VIOMUNDO

Jandira Feghali: Taxar 997 milionários levantaria R$ 10 bi para a saúde pública

06 de dezembro de 2011 às 01h06

por Luiz Carlos Azenha

A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados deve apreciar nesta quarta-feira, 7 de dezembro, o parecer da relatora Jandira Feghali (PCdoB-RJ) sobre o Projeto de Lei Complementar 48/11, de autoria do deputado Dr. Aluizio (PV-RJ), que trata da Contribuição Social das Grandes Fortunas.

Um imposto sobre as fortunas está previsto no inciso VII do artigo 153 da Constituição de 1988, nunca regulamentado.

A relatora pretende transformar o imposto em contribuição, permitindo assim que o dinheiro arrecadado seja vinculado a um tipo específico de gasto: o financiamento da saúde pública.

O imposto incidiria sobre 38.095 contribuintes, aqueles que têm patrimônio superior a 4 milhões de reais. As alíquotas teriam variação de 0,40% a 2,1%.

A relatora Jandira Feghali disse que, ao analisar os dados obtidos junto ao Fisco, constatou o tremendo grau de concentração de riqueza no Brasil: pelos cálculos da deputada, a contribuição arrecadaria 10 bilhões de reais taxando apenas os brasileiros com patrimônio superior a 100 milhões de reais, ou seja, 997 pessoas.

Considerando os dados de 2009, a contribuição levantaria 14 bilhões de reais.

“Vamos servir a 200 milhões de brasileiros com uma contribuição de fato em quem concentra patrimônio no Brasil”, diz Jandira.

Ela argumenta que taxar fortunas não é nenhuma novidade. O imposto existe na França para quem tem patrimônio superior a 600 mil euros, segundo ela.

Jandira também lembrou do milionário estadunidense que pediu para ser taxado. Ela se refere ao investidor Warren Buffett. De fato, nos Estados Unidos, existe até mesmo um grupo, chamado Patriotic Millionaires, que lidera uma campanha pela taxação de no mínimo 39,6% para quem tem renda superior a 1 milhão de dólares anuais. Uma pesquisa do Spectrum Group, publicada pelo Wall Street Journal, descobriu que 68% dos milionários entrevistados defendem aumento de imposto para os mais ricos.

A CSGF brasileira não trata de renda, mas de patrimônio acumulado.

Se você tem um Fusca paga 4% do valor em IPVA, mas a posse de um avião particular, de um helicóptero ou iate não é taxada, argumenta a deputada comunista.

Jandira diz que, pelos cálculos do ministro da Saúde Alexandre Padilha, a pasta precisa de um reforço de orçamento de 45 bilhões de reais por ano para dar conta das necessidades do setor. A contribuição dos milionários cobriria uma parte razoável disso.

Fiz duas provocações à deputada: 1)  Os milionários brasileiros têm um poder político considerável e, como disse Garrincha sobre a tática infalível  do técnico Vicente Feola para derrotar os russos, só falta combinar com o adversário; 2)  O argumento clássico dos conservadores é de que, ao taxar os mais ricos, eles perdem o incentivo para produzir as riquezas que, eventualmente, se espalham por toda a sociedade (a famosa economia do trickle-down, do ex-presidente dos Estados Unidos Ronald Reagan, segundo a qual as migalhas que caem lá de cima acabam nos alimentando).

Para ouvir as respostas, clique abaixo:

fortunas.wma

Leia também:

Igor Felippe e o humor negro: Dinheiro é para queimar e rasgar

Folha “esquece” que Faustino amava José

Lúcio Flávio Pinto: E você com o plebiscito?

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR
123 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Jandira Feghali: Taxar 997 milionários levantaria R$ 10 bi para a saúde pública | o comum

09/01/2012 - 18h16

[…] Viomundo Gostar disto:GostoBe the first to like this . Esta entrada foi publicada em Uncategorized. […]

Responder

Zé das Couves

07/12/2011 - 17h25

Sou plenamente a favor do IGF.
Mas penso que, em vez de ir pra saúde, deveria ser usado para ajudar a financiar o bolsa-família.
Aí sim a direitalha ia ter espamos de cólera…

Responder

H. Back™

07/12/2011 - 16h47

Desculpe-me Sr. Luis Carlos Azenha, peço mil perdões pelo equívoco. O meu questionamento não foi dirigido ao Sr.

Responder

SISTEMA POLÍTICO-ECONÔMICO CAPITALISTA VIGENTE É TÃO INJUSTO QUE ATÉ OS MILIONÁRIOS ESTÃO PEDINDO PARA SEREM TAXADOS « Educação Política

07/12/2011 - 14h20

[…] Luiz Carlos Azenha A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados deve apreciar nesta […]

Responder

Coutinho

07/12/2011 - 11h10

Semore fui favorável à CPMF. Acho que devereria haver um imposto não linear, mas crescente com o valor da movimentação financeira. Afinal, aquela contribuição representava uma quantia muito pequena. Em termos de assalariados, que é a grande maioria da população, quem ganhava pouco sentia pouco no orçamento; quem ganhava muito, também sentia pouco relativamente ao salário recebido. A mídia, defensora dos fortes, é que lutou pela sua extinção, comandando a oposição, que criou a CPMF e a desvirtuou. Tudo para desestabilizar o país.

Responder

    Marcelo de Matos

    07/12/2011 - 11h34

    A CPMF deveria ter continuado. Além de ser um meio de financiar a saúde pública, possibilita o combate à sonegação, que um de nossos maiores problemas. Se todos pagassem impostos poderíamos pagar menos.

    H. Back™

    07/12/2011 - 14h59

    Além de evitar a lavagem de dinheiro.

    Norberto

    12/12/2011 - 18h27

    " A mídia, defensora dos fortes, é que lutou pela sua extinção, comandando a oposição, que criou a CPMF e a desvirtuou. Tudo para desestabilizar o país."

    o amigo sabe q o PT foi contra a CPMF quando era oposição e fez de tudo pra impedir a sua aprovação?
    o amigo sabe q a oposição (ao Governo Lula) sozinha não tinha votos para impedir a prorrogação da CPMF e uma boa parte da BASE ALIADA votou contra o Governo?

    por favor, um pouco de honestidade com a verdade cairia bem!

Norberto

07/12/2011 - 10h53

em q alicota o Lula irá cair?

ou alguem duvida q Lula esteja milionário?

Responder

Marcelo de Matos

07/12/2011 - 10h46

(parte 2) “Para Antônio Augusto de Queiroz, do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), as chances do Congresso Nacional aprovar o imposto são baixíssimas. Todos os partidos, com exceção dos de esquerda, têm líderes parlamentares que são empresários e seriam afetados diretamente por esta regulamentação. Dificilmente, mesmo com o interesse do governo, eles se empenharam em criar um tributo que iria penalizá-los”. “Segundo Queiroz, quem defende a reforma tributária são os parlamentares empresários ou a serviço de empresários, que não estão de acordo com essa idéia de progressividade conforme a capacidade contributiva, pelo contrário, querem desonerar alguns setores”.

Responder

Marcelo de Matos

07/12/2011 - 10h45

(parte 1) O falastrão FHC foi o primeiro a criar um projeto de lei para a tributação das grandes fortunas. Aos primeiros embates com o empresariado e o PIG, porém, desistiu do projeto, como desistiu da transposição do Rio São Francisco e da criação do futebol empresa, via Lei Pelé. Hoje FHC diz que “Este imposto, do jeito que está hoje, prejudicaria somente a classe média, que não tem meios de escapar do Fisco. Os ricos mandariam seu dinheiro para paraísos fiscais, nos chamados fundos cegos, e escapariam da tributação”. O projeto de FHC previa a tributação a partir de R$ 940 mil. Como alternativa à taxação de grandes fortunas, considera que deveria ser criado o Imposto de Herança. Já o blog Preto no Branco assinala: “A proposta sofre, desde o início, resistência da elite econômica brasileira, a qual imprime esforços para deslegitimá-la, assinala o economista Erito Marques de Souza Filho, professor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro”.

Responder

maria utt

07/12/2011 - 09h42

sem reforma política e financiamento publico de campanha isso não passa. Os "nossos" representantes representam mesmo é o poder econômico.

Responder

Cleverton_Silva

07/12/2011 - 00h47

Agora a coisa fica interessante. Cobrar da classe que menos paga imposto, de todos que podem contribuir. Aí é que veremos os verdadeiros corruptos/corruptores inventarem que empobreceram, sonegarem mais, levarem mais dinheiro pra paraísos fiscais. Separemos o joio do trigo: acredito que surgirão ricos que pagarão com boa vontade. E a sociedade deve estar vigilante para que a lei saia do papel e sirva à risca a sua finalidade.

Responder

Mauro A. Silva

07/12/2011 - 00h00

[youtube FBmeBRrSrx4 http://www.youtube.com/watch?v=FBmeBRrSrx4 youtube]
Denúncia: Hospital Municipal no Jabaquara fechou o serviço de "aborto legal", o primeiro criado no Brasil.
Hospital Municipal Henrique Saboya, sob administração do prefeito Gilberto Kassab.

União de Mulheres
30 anos
06-12-2011

Denúncia feit na Assembleia legislativa de SP, auditório Paulo Kobayashi, 06-12-2011.

Visite: Fórum de Promotoras Legais Populares de SP http://ForumPLPsp.wordpress.com

Responder

Étore

06/12/2011 - 23h14

Alguém sabe qual é o percentual estimado das grandes fortunas que simplesmente não estão na base da receita ? Procurei agora e não achei, se alguém tiver a informação por favor escreva.

A deputada comunista tem alguma idéia para fazer com que todos cidadãos que tem obrigação de pagar impostos o façam (assim como eu e boa parte dos que aqui escrevem o fazem) para que assim se arrecade mais mesmo baixando as alíquotas ?

Aumentar imposto (seja nominalmente ou alterando faixas de contribuição) tem só um grande resultado: mais sonegação.

Responder

rita

06/12/2011 - 21h45

fuas coisas que nunca sairam do papel com a constituição de 1988:
imposto sobre grandes fortunas; taxa de juros maxima de 8 % ao ano?
ahhh a USURA…

Responder

    Norberto

    07/12/2011 - 10h48

    diga-se de passagem, graças a Deus!

    Thiago_Leal

    07/12/2011 - 19h48

    Afinal, como alguém poderia achar R$ 4 milhões bagatela com IGF e combate à usura, né?

FrancoAtirador

06/12/2011 - 21h41

.
.
Os 10 homens mais ricos do Brasil

Em 2010, segundo a tradicional lista de bilionários da Forbes,
o Brasil ampliou sua participação para 30 pessoas,
ante as 18 do ranking mundial no ano anterior.

O patrimônio total dos brasileiros listados pela Forbes
alcança 131,4 bilhões de dólares
ou 235 BILHÕES DE REAIS.

O homem mais rico do mundo é o mexicano Carlos Slim,
dono, no Brasil, das operadoras Claro e Embratel.
A fortuna de Slim é avaliada em 74 bilhões de dólares.

Confira os 10 brasileiros mais ricos da lista da Forbes:

1º – Eike Batista
O fundador do Grupo EBX é o mais rico do Brasil. Com uma fortuna de 30 bilhões de dólares, continua em oitavo entre os mais abonados do mundo – mas o empresário já afirmou que quer ser o número um.

2º – Jorge Paulo Lemann
Um dos donos da Ab InBev (AMBEV), maior cervejaria do mundo, Lemann é o segundo mais rico do Brasil, com uma fortuna de 13,3 bilhões de dólares. No ranking geral, porém, o empresário está bem atrás de Eike Batista, e ocupa a 55ª posição.

3º – Joseph Safra
O banqueiro é outra presença constante na lista da Forbes. Nesta edição, Safra ocupa a terceira posição entre os brasileiros, e a 68ª na relação geral, com um patrimônio de 11,4 bilhões de dólares. O bilionário é dono do Banco Safra, o nono maior do país.

4º – Marcel Telles
Sócio de Lemann na AB InBev (AMBEV), Telles é o quarto homem mais rico do Brasil e o 158º do mundo. Sua fortuna é avaliada pela Forbes em 6,2 bilhões de dólares. O empresário conseguiu aumentar seu patrimônio em 1 bilhão de dólares desde o ranking anterior da Forbes.

5º – Família Steinbruch
Benjamin Steinbruch e sua família acumulam um patrimônio de 5,8 bilhões de dólares e surgem em quinto lugar no ranking dos bilionários brasileiros. Na classificação geral, os Steinbruch estão em 173º lugar. Seu principal investimento é a siderúrgica CSN, uma das maiores do país.

6º – Carlos Alberto Sicupira
Sócio de Lemann e Telles na AB InBev (AMBEV), Sicupira é o sexto homem mais rico do país, com um patrimônio de 5,5 bilhões de dólares. De um ano para outro, o empresário aumentou em 1 bilhão de dólares seu patrimônio, segundo a Forbes. No ranking geral, Sicupira é o 185º colocado.

7º – Antonio Ermírio de Moraes
O empresário e sua família têm um patrimônio avaliado pela Forbes em 5,3 bilhões de dólares. É o suficiente para colocar os Ermírio de Moraes no sétimo lugar entre os mais ricos do Brasil, e na 193ª posição geral. Em relação ao ranking anterior, sua fortuna deu um salto de 2,3 bilhões de dólares.

8º – Aloysio de Andrade Faria
O oitavo homem mais rico do Brasil é o dono do banco Alfa, com uma fortuna avaliada em 4,3 bilhões de dólares. Faria foi, também, o fundador do Banco Real, vendido para o holandês ABN Amro por 2,1 bilhões de dólares em 1998. O banqueiro é o 247º no ranking geral da Forbes.

9º – Abílio Diniz
O dono do Pão de Açúcar, maior grupo de varejo do país, é o nono mais rico do Brasil e o 323º do mundo, segundo a Forbes. Sua fortuna foi estimada em 3,4 bilhões de dólares. A cifra é 400 milhões de dólares superior à do ranking do ano passado.

10º – Alfredo Egydio Arruda Villela Filho
Discreto e avesso a fotos, Villela Filho foi escolhido para comandar os negócios da família em 2008, após a morte de seu tio-avô Olavo Setubal. Seu principal negócio é o Itaú, maior banco privado do país. Com um patrimônio de 3,2 bilhões de dólares, ele é o décimo homem mais rico do país e o 347º do mundo.

http://semradar.com.br/2011/03/10/os-10-homens-ma

Responder

Eudes H. Travassos

06/12/2011 - 21h32

é a partir deste tipo de proosta que nós sabemos se o Estado é realmente legitimo ou não como nosso representante.

Responder

Alex Gonçalves

06/12/2011 - 19h22

""O argumento clássico dos conservadores é de que, ao taxar os mais ricos, eles perdem o incentivo para produzir as riquezas que, eventualmente, se espalham por toda a sociedade (a famosa economia do trickle-down, do ex-presidente dos Estados Unidos Ronald Reagan, segundo a qual as migalhas que caem lá de cima acabam nos alimentando).""

TRICKLE DOWN ECONOMICS! Como é que faz pra botar figuras direto?
http://www.viren.ca/images/reagonomics.jpg

[youtube OuKeuN1GU8U http://www.youtube.com/watch?v=OuKeuN1GU8U youtube]

Responder

Fátima Oliveira

06/12/2011 - 19h09

A ASSEMBLÉIA DOS RATOS – Fábula de ESOPO – Fabulista grego do século VI a.C. –

Era uma vez uma colônia de ratos, que viviam com medo de um gato. Resolveram fazer uma assembléia para encontrar um jeito de acabar com aquele transtorno. Muitos planos foram discutidos e abandonados. No fim, um jóvem e esperto rato levantou-se e deu uma excelente idéia:
-Vamos pendurar uma sineta no pescoço do gato e assim, sempre que ele estiver por perto ouviremos a sineta tocar e poderemos fugir correndo. Todos os ratos bateram palmas; o problema estava resolvido. Vendo aquilo, um velho rato que tinha permanecido calado, levantou-se de seu canto e disse:
– O plano é inteligente e muito bom. Isto com certeza porá fim à nossas preocupações. Só falta uma coisa: quem vai pendurar a sineta no pescoço do gato?

Responder

Fátima Oliveira

06/12/2011 - 19h05

Mas quem vai colocar o guizo no pescoço do gato?

Responder

@heltersk

06/12/2011 - 17h37

Por que mais um imposto?

Já não temos impostos suficientes?

Responder

Emilio Matos

06/12/2011 - 17h03

Vocês acham mesmo uma boa idéia transformar o imposto em contribuição e atrelar os possíveis recursos desse imposto à saúde? Não gostei muito disso não. Desde muito me incomoda a inexistência de um imposto sobre fortunas no Brasil, mas acho que deixar as coisas flexíveis é bem melhor.

Responder

Regina Braga

06/12/2011 - 16h58

Demorou muito…a mídia não vive reclamando, dos impostos que os pobres pagam serem iguais aos dos ricos..Pronto,os ricos vão financiar a saúde…como a rede esgoto sempre defendeu…kkkkkkkk

Responder

Apolônio

06/12/2011 - 16h48

Sou a favor da taxação das grandes fortunas para saúde. Irá atingir um universo muito pequeno. Esse pessoal tem que ter compromisso social, compromisso com a cidadania. Não adianta eles ficarem dizendo que a saúde pública é ruim, isto só no discurso para não fazer nada. O discurso que esse dinheiro arrecadado não irá para saúde e, sim para corrupção, nós vemos esse filme todos os dias. Isso é uma maneira para tentar deslitimizar o assunto e a sua prática. Isso é muito simples é só criá-lo e colocar um fundo gestor para fiscalizá-lo.

Responder

    H. Back™

    01/01/2012 - 01h49

    De pleno acordo. Só falta saber quem irá fiscalizar o fiscalizador.

Andre Luis

06/12/2011 - 16h38

Essa pesquisa está furada. Somente pouco mais de 38 mil brasileiros com patrimônio superior à R$ 4 milhões não é verdade. São muitos mais. Até porque a Receita insiste em não atualizar os valores patrimoniais na Declaração. Mas, no Brasil de hoje, não se trata de uma grande fortuna. Podem multiplicar por 10 e ainda vão encontrar uma boa base tributável. Sou a favor da criação de impostos sobre grandes fortunas, mas ele deve ser muito bem equacionado e, lembrando sempre que Salário não é RENDA …

Responder

cronopio

06/12/2011 - 16h22

O dinheiro é um bem público, não nos esqueçamos.

Responder

    @heltersk

    06/12/2011 - 17h39

    fundamente, sua afirmação não tem lógca alguma

    Norberto

    07/12/2011 - 11h04

    ?????????????????

    acorda, filho!

    e para de usar essas coisas q nao te fazem bem…

Aracy_

06/12/2011 - 16h20

Parabéns à Deputada Jandira e ao Dr. Aluizio, torcendo pela votação aberta da proposta no Congresso. Os ricaços não têm do que reclamar: é melhor a taxação do patrimônio declarado do que do presumido através das fotos deles na Caras.

Responder

Projeto que prevê a taxação de grandes fortunas deve ser votado na quarta-feira

06/12/2011 - 16h02

[…] NA MÍDIA: Jornal O Dia – Milionários Vi O Mundo – Taxar 997 milionários levantaria R$ 10 bi para a saúde pública R7 – As famílias […]

Responder

M. S. Romares

06/12/2011 - 15h58

Malditos comunistas!!! Justo agora que comecei a juntar meu segundo milhão de dólares….o primeiro eu desisti.

Responder

@jucapastori

06/12/2011 - 15h41

Artistas globais em um fundo branco não se animaram muito em fazer um vídeo sobre isso…

Responder

lukaspereira

06/12/2011 - 15h33

Os quadrinhos do link abaixo mostram COMO FUNCIONA O CAPITALISMO… Seria engraçado se não fosse verdade! http://desatualidadescronicas.blogspot.com/2011/1

Responder

Klaus

06/12/2011 - 14h19

Ao invés do Imposto sobre Grandes Fortunas, por que não taxar a herança? E também aumentar as alíquotas do IRPF?

Responder

    cronopio

    06/12/2011 - 16h20

    Por que não fazer as duas coisas? São excludentes?

    yacov

    06/12/2011 - 16h38

    E porque não fazer as "Quatro" coisas??? Inclua ía o aumento da taxação dos BANCOS, que estão ganhando pouquinho, coitados…

    "O BRASIL PARA TODOS não passa na glOBo – O que passa na glOBo é um braZil para TOLOS"

    H. Back™

    07/12/2011 - 15h05

    Concordo Yacov; Isso teria que ser feito urgentemente. O que acontece com os bancos é um descalabro. Assalto é eufemismo.

    Klaus

    06/12/2011 - 16h40

    Por que não doarmos todo nosso dinheiro ao Estado e ele nos dá uma ração diária de mingau?

    Thiago_Leal

    07/12/2011 - 19h43

    Hahaha, o Klaus se esforça, mas não consegue evitar a tentação de forçar a barra, né? Bom, pelo menos, no seu caso, todos teriam algo para comer, todos os dias, ao contrário da realidade atual, certo?

    Daniel

    06/12/2011 - 17h39

    Eu acho herança um absurdo, deveria ser abolido. Por quê? Cria uma geração de "ricos" mimados que nunca vão saber o que é trabalho, não dão valor ao dinheiro e torram tudo com besteira. São uns bebês chorões que reclamam de tudo mas não contribuem com nada, algumas vezes possuindo um desvio enorme de caráter (do tipo eu sou rico portando estou acima que você), além de influenciar a classe política para manter seus benefícios (imposto baixo, nunca são presos, etc…).

    Norberto

    07/12/2011 - 11h08

    quer dizer q "herança estraga" ?

    q papinho mais tolo e preconceituoso!

    cheio de frases feitas e lugares comuns…

    Marcos

    24/04/2012 - 09h32

    A herança já é taxada , pessoal, pelos Estados

Aline C Pavia

06/12/2011 - 15h13

Aquela ex-patroa da filha do Alckmin, amicíssima de benemerências da Lu, a Eliane Tranchesi, que sumiu do mapa com uma "depressão" e "síndrome do pânico" de 90 milhões de dólares, quanto ela teria de pagar?

Responder

    FrancoAtirador

    06/12/2011 - 16h05

    .
    .
    Uns 90 anos de prisão e todo o patrimônio expropriado.
    .
    .

    Aracy_

    06/12/2011 - 16h24

    Um Rodoanel.

Vlad

06/12/2011 - 12h41

Passado o prazo de validade das antigas, nada melhor que novas desculpas para justificar a penúria do sistema público de saúde.
Assim que aprovado o IGF a saúde melhorará.
E ainda dão trela…não basta caírem 100 vezes no conto do bilhete…tem que cair mais.

Responder

    Daniel

    06/12/2011 - 16h02

    Mas não é uma questão de análise e sim de crença. O enfermo ajusta a realidade ao que ele acredita.

Ari

06/12/2011 - 12h39

Absurda a decisão do STF de 2007 que considerou aeronaves e embarcações isentas de IPVA. Se os veículos automotores terrestres são taxados, por que os aquáticos e aéreos não o são?

Está na hora de a União criar o Imposto sobre Grandes Fortunas. De todos os tributos que ela está expressamente autorizada pela Constituição para implantar, o IGF é o único que ainda não foi criado.

Responder

    Marcio H Silva

    06/12/2011 - 14h52

    Concordo. O IPVA é o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automores. Barcos, navios, iates, lanchas e ultra leves estão enquadrados neste imposto. Só planador, paraquedas, prancha de surf, balão de ar quente, skate,asa delta e bicicleta estão fora.

    Norberto

    07/12/2011 - 11h00

    falar em imposto sobre GRANDES FORTUNAS e começar taxando R$ 4 Milhões só pode ser brincadeira, né!?

    desde quando hj em dia R$ 4 Milhões é "grande fortuna"?

    Thiago_Leal

    07/12/2011 - 19h46

    "Pohan"… e pra quem achava que você estava na pior, hein, Norberto!

    Norberto

    07/12/2011 - 21h04

    não estou na pior, graças a Deus!

    mas independentemente do Sr querer especular sobre a minha situação, voltemos à noticia!

    a proposta é TAXAR GRANDES FORTUNAS…

    por favor, o Sr considera um PATRIMÔNIO de R$ 4 MM, uma "grande fortuna"?

    ou o Sr não sabe mais o q são R$ 4 MM ou não sabe o q significa uma "grande fortuna"!

    H. Back™

    01/01/2012 - 01h19

    R$ 4 Milhões não é grande fortuna nem em Burkina Faso.

foo

06/12/2011 - 12h37

Na Holanda existe um sistema de impostos muito simples:

O imposto vem em camadas, calculadas sobre o seu rendimento anual:

1) Para a parte do seu rendimento anual até €18,218: 1.85%
2) Para a parte do seu rendimento anual entre €18,219 e €32,738, 10.8%
3) Para a parte do seu rendimento anual entre €32,739 e €54,367: 42%
4) Para a parte do seu rendimento anual acima de €54,367: 52%

Ou seja: qualquer valor que você ganhe acima de €54,367 (R$ 130 mil) é taxado em 52% !!!

Isso significa que uma pessoa que receba R$ 10 mil por mês no Brasil (brutos), considerando o décimo-terceiro, está no limite máximo da Holanda. A partir daí, não vale a pena aumentar o salário demais: se você receber R$ 15 mil, pagará 52% de imposto sobre os R$ 5 mil excedentes. Se você receber R$ 20 mil, pagará 52% sobre os R$ 10 mil excedentes. Se ganhar R$ 100 mil… bom, você entendeu a idéia.

Com isso, a Holanda consegue ter uma distribuição de renda mais justa: poucos recebem mais do que €54,367 por ano, e, os que recebem, pagam mais imposto por isso.

Enquanto isso, no Brasil, a turma do Cansei continua a reclamar do imposto de 27,5%…

Eu escrevi mais sobre isso no meu blog: http://capitao-obvio.blogspot.com/

Responder

    Klaus

    06/12/2011 - 15h06

    Como são as estradas, escolas e hospitais na Holanda?

    M. S. Romares

    06/12/2011 - 15h55

    E quantos anos de civilização nos separam? Na Holanda eu duvido muito que tiveram a "sorte" de eleger tucanos.

    Klaus

    06/12/2011 - 16h41

    Verdade, a Holanda é conhecida pelos seus governos de esquerda.

    Marcio H Silva

    06/12/2011 - 18h01

    A Holanda criou também a companhia da indias ocidentais e ficaram seculos roubando as américas e ásia.

    foo

    06/12/2011 - 18h48

    De nada adianta culpar os holandeses de hoje pelo que fizeram no passado, assim como não adianta culpar os portugueses de hoje pelo que fizeram no Brasil até a independência. O que está feito está feito, infelizmente não há como mudar.

    Precisamos aprender com a história — evitar os mesmos erros, e aproveitar os acertos.

    Klaus

    06/12/2011 - 20h14

    Eles roubaram durante séculos e fizeram um país; nós matamos e escravizamos e não fizemos nada.

    CC.Brega.mim

    12/12/2011 - 21h55

    "nós" matamos e escravizamos?
    nós quem cara pálida?
    não seria fomos mortos e escravizados?

    ou você tem grana o bastante para se identificar com o colonizador?

    foo

    06/12/2011 - 18h14

    Na verdade a Holanda tem, nesse momento, um governo de direita.

    O importante, porém, é que o princípio de igualdade está fortemente disseminado na cultura holandesa.

    A idéia de que uma pessoa possa ganhar 10 ou 20 vezes mais do que a outra é quase que impensável.

    No Brasil os deputados ganham quase 50 salários mínimos — e, se deixarmos, isso não vai diminuir nunca. Também escrevi um post sobre isso: http://capitao-obvio.blogspot.com/

    oalfinete

    06/12/2011 - 15h57

    A luta é por impostos mais baixos ou serviços melhores?

    Imposto sobre lucro tem de ser alto e ponto final.

    Junte suas forças para lutar por um bom uso dele!

    Attila Louzada

    06/12/2011 - 16h55

    Tá bom, boa pergunta. E como são as nossas? Só que eu sou professor universitário no topo da carreira e deixo mais de um vencimento mensal a título de imposto de renda. E os altos executivos, também deixam? Os 27,5% são os mesmos. Isso é distribuição equânime?

    foo

    06/12/2011 - 18h10

    Como funciona o sistema holandês.

    Se o sujeito recebe 2000 euros por mês (R$ 4.800), que é considerado um bom salário, isso dá 24 mil euros por ano. (Na holanda não há décimo-terceiro obrigatório.)

    Nesse caso, ele paga:

    * 1.85% sobre os primeiros €18,218 = €337
    * 10.8% sobre o restante = €624

    Ou seja: ele vai pagar 624 + 337 = €961, um imposto de 4% sobre o seu salário anual.

    No Brasil, este sujeito que ganha R$ 4.800,00 vai pagar o mesmíssimo imposto do que o cara que ganha R$ 10, 20 ou 30 mil: um total 27,5%.

    O sistema brasileiro é pesado para quem ganha menos, e leve para quem ganha mais.

    Emilio Matos

    06/12/2011 - 18h45

    Não é exatamente assim o sistema brasileiro. Também há faixas e a conta é feita do mesmo modo que na Holanda. Não é exatamente verdade que quem ganha 4.800 vai pagar os mesmos 27,5% que quem ganha 30.000. Vai pagar menos, pelo mesmo motivo que você mostrou para o caso holandês.

    O que acontece é que há menos faixas e já em um patamar bem baixo se atinge a alíquota máxima de 27.5%, o que diminui muito o efeito.

    Klaus

    06/12/2011 - 20h13

    Você está errado. No Brasil é a mesma coisa que na Holanda. Você esqueceu da parcela a deduzir do imposto de renda pessoa física. Na prática, ela faz o mesmo que na Holanda. Acesse o link abaixo, no site da Receita e calcule a alíquota efetiva de seu salário.
    http://www.receita.fazenda.gov.br/Aplicacoes/ATRJ

    Emilio Matos

    06/12/2011 - 17h25

    São bons. Qual é a lógica da pergunta? Acha que se baixassem os impostos melhorariam mais?

    Daniel

    06/12/2011 - 17h32

    Bom, aí você se complicou… Se o povo lá paga muito imposto então tem serviços melhores, aqui como se paga menos imposto, os serviços são piores. O pessoal do "Cansei" quer um serviço holandês "pagando" imposto brasileiro. (Rico pagar imposto no Brasil é eufemismo)

    Klaus

    06/12/2011 - 20h08

    Nós já pagamos muito imposto, ninguém pode negar: 35% do PIB em 2010. Pagamos imposto holandês e recebemos serviços surinamês.

    Lu_Witovisk

    06/12/2011 - 20h38

    Não exagere. Não esqueça que somos 200 milhões.

    Lucas

    06/12/2011 - 22h16

    Sim, mas não se paga de maneira justa. Os mais pobres e a classe média estão sobrecarregados de impostos, enquanto os mais ricos pagam uma parcela ínfima de seu patrimônio como imposto. É mais economicamente eficiente fazer o contrário, já que, afinal, são os pobres e a classe média que, em conjunto, formam a locomotiva da economia, consumindo os produtos produzidos pela agricultura, indústria e serviços.

    Sem falar, é claro, que isso promove uma melhor redistribuição de renda, o que é moralmente e socialmente desejável.

    Emilio Matos

    07/12/2011 - 11h53

    Esse é o típico chavão simplista feito para convencer desavisados, pra pegar bem leve.

    35% de imposto sobre um PIB per capita de 12 mil dólares fornecem uma arrecadação para o governo de cerca de 4 mil dólares por pessoa.

    Suponha que a Holanda tenha a mesma carga tributária de 35% e um PIB per capita de 30 mil dólares (não vou me dar ao trabalho de pesquisar os números exatos, para o que quero falar esses números servem, e os números exatos só iriam evidenciar ainda mais o meu ponto). Com isso, a arrecadação holandesa seria de cerca de 10 mil dólares por pessoa.

    Dá pra entender, cara pálida? Contar a história de que os dois países teria o mesmo orçamento para gastar, porque teriam a mesma carga tributária de 35% é uma historinha pra boi dormir e pra otário ou mal-intencionado acreditar.

    Com os mesmos 35% de carga, um país tem mais do dobro do dinheiro pra gastar com cada habitante.

    O Brasil tem carga tributária de Brasil e serviços de Brasil. O resto é pagagaiada de Veja.

    Henry

    06/12/2011 - 22h07

    E daí tamo ferrado Foo…se comparar com as estradas do interior paulista que estão intransitáveis!! é só buraco a rodovia que liga Presidente Prudente ao Norte do Paraná!!! É a "Jestão tucana" que funciona muito bem na mídia e taxando tudo, inclusive mantendo e implantando os pedágios abusivos!!!

    foo

    06/12/2011 - 17h54

    As estradas holandesas são tão boas quanto as paulistas; o sistema de saúde é privado, e todo mundo precisa ter um plano de saúde. Quem não pode pagar por um plano particular usa o plano de saúde do Estado. Todos os planos são tratados de maneira igual.

    Essa é a diferença fundamental entre a Holanda e o Brasil: a Holanda preza a igualdade. O salário mínimo na Holanda é de 1200 euros; se você recebe três salários mínimos, já está na faixa mais alta de imposto. É isso o que faz com quetodo mundo ganha entre 1200 e 3600 euros.

    Se a gente quer uma sociedade mais igualitária, nós *precisamos* ter um imposto de renda escalonado, onde o sujeito que ganhe mais pague mais.

    @hugohagogo

    07/12/2011 - 18h18

    Depois de alguns séculos sugando as colônias ultramarinas qualquer pais na Europa pode esbanjar infraestrutura, de fato, até hoje, ainda há a transferência imoral das riquezas dos países em desenvolvimento para os bancos europeus, seja em forma de remessa dos lucros ou pagamentos de juros da dívida. Então, para finalizar, é melhor entender o contexto da história antes de afirmar essa falácia de serviços básicos bem prestados dos países ricos, pois, se seguirmos o rastro, é com nosso dinheiro que eles bancaram e bancam esse luxo todo.

    Norberto

    07/12/2011 - 10h48

    na Holanda, todos q pagam impostos recebem beneficios sociais por eles, já q a população é MUITO MAIS HOMOGÊNIA (social e economicamente) q a brasileira…

    aqui, imposto é um processo de TRANSFERENCIA DE DINHEIRO… quem paga imposto, financia quem não tem nada…

    quem paga imposto financia saude publica pra quem não tem saude… financia escola pra quem não tem escola… etc, etc, etc…

    mas na maioria esmagadora dos casos, quem paga imposto não usa os serviços sociais pagos pelos impostos!

    só isso já é uma diferença ENORME entre Brasil e as Holandas da vida…

    Yara

    07/12/2011 - 15h44

    Então Norberto, você deveria ler mais sobre o sistema tributário brasileiro. Se o fizesse, veria que o imposto que realmente sustenta o país é sobre produtos e serviços. E que proporcionalmente, são os pobres e não somente a ressentida classe média quem sustenta o país. Porque se somarmos imposto sobre salário + imposto sobre propriedade não dá 50% do total de contribuição de imposto do país (Fonte: http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/fernando-…. Agora, quando estiver muito preocupado com os pobres que se enconstam nos "classe média", aumente o salário da sua empregada doméstica de um salário mínimo para 4 mil reais, como é o salário de uma empregada na Suécia. Aí ela também poderá pagar mais impostos e não ser "sustentada", como você pensa.

    Norberto

    07/12/2011 - 16h42

    1) Sua empregada deve ser muito bem paga!

    2) tirando o blá blá blá, onde estou errado?

    a população da Holanda não é MUITO mais homogenea social e economicamente q a brasileira?
    os impostos, no Brasil, não são um instrumento fortissimo de "transferencia de renda"?

    3) dizer q "proporcionalmente" o pobre paga mais impostos q o rico (ou classe média) é sofisma!

    4) apontei uma diferença, sem fazer nenhum julgamento de valor… foi a Sra e não eu q chegou a "brilhante" conclusão q os pobres se encostam na classe média! Eu descrevi um FATO… a Sra o qualificou (e colocou a SUA qualificação como sendo um pensamento meu)

Adilson

06/12/2011 - 12h24

Laudabilíssima a iniciativa, concordo plenamente…Mas Jandira que se prepare para a ira do baronato midiático.

Responder

Emilio Matos

06/12/2011 - 12h01

A concentração de renda brasileira é tão forte que parece que qualquer que seja o nível de corte, ainda continua a desigualdade. Para que 1000 pessoas com patrimônio maior que 100 milhões com alíquota máxima de 2,1% arrecadem 10 billhões, o patrimônio médio tem que ser perto de 480 milhões de reais. Ou seja mesmo cortando em 100 milhões de reais, a maior parte do patrimônio deve estar com os 10% mais ricos…

Responder

Daniel

06/12/2011 - 11h21

Já tivemos a CPMF e a arrecadação não foi para a saúde. Um novo imposto também não irá.
A questão não é a criação de um novo imposto e sim a gestão dos que já existem.
Na verdade os problemas de saúde, educação e segurança são permanentes.
Daqui a 200 anos estaremos debatendo os mesmos assuntos…

Responder

    Filipe Rodrigues

    06/12/2011 - 11h48

    O que a gente tem visto ultimamente é "jestão".
    Tem que taxar os mais ricos mesmo, esse dinheiro arrecadado não vai fazer falta para qualquer ricaço, com gestão ou não, recurso para a saúde tem que ser infinito…

    Daniel

    06/12/2011 - 12h43

    Não sou contra o imposto, só digo que não vai para a saúde. Mas notei um certo ressentimento contra os ricos no seu comentário, mas pode ser impressão minha.

    carolina

    06/12/2011 - 16h53

    ressentimento??? sou psi na rede municipal perto de SP. Vc nao tem ideia do que é ver crianças chorando de FOME quando chegam aqui no Cras. Familias que vivem com uma renda per capta de 70 reais, vc tem noção do que é isso ou tem alguma doença mental?

    a questao nao é pela igualdade comunista de distribuiição de renda. é ter o minimo. esses 27 milhoes de pobres precisam de um minimo de dignidade.

    fico p. da vida com pessoas ignorantes.

    Daniel

    06/12/2011 - 18h21

    Distribuição de renda não tem a ver só com impostos para os ricos, que sou a favor, ou você não entendeu o que escrevi (isso sim é ignorância)? E o desperdício do Estado? E os milhões que vão para mordomias da classe política? E o que se perde com a corrupção? E o que será desperdiçado com a Copa e Olimpíadas?
    Cria-se mais um imposto, mas não se faz as reformas necessárias. É disso que estou falando.

    Lu_Witovisk

    06/12/2011 - 20h44

    Daniel, por isso é contribuição para a Saude. Não vai para o cofre comum do governo, só poderá ser gasto com saúde.

    Ler o texto com mais atenção ajuda.

    Norberto

    07/12/2011 - 10h51

    igual a CPMF…

    sei, sei

    Lucas

    06/12/2011 - 14h00

    Mesmo que não vá pra saúde, taxar os mais ricos é bom começo. Pra algum lugar esse dinheiro vai, e qualquer lugar é mais socialmente produtivo do que o bolso dos milionários.

    Francisco

    06/12/2011 - 19h41

    "Um novo imposto também não irá"… Ao invés de ficar com papo furado, me diz aí o resultado da megassena, você que prevê o futuro tão bem.

    Daniel

    07/12/2011 - 14h13

    No Brasil não é muito difícil prever o futuro. Até você conseguiria, se estivesse atento.

Klaus

06/12/2011 - 11h09

O Imposto sobre Grandes Fortunas terá no Brasil o mesmo sucesso que tem no resto do mundo.

Responder

    Valdeci Elias

    06/12/2011 - 16h37

    No futuro vamos ter o sistema de saúde inglês, o sistema seguridade-social norueguês, o sistema educacional japonês.

    H. Back™

    07/12/2011 - 15h40

    Aí seria um inferno na Terra. Explico; não haveria o incentivo para a criatividade do ser humano, pois o que nos move e faz com que sintamos a vida é justamente o "empurrão" das dificuldades e as vicissitudes da vida.

    Thiago_Leal

    07/12/2011 - 19h41

    Hahahaha, eu não acredito que estou lendo isso…

mello

06/12/2011 - 11h02

Parabéns aos doutores Aluizio e Jandira. A argumentação e as respostas da Deputada atestam o verdadeiro compromisso da proposta, o conhecimento de causa e a intenção em melhorar o atendimento à população. Resta torcer para que os poderosos não sabotem a aprovação de tão meritório projeto.

Responder

Giorgio

06/12/2011 - 10h52

Alem dessa medida, poderiam cancelar todas as propagandas pagas na midia privada feitas pelos governos. Isso tenho certeza, arrecadaria mais ainda, somando-se a essa lei de imposto sobre riquezas.

Responder

Jandira Feghali: Taxar 997 milionários levantaria R$ 10 bi para a saúde pública

06/12/2011 - 10h33

[…] por Mario Lobato por Luiz Carlos Azenha no Vi o Mundo A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados deve apreciar nesta […]

Responder

souza santos

06/12/2011 - 10h15

Parabéns ao Dr. Aluizio ( PV ) pela iniciativa.

Responder

Carlos Nunes

06/12/2011 - 10h14

O que vai bombar agora é o arrendamento mercantil ( leasing ).
Os empresarios vão preferir arrendar em nome da empresa, abater imposto com as despesas da operação, e
ter o uso do bem sem aumentar o patrimonio fugindo de ser taxado nessa nova contribuicao.
Vou dar um chute aqui, se passa essa lei, vai surgir leasing pra todo tipo de bem…

Responder

Jorge Nunes

06/12/2011 - 10h12

A cultura dos ricos dos EUA e dos da Europa é bem diferente dos ricos brasileiros. Nos EUA eles são patriotas e no Brasil a eles tem a mente colonizada. Toda produção industrial do Brasil foi feita a base de "maluco" e não de esforço da elite brasileira. O milionários brasileiros são mais financistas.

Responder

    Lucas

    06/12/2011 - 14h03

    Os riscos europeus e estadunidenses são tão pouco patrióticos quanto qualquer um. Montam suas empresas na China onde pagam salário de fome, e deixam os trabalhadores de seus países à míngua.

    O Capital não tem pátria.

chicorasia

06/12/2011 - 10h01

Não tenho como escutar a resposta da deputada à segunda pergunta, mas gostaria de arriscar o meu próprio comentário, com meus (ainda) parcos conhecimentos do velho Karl Marx:

Com ou sem imposto, o capitalista não perderá o incentivo a produzir riquezas ou, como diria o velho Karl, retirar dinheiro da circulação, pois é da natureza do capitalista fazer essa retirada. Um capitalista que não acumula, ou seja, que não retira dinheiro da circulação, não é um capitalista. Oras, essa retirada somente é possível mediante a apropriação da mais-valia, e não pela isenção tributária (a isenção não é capaz de produzir a mais-valia da qual o capitalista necessita,. mais até que o oxigênio que este respira, pois não se trata de um indivíduo mas uma classe, e classes, como todos sabemos, são papeis desempenhados por indivíduos e não os indivíduos em si).
Em outras palavras: com ou sem taxação sobre as fortunas, a "produção de riqueza", seja pelo trabalho, seja pelo sistema de crédito, continuará funcionando.

Responder

    Norberto

    07/12/2011 - 10h57

    cidadão…

    vc acha mesmo q as fortunas acumuladas estão "fora de circulação"???????????????

    pelo amor de Deus, não fale uma bobagem dessas!

Julio Silveira

06/12/2011 - 09h52

Aos poucos, lentamente as pessoas vão tendo consciencia do que é cidadania. Os acumuladores de riqueza acreditam que nada devem de suas fortunas a sociedade. Que tudo é fruto unica e exclusivamente de suas inteligencias e seus trabalhos, esquecem que isso só ocorreu por que a sociedade contribuiu, e eles são devedores sim. O estado, e seus principais representantes, tem obrigação de trabalhar para que os egoismos desses cidadãos não prevaleçam sobre o bem estar coletivo da sociedade, a qual estão inseridos. Parabéns a Jandira.

Responder

    Renato

    07/12/2011 - 07h31

    Quero perguntar para o meu inimigo socialista Julio Silveira, se eu acumulei $$$ e propriedades, não gastando, ou seja, como vocês falam, tirando $$$ de circulação. COmo é que a sociedade me ajudou? eu quero que vcs socialsitas se explodam e vivem em Cuba.
    Exijo Publicação.

Fernando

06/12/2011 - 09h38

Começará no PIG um festival de denúncias contra a deputada Jandira.

Responder

baader

06/12/2011 - 09h22

publicado no "correio paulistano": "Fugiram em dias de Março do corrente anno, da fazenda de José Fernando d"Almeida Barros do município de Piracaba, os escravos: Pantaleão, alto, fulo, nariz afilado, boa dentadura, bahiano, falla macia, 30 annos. Fernando, preto, baixo, corpulento, boa dentadura, bahiano, boa dentadura, 25 annos, mais ou menos. Estes escravos foram trazidos a esta província há pouco tempo, pelo Sr.Raphael Ascoli; levaram alguma roupa fina e blusa de baeta vermelha; e offerece-se uma boa gratificação a quem os prender e entregar ao seu senhor ou em S.Paulo ao sr.José Alves de Sá" anúncio de 15/4/1874. um país que tem esta mancha na sua história justifica uma elite que acha que todo o aparato estatal deve estar a seu serviço.

Responder

    Lu_Witovisk

    06/12/2011 - 10h00

    Pô, mas ja estamos em 2011…. as mumias vão acordar pra realidade quando?

Marat

06/12/2011 - 09h08

O Brasil sempre esteve nas mãos de uma meia dúzia de malandros, tais como latifundiários ou oligopolistas, quando não, coronéis. Essa gente nem pode ouvir falar de impostos, que já correm para suas fortalezas, como a FIESP ou os jornais, e até criam os impostôrmetros… Tá na hora de eles serem tratados como devem ser tratados!

Responder

CLÁUDIO LUIZ PESSUTI

06/12/2011 - 09h06

Sabe quando , se se mantiver a atual linha do governo Dilma, que este projeto será apoiado e sancionado pela presidenta Dilma?No dia em que o Sargento Garcia prender o Zorro , como diria a Eliana Calmon.Este governo atual quer é beneficiar e desonerar empresários, e , ao mesmo tempo, acabar com a aposentadoria integral do servidor, arrochar salários do funcionalismo .Para este governo, infelizmente, para a surpresa minha, a culpa pelos problemas não é dos juros, da sonegação fiscal, da concentração de renda nos altos extratos.O problema são os funcionários públicos.Não é a concentração fundiária, nem a corrupção, são os salários do funcionalismo.O próprio Mantega falou que se preocupa mais com pleito salarial de funcionário público do que com a crise internacional.Estão igualzinhos ao PSDB.Imposto sobre os ricos???Vai sonhando!!!!

Responder

    H. Back™

    07/12/2011 - 23h02

    Sr. Cláudio, só prá eu entender melhor o que você postou, pergunto: você é funcionário público?

    CLÁUDIO LUIZ PESSUTI

    09/12/2011 - 07h49

    Com muito orgulho, agora pergunto, o fato de eu ser funcionário público ou não altera a realidade dos fatos narrados?Se para você isso é verdade, só peço isonomia:quando você ligar a TV ou rádio e vir aquele Sardenberg de sempre defender aumento de juros como medida de "austeridade", pergunte pra ele se ele trabalha a soldo, empregado ou não, do sistema financeiro.E também quando alguém ficar defendendo o governo, pergunte se ele é do PT ou coisa parecida.Isto se chama análise subjetiva o que você insinua no seu post:tudo seria explicado não pela objetividade factual, mas sim pela pessoa ser isso ou aquilo.Repense este tipo de posicionamento sr Back…

Lu_Witovisk

06/12/2011 - 08h32

Aeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee Jandira!!!! Nossa, esses 997 com fortunas acima de 100 milhões é um numero que choca. Como pode?

Preparemo-nos, o PIG vai vociferar loucamente.

A-M-E-I a resposta da Jandira!!!! "qual beneficio ele gera para a sociedade com o seu patrimonio??" :D

Parabéns Azenha pela entrevista!

Responder

    Marat

    06/12/2011 - 09h09

    Falou tudo: O PIG vai vociferar, e depois chafurdar…

SILOÉ-RJ

06/12/2011 - 03h25

ETA LÊ LÊ!!! Dificil de acreditar!!! Esse é um sonho sonhado por todos os brasileiros há décadas. Contanto que a votação seja aberta!!! É A HORA da ONÇA beber água, e se os parlamentares não deram … serão engolidos por ela.
OH!!! dúvida cruel!!! ou o jabazão ou a reeleição!!!

Responder

    Rubens X. Almeida

    06/12/2011 - 18h08

    Olha SILOÉ,eu não te conheço pessoalmente,mas as coisas que voce escreve me mostram algumas realidades do nosso país e me alimentam bastante. UM GRANDE ABRAÇO….Kim marido da Fanní.

Ana Paula

06/12/2011 - 02h03

Essa piada do tickle-down foi ótima:
http://10cities10years.files.wordpress.com/2011/0

Responder

Deixe uma resposta