebook da entidade
Denúncias Falatório

Ignorante, Mourão critica o décimo terceiro salário como se ele beneficiasse o trabalhador


27/09/2018 - 13h41

Mourão critica décimo terceiro salário e adicional de férias: ‘jabuticabas’

“Como a gente arrecada doze (meses) e pagamos treze? O Brasil é o único lugar onde a pessoa entra em férias e ganha mais”

do Jornal do Brasil

O general Hamilton Mourão, vice na chapa de Jair Bolsonaro (PSL) para presidente, criticou, em palestra na Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, o 13.º salário e o pagamento de adicional de férias, afirmando que eles são “jabuticabas” (só existem no Brasil).

“Temos umas jabuticabas que a gente sabe que são uma mochila nas costas de todo empresário. Jabuticabas brasileiras: 13º salário. Como a gente arrecada 12 (meses) e pagamos 13? O Brasil é o único lugar onde a pessoa entra em férias e ganha mais. São coisas nossas, a legislação que está aí. A visão dita social com o chapéu dos outros e não do governo.”

PS do Viomundo: Como Ciro Gomes notou, o general é um “jumento”. Apesar de ser dividido em 12 meses, o ano tem 52 semanas, o que dá 13 meses. Nos Estados Unidos não existe décimo terceiro. Por que? Porque o pagamento de salários é semanal. Ao longo do ano, você recebe todas as 52 semanas trabalhadas (13 meses), sem atraso. No Brasil, o décimo terceiro joga para o final do ano o pagamento das quatro semanas trabalhadas mas não pagas durante o ano. Portanto, o décimo terceiro não beneficia o trabalhador, mas o patrão, que fica com o dinheiro das horas que você trabalhou rendendo juros.

Leia também:

Mourão se corrige sobre mães e avós, só que não

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



36 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

marcelo

02 de outubro de 2018 às 19h10

Estamos perdidos, se o bolsonaro ganhar irão fazer um impeachment e colocarão o general mourão no lugar, teremos uma nova ditadura militar com o general, Bolsonaro só vai ficar alguns meses, depois, golpe militar com o general mourão.

Responder

Arnaldo Costa

28 de setembro de 2018 às 09h00

A questão é que temos uma elite subdesenvolvida, mesquinha, egoísta, esnobe, que adora ostentar, e ainda por cima, preconceituosa. Já a nossa classe média são os Home Simpsons do JN, altamente manipuláveis, mal informados e limitados. Um povo que dizia ser cordial, gentil, alegre, hospitaleiro, agora se mostra fascista, intolerante e violento. Pelo complexo de vira-latas, gostam é de “puxar o saco” de estrangeiros. Não querem ser Europa, preferem se passar pelos “la cucarachas”, desviando das sandálias de borracha. Boçalnaro é o idiota que os representa: obtuso, preconceituoso, misógino, homofóbico, racista, falso moralista e sem nenhum projeto econômico ou de governo. Apenas promete, de forma contundente, acabar, massacrar os pobres e as minorias, aumentando a desigualdade social. Tudo que a outra parte quer. É não representa apenas o retrocesso, é a personalização do atraso, a bala de canhão que veio afundar o país e firmá-lo de vez como a “republiqueta oligárquica de bananas”.

Responder

Arnaldo Costa

28 de setembro de 2018 às 08h59

O diagnóstico aponta como uma das causas do déficit em Minas a extinção do Fundo Estadual de Previdência (Funpemg), em 2013, pelo então governador Antonio Anastasia. Na época foram transferidos R$ 3,6 bilhões do Instituto de Previdência dos Servidores de Minas Gerais (Ipsemg) – reservados para o pagamento de aposentadorias – para o caixa único do Estado. A medida, de acordo com o TCU, gerou uma descapitalização de R$ 2,957 bilhões nos ativos da Previdência do Estado.

“Minas Gerais vai pagar um preço por, no passado, ter usado o recurso da Previdência para cobrir despesas ordinárias”, diz o presidente da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip), Vilson Romero.

Responder

Lúcia Martinez

28 de setembro de 2018 às 08h14

Bolsonaro falou em rede nacional , que seu vice foi mal interpretado, que o décimo terceiro está na constituição, não podendo assim ser, retirado do trabalhador , que os empresários já descontam este durante os dozes meses para ser pago final do ano ,como um terceiro mês, estes jumentos que são contra Bolsonaro, fiquem sabendo que Bolsonaro já se manifestou.

Responder

    Hell Back

    28 de setembro de 2018 às 16h33

    Você não leu (ou não entendeu) a reportagem.
    Um ano tem 52 semanas.
    Um mês tem 4 semanas.
    Portanto: 52/4 = 13.

    André Eduardo

    08 de outubro de 2018 às 05h52

    Bolsonaro é um projeto de retardado,pois a nossa constituição no artigo 70 parágrafo sexto só refere ao salário mínimo ,sendo este um valor mínimo necessário para o cidadão brasileiro para viver com dignidade,portanto se o governante tiver uma boa base aliada ele pode sim revogar coisas como o décimo terceiro ,pois não é uma cláusula pétrea a exemplo disso sou eu que sou concursado e não tenho direito a este rendimento,na verdade é comum os políticos deixar as coisas nas entrelinhas dessa forma não tem sua credibilidade comprometida,por isso é bom ter cuidado e verificar melhor as afirmações o Mourão está corrreto em tudo q ele se referiu e deixou bem claro como mochila de jabuticabas nas costas do empresário.Isso reforça a tese d q este poderá ser o pior governo do Brasil pois estes tipos de benefícios aquecem a economia interna durante 4 meses do ano de novembro a fevereiro e esse benefícios foram conseguidos no estado varguista na década de 30 desacordo com o empresariado naquela época,ou seja foram concessões então podem ser revogados sim basta ter coro de 2/3 na câmara e no Senado o q não é difícil,pois no Brasil tudo se compra ou com dinheiro ou concessões.

Tiao

28 de setembro de 2018 às 02h22

Tem muitos q diz q 13° eh o q ajuda fim de ano!!

O q ajuda muito, seria melhores escola, melhores hospitais o ano todo, não só no fim do ano…

13° eh só pra encher linguiça…
Se nós brasileiros tivessem uma vida digna muito bem estabelecida por um governo inteligente.
Não precisava de 13° ou coisa do tipo…

Vc q desse a lenha, vai lá e mantém sua empresa pagando todo fim de ano 600 13°!!!

Ai vc vai ver o q eh bom…

Responder

    Hell Back

    28 de setembro de 2018 às 16h31

    Você não leu (ou não entendeu) a reportagem.
    Um ano tem 52 semanas.
    Um mês tem 4 semanas.
    Portanto: 52/4 = 13.

    André

    08 de outubro de 2018 às 05h55

    Se o governo seguir a constituição não precisa de nada disso ,pois aí o salário mínimo que é a referência de calculo seria de 6.283,46 deacordo com o artigo 70 parágrafo sexto da constituição!

Cotta

28 de setembro de 2018 às 01h55

Na minha opinião esses políticos ladrões que tem hoje tinham que devolver tudo que eles tem.
Devolta para o governo e ir trabalhar para viver.
Tinha que dar um apto de 49 m. Sem carro sem nada sem convênio, e os filhos todos em escolas públicas.

Responder

Maria das graças coelho pimenta

27 de setembro de 2018 às 23h01

Que peninha do ELE NÃO. Este vice cagou o coisa, é provável que nem pro segundo turno ele vá. Saddam lá.

Responder

Airoldi Lacroix Bonetti Júnior

27 de setembro de 2018 às 22h22

Pena da minha querida cidade,vou economizar e não gastar no comércio local,pena uma câmara de comércio fomentar o atraso,pois quem gasta na cidade somos nós moradores com décimo sem décimo, e muito pior temos que implorar nota fiscal!!,tristeza,eles passarão nos passarinhos!!

Responder

Carlos

27 de setembro de 2018 às 22h19

Esse general é um merda !! Só caga pelo boca.. vai ser inbecil lá no exército.

