VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

PGR faz que não vê denúncias de Tacla Duran sobre bastidores da Lava Jato faz quase seis meses

22 de maio de 2018 às 13h38

Foto Lula Marques

Há 167 dias PGR ignora representação de deputados com denúncias de Tacla Duran contra Lava-Jato

do PT na Câmara

Nesta segunda-feira (21) completaram-se 167 dias da representação que os deputados Carlos Zarattini (PT-SP), então líder da bancada do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), atual líder, Paulo Teixeira (PT-SP) e Wadih Damous (PT-RJ) protocolaram junto à Procuradoria-Geral da República (PGR) para cobrar investigação acerca das denúncias do ex-advogado da Odebrecht, Rodrigo Tacla Durán, sobre irregularidades no âmbito da operação Lava-Jato.

Após a representação, protocolada no dia 5 de dezembro, os parlamentares foram recebidos no dia 28 de fevereiro pelo subprocurador-geral da República Carlos Alberto Vilhena.

Na ocasião, os petistas anexaram mais documentos e denúncias à peça inicial.

E no dia 2 de maio, decorridos 148 dias do protocolo da representação, Pimenta, Teixeira e Damous foram recebidos em audiência pela Procuradora-Geral Raquel Dodge, que se mostrou surpresa quanto à representação dos parlamentares e pediu uma semana para apresentar uma resposta com as providências tomadas pelo órgão.

Na última terça-feira (15), os deputados enviaram ofício à PGR mencionando que “lhes foi assegurado que no prazo de uma semana (…) seria retomado o contato com os parlamentares já com as devidas medidas tomadas” quanto às denúncias apresentadas por eles.

No ofício destinado a Raquel Dodge, os petistas cobram o agendamento de nova reunião com a chefa do Ministério Público e afirmam que “causa estranheza que, apesar do compromisso assumido por Vossa Excelência, passaram-se mais de cinco meses do envio da representação e sete dias do prazo previsto na última audiência, sem que não tenha havido qualquer ação por parte desta Procuradoria”.

Paulo Pimenta enxerga uma discrepância entre a celeridade dos processos contra o ex-presidente Lula e a fiscalização sobre irregularidades apontadas por Tacla Durán no modus operandi da Lava-Jato.

“É impressionante como os procedimentos para condenar sem provas o ex-presidente Lula parecem se mover na velocidade da luz, enquanto os pedidos de controle e fiscalização a respeito de possíveis crimes cometidos pelos agentes públicos da Lava-Jato caminham a passo de lesma”, criticou o deputado gaúcho.

“Espero que a procuradora Raquel Dodge possa cumprir com aquilo que nos prometeu e nos receber esta semana para mostrar que as denúncias que trouxemos foram efetivamente investigadas”, acrescentou Pimenta.

Leia o ofício encaminhado no último dia 15 de maio à PGR:

 

Apoie o VIOMUNDO

Crowdfunding

Veja como nos apoiar »

O lado sujo do futebol

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Entre os mais vendidos da VEJA, O Globo, Época e PublishNews. O Lado Sujo do Futebol é o retrato definitivo do que acontece além das quatro linhas. Um dos livros mais corajosos da história da literatura esportiva, revela informações contundentes sobre as negociatas que empestearam o futebol nos últimos anos. Mostra como João Havelange e Ricardo Teixeira desenvolveram um esquema mafioso de fraudes e conchavos, beneficiando a si e seus amigos. Fifa e CBF se tornaram um grande balcão de negócios, no qual são firmados acordos bilionários, que envolvem direitos de transmissão e materiais esportivos. Um grande jogo de bolas marcadas, cujo palco principal são as Copas do Mundo.

por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet.

Compre agora online e receba em sua casa!

 

5 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

carlos

24/05/2018 - 17h19

Eu vejo que isso começou com o programa a ponte para o futuro, que hoje o que antevejo é que podemos retornar para a idade da pedra lascada, ou seja, tudo que está acontecendo hoje vai resultar em uma crise de abastecimento, vamos ter que cozinhar em fogão a lenha, pra se ter uma ideia. Já tem gente falando que as eleições serão indiretas fruto do golpe.

Responder

maria do carmo

24/05/2018 - 11h44

Parabens Paulo Pimenta, Paulo Teixeira e Wadit Damous, parabens com louvores, nao podemos nos esquecer da JUIZA GABRIELA HARDT, essa sim verdadeira juiza que exerce a profissao como verdadeiro sacerdocio e com coragem, vejam que Moro psdebista juiz parcial foi comemorar com Doria a destruicao do Brasil em Nova York em grande estilo, perdeu totalmente o pudor ja e tudo escancarado, Moro chama de lambanca a decisao da juiza que faz justica segundo a constituicao, Moro esse pequeno, desequilibrado, doente vaidoso sorria desavergonhadamente, e o pequeno supremo silente,e Moro invalida decisao de juiza deve se achar Deus so que de pes de barro o mundo esta vendo ficara na historia como juiz arbitrario que destruiu o Brasil, mas antes esse juiz sera julgado e punido se bem que tentara fugir pra os Estados Unidos seu patrao.

Responder

RONALD

24/05/2018 - 11h09

Só há uma palavra para isto: PREVARICAÇÃO !!!!!

Responder

Julio Silveira

22/05/2018 - 14h57

Sempre me surpreende esse admiravel mundo novo. Rsrsrsrs, mundo das preferencias pelo dispensavel e incipiente superfluo, usado para esconder o essencial. Das vaidosas inteligencias vãs, inuteis. Algumas apenas limitadas, aculturados pelas estruturas profissionais condicionadoras para adesão mental a cultura do inutil. Feitas para torna valoroso o irrelevante, enquanto destrõem o fundamental.

Responder

Adalmiro Larrossa

22/05/2018 - 13h49

“…sem que não tenha havido…” é ruim.

Responder

Deixe uma resposta