VIOMUNDO

Diário da Resistência


Barbosa viola lei ao sediar empresa em imóvel funcional
Denúncias

Barbosa viola lei ao sediar empresa em imóvel funcional


29/07/2013 - 12h07

Condomínio da Brickell Ave onde Barbosa comprou apartamento, em Miami (foto promocional)

Joaquim Barbosa é dono e diretor de empresa sediada em imóvel funcional

Joaquim Barbosa é dono e diretor da Assas JB Corp., cuja sede fica na própria residência, em Brasília, prática vedada pela legislação

Ana D’Angelo – Correio Braziliense

Publicação: 28/07/2013

A empresa criada na Flórida, Estados Unidos, pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, para adquirir um apartamento na cidade de Miami, tem como sede o imóvel funcional onde ele mora, na Quadra 312 da Asa Sul, em Brasília, o que contraria o Decreto nº 980, de 1993. Ao Correio, o Ministério do Planejamento informou que o inciso VII do artigo 8º da norma — que rege as regras de ocupação de imóveis funcionais — estabelece que esse tipo de propriedade só pode ser usado para “fins exclusivamente residenciais”.

Nos registros da Assas JB Corp., pertencente a Barbosa, no portal do estado da Flórida, consta o imóvel do Bloco K da SQS 312 como principal endereço da companhia usada para adquirir o apartamento em Miami — conforme informado pelo jornal Folha de S.Paulo no domingo passado. As leis do estado norte-americano permitem a abertura de empresa que tenha sede em outro país.

A Controladoria-Geral da União (CGU) também assegurou que o Decreto n° 980 não prevê “o uso de imóvel funcional para outros fins, que não o de moradia”. O presidente do STF consta, ainda, como diretor e único dono da Assas Jb Corp. A Lei Orgânica da Magistratura (Lei Complementar nº 35, de 1979), a exemplo da Lei n° 8.112/90, do Estatuto do Servidor Público Federal, proíbe que seus membros participem de sociedade comercial, exceto como acionistas ou cotistas, sem cargo gerencial.

A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) defende a apuração “rigorosa” acerca das duas situações. “Um ministro do STF, como qualquer magistrado, pode ser acionista ou cotista de empresa, mas não pode, em hipótese alguma, dirigi-la”, afirmou  o presidente da entidade, Nino Toldo, referindo-se ao artigo 36 da Lei Complementar nº 35. “Essa lei aplica-se também aos ministros do STF. Portanto, o fato de um ministro desobedecê-la é extremamente grave e merece rigorosa apuração”, ressaltou Toldo.

Leia também:

Brickell Avenue é lugar de novo rico





55 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

anderson

30 de julho de 2013 às 19h50

http://www.ocafezinho.com/2013/07/29/a-maquina-de-esconder-escandalos/
A máquina de esconder escândalos

Em conversas de botequim, tenho feito uma proposta “científica” para avaliarmos se a mídia convencional nos torna uma pessoa melhor informada e mais preparada para os embates da vida. Imagine duas cobaias humanas, trancadas cada uma num quarto fechado, sem contato nenhum com o mundo exterior. Uma delas receberá toda manhã um conjunto de jornais e revistas tradicionais: Veja, Folha, Globo e Estadão. No outro quarto, o indivíduo não receberá nada. Ficará olhando as paredes e meditando. Deixemos os dois nessa situação por um ano.

Quando soltarmos o segundo, o que não recebeu nada, há duas hipóteses: uma é que ele ficou um pouco tantan, com mania de falar sozinho; outra – a que eu prefiro acreditar – é que se tornou uma pessoa mais sábia. Um ser humano melhor, mais reflexivo. Aprendeu a conhecer melhor a si mesmo, seguindo o ditado da inscrição mais famosa do oráculo de Delfos: conheça a ti mesmo.

O outro, bem… o outro sairá do quarto qual uma besta fera descontrolada, vociferando palavras de ordem contra o PT, contra o comunismo, interessado mais em ver José Dirceu na cadeia do que beijar sua esposa. E, sobretudo, será uma pessoa muito pior do que antes da experiência. Será mais intolerante, mais raivoso.

O mais irônico é que o cidadão que passou um ano trancado num quarto apenas lendo jornais estará mais desinformado do que o outro que não leu nada. Mais desinformado e ainda despreparado para receber mais informações. O outro terá alguns vazios em termos de informação, mas nada que não possa suprir em algumas semanas. Pode ser até mesmo lendo a imprensa tradicional, mas temperando com leitura de sites, blogs, conversa com amigos, interação em redes sociais.

Pensei na minha proposta de botequim ao ler os jornais desta segunda-feira. Nenhum deles dá qualquer destaque ao escândalo que dominou as redes sociais no domingo: Joaquim Barbosa infringiu a lei ao inscrever o imóvel funcional onde residia como sede de sua “corporação”, a Assas JB Corporation. Quer dizer, a Folha deu a notícia num cantinho tão escondido, ao final de uma nota sobre outro assunto, que não vale.

O Ministério do Planejamento informou que a regra é clara: segundo o inciso VII do artigo 8º da norma que rege as regras de ocupação de imóveis funcionais, esse tipo de propriedade só pode ser usado para “fins exclusivamente residenciais”.

O Brasil 247 estampou a manchete:

Tem mais coisa. O presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Nino Toldo, declarou que “um ministro do STF, como qualquer magistrado, pode ser acionista ou cotista de empresa, mas não pode, em hipótese alguma, dirigi-la”. Toldo refere-se ao artigo 36 da Lei Complementar nº 35. “Essa lei aplica-se também aos ministros do STF. Portanto, o fato de um ministro desobedecê-la é extremamente grave e merece rigorosa apuração”, ressaltou.

O blogueiro Luis Nassif procurou a Controladoria Geral da União (CGU) para se informar sobre a gravidade da violação. A resposta foi taxativa.

De acordo com o Decreto no. 980/1993 (que regula a cessão de uso dos imóveis residenciais de propriedade da União), o permissionário (morador) tem o dever de destinar o imóvel para fins exclusivamente residenciais. Fosse um funcionário público comum, a atitude de Barbosa estaria sujeita a apuração e a penas que poderiam ir de advertência a demissão.

Nassif então faz uma denúncia duríssima contra a hipocrisia institucional no país, porque a iniciativa está em mãos de Roberto Gurgel, que por sua vez só age com autorização da grande mídia. É uma aliança espúria: Joaquim Barbosa, Roberto Gurgel e velha mídia.

Joaquim Barbosa não deu sorte. No mesmo domingo, o Globo publicou longa entrevista do presidente do STF com sua jornalista mais célebre, Miriam Leitão. A entrevista foi encomendada, notoriamente, para blindar Joaquim dos ataques que vem recebendo da “mídia subterrânea” e dos blogs “bandidos”, como ele se refere, delicadamente, a seus críticos.

A repercussão enorme da matéria publicada no Correio Braziliense acabou atrapalhando os planos da dupla Globo e Joaquim.

Entretanto, mesmo que não houvesse a matéria do Correio Braziliense, Joaquim estaria igualmente em maus lençóis pela repercussão negativa de sua entrevista. E por sua própria culpa. A entrevista de Barbosa é de um homem com delírios de paranoia. Como de praxe, esculhamba o Estado. O sujeito é tão doente que encerra a entrevista xingando o Itamaraty!

Ora, o Itamaraty de fato ficou conhecido pela falta de diplomatas negros, mas há dez anos instituiu cotas raciais, diferentemente do STF, cujo sistema de ingresso não tem nenhuma política de afirmação positiva. Barbosa parece ter prazer em desqualificar seu próprio país. Ele nem pode dizer que não sabia, porque seu próprio filho concorreu ao Itamaraty, mas faltou à entrevista final – preferiu aceitar o emprego que seu pai lhe arrumou, no programa do Luciano Huck, na Globo…

Todas as respostas de Barbosa são patéticas. O final, porém, é tão ridículo que parece uma gag de humor.

O senhor não passou no concurso?
Passei nas provas escritas, fui eliminado numa entrevista, algo que existia para eliminar indesejados. Sim, fui discriminado, mas me prestaram um favor. Todos os diplomatas gostariam de estar na posição que eu estou. Todos.

Que mediocridade! Quer dizer que ele encara o cargo de ministro no STF como uma “vingança” pessoal contra o fato de ter levado bomba na entrevista do Itamaraty? Ele acusa o Itamaraty de lhe ter discriminado, mas conhecendo Barbosa como o conhecemos agora, só posso bater palmas para o avaliador que o reprovou. Alguém consegue imaginar um homem desses, irascível, mal educado, truculento, agressivo, como um diplomata?

Leiam também o artigo que escrevi para o Tijolaço, sobre o mesmo tema.

*

O escândalo das propinas das empresas que construíram estações de metrô em São Paulo também não aparece em nenhum jornal. A Folha dá uma matéria no interior do caderno Cotidiano, sem mencionar nem uma vez os vocábulos PSDB ou Geraldo Alckmin. E o texto dá a entender, ridiculamente, que a empresa vai devolver o dinheiro superfaturado e tudo será perdoado. A matéria não tem chamada na primeira página, nem sequer na capa do caderno onde foi publicada, que já é pouco lido. Daqui a pouco a Folha estará publicando escândalos tucanos no meio dos Classificados, em fonte tamanho 5.

A mídia brasileira está se tornando uma verdadeira máquina de esconder escândalos de seus amigos. O que reforça a minha teoria de que o sujeito que lê apenas a imprensa tradicional acaba mais desinformado do que aquele que não lê nada. Porque este último, ao menos, escapa da manipulação.

*

Reproduzo a íntegra da entrevista abaixo, para registro histórico:

Joaquim Barbosa: Brasil não está preparado para um presidente negro

Presidente do STF falou com exclusividade à colunista Míriam Leitão

Tópicos da matéria: Mensalão

RIO – Para o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ainda há bolsões de intolerância racial não declarados no Brasil. Ele afirma não ser candidato e diz que seu nome tem aparecido com relevância em pesquisas eleitorais por causa de manifestações espontâneas da população. Segundo ele, que se define politicamente como alguém de inclinação social democrata à europeia, o Brasil precisa gastar melhor seus recursos públicos, com inúmeros setores que podem ser racionalizados ou diminuídos.

O senhor é candidato à presidente da República?
Não. Sou muito realista. Nunca pensei em me envolver em política. Não tenho laços com qualquer partido político. São manifestações espontâneas da população onde quer que eu vá. Pessoas que pedem para que eu me candidate e isso tem se traduzido em percentual de alguma relevância em pesquisas.

As pessoas ficaram com a impressão de que o senhor não cumprimentou a presidente.
Eu não só cumprimentei como conversei longamente com a presidente. Eu estava o tempo todo com ela.

O Brasil está preparado para um presidente da República negro?
Não. Porque acho que ainda há bolsões de intolerância muito fortes e não declarados no Brasil. No momento em que um candidato negro se apresente, esses bolsões se insurgirão de maneira violenta contra esse candidato. Já há sinais disso na mídia. As investidas da “Folha de S.Paulo” contra mim já são um sinal. A “Folha de S.Paulo” expôs meu filho, numa entrevista de emprego. No domingo passado, houve uma violação brutal da minha privacidade. O jornal se achou no direito de expor a compra de um imóvel modesto nos Estados Unidos. Tirei dinheiro da minha conta bancária, enviei o dinheiro por meios legais, previstos na legislação, declarei a compra no Imposto de Renda. Não vejo a mesma exposição da vida privada de pessoas altamente suspeitas da prática de crime.

Como pessoa pública, o senhor não está exposto a todo tipo de pergunta e dúvida dos jornalistas?
Há milhares de pessoas públicas no Brasil. No entanto os jornais não saem por aí expondo a vida privada dessas pessoas públicas. Pegue os últimos dez presidentes do Supremo Tribunal Federal e compare. É um erro achar que um jornal pode tudo. Os jornais e jornalistas têm limites. São esses limites que vêm sendo ultrapassados por força desse temor de que eu eventualmente me torne candidato.

Que partido representa mais o seu pensamento?
Eu sou um homem seguramente de inclinação social democrata à europeia.

Como ampliar o Estado para garantir direitos de quem esteve marginalizado, mas, ao mesmo tempo, controlar o controle do gasto público para manter a inflação baixa?
O primeiro passo é gastar bem. Saber gastar bem. O Brasil gasta muito mal. Quem conhece a máquina pública brasileira, sabe que há inúmeros setores que podem ser racionalizados, podem ser diminuídos.

O senhor disse que o Brasil está numa crise de representação política. O que quis dizer com isso?
Ela se traduz nessa insatisfação generalizada que nós assistimos nesses dois meses. Falta honestidade em pessoas com responsabilidade de vir a público e dizer que as coisas não estão funcionando.

Quando serão analisados os recursos dos réus do mensalão?
Dia primeiro de agosto eu vou anunciar a data precisa.

Eles serão presos?
Estou impedido de falar. Nos últimos meses, venho sendo objeto de ataques também por parte de uma mídia subterrânea, inclusive blogs anônimos. Só faço um alerta: a Constituição brasileira proíbe o anonimato, eu teria meios de, no momento devido, através do Judiciário, identificar quem são essas pessoas e quem as financia. Eu me permito o direito de aguardar o momento oportuno para desmascarar esses bandidos.

Por que o senhor tem uma relação tensa com a imprensa? O senhor chegou a falar para um jornalista que ele estava chafurdando no lixo.
É um personagem menor, não vale a pena, mas quando disse isso eu tinha em mente várias coisas que acho inaceitáveis. Por que eu vou levar a sério o trabalho de um jornalista que se encontra num conflito de interesses lá no Tribunal. Todos nós somos titulares de direitos, nenhum é de direitos absolutos, inclusive os jornalistas. Afora isso tenho relações fraternas, inúmeras com jornalistas.

A primeira vez que conversamos foi sobre ações afirmativas. Nem havia ainda as cotas. Hoje, o que se tem é que as cotas foram aprovadas por unanimidade pelo Supremo. O Brasil avançou?
Avançou. Inclusive, entre as inúmeras decisões progressistas que o Supremo tomou essa foi a que mais me surpreendeu. Eu jamais imaginei que tivéssemos uma decisão unânime.

Nos votos, vários ministros reconheceram a existência do racismo.
O que foi dito naquela sessão foi um momento único na história do Brasil. Ali estava o Estado reconhecendo aquilo que muita gente no Brasil ainda se recusa a reconhecer, e a ver o racismo nos diversos aspectos da vida brasileira.

Os negros são uma força emergente. Antes, faziam sucesso só nas artes e no futebol, mas, agora, eles estão se preparando para chegar nos postos de comando e sucesso em todas as áreas. Como a sociedade brasileira vai reagir?
Ainda não vejo essa ascensão dos negros como algo muito significativo. Há muito caminho pela frente. Ainda há setores em que os negros são completamente excluídos.

Como o Brasil supera isso?
Discutindo abertamente o problema. Não vejo nos meios de comunicação brasileiros uma discussão consistente e regular sobre essas questões.

Como superar a desigualdade racial, mantendo o que de melhor temos?
O que de melhor nós temos é a convivência amistosa superficial, mas, no momento em que o negro aspira a uma posição de comando, a intolerância aparece.

Como o senhor sentiu no carnaval tantas pessoas com a máscara do seu rosto?
Foi simpático, mas, nas estruturas sociais brasileiras, isso não traz mudanças. Reforça certos clichês.

Reforça? Por quê
Carnaval, samba, futebol. Os brasileiros se sentem confortáveis em associar os negros a essas atividades, mas há uma parcela, espero que pequena da sociedade, que não se sente confortável com um negro em outras posições.

O senhor foi discriminado no Itamaraty?
Discriminado eu sempre fui em todos os trabalhos, do momento em que comecei a galgar escalões. Nunca dei bola. Aprendi a conviver com isso e superar. O Itamaraty é uma das instituições mais discriminatórias do Brasil.

O senhor não passou no concurso?
Passei nas provas escritas, fui eliminado numa entrevista, algo que existia para eliminar indesejados. Sim, fui discriminado, mas me prestaram um favor. Todos os diplomatas gostariam de estar na posição que eu estou. Todos.

Responder

Ghost

30 de julho de 2013 às 19h45

Banco Paulista + Banco Rendimento + Banco Daycoval

Estes banquinhos, juntos são a fonte de recursos do PSDB e de outros partidos em SP e no Brasil.

A mídia (incluindo este canal aqui) não investiga por que não quer ou está enrolada junto!

O mercado todo sabe do “esquema” e ninguém faz absolutamente nada.

Recebem dinheiro vivo e também TEDs (transformados em dinheiro geralmente em 48 horas).

Dinheiro de traficantes conhecidos, contrabandistas de armas, pirataria / contrabando e até de grupos terroristas, etc.

O PCC usa os bancos para lavagem de grana e para saques milionários para compra de armas/drogas/corrupção!

± 400 milhões de dólares por mês, vem da tríplice fronteira direto para estes bancos em São Paulo. De lá, eles sacam o dinheiro semanalmente e entregam à vários doleiros para manter o mercado negro funcionando. Cobram entre 3% e 5% para sacar dinheiro e 20% para lavagem de dinheiro.

Cobram um fee de 3%  para aceitar depósitos em dinheiro vivo de qualquer fonte. Sem perguntas, é só pagar!

Agora o grande negócio deles é o dólar paralelo e os doleiros.

Eles se utilizam das licenças bancárias para comprar dólares oficiais do Banco Central do Brasil (no valor de $ 10 milhões por dia), e vendem os mesmos dólares no mercado negro (via contratos cambiais fraudulentos). Os pontos de distribuição para o dinheiro vivo (dólares e reais) são variados, como exemplo temos o escritório da SOCOPA na Rua Funchal, 129 – 5 º andar, em São Paulo, Brasil.

A PROSEGUR faz entregas para qualquer cliente destes bancos, visto que não tem agências tradicionais…

Quando os volumes são grandes, eles entregam onde você indicar!

Há muitos envolvidos nisso, entre eles:

Alvaro Augusto Vidigal
Alvaro Augusto de Freitas Vidigal
Marcelo Pereira
Tarcísio Rodrigues

Abramo Douek
Edwin Douek
Roger Ades

Salim Dayan
Morris Dayan
Carlos Moche Dayan

Os principais “usuários” do sistema são:

Nilma Kodama/Neuma Cunha/Kodama (anteriormente envolvida em escândalos financeiros / criminosos – CPI de Santo André)
Antanos e Joseph Nour Eddine Nasrallah (traficantes / contrabandistas de armas e drogas, juntamente com os irmãos)
Hwu Su Chi Law (conhecida como Miriam – Esposa de Law Kin Chong – contrabandista)
Lúcio Funaro (doleiro)
Flávio Guimarães (ex Banco Socimer)
PCC
Políticos em geral (José Serra e família, Mario Covas Filho, família Quércia, família Alckimin, etc)

Algumas das empresas envolvidas:

Direct Cash
Legítima Consultoria
Siemens
Alston
Sitesharing NE
Esclimont Participações S/C
Bellagio Investments
Indústrias Mangotex

As autoridades de São Paulo (e do Brasil) não se importam ou pelo menos fingem que o problema não existe e os meios de comunicação tradicionais, não relatam este crime diário!

Este pessoal estrutura empresas fora do país, sonega impostos, lava dinheiro, rouba, corrompe e lucra com o tráfico de drogas/armas e com todos os tipos de crime!!!

Responder

matheus

30 de julho de 2013 às 10h23

É Obama na presidência dos EUA, e Barbosinha no STF.

Responder

Heitor

30 de julho de 2013 às 09h17

Não vai dar em nada.
Há quanto tempo aturamos o Gilmar Mendes sem que nada aconteça?

Responder

Mardones

30 de julho de 2013 às 09h04

Barbosa já serviu ao que deveria. Agora pode ser execrado. É assim esse nosso Brasil.

Não estou querendo encobrir as eventuais falcatruas do ministro, mas, como disse recentemente, há outros ministros com ficha tão ou mais corrompida que a dele e não se observa a mesma vigilância.

Responder

Graciete Lima

30 de julho de 2013 às 08h38

Barbosa perdeu a virgindade da honestidade

Responder

Marat

30 de julho de 2013 às 00h13

Eu já falei várias vezes: cuidado com as amizades… veja só no que dá se meter com aquele moleque narigudo, da Rede Globo… Taí…

Responder

Gilson

30 de julho de 2013 às 00h11

Observem os senhores a gama de ilicitos, o apartamento comprado pela empresa do “JOAQUIM BARBOSA” na Florida (EUA), está totalmente irregular, isso porque, “O JOAQUIM BARBOSA NÃO TINHA NENHUMA EMPRESA ABERTA EM BRASILIA, para comprar o imovel na Florida em nome dessa empresa, como pode outro país aceitar tal transação, visto que era inveridica a informação dada por JOAQUIM BARBOSA, sobre a existencia dessa empresa aqui no Brasil, como podemos ver, o JOAQUIM BARBOSA, cometeu uma serie de delitos, aqui no Brasil, bem como na Florida (EUA), e tanto os orgãos de fiscalização do Brasil, como da Florida, deveriam efetuar a cobrança dos impostos, alem de uma “MULTA MILIONARIA”, afim de que “PILANTRAGENS” desse tipo não viessem mais ocorrer.

Responder

cassio

29 de julho de 2013 às 23h17

Barbosa, meu fio, tú devia ter batido um papinho com o ex-prefeito Celso Pita. O Pig usou ele, assim como te usou, depois deram uma rasteira no homem.. etá, não é o q a Folha fez contigo?

Responder

Henrique

29 de julho de 2013 às 22h31

Hoje fazem 15 anos e 25 dias que o ‘herói da pátria/joaquim’ recebeu o Relatório do Mensalão Tucano e……e…….e durante esse tempo todo ele estava preocupado em violar lei ao sediar empresa em imóvel funcional.

Responder

Fabio Passos

29 de julho de 2013 às 22h31

E foi este joaquim barbosa quem condenou, sem provas, heróis do povo brasileiro como José Genoíno e José Dirceu na farsa do mentirão…

É revoltante.

Responder

Darci

29 de julho de 2013 às 22h20

Imperativo categórico nele.

Responder

FrancoAtirador

29 de julho de 2013 às 21h56

.
.
Olha só os Blogs preferidos do “Empresário do Ramo da Educação”.

(http://www.idp.edu.br/blogs/838-jornalisticos)
.
.

Responder

    FrancoAtirador

    30 de julho de 2013 às 00h33

    .
    .
    (http://colunas.revistaepoca.globo.com/felipepatury/tag/instituto-brasiliense-de-direito-publico)
    (http://www.senado.gov.br/transparencia/liccontr/contratos/getArquivosBlob.asp?codTexto=7924)
    (http://mpt.gov.br/portaltransparencia/download.php?tabela=CT&IDDOCUMENTO=4139)
    (http://migre.me/fCEyZ)
    (http://migre.me/fCEJX)
    .
    .

    FrancoAtirador

    30 de julho de 2013 às 08h16

    .
    .
    (http://migre.me/fCQTF)

    (http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/a-acao-de-improbidade-contra-gilmar-mendes)
    .
    .

    FrancoAtirador

    31 de julho de 2013 às 06h50

    .
    .
    (http://migre.me/fCEJX)

    (http://portal.trf1.jus.br/sjdf)
    2002.34.00.028693-7 (8ª Vara Federal DF)

    (http://www.stf.jus.br/portal/processo/listarOrigem.asp)
    Origem: 200234000286937
    STF: Pet 3053

    (http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarConsolidada.asp?classe=Pet&numero=3053&origem=AP)
    .
    .

    edir

    30 de julho de 2013 às 05h03

    Só gente “boa” fala verdade !!!

Eduardo Olveira

29 de julho de 2013 às 21h54

Se fator for: Esse é o cara… de pau.

Responder

Abel

29 de julho de 2013 às 21h47

“Art. 3°. Ninguém se escusa de cumprir a lei, alegando que não a conhece.”
(Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro)

Responder

Marat

29 de julho de 2013 às 21h03

Barbosão, ao contrário de GM, parece ser meio desligadão… ou será que é mais mal assessorado? Ou será coisa pior? Não, não creio que GM tenha costas mais largas. Não posso crer nisso!

Responder

Mari

29 de julho de 2013 às 20h51

Gente, só se enganou com o caráter de Joaquim Barbosa quem quis. Lula, por exemplo, que poderia ter barrado a indicação dele por bater na mulher. Mas o machismo de Lula foi maior. Nunca confie em homem que bate em mulher. O privado é político, viu Lula?

Responder

Francisco

29 de julho de 2013 às 20h26

“Um ministro do STF, como qualquer magistrado, pode ser acionista ou cotista de empresa, mas não pode, em hipótese alguma, dirigi-la”.

Gilmar Mendes vai chamar Joca às falas:

“Pô, Joca, cê chamou atenção para minha faculdade privada de Direito! Ninguém tava vendo, ai na cara de todo mundo e você vem ventilá! Qualé, meu rei?”.

Será um debate juridico de alto nível…, mas não será televisionado como o julgamento do Mentirão…

Responder

Ednaldo Vieira osta

29 de julho de 2013 às 19h33

A Globo criou o imaculado Joaquim Barbosa,na verdade é tão idôneo quanto ela.

Responder

lukas

29 de julho de 2013 às 19h21

Ah, este udenismo seletivo!

Responder

souza

29 de julho de 2013 às 18h52

o rigor para esta apuração deve ser o máximo.

Responder

Urbano

29 de julho de 2013 às 18h13

Miami, a farra do boi dos novos ricos brasileiros…

Responder

trombeta

29 de julho de 2013 às 18h02

Barbosa deve ter aprendido com Luciano Huck, amigão do peito, que no Brasil existe 2 tipos de justiça: uma para pobre, outra para rico.

Barbosa pode ficar tranquilo, ele está no segundo caso.

Responder

Mário Malerba

29 de julho de 2013 às 17h42

Ele só misturou o público com a privada, que no caso dele custa 90 paus.

Responder

Valcir Barsanulfo

29 de julho de 2013 às 17h24

O Barbosão pisou na m.rda e espalha o odor para os lados.
Pregou tanta moral e agora vive a praticar imoralidades e amoralidades.

