VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Paulo Henrique Amorim revela quem eram os “idiotas” e o “cafetão” das suas anotações de repórter; FHC entregou a Petrobras antes de sair candidato, relembra

02 de setembro de 2015 às 23h32

PIG, ou Partido da Imprensa Golpista, foi uma expressão criada pelo deputado Fernando Ferro (PT-PE) que Paulo Henrique popularizou

por Luiz Carlos Azenha

Fomos correspondentes ao mesmo tempo, em Nova York. Ele, na Globo; eu, na TV Manchete. Na rede norte-americana CNN, ele me sucedeu como colaborador do programa World Report, que reproduzia reportagens de jornalistas estrangeiros baseados nos Estados Unidos. Temos o mesmo hábito: fazer anotações em blocos de notas sobre as conversas com entrevistados.

Pois Paulo Henrique Amorim, aos 50 anos de carreira, decidiu contar, a partir de suas anotações, os bastidores das coberturas jornalísticas que viveu.

Fez isso no livro O Quarto Poder — Uma Outra História, que será lançado na noite desta quinta-feira na Livraria Saraiva do Shopping Higienópolis, a partir das 19h30m.

Poucos leitores, ouvintes e telespectadores se dão conta de que, na carreira de um repórter, mais da metade do que ele vê, ouve ou apura nunca é publicado, seja por falta de confirmação imediata, por desagradar editores ou patrões. Detalhes saborosos — às vezes essenciais — da notícia acabam morrendo ali, no bloco de anotações.

Tenho um exemplo pessoal: quando Bonn ainda era capital e a Alemanha Ocidental existia, fui até lá entrevistar o então embaixador dos Estados Unidos, Vernon Walters. Na Segunda Guerra Mundial, ele foi o oficial de ligação entre o Exército dos Estados Unidos — Walters era coronel — e os soldados da Força Expedicionária Brasileira (FEB), despachados para lutar na Itália sob comando norte-americano.

Na entrevista, Walters foi só elogios à bravura e à capacidade dos soldados brasileiros. Desligada a câmera, passou a contar o “outro lado”: sem uniformes adequados para o inverno europeu e despreocupados com a guerra, os brasileiros acendiam fogueiras durante a noite para enfrentar o frio e ele tinha de despachar subordinados para explicar aos aliados que, com o fogo, se tornavam alvo fácil para a artilharia inimiga.

Em O Quarto Poder, Paulo Henrique narra episódios politicamente relevantes deste “outro lado”. Por exemplo, sobre seu vizinho de bairro, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Como se sabe, FHC fez mudanças importantes na Constituição durante seus dois mandatos.

Relembrando…

AS CINCO MUDANÇAS CONSTITUCIONAIS PROMOVIDAS POR FHC:

1) Mudou o conceito de empresa nacional. A Constituição de 1988 havia estabelecido uma distinção entre empresa brasileira de capital nacional e empresa brasileira de capital estrangeiro. As empresas de capital estrangeiro só poderiam explorar o subsolo brasileiro (minérios) com até 49% das ações das companhias mineradoras. A mudança enquadrou todas as empresas como brasileiras. A partir dessa mudança, as estrangeiras passaram a poder possuir 100% das ações. Ou seja, foi escancarado o subsolo brasileiro para as multinacionais, muito mais poderosas financeiramente do que as empresas nacionais. A Companhia Brasileira de Recursos Minerais havia estimado o patrimônio de minérios estratégicos brasileiros em US$ 13 trilhões. Apenas a companhia Vale do Rio Doce detinha direitos minerários de US$ 3 trilhões. FHC vendeu essa companhia por um valor inferior a que um milésimo do valor real estimado.

2) Quebrou o monopólio da navegação de cabotagem, permitindo que navios estrangeiros navegassem pelos rios brasileiros, transportando os minérios sem qualquer controle;

3) Quebrou o monopólio das telecomunicações, para privatizar a Telebrás por um preço abaixo da metade do que havia gastado na sua melhoria nos últimos 3 anos, ao prepará-la para ser desnacionalizada. Recebeu pagamento em títulos podres e privatizou um sistema estratégico de transmissão de informações. Desmontou o Centro de Pesquisas da empresa e abortou vários projetos estratégicos em andamento como capacitor ótico, fibra ótica e TV digital;

