VIOMUNDO

Diário da Resistência


Milícias do Rio, instigadas por Flávio Bolsonaro, ameaçaram juiz Damasceno: ”Até hoje, a polícia nada apurou”
Denúncias

Milícias do Rio, instigadas por Flávio Bolsonaro, ameaçaram juiz Damasceno: ”Até hoje, a polícia nada apurou”


03/02/2019 - 14h39

por Conceição Lemes

O juiz de Direito João Batista Damasceno tem uma coluna semanal no jornal O Dia, do Rio de Janeiro.

Sai aos sábados. Nesse último, 2 de fevereiro, tratou do Perigo das Milícias (na íntegra, ao final).

São  ‘matadores’.

Já foram chamados de  ‘Esquadrões da morte’, ‘Mão branca’, ‘Grupos de extermínio’  e, agora, ‘Milícias’.

Em 25 de agosto de 2013, o juiz Damasceno pendurou no gabinete, na parede atrás da sua cadeira, o quadro Por uma cultura de paz, de Carlos Latuff.

O quadro denunciava o genocídio dos jovens pobres e pretos das periferias pela polícia.

O então deputado estadual Flávio Bolsonaro (na época PP/RJ) oficiou à presidenta do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), Leila Mariano, que era filha de policial. Ela encaminhou a queixa para a Corregedoria.

Houve, ainda, reação da “bancada da bala” e de algumas associações de policiais.

O corregedor fez uma representação judicial contra Damasceno por suposto descumprimento de dever funcional.

Alegou que a obra de arte tinha  crítica à polícia e que pendurar tal quadro num gabinete era crítica a outra instituição e que tal comportamento era indevido a um juiz.

Em 10 de março de 2014, Damasceno foi a julgamento por pendurar quadro que denuncia genocídio contra pobres.

Por 15 votos a 6 o Órgão Especial do TJRJ rejeitou a representação.

Nesse período, via cartas, telefonemas e postagens em perfis falsos, Damasceno foi ameaçado por milícias instigadas por Flávio Bolsonaro, que chegou a publicar no seu Facebook um modelo de ação judicial para que todos os policiais representassem o juiz.

Uma das postagens é esta abaixo (o negrito, ao final, é nosso):

Esse juiz João Batista Damasceno é um vagabundo safado! AntiPM filho da puta!

Ele já é conhecido por publicar em blogs e revistas, seu ódio contra policiais militares, principalmente após a morte da juiza Patrícia Accioli. Safado do caralho!

Merece ter o mesmo fim da juíza vadia Patrícia Accioli. Canalha! Ladrão do caralho!

Não bastava ele não gostar de PMs, coisa que todos nós sabemos, que juízes não gostam de policiais militares, mas, este merda fez questão de mostrar seu “AntiPeemismo” para todos que adentrassem seu gabinete.

Acho bom este verme tomar cuidado. Acha que por ser juiz, ninguém vai ter coragem de tocá-lo. A morte da juíza em São Gonçalo mostrou que não é bem assim não.

Juiz de merda! Vagabundo defensor de traficantes e toda raça de bandidos! Este juiz desrespeitou toda a instituição e generalizou totalmente os policiais.

Para ele, todos nós somos assassinos, corruptos, etc. Um filho da puta de um juiz como ele, que deve ser imparcial em suas decisões e julgar de acordo com o que a lei determina, mostrou ao expor este quadro em seu gabinete, que não age com imparcialidade porra nenhuma quando um processo de um PM é entregue em suas mãos.

Alô seu juiz de merda, João Damasceno! Você pendurou um quadro de um policial atirando em um homem numa cruz, ou seja, provavelmente representando a figura de Jesus Cristo.

Pois bem, nós não gostaríamos de pendurar um quadro não; gostaríamos de pendurar sua cabeça decaptada, seu filho de uma puta! Já que este juiz de merda fez questão de mostrar que odeia os policiais militares, que ele saiba que nós odiamos estes magistrados de merda!

Cambada de vermes, coniventes com tudo quanto é sujeira que ocorre neste país. Juízes são vermes! E assim como os políticos, traficantes e estupradores, merecem ser exterminados.

Nós, policiais, estamos revoltados com a atitude deste juiz vagabundo, e exigimos a retirada imediata deste quadro do gabinete do Juiz João Damasceno, e um pedido formal de desculpas por parte do mesmo.

E o deputado estadual Flávio Bolsonaro postou em seu perfil no facebook, um modelo de ação judicial para que todos os policiais possam representar contra este covarde que se esconde por de tras de uma tóga. Juiz vagabundo safado (sic) ”.

Flávio Bolsonaro, agora senador pelo PSL/RJ, é o filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro, ambos defensores das milícias.

Até novembro de 2018, o gabinete do ex-deputado estadual Flávio Bolsonaro empregou a mãe e a mulher do capitão Adriano Magalhães da Nóbrega , tido pelo Ministério Público do Rio como o homem forte do Escritório do Crime , milícia suspeita do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes.

Além de empregar as familiares de Adriano, Flávio Bolsonaro por duas vezes homenageou o atual chefe do Escritório do Crime.

Acusado há mais de uma década por envolvimento em homicídios, o miliciano foi alvo de um mandado de prisão, mas não foi localizado pela polícia; encontra-se foragido

”Em relação às ameaças a mim, até hoje a Polícia nada apurou”, afirma Damasceno ao Viomundo.

” O pior é a constatar a intercessão das milícias com os três poderes ou destes com as milícias”, arremata.

O perigo das milícias

por João Batista Damasceno, em O Dia

Milícias são grupos atuantes à margem da lei, mas não do Estado. São agentes públicos ou particulares a estes vinculados no exercício de suas próprias razões e em atendimento aos próprios interesses.

Potentados locais, no Brasil Colônia, Império e República Velha – senhores de engenho e cafeicultores – tinham as suas milícias. O regente Feijó recenseou as milícias, deu-lhes organização e as chamou de ‘Guarda Nacional’. De acordo com o número de comandados o potentado rural era nomeado de tenente a coronel.

As atuais milícias remontam ao primeiro grupo de homens autorizados a matar, formado em 1958. Em maio de 1957, Juscelino Kubitschek nomeou Amauri Kruel para chefe do Departamento Federal de Segurança Pública (DFSP), órgão que antecedeu o Departamento de Polícia Federal (DPF).

No ano seguinte Kruel viajou a Washington, em companhia do coronel Danilo Nunes, chefe do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS), entrevistando-se com o presidente estadunidense Dwight Eisenhower.

Um chefe de departamento de polícia no Brasil foi recebido pelo presidente dos Estados Unidos. Na volta, Kruel promoveu campanhas contra a criminalidade e montou um grupo de homens autorizados a matar. Este grupo, com alguns acréscimos, foi condecorado por Carlos Lacerda como ‘Os 11 homens de ouro da polícia’.

Em 1959, após uma discussão com o deputado federal udenista Meneses Cortes, membro da CPI instituída para apurar atos de extorsão, execuções e corrupção no DFSP, Kruel agrediu fisicamente o parlamentar e por isto foi exonerado.

Hoje seria homenageado por parlamentares que apoiam a truculência e a extorsão. Marielle Franco e Marcelo Freixo não foram os primeiros parlamentares a enfrentar milícias.

Com o golpe empresarial-militar de 1964 sucederam-se outros grupos paramilitares visando à perseguição aos inimigos do regime: comunistas, humanistas, nacionalistas e líderes populares. Tais grupos passaram a ser chamados de “Esquadrões da morte”.

Com a redemocratização e descentralização política, os ‘matadores’ se constituíram como líderes políticos locais. Muitos se elegeram para cargos públicos ou ocuparam cargos de livre nomeação. Os ‘Esquadrões da morte’ passaram a ser chamados de ‘Mão branca’, depois ‘Grupos de extermínio’ e, agora, ‘Milícias’.

Com as peculiaridades de cada local e de cada tipo de atividade desenvolvida, esses grupos têm em comum o fato de serem aliados ou pertencentes aos quadros do Estado, atuarem com violência ilegítima e enriquecerem com extorsões ou negócios ilícitos. Suas presenças em todos os poderes são danosas às instituições.

Em 2013, por haver pendurado um quadro do cartunista Carlos Latuff em minha sala de audiências, pude vivenciar a extensão dos tentáculos de tais grupos no seio dos três poderes do Estado.

A atuação de tais grupos contra defensores de Direitos Humanos, da democracia e da justiça social leva à preocupação com segurança, que todo defensor da dignidade da pessoa humana deve passar a ter. A ampliação do poder e dos seus campos de atuação propicia riscos pessoais, mas também à própria democracia.

 

 

 

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

05 de fevereiro de 2019 às 19h46

https://pbs.twimg.com/media/DyqVeoFW0AYZn8Y.jpg
O novo promotor a assumir o caso no Ministério Público do Rio de Janeiro, Cláudio Calo, é um apoiador ferrenho do clã Bolsonaro e endossa as publicação da família com frequência nas redes sociais.
Promotor retuitou entrevista de Flávio Bolsonaro na Globo News.

https://twitter.com/ptbrasil/status/1092850319191617538

Responder

LUIZ HORTENCIO FERREIRA

04 de fevereiro de 2019 às 16h02

Pergunte aos Juizes que serão coagidos e correrão risco de vida, em quem eles votaram na ultima eleição para Presidente?

Responder

DARCY BRASIL RODRIGUES DA SILVA

04 de fevereiro de 2019 às 16h00

Primeiro, gostaria de revelar que o juiz João Batista Damasceno é alguém que desfruta da intimidade de minha família, posto que eu e dois de meus irmãos, a poeta Delayne Brasil Rodrigues da Silva, e o professor de Física, Denys Brasil Rodrigues da Silva, o conhecemos desde os tempos em que morávamos no Alojamento dos Estudantes da UFRJ. Mais tarde, Damasceno, já então convertido em juiz, viria a frequentar também a casa de minha falecida mãe, que por ele nutria sincero carinho.
As ameaças de morte não constituem novidade na vida do juiz Damasceno. Criminosos por ele punidos em Nova Iguaçu também prometeram vingança, a ponto de meu amigo ter que se transferir para São Gonçalo (se é que alguém poderia se sentir mais seguro em uma cidade com idêntico índice de violência daquela da qual se transferiu). A novidade é que aqueles que o ameaçaram em Nova Iguaçu eram criminosos comuns, e, agora, trata-se de bandidos que agem à sombra do Estado. E isto representa um aumento exponencial da periculosidade dessas ameaças , sobretudo, em um momento em que um político e sua família, escancaradamente vinculados às milícias paramilitares, milícias agora, também, envolvidas com o narcotráfico , sagrou-se Chefe do Poder Executivo da República Federativa do Brasil. Sei bem o que a presença de Bolsonaro significa para essa gente desumana, ambiciosa, protofascista, sem princípios morais, sem apreço pelo que dita a lei. Se não tivesse Bolsonaro sido eleito, o meu assassinato por motivação política, já que jamais mantive qualquer tipo de envolvimento amigável ou hostil com narcotraficantes, certamente também não teria sido cogitado pelos covardes que o planejavam efetivar precisamente poucos dias antes da posse de Bolsonaro, convictos de que não seriam punidos, protegidos que se sentiam (e ainda se sentem) por aquele para o qual se empenharam em campanha eleitoral.
É por isso que, para mim, não tem cabimento ficar levantando as semelhanças entre Bolsonaro e o seu vice, o general Mourão. O que realmente interessa reconhecer são as diferenças, que existe, por incrível que possa soar, algo ainda pior do que o fascismo, que seria representado por um país governado pelo crime organizado, via milícias paramilitares. Mesmo regimes fascistas se prestam a um mínimo de respeito aos procedimentos legais, a algum tipo de regramento, de observância de um ritual legal. Foi graças a isso, que não se eliminou fisicamente Gramsci, permitindo que ele redigisse os seus “Cadernos do Cárcere” (embora tenham destruído a sua saúde no cárcere). Muitos brasileiros também puderam se salvar durante a ditadura por conta desse mínimo de respeito à dignidade humana (Dilma sobreviveu às torturas, e pode um dia se converter Presidenta). Fossem milicianos paramilitares os responsáveis pela repressão aos movimentos sociais, aos partidos e militantes de esquerda, Dilma , e tantos outros que sobreviveram às perseguições da ditadura, teria levado 5 tiros na cabeça, como Mariella.
As milícias, não tenham dúvida, já foram convocas para fazer o trabalho sujo de eliminação física de militantes e dirigentes de partidos democratas.Com isso, pretende-se eximir de culpa os governantes, manter a fachada democrática do regime. Não haverá DOI- CODs, nem porões do Dops, mas apenas corpos fuzilados dentro de casa, nas ruas, no interior dos automóveis, como ocorreu com Mariella, simulando crimes comuns. Assassinatos a sangue frio atribuídos, não mais a governantes, a delegados de polícia, a militares das Forças Armadas, mas a indivíduos renegados por essas organizações militares e policiais. Os governantes, as autoridades jurídicas e policiais, apenas se apresentariam para fingir que lamentam esses crimes e prometer hipocritamente encontrar os responsáveis e puni-los (esse é o sentido do programa de Sérgio Moro para o Ministério da Justiça, mesmo que ele não tenha consciência disso. Se quiser combater as milícias, como prometeu, não conhecerá respaldo dentro do governo Bolsonaro. Poderá combater o PCC e o Comando Vermelho, concorrentes dos milicianos no bilionário negócio do narcotráfico, e, ao fazê-lo, estará, mesmo que não tenha consciência disso, trabalhando para os interesses das milícias, limpando o terreno para que elas ocupem as posições econômicas atualmente preenchidas por essas e outras organizações criminosas).
Face a isso, defendo uma imediata articulação com todas as forças interessadas em afastar Bolsonaro da Presidência, substituindo-o pelo general Mourão, de quem exigiríamos principalmente o compromisso de desarticular as milícias, colocando os seus perigosos chefes na cadeia, como condição para contar com o nosso voto no Congresso Nacional. Elementos para o impeachment de Bolsonaro já existem em quantidade mais do que suficiente.
Por último, é importante frisar que, entre a violência das organizações de traficantes tradicionais, como o Comando Vermelho e o PCC, e a da milícia, não tenho dúvida de que, se tivesse que escolher, e não havendo outra alternativa, ficaria com o Comando Vermelho e o PCC, que, nem de longe, poderiam causar o mal que as milícias são capazes de provocar em toda extensão da sociedade brasileira, ferindo de morte a própria democracia e os princípios civilizatórias que ainda restam no nosso país.

Responder

Wanderley moraes

03 de fevereiro de 2019 às 17h49

Posso dizer com toda a garantia, depois desse fato ocorrido ao eminente juiz João Damasceno, que o Brasil hoje é um ‘ estado criminal.’

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

Últimas matérias
Bebianno só acredita “quando sair o papel com a exoneração” e teria dito a interlocutor que com sua demissão “o Brasil vai tremer”

Da Redação  “Eu quero ver o papel com a exoneração, a hora em que sair o papel com a exoneração é porque eu fui exonerado”, afirmou aos jornalistas neste sábado Gustavo Bebianno, o ministro da Secretaria Geral da Presidência. O cala boca de Bebianno, agora acusado de ter vazado conversas sigilosas entre ele e Jair […]

Ler matéria