VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Raimundo foi assassinado por contar o que sabia da guerrilha do Araguaia?

16 de julho de 2013 às 14h48

Como os guerrilheiros, Raimundo teria sido uma vítima — apenas mais recente — da ditadura?

Quem matou Raimundo “Cacaúba”?

Há dois anos era assassinado em Serra Pelada (PA), Raimundo Clarindo do Nascimento, o “Cacaúba”, a última vítima do Major Sebastião Curió e da repressão política no Brasil.

Por Paulo Fonteles Filho e Sezostrys Alves da Costa

Em fins de junho de 2011 o ex-mateiro das forças armadas, um dos mais importantes rastejadores recrutados pela repressão política na invasão militar na região do Araguaia para debelar o movimento insurgente, organizado pelo clandestino Partido Comunista do Brasil (PCdoB), é morto estranhamente naquele distrito de Curionópolis (PA), depois da presença, naquelas cercanias, de Sebastião Curió que, sabidamente, junto a outros ex-agentes da repressão política, estiveram naquelas paragens com intentos obscuros.

O próprio ano de 2011 representou uma viragem fundamental nos trabalhos de investigação no sentido de localizar dezenas de desaparecidos políticos na Guerrilha do Araguaia (1972-1975), possível, sobretudo, pela corajosa sentença da Juíza Federal Solange Salgado que, depois de transitado e julgado, obrigou a União em fins de 2007 a localizar, identificar e esclarecer em que condições aqueles brasileiros, lutadores pelas liberdades públicas, foram assassinados e sofreram desaparecimentos forçados pelo estado terroristas dos generais.

Ocorre que o governo federal, para dar cabo à decisão judicial, criou o Grupo de Trabalho Tocantins (GTT), do Ministério da Defesa que, entre 2009 e 2010, percorreu a região realizando diversas escavações, mas com resultados bastante pífios. Em dois anos, uma ossada foi localizada, na região do Tabocão, em Brejo Grande do Araguaia (PA).

Em relatório de fechamento do ano de 2010, a representação do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) presente naquele esforço institucional já indicava que “(…) No curso da segunda expedição do Grupo de Trabalho Tocantins tomamos conhecimento, através de denúncia de (…) da presença de remanescentes da repressão ao movimento insurgente e que estariam fazendo ameaças contra ex-colaboradores das Forças Armadas na região do Araguaia para que os mesmos não subsidiem de informações o Grupo de Trabalho Tocantins no sentido de realizar com êxito a tarefa de localizar os desaparecidos políticos na Guerrilha do Araguaia. Em contato com (…) podemos perceber a angústia daquele trabalhador rural que foi barbaramente torturado naquele episódio da vida brasileira porque um de seus algozes, conhecido como ‘Doutor Marcos’ que junto com ‘Doutor Ivan’ estiveram na região do conflito na segunda metade do mês de junho de 2010 (…)”.

A viragem de 2011 ocorreu, sobretudo pelo ingresso, em tal empreendimento civilizatório, do Ministério da Justiça e da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, além da ampliação na presença de familiares de desaparecidos políticos e de instituições científicas ligadas ao tema. Criava-se, então, o Grupo de Trabalho Araguaia (GTA) em fins do primeiro semestre daquele ano, substituindo o moribundo GTT-MD.

O reforçamento institucional e da sociedade civil, agora perfilados no GTA, vai atuar severamente no curso das investigações com a convicção de que muitos dos despojos mortais dos desaparecidos políticos ainda se encontravam na própria região do conflito.

Tomamos a consciência, depois de muita bola fora como ensina o jargão do futebol, de que a grande maioria dos insurgentes araguaianos estava sepultada em cemitérios da região, como indigentes, o que revela um traço comum do modus-operandi da repressão política no Brasil, com relação aos desaparecimentos forçados.

Mas o intento, mais avançado, vai provocar reações de remanescentes da ditadura militar em nosso país.

Em ofício formulado à Polícia Federal de Marabá, em fins de março de 2011, o pesquisador Paulo Fonteles Filho sinaliza que “No nascedouro de 2011, nos dias 26 e 27 de fevereiro do corrente ano vim até Marabá para acompanhar (…) o encontro dos ex-soldados e ex-funcionários do INCRA que atuaram na repressão ao movimento insurgente das matas do Pará. (…) No encontro, tomamos ciência de que (…), ex-militar, motorista do Major Curió entre os anos de 1976-1983, também estava sendo ameaçado. Tais ameaças iniciaram-se em dezembro de 2010 depois que aquele ex-militar passou a colaborar com os trabalhos do GTT-MD. (…) Na reunião de fevereiro gravamos um extenso depoimento (…) onde, o mesmo, revela ter participado de uma macabra “operação-limpeza” em 1976 em diversas localidades na região do Araguaia. Disse, ainda, que o responsável pelas ameaças que vêm sofrendo é (…) do Major Sebastião Curió. (…) Em primeiro de março duas ligações anônimas são desferidas ao celular de (…), sempre em chamadas confidenciais. No dia seguinte, uma caminhonete peliculada, rondou de forma suspeita, insistentemente, nas imediações de sua casa em (…). No mesmo dia, dois de março, por volta das 12 horas, uma caminhonete cabine dupla, também peliculada, com quatro elementos estranhos parou em frente à casa de Sezostrys Alves da Costa, dirigente da Associação dos Torturados na Guerrilha do Araguaia, em São Domingos (…). Dias depois soubemos (…) que quem esteve circulando pela região, recentemente, é um tal de ‘Doutor Alceu’, ex-capitão do Exército, ligadíssimo ao Major Curió (…). Sabemos que nossas vidas (…) de camponeses e de ex-militares estão sob ameaça e se nada for feito, tenho certeza, um episódio ainda mais grave poderá ocorrer (…)”.

Diante do avanço no nível das informações, sobretudo pelo relato de ex-soldados que passaram a contribuir com o intento investigativo, algumas figuras silenciadas por quase quarenta anos põem-se a falar, seguramente estimuladas pela coragem de seus ex-companheiros como, também, pela determinação dos familiares daqueles heróis nacionais, como é o caso da incansável Diva Santana, irmã de Dinaelza Santana Coqueiro.

Nesse contexto é que Raimundo “Cacaúba” passa a contribuir com os esforços investigativos e presta importantes informações sobre os bastidores da famigerada atuação militar no Araguaia, verdadeira caçada humana onde dezenas de opositores políticos foram assassinados sob a custódia do exército brasileiro. Sabe-se hoje, com rigor documental, de que a liquidação física fora decidida dentro do próprio Palácio do Planalto, por Garrastazu Médici e Ernesto Geisel.

Recrutado pelo “Doutor Antônio”, comandante da base militar de São Raimundo, violentíssimo agente da repressão, foi atuar como rastejador nas cercanias da reserva dos Aikewára-Suruí em São Geraldo do Araguaia (PA), em meados de 1973. Tal “Doutor Antônio”, segundo o relato colhido, permanecera na região até janeiro de 1985 “procurando algum guerrilheiro sobrevivente”.

Mas “Cacaúba”, depois de anos silenciosos, informara que “no local conhecido por ‘Centrinho’, ao lado do Rio Sororozinho, conheceu ‘Zé Carlos’ (André Grabois), ‘Ivo’ (José Lima Piauhy Dourado) e ‘Joca’ (Líbero Giancarlo Castiglia), este ferido no braço”. Teria, também, conhecido “a ‘Valquíria’ (Walkiría Afonso Costa), moradora do São Raimundo que apareceu em sua casa acompanhada de ‘Joca’ depois do tiroteio com o ‘Juca’ (João Carlos Haas Sobrinho)”. Curiosa mesmo foi à informação de que “os meninos do mato se comunicavam com os moradores Antonio Monteiro (…), Luís Roque e Antonio Luís através de uma vara seca e uma vara verde”.

Dentre as revelações está que “a Valquiría, muito magra, foi presa na casa do ‘Zezinho’ e Maria ‘Fogoió’ e foi morta pelo Capitão Magno”. Tal militar, Magno, é muito citado pelas torturas perpetradas contra os camponeses e que teria sido um dos agentes que atuou, anos depois, na prisão dos padres franceses do Araguaia, Aristide Camio e Francisco Gouriou, no inicio dos anos de 1980.

A acusação era de que os religiosos promoviam a subversão e intentavam, junto com o advogado da Comissão Pastoral da Terra, Paulo Fonteles, novas guerrilhas e por isso foram enquadrados na Lei de Segurança Nacional (LSN). Anos depois, em 1987, o advogado Paulo Fonteles foi assassinado pelo latifúndio e o inquérito realizado indica participação de antigos agentes do Dops e do extinto Serviço Nacional de Informações (SNI), dentre eles James Sylvio de Vita Lopes, Romeu Tuma e Rubinete Nazaré.

Com destemor indicou que na região da “Abobóra” viu “o ‘Joca’ amarrado com embira (fibra extraída de algumas árvores e que serve para a fabricação de cordas), todo ‘obrado’ e muito machucado”. Teria presenciado o traslado do combatente, depois de morto, para a Base de Xambioá (TO) e de que lá fora sepultado. Citou que o “Amaury” (Paulo Roberto Pereira Marques) fora preso “com o pé baleado e o ‘Doutor Antunes’, da Base de São Raimundo, provocava-o perguntando se queria comer um mutum e que o ‘Ivo’ foi preso e vestia calça azul tropical”.

Revelou-nos, ainda, sobre os codinomes de agentes da repressão política, como é o caso dos doutores “Ivan”, ‘‘Maia”, “Molina” e “João”. O tal ‘‘Molina”, citou, “Não falava igual a nós”.

A coleta de todas essas informações ocorreu em maio de 2011 e pouco mais de um mês depois, em fins de junho, é assassinado estranhamente, dias depois que o Major Curió esteve na região, realizando reunião com aqueles que ainda lhes são fiéis.

Diante do fato, amplamente denunciado por nós, a Juíza Solange Salgado determinou, em dezembro de 2011, que a Polícia Federal realizasse investigação sobre prováveis ameaças e revelou, em entrevista à Folha de São Paulo, na edição do dia 6 de março de 2012, que “Essa questão do Araguaia está ficando muito preocupante, as ameaças são recorrentes, há indícios concretos” além do que “as pessoas que viveram naquele momento triste da história nacional e que hoje tentam colaborar com a Justiça estão sendo ameaçadas de morte”.

Recentemente, em 2013, tomamos conhecimento de que a Polícia Civil do Pará, responsável pelo inquérito, sequer abriu procedimento para apurar o assassinato de Raimundo “Cacaúba”, o que torna o caso cada vez mais singular.

Em dois anos de investigações, entre 2011 e 2012, o Grupo de Trabalho Araguaia já exumou 14 ossadas, nos cemitérios de Xambioá (TO) e São Geraldo do Araguaia (PA) e há, para 2013, a expectativa de que possamos encontrar outros tantos desaparecidos políticos num dos mais importantes sítios mortuários de Marabá (PA), cuja indicação fora realizada por antigos colaboradores da repressão política.

Enquanto o Major Curió e outros ex-agentes do aparato repressivo estiverem à solta, outros assassinatos podem ocorrer, além das pressões e intimidações, própria de quem cometeu crimes de lesa-humanidade contra brasileiros que lutaram pelo restabelecimento das liberdades democráticas.

Não recuaremos.

Leia também:

Glenn Greenwald diz que mídia corporativa dos EUA é escudo e megafone do poder

Estados Unidos espionaram “comunicação de lideranças” em Brasília

Ivan Valente: Quais empresas colaboram com a espionagem?

Ramonet: Serviços de espionagem já controlam a internet

Tijolaço protesta contra a bandidagem eletrônica: Somos ratos?

Spiegel: A aliança entre a NSA e 80 corporações

 

11 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Miguel siqueira

02/08/2013 - 09h26

Se Raimundo Cacaúba foi assassinado pelo major curió e isto é um fato verdadeiro gostaaria de saber da justiça brasileira por que ele anda as sollta por ai causado medo,pavor e assassiinado pessoas que possa revelar seus atos na atuação da guerrilha do araguaia, como sabia cacaúba que falou e morreu.Fatos desta natureza são inadimissivel nos dias atuais afinal tempo da repressão já passou, autoridades brasileira e a propria justiça tem que por fim a estes absurdo que esta sendo cometido pelo o Major Sebastião Curió.

Responder

Mardones

17/07/2013 - 08h45

É incrível como essas investigações demoram a dar resultados:

“Recentemente, em 2013, tomamos conhecimento de que a Polícia Civil do Pará, responsável pelo inquérito, sequer abriu procedimento para apurar o assassinato de Raimundo “Cacaúba”,(…)”

E não há vontade das instituições em dar uma resposta à sociedade.

Responder

Matheus

17/07/2013 - 00h05

O que eu insisto sempre é que se tentou construir um engodo em torno da ultima ditadura brasileira:

A de que foi uma “ditadura branda”, que matou poucos opositores políticos, “algumas centenas”, em comparação com os dezenas de milhares na Argentina, levando em conta ainda a diferença da população dos dois países. Fora isso, as mentes esclarecidas constatavam o aprofundamento da exclusão social e violência policial durante o período ditatorial brasileiro.

Essa farsa foi construída pela ausência de uma Comissão da Verdade, pelo bloqueio das fontes de investigação documental (sigilo eterno), e pela restrição do critério de vitimação pela violência ditatorial.

Basicamente, criou-se a ideia de que só os militantes partidários foram vítimas da ditadura. Sem dúvida foram e sou solidário com eles e suas famílias. Mas não podemos esquecer as outras violações da dignidade humana cometidos por esse regime terrorista.

É assim que os depoimentos das vítimas, testemunhas, repressores e colaboradores não foram coletados; os documentos administrativos, militares, policiais e judiciários não foram liberados para a pesquisa; e os índios, quilombolas, camponeses, sindicalistas, militares, jornalistas e professores não tiveram o seu martírio reconhecido.

E isso é tanto mais desconcertante quando descobrimos que os índios podem ter sofrido a maior campanha de extermínio que o regime ditatorial.

Responder

nilo walter

16/07/2013 - 23h01

Quantos comunistas já tombaram e muitos mais ainda cairão até que nosso país tenha uma sociedade mais justa .Quantos assassinatos. Tenho dó desse Sr. Raimundo . Ficou do lado errado.

Arroyo, Dina, Oswaldão , Grabois . Os capixabas Aurea, Arlindo Valadão e Zebão . Vou ficando por aqui pois são centenas . Para os interessados no assunto consulte a Editora Anita Garibaldi- livro Guerrilha do Araguaia. Creio que não está esgotado

Responder

Roberto

16/07/2013 - 22h07

Infelizmente ainda não somos uma democracia.Somos apenas da boca pra fora.Alguém ainda duvida sobre quem é que dá a última opinião aqui?

Responder

Alice Matos

16/07/2013 - 20h59

São histórias de tantas lutas das quais tenho orgulho. E fico triste por ver nosso governo à deriva.

Responder

Chomsky

16/07/2013 - 16h54

Romeu Tuma?!

Responder

Danilo

16/07/2013 - 16h16

Sinto-me envergonhado por conhecer tão pouco…

Responder

    renato

    16/07/2013 - 20h46

    Também.
    Mas tenho uma revolta maior que minha vergonha.
    E vou aprendendo um pouco mais, a cada dia.
    Importante, para quando um neto perguntar algo,
    eu possa indicar pelo menos os caminhos para
    pesquisa.

    ma.rosa

    17/07/2013 - 13h02

    Não se sinta assim pois somos frutos deste período obscuro e triste da nossa história! Lembro-me de minha mãe sentada á maquina de costura, chorando porque “os milicos tomaram o Brasil”, acabara Vargas(que na sua visão era melhor que eles), acabara Jango que poderia fazer algo bom pelo país e não pode, acabara a esperança!!! Sobrou a mentira, o oculto, a tortura,etc. Ainda lembro que fiquei pensando que na escola iriam falar alguma coisa sobre este momento, mas o que houve foi o silêncio de vinte e poucos anos de ditadura!!!!!

    Marcelo

    18/07/2013 - 17h45

    Tu ia ver período obscuro se o Jango tivesse conseguido botar o comunismo.. ia estar até hoje o governo escravizando o povo, mais de 50 anos, que nem Cuba/China/Coreia do Norte.

    Só a China matou 45 milhões de pessoas, só na “Grande Fome Chinesa”.

    Houve excessos no Governo Militar, mas comunista eu não queria ser, com os políticos mandando na minha vida.

    O mundo pós guerra era bipolar, ou se estava de um lado ou de outro, e o Brasil ficou do lado correto.

Deixe uma resposta