Responder

José Fernandes

27 de setembro de 2018 às 21h33

Imaginem isso junto com o ‘coiso’ governando nosso País, Deus nos livre..

Responder

Roberto Jacob

27 de setembro de 2018 às 21h33

Esse general seria mais útil roçando mato ou pintando calçada.

Responder

El Cid

27 de setembro de 2018 às 18h39

Deixa eu ver se entendi:
– o 13° salário é pago no final do ano (até o dia 20 de dezembro);
– bilhões de reais são pagos aos trabalhadores nesse período no Brasil;
– e nessa época, o comércio (especificamente as LOJAS) é favorecido para que os trabalhadores gastem parte do seu 13° salário nos estabelecimentos citados;
– e esse general fala isso no CDL (Clube de Diretores Lojistas) de Uruguaiana – RS.

Tirem suas conclusões…

Responder

Eduardo

27 de setembro de 2018 às 17h35

Ciro Gomes deveria ter mais respeito à importância do ”Jumento” como amigo e prestador de serviços ao povo! Animal de raras qualidades no trabalho, na convivëncia cotidiana, simpático e alegre, dotado de elevado senso de fraternidade, respeito , simplicidade e humildade, sem falar em outras qualidades! Se alguém conhece algum defeito do Jumento, que atire a primeira pedra! Covardia! Não se pode equiparar nossos jumentos a um “General Mourão”! Fica aqui o meu Protesto!!!!!!!! # Ele não! Os jumentos sim!

Responder

Lukas

27 de setembro de 2018 às 16h57

O décimo terceiro é ilusão. Ao contratar, o empresário já calcula quando pode ou quer pagar por ano. Daí divide por 13. Se não houvesse o 13, talvez (eu disse talvez) ele dividisse por 12. No ano nao alteraria, mas você receberia o 13 diluído ao longo do ano.

Responder

Jorge Pereira

27 de setembro de 2018 às 16h32

Bom, quem disse que um mês tem quatro semanas? A conta mais correta é: Um ano tem 365 dias e uma semana tem 7 dias. Dividindo 365 por 7 temos 52 semanas. Entretanto isso não quer dizer que um mês tenha quatro semanas. Um ano tem 12 meses e tá difícil aceitar essa conta. Esse 13º mês veio de onde?
Entretanto, se dividirmos 365 dias do ano por 12 meses, teremos 30,4 dias em cada mês, em média. E se dividirmos 30 dias por 7 dias teremos 4,3 semanas por mês. Essa 0,3 semana a mais no mês é que faz o mensalista receber menos do que o que recebe por semana.

Responder

Guilherme

27 de setembro de 2018 às 16h09

Sobre as pensões de filhas…aí pode, não é gasto da União!

Responder

    Julio Silveira

    27 de setembro de 2018 às 18h40

    Muito bem posto. Sobre isso o silencio é sepulcral.

    Airoldi Lacroix Bonetti Júnior

    27 de setembro de 2018 às 22h24

    Boa essa, tem gente que não casa pra continuar recebendo benefícios da guerra do Paraguai,e pior 40% do orçamento da união vai para as forças armadas!!

Julio Silveira

27 de setembro de 2018 às 15h57

É o que dá um sujeito viver uma vida toda em regime de concentração acreditando em preconceitos como verdades, que passam disfarçados como cultura.
Mas o pior é saber que eles propagam essas burrices para ignorantes que acreditam pela representatividade que essas nulidades culturais alcançam na vida.

Responder

Henry Paul

27 de setembro de 2018 às 15h54

Foi na minha cidade, infelizmente teve amplo apoio aqui junto aos comerciantes lojistas.

Responder

    Marcelo

    27 de setembro de 2018 às 18h34

    Esses comerciantes também são jumentos. É o 13º salário que garante boa parte das vendas de fim de ano, período de maior movimento no varejo, cujas encomendas alavancam a produção da indústria a partir de outubro. Sem o dinheiro do 13º, muitos seriam obrigados a fechar as portas.

    Nelson

    27 de setembro de 2018 às 22h47

    Meu caro Paul.

    Ah, esses empresários que se acham os tais. O índio vira empresário e, apesar de pouco ou nada saber, de imediato, passa a usar salto alto e a empinar o nariz.

    Os micro, pequenos e médios empresários, que acham que sabem tudo, não conseguiram, até hoje, enxergar que o trabalhador é o mesmo consumidor dele. Assim, se ele esmagar o salário do trabalhador, não vai demorar muito e verá o faturamento de sua sendo sufocado.

    Mas, a maioria dos que se dizem empresários estão aí, eufóricos, a aplaudirem a reforma trabalhista e a terceirização sem limites, medidas que foram aprovadas para esmagar os salários.

    São sérios candidatos à falência e se acham.

    Não cheguei a ver como ficou a coisa na Itália. O governo de lá, de direita, eleito no primeiro semestre deste ano, tinha enviado uma proposta ao parlamento para a revogação da reforma trabalhista implantada naquele país em 2015.

    Esse governo estava com pena dos trabalhadores? Qual nada. Estava é preocupado com o capitalismo de lá, que, com a diminuição drástica do consumo, estava “indo pras cucuias”. O resultado da reforma, previsível, foi a queda de 25% no PIB italiano.

    Mas, os nossos empresários, que se acham os mais mais, que se acham bem informados, não se deram conta disso.

Luiz

27 de setembro de 2018 às 15h09

Tô começando a desconfiar que este milico é na verdade uma melancia ideológica. Verde por fora e vermelho por dentro ! Esta fazendo mais estragos na candidatura do #ELENÃO, do que todos os adversários do bozo juntos….

Responder

    Hudson

    27 de setembro de 2018 às 23h19

    Haha! Que ótimo! :-)

Luiz

27 de setembro de 2018 às 15h04

Este jumento de farda está fazendo de tudo para que o #ELENÃO, perca a eleição. Quem tem como vice um “amigo” como esse, não precisa ter mais nenhum tipo de inimigo ! ..kkkkk…

Responder

    Raimundo j.s Muniz

    27 de setembro de 2018 às 21h50

    Chama de Adolf Hitler mais não de jumento pobres dos animais são tão dócil serve muito aqui no norte não merece ser maltratados dessa forma desculpa não quis ofender

Glaucia

27 de setembro de 2018 às 15h00

Com um vice desses ninguém precisa de inimigo.
PT vai ganhar de lavada. Hehehe

Responder

Glaucia

27 de setembro de 2018 às 14h58

Isso é só uma característica de quem se mete na área dos outros.
Mourão deve ser um expert na área dele, ciências militares. Mas em outras áreas ele é muito tapado mesmo. Tenho pena dele.
Ele tá destruindo o Bolsonaro.

Responder

    Marcio

    27 de setembro de 2018 às 17h26

    Deve ser muito frustrante ser especialista em uma área e não poder colocar em prática, já que nunca esteve em um campo de batalha. Daí desanda a falar essas asneiras.

maria do carmo

27 de setembro de 2018 às 14h39

Pelo amor de Deus bota jumento nesse general ( da banda ) so abre a boca pra relinchar, espero e acredito que os outros generais nao sao iguais, acredito que estao envergonhados, mas para ser vice do Bolsonaro fascista desequilibrado ja deu pra saber que so podia ser igual e jumento, nem a maluca da Janaina quiz ser vice do maluco, o mundo esta escandalizado, com a dupla! Apoz primeiro turno ja saberemoos quantos loucos soltos temos no Brasil! E inacreditavel!

Responder

saulo

27 de setembro de 2018 às 14h10

Quanto mais falam, mais se complicam…
Sorte a deles terem uma plateia igualmente “bem dotada” em termos de inteligência.
Chega a ser difícil acreditar que pessoas desse nível sejam comandantes de forças armadas.

Responder

enganado

27 de setembro de 2018 às 13h48

Mais carinho: ””” Jumentinho que pinta a crina ”””””’.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.