André Barrocal: Em segredo, Brasil volta a negociar Base de Alcântara com os EUA

Tempo de leitura: 2 min

serra e alcantara 3

Em segredo, Brasil volta a negociar Base de Alcântara com os EUA

por André Barrocal, em CartaCapital, publicado 21/01/2017

Brasil e Estados Unidos retomaram secretamente as negociações de um acordo sobre o uso de uma base militar brasileira no Maranhão para o lançamento de foguetes norte-americanos. Encerradas em 2003, início do governo Lula, as conversas voltaram por iniciativa do ministro das Relações Exteriores, José Serra, interessado em uma relação mais carnal entre os dois países.

O embaixador do Brasil em Washington, Sérgio Amaral, conversou sobre o assunto com o subsecretário de Assuntos Políticos do Departamento de Estado norte-americano, Thomas Shannon, ex-embaixador em Brasília. Uma proposta mantida até aqui em sigilo foi elaborada e apresentada pelo Itamaraty a autoridades dos EUA. Teria sido rejeitada, segundo CartaCapital apurou.

A Base de Alcântara é tida como a mais bem localizada do mundo. Dali foguetes conseguem colocar satélites em órbita mais rapidamente, uma economia de combustível e dinheiro.

No fim do governo neoliberal de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), de quem Sérgio Amaral era porta-voz, houve um acordo entre os dois países. Foi enviado ao Congresso brasileiro, para a necessária aprovação. Logo ao herdar a faixa do tucano em 2003, o petista Lula enterrou o caso.

Um dos ministros a defender o arquivamento naquela época foi o hoje colunista de CartaCapital Roberto Amaral, então na Ciência e Tecnologia. Por seus termos, relembra ele, era um “crime de lesa-pátria”.

Os EUA impunham várias proibições ao Brasil: lançar foguetes próprios da base, firmar cooperação tecnológica espacial com outras nações, apoderar-se de tecnologia norte-americana usada em Alcântara, direcionar para o desenvolvimento de satélites nacionais dinheiro obtido com a base. Além disso, só pessoal norte-americano teria acesso às instalações.

“O acordo contrariava os interesses nacionais e afetava nossa soberania”, afirma Amaral. “Os EUA não queriam nosso programa espacial, isso foi dito por eles à Ucrânia.”

Enterrada a negociação com Washington, a Ucrânia foi a parceiro escolhido em 2003 para um acordo espacial. Herdeira da União Soviética, tinha tecnologia para fornecer. Brasil e Ucrânia desenvolveriam conjuntamente foguetes para lançamentos em Alcântara, com o compromisso de transferência de tecnologia de lá para cá.

Um telegrama escrito em 2009 pelo então embaixador dos EUA em Brasília, Clifford Sobel, e divulgado pelo WikiLeaks, relata uma conversa tida por ele com o então representante ucraniano na cidade e mostra a desaprovação do Tio Sam ao entendimento Ucrânia-Brasil. Os EUA não queriam “que resultasse em transferência de tecnologia de foguetes para o Brasil”.

O entendimento do Brasil com a Ucrânia foi desfeito em 2015, após consolidar-se lá um governo pró-EUA.

Na proposta sigilosa de agora, o Brasil teria oferecido a base em troca de grana e tecnologia. As proibições do acerto de 2002, chamadas “salvaguardas”, seriam flexibilizadas. Teria sido esse o motivo da recusa norte-americana.

Leia também:

Negociado sobre o legislado, que Temer quer adotar, mata no Japão

 

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

mz

Só falta os traidores permitirem um enclave militar americano dentro do Brasil, como fez a Argentina. Passaremos de país que defende soluções diplomáticas para conflitos internacionais, deixando morrer nossa tradição diplomática do pós-guerra, para sermos alvos militares num possível conflito internacional.

Cláudio

SABUJ@(S)
SABUJ@(S)
SABUJ@(S)
SABUJ@(S)
SABUJ@(S)

Bovino

É um território federal, acho que o companheiro Flávio Dino não pode fazer nada.

E o povo segue entorpecido pelo “combate à corrupção”, os ianques não precisam gastar uma bala sequer.

jose Joaquim

Que os EUA sempre tentam ferrar o Brasil não e novidade mas o governo Lula Vacilou deveria te envestido no nosso programa Espacial nas Não fez se Acovardou deveria te feito um acordo com a Rússia

JULIO CEZAR DE OLIVEIRA

PORQUE NÃO MUDAM O NOME DO PAÍS PARA BRASILEUA?

Deixe seu comentário

Leia também