VIOMUNDO

Diário da Resistência


Astrólogo assume que indicou dois ministros à família Bolsonaro: “Eles leem as coisas que eu escrevo e levam a sério”
Reprodução You Tube
Denúncias

Astrólogo assume que indicou dois ministros à família Bolsonaro: “Eles leem as coisas que eu escrevo e levam a sério”


23/11/2018 - 15h08

O senhor chegou a conversar diretamente com Bolsonaro sobre [o futuro ministro da Educação] Vélez, ou indicou apenas pela postagem no Facebook? Eu conversei com o Bolsonaro três vezes na vida. Uma vez, quando ele sofreu o atentado, fiz uma comunicação para mostrar minha solidariedade, e quando ele foi eleito, telefonou para cá para agradecer. Isso foi todo o contato que eu tive com o Bolsonaro. O filho dele, Eduardo, tive um pouquinho mais, devo ter conversado umas cinco vezes. Eles leem as coisas que eu escrevo e levam a sério. Os contatos devem ter sido muito bons, porque Bolsonaro já aceitou duas indicações suas para ministros. Eu sou irresistível. Daqui a pouco você vai estar apaixonada por mim. Astrólogo Olavo de Carvalho, em entrevista a O Globo

Um ministro que acha que se deve comemorar o golpe de 1964, aquele mesmo que prendeu, sequestrou, matou, torturou, baniu e exilou milhares de pessoas, censurou a imprensa, fechou o Congresso, cassou mandatos políticos e praticou outras barbaridades? Clovis Rossi sobre a indicação de Vélez, na Folha de S. Paulo

UM ROTEIRO PARA O MEC

por Ricardo Vélez Rodríguez, em seu blog Rocinante, em 7 de novembro, quando atacou outros candidatos ao cargo sem nomeá-los

Amigos, escrevo como docente que, através das vozes de algumas pessoas ligadas à educação e à cultura (dentre as quais se destaca o professor e amigo Olavo de Carvalho), fui indicado para a possível escolha, pelo Senhor Presidente eleito Jair Bolsonaro, como ministro da Educação.

Aceitei a indicação movido unicamente por um motivo: tornar realidade, no terreno do MEC, a proposta de governo externada pelo candidato Jair Bolsonaro, de “Mais Brasil, menos Brasília”.

Acho que o nosso Presidente eleito ganhou definitivo apoio da sociedade brasileira no pleito eleitoral recente, em decorrência de um fator decisivo: ele foi o único candidato que soube traduzir os anseios da classe média, que externou a insatisfação de todos os brasileiros com os rumos que os governos petistas imprimiram ao país ao ensejar uma tresloucada oposição de raças, credos, nós contra eles, como se não pudêssemos, os habitantes deste país, sedimentar alguns consensos básicos em relação ao nosso futuro.

Jair Messias Bolsonaro foi eleito em razão deste fato: traduziu, com coragem e simplicidade, os anseios da maioria dos eleitores.

A sua campanha, carente de tempo na mídia e de recursos, ameaçava não decolar.

Decolou, e, mais ainda, ganhou as praças e ruas, através de meios singelos de comunicação como o Smartphone e a Internet, coisas que o brasileiro comum utiliza no seu dia a dia desta quadra digital da nossa sociedade tecnológica.

Como professor e intelectual que pensa nos paradoxos estratégicos do Brasil, apostei desde o início no candidato Bolsonaro.

Achei a sua proposta de escutar o que as pessoas comuns pensam uma saída real para a insatisfação e a agonia que as sufocavam, nesses tempos difíceis em que se desenhava, ameaçadora, a hegemonia vermelha dos petistas e coligados.

Graças a Deus o nosso candidato saiu vencedor, numa campanha agressiva em que foram desfraldadas inúmeras iniciativas de falseamento das propostas e de fake news, e em que pese o fato de que ele próprio tivesse de pagar um preço alto com a facada de que foi vítima em Juiz de Fora, desferida por um complô do crime organizado com os radicais de sempre.

Enxergo, para o MEC, uma tarefa essencial: recolocar o sistema de ensino básico e fundamental a serviço das pessoas e não como opção burocrática sobranceira aos interesses dos cidadãos, para perpetuar uma casta que se enquistou no poder e que pretendia fazer, das Instituições Republicanas, instrumentos para a sua hegemonia política. Ora, essa tarefa de refundação passa por um passo muito simples: enquadrar o MEC no contexto da valorização da educação para a vida e a cidadania a partir dos municípios, que é onde os cidadãos realmente vivem.

Acontece que a proliferação de leis e regulamentos sufocou, nas últimas décadas, a vida cidadã, tornando os brasileiros reféns de um sistema de ensino alheio às suas vidas e afinado com a tentativa de impor, à sociedade, uma doutrinação de índole cientificista e enquistada na ideologia marxista, travestida de “revolução cultural gramsciana”, com toda a coorte de invenções deletérias em matéria pedagógica como a educação de gênero, a dialética do “nós contra eles” e uma reescrita da história em função dos interesses dos denominados “intelectuais orgânicos”, destinada a desmontar os valores tradicionais da nossa sociedade, no que tange à preservação da vida, da família, da religião, da cidadania, em soma, do patriotismo.

Na linha dos pre-candidatos ao cargo de ministro da Educação foram aparecendo, ao longo das últimas semanas, propostas identificadas, uma delas, com a perpetuação da atual burocracia gramsciana que elaborou, no INEP, as complicadas provas do ENEM, entendidas mais como instrumentos de ideologização do que como meios sensatos para auferir a capacitação dos jovens no sistema de ensino.

Outra proposta apareceu, afinada com as empresas financeiras que, através dos fundos de pensão internacionais, enxergam a educação brasileira como terreno onde se possam cultivar propostas altamente lucrativas para esses fundos, mas que, na realidade, ao longo das últimas décadas, produziram um efeito pernicioso, qual seja o enriquecimento de alguns donos de instituições de ensino, às custas da baixa qualidade em que foram sendo submergidas as instituições docentes, com a perspectiva sombria de esses fundos baterem asas quando o trabalho de enxugamento da máquina lucrativa tiver decaído. Convenhamos que, em termos de patriotismo, essas saídas geram mais problemas do que soluções.

Aposto, para o MEC, numa política que retome as sadias propostas dos educadores da geração de Anísio Teixeira, que enxergavam o sistema de ensino básico e fundamental como um serviço a ser oferecido pelos municípios, que iriam, aos poucos, formulando as leis que tornariam exequíveis as funções docentes.

As instâncias federal e estaduais entrariam simplesmente como variáveis auxiliadoras dos municípios que carecessem de recursos e como coadunadoras das políticas que, efetivadas de baixo para cima, revelariam a feição variada do nosso tecido social no terreno da educação, sem soluções mirabolantes pensadas de cima para baixo, mas com os pés bem fincados na realidade dos conglomerados urbanos onde os cidadãos realmente moram.

Essa proposta de uma educação construída de baixo para cima foi simplesmente ignorada pela política estatizante com que Getúlio Vargas, ao ensejo do Estado Novo, pensou as instituições republicanas, incluída nela a educação, no contexto de uma proposta tecnocrática formulada de cima para baixo, alheando os cidadãos, que passaram a desempenhar o papel de fichas de um tabuleiro de xadrez em que quem mandava era a instância da União, sobreposta aos municípios e aos Estados.

“Menos Brasília e mais Brasil”, inclusive no MEC. Essa seria a minha proposta, que pretende seguir a caminhada patriótica empreendida pelo nosso Presidente eleito.

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Wagner Oliveira

26 de novembro de 2018 às 04h41

Melhor definição para essa besta que gostam de chamar de filósofo: astrólogo. Ou seja, charlatão barato.

Responder

Zé Maria

23 de novembro de 2018 às 22h45

Parece que a repórter do Jornal O Globo realmente não resistiu aos Encantos do Astrólogo da Virgínia…

https://twitter.com/ntlportinari/status/1066121795542179840

Responder

Luizão

23 de novembro de 2018 às 20h17

É muito fácil entender o que o Bolsonaro e sua trupe querem, é formar técnicos, robôs braçais aonde o pensamento crítico inexiste. Eles não querem cidadãos que tenham consciência do Brasil ou que tenham cultura geral, isso atrapalha os negócios.

Responder

Zé Maria

23 de novembro de 2018 às 18h54

As Nomeações de Botsonauro [tembém conhecido por BolsOlavo] se dão para atender interesses estritamente particulares, sejam de pessoas físicas ou jurídicas.

Responder

Zé Maria

23 de novembro de 2018 às 18h13

O “Olavismo” passou de piada a doutrina oficial de governo

https://blogdacidadania.com.br/2018/11/o-olavismo-passou-de-piada-a-doutrina-oficial-de-governo/

Responder

Zé Maria

23 de novembro de 2018 às 17h43

Deveria ser Mais Brasília-DF, Brasil,
e Menos Quântico, Virgínia, EUA.

Responder

Zé Maria

23 de novembro de 2018 às 17h36

O Problema Maior reside precisamente no fato de que a Família Botsonauro realmente acredita no que o Astrólogo escreve:

https://twitter.com/Murilin_Quirino/status/1063836117085143041

Responder

Zé Maria

23 de novembro de 2018 às 17h26

.
As Escolas que se preparem para a revisão, senão para a revogação do Plano Nacional de Educação (http://pne.mec.gov.br).

E os Professores e Professoras esperem pela extinção do Piso Nacional Salarial do Magistério, antes mesmo que tenha sido efetivamente implementado.

E os Prefeitos que aguardem o fim dos Repasses de Verbas Federais e Estaduais para o Ensino Fundamental.
.

Responder

Zé Maria

23 de novembro de 2018 às 16h40

O Colombiano Ricardo Vélez Rodriguez, além de Discípulo do Astrólogo da Virgínia (Olavo de Richmond, Capital dos ‘Estados Confederados da América’- Escravocratas Brancos do Sul à Direita – durante a Guerra Civil dos EUA)*,
é também Correligionário de Álvaro Uribe Vélez, político da Extrema-Direita Colombiana.

(https://i.pinimg.com/originals/a4/1a/8b/a41a8bbe04f432ce0c4696e969e9a645.jpg)
*()

https://twitter.com/dw_brasil/status/1065767612578230273
https://www.dw.com/pt-br/bolsonaro-escolhe-colombiano-antipetista-para-chefiar-educa%C3%A7%C3%A3o/a-46416812

Responder

Julio Silveira

23 de novembro de 2018 às 16h00

Uma coisa se afirma com informações como essa. Esse é o nivel do Brasil que as elites (sempre golpistas) das Forças Armadas aspiram.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!