Responder

wagner paulista de souza

29 de julho de 2013 às 17h14

Esse Ilusionista do PIG está mais para “Mandrake” do que para “Batman”.

Responder

Hélio Pereira

29 de julho de 2013 às 15h57

Nossa Justiça é um “espanto”,seus “éticos” Juizes só aprontam.
“Isto é uma vergonha” !

Responder

José Neto

29 de julho de 2013 às 15h38

Somente Clara Nunes seria capaz de decifrar Joaquim Barbosa em profundidade
http://letras.mus.br/clara-nunes/118689/

Lama

Clara Nunes

Pelo curto tempo que você sumiu
Nota-se aparentemente que você subiu
Mas o que eu soube a seu respeito
Me entristeceu, ouvi dizer
Que pra subir você desceu
Você desceu

Todo mundo quer subir
A concepção da vida admite
Ainda mais quando a subida
Tem o céu como limite

Por isso não adianta estar
No mais alto degrau da fama
Com a moral toda enterrada na lama

Responder

    JOTACE

    29 de julho de 2013 às 18h44

    Parabéns, José Neto, pela escolha de composição tão adequada para ‘ilustrar’ o caso do nosso já famoso supremíssimo. É mesma uma pena que ocupe o cargo de Presidente do Supremo Tribunal de Justiça (mas de Justiça mesmo ?), um cidadão que vem demonstrando sua ousadia em desafiar às nossas leis e das quais deveria ser o mais fiel guardião.

    Jacilon

    29 de julho de 2013 às 22h07

    O pior de tudo JOTACE, que toda a justiça brasileira é desse nível

    Heldimar Nunes

    29 de julho de 2013 às 18h50

    Égua meu irmão, valeu o comentário, bem ajustado ao caso.kkkkk

    von Narr

    29 de julho de 2013 às 19h02

    A indicação é boa, mas este samba é de autoria do mineiro Mauro Duarte, da ala de compositores da Portela. Clara Nunes foi a intérprete que o consagrou.

    Ednaldo Vieira osta

    29 de julho de 2013 às 19h22

    Quem vai repreender o JB, já que prender é impossível?

Eduardo Albuquerque

29 de julho de 2013 às 15h38

O que falta para se iniciar de fato um processo formal de afastamento do Barbosa? Se ha motivos para um “Fora Cabral” e “Fora Alckmim”(embora nao haja votos nas Assembleias para destitui-los) e uma penalidade forte contra a Rede Globo por sonegação, por que a movimentação contra a permanência do Barbosa não está mais acentuada?

Responder

edir

29 de julho de 2013 às 15h26

Joaquim , ô Joaquim, se seu mundo caiu, näo fique triste näo, a vida é mesmo assim.
Maísa : Meu mundo caiu .
http://www.youtube.com/watch?v=f_2MtwlnLg0

Responder

edir

29 de julho de 2013 às 15h18

Como diz Alcione, a marrom. Gostoso veneno !!!
Ele prova do próprio veneno.

Responder

abolicionista

29 de julho de 2013 às 14h47

Lei? No Brasil? É piada?

Responder

Aline C Pavia

29 de julho de 2013 às 14h13

O Barbosão pode. O filhinho dele é funcionário da Grobo. Essa notícia o Lauro Jardim e o Ali Kamel sentaram seus digníssimos apêndices caudais em cima, e os niilistas-fascisbooks-coxinhas saíram de férias pra Campos do Jordão e Guarujá, e quando voltarem no mês que vem já ninguém mais se lembrará.

Responder

    Julio Silveira

    29 de julho de 2013 às 14h45

    O que me leva a pensar como o Lula o indicou ao Supremo.
    Se o indicaram ao Lula pelo fator racial, pelo menos em publico, podemos estar sendo manipulados por pessoas de dentro desses grupos de apoio politico, que estão lá prestando favores a continuidade do Status quo deles e da cultura degenerada com que se constrói a republica. Essa que vai na base da troca dos favores ocultos.

Lindivaldo

29 de julho de 2013 às 13h43

Eh!

Depois do JB fazer o “servicinho” para a Direita, vem o denuncismo para deixá-lo “no cabresto” no momento do julgamento do mensalão tucano, do governador do PSDB Marconi Perillo e de tantos outros crimes praticados por eles e que estão em banho-maria há séculos!

JB não é confiável, mas todo cuidado é pouco!

Responder

    Miranda

    29 de julho de 2013 às 19h50

    Talvez isso justifique o motivo pelo qual a “materia investigativa” partiu da Folha.

