VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Bomba atômica de Delcídio estremece governo Dilma, puxa Aécio e Temer para o miolo da Lava Jato e fala em corrupção na Petrobras no governo FHC; leia a íntegra
Denúncias

Bomba atômica de Delcídio estremece governo Dilma, puxa Aécio e Temer para o miolo da Lava Jato e fala em corrupção na Petrobras no governo FHC; leia a íntegra


15/03/2016 - 13h27

Captura de Tela 2016-03-15 às 13.26.11

Sempre achei que pelo tribunal [TSE] seria possível um “stop and go”. Um governo legitimado pelo voto para implantação de reformas estruturantes. Mas, hoje, qualquer saída sem a atual presidente da República é melhor do que estendermos esse calvário do povo brasileiro por mais alguns anos. Aécio Neves, no 13 de março, em Belo Horizonte

Da Redação

A homologação da delação premiada de Delcídio do Amaral, ex-líder do governo Dilma no Senado, complicou sobremaneira a presidente da República e o PT, com a revelação — acompanhada de gravações — de que o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, teria tentado convencer Delcídio a não fazer delação premiada. É uma bomba atômica que deixa o governo à beira do precipício — com ou sem Lula ministro.

Na outra face da moeda, deixou claros os danos que podem ser causados por um vazamento seletivo. Trechos do depoimento de Delcídio vazaram numa edição antecipada da revista IstoÉ, na quinta-feira que precedeu a condução coercitiva de Lula ao aeroporto de Congonhas, para um depoimento cujo ponto alto foi uma pergunta sobre os hábitos de transporte de um aliado do ex-presidente.

A conversa entre um delegado federal e o declarante Lula entra para os anais da investigação criminal, o que nos leva a acreditar que talvez o ex-presidente tenha sido levado ao aeroporto de Congonhas não para depor, mas para seguir até Curitiba.

IMG_5176

Não houve menção, naquele primeiro vazamento da IstoÉ, a Aécio Neves, que apareceu lateralmente na edição seguinte da revista, uma semana depois, sem maiores detalhes que pudessem atrapalhar as manifestações de domingo passado.

Só agora, depois do 13 de março, vem à tona a delação completa de Delcídio, que compromete o presidente do PSDB e um dos principais líderes da campanha pelo impeachment, o vice-presidente Michel Temer e deixa claro que o esquema de corrupção na Petrobras começou no governo FHC:

Aécio recebeu propina de Furnas, diz Delcídio em delação

MÁRCIO FALCÃO 
AGUIRRE TALENTO

DE BRASÍLIA

Na Folha

15/03/2016 12h36

Em um dos termos de sua delação premiada, o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) afirmou que o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), recebeu propina de Furnas, empresa de economia mista subsidiária da Eletrobras.

A declaração de Delcídio confirmou depoimento prestado pelo doleiro Alberto Youssef, que também afirmou que Aécio recebia propina de Furnas, mas não houve abertura de inquérito para investigar o caso.

“Questionado ao depoente quem teria recebido valores de Furnas, o depoente disse que não sabe precisar, mas sabe que Dimas [Toledo, ex-presidente de Furnas] operacionalizava pagamentos e um dos beneficiários dos valores ilícitos sem dúvida foi Aécio Neves”, disse Delcídio.

Ele afirmou ainda que o ex-líder do PP na Câmara José Janene, morto em 2010, também recebia dinheiro de Furnas.

O senador afirmou que Dimas possui “vínculo muito forte” com Aécio e que sua indicação para o cargo teria partido do tucano, junto ao Partido Progressista, na época da gestão Fernando Henrique Cardoso.

Delcídio relata um diálogo que teve com o ex-presidente Lula durante uma viagem em 6 de maio de 2005 na qual Lula lhe perguntou quem era Dimas Toledo.

