VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Médicos protestam contra “importar” estrangeiros sem revalidação

02 de julho de 2013 às 13h47

No dia 3, médicos vão às ruas por mais recursos para a saúde e contra a “importação” sem revalidação

da Assessoria de Imprensa do Conselho Federal de Medicina (CFM), via e-mail

Na próxima quarta-feira (3), as manifestações que há duas semanas mobilizam o Brasil terão uma cor principal: o branco dos jalecos. Neste dia, médicos, professores, residentes e estudantes de medicina, juntamente com toda a sociedade participarão de protestos contra o baixo investimento do governo brasileiro na saúde pública, em oposição à “importação de médicos estrangeiros” sem a revalidação de diplomas e pela adoção de medidas que permitam o exercício da medicina e a qualificação da assistência.

Cada local terá uma forma específica de mobilização (veja abaixo), mas, no geral, os médicos farão atos públicos e passeatas, além de assembleias. O protesto, que inclui a suspensão do atendimento eletivo na rede pública em alguns municípios, não afetará os atendimentos de urgência e emergência. A organização das atividades está a cargo das entidades médicas regionais. O Conselho Federal de Medicina (CFM), a Associação Médica Brasileira (AMB), Associação Nacional de Médicos Residentes (ANMR) e a Federação Nacional dos Médicos (Fenam) apóiam o movimento.

Os organizadores pretendem mostrar, de forma pacífica, os pleitos da categoria. As entidades argumentam que as medidas anunciadas recentemente pelo governo são inócuas e paliativas, pois não oferecem soluções de longo prazo. Também mostram que o principal problema, o baixo investimento estatal em saúde, continuará sem solução. No Brasil, o Estado responde por 44% dos gastos em saúde, quando em países com sistemas universais como o brasileiro, esse gasto gira em torno de 80%.

Veja como será a mobilização nos estados:

Acre
Em Rio Branco haverá, às 16h, concentração em frente à Assembleia Legislativa do Estado. De lá, os médicos e estudantes sairão em caminhada pelo centro da cidade. O protesto, que inclui a suspensão do atendimento eletivo na rede pública por até 24 horas, não afetará os atendimentos de urgência e emergência.

Amazonas
Em Manaus, as lideranças médicas concederão entrevista coletiva à imprensa, às 14 horas, na sede do CRM-AM. A partir das 15 horas, médicos e estudantes realizarão um ato público no Largo São Sebastião, no centro da capital.

Alagoas
As atividades, em Maceió, começarão às 7h30, com oficina de cartazes e faixas na sede do Conselho Regional de Medicina de Alagoas (Cremal). Em seguida, às 8h, haverá concentração na sede do Cremal, seguida de coletiva de imprensa. O ato público, na frente do Cremal, começará às 9h. Os manifestantes seguirão em caminhada pela Avenida Fernandes Lima até a Praça dos Martírios.

Amapá
A concentração, em Macapá, será a partir das 9h em frente ao CRM-AP (na Av. Feliciano Coelho, 1060, no Bairro do Trem). No local, serão distribuídos panfletos com as reivindicações.

Bahia
Médicos e estudantes (vestidos de jalecos brancos) se concentrarão, às 15h, no Campo Grande. De lá, sairão em caminhada até a Praça Castro Alves.

Ceará
A partir das 9h, Médicos e estudantes (vestidos de jalecos brancos) se concentrarão na Assembleia Legislativa do Estado, em Fortaleza. Às 15h30, os manifestantes se reunirão em frente Palácio da Abolição e, em seguida, caminharão até o Jardim japonês, na avenida Beira-Mar.

Distrito Federal
Em Brasília, a concentração será a partir das 17h, em frente ao Ministério da Saúde, na Esplanada dos Ministérios. Em seguida, os manifestantes seguirão até o Palácio do Planalto.

Espírito Santo
Em Vitória, a partir das 9h, haverá uma visita das entidades médicas estaduais ao Hospital Universitário Cassiano Antônio de Moraes (Hucam). Às 17h, após coletiva de imprensa, haverá concentração dos médicos, Centros Acadêmicos e Estudantes de Medicina na sede do CRM-ES.

Goiás
Às 15h30, haverá, em Goiânia, concentração na sede do Cremego (Rua T-27, nº 148, Setor Bueno – entrada de eventos). Em seguida, o grupo sairá em passeada pelas ruas de Goiânia.

Maranhão
Em São Luís, a concentração será na Praça Deodoro, às 9 horas. De lá, médicos e estudantes sairão em caminhada pelo centro da cidade até a Praça João Lisboa.

Mato Grosso
Em Cuiabá, o protesto deve iniciar ao meio dia, com a paralisação de todo atendimento eletivo. A partir das 14h haverá uma concentração em frente à sede do CRM-MT. Em seguida, os manifestantes irão até a Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso, concluindo a manifestação na Assembleia Legislativa.

Mato Grosso do Sul
Às 8h haverá, em Campo Grande, uma coletiva de imprensa, na sede do Sinmed-MS. Em seguida, às 9h, será protocolado documento nas sedes do governo do Estado, da prefeitura de Campo Grande e no Ministério Público mostrando s razões e reivindicações da classe médica. À tarde, a partir das 16h, será realizada uma manifestação em frente ao prédio da representação do Ministério da Saúde em Mato Grosso (rua jornalista Belizário Lima).

Minas Gerais
Na capital mineira, a concentração começará às 16h, em frente à sede do CRMMG (Avenida Afonso Pena, 1500 – Centro, Belo Horizonte). Os manifestantes farão uma marcha pela área hospitalar. Às 19h, haverá uma assembleia na sede da Associação Médica de Minas Gerais (Avenida João Pinheiro, 161 – Centro).

Pará
Haverá, a partir das 8h, concentração em frente à Santa Casa de Misericórdia, em Belém. De lá, o grupo seguirá em caminhada, passando em frente ao PSM e ao Centro Integrado de Governo. O ato terminará diante da Secretaria Estadual de Saúde.

Paraíba
Em João Pessoa, a concentração do protesto será em frente à sede do CRM-PB (Av. Dom Pedro II, 1335 – Centro), a partir de 9 horas.

Paraná
Em Curitiba, haverá passeata. A concentração será na Boca Maldita, a partir de 10 horas. De lá, o grupo seguirá em caminhada pela Rua das Flores até a Praça Santos Andrade (em frente ao prédio da Universidade Federal do Paraná).

Pernambuco
As atividades começarão em Recife, a partir das10h, com uma coletiva de imprensa das entidades médicas. Às 14h, haverá uma concentração na Praça do Derby. Na ocasião, médicos doarão sangue para o Hemope, no Memorial da Medicina. Às 16h, os médicos farão caminhada pela Avenida Agamenon Magalhães (sentido HR), passando pelo Parque Amorim e retornando pela Agamenon Magalhães para a Praça do Derby.

Piauí
Em Teresina, a concentração em frente à sede do Conselho Regional de Medicina do Piauí (Rua Goiás, Bairro Ilhotas) começará às 8h. De lá, os manifestantes partirão em caminhada pelos principais hospitais públicos e privados da cidade, retornando ao CRM-PI, onde acontecerá uma assembleia geral.

Rio de Janeiro
Os médicos cariocas farão, a partir das 10h, uma concentração na Cinelândia, onde será realizado ato público.

Rio Grande do Norte
A partir das 10h haverá uma concentração em frente à sede da Associação Médica (Avenida Hermes da Fonseca – Tirol). De lá, os manifestantes seguirão até Hospital Walfredo Gurgel. Às 19h, está marcada uma assembleia no auditório do Sinmed-RN.

Rio Grande do Sul
Em Porto Alegre, a concentração, a partir das16h, será em frente ao Hospital Beneficência Portuguesa. De lá, os manifestantes seguirão até o Palácio Piratini.

Rondônia
Concentração, a partir das 10h, em frente à sede do Conselho Regional de Medicina de Rondônia, em Porto Velho. Na noite do dia anterior (02/07), está prevista realização de assembleia no Sindicato dos Médicos.

Roraima
Às 18h haverá concentração dos médicos em frente ao Portal do Milênio, em Boa Vista.

Santa Catarina
A concentração, a partir das 10h, será na Esquina Democrática, no centro de Florianópolis (entre as ruas Felipe Schmidt e Trajano).

São Paulo
O ponto de encontro da manifestação, a partir das16h, será na Associação Médica Brasileira (AMB), na Rua São Carlos do Pinhal, 324. De lá, os manifestantes sairão em passeata rumo ao gabinete de representação da presidência da República, na Avenida Paulista, 2163.

Sergipe
Em Aracaju, as atividades começarão às 8h, com uma entrevista coletiva dos presidentes das entidades médicas locais (Somese, Cremese, Sindimed e Academia). Às 9h, haverá concentração dos médicos na sede do Cremese, seguida de caminhada até a Secretaria Estadual de Saúde.

Tocantins
As atividades começarão às 8h com um abraço simbólico do Hospital Geral de Palmas. Na sequência, está prevista caminhada até a Praça dos Girassóis.

Leia também:

Arthur Chioro: Todo apoio à contratação de médicos estrangeiros

Dois médicos norte-americanos avaliam o sistema de saúde de Cuba

Fátima Oliveira: A charlatanice e o escárnio da importação de médicos

 

19 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Juan Carlos Raxach: Carta de um médico cubano - Viomundo - O que você não vê na mídia

18/07/2013 - 18h29

[…] Médicos protestam contra “importar” estrangeiros sem revalidação […]

Responder

Cebes: O SUS precisa de mais médicos. E muito mais! - Viomundo - O que você não vê na mídia

17/07/2013 - 13h16

[…] Médicos protestam contra “importar” estrangeiros sem revalidação […]

Responder

Jose Mario HRP

08/07/2013 - 20h17

http://br.noticias.yahoo.com/curso-medicina-passar%C3%A1-6-8-anos-2015-184900909.html

VIVA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Responder

Mário SF Alves

06/07/2013 - 09h22

A proposta de contratação de médico estrangeiro objetiva o quê? Se for medicina preventiva, sinceramente não vejo a razão de tamanha reação e ódio. Mesmo porque, medicina preventiva não depende tanto de laboratórios e nem de multinacionais da empurroterapia.
_______________________________________

Além do que, e aí fica o desafio, é imprescindível saber se de fato estão preocupados com a saúde pública e se de fato estão preocupados com as condições de atendimento. Primeiro, por que só agora vêm a público? Por que não participam do processo político? Por que não somam esforços na consolidação da Democracia no Brasil? Por que não questionam os limites da democracia “made in usa” produtora de BAIXINHOS que nos condiciona e impede de superar o capitalismo subdesenvolvimentista que tanto aflige e sucateia a saúde da imensa maioria da população. Por que não questionam à fundo os ditos planos de saúde? Por que tamanha dependência de laboratórios? Por que não questionam a secular e totalmente egoísta Casa-Grande?

Responder

João Batista

03/07/2013 - 18h56

Ana Raposo cravou bem o mote da campanha a Governador: Vote no Padilha o criador dos vôos negreiros!

Responder

Alfo

03/07/2013 - 18h03

Interessante! Duvido que esses médicos queiram mesmo resolver os problemas de saúde da população brasileira. Classe corporativista e contra uma saúde pública de qualidade!!!

Responder

    João Batista

    03/07/2013 - 18h52

    Alfo, deixe de bobagem amigo. Por que tanta raiva dos médicos? Somos apenas trabalhadores, mas conseguimos estudar, passar no vestibular e prestamos um serviço importante ao nosso povo e se não fazemos mais é porque a resoluções dos problemas que atingem a saúde estão no seio dos governos, esses sim que não ligam para o nosso povo.

