VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.

Padu Palmério: O ouro de uma cidade mineira escorre pelo ralo

27 de agosto de 2014 às 23h50

20140810_184928

Um destino turístico vazio, vítima de falta de planejamento e corrupção

Fotos e imagens de Luiz Carlos Azenha

Da Redação

Caros leitores, este é o primeiro mini-doc produzido pelo Viomundo, de muitos outros que virão sobre temas polêmicos no Brasil. É cortesia dos leitores-assinantes deste site (torne-se um deles).

É sobre o aeroporto que o então governador Aécio Neves, de Minas Gerais, hoje candidato ao Planalto pelo PSDB, mandou reformar no município em que a família dele tem terras.

Explicação oficial: fomentar o turismo no balneário de águas quentes de Montezuma, no norte do Estado.

Montezuma fica a cerca de 60 km de Rio Pardo e a 100 km de Taiobeiras, com 30 mil habitantes cada. Em ambas, a pista do aeroporto ainda é de terra.

Aécio Neves foi governador de Minas Gerais entre março de 2003 e março de 2010. Foi sucedido por Antonio Anastasia. O prefeito cassado de Montezuma a se que refere um entrevistado no vídeo é Erival José Martins, que ocupou o cargo de 2008 a 2013, até ser afastado. Todos pertencem ao PSDB. O ex-prefeito foi cassado sob a alegação de trocar cestas básicas de um programa de alívio à seca do estado de Minas por votos, quando se reelegeu em 2012.

Tanto o dinheiro para a reforma do aeroporto quanto para reforma do balneário vieram do governo estadual mineiro.

O município onde Aécio e a irmã dividem os 900 hectares herdados do pai fica a cerca de 290 kms de Montes Claros, a maior cidade da região, que tem vôos regulares, 400 mil habitantes e uma pista de 2.000 metros. A pista de Montezuma, que tem apenas 8 mil habitantes, é de cerca de 1.300 metros e nunca foi homologada pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

A edição é de Padu Palmério.

Para ver em tela maior, clique no vídeo e vá para nosso endereço no Vimeo:

Para saber mais sobre este assunto, antes ou depois de ver:

1. O que a Globo vai descobrir se o jatinho do JN pousar em Montezuma

2. Choque de gestão: Montezuma tem aeroporto, não tem maternidade

3. O naufrágio do plano de Aécio de incentivar o turismo em Montezuma

 

10 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Mardones

01/09/2014 - 10h03

Parabéns!

Responder

Grande Carioca

30/08/2014 - 01h05

Azenha…Aécio já era! O perigo agora é do Brasil entrar em uma Idade Média sem retorno com a santinha do pau oco.

Responder

pimenta

29/08/2014 - 16h36

Estadão desnuda a hipocrisia de Aécio com “cortes” de funcionários
Autor: Fernando Brito

Há hoje, no Estadão, uma matéria que deveria ser lida por todo brasileiro e brasileira sérios, que não gostam de discutir o serviço público com a estupidez supérflua de bêbados de botequim.

Mostra quanto a promessa de Aecio Neves em cortar um terço dos cargos comissionados representaria de economia.

0,4% da folha de pagamentos.

40 centavos em cada 100 reais gastos.

Mas o repórter Daniel Bramatti foi mais fundo.

Mostrou que Lula tornou obrigatório que boa parte do cargos fosse provida por funcionários de carreira.

E é, em escala muito maior: mais de dois terços dos ocupantes dos cargos mais elevados são de servidores concursados.

Entre outras razões, além das cotas legais, porque os salários dos cargos dirigentes na administração direta são muito mal remunerados.

Não falo por teoria, mas por vivência própria.

Fui Chefe de Gabinete de um Ministério, até pouco mais de um ano.

O vencimento, para administrar uma máquina de sete mil funcionários, não chegava a R$ 10 mil, no ano passado.

Sem plano de saúde, sem FGTS e com um auxílio alimentação que não chegava a R$ 25 por dia.

Posso mostrar os contracheques a quem o desejar.

É claro que parecerá muito (e é) perto de um humilde trabalhador de salário mínimo. Mas também parecerá piada perto de qualquer gerente de empresa.

Conseguia sobreviver, pagar pensão alimentícia e atender às necessidades especiais de meu filho porque recebia um pouco mais como gratificação por integrar conselhos (raríssimos) ligados ao poder público.

Muitos dos funcionários subordinados a mim mais que eu, por aquele cargo.

Os servidores dos cargos comissionados, além de só serem nomeados depois de investigação – não podem ser processados, não podem ter execuções judiciais e nem mesmo estar devendo uma prestação das Casas Bahia, porque negativação no SPC e Serasa significa veto da Casa Civil – também se sujeitam a responder, pessoalmente, por qualquer gasto irregular – não necessariamente desonesto, apenas irregular – feito pela administração.

Aécio Neves sabe de tudo isso, pois administrou um Estado e cortou na carne dos servidores mineiros, embora tenha se permitido luxos como um aeroporto de lazer eventual em Cláudio.

Não deveria levar para a campanha, embora tenha familiaridade a isso, conversas de botequim.

Responder

Bacellar

29/08/2014 - 15h25

Bacana. Só precisa dar uma seguradinha na velocidade das pans…

Responder

nei

29/08/2014 - 15h15

Caro Azenha,
Não estou conseguindo enviar suas matérias por e-mail para amigos..
Nei

Responder

renato

29/08/2014 - 09h17

Candidatos da DIREITA, do estado minimo, que suga tudo do restante do estado que ela não cuida.
E o que cuida, presta-se a entregar o BRASIL, ao poder de outros interesses.

Responder

Antônio Carlos Pacheco

28/08/2014 - 14h18

Por vezes desejo enviar matéria produzida por este blog para alguém.
Nunca é possível. Recebo sempre uma mensagem de erro.
Por que isso acontece?
Grato

Responder

Paulão

28/08/2014 - 12h51

Este gerencia bem. O patrimônio da família.

Responder

Lukas

28/08/2014 - 11h35

Viomundo deveria estar preocupado com o Acre, não com Minas Gerais.

Responder

Gustavo

28/08/2014 - 00h49

Excelente. Sugiro reportagem sobre a abrangência dos programas sociais dos governos aecio anastasia em minas. Atingem um percentual mínimo da população e são propalados como revoluções sociais. Vide Mães de minas, Poupança JOvem e quetais. Outra informação: soube que as avaliações da área de educação de que o aécio se gaba tanto são fraudes. Soube que as escolas são selecionadas e os alunos instruídos com os modelos das provas. como as escolas e os professores recebem gratificação em conformidade com o desempenho da escola, imagine o que acontece.

Responder

Deixe uma resposta