VIOMUNDO

Diário da Resistência


Denúncias

Governo Anastasia “inova”: Coloca alunos de séries diferentes na mesma classe


03/04/2012 - 17h58

por Raphael Ramos, Jornal OTEMPO, sugestão de Daniel

Os alunos de escolas estaduais mineiras começam a testar uma novidade que gera controvérsia entre pais, autoridades e especialistas: as turmas unificadas. Por meio de um ofício, publicado em janeiro, a Secretaria de Estado de Educação (SEE-MG) ‘orientou’ as escolas a adotarem a estratégia no caso de turmas com poucos alunos matriculados. Na prática, estudantes de séries diferentes dividem a atenção de apenas um professor.

A medida vale para as turmas de 1º ao 9º ano do ensino fundamental. A subsecretária estadual de Desenvolvimento da Educação Básica, Raquel Elizabete Santos, afirma que a mudança é uma tentativa de melhorar o aprendizado. “Já se sabe que estudantes apresentam melhor rendimento quando os trabalhos são realizados em parcerias ou grupos. Por isso, a unificação de turmas é uma maneira de trabalhar melhor os alunos”, afirmou. A subsecretária garante ainda que antes de unificar as turmas, as escolas deverão levar em conta o estágio de aprendizagem dos alunos.

Já a presidente do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação do Estado de Minas Gerais (Sind-UTE), Beatriz Cerqueira, afirma que a medida vai dificultar a aprendizagem dos alunos e que é apenas uma maneira de o governo reduzir custos. Beatriz promete acionar o Ministério Público Estadual (MPE) para tentar proibir a novidade.

“Imagina seu filho de 6 anos na mesma sala de um de 9 anos. O conteúdo curricular é muito diferente, isso causa uma dificuldade de aprendizagem. E os professores não foram treinados”. A mesma metodologia foi implementada no Estado do Mato Grosso, onde as entidades de classe também recorreram ao MPE.

Especialistas

Para a psicóloga e professora do Centro Universitário UNA Lecy Moreira, da maneira como ele foi implementado, o modelo dificilmente terá bons resultados. Ela afirma que estudantes, principalmente aqueles em processo de alfabetização, precisam de atenção constante dos educadores, o que ficaria mais difícil com a mistura da conteúdos.

A diretora do Centro Pedagógico da UFMG, Tânia Costa, tem a mesma opinião. De acordo com ela, as novas turmas teriam que ser formadas após serem traçados os perfis dos estudantes. “Os alunos precisariam ter níveis de aprendizado próximos. Isso pode ser feito com o objetivo de desenvolver aptidões dos jovens ou então fazer com que um aluno em um nível mais baixo consiga evoluir em contato com outra turma mais à frente”, explicou.

O Estado ainda não tem o número de escolas que aderiram ao projeto.

Legislação

O Ministério da Educação informou que não se manifestaria sobre a orientação da SEE/MG. Segundo a assessoria de imprensa do órgão, “os Estados têm autonomia para definir sua organização de ensino”.

Fusão

Aulas começam e pais reclamam

Na Escola Estadual Professora Adelina da Conceição Silva, em Bela Vista de Minas, na região Central, a criação de uma turma unificada tem sido motivo de reclamação de pais de alunos. Eles entendem que os filhos serão prejudicados ao assistirem aula com estudantes de uma série mais avançada.

Desde ontem, 11 alunos de 6 anos, do 1º ano do ensino fundamental, juntaram-se a uma turma do 2º ano, com 23 estudantes de 7 anos, e formaram uma sala com 34 crianças. O filho da doméstica Tatiana Cristina Alves, 24, que entrou na escola neste ano, é um dos alunos.

O menino, com 6 anos, terá a companhia de colegas mais velhos na mesma sala de aula. A situação incomoda a mãe dele. “Meu filho está aprendendo a ler e a escrever. Eu acho que ele vai ter mais dificuldade porque vai ter que conviver com muitas informações diferentes. Vai confundir a cabeça dele”, disse Tatiana.

Para a doméstica, como toda criança que está em processo de alfabetização, seu filho precisa de uma atenção mais próxima com a professora. “Com tantos alunos, ela não vai conseguir ajudar a todos”, reclamou.

A diretora da escola Professora Adelina, Conceição Aparecida Silva, disse que a unificação das turmas foi necessária pelo baixo número de inscrição no 1º ano (11 alunos). Apesar de reconhecer que não houve um trabalho nem de adaptação do conteúdo nem da rotina dos professores, ela afirma que não haverá prejuízos aos estudantes. “Somos da rede estadual e temos que seguir a legislação. Estamos nos planejando para atender os alunos da melhor maneira”, disse Conceição. (RR)

Minientrevista com Raquel Santos, subsecretária de desenvolvimento da educação básica

“O professor não precisa de uma capacitação”

Os professores serão capacitados para ministrar as aulas?

Não há necessidade de uma capacitação. Em sua formação, os professores já são habilitados a trabalhar com grupos diferentes. Mas já estamos distribuindo cartilhas com orientações e também realizando oficinas.

Haverá redução da carga horária?

Não há diminuição da carga horária. Nos ciclos iniciais, os alunos terão as quatro horas e dez minutos como previsto em lei. No caso das turmas do ciclo final, os professores vão lecionar todo conteúdo das matérias normalmente.

O que será feito com o excedente de professores?

Eles serão remanejados para outras escolas e também para atuar em tempo integral.(RR)

Leia também:

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



38 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Governo de Minas tenta impedir eleições do Sind-UTE/MG « Viomundo – O que você não vê na mídia

23 de novembro de 2012 às 22h42

[…] Fátima Oliveira: Alunos de séries diferentes na mesma classe? Governo Anastasia “inova”: Coloca alunos de séries diferentes na mesma classe […]

Responder

Professor de Minas

10 de abril de 2012 às 23h51

Nós, professores da rede pública de Minas, estamos vivendo o pior momento da educação que esse estado já teve, além da violência e do descaso das autoridades (in)competentes da gestão escolar, somos obrigados a aprovar milhares de crianças, adolescentes e jovens sem a menor condição de concorrer com os alunos de outras instituições na hora do ENEM. Não acho que seja somente descaso, creio que a lógica PSDBista é impedir o acesso dos alunos de escolas públicas a uma formação descente, capaz de mudar a própria história e quebrar o ciclo de ter que se contentar com os piores empregos e baixos salários. Não sou adepto da teoria da conspiração, mas sou obrigado a concordar com Max Weber que o estado de Minas Gerais tornou-se um instrumento de dominação a serviço de seus gestores, com lei da mordaça e tudo. Me parece que o ENEM está incomodando muito esse pessoal que antes possuía o privilégio de ter um diploma de curso superior e agora tem que mostrar conhecimento de verdade no mercado de trabalho, nem sempre filho de médico tem vocação para a medicina, mas dava dinheiro então seguia-se a profissão do pai. O Brasil precisa federalizar a educação o quanto antes se quiser continuar crescendo, do contrário teremos um futuro tenebroso.

Responder

Geralda

08 de abril de 2012 às 01h31

O que poderemos esperar mais do governo de Minas? É isto ai minha gente, é assim que tucano governa, que se dane a classe que precisa da escola pública.

Responder

DENISE LAMBERTUCCI

05 de abril de 2012 às 17h01

EM TEMPOS ANTIGOS BEM ANTIGOS, LÁ EM TERRAS DISTANTES BEM DISTANTES ONDE ERA DIFICIL CHEGAR ALUNO E PROFESSORA JÁ SE FAZIA ESSE ENSINO 'MULTSERIADO 'PARA OS MORADORES DA ROÇA! A NOVIDADE É QUE A IDÉIA CHEGOU NA METROPOLE PARA INOVAR A EDUCAÇÃO EM MINAS, QUE JÁ ANDA CHEIA DE ESTÍMULOS . ALIAS PRÁ QUE ESCOLA? NÉ ANASTASIA!PRODFESSOR COM SALAS MULTISERIADAS E SEM PLANO DE CARREIRA O QUE MAIS PODEMOS ESPERAR DESSE DESGOVERNO?

Responder

RicardãoCarioca

04 de abril de 2012 às 15h07

Eu acho que a ideia dos demotucanos nos estados é de não dar condições aos seus jovens de atingir a educação da esfera federal, o 3o grau, através do ENEM/SISU. Ou é só maldade com o povo dos seus estados mesmo.

Responder

Romualdo Vieira

04 de abril de 2012 às 14h31

Temos que fazer um movimento em na seguinte dIreção:_Todo detentor de cargo eletivo seja VEREADOR, PREFEITO, GOVERNADOR, DEPUTADO ESTADUAL E FEDERAL, SENADOR, PRESIDENTE etc.., todos tem que manter seus filhos e netos em escolas públicas, não o fazendo PERDE O MANDATO.
REVOGA-SE AS DISPOSIÇÕES EM CONTRATIO.

ASSIM A ESCOLA VAI COMEÇAR A SER VISTA COM MAIOR INTERESSE

Responder

    cerdo

    11 de abril de 2012 às 15h38

    Deixa de ser besta! a maioria dos deputados e senadores tem filhos que ja não estão na idade escolar, então vai querer obrigar eles colocarem seus netos na escola pública??
    Essas idéias que vem do PIG é de amargar.

    Walter

    16 de abril de 2012 às 09h39

    Excelente idéia com certeza, estou com você. O problema é colocá-la em prática……….

Rita

04 de abril de 2012 às 14h28

Em São Paulo também.
Alunos do 4º, 5° e 6º estágios do curso de italiano do CEL (Centro de Estudos de Línguas), na EE Buenos Aires têm aula na mesma sala, no mesmo horário com o mesmo professor.
Quem "inova" sempre é São Paulo.

Responder

Abdula Aziz

04 de abril de 2012 às 13h49

Continuam oferecendo educação pobre aos pobres. Acorda povo. Vamos nos mobilizar.

Responder

Martinha

04 de abril de 2012 às 12h45

Só resta parabenizar o jenial Aécio Never pelo excelente sucessor. Se fazem isso em Minas, o que não fariam com a educação se detivessem o Governo Federal?

Responder

Lucas

04 de abril de 2012 às 12h29

Só tem um jeito de pagar mais corruptos. Diminuir o nº de classes, empilhando alunos de várias idades, demitir professor, pegar a grana e pagar a nova safra da corrupção, pois, os antigos (corruptos) mesmo fora da esfera política nunca deixam de ganhar o seu. Ou seja, o bolo da corrupção nunca vai deixar de aumentar. E com ele vem o aumento dos impostos e medidas como esta de MG. Temos que atacar a corrupção prá valer (condenar rapidamente, prender, sequestrar bens, por a família do corrupto na rua), verificando inclusive a compatibilidade dos bens em relação aos ganhos salariais. Caso contrário, adeus país dos sonhos, um eterno pesadelo.

Responder

José Alfredo

04 de abril de 2012 às 12h18

este governo inventou mesmo é o subsídeo que é maior que o piso mas não é.É só acreditar.Em Minas o salário mais que o piso é 1320 reais para quem tem 15 anos de casa.No Pará,que paga só o piso,i900 reais para iniciantes(se fosse 24 hs) e 2420 para a média dos professores(24 hs).Então Minas faz a mágica do mais ser menos.Parabéns a estes mágicos safados!

Responder

Eduardo Mendes

04 de abril de 2012 às 12h11

Em terra de tucano, educação não tem vez.

Responder

jcm

04 de abril de 2012 às 11h27

Imaginem uma criança de 7 anos o tempo todo com um menino de 12, 13… Quanta coisa ele não vai aprender, antes do tempo!!!! Patrocinado pelo estado tucano, ainda. Vai ser tudo , tudo, precoce.

Responder

Patricia Torga

04 de abril de 2012 às 11h11

Governo de criminosos! Tirando das nossas crianças a chance de uma educação de qualidade!

Responder

FelipeB

04 de abril de 2012 às 09h50

Esse tipo de escola existe em todo lugar do Brasil, inclusive em SP.

Responder

    Armando

    04 de abril de 2012 às 10h27

    Onde existem governantes (federal, estadual e municipal) de má-fé (independente da filiação política), tem esse descalabro na (má) educação.
    São Paulo não é diferente de qualquer estado do Brasil.

    Jorge Nunes

    04 de abril de 2012 às 11h42

    Geralmente em estados muito pobres e nem são mais assim. No Rio de Janeiro uma coisa dessas seria tratada como escândalo, valeria até pedido de desculpas do governador ou do prefeito.

    Não para justificar isso num estado como Minas Gerais.

    josa

    04 de abril de 2012 às 13h36

    Existe desde sempre. É que o povo se esqueceu das reprovações, depois da aprovação automática.

M. S. Romares

04 de abril de 2012 às 04h50

Agora entendi porque o aético produz textos tão "maravilhosos"…

Responder

Marcio H Silva

04 de abril de 2012 às 01h01

Estes caras estão de safadeza com a Dilma. o Governo federal criando inúmeros programas para a educação e da 6ª economia do muindo, e estes caras fazendo estas besteiras. Não acredito que sejam tão burros, é má fé mesmo.

Responder

    Armando

    04 de abril de 2012 às 10h23

    O governo federal está criando programas mas não põe em prática.
    É como resposta de telemarketing: "Estarei verificando sua ocorrência".
    A ação, sempre no gerúndio, é sinônimo de enrolação.
    Enquanto isso, o governantes de má-fé conseguem emburrecer quem mais precisa de conhecimento.

    RicardãoCarioca

    04 de abril de 2012 às 15h04

    Estão pondo em prática sim. A percepção que não está vem do PiG, que não lhe informa, objetivando isso mesmo. Procure ler mais fontes jornalísticas, inclusive no site do Ministério da Educação.

Tina

04 de abril de 2012 às 00h20

É só o jeito tucano de ser e governar…

Em Minas, séries diferentes na mesma sala. Em São Paulo, bônus de 5,00 reais para os professores!

Responder

Polengo

03 de abril de 2012 às 23h27

Pior que esses tucanos sucateiam a educação na nossa cara, cada vez com uma pior. Até onde vai?
Vai chegar o dia em que não vai ter professor, vão largar os alunos na escola o dia inteiro. A justificativa vai ser alguma teoria escusa de ensino libertário onde os alunos possam escolher que salas, que livros e que conhecimento querem adquirir, para poderem seguir suas vidas com mais objetividade.
Canalhas.

Responder

Vlad

03 de abril de 2012 às 23h07

Pode ser um atraso, absurdo, inaceitável, o que quiserem, mas "inovação" é que não é.
Chama-se escola unidocente, não é condenada pelo MEC e existe no Brasil desde o tempo da carochinha e ainda hoje, às dúzias, pelos grotões.
E longe de mim querer defender os tucanos no que se refere à educação. São piores até que os petistas, se é que é possível.
Só não digam que vaca mugir é inovação apenas porque o mais perto que chegaram de uma foi no buffet do restaurante por quilo.

Responder

Jorge Nunes

03 de abril de 2012 às 22h47

coisas como essas só sobrevivem por obra e graça da insanidade política da mídia

Responder

Paulo

03 de abril de 2012 às 21h18

Que absurdo isso!! Os pais dessas crianças que certamente serão prejudicadas tem que fazer um levante contra isso. QUe absoluta falta de noção. E que absoluta falta de noção do povo mineiro de eleger esses acecistas incompetentes e corruptos!

Responder

Romeu

03 de abril de 2012 às 20h38

Isso já existiu aqui em Minas.
Não é novidade nenhuma.
Acontecia em pequenas escolas rurais, com alunos das quatro séries iniciais.
Meu pai, um velho político da década de sessenta, construiu com dinheiro do próprio bolso, uma prédio que era composto de duas salas, dois pequenos banheiros, uma pequena cozinha e uma pequena área para o recreio. Funcionavam duas séries em cada sala. Muitas pessoas foram alfabetizadas deste jeito.
Anasta"azia" não está inovando e sim voltando à década de sessenta em matéria de educação.
Esse é o modo "tucano" de inovar e educar. Está dando tristeza ser mineiro.

Responder

ARNALDO

03 de abril de 2012 às 20h32

Esse Governador foi para escola ? Esse cabra é doido ?Minas Gerais vai de mal a pior….

Responder

Joao Barbosa

03 de abril de 2012 às 20h04

Isso não é nada….

O (des)governo de MG aferece também aulas pela TV, como parte do curriculo escolar: http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2011/08/2

O (des)governo de MG proibe os professores de comerem merenda: https://historiaspraboiacordar.wordpress.com/2012

Para conhecer a MG real, veja este video: https://www.youtube.com/watch?v=Y_R76FD7fVg

Minas Gerais o estado com a pior relação "dívida x PIB" do Brasil : http://www.advivo.com.br/blog/douglaslisboa/sobre

Responder

marcia

03 de abril de 2012 às 19h32

É indecente a proposta da Secretaria de Educação. Aposto que não permitiriam isto se os filhos dos políticos estudassem em escolas públicas, é a total esculhambação da educação em MG. Quando o povo vai acordar!

Responder

Julio Silveira

03 de abril de 2012 às 18h50

É a jenialidade (com J mesmo) dos politicos tucanos, como aquela demonstração de saber do Cerra, em sala de aula, ensinando as crianças. Coitados de quem ainda não acordou e sonham que eles são sérios.

Responder

E S Fernandes

03 de abril de 2012 às 18h48

É ridículo. É tratar o povo com ódio; com sangue escorrendo pelos dentes; é o nojo do público e de tudo aquilo que lembra bem público, como a educação por exemplo. A política, quer e pratica o psdb, nada mais nada menos é que cuidar do interesse dos seus. O resto de nós, os 99%, dane-se.
Isto é em qualquer área. O pior de tudo que o PT e a esquerda em geral é quase igual.

Nossa, que forma de texto ruim. Perdão, é que to nervoso.

Responder

    renato

    03 de abril de 2012 às 21h16

    Pode ficar, faz bem, abre espaço para um melhor raciocínio.

Fernando

03 de abril de 2012 às 18h29

Isso é coisa de jênio, ele tem que patentear essa idéia, como ninguém pensou nisso antes, quando a ONU, Unicef, etc, souberem vão encher ele de honrarias. Parabéns ao povo mineiro que descobriu e votou neste jênio.

Responder

Marcelo

03 de abril de 2012 às 18h21

Ele podia também juntar a Assembléia Legislativa e o Governo (oficialmente). Leva a corja dos deputados pro Palácio da Liberdade e usa o prédio da Assembléia pra uma coisa útil (que tal uma escola pública).

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.