VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Governo Obama monitora telefones, e-mails e tráfego da internet
Denúncias

Governo Obama monitora telefones, e-mails e tráfego da internet


07/06/2013 - 09h59

E esse aí eles usam para nos monitorar…

07h19, 07 de Junho de 2013

Jornal diz que EUA rastreiam usuários de Google e Facebook

do G1, no Alagoas 24 Horas

Mais cedo nesta quinta, 6, Estados Unidos admitiram monitorar telefones.

O governo norte-americano tem acesso direto aos sistemas de Google, Facebook, Apple e outras empresas gigantes da internet do país, de acordo com um documento secreto divulgado na noite desta quinta-feira (6) pelo jornal britânico “The Guardian”. Com o acesso, segundo o jornal, o governo monitora secretamente o que usuários considerados suspeitos fazem: o histórico de buscas e o conteúdo de e-mails, arquivos e de bate-papos on-line.

Até a última atualização desta reportagem, o governo de Barack Obama não havia se pronunciado sobre a reportagem do “Guardian”, e várias das empresas citadas negaram.

A nova denúncia veio horas depois de a Casa Branca admitir, nesta quinta, que o governo dos Estados Unidos espionou registros telefônicos de pelo menos uma operadora, a Verizon, em resposta a documentos divulgados também pelo “Guardian” na quarta (5).

Segundo o jornal, os dados são coletados pela polícia federal dos Estados Unidos (FBI) e a pela Agência Nacional de Segurança (NSA) em busca de fazer conexões entre hábitos suspeitos na internet.

As companhias são Google, Microsoft, Yahoo!, Facebook, PalTalk, AOL e Apple. Apesar de serem serviços, YouTube (Google) e Skype (Microsoft) também estão na lista.

A ferramenta de armazenamento na rede Dropbox é descrita como uma das próximas a entrar na lista.

Os órgãos extraem áudios, vídeos, fotografias, e-mails, documentos e logs de acessos. O intuito é rastrear o movimento de certas pessoas na web e monitorar os contatos que fazem na rede.

Segundo a publicação, o programa supersecreto, chamado PRISM, foi estabelecido em 2007, mas não havia vindo a público antes.

O jornal obteve um relatório interno da operação no Vale do Silício, na Califórnia, lar da maioria dessas empresas. No documento, um analista da NSA descreveu o PRISM como a ferramenta que mais contribui com o relatório diário da presidência. Em 2012, o programa foi fonte de quase 1,5 mil artigos.

Segundo o “Post”, a situação é mais chocante porque a NSA, que deveria se dedicar a missões de inteligência externa, está envolvida em um programa de monitoramento de empresas americanas, que armazenamento milhões de contas de cidadãos americanos.

Isso justifica a presença do PalTalk na lista, apesar de pouco usado. Durante a Primavera Árabe e a guerra civil da Síria, o bate-papo registrou um tráfego de dados significante.

Espionagem telefônica

O governo dos Estados Unidos admitiu nesta quinta-feira que chegou a espionar registros telefônicos de pelo menos uma operadora de telefonia, reabrindo o debate sobre privacidade no país, ao mesmo tempo em que defendeu a prática como necessária para proteger os norte-americanos contra ataques terroristas. O jornal “The Guardian” publicou na quarta (5) uma ordem judicial secreta relacionada aos registros de milhões de clientes da Verizon Communications.

“O documento mostra pela primeira vez que, sob o governo Obama são recolhidos indiscriminadamente e em grandes quantidades os registros de comunicações de milhares de cidadãos americanos, independentemente de serem ou não suspeitos”, disse o “The Guardian”.

Segundo um alto funcionário do governo do presidente democrata, esta ordem judicial referia-se apenas aos dados, como número de telefone e duração de chamada – e não às identidades das pessoas ou ao conteúdo das conversas.