4) Quebrou o monopólio do gás canalizado e entregou a distribuição a empresas estrangeiras. Um exemplo é a estratégica Companhia de Gás de São Paulo, a COMGÁS, que foi vendida a preço vil para a British Gas e para a Shell. Não deixou a Petrobrás participar do leilão através da sua empresa distribuidora. Mais tarde, abriu parte do gasoduto Bolívia-Brasil para essa empresa e para a Enron, com ambas pagando menos da metade da tarifa paga pela Petrobrás, uma tarifa baseada na construção do Gasoduto, enquanto que as outras pagam uma tarifa baseada na taxa de ampliação;

5) Quebrou o Monopólio Estatal do Petróleo, através de uma emenda à Constituição de 1988, retirando o parágrafo primeiro, elaborado pelo diretor da AEPET, Guaracy Correa Porto, que estudava Direito e contou com a ajuda de seus professores na elaboração. O parágrafo extinto era um salvaguarda que impedia que o governo cedesse o petróleo como garantia da dívida externa do Brasil. FHC substituiu esse parágrafo por outro, permitindo que as atividades de exploração, produção, transporte, refino e importação fossem feitas por empresas estatais ou privadas. Ou seja, o monopólio poderia ser executado por várias empresas, mormente pelo cartel internacional.

Como registrado em O Quarto Poder, Paulo Henrique Amorim estava lá quando isso aconteceu.

Ele testemunhou a promessa de FHC, ex-ministro da Fazenda de Itamar Franco, de “entregar” a Petrobras ao Fundo Monetário Internacional como garantia da dívida brasileira.

Paulo Henrique registrou as palavras elogiosas de Michel Camdessus, o francês que era diretor-gerente do FMI, ao Príncipe da Sociologia — e da Privataria.

Segundo o repórter, foi o que pavimentou o caminho de FHC rumo ao Planalto.

Outras anotações iluminam aquele momento em que as câmeras estão desligadas.

Uma delas traz a palavra “idiotas” para descrever herdeiros de um império ameaçado de morrer.

Noutra, “cafetão” é dito pelo cacique baiano Antonio Carlos Magalhães para descrever um ex-ministro que supostamente fazia o papel de arranjar namoradas para o chefe.

No vídeo acima, Paulo Henrique explica quem é quem nas anotações. E conta os bastidores de seu embate com o banqueiro Daniel Dantas, acusado pelo jornalista de mandar espioná-lo e à sua família.

PS do Viomundo: Logo na edição do Agora mostrada no vídeo, tinha uma notícia sobre o Fluminense!

PS2 do Viomundo: Cobri as visitas de José Sarney a Ronald Reagan e de Fernando Collor a George Bush, mas não a de FHC a Clinton mencionada por Paulo Henrique no vídeo. Um leitor me mandou a “preciosidade” abaixo, de uma entrevista que dei à CNN na sala de imprensa da Casa Branca, falando sobre a visita de Collor:

Captura de Tela 2015-09-03 às 01.01.51

 

Leia também:

Conceição Lemes: Neto de ditador Figueiredo é sócio de Donald Trump

 

21 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Re

12/09/2015 - 19h48

Azenha, estava aqui pensando: não sei até que ponto vocês têm dificuldade de sobreviver fora das empresas de mídia e manter o blog, mas cada vez mais me dou conta do quanto foi importante vocês terem ido para a internet e se tornado sujos. Portanto, resistam. Como vocês têm muita experiência tanto lá quanto cá, detêm uma porção de histórias sobre esse sofrido Brasil, de vários ângulos.

Responder

Re

12/09/2015 - 19h23

É legal esses resgates, né, Azenha? Como esse vídeo com vc jovenzinho!
Qualquer dia lança também as anotações de bastidores da sua caderneta, afinal, não deve haver muitos jornalistas que como você e o Paulo Henrique Amorim registrem com caneta e papel, rs.

Responder

Nelson

10/09/2015 - 17h05

Somente essas cinco mudanças constitucionais já mostram o quão vende-pátria foi o governo FHC.

Se formos vasculhar o restante das medidas tomadas por FHC – privatizações (doações, na verdade) e desregulamentações e reformas feitas deliberadamente para destruir o setor público -, creio que não haverá margem a dúvidas em qualificá-lo como o mais deletério e corrupto governo já impingido ao povo brasileiro.

Responder

Marat

05/09/2015 - 23h08

Arrisco dizer (e espero alguém de peso escrever sobre…) que as aventuras extraconjugais de FHC com as “profissionais” de impren$a de Brasília foram um fator determinante (além de sua subserviência ao terrorista Clinton) para a destruição do estado brasileiro… As fêmeas no cio, oferecendo ao narciso tupiniquim, um furo em troca de furos, minaram muitas das possibilidades (além do engavetardor) de crescimento deste belo e infausto país!

Responder

Bacellar

04/09/2015 - 15h01

Alguém com bastante contatos (tipo LCA) tinha que criar um blogue só para que jornalistas pudessem vazar seus offs com segurança e visibilidade, mesmo que fossem “frios”…

Como fotógrafo também posso afirmar que não clicamos nem 50% daquilo que presenciamos; as vezes por medo, as vezes por respeito à dignidade do retratado, as vezes por sermos impedidos na truculência, boa parte das melhores imagens ficam apenas na memória mesmo.

Quanto a FEB na Itália, meu saudoso avô José Firmino esteve lá e contou essa história dos uniformes de nosso exército…Não é que eles eram burros ao acender fogueiras; estavam é congelando mesmo. E os ianques resolveram a situação fornecendo casacos para inverno.

Responder

luiz dos Santos

04/09/2015 - 10h29

Prezado Franco Atirador,

A sua afirmacao esta errada. Nem a Arabia Saudita que nao explora nas profundezas tem custo maior que esse.Talvez voce pudesse nos informar de onde conseguiu essa informacao. Obrigado

Responder

Cláudio

04/09/2015 - 03h13

:

: 03:13

Seja bom, seja melhor ainda: seja progressista ! ! ! !

* 1 * 2 * 13 * 4
*************
L ivrando da pobreza absoluta 40 milhões de brasileiros
U m feito sem igual que por si só já bastaria
L ula segue sendo no mundo um dos primeiros
A fazer de seu povo a eterna rima rica de sua poesia
… .
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
Ley de Medios Já ! ! ! ! Lula 2018 neles ! ! ! !
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

Valeu a pena ! ! ! ! Dá gosto ser o cantor do seu povo ! ! ! !

Responder

C.Paoliello

03/09/2015 - 17h15

GRÁFICA “FANTASMA” É LEGAL E PRESTOU SERVIÇOS AO PSDB TAMBÉM:

http://www.redebrasilatual.com.br/blogs/helena/2015/09/grafica-que-gilmar-mendes-quer-investigar-ja-prestava-servicos-ao-psdb-8020.html

Responder

Urbano

03/09/2015 - 16h12

E os bandidos da oposição ao Brasil sabem perfeitamente que o Eterno Presidente Lula não é da laia deles, mas ficam o apontando como tal. Quem poderia nomear um da oposição ao Brasil que não seja bandido? Deve haver, obviamente. Ou será unanimidade?

Responder

FrancoAtirador

03/09/2015 - 15h06

.
.
Por falar em Governo Federal nas Mãos do PSDB…
.
(http://naofo.de/79r6)
.
São Paulo, sexta-feira, 26 de maio de 1995
Folha de S.Paulo
.
MEDIDA DE FHC BENEFICIA A ODEBRECHT
.
Marta Salomon
Da Sucursal de Brasília
.
O Presidente Fernando Henrique Cardoso [PSDB-SP]
.
usou um Artifício Legal para levar adiante
.
a Construção da Usina Hidrelétrica de Igarapava.
.
O Consórcio Responsável pela Obra tinha sido
.
Escolhido Sem Licitação no Ano Passado,
.
mas um Artigo Incluído na Medida Provisória 991
.
[(http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/mpv/1990-1995/991.htm)
(http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/mpv/Antigas/1017.htm)
(http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9074cons.htm)],
.
Editada há Duas Semanas, Dispensou a Licitação
.
na Formação do Consórcio e Convalidou o Negócio,
.
cujo valor é de R$ 260 [DUZENTOS E SESSENTA] MILHÕES.
.
.
O Mesmo Artigo 24 Serviu para Tornar Legal
.
Outro Negócio no Setor Elétrico, de R$ 1,250 BILHÃO:
.
a Hidrelétrica de Itá, na Divisa de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.
.
A CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT
e suas Subsidiárias CBPO e TENENGE
são Responsáveis pelas Obras de Engenharia Civil
e pela Montagem de Itá e Igarapava.
.
A última versão da MP 991, que regulamenta a concessão de serviços públicos,
diz que “Ficam Convalidados Atos Praticados” para Formar Consórcio
de Geração de Energia Elétrica, “Precedido ou Não de Processo Licitatório”.
.
A REDAÇÃO DO ARTIGO FOI PROPOSTA
.
PELA CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT
.
AO PALÁCIO DO PLANALTO, EM FAX “CONFIDENCIAL”
.
enviado ao Secretário-Geral da Presidência,
.
Eduardo Jorge Caldas Pereira* [PSDB].
.
Igarapava inaugurou o Programa de Concessão
de Serviços Públicos à Iniciativa Privada.
.
Cinco Dias Depois da Edição da MP 991,
e Antes Mesmo de sua Aprovação pelo Congresso,
FHC já Assinava o Decreto de Concessão da Usina.
.
No Caso da Hidrelétrica de Itá,
a MP 991 deu Aval a uma Licitação
.
para o Consórcio entre a Eletrosul
e um Grupo de Empresas Privadas
.
Contestada pela AGU (Advogacia Geral da União)
e pelo TCU (Tribunal de Contas da União).
.
O Próprio FHC já havia Anulado a Licitação de Itá
devido a “Vícios Insanáveis”, Apontados
pelo Consultor José Márcio Monsão Mollo.
.
A MP 991, porém, “Consertou” as Falhas…
.
(http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1995/5/26/brasil/31.html)
.
.
[*] Eduardo Jorge: (http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1995/5/26/brasil/31.html)
.
Ministro Chefe da Secretaria-Geral da Presidência do Brasil
.
Período: 1º de janeiro de 1995 até 15 de abril de 1998
.
Antecessor(a): Mauro Durante
.
Sucessor(a): Eduardo Graeff
.
Partido: PSDB
.
Profissão : Economista
.
(https://pt.wikipedia.org/wiki/Eduardo_Jorge_Caldas_Pereira)
.
.

Responder

Roberto de Paula Gusmão

03/09/2015 - 14h28

Desculpem a ignorância. Mas porque ao longo desses 12 anos não houve tentativa, ou pelo menos não se ouviu falar, de reverter o quadro acima ? Principalmente durante o governo Lula, que tinha a popularidade muito mais em alta.

Responder

    Luiz dos Santos

    03/09/2015 - 17h58

    tenho a mesma duvida. Porque?

José Fernando da silva

03/09/2015 - 10h03

Fernando Ferro foi deputado pelo PT de Pernambuco e não da Bahia

Responder

FrancoAtirador

03/09/2015 - 09h31

.
.
NOVO RECORD DO PRÉ-SAL
.
PRODUÇÃO EM JULHO DE 2015:
.
1 MILHÃO DE BOE/D EM 54 POÇOS.
.
Aumento de 8,4% em relação a Junho.
.
1/9/2015
ANP*
.
PRODUÇÃO DO PRÉ-SAL NO MÊS DE JULHO ULTRAPASSOU A MARCA
.
DE 1 MILHÃO DE BARRIS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL POR DIA (boe/d)
.
A Produção do Pré-Sal, oriunda de 54 Poços,
foi de 812,1 Mil Barris Por Dia (bbl/d) de Petróleo
e 30,5 Milhões de Metros Cúbicos Por Dia (m³/d) de Gás Natural,
totalizando pouco MAIS DE UM MILHÃO DE BARRIS
DE ÓLEO EQUIVALENTE POR DIA (BOE/D),
um aumento de 8,4% em relação ao mês anterior.
.
LEI DE PARTILHA
Os Poços do “Pré-Sal” são aqueles cuja Produção
é realizada no Horizonte Geológico denominado Pré-Sal,
em campos localizados na área definida
no inciso IV do caput do art. 2º da Lei nº 12.351, de 2010
(http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12351.htm)**.
.
.
PRODUÇÃO TOTAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL NO BRASIL, EM JULHO,
.
SUPEROU OS 3 MILHÕES DE BARRIS DE ÓLEO EQUIVALENTE (BOE) POR DIA
.
A Produção Total de Petróleo e Gás Natural no Brasil no Mês de Julho
alcançou aproximadamente 3,066 Milhões de Barris de Óleo Equivalente (boe) Por Dia,
sendo 2,466 Milhões de Barris Diários de Petróleo
e 95,3 Milhões de Metros Cúbicos de Gás Natural.
.
.
*ANP = Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e BioCombustíveis
.
** Essa é a Lei de Partilha do Pré-Sal
que os Entreguistas de PSDB/DEM,
Comprados pela Exxon/Chevron,
querem revogar no Senado Federal.
.
(http://www.anp.gov.br/?id=2943)
(http://www.anp.gov.br/?pg=77434&m=&t1=&t2=&t3=&t4=&ar=&ps=&1441280450519)
.
(http://jornalggn.com.br/blog/alex-prado/pre-sal-ja-ultrapassa-1-milhao-de-barris-dia)
.
.

Responder

Julio Silveira

03/09/2015 - 07h39

Quando olho uma cena como essa fico pensando, dois grandes cidadãos, dois grandes jornalistas.
O Brasil tem grandes cidadãos e também grandes jornalistas.

Responder

Deixe uma resposta