VIOMUNDO

Diário da Resistência


Ex-ministro Temporão: Diante das falas hostis do presidente eleito, é compreensível a saída de Cuba do Mais Médicos
Antônio Cruz/Agência Brasil
Blog da Saúde

Ex-ministro Temporão: Diante das falas hostis do presidente eleito, é compreensível a saída de Cuba do Mais Médicos


14/11/2018 - 19h48

por Conceição Lemes

Nesta quarta-feira (14/11), a declaração do governo cubano, comunicando a saída dos seus profissionais do Programa Mais Médicos, deve ter caído como uma bomba no bunker do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL):

*De uma só vez, sairão dos  locais em que trabalham no Brasil mais de 8.500 médicos cubanos.

*Hoje em dia, eles atuam  em 2.885 municípios, a maioria em áreas mais vulneráveis: Norte do País, semiárido nordestino, cidades com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), população indígena e periferias das grandes cidades, como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

*1.575 municípios só possuem profissionais cubanos do Programa Mais Médicos; 80% dessas cidades têm menos de 20 mil habitantes e localizam-se em regiões vulneráveis

*Há 300 médicos cubanos trabalhando em aldeias indígenas. Representam 75%  dos médicos que cuidam da saúde indígena do País.

* Os cubanos atuam em locais antes oferecidos a médicos brasileiros, que os rejeitaram.

”A saída dos médicos cubanos coloca em risco 24 milhões de brasileiros que vivem em regiões atendidas pelo Programa”, observa ao Blog da Saúde o o ministro da Saúde do segundo governo Lula, o médico sanitarista José Gomes Temporão.

Segue a nossa entrevista:

Blog da Saúde – Essa decisão de Cuba o surpreendeu?

José Gomes Temporão –– De uma certa forma sim, mas considerando as declarações do presidente eleito de conteúdo depreciativo e hostil, compreende-se a decisão de Cuba.

Blog da Saúde –Qual o seu sentimento em relação à saída dos médicos cubanos?

José Gomes Temporão — De tristeza. Já se sabia que ocorreriam mudanças no programa, mas não essa ruptura brusca. Mas o fato é que com essa decisão, o que ocorrerá é que 24 milhões de pessoas ficarão sem assistência médica de uma hora para outra.

Blog da Saúde — De uma forma geral as entidades médicas brasileiras não só foram contra a vinda dos médicos cubanos como os achincalharam, os desqualificaram, instigaram a própria categoria contra eles. O que senhor acha do tratamento que elas deram aos médicos cubanos?

José Gomes Temporão — Recuso-me a acreditar que essa posição de hostilidade e de falta de ética represente o pensamento da maioria dos médicos brasileiros.

Blog da Saúde — O presidente eleito entrou no mesmo barco das corporações médicas. O que achou do que Bolsonaro disse sobre os médicos cubanos?

José Gomes Temporão — O presidente eleito, na verdade, reproduziu o que as entidades médicas vem dizendo desde o início do programa.

Mas o importante a dizer é que na semana passada, na reunião da OMS [Organização Mundial da Saúde], em Astana [capital do Cazaquistão]  comemorativa dos 40 anos de Alma Ata, o Mais Médicos e seus resultados foram elogiados por seu impacto em termos de saúde pública.

Infelizmente em todo esse processo predominou uma visão estritamente corporativa.

Blog da Saúde  –O que o senhor pode falar da capacitação dos médicos cubanos que agora vão embora?

José Gomes Temporão –A capacitação desses profissionais para atuar em atenção primária à saúde é reconhecida internacionalmente.

Blog da Saúde — E, agora, o que fazer?

João Gomes Temporão –Cria-se uma situação difícil que coloca em risco a segurança de parte importante da população principalmente dos mais vulneráveis.

Leia também:

Como Bolsonaro mente para enganar seus eleitores sobre os salários dos cubanos

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Jardel

17 de novembro de 2018 às 03h47

Acordo internacional é assim: Mudou de presidente, o novo presidente não está contente com o acordo? Espera a época de renovação do acordo ou contrato para impor suas novas regras.
Agora, mudar as regras no meio do acordo é coisa de moleque.
O acordo foi renovado sem modificação de regras durante o governo Temer.
Bostonauro deveria ter um mínimo de responsabilidade. Mas, ao contrário do que ele vive falando a toda hora, mostrou que o “viés ideológico” é a sua praxe.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!