“Isso permite que o pessoal de combate ao terrorismo descubra se os terroristas conhecidos ou suspeitos tiveram ou têm contato com outras pessoas que podem estar envolvidas em atividades terroristas”, disse ele, que não quis ser identificado.

O porta-voz do governo americamo, Josh Earnest, disse que Obama saúda o debate público sobre o balanço entre liberdades civis e segurança, mas está determinado a usar todas as ferramentas disponíveis para manter os Estados Unidos seguros.

“A prioridade máxima do presidente dos Estados Unidos é a segurança nacional dos Estados Unidos. Devemos estar certos de que contamos com as ferramentas de que precisamos para enfrentar as ameaças dos terroristas”, acrescentou.

Congresso sabia, diz secretário

O secretário de Justiça dos EUA, Eric Holder, disse que os membros do Congresso estavam “totalmente informados” do programa de coleta de informações que incluía o monitoramento de telefonemas da Verizon. Holder afirmou que não é “apropriado” para ele falar mais em público sobre o tema.

Alvo de críticas

Muitos ativistas se manifestaram assim que souberam sobre a denúncia de espionagem telefônica.

“Trata-se de um programa no qual um número não especificado de pessoas inocentes é colocado sob o controle permanente de agentes do governo”, disse Jameel Jaffer, vice-diretor legal da União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU).

O ex-vice-presidente democrata Al Gore também se pronunciou em sua conta no Twitter: “Nesta era digital, a privacidade deve ser uma prioridade. Sou só eu, ou este manto secreto de controle é obscenamente ultrajante?”

Imediatamente, não houve reações da Verizon, que, junto com AT&T, Sprint e T-Mobile, são as maiores operadoras telefônicas do país, onde 87% da população possui um telefone celular.

“Agora que este controle anticonstitucional foi revelado, o governo deve acabar com ele e informar sobre seu alcance real”, disse Michelle Richardson, do escritório legislativo da ACLU em Washington.

O Congresso também deve fazer uma profunda investigação, acrescentou.

PS do Viomundo: Já pensou se fosse a terrível “ditadura chavista”?





52 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

A inconveniente próxima capa da Rolling Stone com Dzhokhar Tsarnaev |

18 de julho de 2013 às 08h56

[…] pontos. Estamos falando de um estado que tem casos como o de Bradley Manning e tudo o mais. O bro Obama não monitora através da NSA todos os dados (telefone, histórico do computador, email, redes sociais, etc)? Como que um acusado, caçado em […]

Responder

Mauro Santayana: Espionagem e o cinismo de Barack Obama | Jornal A Verdade

16 de junho de 2013 às 14h47

[…] Governo Obama monitora telefones, e-mails e tráfego da internet […]

Responder

Mauro Santayana: Espionagem e o cinismo de Barack Obama - Viomundo - O que você não vê na mídia

15 de junho de 2013 às 16h06

[…] Governo Obama monitora telefones, e-mails e tráfego da internet […]

Responder

Fabio Passos

08 de junho de 2013 às 19h07

O cerceamento das liberdades individuais, o monitoramento de informacoes e a perseguicao a pluralidade de pensamento sao o avanco totalitarismo ianque.

Os eua sao uma ditadura descarada.

Responder

zé eduardo

08 de junho de 2013 às 17h19

Hehehe… como disse o Nelson, o PS tá o máximo. Se acontecesse o mesmo na Argentina, Equador ou Venezuela, socorro…

Responder

Mário SF Alves

08 de junho de 2013 às 16h09

“O governo dos Estados Unidos admitiu nesta quinta-feira que chegou a espionar registros telefônicos de pelo menos uma operadora de telefonia, reabrindo o debate sobre privacidade no país, ao mesmo tempo em que defendeu a prática como necessária para proteger os norte-americanos contra ataques terroristas. O jornal “The Guardian” publicou na quarta (5) uma ordem judicial secreta relacionada aos registros de milhões de clientes da Verizon Communications.”
___________________________________

Marx continua tendo razão. O vírus está cada vez mais virulento; com ou sem Obamas.

