VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Alba TV confirma seis mortos em brutal repressão a camponeses na Bolívia; veja imagens que a TV não mostra
Reprodução
Denúncias

Alba TV confirma seis mortos em brutal repressão a camponeses na Bolívia; veja imagens que a TV não mostra


15/11/2019 - 23h59

Da Redação

O perfil da Alba TV no twitter confirmou que seis pessoas foram mortas pela repressão da autointitulada presidente da Bolívia, Jeanine Añez Chaves.

Jeanine ascendeu ao poder num golpe organizado pelos oposicionistas Luis Fernando “Macho” Camacho e Carlos Mesa, com apoio do Brasil e dos Estados Unidos.

O massacre desta sexta-feira aconteceu em Chapare, perto de Cochabamba, em uma marcha de cocaleiros duramente reprimida.

O presidente no exílio Evo Morales reagiu com uma série de mensagens no tweeter.

Numa delas, escreveu:

“O imperialismo espanhol pensou que ao esquartejar Tupac Katari faz 238 anos cortaria a força dos povos para romper as correntes do colonialismo. Hoje, mais do que nunca, a luta segue. Diante da repressão do golpismo racista, repetimos a sentença: Voltarei e serei milhões“.

Hoje, a autointitulada Jeanine reconheceu o autointitulado Juan Guaidó como presidente da Venezuela e disse que se Evo Morales voltar à Bolívia será preso e processado.

Ao assumir o cargo, Jeanine apagou o perfil do Facebook e criou outro, livrando-se de mensagens que poderiam ser constrangedoras.

Algumas diziam respeito à temporada de fogo na Amazônia.

Depois de denunciar a destruição, ela escreveu: “Os ambientalistas dizem que não é um desastre. É uma catástrofe. Não prejudica apenas os bolivianos. Mas a todo o mundo. O mundo se pronuncia por esses desastres. As pessoas estão desesperadas. O que o governo faz é irresponsável”.

Jeanine, antes: militante em defesa da Amazônia.

O governo irresponsável a que ela se referia era o de Evo Morales.

É possível que Jeanine tenha dado fim no perfil para não constranger Jair Bolsonaro, que denunciou ONGs e militantes ambientais por criar um clima de “histeria” em torno das queimadas.

A repressão na Bolívia tem caráter generalizado.

A repórter Teresa Bo, da emissora árabe Al Jazeera, foi filmada “chorando” por ter recebido um jato de gás lacrimogênio quando apenas falava diante da câmera.

Apesar da repressão brutal, milhares de pessoas estão se manifestando em todo o país contra o golpe.

A autointitulada presidente assumiu o poder atropelando a Constituição boliviana.

Foi rapidamente reconhecida como legítima por Jair Bolsonaro e Donald Trump.

Ela pretende convocar novas eleições, mas ainda não anunciou qual será a manobra para evitar que o Movimento ao Socialismo (MAS) de Evo Morales concorra.

O partido de Evo tem maioria de 2/3 nas duas casas do Congresso.

Diante da óbvia fragilidade do governo, os Estados Unidos aparentemente deram gás numa campanha de sustentação ao golpe racista.

No tweeter, mensagens idênticas passaram a ser replicadas dizendo que “não foi golpe”.

De acordo com a jornalista Madelein Garcia, da Telesur, a CNN informou que a DEA, a polícia antinarcóticos dos Estados Unidos, já está de volta à Bolívia, depois de ter sido formalmente expulsa por Evo Morales.

O presidente expulsou a DEA alegando que o braço policial de Washington promovia ações imperialistas.

O golpe de 2019 revelou fortes indícios de penetração institucional da polícia e do Exército bolivianos.

A reação dos indígenas aimará e quéchua, que são cerca de 55% da população  do Estado Plurinacional, foi turbinada pelo comportamento racista dos golpistas.

Eles querem retirar direitos dos indígenas e falam em uma “restauração” cristã, ou seja, não aceitam o protagonismo que Evo Morales deu aos povos originários ao longo de seus 13 anos de poder.

Ao assumir, Jeanine levou uma Biblia até o Palacio  Quemado, sustentando que era preciso exorcizar o passado recente.

O golpe teve início em Santa Cruz de La Sierra, a maior cidade da Bolívia, que fica na planície e tem forte influência do agronegócio brasileiro.

É a capital BBB do país: Bala, Boi e Bíblia.

A elite mestiça da Bolívia se refere aos indígenas andinos como “collas”, nome pejorativo que surgiu por causa da imigração de um grande número deles para a Argentina, onde passaram a ser discriminados.

A autointitulada presidente, em seu discurso de posse, apareceu entre as bandeiras da Bolívia e do Estado Plurinacional, a wiphala — que tem sete cores e é símbolo dos aimarás e quéchuas.

Ela fez isso depois de forte reação dos indígenas a cenas como a que se vê acima — a wiphala foi pisoteada e queimada por apoiadores do golpe de extrema-direita.

Porém, trecho de um discurso recuperado de Jeanine no Senado mostra comportamento racista: ela se refere aos “collas” sujos, argumentando que era preciso rever o status constitucional da Bolívia que garantiu direitos à maioria aimará e quéchua.

Veja e ouça:

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

16 de novembro de 2019 às 20h56

https://twitter.com/i/status/1195550092863954944
Protestos se alastram na Bolivia, depois dos levantes de La Paz e El Alto,
hoje,Cochabamba, população se rebelou contra o golpe de Estado
e foi massacrada pela forcas repressivas
Ainda hoje a noite aconteceu marcha de milhares de pessoas em Potosí
https://twitter.com/J_LIVRES/status/1195550092863954944

Responder

Zé Maria

16 de novembro de 2019 às 20h51

“tiraram o evo morales para praticar
um genocídio indígena na bolívia.
o governo brasileiro é cúmplice
da matança”

https://twitter.com/cynaramenezes/status/1195536650945933315

“As notícias que chegam da Bolívia são assustadoras.
As forças militares e paramilitares golpistas
estão assassinando os manifestantes contra o golpe.”
https://twitter.com/taliriapetrone/status/1195657782550241280

Responder

Zé Maria

16 de novembro de 2019 às 17h03

Presidenta do Conselho Mundial da Paz condena Golpe na Bolívia
e manifesta solidariedade com o Presidente Evo Morales

http://port.pravda.ru/mundo/16-11-2019/49484-golpe_bolivia-0/

Responder

Zé Maria

16 de novembro de 2019 às 14h41

Depois de 13 Anos de Colaboração, 200 Médicos Cubanos,
Expulsos pelos ‘cristãos’ da Bolívia, retornam à Cuba

“Em nome de nenhuma ideologia política, o ódio pode atingir
àqueles que se consagraram para dar vida e saúde aos humildes”
(Miguel Díaz-Canel, Presidente de Cuba)
https://twitter.com/DiazCanelB/status/1195427764502970369

Tras Golpe de Estado en Bolivia regresan médicos cubanos

La Paz, 16 nov (Prensa Latina) Los primeros 200 médicos de Cuba que prestaban
servicios en Bolivia partieron hoy hacia su país desde la ciudad de Santa Cruz,
en una aeronave IL 96 de Cubana de Aviación.

Tras el golpe de Estado en la nación suramericana el 10 de noviembre pasado, contra el gobierno de Evo Morales, comenzó un asedio al personal de la Salud de Cuba que atiende a la población más necesitada en virtud de acuerdos entre los dos países.

El presidente, Miguel Díaz-Canel, denunció el acoso y maltrato al que son
sometidos miembros de la Brigada Médica Cubana en ese pais andino.
‘En nombre de ninguna ideología política, el odio puede dañar a quienes se han
consagrado a dar vida y salud a los humildes’, escribió el presidente cubano
en su cuenta en Twitter.

La víspera, Cuba denunció la injusta detención de la coordinadora
de la Brigada Médica en Bolivia (BMC), Yoandra Muro, y del logístico
de esa misión, Jacinto Alfonso Pérez.

Oficiales de interpol Bolivia acudieron a la vivienda de la jefa de la BMC
y sin motivo alguno, ni justificación legal, la han detenido aseguró ayer
el director general para América Latina y el Caribe del Ministerio
de Relaciones Exteriores, Eugenio Martínez.

El diplomático llamó a las autoridades actuantes de Bolivia a responder
a la responsabilidad que tienen de custodiar y proteger a los colaboradores
cubanos, garantizar su integridad física como corresponde a un Estado
que firmó con Cuba los convenios por los cuales nuestros cooperantes
están en ese país.

También el ministro de Relaciones Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez,
denunció que un vehículo de la Embajada de Estados Unidos placa 28-CD-17
participó en el operativo de policía de Bolivia que detuvo a los médicos cubanos
en Ave Enrique Herzog, Achumany, Zona Sur, La Paz.

‘Embajada de EEUU participa en instigación a la violencia contra médicos
cubanos’, recalcó el jefe de la diplomacia cubana.

En la noche de ayer mismo, el ministro cubano de Salud, José Portal, informó
que la jefa de la Brigada Médica Cubana en Bolivia, Yoandra Muro, regresó
a la sede de esa misión tras su retención injustificada en la nación sudamericana,
así como otros miembros de la brigada.
(https://twitter.com/japortalmiranda/status/1195499821475532801)
(https://twitter.com/PCdoB_Oficial/status/1195472304836403206)

La BMC estuvo 13 años en diversos puntos de la geografía boliviana donde
salvó 110 mil vidas y devolvió o mejoró la visión a alrededor de 700 mil personas
entre lugareños y foráneos.

La cooperación fue fruto del acuerdo firmado en 2005 por el expresidente
Evo Morales y el líder histórico de la Revolución cubana, Fidel Castro, el cual
incluyó, además del envío de contingentes, el otorgamiento de unas cinco mil
becas a jóvenes de Bolivia para estudiar Medicina en la mayor de las Antillas.

El impulso al programa de oftalmología Misión Milagro es otro de los resultados
de esta colaboración en materia de Salud.

https://www.prensa-latina.cu/index.php?o=rn&id=321493&SEO=tras-golpe-de-estado-en-bolivia-regresan-medicos-cubanos-foto

Responder

Zé Maria

16 de novembro de 2019 às 13h12

Al menos 15 personas murieron hasta este viernes en la represión militar y policial
instaurada por el actual régimen golpista mientras se endurecieron los bloqueos
en la ciudad de El Alto, Río Abajo, parte de Cochabamba y el norte de Santa Cruz.

En la ciudad de La Paz, que sufre el desabastecimiento de combustible,
los mineros intentan ingresar a la Plaza Murillo.

Todas estas movilizaciones pretenden la restauración del orden democrático,
el retorno a la institucionalidad y el respeto a los símbolos como la bandera whipala.

https://www.bolpress.com/2019/11/15/reportan-15-muertos-y-centenares-de-detenidos-tras-represion-policial-militar/

Responder

Zé Maria

16 de novembro de 2019 às 12h42

No fim das contas, quando chega a hora limite
de provar a ‘democracia’ Capitalista, a Direita é
amoral, perversa, cruel, Fascista e Assassina, e
comete os piores Genocídios, em nome dela.

Historicamente, os Povos Nativos Americanos
são os originários verdadeiros donos da América.

Deveríamos prestar Reverência a eles, por
haverem nos concedido um pedaço de terra
neste Fértil Continente, apesar de que muitos
desses que agora se apropriam do Poder os
tenham continuamente roubado e matado,
sob os olhares complacentes de todo mundo.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.