E, segundo Delcídio, o ex-presidente teria explicado o motivo da pergunta: “Eu assumi e o Janene veio pedir pelo Dimas. Depois veio o Aécio e pediu por ele. Agora o PT, que era contra, está a favor. Pelo jeito ele está roubando muito”.

Para o senador, Lula disse isso porque “seria necessário muito dinheiro para manter três grandes frentes de pagamentos e três partidos importantes”.

Questionado, Delcídio afirma não saber se a irmã de Aécio, Andréa Neves, também estava envolvida em Furnas.

Disse, porém, que na gestão de Aécio em frente ao governo de Minas, a irmã era “uma das grandes mentoras intelectuais dele e estava por trás do governo”.

PARAÍSO FISCAL

O senador também afirma, em outro trecho de sua delação, que ouviu de Janene que Aécio era “beneficiário de uma fundação sediada em um paraíso fiscal, da qual ele seria dono ou controlador de fato”.

A sede seria, segundo Delcídio, em Liechtenstein, e a operação financeira teria sido estruturada por um doleiro do Rio de Janeiro. A fundação estaria em nome da mãe ou do próprio Aécio.

Ainda sobre o tucano, Delcídio relatou um caso na CPI dos Correios, que investigou o mensalão, no qual Aécio teria atrasado o envio de dados do Banco Rural para fazer uma “maquiagem” nas informações.

“A maquiagem consistiria em apagar dados bancários comprometedores que envolviam Aécio Neves, Clésio Andrade, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Marcos Valério e companhia”, afirmou.

Ele contou que o então secretário-geral do PSDB, Eduardo Paes, foi enviado por Aécio para lhe pedir um aumento no prazo para envio das quebras.

“Ficou sabendo que os dados eram maquiados porque isso lhe fora relatado por Eduardo Paes e o próprio Aécio Neves”, disse Delcídio.

*****

Diretores condenados na Lava Jato tinham aval de Temer, diz Delcídio

DE SÃO PAULO

15/03/2016 12h42

Da Folha

Em seu acordo de colaboração com a Justiça, o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) afirma que o vice-presidente Michel Temer teve participação direta na nomeação de executivos da Petrobras condenados em uma ação da Operação Lava Jato.

O acordo de delação de Delcídio foi confirmado nesta terça-feira (15) pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal.

Em depoimento, Delcídio acusou de irregularidades na subsidiária BR Distribuidora João Augusto Henriques, que foi diretor na empresa de 1998 a 2000, no governo Fernando Henrique Cardoso.

O senador disse que Henriques fazia “operações” na BR Distribuidora para conseguir recursos a partir da variação do preço do etanol nas usinas.

“A forma de obtenção de recursos ilícitos nas operações consistia na manipulação das margens de preço do produto, estabelecidas pela assim chamada ‘Escola de Piracicaba’, ligada à área de agronomia”, diz o termo de delação.

Delcídio não dá outras informações sobre Temer relacionadas a esse caso.

Henriques foi preso na 19ª fase da Lava Jato, em setembro passado, e acabou condenado pelo juiz Sergio Moro em fevereiro. Nesse processo, ele era acusado de ser operador de propinas após deixar a BR Distribuidora.

JORGE ZELADA

Outro ex-executivo apontado como apadrinhado de Temer é Jorge Zelada, que foi diretor da área Internacional da Petrobras de 2008 a 2012, por indicação do PMDB.

Zelada está preso desde julho do ano passado e foi condenado na mesma ação penal de Henriques.

Em seu depoimento, Delcídio afirmou que o governo Lula, em 2007, aceitou dar a diretoria Internacional a um indicado do PMDB em troca de apoio no Congresso em uma votação envolvendo a CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira).

O nome peemedebista para o cargo, com aval também de Temer, era Henriques, mas, segundo Delcídio, a escolha foi vetada pela então ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff.

O próprio Henriques, diz o depoimento, então indiciou Zelada para o cargo. “Jorge Zelada foi chancelado por Michel Temer e a bancada do PMDB na Câmara”, diz o relato do senador.

O vice-presidente ainda não se manifestou sobre o assunto.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



22 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Washington Dener

16 de março de 2016 às 00h25

Muito delírio imaginar que estremece o Governo. Ora bolas! Como a delação do acra diz que Dilma combateu a corrupção em Furnas?? E que estremece???

Responder

mineiro

15 de março de 2016 às 20h29

tambem nao estou entendendo a materia , afinal de contas esse desgraçado traidor , vagabundo desse senador que o pt nunca nem deveria deixar passar perto do partido esta falando a verdade ou mentira? afinal de contas tem que dar credito a esse salafrario maldito ou nao. essa materia ta dando a entender que esta tudo acabado e eu pergunto aonde que esta tudo acabado? nao esta facil para esses golpistas tomarem o poder tambem nao , vai ter que fazer muitas manobras. agora que tem por um fim nisso , ja passou da hora.

Responder

Euler

15 de março de 2016 às 20h19

Quem deveria estar preso, na verdade, são os seguintes personagens por terem omitido e blindado os caciques do PSDB e do PMDB (este, quando lhes interessa, caso de Eduardo Cunha): 1) juiz Moro, 2) delegados da PF de Curitiba, 3) procuradores de Curitiba, 4) Janot, 5) Gilmar Mendes, 6) os filhos de Roberto Marinho e 7) os jornalistas de aluguel contratados pela mídia para destruir a democracia brasileira, incitar ódio e entregar as riquezas do Brasil para os grupos de rapina internacionais.

Ora, todos sabemos que TODOS os partidos estão envolvidos nos esquemas de caixa dois e três e quatro da Petrobras, de Furnas, das obras dos governos estaduais – sobretudo em Minas e SP e Paraná nas gestões tucanas.

Mas, estes personagens que citei acima tentaram iludir o povo brasileiro, dizendo que apenas o PT era o responsável por tudo. Livraram FHC, Aécio, Alckmin, Serra, Temer, Renan e até Eduardo Cunha, que incrivelmente continua solto.

Vejam quem está preso, mesmo sem condenação alguma: 1) José Dirceu, ex-presidente do PT; Vaccari, ex-tesoureiro do PT; João Santana, marqueteiro do PT. E em breve, se não virar ministro, será o Lula. A pergunta, aos berros, que não quer calar: E OS OUTROS?

O sistema eleitoral brasileiro está todo baseado, desde as cidades do Interior até a União em práticas de caixa dois, na troca de favores, e também nos privilégios que existem no judiciário e no legislativo brasileiro, e que os paladinos da justiça, beneficiários destes privilégios não tocam um A neste assunto.

Vejam o salário do juiz Moro: R$ 70 mil. A maioria dos servidores públicos do Brasil recebe um salário mínimo. Isto sem falar nas chamadas verbas indenizatórias para deputados, vereadores, ministros do STF e desembargadores. Verbas como auxílio moradia de R$ 5.000 mensais, auxílio alimentação e auxílio transporte, que garante todo gasto com gasolina, aviões, etc. Isto fora o salário acima dos R$ 36 mil que teoricamente deveria ser o teto. Nenhum trabalhador comum recebe esses privilégios. Isto não é corrupção?

E o que dizer dos cargos comissionados, que todos os partidos indicam nas instituições, aos montes, todos eles ganhando acima dos salários dos servidores de carreira e com muito mais poderes do que os servidores?

Ora, querem brincar de passar o Brasil a limpo pela metade? Fala sério, né? E o que dizer dessas concessões de rádios e TVs que são públicas, mas foram privatizadas a serviço de grupos e famílias que se tornaram riquíssimas às custas de chantagens e manipulação, cometendo verdadeiros crimes lesa-pátria? Que tal incluirmos também na agenda da moralização uma reforma que democratize de fato os meios de comunicação?

Ou vamos ficar só naquilo que interessa às elites que sempre mamaram nas tetas do estado brasileiro, sempre receberam privilégios e sempre trataram o nosso povo como escravos?

Estamos chegando num ponto em que ou a gente faz uma revolução e passa de fato tudo a limpo – e aí pouquíssimos personagens desses conhecidos serão salvos -, ou a elite entra num acordo e esquece este papo furado de moralismo seletivo, somente contra um partido, e deixa a presidenta Dilma, eleita pela maioria, concluir o seu mandato. Porque a terceira possibilidade é um golpe de estado, que colocará na presidência um ditador tipo Moro ou Bolsonaro, para a alegria momentânea de uma classe média lobotomizada pela mídia. Mas, isso é a guerra, não tenham dúvida. Portanto, façamos a nossa escolha neste cardápio cada vez mais salgado.

Responder

Sidnei Brito

15 de março de 2016 às 19h33

Aécio Neves? Já foi citado um monte de vezes e não vem ao caso.
Corrupção na Petrobrás desde o governo FHC? Outros delatores já disseram isso. E daí?
Aliás, FHC, no seu “Diários da Presidência” já o disse. E daí?
O diálogo com Mercadante não tem nada de mais, a princípio.
E, com toda essa neura, como tem gente que ainda fala coisas esquisitas – ainda que não graves – por telefone em Brasília nos dias de hoje?
E depois das capsa de Veja às vésperas do segundo turno de 2014 e da IstoÉ às vésperas da prisão relâmpago de Lula, temos confirmada uma lei de ouro de vazamento de delações estampadas com estardalhaço em revistas: elas são importantes pelo que NÃO mostram!

Responder

José de Pindorama

15 de março de 2016 às 18h24

Caros Comentaristas, boa noite!

Há de se ter ponderações e muito cuidado com relação a delações. Delação necessita de comprovação através de meticulosa investigação, feita de maneira discreta e cientifica; e o mais importante — à luz da Constituição Federal, tantas vezes já desrespeitada. Somente quando a investigação, feita com base na Lei, comprovar cabalmente a delação, é que ela poderá ser incluída no conjunto probatório e gerar atenuantes e benefícios ao delator. Como disse, com muita propriedade , o Sr. Franco Atirador: A verdade, hoje no Brasil, passa a ser uma ‘Quimera”.
Temos de analisar os interesses envolvidos externamente aos fatos; os da grande mídia; os dos Partidos Políticos; os do Judiciário; os das ‘Confrarias e Irmandades’ que agem diuturnamente nos bastidores; os dos financistas e empresários; e os geopolíticos. Sem falar nos do próprio relator. Portanto, não são poucos os interesses. Quanto ao Senador Delcídio, uma análise apurada de sua trajetória política, nos mostra um perfil pra lá de questionável, para ser bem complacente.
Com todo o respeito, olhando para o Senado que o povo elegeu, penso que um dos poucos seres que compreendeu exatamente o que é um Senado infeliz foi Gaius Julius Caesar Augustus Germanicus (Calígula). Esse personagem louco, mas histórico, nomeou Incitatus, seu cavalo, a uma vaga no Senado; pobre eqüino!
Uma abraço a todos, por dias mais justos e melhores.

Responder

Alex

15 de março de 2016 às 18h04 Responder

Roberto

15 de março de 2016 às 17h47

A bomba atômica não é no governo que vem sendo,sistematicamente, bombardeado pela oposição, e principalmente pelo Aécio.
A bomba é no ninho dos tucanos , e no anjo da destruição Aécio Neves, que agora viu se espalhar aos quatro ventos, o que todo mundo já sabia. O cara é o maior corrupto de todos os corruptos.
E agora, será que VEM AO CASO, Mister Mourinho ?

Responder

renato

15 de março de 2016 às 17h30

Aécio Neves..
Primeira vez que escrevo teu nome .
O calvário é para os bons.
Você não merece colocar os pés nesta
terra santa..
O Brasil dispensa seu “suor”..
Ou suas “lagrimas”.
Você bebeu da água da bacia de Poncio.
O milagre que você e tua TURBA fez, foi
a de elamear as águas de Minas Gerais.
Lá tem sangue de herois.
O folclore ainda te colocará para assustar
as criancinhas do Centro Oeste.
Você jamais governará este país..
Ele o expurgará..
O Brasil tem consciência Coletiva..
A acaso cuidará de você..
O BRASIL criou LULA para o POVO,
pelo POVO e com o POVO.

Responder

Anita Ward

15 de março de 2016 às 16h52

“Bomba atômica” seria se tudo o que delatou viesse acompanhado de provas incontestes, felizmente(para os denunciados, o único que condena sem provas baseado apenas em delação é o santarrão do Paraná.

Responder

caracol

15 de março de 2016 às 15h24

Trata-se apenas de um Dissídio Amoral.

Responder

Guilherme Soares Pinto

15 de março de 2016 às 15h06

Q Dilma caia, de podre!
.
Q Lula, Aécio, Cunha, Temer, Renan e, agora, Dilma e Mercadante, sejam julgados, condenados e presos!
.
O Brasil não merece a corja de políticos q tem…

Responder

    Fabio

    15 de março de 2016 às 16h44

    Quem você quer no lugar da Dilma?
    Diga alguém ai, vamos ver o que você quer para o Brasil.

Fabio

15 de março de 2016 às 15h05

Delação não é prova, falar até papagaio fala.
vamos ver as provas, provas reais e materiais contra Dilma e Lula.
Até agora nada, apenas falácias e mais falácias.

Responder

    Guilherme Soares Pinto

    15 de março de 2016 às 15h19

    Gravação serve como prova ou vc quer mais?

    Ruy Teixeira

    15 de março de 2016 às 17h02

    Inocente !!!!! o cara não pode mentir em uma delação senão está fud……A delação é usada no mundo todo para desbaratar organizações criminosas. Vide operação mãos limpas na Itália. Vamos deixar que todos os políticos caiam ajoelhados a nossos pés, precisamos conhecer a verdade de todos esses canalhas. Maltrataram demais o nosso país e nossas famílias por todos esses anos. Uma pena que ainda existam pessoas que defendam ainda determinado politico.

FrancoAtirador

15 de março de 2016 às 15h02

.
.
Aqui no braZil, pelo menos depois do Mentirão, a “Verdade é uma Quimera”…
.
.

Responder

FrancoAtirador

15 de março de 2016 às 14h27

.
.
Quer dizer então que a CPMI DOS CORREIOS, em que DELCIDIO FOI RELATOR,
.
foi uma FRAUDE, para Cassar o Mandato do Jose DIrceu e implicar o Lula…
.
.

Responder

Fabio

15 de março de 2016 às 14h22

Bomba para PT e a presidente?porque? fala-se do Mercadante, não fala da Dilma.
Outra, Aécio, Temer e a quadrilha do PMDB dentro de tudo isso também.
Tentam de todo jeito jogar a Dilma num escandalo onde não há provas contra ela.

Responder

    Lukas

    15 de março de 2016 às 15h57

    Verdade, Mercadante foi por conta própria negociar. Dima não sabia. Como petistas são mal informados quando estão na presidencia, hein? Não sabem de nada, nunca…

Fabio Nogueira

15 de março de 2016 às 14h05

Imagino a empolgação incontida do picolé de chuchu ao saber da cajadada em dois coelhos de uma vez. Tira o PT e tira Aécio da jogada de uma só vez. Roubo de merenda? Metrôlão? A imprensa tem quase dois anos limpar sua barra. A Globo preferia o Aécio, mas vai ter que engolir o Alckmin. A conferir.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.