Responder

FrancoAtirador

08 de junho de 2013 às 15h56

.
.
EM 26/10/2001,

OS EUA REVOGARAM A PRIMEIRA EMENDA* À CONSTITUIÇÃO NORTE-AMERICANA

A edição do “Ato Patriótico” imposto por George W. Bush aos norte-americanos como justificativa para iniciar uma generalizada “Guerra ao Terror”, sob o pretexto da Segurança Nacional, em represália aos ataques sofridos em 11/09/2001,

equivaleu-se ao AI-5 decretado pela Ditadura Militar dos generais no Brasil. (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/AIT/ait-05-68.htm)

O USA PATRIOT Act foi o maior atentado aos direitos individuais e coletivos estadunidenses.

Se até então havia alguma democracia nos EUA, em 26/10/2001 ela acabou:

O USA PATRIOT Act foi um ato aprovado pelo Congresso dos Estados Unidos da América, assinado pelo então presidente George W. Bush, tornando-o lei em 26 de outubro de 2001. (http://epic.org/privacy/terrorism/hr3162.html)

O acrônimo significa “Uniting and Strengthening America by Providing Appropriate Tools Required to Intercept and Obstruct Terrorism Act of 2001”
(algo como Ato de Unir e Fortalecer a América Providenciando Ferramentas Apropriadas Necessárias para Interceptar e Obstruir o Terrorismo, de 2001).

Entre as medidas impostas pela lei, estão a invasão de lares, espionagem de cidadãos, interrogações e torturas de possíveis suspeitos de espionagem ou terrorismo, sem direito a defesa ou julgamento.
Com esse ato, foram retiradas as liberdades civis dos cidadãos estadunidenses.

Muitos historiadores relacionam essa lei como um passo legal para a instituição de lei marcial na eventualidade de qualquer evento de terrorismo, falso ou verdadeiro.

De acordo com o Departament of Homeland Security todas as ações consideradas “antigovernamentais” foram imediatamente consideradas atos de terrorismo.

Em 26 de maio de 2011, o presidente Barack Obama assinou a prorrogação do PATRIOT Act por mais 4 anos.

Esse é o Paradigma braZileiro de ‘Democracia Representativa’ e ‘Liberdade Político-Econômica’ garantidas pelo “Destino Manifesto” dos United States of America. (http://pt.wikipedia.org/wiki/Destino_manifesto)
.
.
*Texto da Primeira Emenda à Constituição dos EUA:

“O Congresso não deve fazer leis a respeito de se estabelecer uma religião, ou proibir o seu livre exercício; ou diminuir a liberdade de expressão, ou da imprensa; ou sobre o direito das pessoas de se reunirem pacificamente, e de fazerem pedidos ao governo para que sejam feitas reparações por ofensas.”
.
.

Responder

Gerson Carneiro

08 de junho de 2013 às 13h51

Polêmica: Fundador do WikiLeaks processa Obama por Plágio.

Responder

Tomudjin

08 de junho de 2013 às 13h48

E o pior é que alguns blogs, mesmo os ditos progressistas, nos impõe fazer comentários apenas depois de nos linkarmos a essas redes sociais.

Responder

    renato

    08 de junho de 2013 às 17h02

    Não estão interessados no que pensa.

Diego Dias

08 de junho de 2013 às 11h51

E depois vão falar mal da China….
Republicanos e Democratas são tudo farinha do mesmo saco.
Um é de extrema direita, o outro de direita.
Um é o DEM, o outro é o PSDB.
Bush é Serra, Obama é Aécio…..
É UMA DITADURA com mascara de democracia.

Responder

    Fabio Passos

    08 de junho de 2013 às 19h30

    Uma ditadura que promove tortura e assassinatos em nivel global.

    nelson sabbagh

    09 de junho de 2013 às 11h13

    USA … DNA

Kazuhiro Uehara

08 de junho de 2013 às 11h30

George Orwell, 1984.

Responder

xacal

08 de junho de 2013 às 11h18

Do blog planície lamacenta (planicielamacenta.blogspot. com)

Os EEUU sombrios e a Nova Idade Média!

O intenso debate provocado pela revelação da espionagem promovida pelo governo dos EEUU, de forma direta, imotivada e indistinta sobre o fluxo de dados de internet transmitido pelas empresas com sede naquele país traz a reboque a constatação de que, definitivamente, a Democracia descolou-se de vez do America Way of Life.

Gostemos ou não, este fato vem repercutindo entre nós, e todo mundo ocidental há tempos.
Certos cacoetes de nossas políticas de segurança, o trato com direitos das minorias, e óbvio, os trejeitos político-partidaristas da mídia corporativa, fiel mimetizadora dos costumes do Norte são a expressão deste fato.
E como sempre, o macaqueamento tende a distorcer ainda mais os valores imitados!

É fato que o conflito entre os interesses capitalistas,representados pela política interna e externa dos EEUU, e a agenda dos direitos civis sempre foi intenso.
Mas o estamento jurídico sobre o qual foi constituído a mais rica nação do planeta sempre deixou claro os limites da ação do Estado sobre a esfera individual, dentro de uma perspectiva que, ao contrário do que apregoam os furiosos liberais, sempre legou-lhes um enorme senso de bem estar coletivo, de respeito as leis, e justamente, esta combinação que formulou no Bem Estar Social (Wellfare State), “exportado” culturalmente como meta a ser perseguida, ou ao menos, invejada!

Claro que sabemos que esta disseminação ideológica serviu muito mais a justificar a preponderância geopolítica e econômica dos EEUU sobre seus países-satélites, e que não raro esta relação de dominação implicava em impor nestas áreas de influência regimes truculentos e anti-democráticos.

Não há como negar, no entanto, que o modelo de democracia representativa, de ação jurídica do Estado, de proteção das minorias, enfim, do processo de evolução do Estado brasileiro tem nos EEUU um modelo, ainda que adaptado!

Hoje, o total sequestro das forças representativas do Estado (mandatários) pelo conjunto de setores que mesclam a indústria bélica (calcada no binômio paranoico Estado-polícia e Estado-militar), os grandes grupos econômicos, mormente os dos setor financeiro e por fim, os mais obscuros campos do fundamentalismo religioso e político, todos eles vocalizados e amplificados pelas corporações de mídia, é um sinal assustador de uma espécie de Nova Idade Média que se aproxima, no que tange as liberdades individuais.

A maior parte do fluxo de dados da internet está sob domínio de empresas sediadas nos EEUU, e o que pode ser feito com tamanho monopólio já está bem evidente.

Se desejarem, estas empresas podem bloquear sistemas financeiros, administrações públicas inteiras, corporações privadas, etc, de países que julgarem uma ameaça aos EEUU, ou a si mesmas!

O volume descomunal de dados processados e armazenados nestas empresas e seus servidores é igualmente aterrador, e confere a quem os detêm, ou a quem os requisita ou acessa (como fizeram o FBI e a Agência Nacional de Segurança) um poder proporcionalmente avassalador.

É chegada a hora dos países começarem a construir suas barreiras e legislações que os protejam de tamanho assédio, bem como instituir barreiras fiscais (tributos) para fomentar a pesquisa e desenvolvimento de empresas similares em nosso país, sem o que estaremos aprofundando laços de dependência unilateral e subordinante

Responder

Clayton Benevides

08 de junho de 2013 às 11h11

Como achar que o pais que inventou, normatizou e liberou a internet para o mundo não tenha controle sobre o tráfego dela? Quanto mais potentes forem os supercomputadores e seu algorítimos de busca, mas os EUA (o grande irmão) buscarão o controle absoluto dos dados que trafegam na internet. Este é um fato tecnológico e estratégico e nada mais. Simplesmente isto não me surpreende em nada e qualquer pessoa que tenha o conhecimento razoável do que é a tecnologia da informação sabe que se esse controle não é inverossímil.

Responder

Mauro Santayana: De igual para igual, sem canto de sereias - Viomundo - O que você não vê na mídia

08 de junho de 2013 às 10h52

[…] Governo Obama monitora telefones, e-mails e tráfego da internet […]

Responder

Paulo Henrique G. Ramos Jr.

08 de junho de 2013 às 10h36

Leitoras e leitores,
Bom dia.
Desculpem, mas… Descobriram e divulgaram o que era secreto? Entao nao era tao secreto assim…
Pior: foi o G1 (Globo) que reproduziu?
Bom fim de semana a todos.

Responder

Manoel Teixeira

08 de junho de 2013 às 10h32

Seria ingenuidade pensar que o governo dos EUA não monitorassem os emails, não tenham acordo com a Microsoft para permitir acesso aos computadores com este sistema operacional no mundo todo. Acredito, inclusive, que os chips da Intel e AMD possam ter funcionalidades que possam ser ativadas remotamente pelo governo dos EUA.

Responder

    Mário SF Alves

    08 de junho de 2013 às 16h32

    “Acredito, inclusive, que os chips da Intel e AMD possam ter funcionalidades que possam ser ativadas remotamente pelo governo dos EUA.”
    ___________________________________
    Eis aí a hipótese de uma chave que viabilizaria toda a trama. O resto é adereço. Case-se isso com o velho e surrado discurso da prevenção e combate ao Império do Mal, hoje terroristas a la Bin Laden, e pronto. Tá resolvido o enigma Orweliano. Um-nove-oito-quatro, enfim, teria chegado.

Tomudjin

08 de junho de 2013 às 10h14

E tudo sob o manto sagrado do famigerado “plano Antiterrorista” mundial.
Ou seja, primeiro nos apresentam o terror, depois nos oferecem a solução, com a condição, é claro, de que cortemos a nossa própria carne.

Responder

Marat

07 de junho de 2013 às 22h07

Amigos, utilizo informática há mais de 20 anos, e posso afirmar que sempre estranhei os “grátis”, sejam eles emails, serviços de armazenamento de dados nas nuvens, pacotes de crédito etc…, lógico que as empresas brasileiras, tais como o UOL, com um simples pedido dos patrões do Império do IV Reich, abrem as pernas e tudo o mais para agradar aos patrões.
Nada do que vem dos EEUU é de graça N-A-D-A. Para uns, eles são “pragmáticos”, para mim, são pilantras, ávidos por dinheiro. Pelo maldito dinheiro eles matam, corrompem e roubam!

Responder

José X.

07 de junho de 2013 às 21h25

Tenho até medo de dizer, mas o aiatolá Komeini estava certo mesmo, quando chamava os EUA de “Grande Satã”. Os Estados Unidos se tornaram num Estado de Segurança Nacional, monstruoso em tamanho. Seus gastos militares e de “segurança nacional” com certeza ultrapassam a casa do trilhão de dólares. Gente, é muito dinheiro para, em última análise, destruir o mundo. Pois é isso que pode acontecer se a máquina de morte americana for lançada sobre o mundo. E do jeito que paranóia americana aumenta cada vez mais, isso não é muito difícil de acontecer.

Responder

Luís Carlos

07 de junho de 2013 às 20h52

Eis a ditadura do Tio Sam. A democracia deixou de existir há muito nos EUA. Aliás, a intolerância violenta e o desrespeito às liberdades civis sempre estiveram presentes nos EUA, ou a KKK e os assassinatos de Luther King, Kennedy, Malcon X ocorreram na América do Sul??? Essa é a real face da “democracia liberal” estadunidense.

Responder

    Uilian

    08 de junho de 2013 às 13h57

    Isso mesmo, companheiro. OS EUA são uma ditadura disfarçada. Já Cuba e a antiga Rússia eram verdadeiras. Até nas ditaduras o socialismno é mais verdadeiro que o capitalismo selvagem.

    Mário SF Alves

    08 de junho de 2013 às 16h39

    Tá. Então tá. Mas… convenhamos, Cuba, por força de uma revolução popular, aboliu radicalmente a propriedade privada dos meios de produção (só essas!) e, em decorrência disso, em Cuba não há a vergonhosa e pré-histórica sociedade dividida em classes.
    ___________________________
    Alguém aí ainda acha isso pouco?

    Luís Carlos

    08 de junho de 2013 às 19h06

    Negar os ataques ãs liberdades civis nos EUA e os assassinatos contra lideranças que lutavam por elas não ajudará a esconder a ditadura naquele país.

Apavorado por Vírus e Bactérias

07 de junho de 2013 às 20h51

Os pilantras monitoram tudo e todos para manter o neocolonialismo no mundo.

Responder

renato

07 de junho de 2013 às 20h27

Para afastar todo o mal.
SEMEADURA.
VITOR RAMIL.
http://letras.mus.br/vitor-ramil/286574/

Responder

Elias

07 de junho de 2013 às 19h46

Putz! O João que era paranoico no tempo da ditadura militar leu isso e disse que a paranoia voltou. Contou que entrou numa Subway e percebeu que a atendente fitou seus olhos, deu um sorriso “meio diferente”, ele pagou e nem comeu, se mandou depressinha, passou o dia preocupado, ele tem certeza que a caneta no bolso do uniforme da moça era uma daquelas canetas-espiã.

Responder

Urbano

07 de junho de 2013 às 19h10

E nem precisava que o Guardian noticiasse…

Responder

Kazuhiro Uehara

07 de junho de 2013 às 16h58

GEORGE ORWELL: 1984.

Responder

Lando Carlos

07 de junho de 2013 às 16h36

Lando Carlos Gonçalves · Quem mais comentou · NÃO FIZ FACULDADE
isto não e novidade, ele e fantoche quem manda nos eua. e o vice presidente judeu estado unidense o povo estado unidense e hospedes em seu propio pais.

Responder

Julio Silveira

07 de junho de 2013 às 15h36

Os Estado Unidos já foram considerados exemplares por muitos, inclusive em democracia. Cada vez mais se afastam dos princípios que nortearam os fundadores, cada vez mais usam a politica dos mentores do terceiro mundo. Cada Vez mais acreditam na mentores da escola das Américas para seu próprio povo, não duvido se uma ditadura, lá, não ocorrer em pouco tempo no futuro. Estão cada vez mais se aproximando dela pelas beiradas.

Responder

Marat

07 de junho de 2013 às 13h09

Prezados, há alguns anos cometi a asneira de entrar para o tal do feicebuqui… mas, cai fora após alguns meses. Cai fora porque além de ali eu ler muita bobagem (fofoca e burrice política em especial), sentia-me vigiado o tempo todo. Detesto que mexam em minhas gavetas… Outra coisa: evito o gmail e todos os programas produzidos por proto-ditaduras, como os EEUU. Acredito o Füher Obama, do Império do IV Reich ou outro que o substitua ainda vai fazer muita coisa errada!

Responder

Roberto Locatelli

07 de junho de 2013 às 12h41

EUA são uma ditadura do capital financeiro. E uma ditadura com alta tecnologia. Perigo para o mundo.

Responder

Alexandre Tambelli

07 de junho de 2013 às 11h50

O PALTALK é um programa antigo de bate-papo (desde os anos 90 existe e tinha uma versão até uns 10 anos atrás, administrada por brasileiros que se chamava Tivejo) com salas de encontro com viva-voz e possibilidade de se utilizar webcam (serviço pago). Quem tiver a curiosidade de acessá-lo, o download é rápido, verá a quantidade de salas espalhadas pelo mundo todo e de todos os idiomas possíveis. Comunidades de estrangeiros de um mesmo país morando em outro país se encontram em uma sala, poetas em salas de recitações de poemas, existem salas de músicas, de comunidades religiosas e até salas para adultos e um tanto de sexo. Também existe uma quantidade significativa de salas, onde se discute Política, onde militantes fazem discursos inflamados, militantes ligados a movimentos políticos. Nas salas do Oriente Médio é bem visível o lado político. Quem entender o idioma árabe e tiver curiosidade de entrar numa dessas salas vai poder compreender o que os caras estão discutindo. Não me surpreendeu o destaque para o PALTALK!

Responder

Fábio

07 de junho de 2013 às 11h46

Tudo é monitorado… inclusive os nomes de todos que postaram nessa publicação. Endereço também. E… Você ai que está lendo!!! Tire o dedo do nariz!!! Tá pensando que essa webcam está desligada, é?

Responder

Joe

07 de junho de 2013 às 11h29

Isso não é noticia nova, já houveram outros programas, o “”echelon, o carvinore, as indentificações por voz( tipo Shazan) e etc….

Responder

    Joe

    07 de junho de 2013 às 11h39

    lembra da história do Sivan??

    Mário SF Alves

    08 de junho de 2013 às 16h49

    E… me perdoe a licenciosidade, mas pode incluir aí o Terminator, um artifício genético para a produção de um classe de transgênicos cuja semente, uma vez usada (plantada, não mais se reproduz. Geração F2, nem pensar!

Gerson Carneiro

07 de junho de 2013 às 11h23

Será que seu Obama ler em Português ou manda o apresentador do Jornal da Noite traduzir?

Responder

    Mário SF Alves

    08 de junho de 2013 às 16h51

    Obama o quê? E você acha mesmo que tais relatórios seriam endereçados a ele?

Nelson

07 de junho de 2013 às 10h45

Bem, Azenha. O teu P.S. já vale por muitos comentários.

Responder

JBBS

07 de junho de 2013 às 10h44

E se fosse a terrível ditadura policial lulo-dilmista??? Lembram do Gilmar Mendes e a “denúncia” do estado policial que o teria grampeado (ele e o Demóstenes, kkkkk), grampo que nunca existiu???

Responder

    Roberto Locatelli

    07 de junho de 2013 às 11h52

    Pois é, aquilo foi uma vergonha! Aliás, o deputado Protógenes (em quem votei) fazia parte do tal “Estado policial”. Afinal, ele ousou prender Daniel Dantas, o herói da privataria tucana.

    Luiz Moreira

    07 de junho de 2013 às 16h05

    O Gilmar e Demostenes deviam ser “grampeados” e colocados em “pijamas de PAU”

Jose Mario HRP

07 de junho de 2013 às 10h42 Responder

Alemao

07 de junho de 2013 às 10h22

Exatamente no ponto! Esse esquerdismo cego e ideológico que tomou conta da imprensa não permite a demonização de Obama. A falha do PS está em colocar toda imprensa no mesmo saco. Ora, é claro que, no mínimo, Obama deveria sofrer um processo de impeachment. Acontece que a população aprendeu que o Obama é do lado do bem, e os republicanos do lado do mal. A minoria dos jornalistas, aqueles que vcs dizem formar o PiG, são contrários a essas práticas, sejam elas em Cuba ou nos EUA. O PiG em si, formado pela maioria dos jornalistas do politicamente correto, eu sou de esquerda eu sou do bem, estão quietinhos…

Responder

    Mário SF Alves

    08 de junho de 2013 às 17h04

    Tá. Agora conte aquela outra.

Jose Mario HRP

07 de junho de 2013 às 10h21

Ele definitivamente não é o cara!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding