VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Guzzo, que acusou o PT de ter inventado a corrupção, no bonde do HSBC
Denúncias

Guzzo, que acusou o PT de ter inventado a corrupção, no bonde do HSBC


14/03/2015 - 11h43

Captura de Tela 2015-03-14 às 11.41.09

Da Redação

Agora é hora de observar a hipocrisia. José Roberto Guzzo aparece no “bonde” do HSBC.

Leiam o que ele escreveu sobre corrupção em 2012.

O Bonde não para

por J.R. Guzzo, na Veja, em dezembro de 2012

Que sina infeliz é essa que parece perseguir sem descanso o ex-ministro, ex-deputado e ex-todo-poderoso José Dirceu? O homem não tem sossego.

Passou a vida inteira numa luta desesperada para chegar ao poder; quando chegou, enfim, não conseguiu ficar lá mais que dois anos, quando foi jogado para fora sem a menor cerimônia pelo ex-presidente Lula, em quem tinha apostado até seu último tostão.

Tudo dá errado para ele. Lula, conforme os fatos não param de provar, trouxe para o centro do governo brasileiro, dez anos atrás, uma tropa de batedores de carteira como raramente se viu neste país; qualquer exame de laboratório mostra que está aí, quando se raspa o verniz da propaganda, o DNA de sua passagem pela política nacional.

Esse bonde não para. Começou a andar em 2003, antes de se completar o primeiro mês de governo Lula, com a dupla Marcos Valério-Delúbio Soares já funcionando a toda na montagem da coleção de crimes à qual se deu o nome de mensalão.

Continua andando até hoje; sua última aparição é neste miserável escândalo dos “bebês de Rosemary”, episódio que serve como uma das melhores fotografias jamais tiradas do dia a dia da governança petista, tal como ela é na vida real.

Mas a verdade é que vivemos num mundo imperfeito. Lula conserva seus belos 100% de popularidade, já é apontado como próximo governador de São Paulo e continua sendo considerado por seus admiradores como o homem mais perfeito que o mundo conheceu desde Adão e Eva.

Já o seu sócio Dirceu, que não fez nem mais do que ele, hoje é apenas um cidadão condenado por corrupção ativa e formação de quadrilha, com uma sentença de onze anos de cadeia nas costas.

Mal pode sair à rua. Sua prioridade, no momento, é tentar manter-se do lado de fora do sistema penitenciário.

A última coisa de que Dirceu precisava, a esta altura, era mais um caso de ladroagem no governo – mas é justamente o que acaba de lhe acontecer, ao ver seu nome metido logo na cena inicial do escândalo do dia.

A Rosemary dessa história é uma certa Rosemary Nóvoa de Noronha, chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo até ser posta na rua dias atrás, e seus bebês são os irmãos Paulo e Rubens Vieira, que encaixou em cargos com alto potencial de rentabilidade no governo e hoje estão no xadrez – todos indiciados pela Polícia Federal por grossas suspeitas de corrupção, tráfico de influência, falsificação e sabe-se lá o que mais ainda.

Rosemary, ou Rose, é produto de procedência garantida: trata-se de puro Lula, que a nomeou para o cargo em 2003, levou consigo em trinta viagens internacionais e aceitava suas indicações para empregos gordos na administração pública.

Sua traficância não se fazia num subúrbio remoto do poder, mas praticamente dentro do gabinete de Lula e da presidente Dilma Rousseff.

Nestes dez anos de bonança, junto com a dupla de irmãos, transformou o escritório paulista da Presidência num bazar de compra e venda onde oferecia à sua clientela uma extensa gama de mercadorias – licenças, pareceres, cargos, senhas de acesso, verbas, documentos falsos e por aí afora, em troca de dinheiro ou de presentes como cirurgias plásticas, camarotes de carnaval ou cruzeiros marítimos.

Era uma operação multimarcas: negociava-se ali com contêineres, celulose, privatização de ilhas, faculdades particulares, terminais portuários.

Rose também não se esqueceu, é claro, de socar uma penca de parentes em empregos no governo.

Quem diz Rose, diz Lula, mas sobrou, como de costume, para José Dirceu.

Mal se falou o nome dessa nova heroína do PT e já vinha junto o carimbo “JD” – a moça trabalhou durante 12 anos na copa e cozinha de Dirceu. E foi ele o primeiro protetor a quem Rose telefonou quando apareceu a polícia.

Desta vez o ex-homem forte nem teve ânimo para fingir que continua forte; disse apenas que não podia ajudar em nada.

E Lula? Como sempre acontece nessas horas, ele sumiu do mapa e deixou claro que a amiga deve se virar sozinha; não pediu que Dilma a segurasse na cadeira, e se pediu não foi atendido, nem insistiu.

Porque haveria de fazer algo diferente?

Vai ficar tudo na conta de Zé Dirceu, ou da “mídia golpista”, embora, desta vez, a mídia não tenha tido a menor ideia do que estava acontecendo – foi a própria presidente quem fez o rapa na área, antes que saísse uma única palavra na imprensa.

Tanto faz.

O que interessa a Lula é uma coisa só: que todos continuem fazendo de conta que ele não tem nada a ver com a usina de corrupção inaugurada no Brasil em janeiro de 2003.

Leia também:

Luiz Frias, Ratinho, família Saad e mulher de Roberto Marinho na lista do HSBC





29 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Maria Carvalho

15 de março de 2015 às 01h18

Minha mãe dizia: quando você, sem ter provas, apontar “um dedo”acusando alguém de alguma coisa, lembre-se de que outros três dedos estarão apontando para você!
Ela, também, dizia (quase a mesma coisa): quando você imagina que alguém é capaz de cometer algum ato é porque isso já passou pela sua cabeça…

Responder

marcelo batista

14 de março de 2015 às 23h07

Divulguem: Diga não ao golpismo do psdb. Sempre que Aécio ou FHC , vierem a publico, vaiem. procurem pela lista de furnas, trensalão, mensalão tucano, etc. pode jogar farinha de trigo para o alto.;;;

Responder

marcelo batista

14 de março de 2015 às 23h03

Divulguem: Diga não ao golpismo do psdb. Sempre que Aécio ou FHC , vierem a publico, vaiem. procurem pela lista de furnas, trensalão, mensalão tucano, etc. pode jogar farinha de trigo para o alto.

Responder

Nelson

14 de março de 2015 às 22h35

Reenviando comentário anterior que foi remetido, indevidamente, incompleto:

A jogada do boi de piranha

A elite dominante está a se utilizar da jogada do boi de piranha.

Por meio de seu aparato de propaganda, intentam jogar toda a culpa pela corrupção nos ombros do PT, Lula e Dilma e de alguns mais chegados, que andam ou andaram fazendo parte da base de apoio do governo.

Então, é só cassar os mandatos dessa patota e saciar a sede do povo por justiça e pelo fim da impunidade.

Assim, eles querem fazer passar a sua “boiada”, a salvo, pelo vau.

Depois, é só continuar com os mesmos esquemas de corrupção por um longo tempo até que chegue a hora de entregar mais algumas cabeças, para, outra vez, saciar a sede do povo.

Por isso, eles não querem, de forma alguma, que se faça uma Reforma Política verdadeira no nosso país.

É de lembrarmos que eles já fizeram uso dessa jogada na Era Collor. Entregaram alguns às piranhas e o esquema seguiu, lépido e fagueiro até agora.

Ou fazemos uma Reforma Política verdadeira ou é exatamente isso que acontecerá.

Responder

marlene

14 de março de 2015 às 20h06

já observaram,que todos que apontam o dedo para o pt,tem o rabo sujo,só que eles sentam em cima e finge que eta tudo certo,esses asquerosos tem que ser desmascarados, é como dizem os arautos da moralidade.

Responder

Clóvis

14 de março de 2015 às 19h44

Arautos de cobrar a ética alheia, enquanto estão mais sujos do que pau de galinheiro…! A máscara começa a cair e vai chegar nos gordos tucanos, disso não tenho nenhuma dúvida…!

Responder

FrancoAtirador

14 de março de 2015 às 18h47

.
.
PSDB movimentou US$ 176,8 milhões em Conta Secreta da HSBC entre 1996 e 2000
.
(http://www.portalmetropole.com/2015/02/psdb-movimentou-us-1768-milhoes-em.html#ixzz3UOnusSPz)
.
.

Responder

Claudio paixao

14 de março de 2015 às 18h39

O sujo falando do mal lavado telhado de vidro.eu estou insatisfeito mas não vou para esses evento pois não sou Maria vai com as outras.muito que vão estar lar não sabem como e onde e quem pode fazer um empeachmant.e quais os motivos.

Responder

Astrogildo Leal

14 de março de 2015 às 17h46

O povo brasileiro é tratado como otário.Tantos bancos e tantas agências, e esses DEMO-TUCANOS, escolheram a dedo, logo, o HSBC da Suíça, dos traficantes, dos contrabandistas, de assassinos. Mera coincidência dizem os coxinhas ! Só aí eles assumem que são burros ? Conta outra seus manés imbecilizados. SONEGÔMETRO NA PRAÇA DA SÉ JÁ !

Responder

fabio

14 de março de 2015 às 16h44

Olha a cara do cafajeste !
Bom, só para escrever para a “veja”, já é de se esperar que o canalha
use óleo de peroba todo dia.
Porém, com este “texto” e agora sua conta na suíça REVELADA,
ahahahahahahahahahahahahahaha,
depois vem falar que a internet esta acabando com a “imprensa escrita “.
BAAAANDIDOOOOOOO!
CANALHA!
Limpe sua boca imunda para falar de Luis Inácio e do José Dirceu,
seu oportunista de mér..!
Cachorro.

Responder

Edgar Rocha

14 de março de 2015 às 12h42

Meu medo é que, ao fim deste sofrido processo de purgação, avisarem que o “tumor” não passara de um furúnculo dolorido, tornando as cirurgias previstas desnecessárias. Eis a prova dos nove pra política nacional. Trocam-se tiros, ferem-se mutuamente, mas, depois de pesados os prós e os contras, em nome das instituições e da estabilidade política, volta-se a estaca zero e começa a operação abafa, pra ambos os lados. Temos que admitir que, a despeito de que os acusadores do PT não passem de sujos falando de mal lavados, a exposição pública de esquemas, desvios, corrupções advindos de ambos os lados não deixa dúvidas de que alternativas são necessárias e de que a protelação de mudanças só aprofunda ainda mais o problema. Não dá pra tratar a corrupção como um cravo nas costas da namorada. Aquele cravo gostoso de espremer que você tem certeza de que vai crescer de novo, como uma oportunidade de um carinho um pouco mais contundente na pessoa amada, se é que me entendem. Se isto voltar a ocorrer, se PT e PSDB demonstrarem que não passam de uma dupla de papagaios catando piolho um no outro, vai ficar claro que o Brasil afundará em mais uma crise intermitente e conveniente ao jogo político do revezamento. Ficará claro que a sociedade é posta deliberadamente pra fora do jogo político e das deliberações. Não fará mais sentido em analisar, fazer crítica ou auto-crítica. O jeito será aceitar que neste “allopreening” político papagaio de fora não entra.

Responder

    sergio navas

    14 de março de 2015 às 17h17

    Não acredito que os partidos sejam castos, pois são feitos de pessoas e estas são imperfeitas. Porém observo há muito, que a mídia busca nivelar os partidos e políticos por baixo, e lendo a sua opinião vejo que ela teve muito sucesso.
    Na minha modesta opinião a sociedade tem que estar vigilante sempre, independentemente do partido de plantão.

    Julio Silveira

    14 de março de 2015 às 17h55

    Meu caro cidadão, a questão aí, pelo menos para mim, não se trata do combate corrupção, mas de manipular as informações para fins escusos, como por exemplo, mexer com a ordem institucional, tentar mudar o resultado das urnas, querer destruir um patrimonio publico como a Petrobrás por exemplo, por conta de uma situação que está, ou mal ou bem, sendo combatida, inclusive cortando na própria carne. Coisa que esse virtuosos que pedem o impeachment nunca sequer tentaram, quando havia interesse saiam com seu engavetador geral para apagar o fogo.
    Não sejamos ingênuos, a cultura da corrupção no Brasil parte justamente desses que pregam moralidade pungueando a carteira do povo e mandando o produto para os paraísos fiscais desse mundo de Deus, e depois quando aparacem os Dossies, logo surgem desmentidos, se transformando em delírios de uma população ressentida. Não sejamos ingênuos. Sds.

    Almir

    14 de março de 2015 às 20h14

    Bom mesmo era no tempo de FHC. A roubalheira (principalmente na sua forma mais insidiosa e velada: a sonegação) comia solta e eram os sacoleiros que pagavam o pato.

    Edgar Rocha

    14 de março de 2015 às 22h26

    Me desculpem, colegas, mas parecem que preferem ver minha opinião pelo ponto de vita mais conveniente. Não quis nivelar nada nem ninguém por baixo. Como disse o Sérgio Navas, partidos não são castos. Mas, perder a oportunidade política de introduzir na pauta nacional o tema do financiamento de campanhas, por exemplo, ou afastar os agentes da corrupção descobertos durante o processo de investigação da Lava Jato e do próprio HSBC, em nome de um cessar-fogo bastante conveniente, são possibilidades que não podem ser desconsideradas no jogo político atual. É por causa deste jogo que a Rede Globo continua fazendo das suas, que não paga o que deve à Receita Federal, que não sofre sequer uma retaliação nas verbas de propaganda do Governo Federal. E se considerarmos a gravidade das agressões sofridas pelo Governo Dilma, sublimar a tentativa de golpe e as mentiras e manipulações da mídia PiG e sua turma em nome de um pouco de fôlego até o próximo embate é ridículo. Há meio jurídicos pra encostar na parede estes setores e cortar na carne deles com toda propriedade. Eles já desmoralizaram demais os projetos sociais e adiaram demais os avanços necessários sem sofrerem nenhuma mancha sequer.
    Mas, pra isto, tem que fazer a rapa dos dois lados. A interpretação aqui, do que eu disse, reduzindo a uma influência da mídia, parece ser uma forma de desqualificar meu ponto de vista. Eu não disse que são todos iguais. Disse apenas que os iguais devem ir pra mesma vala. Sem direito a pacto de proteção mútua. Se isto ocorrer, colegas nenhum de vocês terá coragem de fazer este tipo de defesa.

    Julio Silveira

    15 de março de 2015 às 07h42

    Meu caro cidadão, esse tema, financiamento de campanha, é preferencial desse governo, e só observar, lembre-se que o projeto está parado no STF, justamente aguardando dentro da gaveta do indicado lá pelo ex-presidente FHC e seu Advogado geral da União, Gilmar mendes. Será por acaso?

    Edgar Rocha

    15 de março de 2015 às 16h25

    Aos colegas que não entenderam minhas colocações, a Carta Capital já tem uma matéria em que aponta movimentos tanto da oposição quanto de setores do PT na defesa do Eduardo Cunha, apoiando inclusive a troca do Procurador Janot. Mas, não pelos erros cometidos, como a omissão diante de gente graúda como o Aécio. Querem que ele saia devido ao “absurdo” de acatar as denúncias contra o Cunha. É disto que eu estou falando. Alguém vai defender o que estes parlamentares estão fazendo? Alguém vai dizer que o PSDB e o PT juntos defendendo o Eduardo Cunha é um fato a ser desconsiderado? Se forem por este caminho, pela milésima vez, não poderão reclamar do descrédito diante da esquerda e do próprio povo.

Hélio J. Pereira

14 de março de 2015 às 12h42

“Santo do pau ocô”…

Responder

Liberal

14 de março de 2015 às 12h31

Kkk virou crime agora ter conta em banco? Cadê o delito?

Responder

    John

    14 de março de 2015 às 14h43

    Caraca vei, vc come capim pq gosta né! Não se trata de ter conta em banco e sim sonegação fiscal. Aposto que faz parte dos “mais informados” de FHC. Putz……..

    Liberal

    14 de março de 2015 às 17h35

    A Receita vai dizer.

    Léo

    14 de março de 2015 às 17h59

    Ainda que se trate, apenas de uma conta devidamente legal. Esse senhor e muitos outros condenam, veja você, pais de família inocente… mesmo antes das investigações serem encaminhadas para “o juri”.

    abolicionista

    14 de março de 2015 às 18h58

    Conta secreta em banco da Suíça? Sim, obviamente.

    Gente, é cada energúmeno…

    Liberal

    14 de março de 2015 às 19h22

    E quem não faz?

    Nelson

    14 de março de 2015 às 22h21

    E ele faz de conta que não entendeu. Nada a estranhar, porém, pois é postura típica de quase todo aquele que se diz “liberal”.

Pedro

14 de março de 2015 às 12h19

E vem agora esse PT mostrar que o Guzzo tinha seu dinheirinho lá na Suiça, o paraíso da corrupção financeira desde os tempos em que os gordos nazistas estavam abandonando o navio da corrupção alemã, ameaçada pelas tropas soviéticas.

Responder

Julio Silveira

14 de março de 2015 às 12h09

Para esse, a corrupção dele é menor que a dos outros, praticamente, inexistente, para ele.
Essa é a cultura transmitida a gerações pelos de cima.

Responder

Eme Gómez

14 de março de 2015 às 11h53

O Guzzo falar de corrupção (quando corrupto o é: incidiu nos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas)), é como o Marcola chamar o F. Beira Mar de ladrão. Esse é daqueles que bate a carteira do cara e grita: pega o ladrão ! kkkkkkkkkkkkkkkk…

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding