VIOMUNDO

Diário da Resistência


“Se Janot não denunciar o Aécio nem abrir investigação, vou encaminhar denúncia ao Senado por crime de responsabilidade”
Denúncias Falatório

“Se Janot não denunciar o Aécio nem abrir investigação, vou encaminhar denúncia ao Senado por crime de responsabilidade”


25/03/2015 - 21h18

janot e aécio

por Conceição Lemes 

Na quinta-feira passada 19, os deputados Rogério Correia (estadual), Padre João e Adelmo Leão (federais), todos do PT de Minas Gerais, entregaram à Procuradoria-Geral da República (PGR), em Brasília, provas para abertura de inquérito contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) nas investigações da Operação Lava Jato.

Aécio foi citado explicitamente na delação premiada do doleiro Alberto Youssef. Entre outras coisas, o doleiro disse “ter conhecimento” de que Aécio, na época em que era deputado federal, estaria recebendo recursos desviados de Furnas “através de sua irmã” (aqui e aqui). Também que Aécio operava a diretoria de Furnas “em comum acordo” com o PP, do ex-deputado federal José Janene, já falecido.

O esquema ao qual Youssef se refere é a Lista de Furnas, alvo de denúncia feita em 2012 pela procuradora Andrea Bayão, do Ministério Público Federal no Rio de Janeiro (MPF-RJ), atualmente em Brasília. À época, ela já havia acumulado provas que justificavam a abertura de um inquérito, inclusive um laudo da Polícia Federal (PF) autenticando a lista.

No entanto, contrariando a recomendação dos procuradores responsáveis pelo caso, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, livrou Aécio de ser investigado na Lava Jato.

Mais surpreendente para os deputados petistas foi a alegação de que não havia indícios suficientes para abrir investigação contra Aécio.

Afinal, em 13 de fevereiro de 2014, eles foram pessoalmente ao gabinete de Janot entregar as provas do envolvimento de Aécio no caixa 2 de Furnas. Foi a primeira vez. Na semana passada, a segunda.

Entre os documentos entregues agora está uma notificação do jornalista Marco Aurélio Carone ao procurador-geral da República sobre a Lista de Furnas.

“Absurda a postura do PGR de nem ao menos abrir investigação”, diz, indignado, Carone ao Viomundo. “A delação de Youssef confirma a denúncia feita em 2012 pela procuradora federal Andrea Bayão.”

Na notificação (na íntegra, ao final), Carone requer a Janot que ofereça denúncia contra o Aécio Neves, de acordo com os inquéritos do mensalão tucano e a Lista de Furnas. Ou abra uma investigação como fez com outros envolvidos na Lava Jato.

“Se o PGR não cumprir o seu dever constitucional, vou encaminhar denúncia ao Senado por crime de responsabilidade, com base na lei 1.079, de 10 de abril de 1950, artigo 40”, observa Carone. “Isso pode abrir caminho para o pedido de seu impeachment.”

PRISÃO “FOI PARA SE GARANTIR DE QUE NÃO PUBLICARIA QUALQUER DENÚNCIA CONTRA AÉCIO”  

Desde cedo, todo mineiro aprende na escola. A bandeira do Estado, instituída em 1963, baseia-se na proposta pelos inconfidentes para a República que idealizavam em 1789. Um triângulo com a inscrição em latim, Libertas Quæ Sera TamenLiberdade ainda que tardia.

Entretanto, nos 12 anos de PSDB no governo de Minas Gerais, faltou liberdade, sobrou truculência.

A serviço de Aécio Neves (2003 a 2010) e Antonio Anastasia (2011 a 2014), a grande imprensa mineira foi amordaçada e jornalistas críticos aos desmandos tucanos, calados.

Alguns perderam emprego. Marco Aurélio Carone, do site Novo Jornal, além de ter equipamentos e documentos apreendidos, foi preso. Amargou cadeia de 20 de janeiro a 4 de novembro de 2014 e quase morreu devido a um ataque cardíaco.

O mesmo destino teve o controvertido lobista Nílton Monteiro, delator do mensalão tucano e da lista de Furnas. Permaneceu dois anos em prisão preventiva sem nenhuma condenação.

Carone, segundo a versão oficial, formava uma quadrilha junto com Monteiro, para disseminar documentos falsos, inclusive por meio de seu site, com o objetivo de extorquir acusados. O jornalista foi acusado de ser o relações públicas do esquema.

O bloco parlamentar  Minas Sem Censura (MSC) tem outra explicação: a prisão preventiva do jornalista era uma armação e tinha a ver com o chamado mensalão tucano e a Lista de Furnas no contexto das eleições de 2014, quando Aécio foi candidato à presidência da República.

Agora, a delação premiada do doleiro Alberto Youssef reforça a denúncia da Lista de Furnas, onde consta que o próprio Aécio teria recebido R$ 5,5 milhões em propinas. O deputado Rogério  Correia acrescenta: “É bom lembrar que, em 1998, ele já tinha recebido 110 mil de mensalão tucano de Marcos Valério, que hoje significariam em torno de R$ 400 mil”.

Diante disso, Carone protocolou em 12 de março no Ministério Público Federal em Belo Horizonte uma notificação  ao procurador-geral Rodrigo Janot, questionando a não abertura de inquérito contra Aécio.  O documento tem 18 páginas.

De saída, o jornalista relata a sua prisão e a acusação de “integrar uma quadrilha comandada por Nílton Monteiro, tratado como lobista e especialista em falsificação de documentos, entre eles a Lista de Furnas”. Carone frisa: “a sua prisão foi para se garantir de que não publicaria qualquer denúncia sobre o candidato Aécio Neves”.

carone petição 1

Carone diz que Janot  “não se movimenta” em relação aos inquéritos referentes a Aécio Neves, entre os quais o da Lista de Furnas.

carone petição 2

O jornalista diz também que, ao deixar de ao menos investigar Aécio na Lava Jato, Janot tem uma “atitude protecionista”.

carone petição 3

Finalizando, o jornalista requer que o procurador-geral ofereça denúncia contra Aécio Neves ou abra investigação, “sob pena de denúncia por Crime de Responsabilidade junto ao Senado Federal”.

Carone captura 4-001

“Se o PGR não cumprir o seu dever constitucional, não há outro caminho que não a denúncia ao Senado”, reforça Carone, arrematando.  “A lei é clara. Abre-se um inquérito, cria-se uma comissão processante que avaliará o caso. A decisão final cabe ao plenário.”

Notificação de Marco Aurélio Carone ao Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot.pdf by Conceição Lemes

[São as assinaturas de leitores que nos mantêm vivos para produzir conteúdo exclusivo como este]

Leia também:

Deputado detona tucanos: “Comem pão-de-ló” e ” bebem  vinho” com a turma do trensalão





31 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

anac

30 de março de 2015 às 08h26

Não resta duvidas que Renan vai afzer tudo para que Janot que PREVARICOU sofra o impeachment. Clramente está protegendo o tucano aecio. dizem as boas linguas

Responder

    anac

    30 de março de 2015 às 08h29

    Dizem as boas línguas que Janot para não investigar aécio foi ameaçado por um deputado federal tucano. Se é frouxo que renuncie ao cargo de Procurador Geral que não é para frouxos, muito menos para prevaricador.

renato

28 de março de 2015 às 19h34

Excelente noticia…
Só tem que tomar cuidado..
O bicho é nervoso..

Responder

Flavio de Oliveira Lima

27 de março de 2015 às 15h20

Boa noticia! Temos deputados petistas em Minas! Arre!

Responder

Odete

27 de março de 2015 às 00h44

Hoje eu li que o Sindicato dos Advogados de São Paulo estão exigindo uma investigação do aercim never

Responder

Ozzy Gasosa

26 de março de 2015 às 22h36

Ótima notícia essa.
Vocês sabem que os achacadores do Congresso e Senado, aguardarão esse pedido com sangue nos olhos.
Pague para ver Já not …

Responder

Nonato Amorim

26 de março de 2015 às 19h56

Azenha & Amigos, de que vai adiantar levar o assunto para o Senado? Aquilo é uma casa de comadres, ninguém quer passar ninguém a limpo…

Responder

Messias Franca de Macedo

26 de março de 2015 às 19h55

(…)
Agora vai ficar difícil para [os ‘calunistas’ “do PIG” – adedno nosso] manterem a pose de lacerdistas indignados em seus artigos.
Se tivessem encontrado algum petista graúdo no Suiçalão, seriam 20 minutos de Jornal Nacional, manchetes garrafais nos jornalões de todo país, e dá-lhe martelar a notícia de dez em dez minutos nas rádios corporativas.
Ah, encontraram um petista, o vereador Marcelo Arar.
Só que tem um detalhe. Na época em que abriu e fechou a conta secreta, Marcelo Arar era filiado ao PSDB.
Como diria o blogueiro Paulo Henrique Amorim: quá, quá, quá!
O petista que encontraram no Suiçalão é, na verdade, um tucano!
De qualquer forma, é peixe pequeno.
O nome pesado da lista, o que tem mais “interesse público” é Marcio Fortes, secretário nacional do PSDB e tesoureiro de inúmeras campanhas tucanas.
(Atualização: Fortes foi tesoureiro nacional do partido).
Se o Suiçalão já pegou um montão de tucano gordo, Marcio Fortes pode ser considerado o mais obeso de todos.
É um tucano obeso-mórbido!
(…)
A Globo e a mídia, em geral, tentam desviar a atenção da opinião pública, misturando esse tubarão branco a um monte de lambari de outros partidos.
Nem vem que não tem.
É preciso focar em Marcio Fortes, ele é a chave da cadeia onde vários tucanos poderiam passar uma belíssima temporada, caso tivéssemos um ministério público e uma justiça republicanos o suficiente para enfrentar a Globo e prender corruptos do PSDB.
Assim como Aécio Neves, cujo pai foi deputado da Arena, o partido oficial do regime militar, Marcio Fortes também é um filhote da ditadura.
(…)

Por jornalista Miguel do Rosário

Em

‘Dinheiro sujo do Suiçalão pagou campanhas do PSDB’

Por Miguel do Rosário, postado em março 26th, 2015

FONTE [LÍMPIDA!]: http://www.ocafezinho.com/2015/03/26/dinheiro-sujo-do-suicalao-pagou-campanhas-do-psdb/comment-page-1/#comment-71596

Responder

Leo

26 de março de 2015 às 19h50

Eu espero que essa denúncia não sirva para negociar nos bastidores um arrefecimento da Lava Jato. Ou seja, essa denúncia não pode servir de moeda de troca. Que tudo seja investigado!

Responder

Cláudio

26 de março de 2015 às 19h13

Ouvindo A Voz do Bra*♥S♥*il e postando:

Mais um outro poema (acróstico) para a defenestradora de tucanus:
.
Duas vezes contra o espectro atro
Inscreveu já seu nome na história
Lutando contra mídia venal & Cia e seu teatro
Mulher forte de mais uma vitória
A deixar tucanus na ó-posição de quatro ! ! ! ! de quatro ! ! ! ! de quatro ! ! ! ! DE QUATRO ! ! ! !
.
**** ♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
**** ♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥ ****
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥ ****
.
************* Abaixo o PIG brasileiro — Partido da Imprensa Golpista no Bra*♥S♥*il, na feliz definição do deputado Fernando Ferro; pig que é a míRdia que se acredita dona de mandato divino para governar.
.
************* Lei de Mídias Já!!!! **** “Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma” **** Joseph Pulitzer. **** … “Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” **** Malcolm X. Ley de Medios Já ! ! ! !
.
************* “O propósito da mídia não é de informar o que acontece, mas sim de moldar a opinião pública de acordo com a vontade do poder corporativo dominante.”. Noam Chomsky.
.
************* “A população geral não sabe o que está acontecendo, e nem sequer sabem que não sabem”. Noam Chomsky.
.

Responder

Theo

26 de março de 2015 às 15h28

Não se fala em corda em casa de enforcado” Discurso forte do Deputado Silvio Costa cala a oposição! https://www.facebook.com/video.php?v=1576555295962225&set=vb.100008233093051&type=2&theater

Responder

Sertão/PE

26 de março de 2015 às 14h41

Veja o Movimento apartidário. kkkkkkkkkkkkkkkkk

Professor Olavo, porque o Rogério “VempraRua” é um “Chequer Semfunds”? Conta pra gente, vai…

http://tijolaco.com.br/blog/?p=25814&cpage=1#comment-175240

Responder

Bacellar

26 de março de 2015 às 14h20

Ao estilo opósição:

O judiciário tucano envergonha meu Brasil!!!!!!!!!!!! !!!! !!!!!

Responder

ricardo silveira

26 de março de 2015 às 14h03

Se chegar alguma denúncia contra o Procurador no Senado Federal, agora, há pouca dúvida que, por tudo que foi relatado, seja cassado. Mas é bom lembrar que a denúncia de Collor contra Gurgel no próprio Senado não era menos grave e, como em regra, não deu em nada.

Responder

Laura

26 de março de 2015 às 13h35

Muito feliz por saber que o grande Carone, está de volta e lutando para que a verdade seja apurada. Mais um brasileiro que foi preso injustamente, por clamar por justiça. Parabéns Carone. Você representa os brasileiros que não têm um par de antolhos nos olhos. Meu respeito a você.

Responder

C.Paoliello

26 de março de 2015 às 13h14

Todo dia tem alguma “otoridade” falando em combate à corrupção. E quando é que os tucanos vão deixar de ser inimputáveis? Pois enquanto forem falar nisso é uma leviandade.

Responder

José Martins

26 de março de 2015 às 12h05

A que ponto chegamos! Ter que pressionar o PGR para cumprir sua obrigação em fatos que deixa de lado intencionalmente.

Também, só chega no cargo filho da classe média alta que tem poder aquisitivo para sustentar curso para concurso público.

Responder

Mark Twain

26 de março de 2015 às 11h54

O link para o artigo lei está quebrado pessoal.

Responder

    Conceição Lemes

    26 de março de 2015 às 12h15

    Acabei de ser alertada, Mark. Já corrigi. Obrigada. abs

Godinho

26 de março de 2015 às 11h37

Bravata.
O mandato do PGR acaba em agosto próximo. Com toda pressão de Cunha e Renan, é bem capaz de Dilma nomear outro, ao invés de reconduzi-lo.
E aí prá que serviria essa ação de impedimento? E se Dilma reconduzir o Janot não será dentro de algum tipo de acordo político, de defende-lo contra as pressões políticas e as ameaças de CPI do MP, e que tais?
Bravata.

Responder

Elias

26 de março de 2015 às 11h21

A foto de Aécio coçando o queixo é a mais nítida tradução da famosa frase “mineirinho come quieto”. Só um porém. O rosto e o risinho constritos sugerem que ele tem consciência de já não comer tão quieto assim.

Responder

O Mar da Silva

26 de março de 2015 às 08h54

Pena que só a alguns do PT interessados nessa investigação. Cadê o PSoL e etc?!

Vão blindar os tucanos até quando?

Responder

Messias Franca de Macedo

26 de março de 2015 às 07h28

… Mesmo porque enquanto o primeiro Tucano…

O primeiro Tucano de uma série interminável (sic)…

Enquanto o primeiro Tucano não for devidamente engaiolado (idem sic), a [eterna] oPÓsição ao Brasil “cada vez mais criará asas” para voos cada vez mais altos nas intentonas fascigolpistas – e atrocidades/ilegalidades contra os inimigos!…

Responder

ZePovinho

26 de março de 2015 às 07h26

A rede está se formando,Franco Atirador.O Doidão Das Minas Gerais esteve no Peru,em um forum bancado pelos EUA,e agora se junta com os nazi-oligarcas da Colômbia,Venezuela e Peru,:

http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/174657/A%C3%A9cio-se-re%C3%BAne-com-mulheres-de-oposicionistas.htm

Aécio se reúne com mulheres de oposicionistas

Senador tucano Aécio Neves vai se reunir com nesta quinta-feira, em Lima, com Lilian Lopez e Mitzy Ledezma, mulheres dos oposicionistas Leopoldo Lopez e Antonio Ledezma, presos pelo regime de Nicolas Maduro na Venezuela; o ex-presidente FHC decidiu atuar na defesa deles, após telefonema do ex-premiê espanhol Felipe González

26 de Março de 2015 às 06:17

247 – O senador mineiro Aécio Neves (PSDB) vai se encontrar nesta quinta-feira, em Lima, com Lilian Lopez e Mitzy Ledezma, mulheres dos oposicionistas Leopoldo Lopez e Antonio Ledezma, presos pelo regime de Nicolas Maduro na Venezuela. A informação é da colunista Vera Magalhães:http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/213459-painel.shtml

Após um telefonema do ex-premiê espanhol Felipe González, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso decidiu atuar em defesa dos dois oposicionistas. “Já passou da hora de as vozes democráticas e especialmente os governos democráticos da América Latina protestarem contra os abusos praticados pelo governo da Venezuela”, disse FHC.

http://www.dialogosdosul.org.br/por-que-estados-unidos-envia-tropas-ao-peru/28022015/

Por que Estados Unidos envia tropas ao Peru?

Gustavo Espinoza M.*

Gustavo_Espinoza2Que os Estados Unidos têm um estratégia continental de dominação e que se dispõem a desencadear uma aventura militar contra os povos de América Latina, já foi dito por nós em diversas ocasiões.

Alguns nos levaram a sério e ratificaram uma disposição antiimperialista que agora precisa se materializar. Outros, ao contrário, guardaram silencio, talvez com a ideia de que nossa afirmação fosse exagerada e respondia ao clássico estilo de confrontação do que eles qualificam de “esquerda tradicional”.

The_Real_Obama_SPREAD_IT_OUT_by_Latuff2Os fatos, contudo, vão nos dando razão de maneira constante. A agressividade imperialista contra nossos países se manifesta permanentemente; e hoje se concretiza no Peru, com a autorização para o ingresso de um verdadeiro exército de ocupação integrado por cerca de quatro mil soldados, que se estabelecerão no território sob o pretexto de “combater o narcotráfico e o terrorismo”.

Para situar a coisa no curto prazo, cabe mencionar que no dia 29 de janeiro passado, em uma decisão oculta, que se filtrou recentemente nas redes sociais, o Congresso da República autorizou o ingresso de tropas e pessoal armado dos Estados Unidos em território peruano, atendo a um cronograma bem preciso. E elaborado em comum acordo entre “ambas as partes”.

Os partidos e forças que integram hoje o Congresso, e cada um dos parlamentares em particular, têm a obrigação de prestar contas de como opinaram e de como votaram a decisão tornada conhecida hoje.

Sabe-se, de imediato, que já de 1 a 15 de fevereiro, pisaram em solo peruano dois contingentes militares, enviados pelo Pentágono. O primeiro, integrado por 58 soldados; e o segundo por 67. Ambos permanecerão até fevereiro de 2016 na tarefa de “treinar as instituições armadas peruanas na execução de operações especiais”.

Parecería que em matéria de “operações especiais” os soldados peruanos seriam como que neófitos. Carecem da experiência de combate que o exército estadunidense adquiriu depois das prolongadas guerras de Vietnam, na Península Indochina e no Oriente Medio.

Provavelmente, Afeganistão, Iraque acrescentaram tanto a bagagem militar do exército ianque que considera seu dever compartilhar com seus irmãos latino-americanos com a ideia de extender até aqui prisões clandestinas como as de Bagdad ou Guantánamo, em que a tortura e a morte constituem pão de cada dia.

Não obstante, esses efetivos, que já estão no Peru, não são nada em comparação com o que ainda desembarcará no nosso território em setembro próximo.

MILITARES-ESTADOS-UNIDOSDesembarcarão, na nossa primavera, 3.200 soldados ianques que -pelo armamento que usam, a experiência que têm e a preparação que possuem- constituirá um verdadeiro exército de ocupação.

Desse modo estarão sendo cumpridos os acordos entre esses dois países laboriosamente trabalhados desde há alguns anos.

A execução desses planos colocará em evidência que as constantes visitas do secretario de Defesa dos Estados Unidos ao Peru, e das do chefe do Comando Sul, não eram visitas protocolares nem muito menos turísticas. Tinham um claro conteúdo bélico que já não se pode ocultar.

É legítimo perguntar-se: O que move os Estados Unidos a deslocar essa vasta operação militar em território sulamericano?

O que está a ocorrer neste continente que faz com que a primeira potência militar do planeta esteja doida para abrir fogo contra os irmãos peruanos?

Para onde apontam, realmente, os fuzis ianques que dispararão nas cordilheiras da América?

Se observamos, mesmo que a voo de passar o que ocorre nesta parte do mundo veremos que radicaliza a luta anti imperialista de nossos povos.

EUA LatuffQue ela se expressa em demandas concretas: Respeito à independência de nossos países, vigência plena da soberania nacional, recuperação das riquezas básicas, e proteção da biodiversidade. Em um mundo em que os recursos hídricos e os produtos naturais se convertem em fortaleza de sobrevivência para a inteira humanidade.

Já faz algum tempo que Estados Unidos estão buscando a maneira de intervir militarmente na Venezuela e acabar a sangue e fogo com o projeto bolivariano liderado historicamente pelo comandante Hugo Chávez, hoje conduzido por Nicolás Maduro, encurralado por uma brutal campanha de desprestígio e violencia desatada pelas forças mais reacionárias do continente.

Pelo visto, desembarcar tropas o Peru e conseguir que isso seja admitido pacificamente pela comunidade internacional seria uma maneira de afirmar a ideia de que é normal que Estados Unidos recorram a esse tipo de procedimento na América; e que poderia repetí-lo amanhã na Venezuela ou em qualquer outro país. Brasil por exemplo.

Quem tem licença para matar pode fazer uso dela em qualquer circunstância.

Bolívia ou Equador bem poderiam recordar aquele ditado: quando ver as barbas de seu vizinho serem cortadas, ponha as tuas de molho; porque a advertência ianque se projeta também à área do altiplano, contra Evo Morales e a multicultural Bolívia; e à região mais ao norte, onde as ações do governo equatoriano de Rafael Correa não contam com o beneplácito de Washington.

O argumento que se utiliza para justificar a intervenção estadunidense é a luta contra o narcotráfico e o terrorismo. É a velha e falsa cantilena. Em 1965 ficou em voga quando a administração de Belaúnde Terry aceitou a denominada “Operação Ayacucho”, que resultou em nada.

Hoje, o combate contra o narcotráfico no Peru já esta virtualmente a cargo da DEA há muitos anos. E o resultado disso é que o Peru se converteu no primeiro produtor mundial de cocaína e outras drogas. Antes da presença da DEA nunca teve tal privilégio.

Até onde irá a escalada com a “atual estratégia? Talvez até a expansão dos cultivos de droga trazendo para cá o hashis do Afeganistão, e o ópio de outras latitudes? Será que não é isso o que busca a administração estadunidense para lançar suas tropas em nosso solo no que bem podia ser um desafio para uma nova Batalha de Ayacucho?

Porém a estratégia de dominação ianque vai muito mais além: visa confrontar uns povos contra outros e aos governos que, em maior ou menos escala, desconfia.

Não há que ter muita perspicácia para intuir que por tras da “operação de espionagem” chilena contra o Peru, denunciada recentemente, seja o avesso da mão dos serviços de inteligência ianques, que facilmente poderiam armar operações com esta ou outra magnitude, até mesmo a revelia dos governos, valendo-se da infiltração dos serviços secretos que eles manipulam.

Aos povos de nosso continente corresponde atuar com firmeza e a consequência requerida em uma circunstância em que o que está em jogo é a sobrevivência do continente, agredido pela barbárie imperialista.

No início dos anos 1930, em outro contexto e também em outras condições, Augusto Cezar Sandino disse de maneira categórica: “A soberania dos Estados não se discute. Se defende com armas nas mãos”.

Em algumas semanas mais os peruanos estarão evocando o 200 aniversário do fuzilamento do jovem poeta Mariano Melgar, caído em mãos do exército colonial espanhol depois da batalha de Umachiri. Será essa recordação motivo de afirmação patriótica que levará nossos jovens a levantar essa mesma bandeira?

Em todo caso, o dever de qualquer patriota é assumir seu compromisso com a história e denunciar o que constitui uma verdadeira agressão armada contra o Peru e seu povo.

*Colaborador de Diálogos do Sul, de Lima, Peru.

http://cartamaior.com.br/?%2FEditoria%2FPolitica%2FO-risco-de-chegar-atrasado-ao-dia-do-golpe%2F4%2F33132

O risco de chegar atrasado ao dia do golpe
Fortalecidos pela magnitude das manifestações do dia 15 de março, os organizadores do dia 12 de abril já organizam um golpe na democracia brasileira.

A coluna de Jânio de Freitas no jornal Folha de S. Paulo do domingo 22 de março – “Começar mais uma vez” – deve ser justamente saudada como a expressão nitidamente instalada na consciência democrática e republicana brasileira de que a direção do PSDB já está publicamente inserida em uma campanha golpista. Como recordamos no ensaio publicado nesta Carta Maior – “Por que ainda é possível derrotar a campanha golpista do PSDB? – , já havíamos formulado este diagnóstico em dezembro de 2014.

Não há mais lugar para a inconsciência ou subestimação da ameaça que ronda a democracia brasileira: já está em curso uma disputa pública bastante avançada sobre a legitimidade democrática da interrupção do segundo mandato da presidenta Dilma Roussef em seus inícios. Pesquisas recém divulgadas – elas próprias fazem parte da campanha midiática – dão um alto grau de impopularidade da presidenta, quatro quintos da população com a opinião de que ela sabia da corrupção na Petrobrás, três quintos marcando a opção de que ela não fez o que deveria para interrompê-la. Na pesquisa CNT/ Sensus, divulgada no dia 23 de março, 59% da população já apoiaria a proposta do impeachment da presidenta, seguindo altos índices de impopularidade do governo e de rejeição .

Se já é nítida a vontade e também a estratégia golpista do PSDB, é preciso agora diagnosticar o tempo em aceleração do processo político em curso: há um risco enorme do governo Dilma e das forças políticas que o sustentam chegarem atrasadas… ao dia do golpe.

Há boas razões para prever que o anunciado dia 12 de abril, marcado para convergir um novo protesto nacional de ruas contra a presidenta Dilma e o PT, está sendo pensado como um dia da instalação do golpe na democracia brasileira. Como isto poderia se dar?

A sua formulação de legitimidade democrática já está sendo publicamente exposta por FHC, cuja voz pública tem desde o início formulado o diapasão dos golpistas: se em dezembro já questionava a legitimidade da vitória eleitoral de Dilma, atribuindo a ela uma semi-legitimidade ou uma idéia de um país dividido ao meio, após o dia 15 de março já diferencia o impeachment por razões políticas do impeachment por razões técnicas: o primeiro poderia se dar por uma razão clara de ingovernabilidade. Seria uma decisão política do Congresso Nacional. Esta formulação tem, em linhas gerais, sido seguida por várias lideranças nacionais do PSDB.

O dia 12 de abril poderia, em uma imaginação golpista, através do cerco simbólico a centros do poder, inaugurar uma agenda de um lock-out nacional – como se fez um teste, por exemplo, misturando reivindicações de caminhoneiros com o “fora Dilma” – , em uma cena dramaticamente configurada por todos os meios de comunicação empresarial de massa. Seria previsível neste contexto o acirramento dos ataques, inclusive físicos, a símbolos e sedes do PT, seguindo a linha da criminalização do partido que já freqüenta as manchetes dos jornais, como a manchete de O Globo de 21 de março.

Neste campo de previsão, o dia 12 de abril seria o dia 15 de março mais centralizado politicamente na exigência da renúncia ou saída imediata de Dilma (como aliás vem já sendo convocado nas redes), com mais envolvimento empresarial, com mais dramatização anti-petista e anti-governo (através de novas delações, depoimentos de Youssef na CPI, generalização das denúncias de corrupção em outras empresas estatais, algum testemunho ou ilação vinculando a corrupção ao PT ou à campanha de Dilma), com mais simbolismo (centro em São Paulo, mas simbolicamente estabelecendo o cerco em Brasília ao Palácio do Planalto).

Em uma cena de tal dramatização, seria possível confiar que a maioria da Câmara Federal está suficientemente posicionada a favor do governo para resistir a uma ação direta amparada em forte sentimento nacional captada nas redes midiáticas ou pesquisas de opinião?

Três dinâmicas

Toda a inteligência da estratégia golpista do PSDB está em que o seu núcleo real de comando organiza a manifestação pública mas não a convoca: para lhe dar um sentido “cívico”, para além dos partidos, as redes sociais e o engajamento direto da mídia empresarial de massa cumprem este papel. As principais lideranças do PSDB, do DEM, do PPS, do Solidariedade aparecem de forma discreta ou apenas “apóiam”, dissolvidas no verde-amarelo cívico.

Sem a presença explícita da mediação dos partidos, governos ou empresas, esta dinâmica de ruas, redes e mídias pode desenvolver todo o seu potencial anti-democrático em três dimensões fundamentais.

Em primeiro lugar, a aceleração do tempo político: não há que esperar o processo jurídico, o processo parlamentar da democracia. Há, de fato, uma sincronia entre a ação do PSDB que queria evitar a posse de Dilma e já adiantava o compasso da desestabilização do governo antes do seu início e a marcha da impaciência que mexe com os nervos à flor da pele dos manifestantes. Um jovem, bastante aplaudido ao microfone, na manifestação do dia 15 de março na avenida Paulista acusava os “políticos que querem sangrar o governo Dilma” de serem conciliadores!

Em segundo lugar, a intolerância deve saturar toda a cena: não se deve duvidar ou discutir a verdade de que o PT e o governo Dilma são os principais culpados da corrupção no Brasil. O discurso cívico correto que não se deve tolerar a corrupção é dirigido unilateral e de modo viesado para o discurso desqualificador de que não se deve tolerar o PT ou o governo Dilma. Esta fuga ao contraditório democrático também não é espontânea mas criada pelo tratamento seletivo das investigações, pela sua publicidade dirigida contra o PT nos oligopólios de comunicação e, principalmente, pelo discurso oficial que tem a sua origem, desde 2005, na inteligência do Instituto FHC. “Para acabar com a corrupção no Brasil, a solução é simples: basta tirar o PT do governo”, afirmou Aécio Neves no último debate na campanha eleitoral de 2014; “perdi a eleição para uma organização criminosa”, reafirmou após as eleições.

Em terceiro lugar, a cena da manifestação deve estar aberta ao discurso do ódio: não deve haver limites para a violência verbal ou simbólica. Erra, como quase sempre, o colunista parcial Elio Gaspari: não se tratam de excentricidades ou slogans de pequenos grupos fascista ou de ultra-direita. O micro-fone está aberto à barbárie: um torturador não foi convidado à fala ao microfone na Paulista? Bonecos da presidenta Dilma e do ex-presidente Lula enforcados vistosamente na grade do viaduto? Mas esta violência sem limites está já, como se observou, na fala das principais lideranças do PSDB e nos meios midiáticos que controlam: a presidenta com o pescoço pronto para ser ceifado na charge da primeira página de O Globo, a presidenta Dilma rodando bolsinha na charge que ilustra um ponto de vista do editor do site UOL!

Vigília democrática

Esta inteligência estratégica golpista que arma o tempo acelerado, a intolerância e o discurso do ódio deve ser enfrentada desde já e com a máxima urgência por uma inteligência democrática, capaz de mobilizar os fundamentos dos sentimentos democráticos, republicanos e socialistas do povo brasileiro.

O primeiro desafio é tomar a pulsão verde amarela do tempo golpista através da antecipação de seus passos. Já há elementos e consciência suficientes para propor à sociedade brasileira uma vigília democrática verde-amarela e de todas as cores e a formação de um amplo movimento em defesa da democracia, das liberdades e contra a corrupção. Esta vigília democrática deveria ser capaz de mobilizar e denunciar oficialmente as intenções golpistas de FHC, Aécio Neves, Rede Globo e dos grupos proto-fascistas que organizam as manifestações pelo impedimento político da presidente. Ele deveria ser capaz de formar em torno de si toda uma rede diária e permanente de comunicação democrática e popular, como fez Brizola em 1962 formando a partir de uma rádio gaúcha toda um rede nacional pela legalidade da posse do vice-presidente Jango Goulart após a renúncia de Jânio.

O segundo desafio é o de desconstruir a autoridade do PSDB de conduzir a luta pelo fim da corrupção sistêmica no Brasil, através de uma massiva campanha pública capaz de furar o bloqueio do anti-pluralismo midiático. As lideranças que conduzem a campanha golpista estão cercadas por todos os lados de denúncias documentadas de farta e sempre impune corrupção. O PSDB é certamente, pode se comprovar com razão e provas, o partido que dá a maior cobertura e apoio à corrupção no Brasil! Em particular, a figura de Aécio, presidente do partido golpista, é alvo de vídeos de Youssef, provas documentadas e periciadas, testemunhos convergentes que indicam a sua presença em escândalos de corrupção. Os golpistas conseguirão manter isto à margem do conhecimento da opinião pública nacional, da maioria dos brasileiros?

O terceiro grande desafio é o de recoesionar a base política, social e eleitoral do segundo governo Dilma através de uma rápida e urgente reorientação de política econômica, retomando os temas do desenvolvimento, da construção dos direitos das classes trabalhadoras, da ampliação e qualificação das políticas públicas, do enfrentamento dos preconceitos contra os negros, as mulheres e os gays.

Não se pode lutar contra o ódio da direita golpista sem mobilizar, de modo profundo, as paixões e esperanças do povo brasileiro em defesa de seus direitos. Isto não acontecerá se o discurso, a imagem e os símbolos do governo estiverem atados à linguagem fatal da recessão, da restrição, mesmo que na margem, de direitos, na limitações das políticas públicas.

Esta vigília democrática, por sua representação e força acumulada, com sua capacidade de mobilização e denúncia, ainda teria condições de paralisar a estratégia golpista que converge para o próximo dia 12 de abril.

Responder

    Mário SF Alves

    28 de março de 2015 às 12h38

    Caro ZePovinho,

    Sejamos condescendentes. Afinal, os EE.UU. em comparação com a China, Rússia, Índia, Irã e outros, são nada mais, nada menos que uma criança birrenta e muito mal educada [e hoje totalmente descontrolada]. São muito jovens, meu caro. Estão na fase oral de sua História. É o id que os domina. Nem o ego e nem o super ego estão plenamente desenvolvidos. Talvez por isso mesmo essa criançona birrenta insista tanto na dominação pela força e que é sua real fonte e princípio do prazer. Os EE.UU. ainda acreditam que sejam capazes de engolir o Mundo.
    É bem verdade que tomaram aquela esfrega no Vietnã, mas isso foi “um nada” se comparado com os milênios de aprendizado político de países como China e Rússia.

    Incultos! Mal educados! Arrogantes! Despreparados politicamente! Desumanos! Ambiciosos ao extremo!
    Será que alguém consegue explicar as bombas atômicas lançadas sobre Hiroshima e Nagasaki de modo a adjetivá-los de forma mais amena e cordial?

    O id incontrolável os idiotizou. Iludiram-se com a falsa grandeza, com a falsa conquista e com os falsos méritos conquistados com a IIª Guerra. Curioso é que elegeram e se elegeram como o escudo democrático do Mundo. O significado da palavra democracia, por exemplo, ficou tão destituído de sentido que precisa ser reexperimentado na prática. Igualmente curioso é o fato de terem elegido a palavra terrorismo como a síntese de todo o mal, e mesmo com a experiência da Segunda Guerra jamais se mostraram tão preocupados com a em dar tratamento idêntico à palavra nazismo.

    Outra coisa é encontrar uma resposta que esclareça o porquê de as mega-corporações terem assim tão amplamente submetido aquele Estado. Como explicar a terrível sabotagem interna que a que foram submetidos por essas mesmas mega-corporações?.
    ______________________________________________
    E, o que dizer disso aí, ó:
    “Hoje, o combate contra o narcotráfico no Peru já esta virtualmente a cargo da DEA há muitos anos. E o resultado disso é que o Peru se converteu no primeiro produtor mundial de cocaína e outras drogas. Antes da presença da DEA nunca teve tal privilégio.
    Até onde irá a escalada com a “atual estratégia? Talvez até a expansão dos cultivos de droga trazendo para cá o hashis do Afeganistão, e o ópio de outras latitudes? Será que não é isso o que busca a administração estadunidense para lançar suas tropas em nosso solo no que bem podia ser um desafio para uma nova Batalha de Ayacucho?”

    E não é essa a primeira vez que leio análises nesta direção.
    __________________________________________________________________________
    E o que deveria ser a grande preocupação de todos: “Porém a estratégia de dominação ianque vai muito mais além: visa confrontar uns povos contra outros e aos governos que, em maior ou menos escala, desconfia.”

    Imagine um eventual domínio mundial por um tal Estado Corporativista Oligárquico. Imagine a Humanidade submetida a tamanha e tão poderosa idiotice. Num contexto tão pavoroso como este, o besteirol hollywoodiano seria apenas um singelo refresco tomado numa tarde de verão.

Julio Silveira

26 de março de 2015 às 06h21

Fala sério, de que cartola será que conseguem tirar esse elite de juristas prevaricadores?
Será que é coisa programada para republicas?

Responder

C.Paoliello

25 de março de 2015 às 22h32

Só queria saber se Carone vai recolocar no ar o Novo Jornal, do qual sempre fui assíduo leitor.

Responder

Messias Franca de Macedo

25 de março de 2015 às 22h02

Muito bem!

Coragem, essa palavra!

Ou esses procuradores do ‘miniSTÉRIO’ Público e juízes mequetrefes de primeiras instâncias imaginam que são inimputáveis, que não devem satisfação a quem os paga, ou seja, o nosso dinheiro público?!…

Responder

Marat

25 de março de 2015 às 21h31

A justiça já está tão desacreditada, que certamente ela nada fará aos coxinhas-tucanos!

Responder

    sergio m pinto

    26 de março de 2015 às 05h31

    A justiça está desacreditada exatamente por não fazer nada contra os tucanos. Mesmo que não falte provas.

    David Muniz

    26 de março de 2015 às 08h14

    Não apenas isto, como punirão os denunciadores (Padre João, Adelmo Leão e Rogério Corrêa) com as perdas de seus mandatos. Em vez de punir os réus. Tucano pode tudo, estão #todossoltos. Como arroz de festa.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding