VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Denúncias

Assessor de tucano provoca professores em MG: “Se eu ganhasse 712, ia ser servente de pedreiro”


23/09/2011 - 11h00

por Conceição Lemes

O jornalista Flávio Castro, assessor do deputado estadual Luis Humberto Carneiro (PSDB), provocou os professores acampados na Assembleia Legisativa de Minas Gerais (ALMG), dizendo:  “Se eu ganhasse 712 [reais], ia ser servente de pedreiro”.

De quebra,  ofendeu os professores — há mais de 100 dias em greve pelo pagamento do piso da categoria estabelecido pelo Ministério da Educação (MEC) — e os serventes de pedreiro.

O jornalista Flávio Pena é tucano e o deputado Luis Humberto Carneiro, o líder do governo Antonio Anastasia na Assembleia Legislativa mineira.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



243 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Morvan

04 de outubro de 2011 às 10h26

Bom dia.

Disse o "Anastesia", o zumbi do Aócio Never:

“Se eu ganhasse 712, ia ser servente de pedreiro”.
E eu digo:
Se o servente de pedreiro e o professor tiverem um mínimo de consciência e de autoestima, o sr. "Anastesia" não se elege nunca mais.

Morvan, Usuário Liux #433640.

Responder

Túlio Muniz: Os inimigos da escola | Viomundo - O que você não vê na mídia

02 de outubro de 2011 às 19h36

[…] Assessor de tucano provoca professores em Minas Gerais   […]

Responder

Sybyllla

29 de setembro de 2011 às 19h10

E se eu ganhasse 25 mil ia ser deputada. Comentário babaca mais infeliz…

Responder

    Joao da silva

    02 de outubro de 2011 às 23h56

    Se TODAS as categorias publicas parassem ao mesmo tempo e EXIGISSEM salarios iguais aos do judiciario, problema resolvido.

    Oras, juiz ganha 30mil para nao fazer nada, policial e bombeiros ganham merrecas e são os veraddeiros herois da nação, protegem a população dos bandidos sem toga e dos desastres naturais. Professores preparam o futuro da nação. Operadores de energia elétrica/agua/combustivel mantém a nação funcionando. Solução simples: 30 mil para policiais, 30 mil para professores, 1 salario minimo para politicos, 1 salario minimo para o magistrados e outros membros do inutil e corrupto judiciario

dukrai

28 de setembro de 2011 às 21h23

o Anestesia abriu o bico e negociações com os grevistas, deu no Jornal (anti)Nacional e portanto existe. As manifestações dos grevistas em BH, o apoio dos blogs sujos, Azenha entre os primeiros e de inúmeras personalidades e instituições bombou o movimento. Agora vem a segunda parte mais dura, de arrancar os direitos negados pelos tucanos locais e garantir o piso nacional para a categoria.

Responder

Felipe Peixoto

27 de setembro de 2011 às 19h35

Nunca senti tanta vergonha na vida igual nesses videos….
Vergonha desse governo Faz de Conta !

Responder

Professores gaúchos preparam greve, detonam ‘meritocracia’ e aluno-cobaia | Viomundo - O que você não vê na mídia

27 de setembro de 2011 às 14h41

[…] Assessor tucano ofende professores e serventes de pedreiro […]

Responder

ivadil

26 de setembro de 2011 às 21h54

um comentario deste cidadão no minimo descrinatorio em relação a outro proficoonal que mal tem em servente de pedreiro
quando vamos. Criticar esta ou aquela profissão não de emos comparar com nenhuma outra

Responder

Silvio A. Oliveira

26 de setembro de 2011 às 16h43

Quero expressar aqui, a minha indignação e tristeza, pelo fato ocorrido no interior da assembléia legislativa de minas gerais nesta quinta-feira, quando seguranças e o deputado Dilzon Melo nos ameaçaram, eu Silvio de Varginha e a professora Aline de Uberlândia de expulsão. do interior da Assembléia Legislativa de Minas Gerais onde estava-mos a Convite do deputado Rogério Corrêia, alegando que estáva-mos ali para promover baderna e que não podería-mos nos expressar com cartazes, pois ali era um lugar privativo para deputados. Me estranha a atitude do deputado, pois ali é a casa do povo, construido com o dinheiro do povo, e também ele foi eleito pelo povo para nos representar. Nada mais justo estarmos ali, pois o salário do deputado também é pago com o dinheiro do povo, que por sinal é muito para alguns deles que só votam a favor do governo para agrada-lo e também obter algumas vantagens pessoais. além de tirar vantagens da população e aí estão incluidos os profissionais da educação de Minas gerais em greve a 108 dias, reivindicando a implementação de uma Lei Federal, a lei do Piso Salarial nacional dos profissionais da educação Lei nº:11.738/08.Admiro aqueles deputados que realmente estão ali para defender o povo, estes merecem os nossos aplausos, pois realmente foram eleitos pelo povo, para representar o povo e não para agradar o governador facista.

Responder

Cida

25 de setembro de 2011 às 17h11

Manifestações estão sendo feitas essa semana para pressionar os políticos pilantras responsáveis pela greve que já dura 110 dias: vigília na Assembleia Legislativa (onde o acessor de político sem vergonha disse o que disse), panfletagem e esclarecimentos nas igrejas alertando a sociedade mineira sobre o problema que Minas Gerais enfrenta.

Com o pedido de ilegalidade do MP de Minas Gerais, ao qual o TJ recebeu e decidiu que a greve é abusiva, ficou claro o controle que o governador tem do poder judiciário. Isso é muito perigoso. É uma grande ameaça a democracia que ainda está se consolidando no nosso país.

O governador criou uma resolução que demite os designados em greve.

Essas sim são atitudes abusivas e partem de todas as esferas do poder constituido do estado de Minas Gerais sob o controle do todo poderoso Anastasia.

Por que o TJ não julgou o fato do governo não cumprir a lei do piso? Por que não respondeu de forma responsável ao pedido de intermediação para a greve sob risco de prejudicar os alunos caso houvesse demora? Nessa ocasião, 05 de julho de 2011, o TJ (mesmo desembargadou que declarou que a greve é abusiva) disse que não precisava, que não via risco de prejudicar os alunos e portanto não atenderia ao pedido do sindicato. O Sind UTE insistiu, pediu urgência e o tal desembargador desconsiderou novamente. Ficou 100 dias no anonimato. Não disse nada e somente agora, cento e tantos dias depois vem dizer que a greve é abusiva.

E o governo? Não é abusivo? O fato dele demorar para cumprir uma lei e ainda querer destruir o plano de carreira dos educadores é uma atitude o quê? Louvável? Sublime?

O que está acontecendo em Minas Gerais, afinal?

E a mídia? Por que não cobra do governador o cumprimento da lei do piso e a preservação do plano de carreira dos profissionais do magistério? Por que a mídia teima em reforçar o discurso vergonhoso e mentiroso do governo e esconder as verdades que nós proefssores estamos denunciando?

Será que a responsabilidade de salvar esse estado das mãos do ditador (cria de Aécio Neves que também é uma farsa) é só nossa?

Precisamos de mais gente nos ajudando a denunciar os desmandos do Anastasia. Estou cada vez mais convencida de que ele não tem competência, nem moral para governar o 2° estado mais rico do Brasil.

Ajudem-nos por favor! O futuro agradecerá com certeza!

Responder

marcia

25 de setembro de 2011 às 11h45

Depois de ouvir uma afirmação tão estúpida quanto esta proferida pelo assessor do deputado tucano, somente a leitura de uma carta de apoio como a do Professor Emérito Dermeval Saviani para acalmar o espírito. Valeu, professor Dermeval pelo apoio à causa da educação pública.

Carta de apoio
De fato, é inaceitável essa posição do Ministério Público. Realçando o paradoxo, cabe dizer que é injusta a decisão da Justiça que declarou ilegal a greve dos professores estaduais de Minas Gerais. Na verdade, uma iniciativa como essa, vinda do Ministério Público, constitui uma inversão da função própria desse órgão que é “a defesa dos direitos sociais e individuais indisponíveis” e o “zelo pelo efetivo respeito dos poderes públicos aos direitos assegurados na Constituição”. Assim, nessa situação específica da greve dos professores públicos de Minas, cabe inequivocamente ao Ministério Público denunciar o Poder Público, no caso o governo do estado de Minas Gerais, obrigando-o a cumprir as determinações da Constituição e da legislação complementar em atendimento às legítimas reivindicações dos professores. No entanto, em lugar de exercer essa função que lhe é própria relativa ao respeito do governo estadual pelos direitos sociais e individuais dos professores e da população mineira a uma educação pública de qualidade, o Ministério Público do Estado de Minas Gerais, ao declarar ilegal a greve, volta-se contra os direitos dos professores e protege a ilegalidade da posição intransigente do governo que se recusa a reconhecer a legitimidade das reivindicações dos professores. E foi exatamente essa intransigência governamental que obrigou a categoria docente a recorrer à greve no exercício desse outro direito que também lhe assegura a Constituição.
Enfim, creio ser pertinente reiterar aqui a conclusão de minha fala no “Painel 4 – Educação”, integrante do Evento “A luta pelos direitos sociais: conquistas e novos desafios – 20 anos de Constituição Cidadã 1988 – 2008” realizado na UNICAMP no dia 8 de outubro de 2008:
Se a educação é direito público subjetivo passível, portanto, de mandado de injunção e se o não atendimento desse direito importa na responsabilização da autoridade competente, então a área jurídica, de modo geral, e o Ministério Público, em particular, tem muito trabalho pela frente à vista do objetivo de efetivar, de modo universal, o direito à educação no Brasil. Se o Ministério Público assumisse à risca os preceitos constitucionais, os tribunais estariam entulhados de mandados de injunção e a maioria das autoridades já estaria no banco dos réus.

Dermeval Saviani,
Professor Emérito da UNICAMP e Pesquisador Emérito do CNPq.

Responder

zepgalo

25 de setembro de 2011 às 09h45

Caramba, que descaso com os professores! Essa falta de respeito e sensibiidade não deve ser esquecida nunca, e combatida sempre.

Responder

tonicco

25 de setembro de 2011 às 08h46

Vamos divulgar, gente! Chega de descaso com a educação e com a tolerância a corruptos e criminosos.

Responder

jackson galindo

25 de setembro de 2011 às 07h26

Este sujeito deve ter comprado,se tem, o diploma de jornalista. Os professores de Minas deviam cobrir este cara na porradae o chefete dele demiti-lo.

Responder

Luiz Carlos

24 de setembro de 2011 às 22h57

A nítida intenção é criar um clima de afastamento dos professoras da escola e com isto facilitar a expanção do ensino privado. Não querem gastar com educação de um povo por quem não tem estima. Só consideram seu iguais, seus amigos de negócios e parentes.

Responder

Jbmartins

24 de setembro de 2011 às 22h26

Aqui em SC os Professores fizeram a greve exigindo o Piso, e o Governador do Demo, deu uma enrola boa nos Professores, deu o Piso e os Profo com abono, incentivos por terem doutorados ficaram equiparados assim o governo cortou de uns e deu o piso……fes todos de palhaços

Responder

Eduardo Raio X

24 de setembro de 2011 às 22h01

Essa é a postura do truculento governo de Minas diante de uma situação que deveria ser resolvida a muito tempo, Aecim Never foi um candidato que prometeu mundos e fundos para o estado! Seu choque de gestão somente maquiou Minas é fato que temos uma dívida de mais de 60 bilhões e não sabem como salda-la. Esses são os homens que dizem querer mudar o Brasil com S para transforma-lo em Brazil com Z! A campanha de desmoralização dos professores e do ensino é antiga, sempre foi para minar o ensino e deixa-lo minguar até as últimas potencias de suas forças e capacidade. Infelizmente a rede de TV Alterosa é um braço dessa truculência, inclusive colocaram um jornalista deputado lá dentro para fazer tipo um sensor e filtrador de notícias para que nada passe e venha depois a comprometer o governo do PSDB. Pior Salario Do Brasil!

Responder

Carlos Cruz

24 de setembro de 2011 às 20h35

O comentário lembrou-me o Sr. Cid Gomes, governador do Ceará, quando criticou os professores e disse que quem não estivesse satisfeito saisse, pois s profissão não era para ganhar dinheiro, e que aumento não sairia. Um tucano real com toda plumagem mineira X um tucano envergonhado travestido de social cearense, mas com a mesma visão escravocata de 1900, ainda na Revolução Industrial, quando o lucro ia acima dos direitos humanos. Mas foram eleitos com nossos votos, e de uma maeira ou outra somos responsáveis pelos "malvadezas" que infestam a politica brasileira.

Responder

Marat

24 de setembro de 2011 às 20h20

Talvez seja ele o "pedreiro" de crack, devido ao comentário…

Responder

Alex

24 de setembro de 2011 às 18h17

O pior, é que a midia tucano-corrupta, só divulga quando a noticia é contra os professores. Ley de médios já!!!!

Responder

Alex

24 de setembro de 2011 às 18h14

Chamar a assembleia legislativa de Minas Gerais de casa do povo, é insultar o povo. O povo com certeza tem mais caráter, dignidade e honestidade dos que habitam aquele lugar. Ali virou a "casa dos vendilhões do templo".

Responder

Eudes H. Travassos

24 de setembro de 2011 às 18h06

"O Governo informou que lamenta mais uma vez a a intransigência dos professores em manter a greve".
"Se eu ganhasse 712 eu ia ser servente de pedreiro.

É realemte um mix de compromisso com sensibilidae social e humana como nunca visto antes na política brasileira.
É triste, doloroso, ultrajante, emocionante, ruim de ver, mas é TUCANO.

Responder

monge scéptico

24 de setembro de 2011 às 17h42

Professores nota 100!. Deputados nota 100 abaixo de zero. Os professores são a base
que sustenta a sociedade
Quanto ao funcionário que fez tal declaração, é um filho da……………………pé na bunda dele!!!!!!!

Responder

24 de setembro de 2011 às 17h37

Chico Oliveira dizia que o "terceiro mandato de FHC" tinha em sua política o descrédito e desmoralização do funcionalismo público.

Ele considerava PSDB e PT como irmãos. Aqueles irmãos que se odeiam, mas sempre serão irmãos.

Chico Oliveira deixou as fileiras do PT em 2003. Bem antes do PT assumir mandato presidencial suas críticas ao partido que um dia tinha sido dos trabalhadores já previam o que aconteceria mais tarde em vários episódios petistas no governo.

Mas sempre existirão aqueles adeptos do "qualquer preço pelo poder". Cest la vie.

Responder

JOSE DANTAS

24 de setembro de 2011 às 16h06

Ele diz isso porque não sabe o quanto pesa um balde de concreto que o servente de pedreiro bota nas costas e sobe a escada enquanto um "formador de opinião" tenta esculachar cada vez mais a profissão.

Responder

ANDRE

24 de setembro de 2011 às 15h38

Os grilhões da escravatura ainda não foram rompidos no Brasil, a senzala continua..

Responder

Geysa Guimarães

24 de setembro de 2011 às 15h14

Não vejo como provocação, mas triste constatação. Um gol contra, já que o salário-vergonha vem dos "patrões" do jornalista.
Já deve ter levao uma bela reprimenda.

Responder

luiz pinheiro

24 de setembro de 2011 às 14h14

Deu na Folha de hoje:
"O Ministério Público Estadual de São Paulo abriu investigação para apurar se o reitor da USP, João Grandino Rodas, cometeu irregularidade em nomeações de procuradores da universidade. Há a suspeita de que dois deles –Carlos Alberto Vilela Sampaio e Gustavo Ferraz de Campos Monaco — tenham sido nomeados sem que tivessem a experiência exigida. Sampaio é filho da ex-reitora, Suely Vilela. Monaco possui relação pessoal com o reitor há mais de dez anos e foi nomeado chefe dos procuradores".
Essa é a USP tucana: PM no campus, porrada nos estudantes, professores e funcionários, e emprego pra filharada.

Responder

Leonardo

24 de setembro de 2011 às 12h20

Lula defendendo privatizações, Serra tentando se passar por defensor dos direitos sociais. 2012 chegando.

Responder

    Carlos Cruz

    27 de setembro de 2011 às 20h55

    É o samba do crioulo doido (com todo respeito aos crioulos!). O PT, hoje no poder, luta para permanecer no trono em Brasilia, e torna-se cada vez mais conservador. Tudo pela tal "governabilidade". Falta apenas dizer "Às favas, senhor(a) presidente, neste momento, todos os escrúpulos de consciência." O PSDB, longe do poder e do trono em Brasilia, faz-se de social, voltado aos desvalidos, probo, em busca da melhoria do "povo sofrido". Duas demagogias, dois demagogos. O poder parece turvar a visão, ou como disse um indio americano, quem nele está parece "enxergar apenas com o branco do olho". Será que ainda vamos ver o PT na "massa cheirosa"?

dukrai

24 de setembro de 2011 às 12h13

Carta Aberta ao Desembargador Roney Oliveira
Belo Horizonte, 17 de setembro de 2011.

“Na aplicação da Lei, o Juiz atenderá aos fins
Sociais a que ela se dirige e às exigências
do bem comum.”(Art. 5º da Lei de Introdução
às Normas do Direito Brasileiro)
A gente não quer só comida
A gente quer comida
Diversão e arte
A gente não quer só comida
A gente quer saída
Para qualquer parte…
A gente não quer só comida
A gente quer bebida
Diversão, balé
A gente não quer só comida
A gente quer a vida
Como a vida quer…

A gente não quer
Só dinheiro
A gente quer dinheiro
E felicidade
A gente não quer
Só dinheiro
A gente quer inteiro
E não pela metade…
(Comida – Titãs)

Responder

    dukrai

    24 de setembro de 2011 às 12h14

    Caríssimo Senhor Desembargador:
    Foi com imensa tristeza que soube de Vossa decisão de determinar o imediato retorno dos professores
    mineiros ao trabalho, ou seja, às salas de aula. Não posso negar, também, que fiquei surpreso ao ler o
    teor do texto que fundamenta/justifica a decisão de Vossa Senhoria.
    Como cidadão, professor, e, como o Senhor, funcionário público remunerado pela população – inclusive
    a dos “grotões mineiros” em que, segundo vosso texto, fruto de vosso insuspeito conhecimento de
    causa, as crianças vão à escola “mais atraídos pelo pão do que pelo ensino” –, também considero
    importante que “na aplicação da Lei, o Juiz atenderá aos fins Sociais a que ela se dirige e às exigências
    do bem comum.” Mas, pergunto, Senhor Desembargador, estaria mesmo a vossa decisão colaborando
    para o bem comum?
    No plano nacional, a nossa primeira Constituição, de 1824, já determinava que a educação elementar
    seria pública e gratuita. Em nosso passado recente, a Magna Constituição de 1988 garante esse mesmo
    direito e expande ao determinar a natureza pública e subjetiva do mesmo. O mesmo faz, como não
    poderia deixar de fazê-lo, o Estatuto da Criança e do Adolescente (1991) e a Lei de Diretrizes e Bases da
    Educação Nacional (1996).
    Veja, Senhor Desembargador, em Minas Gerais a primeira legislação para a instrução pública, a Lei no.
    13, é do ano de 1835. Ou seja, foi uma das primeiras leis que nossos legisladores acharam por bem
    aprovar porque reconheciam, mesmo dentro de limites às vezes estritos, a importância da educação pública. De lá para cá, se contarmos, veremos centenas de atos legislativos que, como aquela Lei
    fundadora, vieram garantir o legítimo direitos dos cidadãos a uma educação pública, gratuita e de
    qualidade.

    dukrai

    24 de setembro de 2011 às 12h18

    No entanto, poderíamos perguntar: estariam esses direitos sendo garantidos de fato? Sabemos que não,
    e não apenas para os dos “grotões mineiros”. E isto não apenas hoje.
    Ensina-nos a história da educação mineira que desde o século XIX tem-se muito claro que os professores
    constituem elemento fundamental para a qualidade da escola. No entanto, desde lá também se sabe o
    quão difícil é garantir a entrada e permanência dos professores na profissão. Veja, Senhor
    Desembargador, o que dizia um Presidente da Província de Minas em 1871, isto é, há 140 anos: “À par
    da crêação das escolas normaes devem se augumentar os vencimentos dos professores. Não se pode
    esperar que procurem seguir carreira tão pouco retribuída aquelles, que, depois de instruídos nas
    escolas normaes, sejão convidados para outros empregos com esperança de um futuro lisongeiro”.
    [Antonio Luiz Affonso de Carvalho, Presidente da Província de Minas Gerais, em 02/03/1871]
    Passados todos estes anos, e não são poucos, o que demonstram, hoje, a experiência dos professores
    mineiros e as mais diversas pesquisas acadêmicas é que em breve faltarão professores para a escola
    básica brasileira. Aliás, para algumas disciplinas essa falta já é sentida hoje. Mas não apenas isto. O
    mais grave é que, independentemente do número, verifica-se que a profissão perdeu, de vez, o poder
    de atrair/seduzir jovens talentos. Ou seja, a tarefa socialmente relevante e culturalmente fundamental
    de conduzir as novas gerações ao mundo adulto já não atrai parcela significativa (e necessária) de
    sujeitos dessa mesma sociedade. É como se os jovens estivessem dizendo: não vale a pena jogar o
    melhor das minhas energias nessa tarefa, apesar de sua relevância social e cultural.
    Veja, pois, Senhor Desembargador, que o poder público mineiro vem lesando, há séculos, nossas
    crianças em seu mais que legítimo direito à educação. E, convenhamos, a considerar o atual salário dos
    professores mineiros, mesmo se comparado ao Vosso tempo de “vacas magras”, a atual administração
    estadual nada fez para atacar o problema. Muito pelo contrário, o agravou com a famigerada política de
    subsídio. Considere, pois, Senhor Desembargador, que as “queridas vacas”, como dizia a adorável
    professora do Drummond, estão tão magras que em breve delas não teremos nem o leite, nem a
    carne, nem o osso e nem mesmo o berro!
    É louvável, Senhor Desembargador, a Vossa preocupação com a fome das crianças dos “grotões
    mineiros”, assim como com a garantia do direito à educação para a toda a população mineira e com os
    danos causados pela greve ao alunado. Por outro lado, não posso concordar que essa greve seja abusiva
    ou que precisaria se arrastar ad aeternum. Parece-me, aqui, que uma das formas de a Justiça contribuir
    para garantir, na aplicação da Lei, os “fins Sociais a que ela se dirige e às exigências do bem comum”,
    seria obrigar Estado mineiro a cumprir, sem subterfúgio, a legislação existente e instruí-lo a reformar a
    péssima Carreira Docente em vigor. Esta contribui mais para a desmotivação do professorado do que lhe
    acena com os justos ganhos decorrentes da busca por mais e melhor formação e da comprovada
    experiência adquirida no exercício da profissão.

    dukrai

    24 de setembro de 2011 às 12h20

    Sabemos, Senhor Desembargador, que a justa decisão daquele que, mantido pelo poder público, tem o dever e a legitimidade para decidir, é, também, aquela que interpretando a Lei, de mãos dadas com a experiência passada, descortina, no presente, o futuro que pretende criar. A Justiça, Senhor
    Desembargador, se faz quando se tem em mente os problemas (futuros) que nossas soluções criarão ou deixarão de criar. A Justiça se faz, também, quando combate injustiças duradouras e possibilita a
    criação de condições de uma duradoura justiça!
    Se o direito à educação de qualidade não se faz apenas garantindo o acesso, este direito está, hoje
    como ontem, ameaçado, e sua garantia não se faz na sala de aula e no pátio da escola, mas nas ruas e nas praças ocupadas pelos professores em greve. Neste momento, a continuidade da greve como forma de obrigar a administração estadual a responder, de fato, à situação humilhante dos professores
    estaduais com melhores salários e condições de trabalho, é a única forma de garantir o direito à
    educação, em cuja defesa todos nos irmanamos.
    As crianças que freqüentam a escola pública e as famílias que pagam impostos para que o Estado a
    garanta, Senhor Desembargador, “não querem só comida”. Querem tudo a que têm direito! Têm direito, inclusive, a professores felizes e satisfeitos com seus salários e suas condições de trabalho! Professor que foi, aluno que aprendeu com alguma professora nos bancos de uma escola, o Senhor
    Desembargador deve saber também que a única forma de fazer uma boa escola ou uma boa escola é
    que os professores tenham, eles também, os seus direitos reconhecidos e protegidos. Eles não querem “só comida”!

    Finalmente, Senhor Desembargador, é preciso lembrar que, contrariamente o ditado popular, nem
    sempre onde há fumaça há fogo. E, às vezes, pode haver fogo sem haver fumaça. Para isto, bastaria ver a Praça da Liberdade na sexta feira. O “gás de pimenta” pode “ser fogo”, como disse, em mensagem eletrônica uma professora que lá estava: “Para quem nunca inalou gás de pimenta, a sensação é a seguinte: um fogo na cara, um ódio no coração e muita tosse”. Mesmo sem a cobertura da fumaça, foi lá que o Estado de Minas, por meio de seus agentes legalmente constituídos, nos deu uma péssima lição de cidadania. Penso, Senhor Desembargador, que o episódio da Praça da Liberdade, este sim, merecia uma rápida investigação e a punição exemplar daqueles que, atualizando o que há de pior em nossa história, violentaram não apenas os professores, mas todos nós, cidadãos deste país. Logo, imagino, também ao Senhor.
    Acalentando o sonho de que nossas crianças e jovens possam ter garantido o direito a uma escola de
    qualidade e que os professores mineiros tenham garantido o seu legítimo direito a lutar pelos seus
    direitos, envio cordiais saudações.
    Luciano Mendes de Faria Filho
    Professor de História da Educação da UFMG
    Coordenador do Projeto Pensar a Educação Pensar o Brasil – 1822/2022

    Gerson Carneiro

    24 de setembro de 2011 às 21h17

    Eu voto no ócrinho. rs

    dukrai

    24 de setembro de 2011 às 22h01

    cala boca leporace rs

    Aline C Pavia

    24 de setembro de 2011 às 22h47

    Vcs dois são os caras

    dukrai

    25 de setembro de 2011 às 14h38

    agente tamos fazendo piada rs mas a carta do professor Luciano da UFMG está bombando aqui em BH. não ficou muito claro mas é uma resposta ao despacho do desembargador Roney Oliveira que considerou a greve dos professores abusiva porque afeta os alunos dos "grotões" de Minas que deixaram de ter a merenda nas escolas em greve.