Beatriz

03/07/2013 - 08h45

Brasil ganha canal na internet para mostrar a realidade do SUS
02/07/2013

A sociedade brasileira em geral, especialmente médicos e demais profissionais de saúde, além dos pacientes, contam desde esta terça-feira (2) com um novo canal de denúncias e reflexão sobre o funcionamento a rede pública de saúde. Está no ar a página http://WWW.sossaúde.org.br , que vai servir de espaço para o compartilhamento de relatos dos usuários e profissionais do sistema público de saúde.

Para dividir suas experiências, por meio do envio de textos, fotos e vídeos, ou ler o que outros já postaram, o internauta deve acessar o link “Envie seu depoimento”, que o levará para a página do facebook do SOS Saúde. O link já traz várias histórias, como a de uma médica do sistema municipal de saúde de São Paulo, que recebe um salário líquido de R$ 1.644,00, por uma jornada semanal de 24 horas; ou a de um médico, que mostra a Unidade Básica de Saúde onde atua, na cidade fluminense de Itaipuaçu-Maricá, com mofo e infiltrações nas paredes.

Também foram postadas várias convocatórias para os atos públicos desta quarta-feira (3) e devem ser postadas imagens sobre os atos públicos que os médicos realizarão em todo o país.Na página http://WWW.sossaude.org.br também estão disponíveis links para as comunidades Dignidade Médica, SOS Saúde Brasileira, Greve Geral dos Médicos do SUS e Radar DM.

A criação da página é um compromisso assumido pelas entidades médicas – Conselho Federal de Medicina (CFM), a Associação Médica Brasileira (AMB), Associação Nacional de Médicos Residentes (ANMR) e a Federação Nacional dos Médicos (FENAM) – em reunião realizada semana passada.

Fonte: Imprensa CFM, FENAM e AMB
http://portal.fenam2.org.br/portal/showData/404744

Responder

Jacqueline

02/07/2013 - 20h20

Concordo com a vinda de médicos estrangeiros, contanto que façam o REVALIDA!

Responder

Talitha

02/07/2013 - 17h56

Que indignação estranha. Se eles são tão bons, a presença dos estrangeiros só virá a se somar, a divulgar o conhecimento imenso dos médicos brasileiros para o resto do mundo… não?
A própósito, quais e quantos são os outros países em que existe sistema universal de saúde???
Neles o Estado responde por 80% dos gastos, né? E nos outros?

Responder

    Igor

    02/07/2013 - 19h18

    Nada estranha. Cada um sabe de si. Respeitemos, não?

    Batista Neto, Jose

    03/07/2013 - 04h48

    Cada um sabe de si e tratam de seus próprios interesses como essa classe médica.

olympio

02/07/2013 - 17h24

Manifestação Ridícula!

Eles falam de médicos estrangeiros com tanto desdém como se exercessem a melhor medicina do mundo o que não condiz com a realidade.

Tá na cara que pouco se interessam pela população brasileira o único interesse desses médicos que estão protestando é R$$$$$$$$$ e nada mais.

Responder

    Benedito Aguiar Lopes

    03/07/2013 - 07h26

    Olympio, médico não vive de brisa, sabia? Deixe de ser tonto.

Igor

02/07/2013 - 16h40

ATENÇÃO NOTÍCIA DE AGOSTO DE 2011!!!!

Só 5% das equipes do Saúde da Família têm médicos especializados, diz estudo
26/08/2011 20:29 – Portal Brasil

Apenas 5% das 32 mil equipes do Programa Saúde da Família têm um médico especializado em medicina de família e comunidade. As informações são de médicos espanhóis especializados em atenção primária à saúde (APS) que avaliaram o programa brasileiro entre abril e junho deste ano.

O levantamento foi feito em centros de saúde pública de zonas urbanas e rurais de 19 estados brasileiros, a pedido da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC). De acordo com o estudo, as equipes do Saúde da Família precisarão se readequar para seguir as diretrizes do Ministério da Saúde.

Portaria publicada pelo Ministério da Saúde no Diário Oficial da União de quinta-feira (25), determina que todas as equipes do Saúde da Família “deverão ter responsabilidade sanitária por um território de referência, de modo que cada usuário seja acompanhando por um agente comunitário de saúde, um auxiliar ou técnico de enfermagem, um enfermeiro e um médico generalista ou de família”.

Diretor da SBMFC, o médico Thiago Trindade disse que a falta de médicos de família, conhecidos também como generalistas, pode prejudicar objetivos importantes do programa e produzir outros gastos em saúde. “O programa pretende prestar atenção integral, que inclui ações de prevenção e assistência à população. Como não tem o médico generalista, essa população acaba indo direto procurar outros serviços ou fica completamente desassistida.”

Ainda de segundo o levantamento, em regiões metropolitanas como Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre, menos de 30% da população é coberta pelo Saúde da Família. “O Saúde da Família está mais presente nas cidades de pequeno e médio porte. As de grande porte têm maior dificuldade para conseguir profissionais”, disse Trindade.

O médico defende ainda uma política de incentivo à formação e manutenção dos profissionais no atendimento generalizado. Segundo ele, o número de alunos de medicina que optam pela especialidade vem caindo e é cada vez menor a permanência dos formados na atividade.

Apesar de constatar alguns problemas, o levantamento conclui que o programa é um modelo de sucesso na atenção básica no Brasil. “É o modelo que melhor mostrou resultado na atenção primária. Como um modelo de sucesso, precisa ser aprimorado para prestar um cuidado de excelência”, destacou Trindade.

http://www.brasil.gov.br/noticias/arquivos/2011/08/26/so-5-das-equipes-do-saude-da-familia-tem-medicos-especializados-diz-estudo

Há mais do mesmo caos:

De cada quatro equipes de saúde da família, uma está incompleta em Porto Alegre

Sem médico em 25% das Unidades de Saúde da Família, população recorre a UBS ou emergências, multiplicando o caos em busca de socorro
http://diariogaucho.clicrbs.com.br/rs/dia-a-dia/noticia/2013/06/de-cada-quatro-equipes-de-saude-da-familia-uma-esta-incompleta-em-porto-alegre-4158004.html

Responder

Ana Raposo

02/07/2013 - 16h17

Pra cima gente que o Padilha está trabalhando para a presidenta Dilma vetar a lei do Ato Médico, com esse papo mendigo de que acaba com as Equipes Multiprofissionais, mas é mesmo para retaliar o CFM e a AMB. Equipe Multiprofissionais sem médico é coisa do PSF que eles acham bom manter, pois ficam mais baratas. Alguém sabe aí quantas equipes do PSF existem no Brasil sem médico? O Padilha sabe bem o que faz. O Ministério da Saúde sabe e acha bom. Dilma sabe acha bom, E aí vem com esse papo de médico estrangeiro para a periferia e os lugares mais distantes e mais pobres. Quer pagar barato a médico, quer mais precarização do trabalho do médico, fazer contratinhos e não quer fazer concurso nacional para preencher as vagas de médico pelo país afora.

Responder

Alexandre Bastos

02/07/2013 - 15h05

Não sou contra médicos estrangeiros trabalhando no Brasil, desde que façam e passem no revalida. É o mínimo. Acho abaixo da crítica que Dilma, uma presidenta do PT, estimule trabalho sem direitos trabalhistas. Por que não abrir concurso? O Padilha em toda a sua arrogância vive falando em contratos. Ele ainda não aprendeu a palavra concurso. Mas vai ter de aprender, por bem ou por mal.

Responder

G.A Almeida

02/07/2013 - 14h26

E não é que eles tão certos

Responder

Deixe uma resposta