VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Serra e Aécio fazem escola: Deputado tucano demite jornalista em Guarulhos

10 de julho de 2011 às 17h59

por Conceição Lemes

Não sei se a “doença” já está incorporada no DNA do PSDB ou se trata de “infecção” que  às vezes se transmite entre tucanos, especialmente os de alta plumagem. O fato é que alguns adoram pedir aos patrões da mídia corporativa a cabeça de jornalistas que perguntam ou escrevem sobre fatos que lhes desagradam.

O ex-governador José Serra (PSDB-SP) e o senador Aécio Neves (PSDB-MG) são “mestres” nesse tipo de censura e estão fazendo escola. O deputado federal Carlos Roberto de Campos (PSDB-SP) é o mais novo “adepto”. Nessa quinta-feira, 7 de julho, ele pediu e conseguiu a demissão do jornalista Ricardo Gomez Filho, do jornal Metrô News, sediado em Guarulhos e que circula nas estações do metrô de São Paulo.

Há um mês Ricardo denunciou um caso de nepotismo na Secretaria de Estado da Energia, comandada por José Aníbal – deputado federal licenciado do PSDB-SP. Em maio, o adjunto dele, Ricardo Achilles,  contratou o sobrinho Mateus Achilles Gomes para um cargo no departamento jurídico da Empresa Metropolitana de Águas e Esgoto (Emae), empresa subordinada à Secretaria.

Nessa semana, em entrevista agendada com o deputado Carlos Roberto de Campos para a Folha Metropolitana, Ricardo aproveitou a oportunidade e perguntou o que achava de Achilles ter contratado Gomes com o aval de José Aníbal. A Folha Metropolitana, outro jornal da empresa a que pertence o Metrô News, publica toda segunda-feira uma entrevista no formato pingue-pongue. A pergunta sobre nepotismo, que sairia de qualquer forma na segunda-feira, foi usada também em uma matéria para o Metrô News, da última quinta. O deputado Carlos Roberto é de Guarulhos.

Ricardo relembra: “Eu e o editor achamos oportuno questionar sobre nepotismo, já que Carlos Roberto vive criticando o governo federal e de outros estados, falando em ética, transparência, respeito, liberdade, essa coisa toda. Ele poderia ter se recusado a responder ou dizer que desconhecia o caso, mas optou por descer a lenha no colega de partido, e a matéria foi publicada”.

Ao tomar conhecimento da reportagem, Carlos Roberto foi à redação e exigiu que o diretor do Metrô News demitisse Ricardo.  Conseguiu. O jornal cedeu à pressão. Na própria quinta-feira à tarde, Ricardo foi despedido:

“Eu estava saindo da redação, que fica no terceiro andar, quando vi, de relance pelo vão da escada, o Carlos Roberto subir. A conversa nos corredores era tensa, ouvi eco de vozes, a dele se ouve de longe. O tom era de uma pessoa irada. Eu não tinha 100% de certeza de que fosse ele, apenas minha intuição indicava isso. Quando cheguei ao andar da diretoria [o primeiro], já haviam fechado as portas. Mais tarde, ao retornar, perguntei aos colegas sobre a visita e obtive a informação de que o Carlos Roberto estivera reunido com o diretor Orlando Reinas. Suspeitei do motivo. Era muita coincidência ele aparecer lá exatamente no dia que o Metrô News publicou a entrevista. Depois, o próprio pessoal da empresa começou a comentar. Quando cheguei à redação ouvi rumores, mas não dei muita importância. Mais tarde fui chamado pelo editor-responsável que me informou da demissão e o motivo. O deputado queria, por assim dizer, beber do meu sangue. Provavelmente ele foi advertido no PSDB e precisava, como me disseram, dar satisfação ao tucanato”.

Ricardo foi fiel à verdade dos fatos. Tanto que a matéria não foi desmentida. Desde sexta-feira, um dia após a demissão, conversei com ele algumas vezes, para saber mais detalhes do que aconteceu.

Viomundo  — Afinal, o que o Carlos Roberto disse que desagradou os tucanos?

Ricardo Filho – O tempo todo ele se diz defensor da ética e da transparência. Eu relembrei-o desse discurso e, aí, perguntei o que achava de o Ricardo Achilles, adjunto do José Aníbal ter contratado o sobrinho Mateus Achilles Gomes para um cargo no departamento jurídico da Emae, empresa subordinada à Secretaria de Energia, com o aval do próprio secretário, que é o Anibal.

“Não concordo”, ele me respondeu. “Defendo a transparência, a ética, tanto que no meu gabinete você não vai encontrar nenhum parente meu.”

Campos afirmou que condena a prática de nepotismo independentemente de coloração partidária e a atitude do adjunto de Aníbal é “imperdoável”, uma vez que existem outros profissionais capacitados para o exercer o cargo.

“Eu condeno  qualquer ação desse tipo”, prosseguiu. “Se ele [Achilles] contratou um sobrinho é porque quis proteger um parente. Isso é imperdoável.”

Viomundo – Você relatou exatamente o que ele disse?

Ricardo Filho — Claro que sim. A pergunta foi direta e a resposta também.

Viomundo – Você tem a gravação ou anotações dessa conversa?

Ricardo Filho – Sim, a gravação.

Viomundo – Quem é Carlos Roberto de Campos, além de deputado federal?

Ricardo Filho – Na verdade, é presidente do diretório municipal do PSDB e foi o 7º suplente na coligação PSDB/DEM. Quando Rodrigo Garcia (DEM) assumiu a Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado de São Paulo, ele cedeu a vaga na Câmara dos Deputados a Carlos Roberto. É um empresário de Guarulhos com várias fábricas no Brasil, Estados Unidos e Eslováquia.

Campos é dado a resolver as coisas no grito, da forma mais grotesca, mais marcante, mais ostensiva. Resolveria a questão com um telefonema, mas quis dar uma carteirada e mostrar quem manda na cidade. Guarulhos é “repartida” entre várias famílias, e o Carlos Roberto é um dos “cotistas”. O jornal, infelizmente, sucumbiu e cedeu.

Viomundo – Gostaria que você detalhasse o caso do sobrinho do adjunto do secretário José Aníbal, já que está na origem da sua demissão.

Ricardo Filho – Então vamos ao caso. O secretário-adjunto de Energia do Estado de São Paulo, Ricardo Achilles,  contratou, no mês de maio, o advogado Mateus Achilles Gomes para ocupar um posto na Empresa Metropolitana de Águas e Esgoto (Emae) com salários perto de R$ 9 mil. Gomes é filho de uma irmã de Achilles.

A informação chegou ao jornal por meio de uma denúncia. Ao tomar conhecimento, levei o caso aos editores e fui autorizado a apurar. Liguei para a assessoria de imprensa da Secretária de Energia e Emae. A estatal confirmou a contratação, mas afirmou que a admissão era absolutamente regular.

Tentei uma entrevista com Achilles ou com Aníbal, mas a assessoria de imprensa negou. Como a contratação havia sido confirmada pela Emae, a matéria foi publicada com as justificativas contidas na nota da empresa.

No dia seguinte, encaminhei o arquivo digital da reportagem ao Ministério Público de São Paulo. Também ouvi o diretor da Transparência Brasil, Cláudio Abramo, que nos assegurou se tratar de um caso de nepotismo e condenou a prática. Tentei falar com o governador, mas a assessoria de imprensa dele também negou a entrevista.

Dias depois, “forças ocultas” ligadas ao titular da pasta de Energia, José Aníbal, fizeram contato com a redação e pediram para “abafar” o caso.  O editor-responsável, todavia, disse que íamos continuar noticiando, porque o fato estava confirmado e por termos dado esse furo. Ele assumiu essa frente e continuamos a noticiar, aguardando que o MP se manifestasse. O que ainda não aconteceu. E Gomes continua no cargo.

No início da semana, eu tinha uma entrevista agendada com o deputado federal Carlos Roberto para ser publicada na Folha Metropolitana, nesta segunda-feira, 11 de julho. Como  o parlamentar vive falando em ética, transparência, respeito, liberdade, essa coisa toda, eu e o editor-responsável decidimos fazer uma pergunta  sobre  o episódio de nepotismo no governo do Estado de São Paulo. Foi para medir sua isenção e comprometimento com boas práticas para publicar no Metrô e também na Folha.

Era uma pergunta que serviria para a matéria sobre nepotismo e, claro, para constar na entrevista de segunda. Eu não tinha que fazer perguntas para encher a bola do deputado e, sim, saber sobre seu mandato e sobre sua postura como líder do PSDB na cidade.

Por exemplo, por que votou a favor do Projeto do Código Florestal. Também por que um dos vereadores do PSDB na Câmara Municipal (são três) critica os gastos da Prefeitura de Guarulhos na tribuna e nos jornais locais, mas, ao mesmo tempo, distribui panfletos elogiando os CEUs e se associa à imagem do secretário de Educação, Moacir de Souza, que é do PT. É uma posição contraditória, pois para Carlos Roberto tudo o que é do PT é negativo…

Ele poderia ter se negado a responder, dizer que desconhecia o caso ou outra coisa qualquer. Mas, como se apresenta como paladino da ética, resolveu falar e criticou de forma veemente o Achilles e, indiretamente, seu colega de partido, o deputado licenciado José Aníbal, um dos pré-candidatos do PSDB à Prefeitura. Eu não o obriguei a falar nada. Me limitei a perguntar e ele disse o que pensava do adjunto do secretário. A entrevista com o Carlos Roberto foi, digamos, a gota que faltava para o copo transbordar.

Viomundo – Quer dizer então que houve pressão em função da sua primeira matéria, denunciando o nepotismo?

Ricardo Filho – Sim, mas também recebi ligações de muitas pessoas elogiando a matéria e condenando a prática do nepotismo. Eu publiquei a reportagem também no meu blog, e é  uma mais lidas até hoje.

Viomundo – O que acha que passou pela cabeça do  Carlos Roberto? Que você estava perguntando sobre o nepotismo do adjunto do José Anibal só por perguntar?

Ricardo Filho – Talvez não esteja acostumado com o jornalismo que eu, particularmente, e o Metrô News defendemos (ou defendia?). Talvez esteja acostumado a lidar com a própria assessoria de imprensa…Sei lá…

Viomundo – E como você soube da demissão? Quem te comunicou?

Ricardo Filho – Eu fui demitido na quinta-feira, 7 de julho, mesmo dia em que a reportagem foi publicada.

Eu estava saindo da redação, que fica no terceiro andar, quando vi, de relance pelo vão da escada, o Carlos Roberto subir. A conversa nos corredores era tensa, ouvi eco de vozes, a dele se ouve de longe. O tom era de uma pessoa irada. Eu não tinha 100% de certeza de que fosse ele, apenas minha intuição indicava isso. Quando cheguei ao andar da diretoria [o primeiro], já haviam fechado as portas. Mais tarde, ao retornar, perguntei aos colegas sobre a visita e obtive a informação de que o Carlos Roberto estivera reunido com o diretor Orlando Reinas. Suspeitei do motivo. Era muita coincidência ele aparecer lá exatamente no dia que o Metrô News publicou a entrevista. Depois, o próprio pessoal da empresa começou a comentar. Quando cheguei à redação ouvi rumores, mas não dei muita importância.

Mais tarde o editor-responsável me chamou e informou da demissão e o motivo. Perguntei o que havia se passado, uma vez que estava pautado para fazer aquilo. Ele foi franco e explicou o que havia se passado, mas evitou dar muitos detalhes. Disse que também colocou o cargo à disposição, mas que não aceitaram a saída dele. Em outras palavras, o deputado queria, por assim dizer, beber do meu sangue. Provavelmente foi advertido no PSDB e precisava, como me disseram, dar satisfação ao tucanato.

Viomundo – Você já tinha vivido esse tipo de experiência?

Ricardo Filho — Trabalhei em várias revistas, em outro jornal, nunca passei por situação como essa.  Já tive problemas de outra natureza, já deixei uma redação importante para não pactuar com a formação de um “clube do Bolinha” e preservar uma pessoa com muitos anos de profissão que passava por um momento conturbado na vida, mas esse tipo de situação eu desconhecia. Sou jornalista há 11 anos. Na hora em que fui comunicado, pensei se tinha apurado mal a história, se tinha sido traído pela fonte, essas coisas… Quando vieram as primeiras palavras do editor-responsável, eu entendi o que tinha se passado.

Viomundo – Como foi a reação dos teus colegas de jornal?

Ricardo Filho De modo geral, foram muito solidários e ainda estão sendo. O meu editor disse que fez o que podia. Eu acredito.

Aliás, algumas pessoas têm me perguntado sobre o papel dele. Eu reflito e penso que ele teve um papel importante para democratizar a opinião de um veículo conhecido por suas posições conservadoras. Na campanha eleitoral do ano passado, ele abriu espaço para que tratássemos da questão do aborto que vinha sendo discutida por um outro viés.

Na ocasião, a grande imprensa servia de porta-voz para que o dom Luiz Gonzaga Bergonzini associasse a imagem de Dilma ao abortismo. Publicamos uma entrevista do tipo pingue-pongue com o bispo de Guarulhos e fizemos as perguntas que outros veículos não queriam ou não podiam publicar, tratamos do suposto aborto da esposa de José Serra. Enfim, demos outra abordagem ao tema.

O editor-responsável apoiou uma série de notícias que não seria publicada em tempos anteriores. Então não vou condená-lo. Acho que caímos na mesma areia movediça. Ele, como eu, acreditava, que tínhamos total liberdade editorial, o que se não se confirmou, mas também não foi nos deixado claro pela direção.

Trabalhei numa revista semanal que esses limites ficaram claros logo ao entrar. Embora não concordasse com a linha editorial, entendia a ideologia e tinha que aceitar ou deixar a redação. Por outros problemas sai de lá, mas a minha editora era muito justa, muito honesta, uma das melhores lembranças que tenho de lá. Foi um grande aprendizado. De volta aos tempos atuais, na Folha Metropolitana e Metrô News os nossos limites eram éticos, jornalísticos, às vezes técnicos pelo tamanho do jornal. Denunciamos muitas irregularidades, fizemos um grande trabalho.

Viomundo – E agora, o que pretende fazer?

Ricardo Filho – Voltar a mandar currículo. Temo que essa exposição me cause problemas, mas sou muito honesto naquilo que faço. Então, imagino que deve ter algum lugar decente para um repórter honesto trabalhar.

Carlos Roberto é deputado hoje, mas pode não ser amanhã. Por exemplo, se o Walter Feldmann (sem partido, eleito pela coligação DEM/PSDB), que está em Londres, voltar, ele perde o posto.

Desde a academia, eu não tenho mais a ilusão de isenção total do veículo, mas acho que é preciso certa independência do jornal em relação à classe política. Não dá para fazer jornal cedendo a esse tipo de prática. E em Guarulhos isso é muito comum. Outros estiveram na redação para reclamar de notícias desfavoráveis. Nesse ano que fiquei no jornal, lembro de pelo menos quatro dessas visitas indesejadas, mas o editor-responsável sempre teve uma postura firme. Se não for assim, melhor fechar as portas, pois o nosso trabalho é o de produzir e entregar notícias com credibilidade.

Viomundo — Quais as lições da sua demissão injusta?

Ricardo Filho – Na quinta-feira, meu filho de 6 anos me viu chegar mais cedo, abatido, e perguntou o que tinha acontecido. Eu respondi de forma que ele pudesse entender que, como nos desenhos, existem homens bons e maus. Prossegui dizendo que, embora não seja herói, estava fazendo a minha parte para que no futuro o mundo seja melhor para ele, os coleguinhas da escola e as demais crianças. Disse que um mau político rico havia repreendido meu chefe porque noticiamos o que ele pensava sobre um político amigo dele, que fazia coisas erradas para a sociedade. Aí, meu filho me surpreendeu com um discurso longo no qual dizia que essas pessoas é que fazem com que os amiguinhos de outras escolas pobres não tivessem comida, nem aula, nem nada…Foi assim mesmo, da forma mais simples. Aí, ele me encheu de emoção ao dizer: “Pai, estou muito orgulhoso de você”.

A lição é continuar sendo honesto, esteja em que veículo estiver. Vou continuar trabalhando da mesma forma para honrar minha família e jornalistas que me ensinaram muito, como Pier Luigi Cabra e Nehemias Vassão, que já partiram, e aos que estão conosco, como Antonio Assiz, William Araújo e Kátia Perin.

 

102 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Antonio Assiz

12/07/2011 - 22h40

Esse é um exemplo do que pensam os tucanos sobre liberdade de imprensa (empresa?). O que eles querem é uma imprensa subalterna ao seu partido. É lamentável que "empresas" "jornalísticas" sejam tão subservientes.
Para mim, a atitude do Ricardo Gomes é que nos anima na esperança de um Brasil melhor. Antonio Assiz

Responder

Regina Braga

12/07/2011 - 16h13

Os demotucanos não sabem conviver com democratas…Muito menos com jornalistas free…Desmontam os meios de comunicação e demitem jornalista(Heródoto),fazem armações para os Cabrinis,e querem panos quentes com outros.Alguém,precisa avisar para a gangue,que a Censura acabou,faz tempo.

Responder

Gerson Carneiro

12/07/2011 - 10h10

Isso quando não fazem como fizeram com o Roberto Cabrini em 2008.
Agora a Corregedoria diz que Cabrini foi alvo de armação policial em São Paulo. Só não aponta os mentores.
http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/942316-par

O PIG anuncia mas não aponta, não diz, quem foram os mentores.

Responder

Rogério Floripa

12/07/2011 - 08h16

A ética, a transparência tucana é uma piada de mau gosto que só.

Documentário – Com Quantas Mídias Se Faz Um Presidente? http://goo.gl/pHsuX

Responder

italo

12/07/2011 - 05h52

Azenha
Olha só o estilo do senador Delcidio do Amaral (PT-MS)

"Delcídio pede na justiça R$ 100 mil de indenização de jornalista do Midiamax"
http://www.midiamax.com.br/noticias/760816-delcid

Responder

    Andrenaru

    10/05/2012 - 23h22

    Protestar na justiça é um direito de todos, fazer censura é outra coisa bem diferente. não da voz ou outro, porque o PSDB não faz como o PT e entra na justiça, ao invés de demitir um trabalhador que faz somente sua obrigação.

jose luiz

11/07/2011 - 23h20

Isto e psdb !!!

Responder

anomino

11/07/2011 - 23h12

Não são 2 Achilles por lá…são tres…proceurem agora por Mauro Achilles…..

Responder

Henry

11/07/2011 - 21h45

Parabéns ao honroso e corajoso jornalista Ricardo Filho!!!
Estes tucanalhas me enojam!!!!
Temos que limpar o quadro da político nacional varrendo estes tucanalhas do poder e dos cargos políticos!
Aqui no Paraná voltaram a censura e a lei da mordaça!!!
Jornalistas ou blogueiros que denunciam é demitido , perseguido ou censurado pelo governador(minusculo) do psdb!!!!

Responder

João

11/07/2011 - 21h30

absurdos e absurdos:

tem uns q são demitidos por falar a verdade, como Ricardo Gomes… uma pena!

outros param de falar a verdade pra serem contratados, como Luis Nassif… "duas" penas!!!!!!!!

a vida é mesmo cheia de absurdos!

Responder

    Gersier

    12/07/2011 - 09h12

    Vire o disco,ou vc pensa que os que frequentam esse blog são tão idiota quanto vc?

    João

    12/07/2011 - 10h10

    claro q não…

    são muito mais idiotas do q eu!

    afinal, são petistas!

    rsrsrsrsrsrsrs

Marta

11/07/2011 - 20h44

O tucanato paulista comprou toda a mídia do interior. Em minha cidade, aqui em Sao José do Rio Preto, é editado o jornal de maior circulação regional. Est;a totalomente dominado pelos tucanos. Não sai sequer uma nota, comen tário ou carta do leitor que cita algum ponto negativo do Cerra, do Aloysio, do Vaz de Lima e de toda patota que vive clamando por liberdade de imprensa. Os editoriais são sempre contraditórios com as notícias que são reproduzidas pela Agência do Estado. Só quem não sabe ler jornal engole o que eles noticiam ou o que o editor escreve. É uma lástima. ) valor da compra desses jornais regionais está no Diário Oficial. É só procurar.

Responder

Paulo Lomba

11/07/2011 - 19h35

Larry Rohter????

Responder

Fabio Silva

11/07/2011 - 18h59

A vida do deputado federal Carlos Roberto parece um conto de fadas quando se vê o material de campanha dele. Menino pobre que se transformou em um industrial poderoso graças à força de seu trabalho; ex-filho de família simples que hoje é dono de empresas no Brasil e no Exterior. Uma investigação em torno dos negócios de suas empresas de plástico (sim, plástico, o maior poluidor do meio ambiente) poderia revelar muita coisa sobre o crescimento de seus negócios. Falo isso porque não confio nesse cidadão. Na eleição de 2008, o ex-prefeito de Guarulhos, Jovino Candido, disse que Carlos Roberto era o chefe da propina em Guarulhos, o que está gravado no vídeo abaixo. http://www.youtube.com/watch?v=0AT0uRZW1lw

Responder

Dennis de Oliveira

11/07/2011 - 17h54

Outra coisa: nos anos 90, Carlos Roberto tentou criar um sindicato fantasma para dividir a base do sindicato dos químicos. O secretário geral da "assembléia" da fundação do sindicato era o chefe do RH da empresa e o edital foi publicado no Diário Oficial. Estas ações – o processo judicial contra mim e o presidente do sindicato e a tentativa de criação do sindicato fantasma não deram em nada.

Responder

Dennis de Oliveira

11/07/2011 - 17h53

Conheço a fama de Carlos Roberto. Trabalhei na assessoria de imprensa do Sindicato dos Químicos de Guarulhos e publicávamos um jornal chamado Informequim, nos anos 90. Naquela época o deputado era proprietário de uma empresa de plásticos chamada CRW. Certa vez, este deputado abriu um processo judicial contra mim e contra o então presidente do sindicato, Antonio Cortez Morais, por termos denunciado o parcelamento ilegal do décimo terceiro salário. Não me espanta ele ter tomado esta atitude, uma pessoa autoritária e incomodada com o jornalismo independente.

Responder

Daci

11/07/2011 - 17h34

Ricardo vc é integro e logo estara empregado
este senhor só Deus sabe onde pode chegar com sua impafia!
Um dia a casa cai para esses vermes que acha que é gente…

Responder

Zeca Pinto

11/07/2011 - 17h00

Dai-lhe o bastão e verás o vilão. Essa é uma frase antiga e atual. Se os jornalistas sérios, não os de pena de aluguél, continuarem investigando com certeza acharão mais coisas.

Responder

José Mário Comini

11/07/2011 - 17h00

Parabéns Ricardo Filho!

Seu filho só tem seis anos, mas, com certeza orgulha-se de você de verdade…

O dia em que tivermos mais jornalistas como você, conseguiremos destronar os maus políticos e consequentemente o PiG que não gosta do Brasil.

Sou mineiro e sei muito bem como funciona a subserviência da imprensa por estas bandas, e simplesmente horrível, aqui o povo não tem conhecimento de nada, parece que vivemos no céu, Minas Gerais não tem violência, o governo não tem corrupção, as escolas públicas andam as mil maravilhas, segurança beleza. Vivemos como Alice " No País das Maravilhas". Brincadeira!!!

Responder

Fabio Silva

11/07/2011 - 16h56

Grande Ricardo! Denunciou mais uma atrapalhada do deputado tucano de Guarulhos, que na eleição de 2008 declarou à Folha de S. Paulo orgulhar-se de gastar R$ 6 milhões do próprio bolso na campanha para a Prefeitura local. O repórter, entre atônito e perplexo, perguntou como ele recuperaria esse valor e recebeu como resposta que não havia motivo nenhum em reaver o dinheiro quando estivesse no Poder. Gastava aquele ervanário todo apenas para ajudar a população de Guarulhos a se livrar do caos impetrado pelo PT.

Responder

Fernanda

11/07/2011 - 16h42

Parabéns ao jornalista Ricardo Filho pela postura ética. Quanto a conduta do veículo de comunicação e deputado, lamentável que isso ainda aconteça em Guarulhos. Será Bruzundangas ou Maceió? Não é Guarulhos de tantos descasos.

Responder

    ELISA

    11/07/2011 - 20h30

    Vamos mandar emails de repúdio ao jornal metro news, eles tem que sentir a merda que fizeram e tem que saber que os cidadaos tem conhecimento sobre o jornalismo de programa que se alastra no país.

Jair Almansur

11/07/2011 - 16h10

É a imprensa burguesa. Dita livre, democrática e plura.

Responder

tcpsilva

11/07/2011 - 15h55

MUITO BOM! PARABÉNS AO RICARDO FILHO. PENA TER SIDO PEGO PELO CALCANHAR… DE ACHILLES!

O MUNDO DÁ VOLTAS AMIGO, AGUARDE.

Responder

Gutemberg M. Tavares

11/07/2011 - 15h13

Lamentável por um lado, digno de elogios por outro. Deve haver sim um local descente para você trabalhar. Parabéns por sua coragem, atitude e caráter!

Responder

Silvio I

11/07/2011 - 14h54

Azenha:
Pergunto a todos como proceder ante estes atos?Não e possível que um dono de jornal se dobre a interesses de um político. Qual e a força que pode ter este senhor, ante um dono de jornal?Porque nada adianta felicitar, ao jornalista, pela atitude. Agora o Diretor Responsável solicito dispensa, e não foi aceita e fico da mesma forma.Se solicita dispensa sô para cumprir como camarada do jornalista.Continua no cargo!Que e isto!De qualquer forma minhas felicitações ao jornalista!

Responder

J Fernando

11/07/2011 - 13h50

Pena q a entrevista com o bispo já não está mais disponível.

Responder

Gerson Carneiro

11/07/2011 - 13h09

Mais da Escolinha dos Professores José Serra e Aécio Neves:

Em SP, 'bico oficial' vai pagar mais do que a PM

Trabalhar no horário de folga poderá ser mais lucrativo para parte dos policiais militares do que cumprir o expediente normal se o prefeito Gilberto Kassab (sem partido) aprovar o reajuste do valor pago aos soldados, cabos e sargentos que atuam na Operação Delegada, apelidada de bico oficial.

O bico oficial surgiu em dezembro de 2009, como parte de um convênio entre a Prefeitura e a SSP. Os policiais assumiram o combate aos ambulantes em situação irregular, tarefa antes efetuada por guardas-civis metropolitanos.

Em maio deste ano, Kassab enviou o Projeto de Lei 241 para a Câmara Municipal. Propôs aumento de 60% aos PMs que aderiram ao bico.

Se for sancionado, transformará o bico em um serviço mais rentável em comparação ao que é pago pela PM.
Alguém duvida que Kassab não sancionará o projeto dele?

Responder

    José Ruiz

    11/07/2011 - 14h22

    Vale lembrar que essa ação do Kassab vai no sentido de esvaziar a guarda civil metropolitana, que era uma alternativa no médio/longo prazo para corrigir as incríveis falhas no sistema de segurança pública brasileiro (municipalização da segurança pública). Recentemente duas reportagens da Record compararam (ainda que não intencionalmente) as ações das polícias federal e estadual de São Paulo. Enquanto a 1ª faz investigação, a 2ª coloca a Rota na favela e o critério dos caras é ver se o cidadão corre… se correr, eles correm atrás e prendem, e assim que funciona… é incrível isso, a "técnica" da polícia paulista é colocar uma viatura no meio de pobres e pretos, e quem não aguentar a pressão e sair correndo tá lascado…

Jonas Buarque

11/07/2011 - 13h03

Pessoal,

a postura do jornalista Ricardo Filho mostra que ainda há profissionais sérios e comprometidos com a verdade. Infelizmente, não é possível dizer o mesmo de seus patrões, que, além de proteger maus políticos, escondem a verdade dos eleitores e da opinião pública.
Para quem não se lembra, na época da campanha eleitoral do ano passado, o blog do Nassif postou a entrevista que o mesmo Ricardo fez com o bispo de Guarulhos, dom Luiz Gonzaga Bergonzini, na qual perguntou coisas que a grande (e covarde) imprensa negava-se a perguntar, como por que a Igreja se calava sobre o aborto de Mônica Serra.
Sua demissão é triste, mas revela uma verdade: esse tipo de imprensa não merece um profissional correto. Perdeu o jornal, perdeu a opinião pública, mas ganhou a verdade. Parabéns Ricardo!

Responder

operantelivre

11/07/2011 - 12h55

Precisamos dar maior visibilidade a fatos desta natureza. Para isto é necessário, além da divulgação em blogs "sujos", dispor de veículos com penetração competitiva com o PIG. Precisamos de jornais de grande circulação que publiquem na primeira página estes fatos. Estes veículos precisam ser construídos aos poucos. E não se pode perder de vista que a assimetria no poder econômico é um dos fatores responsa´veis por ficarem escondidos os fatos deste tipo. Com a ditadura não há diálogo. Eles resolvem a contradição eliminando o contraditor.

Responder

    ELISA

    11/07/2011 - 20h37

    Precisamos de um PORTAL de noticias, de uma radio publica e tv publica que alcance todo o pais que tenha sinal em cada cafundó do judas do Brasil p se contrapor a midia de programa, isso o governo tem dinheiro e pode fazer SE QUISER! REPETINDO: SE QUISER! Se nao fez em 8 anos de Lula e Dilma tambem nao faz é pq nao QUEREM. E nós aqui e a militancia arrancando o cabelo se engalfinhando p defender um governo que está c…..e andando pra isso.

    Silvio I

    11/07/2011 - 21h08

    operantelivre:
    E onde existe esse jornal aqui no Brasil. Não existe nenhum jornal de grande tiragem, que não pertença ao PIG. Algum partido político como o PT ou o PSOL poderia ter feito um jornal.Mais onde está o dinheiro e a vontade de servir o povo?

    Gersier

    12/07/2011 - 09h22

    E aí sabe o que o PIG e os alienados idiotas falariam?Que o PT estaria usando dinheiro público para fazer "propaganda" política.Politicos safados que não pensam no povo criariam mais uma CPI,"para apurar os fatos".Esses porcos são assim,eles acham que só eles e mais ninguém pode fazer o que quiserem,inclusive abusar do propinoduto.Vejam o caso da encosta que ruiu em São Paulo.A comissão(zinha) era SÓ de 50 %.E o PIG ó,caldinho porque parte dessa grana vai para para os bolsos dos "barões" da mídia.*

    Não confundir imprensa com mídia.

Marcelo de Matos

11/07/2011 - 12h40

A porta giratória entre o público e o privado, muito citada antes da queda de Palocci, continua a funcionar a pleno vapor. A Folha acaba de admitir um novo escriba: trata-se do galã das Alterosas Aécio Neves, que escreverá às segundas, a partir de hoje. Sua peça inaugural, porém, não trata da lei seca e do bafômetro: presta uma homenagem a Itamar Franco, que levou para o túmulo mágoas por não ter sido festejado devidamente como um dos pais do real.

Responder

    Daniel

    11/07/2011 - 18h01

    Já se pode considerar isso campanha antecipada?

Antonio

11/07/2011 - 12h31

A demotucanalha usa da forma mais baixa o poder que lhe é dado pelo povo. Não podemos deixar cair no esquecimento esse Deputado Carlos Roberto de Campos e o nepotismo que causou a demissão do jornalista. Temos que replicar a matéria, para que seja de conhecimento de todo o Brasil. As pessoas precisam conhecer como opera o PSDB. Que sujeito mais troglodita, em pleno século XXI.

Responder

@89nuncamais

11/07/2011 - 11h24

esqueceram do Alckmin que demitiu delegado Blogueiro que fazia matéria sobre segurança publica do estado http://geraldoalckminpsdb.blogspot.com/2011/05/1-… e o Beto Richa censurou pesquisas no paraná,deixou censurado o Blog do esmael por mais de 70 dias.
Só o segundo mandato de FHC que não deu para censurar ,pois o cara foi tão ruim que não teve como abafar, e mesmo assim colocavam a culpa do desemprego nas máquinas.
A aliança com o DEM que é um partido que advem da ARENA
e tem gente que ainda vota nesses lixos essa matéria tem que ser espalhada mesmo

Responder

Elias Santos

11/07/2011 - 11h15

Parabéns ao jornalista pelo seu trabalho, relatando os fatos como eles são , quanto a esse deputado logo encontrara seu fim nas urnas, encontrara logo trabalho, pois jornalista como você, hoje em dia é raro, o compromisso com a verdade e a transparência é impresindivel.

Responder

Jairo_Beraldo

11/07/2011 - 10h56

Este problema não é só de tucanos. Disse Abraham Lincoln certa vez -"O homem a tudo pode suportar. Mas se quiseres colocar à prova seu caráter, outorgue-lhes poderes." Portanto não é só de DEMo/Tucanos esta doença, mas de todos que não sabem lidar com o poder, ou ser competente com suas atribuições…pois se fossem, não teriam só bajuladores à sua volta…teriam também os homens de valor e de valores e acatariam as críticas como uma forma de lhes fazerem voltar aos trilhos…mas para os falto de caráter, seus interesses estão acima de tudo e de todos! Atropelam até a própria mãe se necessário!

Responder

    EUNAOSABIA

    11/07/2011 - 12h10

    "O homem a tudo pode suportar. Mas se quiseres colocar à prova seu caráter, outorgue-lhes poderes."

    Esse seu pensamento, mesmo sendo meia boca, cai como uma luva em Lula.

    Falou e disse, isso é 100% do que Lula é.

    Jairo_Beraldo

    11/07/2011 - 13h58

    Tipos como voce, "boca inteira", também fazem parte desta linha de Abraham Lincoln, o autor da frase. E sinto desapontá-lo, mas Lula não se enquadra nesta "luva"…nunca soube que tenha destronado nenhum reizinho da mídia nativa.

    João

    12/07/2011 - 15h10

    "mas Lula não se enquadra nesta "luva"…nunca soube que tenha destronado nenhum reizinho da mídia nativa"

    Larry Rohter é gringo, né?

    aí pode pedir pra ele ser expulso do país!?

    é… ser petista e honesto (com os fatos) deve mesmo ser dificil!

    rsrsrsrs

    Panambi

    11/07/2011 - 14h01

    AINDANAOSABENADA….

    Gerson Carneiro

    11/07/2011 - 14h08

    Só não faça chegar essa verdade ao Lula senão ele vai morrer de tristeza por saber que o EUNAOSABIA pensa isso sobre ele.

    Óh dia, Óh vida, Óh céus!

    Como é que eu faço pra ver os gols de domingo?

Marcelo Fraga

11/07/2011 - 10h39

Esses tucanalhas bandidos não entenderam ainda que a ditadura que eles tanto amam já acabou.

Responder

    EUNAOSABIA

    11/07/2011 - 12h11

    Tentaram comprar o congresso, tentaram subverter a ordem democrática… agora tem gente aí que pode pegar 111 anos de cadeia…

    Vocês simplesmente não têm moral alguma para falar em democracia..

    ""FORA…. FHC… fora tudo que está aí…."" iso é coisa de petista rapaz.

    Sir Roderick

    11/07/2011 - 14h51

    Caro Eunucosabia, estamos juntos na luta contra o comunismo Castro-chavo-evo-lullo-dilmista. A profunda crise econômica a qual o país foi submetido por estes inimigos da democracia não tardará a ter seu fim. O governo bolchevique da búlgara será varrido para o limbo da história. Os blogs sujos e seus comentaristas petralhas são muitos, mas estão com os dias contados. Venceremos esta batalha em nome de São Paranhos Fleury e São Serapião.

    Anauê!!!

    P Pereira

    11/07/2011 - 20h28

    Nobre confrade, que fazeis neste antro escarlate? Perdeste o rumo?
    O magister não sucumbirá ante tamanha afronta. As tampinhas de crush te esperam!

    Sir Roderick

    12/07/2011 - 17h26

    Caro confrade precisamos abrir novas frentes de batalha contra o comunismo satânico do molusco apedeuta de Garanhuns. Portanto, faço o gigantesco sacrifício de frequentar tais antros de perdição. Cada alma resgatada do bolchevismo é uma vitória para as hostes dos homens bons e de bens, a parcela saudável de nossa sociedade .

    Alvissaras!!!

    Joaquim

    11/07/2011 - 21h06

    "comunismo Castro-chavo-evo-lullo-dilmista." Ikkkkkkkkkkkkkk………….Isso é de uma IMBECILIDADE que não merece nem comentários. Só gargalhadas.

    Sir Roderick

    12/07/2011 - 20h10

    IMBECILIDADE é a sua cegueira provocada pelo comunismo satânico. Arrependei-vos enquanto há tempo para faze-lo e liberte-se do mal.

    Marcelo Fraga

    11/07/2011 - 16h19

    Moral? Moral?

    Lembra do Cansei? Lembra dos pedidos de impeachment e assassinato da presidenta no twitter logo depois das apurações? Lembra da demissão do Heródoto Barbeiro? Lembra dos panetones? Lembra da Lei Azeredo? Ufa, cansei, mas tem muito mais!

    E são os petistas que não têm moral para falar de democracia…

    operantelivre

    11/07/2011 - 12h37

    O pior Caro Marcelo é que a tal ditadura não acabou mesmo. Está presente nesta e em tantas outras atitudes políticas e policialescas no público e no privado, de formas sutis e escancaradas.

    Só as urnas podem acabar com este traço peçonhento.

    Daniel

    11/07/2011 - 18h15

    Eles ainda a sustentam e ficam o tempo todo insidiosamente pedindo para que ela volte para irem à forra contra quem não se subverte ao PIG e seus pilantras auxiliares.

Sr. Indignado

11/07/2011 - 10h02

É importante nós brasileiros ficarmos atentos a estas atitudes e repudiarmos com veemência.
Em alguns estados foi feito uma limpeza ideológica e só ficaram ou de direita, ou bajuladores, ou inocentes úteis, como por exemplo na RBS. De vez em quando, eles não conseguem evitar, o sol entra nas redações e aparecem alguns Ricardos, mas logo são demitidos junto com a imparcialidade.

Só para constar, Sra. Conceição, não seria supimpa tentar ouvir o Deputado Carlos Roberto? Não que ele tenha alguma coisa para falar, não que ele vá falar, nem tampouco que ele não faça uso da violência como argumento, afinal, a atitude do Deputado demonstra um espírito fraco e covarde, despreparado para a democracia e obviamente para uma entrevista às claras, mas só para constar.

Responder

    operantelivre

    11/07/2011 - 12h41

    Só para lembrar a chamada na mate´ria do Azenha sobre o Ricardo Teixeira, gostei muito do PLEASE MR. e acho que cabe muito bem agora também.

    Portanto, Conceição, que tal ver se dá para seguir a sugestão do Indignado e …"Please, Mr. Carlos Roberto"

Hélio Pereira

11/07/2011 - 09h13

Fica evidente que tipo de Liberdade de Imprensa os Tucanos defendem.
Liberdade de Imprensa,Liberdade de Informação,só é válida se o Jornalista publicar aquilo que interessa ao PSDB.
O Sindicato dos Jornalistas e a OAB não vão se pronunciar?

Responder

    Gersier

    11/07/2011 - 14h17

    Ih, vc esqueceu que a OAB tambem é mafiosa?Basta ver o caso daquele blogueiro que antes tinha um jornal lá no estado natal do tal Ophir?Responde a processos e mais processos só porque desmascara e mostra as falcatruas de um dos representantes da globo naquela região. O que disse esse tal de Ophir sobre o caso? Que o blogueiro é o errado.Que moral tem esse senhor para ficar vociferando pelos micofones do PIG cobrando uma ética que não tem do Governo Federal?Alguma vez a OAB deitou falação contra as corrupções de demos e tucanos?

    Francelino

    11/07/2011 - 18h18

    Liberdade de imprensa, amigo Hélio Pereira, nos PIGs mundo afora significa: Liberdade para menitr.

    E os tucanos são bem libertários nesse quesito. Por que não dizer, libertinos….

Julio Silveira

11/07/2011 - 08h16

O que será que a Band vai receber em troca? certamente mais um deputado alinhado aos interesses dos proprietários, que não representa necessariamente os do povo de Guarulhos. Essa noticia é só mais uma em que a midia corporativa perde em representatividade e vira balcão de negócios. Só depois não venham pedir apoio do povo para a liberdade de imprensa quando a vitima for a propria empresa, será pura hipocrisia. E ainda impedira a Erundina de falar nas emissoras do grupo, por ai vemos qual o interesse deles.

Responder

gilberto

11/07/2011 - 08h03

Manda um curriculum pro PHA , acho que vc deveria investigar o Ricardo Teixeira trabalhando pela Record.

Responder

    Daniel

    11/07/2011 - 18h19

    Apóio essa ideia também.

GilTeixeira

11/07/2011 - 08h01

Ué, Não é a Dilma e o PT que são autoritários?

Responder

    Bruno

    11/07/2011 - 16h28

    Birds of a feather.

Cornélius/Londrina

11/07/2011 - 01h04

A tucaNADA aqui no Pr aterroriza. Foi só o Blog do Esmael de Morais falar em nepotismo no governo de Beto Richa que a censura baixou via judiciário. Agora ele está de volta mas ficou um tempão na geladeira.
Tbm dizem por aqui q Serra não gostou de uma pergunta de um jornalista da Folha de São Paulo, José Maschio, durante a campanha eleitoral. Pediu a cabeça e seu 'pedido' foi atendido. Maschio foi jornalista da FSP por vários anos.

Responder

    operantelivre

    11/07/2011 - 12h44

    Esta é a estratégia da "democracia da direita".

    Daniel

    11/07/2011 - 18h21

    É a política do Big Stick. Perguntou o que não devia, falou o que não podia, vem o porrete tucano e >pow!< cala o cidadão rapidinho….

João PR

11/07/2011 - 00h09

O PSDB realmente parece que carrega em si este vírus "pedidor de cabeças de jornalistas".
No documentário "liberdade, essa palavra" (disponível no youtube) há declarações de jornalistas sobre como o Governo Aécio tratava jornalistas que desagradavam o rapaz das alterosas (aquele que se negou a fazer o exame no bafômetro).
É sabido que o Serra faz destas também.
No Paraná, o Beto Richa, durante mais de 70 dias, manteve o blog do Esmael fora do ar por ação judicial (felizmente, a sentença inicial foi derrubada por uma liminar).
Fico me perguntando: aonde está o Instituto Millenium que não reclama dessas práticas? O que fala a D. Judith (diretora da ANJ)? Por que a Globo não fala nada? E o Estadão, que se diz vítima de censura, porque não divulga nada quando se trata dos tucanos??

OBS.: ao valoroso repórter, fica a minha solidariedade, e a certeza de que achará um emprego em um lugar decente.

Responder

mulato inzoneiro

10/07/2011 - 22h54

Pior que tudo é a lavagem cerebral subliminar. Como todos sabem os professores de MG estão em greve a mais de um mes sem uma palavra do maior jornal do estado o diario associado Estado de Minas..Hoje estampam em letras garrafais…"professor agride motorista de onibus e coisa e loisa"..vc vai ler a noticia e ve que um "professor" de judô, um pit boy, um marombeiro qualquer resolveu espancar um trabalhador por supostamente ter sido fechado em seu carro pelo onibus e tal…
A expressão "professor" usada em destaque na manchete é forma de desqualificar e desmoralizar toda uma catgoria pq essa resolveu enfrentar o patrão de ambos (professores e jornais)..e a maioria do leitores, mesmo os que se tem em conta de sagazes e atentos apenas apontam o equívo do jornal ao chamar de professor o delinquente em questão,, quer dizer, pensando bem, não sei mesmo se esse tipo de "educação" que forma esse tipo de leitor serve para alguma coisa afinal…

Responder

odda

10/07/2011 - 22h07

Os tucanos adoram processar jornalistas. Aqui em Itatiba SP, o prefeitro do PSDB está processando o Jornal Bom Dia Itatiba, pela publicação de uma reportagem intitulada "O Show do milhão", referente ao valor que a prefeitura teria gasto com shows na festa do caqui, enquanto isso a cidade está às moscas.
Tucano gosta mesmo é de imprensa amestrada.

Responder

Mana Eli

10/07/2011 - 21h58

È muito triste, assistir, sem nada poder fazer, uma violência como essa, aqueles que deveriam defender a sociedade, são, os que a jogam na lama; O reflexo da sociedade que vivemos hoje, se pauta justamente nestas atitudes de pol´ticos, que com a máscara da falsa transparência, se colocam de forma brutal; Como disse minha amiga são tucanalhadas,Não podemos ter falha de memória na hora de votar.

Responder

MGsemcensura

10/07/2011 - 21h51

A intolerância tucana com o contraditório e a critica é algo preocupante. Em MG a imprensa aecista resolveu responder às críticas ao gov tucano, feitas pelo bloco MGsemcensura, fazendo matérias contra o gov Dilma.

Responder

    Daniel

    11/07/2011 - 18h24

    São os MinasSemCensura contra o MinasSemVergonha, né? Apóio a luta mineira pra livrar o estado do Paris Hilton das Alterosas…

Euler Conrado

10/07/2011 - 21h50

Minha solidariedade ao jornalista Ricardo Gomez Filho. Será que não há nada que a entidade sindical dos jornalistas possa fazer contra o deputado e contra a direção do jornal? Fica evidente, pelo depoimento, que houve assédio moral, perseguição política, e que isso agride a muitos artigos da nossa Carta Magna. Até quando a sociedade vai continuar aceitando essas práticas de intimidação, de mordaça, de cassação literal da liberdade de opinião e de expressão? Mais do que conseguir outro emprego para assegurar sua digna sobrevivência, o íntegro jornalista merecia uma assistência jurídica que lhe garantisse reparos materiais e morais pelo ocorrido. É o que eu penso.

Responder

    Ronaldo Cananéia

    10/07/2011 - 22h24

    O Ricardo Gomez Filho deveria localizar dentro do Ministério Público do Trabalho um procurador que honra o cargo (nem todos o fazem) e verificar a viabilidade de uma representação.

assalariado.

10/07/2011 - 21h13

Este capitalista,como todos os outros, sem generalizar, são sempre suspeitos de algumas maracutaias (no plural mesmo). "Exceto por itens em que se informam datas de atualização, os dados de Carlos Roberto foram alterados por último em 04/05/2011. A Transparência Brasil só se responsabiliza por referências extraídas daqui após essa data.

Peguei estas informações aqui: Para saber mais acessem este endereço. http:[email protected]?id=7

É alvo de ações de execução fiscal movidas pela Fazenda estadual e nacional:

TJ-SP Comarca de Guarulhos – Processo nº 224.01.1994.025160-5
TJ-SP Comarca de Guarulhos – Processo nº 224.01.1998.048063-0
TRF 1 Seção Judiciária de São Paulo – Processo nº 0007890-44.2000.4.03.6119
TRF 1 Seção Judiciária de São Paulo – Processo nº 0007891-29.2000.4.03.6119
TRF 1 Seção Judiciária de São Paulo – Processo nº 0017343-63.2000.4.03.6119
TRF 1 Seção Judiciária de São Paulo – Processo nº 0017658-91.2000.4.03.6119
TRF 1 Seção Judiciária de São Paulo – Processo nº 0019937-50.2000.4.03.6119
TRF 1 Seção Judiciária de São Paulo – Processo nº 0020739-48.2000.4.03.6119
TRF 1 Seção Judiciária de São Paulo – Processo nº 0021649-75.2000.4.03.6119
TRF 1 Seção Judiciária de São Paulo – Processo nº 0024804-86.2000.4.03.6119
TRF 1 Seção Judiciária de São Paulo – Processo nº 0008582-38.2003.4.03.6119
TRF 1 Seção Judiciária de São Paulo – Processo nº 0001497-30.2005.4.03.6119
TRF 1 Seção Judiciária de São Paulo – Processo nº 0006774-56.2007.4.03.6119
TRF 1 Seção Judiciária de São Paulo – Processo nº 0006776-26.2007.4.03.6119
TRF 1 Seção Judiciária de São Paulo – Processo nº 0006775-41.2007.4.03.6119
TRF 1 Seção Judiciária de São Paulo – Processo nº 0008438-64.2003.4.03.6119 – É alvo de ação penal movida pelo Ministério Público Federal por apropriação indébida previdenciária e crimes contra o patrimônio."

Responder

Zé Brasil

10/07/2011 - 21h03

Prezado Jornalista Azenha,

Presto aqui minha solidariedade ao Jornalista Ricardo Filho por seu exemplo de coragem, dignidade e integridade profissional. Não esmoreça em sua luta, força!
Enquanto fica-se esperando em redações e em blogs em cima do muro que uma onda da primavera do oriente médio varra o Brasil, digamos não sei bem prá quê, dando corda para inocentes utéis e outros tantos inutéis, eu fico esperando que outros Jornalistas tenham culhões para colocar a cabeça fora d´'agua e desmacarar de vez a pauta podre das redações. Cabe a vocês, Jornalistas com coragem romper este círculo vicioso que se tornou a mídia brasileira. Sem qualquer ideologia e , sim, por uma questão de sobrevivência, pois a imprensa está morrendo vitimada de seu pior mal: o descrédito, o que não é nada bom para o País. Eu de minha parte já não gasto um tostão do meu suado dinheiro para comprar uma folha de papel produzido por esta gente. Venham a público, falem, publiquem e ajudem a rasgar o ventre da besta expondo-lhe a sua podridão em pról da Verdade!
A reportagem acima mencionada com o Bispo de Guarulhos não está mais acessível no link indicado. Curiosamente, aparecem apenas os comentários a ela postados.
A turma do PIG gosta muito de falar em liberdade de imprensa, se eriçam (sim, a palavra é esta!) todos quando pegos em suas contradições. Falam em liberdade e sempre que podem chutam o Stalin e seus métodos e volta e meia usam os mesmos métodos de ocultação da Verdade. Tal e qual nas fotos dos desafetos de Stalin cujas figuras eram apagadas nas fotos oficiais conforme a circunstância, o PIG apaga a figura da Verdade de suas páginas. É por estas e por muitas outras que escolho meu Norte sempre diametralmente oposto ao desta mídia sectária, golpista e apátrida e tenho acertado o tempo todo. Agindo como tem agido que moral tem o PIG em sua fúria denuncista? Aos meus inimigos denunciou tudo e aos meus amigos, diria meus donos, nada falo, sim, pois verifique-se quem são os donos das mídias no País, pois é de cair o queixo o número de políticos da oposição que detém as concessões de mídia no Pais. A palavra PIG passa desde há muito ser um simples pleonasmo da palavra oposição, tornando vazias as palavras de sua notória madrinha, aquela que chamou para a imprensa o papel de oposição, convenhamos um papel espúrio, dado que esta não se sujeita a qualquer regra da Constuição Federal ou da Justiça Eleitoral que a qualifique como partido político, uma vez que, segundo ela, os partidos políticos não estariam desempenhando tal papel, lembram-se?.

Responder

Rios

10/07/2011 - 20h38

Ricardo parabens… você honrou o seu diploma!!!

Responder

Eduardo Raio X

10/07/2011 - 20h34

UÊÊÊÊ?!?!? Azenha a ditadura não acabou em 1986??? A cartilha ainda é lida como exemplo de perseguição de jornalistas que busca a verdade a luz dos fatos??? Como ficamos se esses caras voltarem ao poder vamos ter então donas Solanges e companhias para censurar e delatar? E tem gente ainda que acredita que o PSDBoca calada são democráticos!?

Responder

ZePovinho

10/07/2011 - 20h30

É impressionante o viés autoritário e stalinista desses tucanos.KKKK!!

Responder

Carlos Mundim

10/07/2011 - 20h26

Vamos lá,

A atitude deste deputado suplente e sua arrogancia é tipica das nossas auto-intituladas elites politicas, como o Ricardo Filho falou, Guarulhos pertence a 5 familias e o deputado suplente é um dos donos da cidade. Como dono da cidade ele se achou e mostrou que tem poder para calar a imprensa local, reporteres agora irão pensar duas vezes antes de escreverem matérias negativas sobre este sujeito.

O vinculo do bom politico com o seu eleitorado, a humildade e lisura no trato do bem publico já não existe a bastante tempo no Brasil, se é que jamais existiu. Hoje a classe politicas e o grande capital se aponderaram do Estado e de quem é a culpa? Seria fácil culpar o eleitor, mas este apenas bebe da fonte de informacao da grande imprensa e esta lhes serve somente o que interessa ao donos do poder e seus agentes e capachos.

Casos como este apenas mostram a necessidade da inclusão digital universal no Brasil, internet de qualidade para todas as camadas da sociedade brasileira, com uma banda larga popular e barata o povo terá acesso a informacao imparcial e certamente saberá a historia atrás da historia de seus candidatos. Talvez este potencial do eleitorado se informar sem o cabresto das elites economicas e politicas sejam a real razao do aborto do governo ao PNBL, a razão pode não ser a falta de recursos, mas o perigo que o acesso a informacão representa as nossas classes politicas e os donos do país.

Agora, este negócio de empresário com empresa nos Estados Unidos e Eslováquia parece ser piada pela atitude deste deputado suplente, fico a imaginar se o ramo de negócio do deputado suplente não seja a prostituicao, pois o seu ato foi digno de um cafetao que paga propina e protecao a policia contra os seus concorrentes. Ele fala forte porque sabe que tem protecao.

Lamentável…

Responder

Silvio - Sampa

10/07/2011 - 20h12

Azenha, que esta matéria seja publicada em todos os blogs sujos, vamos dar visibilidade ao jornalista íntegro e em contraponto, ao inexpressivo deputado. Se deixarmos nas mãos da grande mídia o caso morre na esquina.

Responder

edv

10/07/2011 - 19h43

É, pelo jeito, na mírdia só sobrarão os colonistas e outros amestrados…

Responder

EUNAOSABIA

10/07/2011 - 19h33

O que será que vocês escreveram nessa época??? qual terá sido a reação de indignação e "protesto""" de vocês durante este caso??? ora ora… e precisa responder???

Um forte murro na mesa, uma seqüência de palavrões e a ordem expressa para expulsar do Brasil o jornalista americano Larry Rohter, correspondente do The New York Times no país. A reação emocional do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à reportagem publicada no dia 9 de maio, sugerindo que o presidente tem problemas com o álcool, transformou uma discussão sobre leviandade jornalística num desastroso incidente internacional. Em questão de horas, jornais do Primeiro Mundo passaram a tratar como intolerante e autoritário o operário que um ano atrás os tinha impressionado ao virar presidente depois de uma luta histórica pela democracia. ''Se, por um lado, a notícia foi maldosa, a reação foi burra. E muitas vezes a burrice é pior que a maldade'', criticou o ex-ministro da Justiça Miguel Reale Júnior.

Responder

    ZePovinho

    10/07/2011 - 22h11

    Vai lá nos EUA e escreva,assinando embaixo,que o presidente deles é "bêbado"………..

    EUNAOSABIA

    11/07/2011 - 02h10

    Povinho, lá eles fazem e dizem coisas muito piores sobre o presidente.

    priscila presotto

    11/07/2011 - 12h58

    Em nada os EUA servem de exemplo para nós.Inclusive a FOX NEWS.
    Mas ,que o jornalista americano pegou pesado ,pegou mesmo.
    Obama sempre foi atacado pela mídia o chamando de :comunista,fascista com bigodinho de Hitler ,de mulçumano (como se isso fosse um defeito),de macaco …….
    Se vc acha isso bonitinho ,sinto pesar por vc!
    Aliás EU NÃO SABIA,este nick é bem condizente com seus comentários.Affffe!

    Panambi

    11/07/2011 - 14h07

    Priscila, isto é um trollzinho muito do zé ruela….

    Daniel

    11/07/2011 - 18h28

    Este é o mesmo trollzinho Zé Ruela que até dias atrás assinava Carmem Leporace, Josaphat, Assalariado, Karl Marx, Conservador e outros. Basta ver que usa as mesmas expressões na hora de escrever. E tem sempre um pseudo-argumento pronto pra desqualificar quem quer que se atreva a contradizê-lo.

    ZePovinho

    12/07/2011 - 01h46

    Eu vi por lá,mas ninguém bota o nominho embaixo assumindo a reponsabililidade pelo que diz.O ex-deputado Mcgovern,por exemplo,ao interpelar Hillary Clinton em um auditório saiu escorraçado debaixo de porrada.
    Aqui ninguém expulsou esse Larry Rohter e nem disse que ele é do NED,o órgão da CIA que paga jornalistas ara fazer esse servicinho sujo.Isso,sim,seria motivo para expulsão.

    Francelino

    11/07/2011 - 09h28

    Azenha, mais uma vez eu faço um apelo: modere os comentários pra livrar os tópicos desses trolls… Eles chegam ao cúmulo de usar variados nomes, para confundir, mas se esquecem de que escrevem com expressões repetidas, o que torna fácil de identificá-los.

    Está cada vez mais inviável se dar ao trabalho de comentar de forma a usar argumentos, que é tudo o que esses trolls não tem.

    Paulo Roberto

    11/07/2011 - 11h36

    Esse "eunãosabia" realmente faz jus ao apelido. Não sabe nem mesmo que é um completo imbecil.

    Panambi

    11/07/2011 - 14h06

    Meu caro Paulo Roberto, isto ele sabe….

Murdok

10/07/2011 - 19h11

Quer dizer que fora dos blogs sujos os jornalistas vivem com medo de praticar o jornalismo?

Responder

Barbara_Luz

10/07/2011 - 18h57

Olá…, vamos lá: Lendo a reportagem, no meu imaginário, construí o perfil do que me parece ser um jovem jornalista. Como boa parte de nós já vividinhos, na juventude algumas profissões e contextos históricos propiciam o pensamento de que podemos mudar o mundo pelas idéias e trabalho. É uma pena que com o passar do tempo, as marteladas da vida vão deixando cicatrizes. O PIG está repleto de bons jornalistas que, porém, acabaram sucumbindo às vontades e compromissos de seus editores. No presente caso, me parece uma "morte anunciada", basta ver quem são os proprietários do Metro News (Pachoal Thomeu) e seus vínculos políticos em São Paulo. Não dá para pensar em independência da notícia. É louvável a postura do jornalista demitido, e bastante triste essas histórias que se repetem.

Responder

Rob

10/07/2011 - 18h56

Incrível como estas notícias não saem na grande mídia. E o povo paulista continuará votando neste tipo de político por muito tempo…

Responder

operantelivre

10/07/2011 - 18h54

Duas coisas: Hoje um político pode praticar o Nepotismo Utilizando uma OS ou ONG.Eles sabem, e muito provavelmente fazem.
Outra coisa: Isto de dar carteiradas é um atentado ao Estado democrático, traço da ditadura, quando é mais fácil aniquilar alguém que faz algo com que não se concorda, tirando-o do caminho (demitindo-o) do que resolvendo a pendenga. Não me parece me diferente da "lei" vigente no sistema prisional.

Como combater ações dessa ordem?

Responder

Fabio_Passos

10/07/2011 - 18h51

A direita que hipocritamente "defende" total liberdade para a "imprensa" não está nenhum pouco preocupada com liberdade de expressão.

Pelo contrário.

A direita mofada – psdb / dem / pps – defende apenas privilégios inconstitucionais para uma quadrilha corrupta de oligarcas da mídia: marinho / civita / frias / mesquita.

A mídia corrupta é a máquina de propaganda do regime.
Qualquer tentativa de pluralidade e liberdade de expressão na imprensa é combatida pela direita.

A demissão de jornalistas que ousam exercitar a função social de um meio de comunicação é regra.
Contrariou os interesses da "elite"? Demissão.

E o governo que elegemos para democratizar a mídia?
Vai permitir que a população permaneça refém de uma quadrilha – globo / veja / estadão / fsp – de bandidos?

Responder

Vlado

10/07/2011 - 18h45

Pois é, se o deputado tivesse ficado quieto a repercussão do caso de nepotismo seria relativamente pequena. Agora, não só o caso está chegando a um número muuuito maior de pessoa, como provocou um efeito colateral: apresentou ao mundo o "zé ninguém político" Carlos Roberto de Campos…

Responder

Gersier

10/07/2011 - 18h37

É típico dos tucanalhas.Sentam em cima dos próprios rabos e gostam de apontar os dos outros.Quando não acham, "criam" CPI's com respaldo do PIG que os acoberta, para desviar o foco das próprias falcatruas.

Responder

Deixe uma resposta