J Souza

29 de julho de 2013 às 13h06

“És um senhor tão bonito
Quanto a cara do meu filho
Tempo tempo tempo tempo
Vou te fazer um pedido
Tempo tempo tempo tempo…

Compositor de destinos
Tambor de todos os rítmos
Tempo tempo tempo tempo
Entro num acordo contigo
Tempo tempo tempo tempo…”

Oração ao Tempo, Caetano Veloso

P.S.: O presidente do STF não conhecer as leis é cômico. “Ignorá-las”, um crime e uma tragédia!

Responder

    J Souza

    29 de julho de 2013 às 14h54

    Assim são os inocentes úteis…
    É um amador, perto de um outro que tem um tal de instituto de direito público… E que, dizem, é um “domador” de mídia…

pampas74

29 de julho de 2013 às 13h00

No Brasil é assim:
O mensalão foi condenado: o PT é o inferno;
O JB condenou o mensalão: ele é o Deus;
Se o JB condenar o mensalão mineiro: ele será o diabo;
Utilizou o endereço residencial para a sede da empresa: é o inferno.
Conclusão: o povo tá doente. Na democracia não pode ser 8 ou 80!
O povo precisa é corrigir seus erros é nas eleições, expurgando o Calheiros, Sarneys, tiriricas, jogadores de futebol….. e criar vergonha na cara e paciência que a mudança não ocorre da noite para o dia.
Democracia felizmente é assim.
Na ditadura, como o PIG quer, resolve-se de outra maneira…. GOLPE DE ESTADO!!!

Responder

    Acássia

    30 de julho de 2013 às 13h21

    Acho que Romário manda bem.

Antero

29 de julho de 2013 às 12h41

Vem cá, se ele transferir o endereço da empresa para a residência particular dele no Rio de Janeiro fica resolvida a coisa?

Responder

    Ronaldo Marques

    29 de julho de 2013 às 13h40

    Na verdade, ainda não, pq ele também não pode ser dono de empresa, como reza a Lei Orgânica da Magistratura. Ainda assim, falta explicar o porquê da operação ter sido registrada, em Miami, por apenas dez dólares. Lembro que JB foi agraciado com uma premiação da TV Globo em março deste ano, e em seu discurso de agradecimento, defendeu ferozmente a necessidade de transparência na atuação dos agentes públicos (como ele, por exemplo). Partindo-se do princípio de que ele realmente acredita no que falou naquela ocasião, confesso que não entendo o silêncio de Sua Excelência neste caso.

    milton schelb filho

    29 de julho de 2013 às 16h54

    Se a Globo pagar o tributo, ilide-se o crime fiscal?
    Se o Joaquim mudar o endereço da firma sediada no seu apto. funcional, estará apagado o ilícito? Ministro Joaquim, por favor esclareça minha dúvida.

Julio Silveira

29 de julho de 2013 às 12h38

No Brasil as leis foram feitas para aqueles que culturalmente acreditam em leis, nas necessidades de uma organização social orquestrada. Uma camada da população, justamente entre os que fazem as leis, e os que se incumbem de faze-las cumprir, talvez até pela intimidade com elas, se dão ao luxo de renega-las ou ignora-las, como senhores dos destinos.

Responder

FrancoAtirador

29 de julho de 2013 às 12h24

.
.
A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) se manifestou sobre a empresa criada na Flórida, Estados Unidos, pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, para adquirir um apartamento na cidade de Miami, que tem como sede o imóvel funcional onde ele mora.

Para o presidente Ajufe, Nino Toldo, o fato de a empresa estar sediada no imóvel funcional que Barbosa ocupa “é gravíssimo, do ponto de vista ético”.

Segundo ele, “não é dado a nenhum magistrado, ainda mais a um ministro do Supremo, misturar o público com o privado”.

E completou: “Dos magistrados, espera-se um comportamento adequado à importância republicana do cargo, pois um magistrado, seja qual for o seu grau de jurisdição, é paradigma para os cidadãos”.

Questionada a respeito da abertura de procedimento para averiguar a regularidade da operação, a Procuradoria-Geral da República não se manifestou…

(http://www.conjur.com.br/2013-jul-28/ajufe-apuracao-empresa-joaquim-barbosa-eua)
.
.

Responder

Paulo Ribeiro

29 de julho de 2013 às 12h22

Por que o povo não vai às ruas pedir a imediata saída de Barbosa do STF? mais uma prova que as “manifestações” contra o PT foram forjadas pela direita e pela mídia golpista.
Fora, Barbosa!!!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding