VIOMUNDO

Diário da Resistência


Cimi: Extinção dos conselhos aprofunda ataques do governo Bolsonaro aos povos indígenas
Reunião do Conselho Nacional de Política Indigenista (CNPI), em Brasília. Foto: Ana Mendes
Denúncias

Cimi: Extinção dos conselhos aprofunda ataques do governo Bolsonaro aos povos indígenas


12/04/2019 - 19h51

Extinção de conselhos sociais ressalta viés autoritário e antidemocrático do governo Bolsonaro

Com a extinção do Conselho Nacional de Política Indigenista, o governo Bolsonaro demonstra não estar disposto ao diálogo com os povos, organizações e lideranças indígenas do Brasil

Conselho Indigenista Missionário – Cimi

O presidente Jair Bolsonaro assinou, nesta quinta-feira, (11), o Decreto 9.759/19, que coloca fim a conselhos sociais do governo federal. Ao menos 35 conselhos, que integram a Política Nacional de Participação Social (PNPS), foram extintos.

Entre eles estão o Conselho Nacional de Política Indigenista (CNPI) e a Comissão Nacional de Educação Escolar Indígena (CNEEI), que acompanhava a execução de políticas públicas para quase 3 mil escolas indígenas espalhadas pelo país. A medida visa asfixiar os instrumentos democráticos de participação social na definição de políticas públicas e controle social.

Em 2007 foi instalada, de forma inédita, a Comissão Nacional de Política Indigenista, transformada em conselho por meio do Decreto 8.593/15, instalado, por sua vez, em abril de 2016.

O CNPI era um órgão colegiado de caráter consultivo, responsável pela elaboração, acompanhamento e implementação de políticas públicas voltadas aos povos indígenas. Era composto por 45 membros, sendo 15 representantes do Poder Executivo; 28 representantes dos povos e organizações indígenas, sendo 13 com direito a voto, e dois representantes de entidades indigenistas.

A medida deteriora ainda mais a relação e aprofunda os ataques do governo Bolsonaro contra os povos indígenas do Brasil.

A edição da Medida Provisória (MP) 870/19 e dos decretos que alteraram a estrutura do governo brasileiro, no início de janeiro, determinou a transferência das competências de demarcação das terras indígenas e de licenciamento ambiental de empreendimentos de infraestrutura que afetam terras indígenas para o Ministério da Agricultura, sob o comando dos ruralistas, principais inimigos dos povos indígenas.

Esta iniciativa, dentre outras, já demonstrava evidente posicionamento político ideológico do governo em prol dos interesses dos ruralistas, que embora componham apenas 1% da população, detém a propriedade de 46% das terras do território nacional.

Para o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), com a extinção do CNPI, o governo Bolsonaro fecha um importante canal de interlocução com os povos indígenas. Trata-se de uma ação concreta por meio da qual o governo demonstra não estar disposto ao diálogo com os povos, organizações e lideranças indígenas do Brasil.

A extinção dos conselhos aprofunda o viés autoritário e antidemocrático do governo Bolsonaro.

Conselho Indigenista Missionário – Cimi

Brasília, 12 de abril de 2019

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.