    Gerson Carneiro

    24 de setembro de 2011 às 22h56

    Sei. Com esse ócrinho você está um gato rs

Julio Silveira

24 de setembro de 2011 às 12h08

Fico intrigado quando observo que ainda aparecem por aqui defensores da visão tucana de governo.
Será que é algo patologico, por que todo governo tucano e eu digo todo governo tucano trata mal a educação e os educadores. Lógico existem aqueles do time que levam vantagens em troca do prejuizo da maioria, como em tudo tem o judas vendendo os cristos. Mas o cidadão tem hoje um instrumento poderoso para acompanhar essas aberrações, é só buscar na internet ela mostra passado, presente e futuro e fica facil observar nos estados as crises que os tucanos proporcionam principalmente com professores.
Aqui no RS uma grande crise ocorreu com o CPERS, que gerou greves prolongadas e acusações graves contra a governadora à época a, já foi tarde, tucana Yeda.
Os que vem aqui levantar bandeiras tucana credito isso a possivel lavagem cerebral ou então ao mote adotado pelos tucanos, e oportunizado por seu cumplices midiaticos, de mostrar o que interessa(a eles) e esconder o indesejado (para eles, mas real para a cidadania).

Responder

FrancoAtirador

24 de setembro de 2011 às 11h08

.
.
Seria o caso de pedir intervenção da União
nos estados que descumprem a Lei Federal.
.
.
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL
TÍTULO III – Da Organização do Estado
CAPÍTULO VI – DA INTERVENÇÃO
(…)
Art. 34. A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, EXCETO para:
(…)
VI – prover a execução de lei federal, ordem ou decisão judicial;
.
.

Responder

    FrancoAtirador

    24 de setembro de 2011 às 12h54

    .
    .
    A AÇÃO DE EXECUTORIEDADE DE LEI FEDERAL deve ser promovida pelo PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA no Supremo Tribunal Federal (STF), em face do descumprimento, pelos Estados ou pelo DF, de Lei Federal.

    A competência originária para conhecer desta ação era do Superior Tribunal de Justiça – STJ (“Corte Legal”)-, entrementes, como a recusa de estado-membro ao cumprimento de lei federal caracteriza verdadeiro conflito de entidades federadas, cuja norma subordinante é a Magna Carta, a EC nº 45/04 (Reforma do Poder Judiciário) revogou o inciso IV do art. 36, deslocando a competência nele contida para o Supremo Tribunal Federal (STF).

    http://www.neonconcursos.com.br/alunos/institucio

    beattrice

    24 de setembro de 2011 às 14h03

    No dia de São NUNCA, se for para sofrer intervenção o primeiro estado seria SP que ja violou todos os prazos de pagamento dos precatórios, dos alimentares claro!!!!!!

    FrancoAtirador

    24 de setembro de 2011 às 23h40

    .
    .
    No caso dos precatórios de natureza alimentar é pior ainda.

    Porque a intervenção não depende nem do Executivo Federal nem da PGR,

    mas exclusivamente do Poder Judiciário, especificamente do Tribunal que requisitou o pagamento..
    .
    .

Gerson Carneiro

24 de setembro de 2011 às 10h58

Vamos dissecar o tucanato. E no twitter, nessa sexta-feira:

Ex-governador tucano da Paraíba, CASSADO POR CORRUPÇÃO, é o anfitrião do @joseserra_

"A Paraíba sente-se honrada com a presença deste extraordinario brasileiro que é @joseserra_ "
@cassiocl

Responder

@lucasvazcosta

24 de setembro de 2011 às 10h57

Muita gente já está deixando de ser professor para ser várias outras coisas. Agora, eu me pergunto: o professor deixar o magistério resolve o problema da educação? Não. Resolve a situação individual do educador, que passará a viver melhor, mas manterá à míngua as pessoas que dependem da educação pública. É exatamente esse problema que os políticos e seus assessores não querem resolver ao mandar os professores procurarem outro meio de vida. Não querem profissionais questionadores, que lutem por uma educação de qualidade. Querem marionetes conformadas, contentes de manter o quadro negativo do jeito que ele está hoje. Afinal de contas, é assim que eles se elegem, à custa da ignorância da maioria.

Responder

@lucasvazcosta

24 de setembro de 2011 às 10h53

Ano que vem e em 2014 estarei bastante atento quando da minha opção por votar neste ou naquele parlamentar, neste ou naquele chefe do executivo. Político que massacra professor não levará o meu voto.

Responder

bissoli junior

24 de setembro de 2011 às 10h51

no blog do Nassif: (…)Citada pelo colega Zé Beto no blog (http://zebeto.jornale.com.br/), a sondagem revelou números assustadores, ainda que estejamos falando de jovens. De acordo com a pesquisa, em um universo de 1.012 (jovens) entrevistados, 70% não sabem quais são seus direitos sociais; 78% desconhecem o que é a Constituição Federal de 1988; 40% ignoram os Três Poderes; 68% não têm muita noção do que faz um deputado estadual; e 70% não sabem o que é a democracia, muito menos como exercê-la.
Todo apoio à greve, mas que os professores aprendam com o movimento e se tornem mestres de verdade, ou eles não têm um papel relevante para mudar o quadro apontado?

Responder

José Melquíades Ursi

24 de setembro de 2011 às 10h39

Meu Deus do Céu. A sétima economia do mundo submetida a tanta imbecilidade. Quando o coração atira lágrimas aos olhos, não há como não endurecer. Tratar a educação desse jeito corresponde e retirar a esperança das pessoas para a reais possibilidades desse nosso Brasil. Passou da hora há muito de uma reforma política e do judiciário elitizados da pior forma possível ao longo da nossa história. É melhor parar por aqui.

Responder

    O_Brasileiro

    24 de setembro de 2011 às 12h26

    Em PIB per capita o Brasil está em 54º, na estimativa mais otimista (Banco Mundial), com apenas U$ 8.400,00. http://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_pa%C3%ADses
    Ainda é um país pobre, que produz pouco valor agregado e quase nada de inovação tecnológica. Logo, os poucos recursos que têm quase não chegam às classes mais pobres. É até um "milagre" ainda haver atendimento no SUS, universidades públicas e policiamento para estádios de futebol.

edmar

24 de setembro de 2011 às 09h53

No início dos anos 60 foi de Minas que saiu o braço avançado da "gloriosa" que sepultou nossa democracia por quanse 3 décadas, com apoio e por provocação do governador mineiro da época. Agora, é em Minas que um outro governador direitista tenta criar convulsão social suficiente para justificar intervenção policialesca capaz de arranhar (e se colar, interromper) o incipiente processo de "RECIVILZAÇÃO" que vimos implementando. Cuidado com os tucanos mineiros. Tá passando da hora de DILMA chamar esse tal de "AÉTICO" , mandar enquadrar o boneco que ele deixou no governo e obedecer à Lei (a regra do "piso" deve valer em todo o país). Ou intervir logo em Minas, decretando "emergência educacional". O que os tucanos mineiros estão fazendo é PROVOCAÇÃO PURA! Todo cuidado com esses sujeitos é pouco.

Responder

professor cirino

24 de setembro de 2011 às 08h01

Enquanto isso a Secretaria de Educação, sempre acobertada pelo Aécio e Anastasia, tem uma série de contratos irregulares com superfaturamento e favorecimento de amigos (geralmente acomodados em Oscip, como um tal de Instituto Hatman Reguera – IHR). Tem um projeto Virtus Letramento que é tocado pela mesma empresa que deu dinheiro para o Arruda em Brasília. Basta ir lá na SEE para conferir com as duas subsecretárias.

Responder

Marcelo Luis

24 de setembro de 2011 às 07h57

Reportagem excepcional, muito bem feita, humana, emocionante. Comentarista tosco, querendo se equilibrar poupando o governo… Desce do muro!

Responder

Tartufo da Silva

24 de setembro de 2011 às 07h26

Estão brincando novamente com a paciência do povo… e, enquanto isso, a Rede Globo banca "vassouras performáticas" especialmente criadas no PROJAC para que o "povo" (dela, 2.500 almas inocentes) proteste contra o Governo Federal. O que acontece em Minas, faz parte do acordo espúrio com o PSDB para "varrer" pra baixo do tapete qualquer má notícia para os tucanos. É essa liberdade de imprensa que eles gostam…

Responder

damastor dagobé

24 de setembro de 2011 às 07h21

como dizia o velho e bom Nelson Rodrigues, o que sabia das coisas, "tudo em nosso país vira um tipo de FLA-FLU" com torcedores exaltados de cada lado..é tudo uma questão de "indignação", de ficar suficientemente zangado..depois tudo passa e ficamos indignados e zangados por outra razão que motivo nunca falta.
Nunca passa pela cabeça desses comentaristas inteligentes e bem informados que nesse caso por exemplo, trata-se de uma operação deliberada – pelo governo – de sucateamento do que resta da educação publica para sua privatização total. E não adianta tenta jogar responsabilidades de federal pra estadual e vice versa. Como diziam da enchente, em nosso caso, a "chuva" não é estadual, municipal ou federal…e tudo fruto da cabeça ruim dos brasileiros todos…TODOS..

Responder

João PR

24 de setembro de 2011 às 06h49

Esse sujeito é um canalha, que provavelmente não tem filhos. Também não deve ter estudado muito, pois caso tivesse filhos e tivesse estudado valorizaria os Professores.

Mas, esperar o que de um assessor de um tucano, sensibilidade social???

Responder

Thiago Rodrigo

24 de setembro de 2011 às 00h39

Olha o nível de hipocrisia no final do terceiro e último vídeo. Interessante q quando é pra ter aumento de político a informação só é gerada depois que se votou, n vamos isso quando é o deles.

Responder

Paulo Roberto

23 de setembro de 2011 às 23h50

Servente de pedreiro está ganhando mais do que isso. O interessante é que uma frase dessas vindo de um tucano, demonstra o descaso com que a turma do Aécio trata a educação nas Gerais…

Responder

Rita

23 de setembro de 2011 às 23h38

Aquele senhor que dissse que por 712 reais seria servente de pedreiro está muito enganado. Ele não tem dignidade suficiente para construir qualquer coisa. Teve que aproveitar a mamata de voto terceirizado. É provável encontrá-lo numa manifestação contra a corrupção dos outros, a dele nunca. Espero que nã seja esquecido.

Responder

Juarez Marques

23 de setembro de 2011 às 22h09

O problema é que não existe a profissão de professor, regulamentada por lei,como existem a de advogado, médico dentista engenheiro, e varias outros.. Enquanto qualquer um puder entrar em uma sala de aula, independente de sua formação e escolaridade os professores jamais serão reconhecidos e receberão um salário digno. Eu sou um ex-professor.

Responder

Gianni

23 de setembro de 2011 às 21h38

PSDB = Pior Salário Do Brasil. Eis a prova irrefutável. Nem o piso querem pagar aos professores!

Responder

mucio

23 de setembro de 2011 às 21h27

Professores do BRASIL e Minas Gerais lembrem-se dos TUCANOS/ PSDB e deste deputado cujo assessor falou sobre ser ajudante de pedreiro, nas PRÓXIMAS ELEIÇÕES.
Antes que me esqueça salvem este vídeos para passarem na época das próximas eleições.

Responder

Domingos

23 de setembro de 2011 às 21h15

Estas imagens devem ser divulgadas para que todos conheçam como o governo de Minas trata a educação. Todos os professores de Minas deveriam aderir a greve!

Responder

Sertanejo

23 de setembro de 2011 às 21h06

Um casal de professores já estão no 5º ou 6º dia de greve de fome na Assembléia Legislativa de MG. Não estou vendo nenhum órgão de imprensa citando o fato.
Agora no inicio da noite o Governador comunica que irá demitir e que já notificou todos os professores contratados alegando que acabou o prazo de 48h que ele deu para que os mesmos retornassem ao trabalho. Para os efetivos, ele afirma que sua equipe está estudando uma forma de puni-los.

Responder

Elias SP SP

23 de setembro de 2011 às 20h46

Assisti ao vídeo e vi a professora chorar e meu deu o velho nó na garganta. Malditos governos direitistas! Malditos deputados arrogantes, sórdidos que têm coragem de zombar de uma cetegoria digna de respeito e até reverência. Respeite nossas professoras e professores, sr. Anastasia!

Responder

Bonifa

23 de setembro de 2011 às 20h45

Por muito menos o governador do Ceará está em palpos de aranha. Ó MinasGerais… Nos matas de vergonha!

Responder

edmil

23 de setembro de 2011 às 20h36

AZENHA! PORQUE A GREVE DOS PROFESSORES DO RIO NÃO TEVE A MESMA REPERCUSSÃO NO SEU BLOG? OS PROFESSORES DO RIO SÃO PIORES DO QUE OS DE MINAS ,OU ESSE BLOG É MANTIDO POR VERBAS DO GOVERNO DO RIO.
ESTRANHO!!!?

Responder

    Diego Rafael - DF

    24 de setembro de 2011 às 02h31

    Os professores do Rio também ficaram mais de 100 dias em greve? (é uma pergunta sincera, não estou sendo sarcástico).

    edmil

    24 de setembro de 2011 às 11h17

    OS PROFISSIONAIS DO RIO FICARAM QUASE DOIS MESES,FORAM TRATADOS PELO GOVERNO COM DESCASO, E SAIBA DIEGO RAFAEL O SALARIO DOS PROFESSORES DO RIO É UM DOS PIORES DO BRASIL ASSIM COMO A QUALIDADE DO ENSINO QUE É O SEGUNDO PIOR DO BRASIL. UMA VERGONHA!!!!!!!

    Luiz Carlos Azenha

    24 de setembro de 2011 às 11h37

    Pesquise antes de escrever besteira: https://www.viomundo.com.br/denuncias/beatriz-luga

    edmil

    24 de setembro de 2011 às 15h27

    TÁ BEM AZENHA! TORNEI-me SEU INIMIGO POR FALAR A VERDADE?
    me referi a repercussão que a greve do rio teve no seu blog.

    24 de setembro de 2011 às 16h38

    Edmil, eu de certo modo compreendi sua insatisfação.

    Repare na matéria sobre o Rio – 50 comentários. Indício de que não houve destaque semelhante.

    Claro que aqui aproveitou-se a declaração estapafúrdia do assessor o que justificaria em tese a quantidade de comentários.

    Existe sim uma certa desigualdade no tratamento de algumas matérias que no meu entendimento é errado.

    Seu erro , e grande, foi a acusação.

    Euler

    24 de setembro de 2011 às 15h45

    Acompanho sempre que posso este blog e dou meu testemunho de que é um dos poucos que abrem espaço para as lutas sociais, inclusive dos educadores. Já li aqui sobre as greves dos educadores de Santa Catarina, do Rio Grande do Norte, do Rio de Janeiro e a de Minas, entre outras.

    edmil

    24 de setembro de 2011 às 20h46

    EULER ,eu tbm compartilho do seu testemunho até aqui.
    mas vou citar outro exemplo e verás que tenho razão. quando o gov.paulista entregou a saude para as OSs esse blog anunciou e fez uma bela materia, na semana passada o governo do rio fez a mesma coisa com a ajuda do PT. E PORQUE SERÁ QUE O AZENHA NÃO DIVULGOU?
    se voce quer ser um alienado eu respeito o sua decisão.

    Vavá

    25 de setembro de 2011 às 12h23

    E do Rio Grande do Sul, você viu alguma coisa? Eu não vi uma linha sequer.

    jose luiz

    04 de outubro de 2011 às 22h22

    Aqui no Sul os professores são recebidos pelo Tarso, o que ocorre é que está sendo estudado uma saída para o impasse.Ao contrario com o que ocorre em MG, que o gov esta se lixando para os professores, que estão em greve a 100 dias.

    Luiz Carlos Azenha

    24 de setembro de 2011 às 11h34

    Não faça acusações mentirosas. Já fizemos entrevista com os professores grevistas do Rio. Dispensamos leitores irresponsáveis como você. abs

    Vavá

    25 de setembro de 2011 às 12h23

    E sobre o Rio Grande do Sul, do Tarso Genro, que também não paga o piso, você deu algum destaque, Azenha? Ou só se fala aqui de Minas e estados governaqdos por tucanos, quando não pagam? A situação é a mesma.

    Vavá

    24 de setembro de 2011 às 12h33

    Os do Rio Grande do Sul de tarso genro, que também não paga o piso, estão totalmente esquecidos. Saiu alguma coisa deles aqui, Azenha?

    Michel, São Paulo/SP

    24 de setembro de 2011 às 15h43

    Desculpe entrar sem ser chamado mas, Edmil, não é o caso de pedir desculpas pela desinformação e, principalmente, pela forma grosseira com que vc se expressou? Faz parte das transformações que todos nós desejamos, sabia?
    Sem mais, saudações.

    edmil

    24 de setembro de 2011 às 21h03

    Michel, assim como o azenha pode não estar bem informado das mazelas na educação do rio ,eu tambem posso não ter todos os seus comentarios E JÁ FUI CHAMADO DE MENTIROSO e voçe quer que eu peça desculpas?
    SERÁ QUE VÇ E O AZENHA SABE QUE O GOVERNO DO RIO PAGA ALUGUEL DE AR CONDICIONADO QUE NUNCA FORAM INSTALADO NAS ESCOLAS PUBLICAS HÁ MAIS DE UM ANO?

    Luiz Carlos Azenha

    25 de setembro de 2011 às 10h54

    Edmil, me parece que você é mesmo mal intencionado, além de grosseiro nas críticas. Por que? Porque nem se deu ao trabalho de ouvir a entrevista da Beatriz Lugão, em que ela fala do caso dos aparelhos de ar condicionado: https://www.viomundo.com.br/denuncias/beatriz-luga

    Gerson Carneiro

    25 de setembro de 2011 às 08h52

    Se o Viomundo é suspeito por ser "mantido por verbas do governo do Rio" por "não cobrir" greve dos professores do Rio (embora tenha repercutido não só a greve dos professores do Rio mas também a greve dos bombeiros do Rio) eu desconfio do edmil por estar irritadíssimo com o destaque dado pelo Viomundo à greve dos professores de Minas Gerais e tentar tirar o foco.

    Aliás, por que o edmil se chama edmil e não ed712? Você é assessor de deputado?
    Estranho!!!?

    Em tempo: esclareço que Luis Humberto Carneiro não é meu parente. Se fosse eu seria assessor de deputado.

bene nadal

23 de setembro de 2011 às 20h21

Quando eu digo que os valores neste país estão invertidos, alguns ainda duvidam; veja esse vídeo onde fica bem claro os desmandos: professores desrespeitados ao extremo, a "casa do povo", tomada por estranhos, ou seja; seguranças com poder de mando maior que deputados, e até com direito de bater boca, trabalhadores, como serventes de pedreitros sendo achacados por assessores de deputados.
Que pena das Mina Gerais, nas mãos de políticos entreguistas que defendem o caos no país, que pena dessa gente maravilhosa sendo governada por políticos completamente descompromissada com o povo que os elegeu, no entando meus irmão mineiros, podem e devem tirar uma grande lição disso tudo, e na próxima eleição, escolher melhor. Grande abraço a todos os mineiros.

Responder

Julio Silveira

23 de setembro de 2011 às 20h18

Puxa vida não pensei que fosse tão mesquinho o salario dos professores de Minas, estado rico o terceiro mais rico da republica. Só posso creditar esse aviltamento contra a categoria a completa desinformação do povo mineiro que deve pensar que o professores estão bem de vida. Como sempre o povo manipulado deve até estar sendo contra a greve da categoria. E assim seguimos, o povo ludibriado com espirito egoista, fica contra até ser ele o lado fragil da história, aí vem as reclamações, tudo fruto dessa miopia na identificação do verdadeiros irresponsaveis causadores de suas crises. Com 60% para o Aecim e o Amnesia fica consolidade a ignorância mineira..

Responder

Andreia

23 de setembro de 2011 às 20h15

Deprimente. Vergonha! Iniquidade!

Responder

Macedo

23 de setembro de 2011 às 20h12

Tucano gosta de ESTADO MÍNIMO… para o povão. Para eles, o ESTADO MÁXIMO, via empréstimos de pai pra filho do BNDES, ajuda a bancos falidos via PROER, privatizações obscuras envolvendo polpudas verbas para o caixa 2, facilidades nas instâncias judiciais superiores, etc., etc., etc… Simples assim.

Responder

alex

23 de setembro de 2011 às 20h00

"ADIB JATENE: mídia faz acreditar que carga tributária é insuportável"

SUS exige verba mas mídia vende tributação insuportável, diz Jatene

Em novo livro, diretor do Incor e ex-ministro da Saúde, Adib Jatene, diz que tecnologia impôs grandes mudanças à medicina em 40 anos. Frente a custos maiores e novo perfil epidemiológico do país, Sistema Único de Saúde precisa dobrar recursos. 'Esse é o grande problema', diz Jatene em entrevista exclusiva. 'Mídia faz população acreditar que carga tributária é insuportável.'

André Barrocal – Carta Maior – 23/09/11

BRASÍLIA – O diretor geral do Instituto do Coração (Incor) e ex-ministro da Saúde, Adib Jatene, lançou nos últimos dias, em dobradinha com o atual ministro, Alexandre Padilha, o livro “40 anos de medicina. O que mudou”. São 200 páginas abrangendo a experiência de metade de uma vida que Jatene, aos 82 anos, sintetiza apontando a tecnologia como principal elemento transformador.

O avanço tecnológico levou à descoberta de novos tratamentos, permitiu diagnósticos melhores, praticamente erradicou doenças. Mas também afetou a relação entre paciente e médico, que se tornou mais impessoal. E encareceu custos na medicina, exigindo cada vez mais investimentos de um Estado que assumiu o compromisso constitucional de dar saúde gratuita para toda a população.

O problema dos custos é de difícil solução, na opinião de Jatene, porque o debate sobre o financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS) tornou-se um tabu duro de quebrar.

"Quem controla a mídia faz a população acreditar que a carga tributária é insuportável", disse o médico à Carta Maior. "Mas, se você tirar a Previdência Social do orçamento, e a Previdência é um dinheiro dos aposentados que o governo apenas administra, vai ver que a nossa carga tributária está abaixo de 30%. É pouco para um país como o Brasil."

matéria completa: http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMos

Responder

Macedo

23 de setembro de 2011 às 19h59

Cada povo tem o governo que merece!! Entaum, não adianta nada a mineirada chorar, foram vocês que elegeram essas aberrações políticas para a grande MINAS GERAIS!! ACORDEM PARA A VIDA, parem de jogar vosso voto na lata de lixo, deem um basta nas próximas eleições para esses políticos vagabundos que infestam a terra do nosso glorioso TIRADENTES!

Responder

Augusto

23 de setembro de 2011 às 19h28

Casa do povo??? Isso daí é a casa dos corruptos. Melhor seria fechar essas assembléias estaduais, pois não servem para nada, a não ser para venda de emendas, como acontece na assembléia de São Paulo. Uma vergonha!

Responder

    O_Brasileiro

    24 de setembro de 2011 às 09h14

    Concordo!

JULIO/Contagem-MG

23 de setembro de 2011 às 19h27

Na verdade o psdbunda, quebrou Minas, com seu xoque de jestão tucano. a divida fiscal de Minas, se tor
nou impagavel, mais de 60 bi, esta faltando dinheiro para conserto de helicoptero dos bombeiros para
combates a incendios florestais, minas inteira está ardendo em chama. Na semana passada, a presidenta
Dilma, esteve em BH, para anunciar a continuidade das obras do metro, mas quem está faturando politicamen
te com isso são os nescios do psdbunda, o gov. azia, o prefeito de BH( é do PSB, mas tem DNA tucano) e
o senador (playboy do leblon) aocio.

Responder

Leonardo

23 de setembro de 2011 às 19h10

Desculpa Azenha, é difícil não dizer os piores sentimentos contra esse tal assessor. Ele deveria devolver o dinheiro que recebe dos cofres públicos e pedir perdão à população de Minas Gerais. Esse sujeito ofendeu terrivelmente os professores, os serventes de pedreiro e até os parlamentares.
É um sujeito cuja pança está cheia de dinheiro público, dinheiro que falta para pagar professores, que o governo de Minas não tem para remunerar decentemente os professores, mas tem para empanzinar assessores debochados.

Responder

alicio

23 de setembro de 2011 às 19h04

Realmente os professores gostam de ganhar pouco e não se unem. Aqui na região metropolitana do Recife o sindicato dos operários da construção civil é comandado por uma mulher, tipo Dilma, que bota para quebrar. Basta dizer que o jornal do sindicato chama-se " A MARRETA". No ano passado foram 10% de reajuste. Este ano estamos na briga. Unam-se professores!

Responder

    Marilda Campos

    23 de setembro de 2011 às 22h38

    Como é que é? Os professores "gostam" de ganhar pouco? Você se esquece de um pequeno detalhe, Alício: os professores são servidores públicos. Se o governador quiser, a greve dura todo o ano letivo e ele não concede nenhum reajuste. Não há nenhum prejuízo financeiro para o Estado. Ao contrário, o governo ainda consegue na Justiça o direito de descontar os dias parados. E nada nem ninguém o obriga a resolver o impasse. A sociedade é absolutamente indiferente à situação vivida hoje pelos professores públicos de todo o país. Na construção civil, o que manda é a lei de mercado. Uma obra não pode ficar parada porque gera grande prejuízo financeiro. Essa é a grande diferença.

jose miguel

23 de setembro de 2011 às 18h52

Apesar da vergonhosa atuação dos governos tucanos não só em Minas e da minha solidariedade aos colegas professores, quero lembrar-lhes que a gente precisa aprender com a história também, não só ensinar. Será que esqueceram os anos Aécio que muitos deles ajudaram a eleger Anastasia? Se foi isto, além da solidariedade também fico com pena, se não foi, peço que me desculpem.

Responder

george

23 de setembro de 2011 às 18h41

vampiros com sede de poder

Responder

‘Se eu ganhasse R$ 712, ia ser servente de pedreiro’ « CartaCapital

23 de setembro de 2011 às 18h40

[…] *Matéria originalmente publicada no blog Vi o Mundo […]

Responder

Governador não tem que cumprir a lei? 712 reais e o servente de pedreiro. | OCOMPRIMIDO.COM

23 de setembro de 2011 às 18h36

[…] Para continuar vendo a reportagem da Record, clique aqui. […]

Responder

desinformacaonao

23 de setembro de 2011 às 18h24

Prezados

Acho que há muita desinformação por aqui. Hoje, o governo do estado paga o salário + subsídios. E há ainda, valores acordados anteriormente referente à carreira de professor. O Professor com licenciatura recebe um valor, o que tem uma especialização outro, e o que tem mestrado/doutorado outro, e por aí em diante.

O governo Anastasia está usando como subterfúgio, a desculpa de pagar o piso nacional proporcional às horas trabalhadas, para extirpar os benefícios de carreira dos professores. Com o novo modelo, todos, passam a receber o mesmo salário.

Este é o motivo da greve, e é isto que a imprensa mineira se recusa a informar à população.

Responder

Luiz Vidal

23 de setembro de 2011 às 18h19

É um absurdo o chefe de segurança ter mais poder político que o deputado eleito pelo povo!Ninguem sabe quem é êsse pulha que mama nas tetas do governo de Minas Gerais e o tal de Anastasia deve dar asia em qualquer cidadão democrata e que propugne pela educação como forma básica de crescimento de um País e não fazendo "joguinhos plolíticos"isso é o que acena um eventual governo de um tucano neto de quem sempre esteve em cima do muro e na hora de morrer teve que vir pra São Paulo,pois nunca pensou em prover o seu estado:Minas Gerais de saudee educação……fora Aecinho!!!!Vai namorar no RJ que é isso que vc saber fazer…..e cuidado com as bolinhas de papel,hem!

Responder

Geloca

23 de setembro de 2011 às 18h11

Vejam o link da truculência contra os professores, na sexta-feira, dia 16/09
http://ilovebubble.com/portfolio-item/grevedaeduc

Responder

23 de setembro de 2011 às 18h03

Esse site peca de forma grotesca quando não toca na greve dos Correios. Quando deixa de apoiar a causa destes trabalhadores automaticamente suas críticas perdem legitimidade.

Lamentável.

Responder

Thiago

23 de setembro de 2011 às 17h52

A questão não são os professores, mas o quadro que se apresenta para a profissão no país, César Sandri. Você está confundindo as coisas. Com a indignidade de ser professor neste país, os competentes vão para outro ramo, e assim, se aproveitando disso, os pedabobos (que representa boa parte dos pedagogos brasileiros) e sindicalistas usam a educação brasileira em proveito próprio.

Responder

Sertanejo

23 de setembro de 2011 às 17h09

Minas vive um estado de excessão.
Aqui a imprensa é censurada desde os tempos do Aecim Malvadeza (Aécio Neves).
A maioria dos órgãos de imprensa se vendem em troca de publicidades( aliás, publicidade tem sido o forte desse des-governo do PSDB. (Obs: a Rede record começa a quebrar esta censura).
Professores recebem ameaças o tempo todo para atingirem metas estipuladas pelo governo;
Professores trabalham muitas vezes sem condições necessárias como material didático p.ex. que falta ( Na minha escola por exemplo não há disponibilidade de papel se quer para se fazer uma avaliação; alunos muitas das vezes dividem a mesma carteira por falta de mobiliário suficiente;
Eu tive outro dia a atenção chamada por uma Diretora que me alertava de reclamação de um pai ou mãe não sei, que denuncia que este professor havia solicitado R$010 (dez centavos) para pagar uma cópia de uma avaliação escrita.
Há muita mentira na Educação de Minas.

Responder

    jonas

    23 de setembro de 2011 às 18h07

    E muita gente MUDA também. Essa situacao nao deve ser de hoje, mas o funcionalismo ajudou a reeleger pela TERCEIRA VEZ o psdbobos para o governo. Os professores e todo o funcionalismo já no primeiro governo nao viram a alegria que seria o psdb e seu XOKDIJESTÃ? É uma vergonha que os professores nao se rebelassem contra isso e orientasse seus alunos e pais do perigos de um governo de direita. A educacao está em ultimo plano em todos os governos de esquerda e de direita, mas no da direita além do descaso ainda apanham da policia e sao humilhados pelos ditadores, parece que o professores ainda nao aprenderam a distinguir seus piores algozes, e a sociedade brasileira como um todo é um fracasso porque nunca sai em protesto junto com os professores, se saissem por 1 semana qualquer governo se cocaria rapidinho, quem quer multidoes de ELEITORES nas ruas mostrando que seu governo é um fiasco?

Rogério Perdigão

23 de setembro de 2011 às 17h06

Cara, os professores devem dizer aos alunos, da sala aula, o querem esses pilantras do PSDB, isso é ser orgânico e de esquerda…

Responder

    breno

    23 de setembro de 2011 às 18h09

    EXATAMENTE Rogerio! A luta por uma educacao de verdade comeca na sala de aula e nas reunioes com os pais e familias, a orientacao e o sucesso da educacao como prioridade comeca na sala de aula.

Rogério Perdigão

23 de setembro de 2011 às 17h04

Cara, os professores devem dizer aos alunos, da sala aula, o querem esses pilantras do PSDB, isso é ser orgânico e de esquerda…
sem isso, nada muda!

Responder

Miriam

23 de setembro de 2011 às 16h57

Já foi divulgado aqui? http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2011N14410
(Se já foi, não publiquem, estou sem tempo de ler os comentários, obrigada.)

Responder

damastor dagobé

23 de setembro de 2011 às 16h51

o que se precisa na verdade é um tipo de mente quântica, um raciocínio integral para estabelecer conexões e buscar ao menos uma compreensão do problema, já que solução é muito mais complicado: pegue-se o sucesso feito entre estudantes de teatro e jovens universitários brasileiro por um certo senhor Barriga que está no país fazendo conferencias, um menino de 10 anos que atira na professora e se mata em seguida, os 50.000 brasileiros mortos por condutores de veículos todo ano no país, a falta de sentido da própria "educação" que produz um mundo assim. As grandes cidades brasileiras são verdadeiros centros universitários, todos os dias vejo pela manha legiões de jovens que saem de casa para estudar..estudar..o que exatamente?????? e todos os dias os velhos problemas se agravam e surgem novos problemas insolúveis…que tanto se estuda que as coisas só pioram??????????????/

Responder

Emília

23 de setembro de 2011 às 16h48

Quando é que o povo mineiro e o paulista irá entender que tucano não governa para o povo? Nós, cearenses, aprendemos com o senhor Tasso "Tenho Jatinho Porque Posso" Jereissati.

Responder

jose

23 de setembro de 2011 às 16h38

Gostaria de ver isso nos telejornais apresentados por Boris Casoy,Carlos Nascimento,Boechat .Isso sim é um escândalo.Na minha opinião se ficasse entre Collor e Aécio,votaria no Collor sem sombra de dúvida.

Responder

Regis

23 de setembro de 2011 às 16h37

Improbidade administrativa já. Governo incomptetente.

Responder

    nilton

    23 de setembro de 2011 às 18h17

    A unica solucao para MG é o impeachement do Anastazista, quem vai aguentar esse monstro no poder ate 2014? O povo se quisesse sairia às ruas em peso p destronar o despachante do Aébrio, mas em se tratando de mineiros (brasileiros em geral) o certo é que as lamurias e remungos seguirao firmes e fortes ate 2014, quando envolto numa nuvem branca vestido de dourado surgirá o rei de MG e da embromation society, o galã de asilo, Sr Aébrio Winehouse com uma conversinha mole, vai dar um docinho de ultima hora na boca aberta dos mineiros e vai levar OUTRA VEZ! Alguem quer apostar uma maria mole?

Hélio Jorge Cordeiro

23 de setembro de 2011 às 16h24

Os professores tem que tomar uma atitude demaior vigor contra esses políticos debochados
.

Responder

Silvio Duarte

23 de setembro de 2011 às 16h04

Segurança cumprindo ordens. Ele tá é servindo de capanga e, sabe muito bem disso.

Responder

Neila

23 de setembro de 2011 às 16h04

A situação política de Minas, definitivamente, se divide entre antes e depois do movimento heróico dos educadores e educadoras Minas.
Alô Brasília (congresso): a Lei da Responsabilidade Fiscal (de mentirinha) tem de ser flexibizada por 10 anos para garantir reajustes especiais para saúde e educação, recompondo carreira e remuneração.
Alô, Palácio do Planalto: Anastasia está desqualificando o TJ, o MPE, a ALMG, o TCE. Ele quer retomar o império na província.

Responder

eunice

23 de setembro de 2011 às 16h00

Olha, onde há gov tucano, está mais do que na hora de se tomar o lugar e fazer uma devassa. O Brasil vai agradecer.

Responder

es3vam

23 de setembro de 2011 às 15h42

O nome do assessor é Flávio CASTRO. O jornalista que fez a matéria é Marcos Pena… Confusão de nomes no texto.

Responder

    Conceição Lemes

    23 de setembro de 2011 às 16h19

    Obrigada pelo alerta, es3vam. Já corrigi. A informação que me foi passada é a de que o assessor chamava-se Flávio Pena. abs

Eduardo

23 de setembro de 2011 às 15h24

Veja esse vídeo e dê um destaque especial, pois merece. nele, a gente vê o relato emcionado da professora que foi humilhada na ALMG. É melhor esse vídeo pois ele é curto e vai direto ao ponto. Publica ele!
http://www.youtube.com/watch?v=JS5gaFe7X8s

Responder

    Conceição Lemes

    23 de setembro de 2011 às 15h40

    Eduardo, postei o seu também. Obrigada. abs

gilmar josé rocha

23 de setembro de 2011 às 14h59

Este TUCANOS são um bando de Facistas disfarçados de Neo-Liberais. Sou mineiro e estou envergonhado com a atitude desses FACISTAS Tucanos. Eles querem matar os professores de FOME. Minas Gerias jogue estes Tucanos no LIXO.

Responder

damastor dagobé

23 de setembro de 2011 às 14h49

ele só fez atualizar o ex-presidente Figueiredo..que se ganhasse um salario minimo dava um tiro no "coco"..
tudo da mesma laia..

Responder

José Eduardo Camargo

23 de setembro de 2011 às 14h44

Servente de pedreiro? Um vagabundo como esse não é capaz sequer de segurar um martelo! Mais um escárnio tucano para o anedotário!

Responder

Alexandre Felix

23 de setembro de 2011 às 14h38

Torneiros mecânicos, professores e agora os serventes de pedreiro…qual a próxima categoria a ser desrespeitada por esses tucanos? O Boris Casoy já detonou os garis. . . eu apostaria nos policiais, mas a polícia foi criada pra proteger burguês…acho que não…sei lá!

Responder

Augusto

23 de setembro de 2011 às 14h32

Pior que no regime militar, heim??? Meu Deus!!! Qual é o problema com o cartaz??? Que democracia é esta??? A corrupção aí dentro deve ser de mais.

Responder

    O_Brasileiro

    24 de setembro de 2011 às 09h28

    A repressão e a censura estão tao fortes no Brasil, principalmente nos governos estaduais, e ha tanta tortura policial, que tem muita gente com saudades da ditadura.

André

23 de setembro de 2011 às 14h24

Essa é a maneira com que os tucanos lidam com o assunto mais importante a ser tratado,eles não vão sossegar até privatizarem TUUUDOOO, como é que a população de Minas e de São Paulo ainda não acordaram, eles são uma tragédia administrativa, entreguistas, não cumprem com nehum papel ao qual o Estado teria a responsabilidade, Educação, Saúde, Segurança, querem entregar tudo, aí a gente fica pagando essa carga tributària pra nada, esse é o esquema PSDBISTA de governar, responsabilidade ZERO, arrecadação 1000, o fase de trevas que esses estados vivem.

Responder

@MGsemcensura

23 de setembro de 2011 às 14h19

Anastasia segura o abacaxi herdado de Aécio Neves. Este usou o estado, por 8 anos para seu projeto pessoal de poder. Ganhando a presidência, ele ajudaria a tirar Minas do buraco. Só que nem candidato foi. Resta a ele agora ignorar 110 dias de paralisação dos educadores e educadoras!
Aécio sucateou Minas e agora a coisa está ficando fora de controle!

Responder

    Cida

    25 de setembro de 2011 às 17h29

    Concordo!

    O maior culpado disso tudo é mesmo o Aécio e a sua gestão maquiada, bonita só na TV e que causou um grande rombo em Minas Gerais.

    Não dá mais!

    Fora, Anastasia! Fora, Aécio Neves!

Carmem souza

23 de setembro de 2011 às 14h14

Um pedinte de rua ganha mais que 712 reais por mês.
Eu também desistiria da profissão e viraria outra coisa, mas não servente pois não sou tucano (escravo da ignorância).

Meu Deus!!! Eu lí realmente isso? Os serventes são ignorantes? Desisto

Responder

beattrice

23 de setembro de 2011 às 14h14

Maluf numa greve histórica da categoria em SP disse que as professorAs não ganhavam mal, eram mal casadas.
Nada a acrescentar.
Fato é que os des-governos estaduais fazem o que querem porque o federal não impõe um piso e regras do jogo.

Responder

    Claudio

    23 de setembro de 2011 às 16h25

    Beattrice,

    O governo federal não impõe ele determina. E o piso nacional está determinado por força de lei, desde 2008, que o governo de Minas não aceita cumprir. Este ano o STF se pronunciou sobre o assunto e garantiu a validade do piso nacional. O que concordo com você, é que deveria haver uma punição para os estados que não cumprissem quaisquer leis federais.

    beattrice

    24 de setembro de 2011 às 13h59

    Claudio,
    desculpe-me, mas determina e faz cara de paisagem?
    A que serve a hierarquia administrativa do país senão para que a regra federal seja cumprida no plano estadual e municipal???
    Um preceito jurídico básico é que a lei menor não contrarie a MAIOR, portanto se o governo federal quer ele dispõe sim de meios para fazer cumprir o ordenamento jurídico vigente.
    Mas precisa QUERER.

    jose luiz

    04 de outubro de 2011 às 22h57

    Tu propõe intervenção no estado de MG. Ai já estou vendo as manchetes da falha e da veja sexta que vem DILMA INTERVÉM EM MG CONTRA UM GOVERNO LEGITIMAMENTE ELEITO PELO POVO.

Rodrigo Leme

23 de setembro de 2011 às 14h01

Eu se fosse esses professores iria trabalhar em uma universidade federal, que sabemos não ter esses problemas pois são tocadas pelo espírito santo petista e…ops, peraí…

Responder

    P Pereira

    23 de setembro de 2011 às 18h36

    Com toda a sua sapiência você poderia ser assessor do deputado.

    El Cid

    23 de setembro de 2011 às 18h42

    peraí… e eis que a "luz dos trolls" volta a iluminar em mais um post, com o seu cérebro do tamanho de uma semente de mostarda…

    Panambi

    23 de setembro de 2011 às 19h14

    Será que dá tanto?

    Rodrigo Leme

    24 de setembro de 2011 às 00h26

    Tanto dá que tem 3 tontos me seguindo. Um é recorrente, não vive sem mim. :-D

    El Cid

    24 de setembro de 2011 às 14h35

    ah tucaninho enrustido, desceu do poleiro, hein ??? kkkk !!

    … e você adora fugir do tópico… sempre…

    Rodrigo Leme

    25 de setembro de 2011 às 23h22

    E você sempre no tópico. Tudo bem que você acha que o tópico sou eu sempre, mas vou creditar isso a essa obsessão que você tem por mim. Terapia deve resolver isso, mas sei lá se você não tá perdido já. Parece.

    El Cid

    26 de setembro de 2011 às 18h08

    relaxa, não precisa descer do salto !!!

    Panambi

    24 de setembro de 2011 às 16h01

    Isto é transmissivel pela internet?

    P Pereira

    24 de setembro de 2011 às 17h56

    Quando a sapiência pula por boniteza perde a precisão.

    Fernando

    24 de setembro de 2011 às 20h03

    R L, até até o Anastasia te subvenciona, afinal estás defendenqo que tipo de causa dos tucanos.
    712,oo é uma boa pedida. São essas alternativas que o pSDB tem para a educação qdo voltarem ao Planalto?
    E falando em Planalto leu no O Globo e Veja a consulta que os tucanos fizeram sobre o governo Dilma?
    Se não sabe, vá lá e leia: Dilma 59%, Serra 25% e Marina 15%.
    Essa pesquisa é trucana, não vamos fazer confusão.
    Pelo jeito com essas alternativas para governar, tão cedo não voltam ao Planalto.

    MA_Jorge

    24 de setembro de 2011 às 04h35

    Será que não seria ao tamanho de um grão de pólen? Por que uma coisa não podemos negar, eles ainda possuem capacidade reprodutiva; saem deformados, mas saem…

    Ha, ha, ha,…

    spin

    23 de setembro de 2011 às 19h34

    A direita hidrófoba ainda debocha da situação de miséria dos nossos mestres

    cronopio

    24 de setembro de 2011 às 03h13

    Engraçado voce ter tocado no assunto, porque, aqui em Sao Paulo, um professor da USP ganha menos do que um professor das universidades federais. E olha que o custo de vida em Sao Paulo e bem mais caro…

    João PR

    24 de setembro de 2011 às 22h36

    Troll tucano:

    Saiba você que mesmo com a defasagem salarial que ainda existe nas Universidades Federais (fruto de oito anos de desgoverno do Farol de Alexandria – vulgo FHC) dez vezes trabalhar nas mesmas do que em uma escola de Estado dirigido por tucano.

    Acorda meu! Cai fora daqui!

    Oscar

    25 de setembro de 2011 às 12h42

    Rodrigo Leme, você tem razão. Os salários nas federais são melhores mesmos. Isto é ruim? Você se incomoda com o fato de um professor concursado e doutor ganhe bem? Não compreendi seu desconforto. É com os merecidos salários ou com o espírito santo petista?

Felipe

23 de setembro de 2011 às 13h39

Isso ficaria ridículo até em uma ficção…

Sinto muito pelos professores, pelos eleitores e pela situação do meu país.

Responder

Silvio I

23 de setembro de 2011 às 13h36

Azenha:
Este Brasil não sairá da situação que se encontra culturalmente, ate que este povo, não se de por inteirado, de que o professor e a peça fundamental, do progresso. Não me canso de repetir sempre para que todos fiquem sabendo que no Japão, o Imperador não baixa a cabeça para ninguém, mais existe uma exceção, a baixa para o professor. Isto apenas para mostrar, a importância, que tem no Japão, e aqui o depreciou. Quisera saber onde esses governadores, porque não e sô o de Minas, existem outros, e aos senhores deputados, aprenderão a ler e escrever, quem foi que os ensinou, si ainda tem boa memória?

Responder

luis

23 de setembro de 2011 às 13h32

É bom lembrar:
1) Deputado tucano disse que os "líderes estavam sob efeito de substância"
2) Deputado evangélico-patético (Antônio Genaro) leu texto com palavras inexistentes para "provar" que os manifestantes eram analfabetos
3) Anastasia achou que os professores em protesto, estavam homenageando o Harry Potter (ele adora o Harry Potter e o Pequeno Príncipe)
4) Agora, um importante assessor de imprensa da base aecista fala a "verdade" deles: se o grevista está insatisfeito, que vá trabalhar em outra profssião; é isso que o cidadão quis dizer.
ANASTASIA DESMORALIZOU ALMG, TCE, MPE E JUSTIÇA, dando continuidade ao projeto imperial de Aécio Neves.

Responder

César Sandri

23 de setembro de 2011 às 13h26

Bem feito aos professores!!! Uma classe que não consegue se organizar pra realmente mobilizar a sociedade para o problema da educação , não tem criatividade , nem inteligência ! Já tive muita pena dos professores, já defendi muito. Mas quando um Zé mané diz um displante desse , me pergunto até quando realmente nossos professores não são uns coitados mesmo? Não conseguem se reunir com os pais e alunos e mostrar que eles também estão perdendo com a educação nesses níveis , que eles também deveriam entra na luta e levar os avós , os tios, pra rua , afinal , quem nese mundo não tem um parente na escola. Já tá enchendo o saco , todo ano greves que são somente paralizações. Pq não greves mobilizações, de todos !!! O maior pedagogo " Freire" dizia : não existe opressor , se não houver o oprimido. Tá na hora de acordar pra isso. Deixem de ser coitados!!!

Responder

    Fernando Drechsler

    23 de setembro de 2011 às 17h11

    Você conhece os OFAs? Os Ls? Os Fs? Os Substitutos?

    Não é que eles são desunidos, é que TODOS os direitos são mais do que cortados. Não existe profissão mais dividida dentro dos estados do PSDB que professor, porque o Estado assim quis. E como a população não liga, só os professores, pra educação, NEM mesmo as famílias das crianças na escola liga pra educação, você acha que quem tem mais força?

    Criticar professor é fácil. Ser um é que não é;

    Thiago

    23 de setembro de 2011 às 17h49

    A questão não são os professores, mas o quadro que se apresenta para a profissão no país. Com a indignidade de ser professor neste país, os competentes vão para outro ramo, e assim, se aproveitando disso, os pedabobos e sindicalistas usam a educação em proveito próprio.

    José Feitosa

    04 de outubro de 2011 às 18h41

    Você é bobo ou o que? Tem muita gente boa na educação, conheço muitos engenheiros, gerentes de banco e advogados,pessoas que já exerceram outras profissões e estão na educação. Ninguém é coitado. Vai você ministrar aulas em escolas públicas. Muita gente da rede privada na capital trabalha na em escola pública….talvez mais da metade….e muitas dessas escolas privadas foram bem no enem….
    Então vai se catar. E fale com embasamento teórico ou para de encher o saco.

    Geloca

    23 de setembro de 2011 às 18h07

    Credo, que comentário mais destrambelhado.

    Wander Furtado

    23 de setembro de 2011 às 18h43

    Alguma vez na vida tentou fazer uma movimentação política Senhor Sandri??? Ou SÓ no twitter???

    Cida

    25 de setembro de 2011 às 17h06

    Tudo isso que você citou só está acontecendo porque o governo consegue, com uma política autoritária e perversa espalhar o terror dentro das escolas e para isso vale-se dos diretores que são verdadeiros capachos, estão no cargo a mais de quatro anos (alguns mais de dez anos) ouvindo e fazendo o que a secretária pede e que a superintendentes (capitãs do mato) mandam.
    É uma verdadeira ditadura! Acredite!

    Attila

    28 de setembro de 2011 às 10h30

    Caro César, suas palavras soam tão ou mais ofensivas do que as do jornalista. Não surpreende ouvir isso de políticos de má linhagem e animais do mesmo pelo. Mas de pessoas com senso crítico, como suponho ser o seu caso, choca. Sou professor há quarenta anos e tenho tido sucesso na minha carreira, trabalhei mais de cinquenta horas semanais por bastante tempo, encontrei tempo para estudar, me doutorei e hoje estou em uma universidade federal. Não esqueci, e nem esqueço, as dificuldades por que passam os professores da educação básica, mal remunerados e mal tratados. Culpá-los, porém, por isso mostra certa insensibilidade – com ares de pouca atenção aos fatos. Em nosso país, vigorou por muitos anos a ideia de que magistério é sacerdócio, uma atividade a que nos dedicamos por idealismo, amor ao próximo e certa visão salvacionista. Os governos, desde sempre, tiveram a educação com preocupação marginal, e venderam bem essa atitude à sociedade que não entende absurdo que os professores de seus filhos tenham três ou mais empregos para ganhar pouco mais do que o mais básico, não estudem porque não tem tempo, tenham tantos alunos que não saibam os nomes deles nem, por vezes, sejam incapazes de conhecê-los nas suas necessidades, que não tenham tempo no trabalho para tarefas inerentes a sua atução, como corrigir provas e trabalhos dos alunos, preparar provas e aulas, atender aos alunos para orientação pedagógica e reforço de aprendizagem. Discursos como o do jornalista – e, em certa medida, o seu – põem no professor a culpa de seus problemas. Lá atrás eu escrevi que a educação não tem sido historicamente uma prioridade política, o que pode ser um tanto injusto no específico, mas vale para o geral com sobras. Mas Os professores são o que são e agem como agem porque a sociedade os vê como os vê. Podemos fazer mil passeatas, muitas greves, reuniões com políticos, com pais, com a imprensa. Não conseguimops, porém, que a sociedade entre conosco nesse esforçõ de fazer lembrar a todos que auxiliamos na criação de seus filhos.

Duarte

23 de setembro de 2011 às 13h24

melhor ser pedreiro do que puxa saco.

Responder

Adalberto

23 de setembro de 2011 às 13h22

sinceramente,
Quebraria o nariz do cara.

Responder

Leonardo

23 de setembro de 2011 às 13h20

Do jeito que está, não reclamem depois que as coisas se transformem numa barbárie. O ser humano tratado como coisa, isso tem um limite,e logo esses partidos traíras(PT,PMDB,PSDB,PDT e outros) não vão tardar a perceber a grande tragédia que estão construindo, um dia vai se voltar contra eles mesmos e poderá ser tarde demais. A panela social tem um máximo de pressão, esse máximo já está perto do limite, quer queiram ou não, se não for revertida essa trajetória de desvalorização do servidor público, a sociedade brasileira vai parar, doente, sem educação formal e escravizada pelos bancos. O serviço público vai decair mais do que já está, em todas as esferas federais, o Estado brasileiro está se destruindo, com corrupção e privatizações malucas, desvairadas.

Responder

    24 de setembro de 2011 às 22h21

    Leonardo, tem hora que não sei se estão fingindo que não sabem ou apenas dormem.
    As políticas assistencialistas tiveram resultado na última eleição, mas até quando ?
    Existe pobreza e desigualdade que os números não vão esconder indefinidamente.
    Se por um lado o modo de governar petista tem evitado artificialmente o colapso social não impede a permanência de profundos contrastes antes criticados principalmente pelo partido.

    O PT , tivesse sido um pouco mais honesto e menos obcecado por poder , teria realizado bem mais.
    E não vislumbro nada que aponte outro caminho. O comprometimento a troco de realizar foi profundo demais. E a realização foi pequena pelo preço que custou.

    24 de setembro de 2011 às 22h30

    O PT na oposição , desconfio, talvez tivesse sido mais útil ao país.
    Que tipo de oposição seria esse partido agora? Certamente não mais tão útil.

    jose luiz

    04 de outubro de 2011 às 22h33

    Obsecado pelo poder, acho que tu estas querendo te referir ao Serra bolinha de papel que não marcha direito. este sim é obsecado pelo poder.

Antonio

23 de setembro de 2011 às 13h13

PSDB, Exterminador do Futuro… E do Presente.

Responder

Tadeu Versulotti

23 de setembro de 2011 às 13h04

É esse o jeito Tucano de governar

Responder

Adilson

23 de setembro de 2011 às 12h57

Com toda franqueza?

Esse é um daqueles momentos da vida onde eu, infelizmente, perderia o controle.

Em estado de greve, cheio de problemas, debaixo daquele sol, se eu recebesse três cutuções, daquele sujeito, com aquela baforada na minha cara dizendo aquele obscenidade, minha reação seria:

Puxá-lo pela gola do terno, até pelo bigode, se fosse necessário, e cubri-lo de porrada na rua!

sem mais.

Responder

    Silvio I

    23 de setembro de 2011 às 18h37

    Adilson:
    Ele se o diz a uma mulher!

    Carmen

    24 de setembro de 2011 às 23h56

    Eu ia adorar ver essa…um cara fisicamente ridículo, tentando ser engraçadinho!!!!! crápula….

    jackson

    25 de setembro de 2011 às 07h28

    é o que da vontade companheiro, pega-lo e cobrir ele de porrada.

Carlos Lima

23 de setembro de 2011 às 12h49

Em Minas Gerais não tem governo, tem coronéis, que gastaram mais de dois bilhões com uma sede administrativa que só vive em reforma, com secretário investigado por fazer parte de uma quadrilha que grilavam terras com minério de ferro no norte de minas e vendiam a vale e recebiam em espécie ou seja, os dois pagamentos informados, um de 31.000.000,00 e outro de 41.000.000,00.Este é o PSDB que governa nossa MINAS GERAIS. Imprensa amordaçada com milhões em publicidade, entidades de classe representativas, como federações todas aparelhadas e debaixo dos pés do executivo estadual. Ao povo restou apenas a lavagem cerebral das propagandas milionárias da perfeição e o engodo governante que tripudia a inteligência das pessoas no sonho de uma turma que quer apenas um trampolim para chegar ao planalto e implantar a republica do new coronéis playboys. Tiradentes está rolando no túmulo com vergonha dessa malandragem que fincou Ancora no ESTADO DE MINAS GERAIS. Pessoas que tem o prazer de se mostrar autoridade massacrando professores, não merecem a confiança nem dos próprios filhos ou dos namorados, são governantes ocos, de caráter duvidoso, são apócrifos nas informações, delineia suas atitudes em choques de gestão da maldade e da incompreensão e mentira, são símbolos de um passado ressuscitado na arrogância e no desprezo pela necessidade humana de um trabalhador ser reconhecido, pelo seu trabalho e não pela propaganda. São os new déspotas que se apossaram de MINAS GERAIS. LIBERTAS NÓS DESSA TURMA, QUAL SERÁ TAMEM, ô Minas Gerais quem te conhece hoje, não te conhece mais. Já dizia o poeta MINAS são tantas, más essa de hoje não faz parte das nossas MINAS GERAIS. As montanhas que escondiam ouro e pedras preciosas e obras de tantos artistas hoje se transformaram nas montanhas que escondem a vergonha e os donos de tudo, fizeram da política uma carreira promissora para uma Tuma que se apoderou de tudo e quer apoderar das mentes do povo simples e honesto que tanto foram cantados em prosas e versos. Ô minas gerais, estamos governados por peixes vivos e muito vivos vivendo em águas quentes, más como poderei viver?
“Não há pranto sem saudade”
“Nem amor sem alegria”
“E por isso que eu reclamo dessa sua companhia”
Más como poderei viver? Somente..
“Sem a tua, sem tua, sem a tua companhia”

Responder

    Silvio I

    23 de setembro de 2011 às 18h58

    Carlos Lima:
    A imprensa não está amordaçada, ela esta em concluiu, forma parte da turma. Tampouco estão ancorados, si não que esse povo, os continua votando.Si o povo pensasse no momento de votar, e não votar por o cor dos balões, que eles lançam no período de eleições, eles levantavam ancoras.

cesar

23 de setembro de 2011 às 12h42

costumeiro. provoca-se uma categoria. esta reage emocionalmente diante da injustiça e promove manifestaçao. usa-se a tropa de choque enquanto a midia venal aliada colhe material para os editoriais e as "materias" com images e ediçao dando angulos de selvageria e baderna por parte daquela categoria de vagabundos.

Responder

    ines

    23 de setembro de 2011 às 18h40

    É isso Cesar, estão todos a posto para fazer os professores partirem para a violencia e depois eles entram com o personagem do governador e politicos injusticados pelos meliantes baderneiro que só pensam em dinheiro e nao nas pobres criancas de Mg, isso é mais velho que andar p frente, tomara que os professores facam um esforco herculeo e permanecam na sua luta sem agredir pq é só o que eles esperam, e cuidado com os infiltrados no movimento.

Pedro Luiz Paredes

23 de setembro de 2011 às 12h30

Falando em tucano: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,gover

Essa matéria mostra que seta sendo revista a lei anti-fumo em bares do Serra, e eu aprovo a revisão.
Ainda mais porque foi uma medida populista de Serra que é inconstitucional.
Além de inconstitucional parece estranho um neo-liberal interferir na liberdade do comerciante de estabelecer regras para seus próprios estabelecimentos, chamando o povo de burro, como se dissesse que os frequentadores de bares não tem capacidade de escolher o estabelecimento que deseja frequentar.
A medida não seria populista se proibisse a venda de cigarros perto de escolas, sobretaxassem o preço do cigarro e combatessem o contrabando.
Mas não, o Serra como todo tucano é covarde e não tem peito para enfrentar a industria tabagista, somente pessoas sem poder econômico.
Além de tudo é um precedente que extrapola os limites do poder público de organizar a sociedade, e não decidir por pessoas.
Que caia essa porcaria de lei!

Responder

josaphat

23 de setembro de 2011 às 12h23

O que o 'tucano' disse é apenas a verdade. Qual o problema, afinal?
Uma profissão de merda, que não se une – ou vcs acham que a greve é total? – e que os pés-rapados que estão de fora, se digladiam para ficar do lado de dentro, em troca dos referidos 700 mangos mensais.
Amigos, colegas professores, sejam realistas, escutem o assessor do deputado…

Responder

    Eloi

    23 de setembro de 2011 às 14h08

    Vc é professor?

    Alexandre Felix

    23 de setembro de 2011 às 14h31

    Dúvido que este elemento saiba o que é educação…certamente não é professor.

    edv

    23 de setembro de 2011 às 14h40

    Com todo respeito que os serventes de pedreiro merecem, parece que com este tipo de manifestação ("profissão de merda", etc.), fica até difícil disputar uma vaga nas obras …
    Pois se é professor e concorda, parece que vai mesmo disputar uma…
    Calma lá, Josaphat!

    Pedro Luiz Paredes

    23 de setembro de 2011 às 18h53

    josaphat
    Você esta certo cara.
    Eu posso garantir que isso é verdade porque tenho vários professores na família.
    Mas essa desunião é culpa da decentralização da educação pública, que passou para os estados a responsabilidade administrativa, assim (com o intuito privatizador), cada estado tem seus problemas e por isso a desunião da classe em âmbito nacional.
    Sp quer isso, MG quer aquilo, etc.
    Se todos quisessem a mesma coisa haveria uma união nacional.
    Mas o único jeito de fazer isso seria federalizar a educação pública de novo (irritando os militares impunes que descentralizaram ela, e os militantes do PSDB, PDT, DEM, que tem intuito privatizador e por isso sucateiam o quanto podem nos estados em que governam).
    Mas essa é uma ideia revolucionária demais, por isso considerada de esquerda.
    Para a direita esse negócio de igualdade ta por fora!
    A direita dominou o blog do Azenha. Por isso desaprovaram a sua resposta
    Enquanto não haver greve geral para federalizar a educação pública de base a coisa vai ficar só no debate. Aposto e já ganhei.
    Por outro lado, se em troca da federalização, forem colocadas condições aos professores como provas e cursos obrigatórios, ou até simplesmente metas rígidas, com o intuito de elevar a qualidade do conteúdo, os próprios professores serão contra e dirão que a estabilidade do emprego dos maus professores vale mais que a qualidade da educação nacional.
    Mas os bons professores da rede pública são tão burros, que mesmo sabendo que depois da federalização vai ficar tudo mais fácil (a união faz a força), eles não se juntam em torno da causa.
    Então, que continuem recebendo esmolas e vivendo uma vida de privação (escravidão).
    Eles merecem!

    João PR

    24 de setembro de 2011 às 06h55

    Josaphat, se todos achassem que ser Professor é uma "profissão de merda" você não teria como ter lido e comentado esta matéria do viomundo.

    Creio, por óbvio, que um dia você teve professores para lhe ensinar o básico: leitura e escrita. Mas, ao que tudo indica, faltou alguém para lhe ensinar a "ler" o mundo que o rodeia. Sugiro que você leia Platão. Em "A República", e talvez você entenda que vive "na caverna".

    Ana

    24 de setembro de 2011 às 07h36

    O problema é que os tucanos falam tanto de educação e não dão exemplos. Ainda bem que o Brasil acordou e cerrou o bico de muitos tucanos. Viva o Brasil.

cesar

23 de setembro de 2011 às 12h16

costumeiro. provoca-se uma categoria. esta reage emocionalmente diante da injustiça e promove manifestaçao. usa-se a tropa de choque enquanto a midia venal aliada colhe material para os editoriais e as "materias" com images e ediçao dando angulos de selvageria e baderna por parte daquela categoria de vagabundos. irresponsavel provocar categorias com decadas de perdas morais e salariais com administraçoes neoliberais.

Responder

    Douglas

    23 de setembro de 2011 às 21h04

    Curiosamente estava a pensar exatamente sobre essa forma da imprensa atuar.

CLAUDIO LUIZ PESSUTI

23 de setembro de 2011 às 12h15

Este assessor mostra claramente o que os políticos, com raras exceções pensam de todos nos:que somos um bando de otários!

Responder

cesar

23 de setembro de 2011 às 12h14

costumeiro. provoca-se uma categoria. esta reage emocionalmente diante da injustiça e promove manifestaçao. usa-se a tropa de choque enquanto a midia venal aliada colhe material para os editoriais e as "materias" com images e ediçao dando angulos de selvageria e baderna por parte daquela categoria de vagabundos.
é irresponsavel provocar grupos que desde a decada de oitenta vem tendo sucessivas desvalorizaçao moral e salarial frente as administraçoes neoliberais.

Responder

Roberto Locatelli

23 de setembro de 2011 às 12h09

Essa é a importância que os demotucanos dão à Educação para o povo. O recado deles é: estamos nos lixando para os professores da rede estadual e seus alunos pobres e de pele escura. Que vão todos ser serventes de pedreiro e deixem a Educação como um privilégio da elite, que pode pagar.

Responder

Roberto Locatelli

23 de setembro de 2011 às 12h04

Enquanto isso, na Assembleia Legislativa aqui de SP, um deputado diz que 30% de seus colegas cobram para propor emendas.
http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,O…

O cara-de-pau ainda diz que sabe quem são os criminosos, mas não vai denunciá-los à Polícia, pois não é "dedo-duro".

Responder

    Giuliano

    23 de setembro de 2011 às 22h30

    Essa informação deve estar errada.
    Só 30%? Duvido muito.
    Esse sujeito deve ser um tremendo bandido, pois diz assim:
    "Sei quem está roubando o povo nesta casa , mas não vou dizer."

Vinicius

23 de setembro de 2011 às 12h03

Cadê o EUNAOSABIA?

Responder

    Panambi

    23 de setembro de 2011 às 16h25

    Quebrando vidros…

    Panambi

    23 de setembro de 2011 às 17h03

    Os cacos de vidro tão acabando com ele…

Rafael

23 de setembro de 2011 às 12h01

Educação é o futuro do Brasil e é tratado assim então imagina o que vai ser.

Responder

Roberto Locatelli

23 de setembro de 2011 às 12h00

Aqui o email do valoroso líder do governo na Assembleia: [email protected]

Vamos entupir a caixa de entrada dele de mensagens, para ele saber que esse episódio ficará marcado para sempre na carreira política desse tucano.

Responder

    Silvio I

    23 de setembro de 2011 às 13h18

    Roberto Locatelli:
    Mais não vai a faltar alguém amanha, que procede da mesma forma que um bichinho que tem cornos, votar em ele, e seja eleito de novo. Isto por poder material, e a memória curta deste povo.

Augusto

23 de setembro de 2011 às 11h57

Em 2012, começo o meu curso de Química (bacharelado)! No médio prazo, adeus área da educação! Nesse país não se valoriza o profissional da educação.
O governo federal lava as mãos e não toma as medidas necessárias para a melhoria do ensino no Brasil! Muito fácil dizer que a culpa é do governo do PSDB, o que não é necessariamente mentira, mas algo o governo federal pode fazer. Mudar leis e tal… Enquanto isso os estados fazem o que querem…
Lamentável!

Responder

    Otto

    23 de setembro de 2011 às 13h50

    Engraçado, querem culpar o PT mesmo quando a culpa é claramente dos tucanos…. Quer fazer o que? Uma invasão de tropas em Minas pra depor Aécio/Anastasia?

    Leonardo

    23 de setembro de 2011 às 15h01

    Não se enganem, o PT está vendido, todos já sabem que o PT já se entregou aos interesses privados – vejam a capitulação do PT estadual do Rio aos interesses privatistas de Sérgio Cabral e PMDB- há muito tempo isso já acontece, de forma que só resta o povo reclamar sobre a escandalosa venda dos hospitais, do patrimônio público, só assim será possível reverer essa trajetória privatista lamentável dessa escola iniciada pelos tucanos, o PSDB, num passado não muito distante.
    E o Anastasia(PSDB-MG), está envergonhando Minas Gerais, a farsa está com os dias contados, as urnas responderão a esse desprezo que o governo dele trata os professores.

    josimar

    23 de setembro de 2011 às 18h23

    As urnas estao longe demais, a saida é o impeachement desse carrasco que está apenas no primeiro ano do mandato, o que mais ele fará até a proxima eleicao? Só doidos para querer continuar com esse monstro n governo, tem que agir é agora antes que ele acabe com o resto de MG ja que o playboy carioca ja detonou o estado e deixou seu mordomo para acabar o servico.

