VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Dr. Rosinha: Moro, toma que Bolsonaro é filho seu! Agora não adianta renegar
Arapuca

Dr. Rosinha: Moro, toma que Bolsonaro é filho seu! Agora não adianta renegar


14/05/2020 - 21h47

Padrasto

por Dr. Rosinha*

Sergio Moro é o verdadeiro pai de Jair Bolsonaro.

Agora, comporta-se como um péssimo padrasto.

Daqueles que, após conquistar a “mãe”,  passa a desprezar e  maltratar o filho.

Por “mãe”, entenda-se aqui a “mãe pátria”.

Desde o namoro, uma relação pai/mãe complexa que dá a impressão de o rebento  — há dúvidas — ser uma reprodução hermafrodita.

Há também certezas.

Para gerar, aquilo que ainda não se conhecia, era preciso matar politicamente os que governavam o Brasil, no caso o PT, representado por Lula e Dilma.

A gestação de Bolsonaro – a princípio, não sabia quem que era –  foi longa.

Nesse período, a paternidade do rebento foi disputada.

Mesmo sem conhecer bem a personalidade e o caráter dele, a “mãe pátria” recebeu muito apoio e aplausos durante a gestação.

O principal apoiador foi a Rede Globo.

Sem dúvida alguma, uma gravidez  disputada por muitas pessoas, instituições e empresas.

Todas queriam ser o pai do rebento a caminho.

Mas a paternidade, com teste de DNA feito pela Rede Globo, coube a Sergio Moro.

O pai Moro recebeu também um apoio fundamental de um grupo de pessoas que se autodenominou “Filhos de Januário”, cujo principal filho é um tal de Deltan Dallagnol.

Os filhos se aglomeraram em torno de uma frase curta e mágica: “lava jato”.

Da noite para o dia, a “lava jato” recebeu milhares de apoio e aplausos, demonstrados nas mídias, instituições, empresas, por políticos e pessoas, que reproduziam suas opiniões em bares, festas, estádios e nos vidros dos carros, que circulavam com um adesivo, azul (cor do PSDB) e amarelo, escrito “apoio a lava jato”.

Em Curitiba, quem não usasse este tipo de adesivo era vilipendiado, chamado de comunista e solicitado, quase que explicitamente, numa frase: “ame a república de Curitiba ou deixe-a”.

Afinal, em Curitiba, vivia e vive o pai do Bolsonaro, o ilibado combatente da corrupção.

O filho eleito convidou o pai para ser o ministro responsável pelas principais investigações no Brasil.

Nessa condição, o pai Moro não quis investigar a família do filho Jair Bolsonaro.

Mas, insatisfeito, o filho Jair queria mais.  Queria que os filhos fossem também protegidos.

Moro sentiu que isso era muito e, acabrunhado, preferiu passar a tratar o filho que pariu como enteado.

Na condição de chefe da Polícia Federal, Moro também passou a saber muito mais dos crimes cometidos pelo filho.

Moro passou  então a tratá-lo como ilegítimo e a comportar-se como padrasto.

Padrasto que não consegue ou não quer passar um corretivo no filho.  Prefere gravar suas diabruras e crimes para expô-lo perante a mãe pátria.

Mas, em socorro da mãe pátria e do filho ilegítimo de Moro, resolve vir a público o senhor Hamilton Mourão.

Em defesa de Bolsonaro, Mourão, desde o primeiro parágrafo, ameaça o povo brasileiro.

Afirma que

“a pandemia de covid-19 não é só uma questão de saúde: por seu alcance, sempre foi social; pelos seus efeitos, já se tornou econômica; e por suas consequências pode vir a ser de segurança”.

A pandemia atinge todos os aspectos citados, mas o agravamento da crise será maior ou menor dependendo da ação do governo.

Só que, como o filho de Moro não dá conta, Mourão resolveu nos ameaçar, dizendo que a crise, principalmente a de segurança, pode ter consequências.

Li e entendi. As consequências às quais ele se refere é a criminalização da luta pela vida e pela dignidade.

Mourão nos ameaça com prisões e assassinatos.

Escreve Mourão que nenhum país “vem causando tanto mal a si mesmo como o Brasil”.

Não é o país e/ou o povo brasileiro que vem causando mal a si próprio. Nada ganharia com isso.

Quem está causando mal ao Brasil é o atual governo do qual o senhor Mourão faz parte.

O vice-presidente critica a falta de diálogo e cobra da imprensa responsabilidade.

E o senhor consegue diálogo com Bolsonaro?

Caso consiga, convença-o a mudar de comportamento com a imprensa e as instituições;  a sentar-se com as pessoas inteligentes da política, cultura e ciência e tecnologia para um debate educado, sem falar palavrões.

No seu breve texto, Mourão soma-se a Bolsonaro para criticar os governadores e faz uma comparação esdrúxula, com os Estados Unidos.

Assim, como no primeiro argumento, Mourão vem em defesa de Bolsonaro.

Há uma concordância minha com Mourão (coisa rara, diga-se de passagem), quando ele critica a usurpação das prerrogativas do Poder Executivo por parte de outro poder.

Mas, o que o senhor fez quando o STF usurpou do Poder Executivo o direito de indicar Lula como ministro da Casa Civil do governo Dilma?

Como se comportaram também Sergio Moro, seu filho Jair Bolsonaro, a Rede Globo e todos os demais que embalaram o rebento que está governando o Brasil?

O quarto ponto elencado por Mourão é, no mínimo, desconcertante.

Faz críticas à política exterior dos governos do PT e ao comportamento de lideranças de oposição em relação ao atual governo.

Senhor vice-presidente, novamente convido-o a um exercício: coloque-se ao lado do senhor Ernesto Araújo e conversem sobre política exterior.

Ernesto Araújo é uma vergonha para o Brasil tanto no exterior como aqui dentro do Brasil

Mourão sentindo que Moro abandonou o filho Bolsonaro decidiu vir em socorro dele.

Quer adotá-lo. Afinal, foi um dos que aplaudiram o golpe que se gestava e, consequentemente, aplaudiu e apoia o rebento que do golpe nasceu.

A Rede Globo, que é o DNA do nascimento de Bolsonaro, resolveu posicionar-se do lado do pai Moro.

Pudera. Esse DNA tem que ser preservado para ser usado na gestação de um novo rebento, que até já tem nome: Sergio Fernando Moro. Vai usar a mesma roupa, só que com novos remendos.

Enquanto Sergio Moro renega o filho, a Globo preserva o DNA ideológico para a próxima eleição.

Ao mesmo tempo, na “mãe pátria”, como escreve Aldir Blanc, “Choram Marias e Clarices / No solo do Brasil”.

PS: Aqui, o termo padrasto é usado de forma simbólica,  sem o objetivo de agredir aqueles que amam seus filhos e não os renegam.

Dr. Rosinha é médico pediatra, militante do PT. Pelo PT do Paraná, foi deputado estadual (1991-1998) e federal (1999-2017).  De 2015 a 2017, ocupou o cargo de Alto Representante Geral do Mercosul.



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

16 de maio de 2020 às 03h31

“O tema da “paridade de armas” no exercício do direito de defesa é realmente muito importante.
Que bom que hoje foi lembrado [por Sérgio Moro].
Deveria sempre ser lembrado.”

Cristiano Zanin Martins
Advogado de Defesa de Lula
https://twitter.com/czmartins/status/1261105431956590594

https://noticias.uol.com.br/colunas/reinaldo-azevedo/2020/05/15/moro-fala-em-paridade-de-armas-o-irredimivel-tenta-ser-erguer-de-escombros.htm

Responder

Zé Maria

15 de maio de 2020 às 23h15

O que mais se deduz das reportagens sobre essa tal Reunião Ministerial
é o Empreguismo na “Segurança Presidencial” para o Clã Bolsonaro.
Pelo visto, a Segurança é usada como trampolim para o Alto Escalão.

https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/05/15/mudanca-no-governo-poe-em-xeque-versao-de-bolsonaro-sobre-reuniao-ministerial.ghtml

Responder

Zé Maria

15 de maio de 2020 às 00h28

https://pbs.twimg.com/media/EYA7CqUXsAYL7MG?format=jpg

A Bandidagem do Desgoverno Bolsonaro/Guedes/Mourão
vai destruir a Democracia com a Guerra de Vazamentos.

https://twitter.com/luisamartins/status/1261071938329419776

Responder

Zé Maria

15 de maio de 2020 às 00h08

https://pbs.twimg.com/media/EYBNSWLXkAAsPE6?format=jpg

SOS! FOGO NO BATACLÃ!
Chamem os Bombeiros !!!

WhatsApp, 23 de Abril de 2020.

Zambellinha para o então “Ministro Moro BSB”:
“O Brasil depende do sr estar no MJ”
“Bolsonaro vai cair se o Sr sair” …
“Tô aqui no MJ. No seu andar.
Por favor me dá 5 minutos.
Por favor, deixa só eu falar com vc” …
“O Planalto que pediu” …
“Pelo NasRuas há 6 anos te defendo” …
“Me ouve só um pouco” …

“Ministro Moro BSB” para Zambellinha:
“Se o PR [Bolsonaro] anular o decreto de exoneração [de Valeixo], ok”.

Zambellinha para o então “Ministro Moro BSB”:
“Vou lá tentar falar com ele [Jair Bolsonaro]”

https://t.co/lHzxsiafKZ

https://twitter.com/i/status/1261085216325677058
https://pbs.twimg.com/media/EYBHJcAX0AAQIIy?format=jpg

https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/05/14/deputada-propos-a-moro-acertar-com-bolsonaro-vaga-de-ministro-no-stf-ele-vai-cair-se-o-sr-sair.ghtml

“Ou seja: MORO SAIU PQ NÃO AGUENTOU
A CHATICE DE CARLA ZAMBELLI NO WHATS!”
https://twitter.com/PauloVieiraReal/status/1261095446535122946

Responder

Zé Maria

14 de maio de 2020 às 23h18

Realmente, Jair Bolsonaro é um Grandessíssimo Filho da Pátria,
Bastardo Renegado do Pato de Curitiba e Marreco de Maringá.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!