    C R TEIXEIRA

    24 de setembro de 2011 às 20h18

    Não Josimar, você está enganado, na verdade o anastasia juntamente com a primeira-irmã, andréa, estão no TERCEIRO mandato. É triste para nós mineiros mas uma realidade.

    luis

    23 de setembro de 2011 às 15h54

    Boa idéia! Como eu não tinha pensado nisso!

    Samyra

    23 de setembro de 2011 às 14h17

    Lamentável mesmo.
    Sei que é preciso um maior empenho coletivo da categoria dos professores, mas porra… pra que serve eleger representantes pelo viés democrático?! E já estamos caminhando para o 3º mandato de um partido de esquerda nesse país. Sei que os investimentos aumentaram ao longo do anos, mas a questão salarial ainda permanece no vermelho (baita ironia).
    Eu, sinceramente, não entendo porque tanta enrolação. Não se pode falar, discutir ou implantar melhorias reais na educação sem aumentar dignamente o salário do professor! Eu hein…

    Claudio

    23 de setembro de 2011 às 16h19

    Não sei, sinceramente, o que vocês esperam mais do governo federal. Tudo que lhe cabe fazer, foi feito, conforme disposto na lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996; que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. O que o governo federal poderia fazer – e fez! – em relação aos salários dos professores era a criação de um piso nacional para os professores. Isso, através de uma lei federal publicada em 2008 e que o Governo de Minas não cumpriu e se recusa a cumprir. O acórdão do STF, publicado no último mês, ratifica a reivindicação dos educadores mineiros e, ainda assim, o governo se recusa a cumprir.

    Não sei, sinceramente, como conseguem atribuir ao governo federal a responsabilidade por isso, uma vez que, por lei, a responsabilidade do ensino médio e fundamental é atribuição do governo estadual, que em Minas é dirigida pela PSDB.

    albeto

    23 de setembro de 2011 às 16h01

    amigo, os professores estão lutando para que o governo do PSDB pague o piso salarial que foi estabelecido pelo governo do PT. portanto não coloquemos PT e PSDB no mesmo saco.

    Augusto

    24 de setembro de 2011 às 11h10

    Esse piso salarial pode ajudar, mas o salário continua uma miséria. O problema principal é a questão da qualidade do ensino. Os professores querem melhores condições de trabalho, com menos alunos por sala, mais livros, escolas melhor preparadas, plano de carreira, entre outras coisas. Sim, eu culpo o PT também! Como já disse, com mais de oito anos do governo Lula e entrando no governo da Dilma, o PT não tem demonstrado interesse em arrumar a educação do jovem pobre brasileiro. Isso é fato. Sempre repete o coro dizendo que isso é incubência dos estados, e vai arrastando com a barriga…. Por que não federalizar a educação? Já que os estados sequer pagam o piso que "o PT conquistou"… E assim que o Brasil quer estar entre as potências mundiais? Mais ação e menos enrolação! Partido de esquerda não basta dizer que é, tem que fazer!!! Por sorte não sou censurado aqui, pois no blog ' de esquerda" do PHA, o conversaafida, é um pecado dizer coisas assim! Parabéns ao Viomundo e saudações aos companheiros!

    jose luiz

    04 de outubro de 2011 às 22h51

    Meu querido Augusto, tu esta fazendo uma confusão tremenda. Vou tentar te explicar, se mesmo assim não entender, me avisa que eu desenho pra ti, ok? O que o gov federal devia fazer no tocante a Educação, ele é responsável pelo ensino superior, enquanto que o ensino fundamental fica a cargo dos estados. o Lula e a Dilma não tem nada a ver com esta greve dos professores de MG. O gov federal criou o piso nacional, atuou onde devia, criou inúmeras faculdades pelo Brasil a fora, atuou onde devia, espalhou bolsas através do Pro Uni, mais uma vez atuou onde devia, agora salários de professores do ensino fundamenta e médio é com os governadores, e aí o sr Aécio e agora seu Anatásia não atuaram onde deviam. Entendeu, deixa o PT, o Lula e a Dilma fora deste engú que os psdbs fizeram neste teu estado, e não vai culpar a 2ª divisão do Cruzeiro, Atlético e América ao PT, Lula e a Dilma.

    Vavá

    24 de setembro de 2011 às 13h10

    Porque não? O governo do Rio Grande do Sul também não paga o piso e ninguém na blogosfera dá um pio. Estão no mesmo saco nesse caso, sim.

P Pereira

23 de setembro de 2011 às 11h57

Se ele ganhasse salário mínimo “daria um tiro na cabeça”?

Responder

    Carlos Cruz

    24 de setembro de 2011 às 20h36

    Figueiredo fazendo escola desde 1980…

ZePovinho

23 de setembro de 2011 às 11h47

Fala aí,Klaus Fraulein!!!!!!!!!!!!!!!!

Responder

Ligeovanio

23 de setembro de 2011 às 11h47

se realmente esses professores tivessem vergonha(do salário) e um mínimo de dignidade, pediriam para sair. Aí eu queria ver o que esse bastardo anastasia ia fazer…

Responder

Zé Fake

23 de setembro de 2011 às 11h42

É impressionante o desinteresse do governo tucano com a educação pública, em tudo quanto é lugar. Serra aqui em SP era a mesma coisa.

Responder

    beattrice

    23 de setembro de 2011 às 14h16

    E o Alckmin perpetua.
    Deixa o Chalita se eleger pra SP ver o que é bom nessa dobradinha OPUS DEI.

    Silvio I

    23 de setembro de 2011 às 14h56

    beattrice:
    Você acertou em pleno!

marcio

23 de setembro de 2011 às 11h40

Amigos, os professores mineiros estão pedindo apoio ao movimento. No site PetiçãoPública tem um abaixo-assinado em favor da categoria.
Também no PetiçãoPública tem um abaixo-assinado contra o projeto que dispõe não ser mais obrigatorio o mestrado para dar aulas no curso superior. É um projeto do malfadado dono do CESUMAR, universidade privada no Paraná- Wilson Mattos, com apoio do não menos horrível Alvaro Dias, aquele que mandou descer o porrete nos professores.

Responder

George

23 de setembro de 2011 às 11h33

Então tá então. Os pobres profs. da MinasUAI continuem recebendo seus míseros 700 e uns quebradinhos, torcendo por Dilmamá e pelo PTzinho.
Então tá então… bobos.

Responder

    Gabriel D. Motta

    23 de setembro de 2011 às 12h51

    George, o governo ESTADUAL de MG é que não quer pagar o piso federal já aprovado em Lei.
    O simples fato de, depois de 100 dias de greve, o sr. Anastasia simplesmente não resolver o problema, mostra bem como os tucanos agem em relação à Educação.

    beattrice

    23 de setembro de 2011 às 14h19

    E por que não se IMPÔE o PISO?

    edv

    23 de setembro de 2011 às 14h42

    Pois é, Beatrtrice…
    Para esses demotucanos, só se fôr o verbo… sobre os professores.

Francisco

23 de setembro de 2011 às 11h32

Esse sujeito deveria tomar cuidado. Vai que os professores comessem a querem fazer a greve portando tijolos…

A cara dele, por exemplo, me lembra um muro de arrimo. Bom de concretar…

Resta o seguinte: o deficit de professores nas escolas, públicas e privadas, é imenso e, especificamente nas escolas públicas, é colossal.

Professores têm repertorio cognitivo para mudar de profissão (quem pode mais, pode menos). E o docente fará isso na hora em que o "estalo" vier. Não será servente de pedreiro, obviamente. Um professor pode, literalmente e por competência, ser o que quiser. deputado Estadual, por exemplo, é uma boa.

Mas, e esse fuinha? Se perder esta mamata na qual se encosta? Se encosta por não ter competência para ser alguma coisa dotada de valor moral relevante? Aonde irá vender suas virtudes quando o operoso sindicato dos professores exigir, para voltar ao trabalho, tão somente o vosso pescoço? Porque sabemos: o pescoço dessa gente sempre se ata a alguma coleira, de algum dono.

Caro deputado, acho que ficarás um tanto de castigo depois da aula. Diz que duvida!

Responder

Douglas

23 de setembro de 2011 às 11h31

E ainda pregamos pela dita Democracia? Onde é mesmo essa democracia? Onde, onde? Brasil?Está muito, muito, muito, muito longe disso. Parece o castelo do filme Shreck.

Responder

tiago tobias

23 de setembro de 2011 às 11h29

Acabei de dar duas aulas agora de manhã e já já, comprarei uma coxinha, irei a devorando no ônibus, pq não tenho tempo para almoçar, já que às 13:10 tenho que estar em outro colégio, do outro lado de Londrina para dar mais 5 aulas. Só hoje, gastarei R$ 7,00 de ônibus. Daí eu entro no Viomundo, leio uma coisa dessas e me revolto. A paciência se esgotou. É hora de quebrar tudo…

Responder

ADILSON SANTOS

23 de setembro de 2011 às 11h29

Apenas uma humilde constatação

O Red Light District de Belo Horizonte e suas matronas produzem por vezes assessores que filiam-se ao PSDBUNDA ( De onde só sai M..)

Portanto Votem nas Putas , não nos Filhos !

Só quero ajudar…

Responder

Gersier

23 de setembro de 2011 às 11h27

Façam como eu, usem o control C e o control V e enviem para seus contatos,porque com certeza a "mídia" tucana nunca divulgará essas e outras desses tucanóides que são os primeiros a criticarem a educação no Brasil.Cambada de salafrários.

Responder

    Jairo_Beraldo

    23 de setembro de 2011 às 11h49

    E é estranho…esta é uma das coisas que o governo petista gosta de se igualar aos tucanos…a outra é manter um ser sórdido na pasta do MJ – Zé Caridozo Dantas! Deve ser por não fazer valer a lei!

    beattrice

    23 de setembro de 2011 às 14h17

    Que vai se fingindo de morto e aprontando todas as peripécias ao seu alcance, algumas por ação outras por omissão.

    marcosomag

    24 de setembro de 2011 às 14h39

    Concordo totalmente com você. É copiar e colar para todos os seus contatos, indicar em todas as redes sociais das quais fizer parte, além de recomendar o repasse. Esses tucanos aparecem bonzinhos na propaganda de tv, mas têm nojo do povo! A maioria deve lavar as mãos com álcool depois de cumprimentar populares.

Luciano Prado

23 de setembro de 2011 às 11h27

Nas próximas eleições vote nos tucanos.

Responder

Douglas

23 de setembro de 2011 às 11h26

O cidadão está correto. Afinal de contas, para um país em que a Copa do mundo, em que a FIFA ficará com todos os lucros sem gastar um centavo em infraestrutura de estádios, aeroportos, etc; e, em seguida, os gastos com a Olimpiada, são mais importantes do que a educação, saúde, etc. Em outras palavras, os serviços básicos para a população. A presidente Dilma diz que não tem dinheiro para pagar reajustes dos professores universitários e nem técnico administrativos e tampouco o judiciário (que é apenas pro-forme, já que o judiciário obterá o seu reajuste). Mas tem dinheiro (e não é pouco) para gastar com campo de futebol de diversos estados do Brasil (com obras já em estado bem adiantado). E aí? São esses estádios e outras coisas mais importantes do que a base que constrói a nossa sociedade? Parece que sim. Já que o empenho em gastar esse dinheiro já está definido e sem nenhuma dificuldade. Agora entra pela discussão do retorno ou não da CPMF. Tá aí mais uma prova inequívoca que nosso governo, genericamente falando, são apenas de siglas distintas mas os conceitos são os mesmos.

Responder

    Antonio

    23 de setembro de 2011 às 13h21

    Os sofismas que os tucanos criaram para fazer corrupção continuam em alta no texto acima. No Governo Federal atual é tudo bem igual à privataria, às terceirizações, ao apagão tucano, à mão extendida ao FMI e ao Banco Mundial, ao fim do emprego e da indústria, à cena de FHC sendo chamado de corrupto por Clinton e ao desmantelamento do Estado, como ocorreu com o Brasil na mão tucanalha e como acontece com Minas e São Paulo. É tudo bem igual.
    E seu texto nem apresenta idéias obtusas.

Pedro Luiz Paredes

23 de setembro de 2011 às 11h23

Um pedinte de rua ganha mais que 712 reais por mês.
Eu também desistiria da profissão e viraria outra coisa, mas não servente pois não sou tucano (escravo da ignorância).
A situação dos bombeiros, policiais, funcionários dos correios e muitos outros trabalhadores é a mesma.

Responder

bertoldo

23 de setembro de 2011 às 11h21

sem comentários

Responder

Rogério Floripa

23 de setembro de 2011 às 11h14

E o pior que a população mineira acha que esse "idiota" tem razão, por ser influenciada pela imprensa que está nas mão do governador e de senador Aécio. Até quando Mineirada?

Documentário – Pro Dia Nascer Feliz – Uma lente Sobre a Educação http://fwd4.me/0A62

Responder

    Gabriel Dantas Motta

    23 de setembro de 2011 às 12h54

    Catarinenses e paulistas também deveriam ouvir um "até quando"?…

    Rogério Floripa

    23 de setembro de 2011 às 14h36

    Concordo, sem dúvida nenhuma também deveriam ouvir,, até quando?

    Alexandre Felix

    23 de setembro de 2011 às 14h35

    Acho legal se a gente não mencionasse questões regionais…certamente poderemos ajudar nossos amigos mineiros, que não suportam mais essa tucanada, a lutar contra esse mal desgraçado!


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.