VIOMUNDO

O que há por trás da previsão de fracasso do esqueleto-robô da Copa

06 de maio de 2014 às 19h09

O ex-presidente Lula em visita recente ao laboratório do projeto Andar de Novo montado na AACD – Associação à Criança com Deficiência, em São Paulo. Fotos: Ricardo Stuckert/Instituto Lula e Facebook de Nicolelis

por Conceição Lemes

Se você pensa que jogo bruto, rasteiras e tentativas de assassinato de reputação são coisas da política, prepara-se para conhecer os bastidores de uma guerra na ciência de ponta. Vai se surpreender como nós.

Divergências são comuns no mundo acadêmico. Fazem parte da evolução do conhecimento científico. Certas disputas, porém, viram carnificina.

Em 12 de junho, na abertura da Copa do Mundo, no Itaquerão, em São Paulo, o mundo assistirá ao vivo a demonstração de um salto da ciência: um jovem paraplégico, “vestindo” uma  “roupa robótica” (exoesqueleto), dará o chute inaugural na cerimônia.

É apenas a primeira etapa do projeto Andar de Novo, liderado pelo o neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis e do qual participam 156 pesquisadores do Brasil, EUA, Inglaterra, França, Suíça, Alemanha, Portugal, Chile, entre outros países.

O objetivo dessa pesquisa, no futuro, é permitir que paraplégicos possam andar novamente.

Porém, Nicolelis e o projeto Andar de Novo estão sendo alvejados por alguns pesquisadores que tentam transformar esse momento histórico da ciência brasileira em algo ruim.

Em 29 de março, reportagem publicada pela Folha de S. Paulo traz críticas ao seu trabalho.  Diz a matéria:

Edward Tehovnik, pesquisador do Instituto do Cérebro da UFRN, chegou a trabalhar com Nicolelis, mas rompeu com o cientista, que o demitiu. Ele questiona quanto da demonstração de junho será controlada pelo exoesqueleto e quanto será controlada pelo cérebro da criança.

“Minha análise, baseada nos dados publicados, sugere que menos de 1% do sinal virá do cérebro da criança. Os outros 99% virão do robô”. E ele pergunta: “Será mesmo a criança paralisada que vai chutar a bola?”.

Sergio Neuenschwander, professor titular da UFRN, diz que a opção pelo EEG é uma mudança muito profunda no projeto original. Ele diz que é possível usar sinais de EEG para dar comandos ao robô, mas isso é diferente de obter o que seria o código neural de andar, sentar, chutar etc.

“O fato de ele ter optado por uma mudança de técnica mostra o tamanho do desafio pela frente.”

Engana-se quem acha que por trás desses ataques estejam razões puramente científicas.

Há guerra de egos, inveja do sucesso alheio, brigas pelo poder, disputas por verbas e até motivos ideológicos. Nicolelis vota abertamente em Lula, Dilma e no PT. E os seus pares (a esmagadora maioria) e a mídia não perdoam o seu posicionamento político. Já um dos seus críticos é antipetista, como perceberão mais adiante.

Mergulhamos então na internet. Ouvimos várias pessoas, entre os quais pesquisadores e alunos, para conhecer melhor os pesquisadores entrevistados pela Folha  e tentar entender o que está acontecendo.

Miguel Nicolelis é pesquisador e professor da Universidade  Duke, nos EUA,  e coordenador do Instituto Internacional de Neurociências de Natal Edmond e Lily Safra (IINN-ELS), no Brasil.

Em junho de 2011, o IINN-ELS, criado por ele em 2005, passou por uma cisão.

O professor Sidarta Ribeiro deixou a instituição. Foi dirigir o Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Neuenschwander faz parte do grupo que acompanhou Ribeiro.

Tehovnik, que em fevereiro já havia detonado Nicolelis na mesma Folha, foi para o Instituto do Cérebro em 2012, após ser demitido do IINN-ELS por falta de produção científica.

Com base nessa e em outras informações levantadas, o Viomundo pediu a Tehovnik e Neuenschwander, via e-mail, que esclarecessem as críticas e outras questões surgidas na apuração desta matéria. Reafirmamos a solicitação outras vezes. Nenhum respondeu.

FONTES DA FOLHA NUNCA TRABALHARAM COM INTERAÇÃO CÉREBRO-MÁQUINA

É de 1985 o primeiro artigo cogitando a possibilidade de interação do cérebro com computador  — a chamada interface  cérebro-máquina.

Em 1999, Nicolelis e seu colega John Chapin, da Universidade Duke (EUA), comprovaram isso num estudo pioneiro com ratos. Em 2000, demonstraram em macacos. Em 2004, em seres humanos.

A interface cérebro-máquina é uma das áreas da ciência onde avanços estão ocorrendo. Tanto que, em 2011, a Fundação Nobel (a mesma dos prêmios) realizou, em Estocolmo, Suécia, um simpósio chamado 3 M: Mente, Máquinas e Moléculas.

Fizemos uma busca no Pubmed, considerada uma das maiores base de dados  de publicações científicas e de pesquisas biomédicas. Até 24 de abril, 1.789 artigos sobre a interface cérebro-máquina tinham sido publicados no mundo.

Em 2000, foram 19. Em 2005, 60.  Em 2010, 170. Em 2013, 309. Este ano já somam 97.

Na semana passada,  Miguel Nicolelis,  postou na sua página no Facebook:

Precisamente às 12:21 do dia 29/04/2014, o BRA-Santos Dumont 1 deu os seus primeiros passos e chute controlados pela atividade cerebral de um paciente do projeto Andar de Novo que também experimentou a sensação tátil desses movimentos do exoesqueleto.

BRA-Santos Dumont 1 é o nome que recebeu  o primeiro exoesqueleto. Os testes estão demonstrando que o conceito de controlar os movimentos do exoesqueleto pelo cérebro – a chamada interface cérebro-máquina — funciona e é viável.

Tehovnik, no entanto, contesta a validade científica da interface cérebro-máquina assim como do projeto Andar de Novo.

Curiosamente, ele Neuenschwander não têm experiência com interface cérebro-máquina para reabilitação motora. Eles nunca trabalharam nem participaram de projeto de pesquisa na área. Também não têm publicação original na área.

O mais próximo que Tehovnik chegou foi o artigo de revisão “Transfer of information by BMI”, feito com mais dois autores e publicado na Neuroscience, em 2013.

Aí, sem experimento nenhum, apenas com base em alguns cálculos em computador, ele conclui que “mais pesquisas sobre a compreensão de como o cérebro gera movimento são necessárias antes de ICM poder se tornar uma opção razoável para pacientes paraplégicos”.

Para quem não sabe, a conclusão que “mais pesquisas são necessárias para compreensão de fenômeno X” é um lugar comum na literatura científica, geralmente utilizada quando o pesquisador não tem nada a concluir.

POUCOS TRABALHOS CIENTÍFICOS PUBLICADOS NOS ÚLTIMOS ANOS

Sergio Neuenschwander é brasileiro e sua área de pesquisa, a visão. Atualmente é professor titular do Instituto do Cérebro da UFRN.

Durante mais de 10 anos, atuou num dos mais sofisticados institutos de neurociência da Europa, o Instituto Max Planck, na Alemanha. Aí, fez pós-doutorado e trabalhou no laboratório do conceituado neurofisiologista Wolf Singer.

A ideia inicial era Neuenschwander trabalhar no IINN-ELS, mas,  devido à cisão, nem chegou a atuar na instituição.

seu nome aparece, junto com o de vários outros cientistas, como um dos responsáveis pela concepção do projeto de repatriação de capital humano, que está na origem tanto do IINN-ELS quanto do Instituto do Cérebro/UFRN.

Acontece que ele só voltou ao Brasil em 2011. Pedimos uma cópia de documentos oficiais que demonstrassem essa participação. Não enviou.

Segundo o Pubmed, Neuenschwander não publicou nenhum trabalho de relevância internacional desde a sua ida para o Instituto do Cérebro/UFRN. As suas 14 publicações listadas nessa base de dados são da época no Max Planck.

Já Tehovnik é canadense. Fez boa parte da carreira no laboratório de Peter Schiller, professor de fisiologia médica, sistema visual e sistema oculomotor do Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos EUA.

Em 2009, veio ao Brasil pela primeira vez. Foi para assumir a vaga de professor adjunto na UFRN. Poucos meses depois pediu demissão.

No final de 2010, retornou. Foi trabalhar no IINN-ELS, onde recebeu uma bolsa DTI (desenvolvimento tecnológico industrial), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Ficou até  janeiro de 2012, quando foi demitido.

Ainda em 2012, prestou concurso para professor de Neuroengenharia no Instituto do Cérebro/UFRN. Foi reprovado.

Atualmente, com bolsa do CNPq, é pesquisador sênior visitante no laboratório de Sergio Neuenschwander. De acordo com o Pubmed, nos últimos cinco anos, publicou quatro trabalhos científicos originais, sendo três de revisão. Apenas um envolveu experimentos feitos nos tempos de MIT.

ALÉM DE NICOLELIS, PESQUISADOR ATIRA CONTRA BRASIL, BRASILEIROS E O PT

O Research Gate é uma rede social para cientistas de todas as áreas. É como um Facebook para pesquisadores. Aí, compartilham seus artigos, comentam, fazem discussão científica.

Tehovnik tem uma conta aí. Parece metralhadora giratória.

Alguns exemplos.

O governo brasileiro suborna os pobres para dar aos ricos? 

 

Nele, o dr. Tehovnik diz:

Vamos comparar dois estilos de vida no Brasil. Primeiro, Paulinha, de Natal, Brasil, que é uma trabalhadora doméstica com nove filhos. Todo mês ela recebe R$ 500 do governo brasileiro, através do programa Bolsa Família. Também a cada mês Paulinha recebe um cheque de R$ 500 para a limpeza de casas durante cinco dias por semana, 8 horas por dia. Sua renda mensal total é de R$ 1 mil.

Contudo, para os R$ 500 Reais (do governo ), Paulinha vota para o partido político que lhe proporciona o apoio financeiro, ou seja, do partido PT de Lula (já que eles estão atualmente no poder) .

Em segundo lugar, temos Edward que é um cientista em Natal, Brasil. Todos os meses, ele e sua família recebem R$ 10 mil reais de um investimento no banco HSBC mais R$ 5 mil do governo federal brasileiro por bolsa científica do CNPq.

… Embora Edward não possa votar (pois ele é um estrangeiro) sua esposa, uma brasileira, vota contra do PT de Lula. Ao contrário de Paulinha, sua esposa sabe que o PT é corrupto (infelizmente  muito parecido com todos os outros partidos) .

Na seção Publicaçõestorpedeia seu alvo obsessivo:

O governo brasileiro tem investido milhões de dólares nas ideias de Miguel Nicolelis. Quais serão as consequências para a Ciência brasileira de um jovem paraplégico dar um chute numa bola, na abertura da Copa do Mundo?

A fraude na pesquisa de clonagem na Coreia do Sul quebrou a autoestima da ciência daquele país.

Será que o mesmo aconteceria com a ciência brasileira?

Em cima desses dois textos, perguntamos a Tehovnik nas mensagens que lhe enviamos:

* Qual sua opinião sobre o atual governo brasileiro?

* E sobre a situação atual do Brasil?

Imediatamente após dizer que a fraude na pesquisa de clonagem na Coreia do Sul quebrou a autoestima da ciência daquele país, o senhor pergunta: “Será que o mesmo aconteceria com a ciência brasileira?” O que exatamente o senhor quer dizer ao tentar comparar a fraude na Coreia do Sul com o projeto do professor Miguel Nicolelis?

Tehovnik não respondeu.

A propósito, no texto Perdido na tradução (Lost in translation), ele afirma:

… em Brasília, no gabinete do ministro Fernando Haddad, em agosto de 2011, nos foi assegurado pela tradução do professor Nicolelis que o reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte acabara de ser demitido.

“Mentira!”, segundo outro participante. “Nem Nicolelis nem qualquer outra pessoa presente à reunião nunca disseram que o reitor da UFRN tinha sido demitido”, salienta.

SOBROU ATÉ PARA O VIOMUNDO: NOS CHAMA DE PALHAÇOS NICOLELIANOS

Antes que perguntem, a repórter antecipa: Neuenschwander e Tehovnik receberam as perguntas do Viomundo.

Uma das provas: mensagem de Tehvonik a Larry C. Woods, com cópia para várias pessoas, entre as quais, Neuenschwander e Sidarta Ribeiro. Um dos copiados reenviou esse e-mail para a repórter, assim como a resposta de Larry C.Woods para Tehvonik.

Assunto: Os palhaços nicolelianos estão de volta! 

Os palhaços somos nós, do Viomundo. No corpo do e-mail, a mensagem que esta repórter havia mandado naquele dia, 10 de abril, um pouco mais cedo, dizendo que era o último prazo para ele responder nossas perguntas.

LARRY SUGERE QUE TEHOVNIK MANDE NICOLELIS “SE FODER’ E VIRA UM MISTÉRIO

Larry C. Woods  baixa ainda mais o nível dos ataques a Nicolelis, revelando o submundo da Ciência e um enigma.

Larry responde para Tehovnik:

Saudações Ed:

Lembre-se sempre de que este arrogante palhaço [aí, ele refere a Nicolelis] “não é teu chefe”!

Eu posso dizer pelo jeito e tom que ele geralmente intimida todas as pessoas.

Mande ele “se foder”!

Será que a informação vem do Researchgate?

Talvez ele tenha tido acesso a alguns dos seus e-mails.

Romulo Fuentes (o sapo) e Antonio Pereira (a toupeira) são meus suspeitos.

Cumprimentos,

Larry

 

Um cientista note-americano a quem mostrei esse e-mail ficou pasmo. Segundo ele, nos EUA, cientista não usa palavrão em e-mail para várias pessoas.

Larry tem inglês abrasileirado e entende português. Foi capaz de compreender as perguntas do Viomundo. Também conhece bem a pequena comunidade que trabalha com neurociência, em Natal. Tanto que cita Nicolelis, Rômulo Fuentes, diretor do IINN-ELS, e Antônio Pereira, do Instituto do Cérebro/UFRN.

Larry C. Woods é LC Woods, o segundo autor do artigo de revisão “Transfer of information by BMI”, publicado por Tehovnik, em 2013 na Neuroscience.

A sua “gentileza” nos motivou saber mais dele, para entrevistá-lo.

Só que – acreditem! — Larry C Woods virou um grande mistério.

Na internet, não encontramos  nenhum currículo em nome do L C Woods, Lawrence ou Larry C. Woods.

Na base de busca de dados científicos, não há  nenhuma informação sobre qualquer Larry C. Woods com experiência no campo da neurociência.

Também não aparece na base de dados unificada brasileira online para os pesquisadores, onde qualquer pesquisador com afiliação primária a uma instituição acadêmica brasileira está listado.

Na internet, ele só aparece no perfil que tem no Research Gate. Aí, ligado a Tehovnik (devido ao artigo de revisão) e ao Instituto do Cérebro da UFRN. É como também se apresenta no trabalho publicado na Neuroscience.

Tentamos localizá-lo no Instituto do Cérebro da UFRN.

Perguntamos para alguns alunos, nada.

Além de e-mail para o próprio, escrevemos para Tehovnik, Neunschwander, Sidarta Ribeiro e Martim Cammarota (respectivamente diretor e diretor-administrativo da instituição). Até para a reitora. Estranhamente, nenhuma resposta.

Uma única pessoa do setor administrativo disse: “Sim, o pesquisador Larry está conosco. Repassarei a sua mensagem para ele”. Ele, porém, não nos contatou.

Pedimos ajuda à a secretária-executiva do Instituto do Cérebro. Tanto por telefone quanto por e-mail ela  foi peremptória: Larry C. Woods não faz parte do Instituto do Cérebro.

Diante da busca infrutífera, só me restou pedir ajuda ao editor-chefe da Neuroscience, Stephen Lisberger, para esclarecer o mistério. Afinal, Larry C. Woods é coautor de artigo que saiu na publicação que ele dirige.

O dr. Lisberger diz que “LC Woods existe”,  mas não deu nenhuma prova da existência, apesar da nossa insistência.

E o mistério Larry C. Woods continua.

Seria um estudante começando a carreira?

Ou alguém da área técnica?

Teria sido do Instituto do Cérebro e foi para outra universidade?

Por que não tem rastros dele na internet, exceto o perfil no Research Gate, que o liga a Tehovnik?

Seria um pseudônimo para esconder a sua verdadeira identidade? Se sim, por quê? Qual a sua verdadeira identidade?

Se for um nome fake, seria correto usá-lo numa publicação científica do gabarito da Neuroscience?

Diante disso tudo, deixo duas perguntas para vocês:

1.Os pesquisadores  usados pela Folha (um deles associado ao ainda misterioso Larry) têm condições científicas para tentar assassinar a reputação de Nicolelis?

2. A bolsa do CNPq a Tehovnik não seria melhor utilizada se fosse destinada a um jovem cientista brasileiro que estivesse a fim de produzir?

Em tempo 1. Acabo de descobrir que o professor Neuenschwander tem um biotério com macacos no Instituto do Cérebro/UFRN. Um deles se chamaria de “Larry”.

Curiosamente, no Research Gate,  Larry C Woods tem no seu perfil uma imagem de um macaco.

Seria o Larry que estamos procurando?! Larry, mostra o currículo, com foto, CPF e RG!

Em tempo 2. Para Nicolelis (aqui e aqui), as declarações contra o seu trabalho são “mais uma tentativa de ataque pessoal. Nós, de nossa parte, continuamos a fazer aquilo que sabemos fazer bem: trabalhar pelo avanço da ciência brasileira”.

[Quer mais reportagens  investigativas como essa? A produção de conteúdo exclusivo do Viomundo é  bancada por nossos assinantes. Torne-se um deles!]

 Leia também:

Conceição Lemes, 33 anos de estrada: Resposta em público a O Globo

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR
83 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Arthur

14/09/2015 - 11h04

Existem muitas pessoas querendo trabalhar de maneira séria neste país, mas que não conseguem entrar em universidades públicas por causa dos “concursos” e os interesses de quem os organizam.
Aproveitanto o tema da reportagem, quais os critérios adotados por Nicolelis para selecionar seus diretores por exemplo? O último que esteve por lá, o tal de Romulo Fuentes, o sapo (que nem brasileiro era) tem um fator H de 6(!), menor que muito aluno de Iniciação Científica por aí.

Responder

Silva

13/06/2014 - 12h29

Acho q a questão ética é a seguinte: Um pesquisador pode ser sensacionalista e prometer algo q é impossível de se entregar em curto prazo?

O que o Nicolelis prometeu: (1) utilização da tecnologia ICM (implantes cerebrais); (2) 25 passos autônomos; (3) pontapé inicial da Copa.

O que o Nicolelis entregou: (1) utilização da tecnologia EEG; (2) Nenhum passo; (3) dois funcionários estavam segurando o rapaz; (4) um chute de 0,5 s.

Se ele sabia das dificuldades do projeto, por que ele fez promessas tão altas, e por que o que ele entregou foi tão aquém do q foi prometido? Vários especialistas da área de neuroengenharia diziam q era um projeto de longo prazo… Por que ele dizia q ia fazer uma homem andar em poucos anos?

Q ele fosse honesto desde o princípio.

Só sei de uma coisa: ontem a noite alguém em Pittsburgh e alguém em Brown devem ter tido uma noite de sono tranquila.

Responder

    Rocky

    24/06/2014 - 14h29

    E a turminha da casinha de bairro nobre em Natal se doeu. #ChupaSidarta!

    Rogério

    25/06/2014 - 09h59

    Para começar, “tecnologia ICM (implantes cerebrais)” não condiz com a verdade. As pessoas deveriam se instruir um pouco mais antes de dar palpites. Conceito de ICM (ou ICC – interface cérebro-computador): é um caminho comunicativo direto entre o cérebro e um dispositivo externo. A interface pode se dar por meio invasivo (implante de eletrodos no cérebro), semi-invasivo (como os eletrocorticogramas) ou não-invasivo (eletroencefalograma). Portanto, a definição de ICM não passa necessariamente por implante cerebral.

Joaquim Silva

03/06/2014 - 16h42

Conceição, me explica uma coisa:

O INN-IELS, do tal Nicolelis, vai ser administrado pelo UFRN. Tanto q é a própria UFRN q administra as obras. Certo?

O ICe, do tal do Sidarta, é da UFRN. Tanto q o mesmo é professor desta instituição, certo?

Uma pergunta: Os pesquisadores do grupo ICe poderão usar as instalações do INN? Pois seria uma incongruência a UFRN correr esse risco enorme de conduzir uma obra dessas proporções e seus alunos ou profissionais não poderem usufruir da mesma.

Eu comecei a ler sobre o assunto ontem. Parece q há outros dois grupos nos EUA estudando o assunto. Um em Brown e outro em Pittsburgh… O q será q esses grupos acham? Vc conseguiria a opinião deles sobre os experimentos?

PS: Seu artigo é mto interessante. Vou acompanhar esse caso. Fui pesquisador na área de computação de uma universidade e já constatei questões eticamente reprováveis… Por isso, me desvencilhei da academia. No entanto, acho difícil dizer quem tem a razão. Quem esteve dentro do turbilhão é q deve saber o q de fato aconteceu. Espero por informações dos próximos capítulos. E, a medida q eu for me informando sobre o assunto, vou comentando aqui para saber sua opinião.

Responder

    Observador

    04/06/2014 - 18h46

    Joaquim Silva,

    O Instituto do Nicolelis é independente, ao que parece. A obra, pelo que sai na imprensa do RN, é tocada pela Federal de lá porque é uma obra do governo federal. A Federal do RN é só um órgão que deveria viabilizar a obra. Mas lendo a matéria postada por outro leitor aqui do Viomundo, parece que a Federal está sendo processada pela empreiteira e que a verba acabou (segue o link copiado: http://tribunadonorte.com.br/noticia/campus-do-cerebro-tem-novo-atraso/277324).

    Isso daria uma boa matéria investigativa, Conceição Lemes.

    O tal de Sidarta é mesmo professor de lá, e segundo a mesma imprensa,se revoltou contra Nicolelis dentre outras coisas por causa da perda de uma vaga de garagem. Acompanho o caso há algum tempo e na verdade ele é professor da Federal do RN por causa do Nicolelis, que conseguiu as vagas e um recurso para cada professor desses que depois resolveu abandonar o Instituto dele. A Reitoria deu declarações à imprensa local afirmando que só se preocupava com o tal ICE. E a obra do Instituto do Nicolelis foi paralisada por causa de uma ação da empreiteira contra a UFRN. E o tal de Sidarta parece ter aprontado poucas e boas por lá (link de outra postagem que vi por aqui: http://www.cartapotiguar.com.br/2013/02/26/sidarta-ribeiro-teria-usado-documento-com-assinaturas-falsas-e-omitido-filiacao-iinn-els-em-publicacao/)

Natalense envergonhado

14/05/2014 - 12h33

http://www.novojornal.jor.br/_conteudo/2014/04/cidades/27704-tcu-de-olho-em-obra-de-nicolelis.php

“O Tribunal de Contas da União (TCU) instaurou uma representação contra a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) para apurar possíveis irregularidades relacionadas à Concorrência 14/2013-DMP, que tinha como objetivo a construção da Escola Lygia Maria Rocha Leão Laporta, estrutura integrante do Campus do Cérebro, em Macaíba, coordenado pelo neurocientista Miguel Nicolelis.”

“Na representação cujo escopo de investigação é o procedimento licitatório que deu origem ao contrato entre a UFRN e Edcon Comércio e Construções Ltda., outros pontos serão investigados. O auditor federal de Controle Externo, Marcos Araújo Silva, autor da análise dos documentos na Secex/RN, listou três itens de perguntas relativos às circunstâncias destacadas pela empresa.

São eles: possível fracionamento indevido da obra, o que pode ocasionar sérias complicações quanto à caracterização da responsabilidade técnica sobre os serviços já realizados; ausência de projetos executivos e complementares e fragilidade no orçamento analítico. A Edcon destacou, ainda, que parte dos serviços e quantitativos que constavam na planilha contratual relativo à 1ª etapa das obras foram retirados dessa e transferidos para a 2ª etapa.”

A Reitoria deveria explicar esse absurdo. Dinheiro público. Mas Sidarta Ribeiro já conseguiu um prédio para ele dentro do Campus. É só somar 2+2.

Responder

Silvanir

13/05/2014 - 08h37

Parabéns a todos os que tem coragem de se manifestar contra Sidarta e seu séquito. Mas temos medo das retaliações. Ele se tornou muito poderoso dentro da UFRN, especialmente na Reitoria. Tudo o que quer tem. A luta é difícil. O monstro só aumenta as garras.

Responder

Roberto Alves

12/05/2014 - 11h42

A verdade um dia aparece.

Sidarta Ribeiro teria usado documento com assinaturas falsas e omitido filiação IINN-ELS em publicação

http://www.cartapotiguar.com.br/2013/02/26/sidarta-ribeiro-teria-usado-documento-com-assinaturas-falsas-e-omitido-filiacao-iinn-els-em-publicacao/

Responder

Jandy

10/05/2014 - 21h44

Da ciência do Dr Nicolelis entendo 0,000, mas sei a importância de qualquer avanço científico, mínimo que seja, no progresso da qualidade de vida das pessoas, principalmente para aquelas que sofrem limitações de qualquer natureza. Portanto seja o método X ou Y; tenha maior ou menor interação cérebro/máquina, o fato de um jovem paraplégico, que antes não tinha nenhuma esperança, dar o chute inicial na bola, no jogo inaugural da copa, traz em si uma carga simbólica da qual, talvez, não tenhamos alcançado a dimensão. E é gol.
Quanto ao tal doutorzinho canadense, é muita ousadia vir falar mal do Brasil e do Governo Brasileiro aqui, comendo às nossas custas. Deveria ser extraditado. Desaforado.

Responder

Rocky

10/05/2014 - 13h08

Sidarta precisa ter muitos colaboradores ou criar fakes que publiquem, porque se fosse pelo trabalho dele, não publicaria nada. O cara teve infra-estrutura e grana por vários anos e não produziu nada, sorte de Nicolelis que o INN seguiu em pé apesar dele. Aí ele achou que tinha que ser o chefe, arrastou todo mundo do INN com a balela que os equipamentos e a grana iriam sair com ele, só que não funcionou. Agora fica em uma casa alugada, “fazendo experimentos em um banheiro” e “bebendo chimarrão no jardim até a madrugada”, de acordo a lenda romântica que eles tentam espalhar na mídia, mas a verdade é que os experimentos são feitos em Upsala, e o chimarrão não é precisamente a erva que consomem. Como não conseguiu apropriar-se do projeto de Nicolelis, agora se dedica a tentar destruí-lo mediante os recursos mais baixos. Nicolelis deu asa a cobra e deve se arrepender disso até hoje. Se ele tivesse chutado Sidarta da direção do INN a uns seis ou sete anos atrás, antes de ele virar professor titular sem ter dado uma única aula na vida, teria se livrado da trairagem. Não há pecado em ser medíocre e charlatão, mas a traição e a calúnia é coisa muita feia.

Responder

Hudson Lacerda

09/05/2014 - 23h47

Viomundo,

No 15º Fórum Internacional do Software Livre, há várias palestras e debates importantes, com amplas implicações políticas, que poderiam ser divulgadas aqui. Por exemplo:

“Cypherpunks e a Militarização do ciberespaço”
http://hemingway.softwarelivre.org/fisl15/low/sala41b-201405091629.ogv

“A Reforma da Lei de Direitos Autorais – por que você deve participar?”
http://hemingway.softwarelivre.org/fisl15/high/41b/sala41b-high-201405091319.ogv

“1984+30: GNU contra a e-Novilíngua”
http://hemingway.softwarelivre.org/fisl15/high/41a/sala41a-high-201405091501.ogv

Programação geral do FISL15:
http://papers.softwarelivre.org/papers_ng/public/new_grid

P.S.: Há outro meio de contactar o Viomundo sem ser nesta caixa de comentários?

P.P.S.: Seria ótimo que o Viomundo criasse uma conta nas redes sociais livres, como RedMatrix e Diaspora*. Ver DiasporaBR.com.br .

Responder

Paulo Carneiro

09/05/2014 - 21h25

Com todo respeito ao Nicollelis e aos seus defensores, não vejo essa ação como avanço científico. Se examinarem índices referente aos paraplégicos do Brasil, chegarão a conclusão que toda essa grana investida nesse projeto surtiria muito mais efeito se aplicada na qualidade de vida desse público do que um chupe dado numa bola por um robô com a participação apenas de 1% do paraplégico. Pasmem senhores(as), 95% dos paraplégicos de nosso País são extremamente pobres que não tem grana nem se quer para comprar um cadeira de rodas para sua locomoção diária. Um absurdo, um disparate que só apenas 5% das pessoas que não andam ter acesso a um projeto dessa natureza. Será que nisso tudo o mais importante é o 1º chute da copa de 2014 no Brasil? E depois??? Sou paraplégico e faço uso de cadeira de rodas para minha locomoção diária.

Responder

J Tavannes

09/05/2014 - 16h25

OLha,acho que deveriam colocar esse robot sob o serviço de proteção policial, pois a ideologia da oligarquia atrasada desse país pode planejar a sua destruição, antes de junho, rs rs

Responder

Maria Izabel Ladeira Silva

09/05/2014 - 13h18

É por isso que sou assinante do Vi o Mundo. Parabéns pela matéria. Show de profissionalismo e informação. Infelizmente, alguns fanáticos não entenderam nada, e só pensam em atacar o Lula. Não esqueçam que esses “cientistas” de Natal são financiados pelo cnpq. Rios de dinheiro pra fazer politicagem nas redes sociais. Típico de gente medíocre, que não produz nada, mas se aproveita do trabalho dos outros para aparecer. Um sabichão daqui, perguntou qual será o resultado imediato da pesquisa de Nicolellis. Ô sabichão, essa foi a mesma pergunta que fizeram aos físicos quânticos no inicio do século. “Pra que que serve isso??”

Responder

Natalense envergonhado

09/05/2014 - 11h54

A UFRN está dando muita contribuição ao projeto do Professor Nicolelis, que tem melhorado a vida de muita gente em Natal e Macaíba. Saiu na Tribuna do Norte o interesse dela em entregar o prédio onde Nicolelis vai fixar seu instituto. É dinheiro público. Com a palavra a Reitora Angela Paiva e seu mentor, Ivonildo Rego.

http://tribunadonorte.com.br/noticia/campus-do-cerebro-tem-novo-atraso/277324

“Em meio a atrasos, novo certame e questionamentos judiciais, o Campus do Cérebro só deverá estar pronto na metade de 2015, e não mais no final deste ano, como fora anunciado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).”

“Com o contrato firmado ainda em 2010, a construção do centro e da Escola Lígia Laporta só foi iniciada no ano seguinte, com um investimento previsto de R$ 42 milhões e conclusão agendada para 2012. Atrasada, a obra teve o cronograma alterado para dezembro de 2014, mas está parada desde dezembro porque o contrato com a empresa licitada expirou. Os valores já foram exauridos e a UFRN ainda não sabe quanto terá que investir para retomar e concluir o projeto.”

“Encontra-se aberto no Tribunal de Contas da União (TCU) um pedido de cautelar impetrado pela empresa Edcon Comércio e Contruções LTDA – a empreiteira que executava os serviços até o fim do ano passado. O pedido de cautelar se refere a ilegalidades e arbitrariedades cometidas pelo Funpec (Fundo Norte-Rio-Grandense de Pesquisa e Cultura) e a UFRN, responsáveis pelo empreendimento.”

“Quando os dois prédios estiverem prontos, o próprio Campus terá que passar por reparos. Como foram construídas há anos, as ruas projetadas no entorno dos prédios já estão com asfalto prejudicado. A drenagem na região também terá que ser feita. Tais reparos não estão incluídos nos projetos que estão sendo preparados.”

Responder

Sandro Batista

09/05/2014 - 09h37

Quem será esse Larry C. Woods? Resolvi olhar o Researchgate citado pela Conceição Lemes: https://www.researchgate.net/profile/Larry_Woods4
O perfil só segue dois pesquisadores (Warren M Slocum e Edward J. Tehovnik) e é seguido por apenas seis. Um deles é Sidarta Ribeiro. Coincidência?

Responder

Arnaldo Silveira

08/05/2014 - 23h43

Uma coisa que alguns estao deixando passar: esse ataque sordido e sistematico orquestrado por Sidarta Ribeiro. O agressor da vez, esse Tehovnik, deve seguir uma agenda. Todas as postagens dele atacam Nicolelis. Porque Nicolelis incomoda tanto a Ribeiro? Vendo reportagens antigas percebemos que Ribeiro venerava Nicolelis inclusive de maneira ate constrangedora. Recebeu um poder imenso de Nicolelis mas o usou apenas para beneficio proprio. E agora os ataques contra Nicolelis nao param. Porque?

Responder

Fabio

08/05/2014 - 22h49

Prezada Conceição.
Parabéns pela matéria.
Um detalhe: creio que o “clown” usado quis dizer “palhaço” (tradição literal – ?), e não “papagaio”.
Abraço.
Fabio

Responder

    Conceição Lemes

    10/05/2014 - 22h32

    Realmente, Fábio. Cochilei. Vou corrigir. Obrigadíssima pelo alerta. abs

renato

08/05/2014 - 21h59

Eles não querem que LULA coloque um dedo Biônico..

Responder

Luiz Antonio

08/05/2014 - 14h16

Sidarta Ribeiro e colaboradores recebem apoio da Folha e do Estadao.

Responder

Luis Carlos Gonçalves de Oliveira

08/05/2014 - 13h46

O ambiente nos bastidores da academia é o que existe de mais abjeto: no Brasil na Europa ou EUA. É uma luta feroz e selvagem em busca de verbas e financiamentos. Miguel Nicolelis, o queridinho deste blog, é um pesquisador extremamente competente tanto na busca de financiamentos como na liderança de suas equipes. O interessante do esqueleto-robô é que não existe de forma integrada e é um trabalho de cientistas do mundo inteiro e não de um gênio. Este post mostra ao público como funcionam os institutos de pesquisa no Brasil e no mundo com alguns pesquisadores absolutamente aéticos. Existe uma fantasia em torno de pesquisadores, todos acham que são figuras corretas e outras tolices que esta reportagem trata de desnuda-los e mostrar que em verdade são figuras tenebrosas. Espero que o Santos Dumont 1 funcione para melhorar a vida de muitos. Até agora o esqueleto-robô parece o avião dos Irmãos Wright, que só os grãos de areia da praia presenciaram a decolagem.

Responder

Rodrigo

08/05/2014 - 11h51

É louvável o trabalho do Dr Nicolelis e sua equipe em tentar mudar a vida de tantas pessoas portadoras de deficiência motora, ainda mais num pais que trata muito mal de seus deficientes, mas acho temerário que se use isso numa abertura de copa. Dá a impressão que se quer primeiramente dar um show midiático típico de alguns populistas da pior espécie bem ao estilo Odorico Paraguaçu.

Deixem que as pesquisas sejam feitas e que seu resultado seja exibido ao tempo certo, e que não sejam usadas para panfletagem política em ano de eleição.

Responder

Mardones

08/05/2014 - 11h14

Os cães ladram…

Vai ter Copa,

Chute do menino com o exoesqueleto,

Protesto,

Chantagem na Bolsa de Valores,

Manipulação da realidade pelo PIG a favor da direita,

Eleição e, se a direita tiver a bancada ainda mais reduzida em Brasília, podemos enxergar mais luzes do final do túnel das reformas necessárias.

Ah! Deve faltar água em São Paulo e a corrente petista CNB (Vaccarezza, Vargas e cia ltda) vai continuar gerando filhos para desagrado de toda militância.

Parabéns ao Vi o Mundo – um blog a favor da notícia – e longa vida para Conceição Lemes.

Responder

    NPFREITAS

    08/05/2014 - 21h30

    Disse tudo, hein?!

Horridus Bendegó

08/05/2014 - 08h27

E vai o FHC lançar um livro sobre “A não dependência de um exoesqueleto ao seu par humano’ e A Folha vai lá se desmanchar em elogios, principalmente a Catanhêde.

Responder

José Luiz Neto

08/05/2014 - 07h22

Dona Conceição: O que há por trás da previsão de fracasso do esqueleto-robô da Copa é a Lei de Murphy.
Vai ser uma chateação!

Responder

duda

07/05/2014 - 21h10

Prezada Conceição Lemes, gostaria de fazer algumas sugestões:

1. A matéria levantou um ponto muito inportante – “possível FRAUDE” na publicação do artigo pelo Tehovnik e o suposto Larry. Sugiro que vocês denunciem isso a revista onde o artigo foi publicado para que a mesma tome as devidas medidas.

2. Acho que você deveria disponibilizar aqui todos os e-mails (NA ÌNTEGRA) que trocou com os pesquisadores do ICe. Já que você disponibilizou as respostas dos pesquisadores.

Responder

    Conceição Lemes

    07/05/2014 - 22h16

    Sugestões anotadas, Duda. Obrigada. Apenas gostaria de reforçar o que eu disse na reportagem. Eu mandei e-mail para todos os pesquisadores mencionados com várias perguntas. Para alguns, várias vezes, inclusive. Só que eles não responderam, apesar de eu reiterar as solicitações. As informações que constam na matéria foram obtidas a partir de muitas pesquisas em bancos de dados, principalmente.Informações que podem ser comprovadas. São factuais, objetivas. Não são respostas deles para nós. O e-mail do Larry respondendo ao Tehovnik não veio pra mim diretamente. Um dos copiados me reenviou. Aliás, como eles não responderam, deixei de fora muitas informações levantadas. Eu não poderia publicá-las sem prova ou sem ouvi-los. Abs e boa sorte

    Hermes

    07/05/2014 - 22h52

    1 – Quando qualquer robozinho, por mais simples que seja, é fabricado lá em Tóquio, a poderosa máfia midiática ocidental (do Google ao JN) é acionada e se desmancha em elogios exagerados. >–> http://www.viomundo.com.br/denuncias/nicolelis-2.html
    2 – Quando importantes acontecimentos são promovidos pelo Brasil (Transposição do São Francisco, Copa do Mundo, Olimpíadas, recuperação das indústrias aeronavais, recordes na produção de petróleo, Mais Médicos, Pronatec e até o tal exoesqueleto), aí vem os ‘urubólogos’ do tipo Diego Carvalho; do possível ‘macaco’ LC Woods; do provável agente da CIA que vem sabotar a evolução da ciência brasileira; do canadense Tehovnik e dos oligofrênicos Neunschwanders e Sidartas da vida, para destilarem o veneno contido no oceano da inveja e amargura de suas frustrações . Aff !… Cruz credo !!!

    Gerson Carneiro

    08/05/2014 - 06h29

    Na linha do que você denuncia passo a relatar uma observação minha durante um jantar na noite de 07.05.2014 em um restaurante. A TV estava ligada na Rede Globo (como sempre) e o repórter todo animado mostrando a “recuperação” das bailarinas que foram vítimas de acidente nos EUA durante uma apresentação. Mostrou foto de umas três, em pé, com a roupa do hospital encobrindo a parafernália de equipamentos que está sustentando a coluna cervical delas, e elas, com um sorriso de mármore estampado no rosto. Claramente foto produzida para passar a imagem de que tudo está bem. Oras, a pessoa toda esfudegada no hospital tiraria uma foto toda sorridente como se estivesse no palco do Esquenta?

    E se aquele acidente tivesse ocorrido aqui no Brasil? O Arnaldo Jabor iria fazer alguma acrobacia para afirmar que a culpa teria sido do PT.

    Hermes

    07/05/2014 - 23h09

    1 – Quando qualquer robozinho, por mais simples que seja, é fabricado lá em Tóquio, a poderosa máfia midiática ocidental (do Google ao JN) é acionada e se desmancha em elogios exagerados. >–> http://www.viomundo.com.br/denuncias/nicolelis-2.html
    2 – Quando importantes acontecimentos são promovidos pelo Brasil (Transposição do São Francisco, Copa do Mundo, Olimpíadas, recuperação das indústrias aeronavais, recordes na produção de petróleo, Mais Médicos, Pronatec e até o tal exoesqueleto), aí vem os ‘urubólogos’ do tipo Diego Carvalho; do possível ‘macaco’ LC Woods; do provável agente da CIA que vem sabotar a evolução da ciência brasileira; do canadense Tehovnik e dos oligofrênicos Neunschwanders e Sidartas da vida, para destilarem o veneno contido no oceano da inveja e amargura de suas frustrações . Aff !… Cruz credo !!! Fatos semelhantes em carência de explicações:
    >–> http://super.abril.com.br/ciencia/sabotagem-tio-sam-446333.shtml
    >–> http://www.youtube.com/watch?v=eRQfxcv9fIs

    FrancoAtirador

    08/05/2014 - 04h53

    .
    .
    U.S.A. e U.E. PODEM INVIABILIZAR
    ACORDO ESPACIAL BRASIL-UCRÂNIA

    “Os interesses nacionais e estratégicos do Brasil não são os mesmos dos Estados Unidos nem da União Europeia.

    O Brasil tem negócios com a Ucrânia, o projeto da empresa binacional Alcântara Cyclone Space (ACS), firmado em 21 de outubro de 2003.

    Trata-se de um acordo de cooperação a longo prazo entre os dois países, para entrar no mercado internacional de lançamentos espaciais.

    O município de Alcântara, no Maranhão, apenas 2° ao sul da Linha do Equador – onde é maior a velocidade de rotação da Terra – permite um impulso natural para o voo do foguete e possibilita a realização de lançamentos para qualquer direção a partir de um único ponto.

    A Ucrânia iria fornecer a tecnologia e os equipamentos, que antes fabricava para a União Soviética, nas indústrias situadas no leste, particularmente em Donetsk e Lugansk.

    Esse projeto, embora sofresse atraso devido aos problemas financeiros da Ucrânia, que não pôde integralizar o capital, havida sido ultimamente retomado.

    Os Estados Unidos, porém, sempre foram contra
    e, se controlam o governo de Kiev, podem inviabilizá-lo.”

    Luiz Alberto Moniz Bandeira,
    cientista político e historiador,
    em entrevista à Agência Carta Maior.

    (http://www.geopol.com.pt/?p=752)
    .
    .

Sagarana

07/05/2014 - 18h55

Eu também tenho dificuldade de acreditar que um petista possa fazer algo de útil. Tomara que eu esteje errado e o chute realmente aconteça.

Responder

    JOão

    07/05/2014 - 21h43

    Sagarana: Você tem ódio de “petista” ou seja discriminaa alguém por ser simpático a um partido político. É um fascista portanto. E burro, pois não sabe nem escrever em sua própria lingua ( “esteje errado” kkkkkkkkk) Não sabe nem escrever é quer entender de política, mas só lê Veja, Globo e a mídia golpista. kakakakakakak

    Sagarana

    08/05/2014 - 20h31

    É verdade JOão, desculpe pelo erro de ortografia. O resto eu mantenho e fasCistas são os petistas!

    Mário SF Alves

    07/05/2014 - 22h00

    Mônica?!!
    Você por aqui?
    E o Bill?

    Lopes

    08/05/2014 - 12h23

    Esteje?

Francisco

07/05/2014 - 18h20

Gostaria que os colegas internautas enviassem todas as fotos que encontrarem do Prof. Dr, Fernando Henrique Cardoso com um cientista de qualquer área (menos, claro, a área dele, as ciencias humanas).

Pois é: temos aqui uma foto do presidente “molusco” e “analfa” com um cientista de ponta. porque ele está na foto? Porque ele (como eu) é TARADO por tudo em que o Brasil é bom, se destaca ou pode dar certo.

Eis a diferença entre FHC e Lula: a tara.

Responder

    ricardo

    09/05/2014 - 01h43

    Falou tudo, e o menino do MEP que o diga.

Francisco

07/05/2014 - 18h15

A única maneira de acabar, por exemplo, com o catolicismo no Brasil é um Papa “lular”.

“Lulou” tá ferrado!!!

Responder

Sr. Indignado

07/05/2014 - 18h06

Esse negócio de futebol é tudo combinado. Mas é Show.
Torcer mesmo eu vou torcer pelo Nicolelis e sua equipe!!!!

Pôr uma criança tetraplégica para dar um chute, nem que fosse 1e10-99% (é um número bem pequeno viu), ainda assim VALERIA A PENA.

NICOLELIS, NICOLELIS…. UHUU AH AH….

Responder

lando carlos

07/05/2014 - 17h39

esse t… não sei o que va a m…………….quem torce contra ,o nicolelis não merece ser respeitado,simples assim.

Responder

Antonio lopes

07/05/2014 - 15h18

Tudo começa e termina assim: o Lula apoia ou o sujeito dá apoio ao Lula então não vale ! O problema científico aí é simples : a existência de um homo sapiens sapiens chamado LULA.

Responder

luiz mattos

07/05/2014 - 15h03

Belo trabalho que demonstra o tamanho da canalhice organizada.

Responder

Hans Bintje

07/05/2014 - 14h38

Veja (sic) como os MELHORES do mundo trabalham, Conceição.

Essas brigas que você relata são hilárias, principalmente quando a gente não trabalha dessa forma faz muito tempo.

Quer um exemplo?

Leia os relatos da pesquisa em neurociências usando plataformas de software livre: http://neuro.debian.net/testimonials.html

Minha área é outra, mas eu também uso a mesma base tecnológica — o sistema Debian — que qualquer um pode instalar em casa e no trabalho.

Conheça o novo, minha querida, acesse o link que eu indiquei ;-)

Responder

Maria Helena

07/05/2014 - 14h31

TAmbém li e me encantei com o livro MUITO ALEM DO NOSSO EU, do nordestino Nicolelis. Contado numa prosa deliciosa e, ao mesmo tempo, engajada, o desenvolvimento das etapas que o conduziram até a construção do exo-esqueleto representa uma Odisséia de nossos dias. E, se não bastasse o feito científico, ele mantém um projeto nos arredores de Natal onde crianças oriundas de famílias muito pobres se desenvolvem recebendo treinamento em pesquisa científica – como forma de retribuir aos Brasileiros por tudo que recebeu em seus anos de formação aqui. Quem se der ao trabalho de conhecer o projeto vai ver a diferença que existe entre Gente e Micróbios Invejosos.

Responder

    Zanchetta

    07/05/2014 - 20h17

    Nordestino? Miguel Angelo Laporta Nicolelis (São Paulo, 7 de março de 1961) é um médico e cientista brasileiro. É filho da escritora Giselda Laporta Nicolelis. Foi considerado um dos 20 maiores cientistas do mundo no começo da década passada, segundo a revista “Scientific American”.1 Foi considerado pela Revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009.2 Nicolelis é o primeiro cientista a receber da instituição americana no mesmo ano o Pioneer e o Transformative R01 e o primeiro brasileiro a ter um artigo publicado na capa da revista Science.

Hélio Pereira

07/05/2014 - 11h46

Lamentável ate nesta área tão importante os simpatizantes do PSDB partem pra mentiras e agressões alem de ficarem torcendo pra que tudo de errado, ficam difamando nosso país!

Responder

Aline C. Pavia

07/05/2014 - 10h38

Lukas, lulipe e Rodrigo Leme, entre outros trolhas, esta reportagem é para vocês, com efusivos cumprimentos.

Responder

    luiz mattos

    07/05/2014 - 15h04

    Assino contigo!

Bárbara de Pindorama

07/05/2014 - 10h37

Só falcatruas internacionais.

Mais: (…)Sabesp, foram repassados aos acionistas. O montante é da ordem de R$ 4,3 bilhões, o dobro do que a Sabesp investe anualmente em saneamento básico. (leiam mais no Nassif)

Responder

Isabela

07/05/2014 - 10h23

Uau, que enredo bizarro! Adorei o trabalho, o texto a investigação: espero pelo próximo capítulo…rss

Responder

ZePovinho

07/05/2014 - 09h45

O Larry é o Sidarta ou o Sergio.Ponto.Aliás,quanto ao Tehovnik,se o gringo acha o Brasil ruim o que está esperando para ir embora?Será que é porque no Canadá ele não foi aceito por ser medíocre??
Gastamos muito dinheiro trazendo pesquisadores gringos medíocres.Temos de investir em brasileiros como Miguel Nicolelis.
Aliás,sendo radical,deveria haver um ENEM para ser professor de universidade no Brasil.Uma das coisas que permitem a introdução de gente como o Sergio na academia é a aprovação de professores universitários por meio de bancas armadas onde só os amiguinhos dos grupos de pesquisa passam nos concursos.

Responder

Django

07/05/2014 - 09h22

Vou aproveitar esse espaço para me expressar livremente sobre alguns fatos que tem afetado a minha vida de forma muito negativa. Não quero me expor e receber ameaças em privado ou humilhações públicas por parte de algumas pessoas do Instituto do Cérebro (ICe), como já aconteceu com alguns professores e alunos da UFRN que não concordaram com Sidarta Ribeiro e seus seguidores, portanto vou ficar no anonimato.
Sem importar os motivos que teve, Sidarta fez uma saída desastrosa do IINN. Não teve nenhuma consideração com o trabalho experimental dos alunos que iriam sair, não avisou aos alunos com antecedência e ocultou para eles, até o último momento, qual seria a data da saída, e finalmente forçou e ameaçou aqueles que não queriam sair. Os alunos ficaram sabendo a data de término do termo pelo próprio Nicolelis, data que estava prevista com um ano de antecedência, quando o termo foi assinado. Sidarta não enganou a todos sozinho, foi apoiado por todo o grupo que estava com ele nesse momento, e que se intitulam “professores”. Professor é aquele que orienta e cria as condições para que seus alunos façam seus trabalhos. Essas pessoas são o contrário do que se pode chamar de professor, e deveriam ter vergonha de mentir e prejudicar seus próprios alunos, que após saírem do IINN precisaram ir para outras cidades ou para o estrangeiro para terminarem seus experimentos ou simplesmente ficaram sem poder fazer nada. Enquanto isso os “professores” ficam viajando pelo mundo, sendo que tem uns que passam seis meses na Europa, sem dar as caras no ICe. Todo mundo no ICe, especialmente os alunos, estão agora pagando os custos dessa saída mal feita. Sidarta é o diretor do ICe, mas em vez de se dedicar à pesquisa, dedica seu tempo à imprensa e a conspirar, não publica, a menos que alguém faça o trabalho para ele, não tem uma linha de pesquisa clara, e os alunos dele chegam à defesa com tese plagiada e mantém gente que não trabalha mas recebe bolsa do governo, como esse Edward Tehovnik, figura obscura que quando aparece aqui é para falar mal de todo mundo, do governo que paga a bolsa dele e do Brasil. Ou seja, Sidarta se dedica paranoicamente a uma luta pessoal de egos e tem abandonado seus deveres de ensino e de pesquisa, e é pago por isso com dinheiro de todos. O Sidarta está levando o ICe direto ao precipício, já é hora do pessoal sério e qualificado do ICe, que não tem o rabo muito preso com ele, tomar conta do instituto. Ainda tem gente boa aqui, pelo amor de Deus, tirem a esse cara da diretoria para a gente começar a trabalhar. Senão, estamos perdidos. Não vejo a hora de terminar meu trabalho e nunca mais voltar a conviver com esse tipo de pessoa.

Responder

    Emma

    07/05/2014 - 16h08

    A leitura desta matéria, só confirma para mim que independente de quem é o certo ou corrupto dessa história infelizmente essa é a nossa realidade. A grande maioria, para não englobar injustamente, só está querendo um lugar de destaque e reconhecimento($$).A humanidade mostra nessas horas o seu lado mais animal e selvagem, não é uma batalha pela sobrevivência em sociedade…Oh mas o que é sociedade mesmo?

    Sociedade é um conjunto de seres que convivem de forma organizada. A palavra vem do Latim societas, que significa “associação amistosa com outros”.

    Vivemos uma batalha em que as pessoas querem sobreviver à sociedade. Vivemos em meio a ela, mas não queremos ser ela, porque a grande maioria, aquela que realmente entende o que significa, infelizmente não está no topo da lista e nem possuí o reconhecimento que merece. Somos egoístas, invejosos, frios, calculistas, interesseiros e o que tiver de ser para alcançar aquilo que almejamos. Na realidade, podemos ser deus e o próprio diabo, tudo depende daquilo que queremos e o que faremos para então conseguir.

    Não concordo e nem discordo com nenhuma das partes referente às criticas feitas pelo Dr. Tehovnik, nosso povo é dominado por uma raça de seres humanos, cujos instintos mais tenebrosos são a busca inconstante de obter poder e lucro. Por causa dessas duas predominantes, somos capazes de transformarmo-nos em verdadeiros monstros dos contos da realidade. Destruímos nosso planeta por elas, destruímos nossa sociedade e destruímos a nós mesmos.

    O que seria desta mãe sem o programa Bolsa Família?
    A primeira coisa que nos vêm à mente sempre é algo negativo, com certeza, vivemos um governo que não nos dá a liberdade de um pensamento positivo nessas horas. Mas e se tivéssemos?
    Quem sabe, ela não teria estudado mais e ponderado mais a respeito de suas escolhas?
    Talvez assim, sua realidade fosse a de uma família em condições de prover sustento ao lar sem a necessidade de um programa que torna sua sociedade medíocre. Da forma como está, porque me esforçar a entrar em um programa como o Prouni ou o Pronatec e adquirir oportunidades melhores de trabalho, se posso estagnar minha capacidade que é igual a de qualquer ser humano e manter minha vida como está, pois o governo me auxiliará em minha ignorância e desinteresse?

    Vamos condenar uma crítica construtiva, só porque ela veio de alguém que está se beneficiando de nossa realidade?
    Não!
    Aí é que está o grande mérito da questão, uma pessoa que está lutando contra sua própria natureza, querendo derrubar a corrupção se utilizando de si mesma para tentar abrir os olhos da sociedade. Como mudar essa realidade?
    A pessoa se pergunta por vezes o que faria se chegasse ao poder para propiciar um futuro melhor, para alcançar isso deve ser como quem a comanda no momento, porque se ela der um passo fora, ela está fora!
    Chegando ao topo, descobre que não manda em nada e nem em ninguém, mas ainda quer fazer algo a respeito. Descobre que qualquer escolha a levará ao precipício agindo fora de protocolo. Decide por vez, sacrificar a si mesma como tentativa de mudança.

    A sociedade mantém seus olhos fechados ainda assim, ignorando os sacrifícios daqueles que esperançosos tentaram a ajudar. Lutaram contra sua própria natureza para tornar o mundo melhor. E o que recebe em troca?
    Ignorância de quem não tem olhos para ver, mas que prefere ignorar aquilo que não lhe favorece ($$).

    Assim somos, infelizmente.

    Podemos mudar?

    Sim, podemos. Estamos dispostos a fazer parte deste grande sacrifício?

    Eis a questão.

    ————————————–PARABÉNS PARA VOCÊ QUE SE MANISFESTOU ABAIXO!————————————————

    Django
    Vou aproveitar esse espaço para me expressar livremente sobre alguns fatos que tem afetado a minha vida de forma muito negativa. Não quero me expor e receber ameaças em privado ou humilhações públicas por parte de algumas pessoas do Instituto do Cérebro (ICe), como já aconteceu com alguns professores e alunos da UFRN que não concordaram com Sidarta Ribeiro e seus seguidores, portanto vou ficar no anonimato.
    Sem importar os motivos que teve, Sidarta fez uma saída desastrosa do IINN. Não teve nenhuma consideração com o trabalho experimental dos alunos que iriam sair, não avisou aos alunos com antecedência e ocultou para eles, até o último momento, qual seria a data da saída, e finalmente forçou e ameaçou aqueles que não queriam sair. Os alunos ficaram sabendo a data de término do termo pelo próprio Nicolelis, data que estava prevista com um ano de antecedência, quando o termo foi assinado. Sidarta não enganou a todos sozinho, foi apoiado por todo o grupo que estava com ele nesse momento, e que se intitulam “professores”. Professor é aquele que orienta e cria as condições para que seus alunos façam seus trabalhos. Essas pessoas são o contrário do que se pode chamar de professor, e deveriam ter vergonha de mentir e prejudicar seus próprios alunos, que após saírem do IINN precisaram ir para outras cidades ou para o estrangeiro para terminarem seus experimentos ou simplesmente ficaram sem poder fazer nada. Enquanto isso os “professores” ficam viajando pelo mundo, sendo que tem uns que passam seis meses na Europa, sem dar as caras no ICe. Todo mundo no ICe, especialmente os alunos, estão agora pagando os custos dessa saída mal feita. Sidarta é o diretor do ICe, mas em vez de se dedicar à pesquisa, dedica seu tempo à imprensa e a conspirar, não publica, a menos que alguém faça o trabalho para ele, não tem uma linha de pesquisa clara, e os alunos dele chegam à defesa com tese plagiada e mantém gente que não trabalha mas recebe bolsa do governo, como esse Edward Tehovnik, figura obscura que quando aparece aqui é para falar mal de todo mundo, do governo que paga a bolsa dele e do Brasil. Ou seja, Sidarta se dedica paranoicamente a uma luta pessoal de egos e tem abandonado seus deveres de ensino e de pesquisa, e é pago por isso com dinheiro de todos. O Sidarta está levando o ICe direto ao precipício, já é hora do pessoal sério e qualificado do ICe, que não tem o rabo muito preso com ele, tomar conta do instituto. Ainda tem gente boa aqui, pelo amor de Deus, tirem a esse cara da diretoria para a gente começar a trabalhar. Senão, estamos perdidos. Não vejo a hora de terminar meu trabalho e nunca mais voltar a conviver com esse tipo de pessoa.

julio cesar montenegro

07/05/2014 - 09h17

antes de ter notícia do trabalho de nicolelis no rgn, li o livro dele MUITO ALÉM DO NOSSO EU. fiquei impressionado como ele, COM EXPERIMENTOS, contesta teorias “CIENTÍFICAS” que tentam reproduzir no cérebro as estratificações sociais. não me espantei quando soube que ele apoiava lula e o pt. o cara mostra que QUALQUER PESSOA pode de desenvolver intelectualmente. aliás como temos assistido nos últimos anos no brasil para desespero da nata que imaginaVA poder BOIAR SEM APODRECER.

Responder

Julio Silveira

07/05/2014 - 08h29

Aqui em nosso país sempre foi assim, o preconceito da elite conservadora, que montou e administra a cultura de retrocessos no Brasil, não perdoa qualquer inteligência nacional que faça sucesso principalmente internacional e empreste esse reconhecimento a grupos populares, principalmente da política. Sempre foi assim, a marca que essa elite, que sempre produziu mediocridade cultural e vende ela para a cidadania como complementos da modernidade e supra sumo do bom gosto, quer imprimir na cidadania é, foi e será a do reducionismo intelectual e criativo, querem reproduzir no povo sua imagem fiel. E um Nicolelis, ao se colocar no nível da cidadania comum, não só lhes impede de fazer essa associação, como lhes indica claramente que estão isolados e mergulhados em mediocridade exclusivamente deles.
E isso eles não costumam perdoar, e para isso buscam seus pontas de lança, seus bastiões, suas reservas técnicas de mediocridade para tentar promover suas redenções, a custa de tudo isso que está posto na matéria.

Responder

Ivo Rodrigues

07/05/2014 - 08h18

E sempre a turminha do tal Sidarta metida em coisas espúrias. Sempre ele, sempre eles.
O tal de Larry pode até ser um fake do Ribeiro, não duvido.
Infelizmente a nojeira é grande por aqueles lados.
E o governo brasileiro ainda paga bolsa para esse canadense esculhambar com o Brasil e seu povo. A primeira coisa a fazer é cortar essa bolsa e dá-la para algum brasileiro que a mereça.

Responder

vera maria

07/05/2014 - 05h23

Nossa, como escreve essa moça. Li como uma super história de ficção policial numa madrugada insone! Agora eu quero saber quem é esse Woods – próximo capítulo sai quando por favor? Espero qud em breve. Abraços, sigam firmes nessa via da coerência e investigação implacáveis contra os charlatães. Vera Maria

Responder

FrancoAtirador

07/05/2014 - 02h37

.
.
Vai ver o Psicólogo Edward Joseph Tehovnik (http://migre.me/j5sMv)

é torcedor do Boston Celtics de Massachussets, time de basquete da NBA,

e resolveu contratar o Larry Bird para cobaia nas pesquisas dele.
.
.
Ou então o tal LC Woods é mesmo o Alter-ego do próprio Tehovnik.

Observe-se que não só o poeta Fernando Pessoa possuiu heterônimos.
.
.

Responder

Pilar

07/05/2014 - 00h02

Coitado do Nicollelis… Com tanto trabalho a fazer e foi arrumar um troll desses bem “péla-saco” mesmo. Só despacho prá fazer essa oferenda voltar pro mar.

Responder

luis antonio

06/05/2014 - 23h52

Esse Larry deve ser o pseudonimo do Cerra, para ganhar a tal bolsa.
O mais triste é que os recursos destinados à ciência dos brasileiros, continuam irrigando pesquisadores que só se preocupam com as benesses pessoais, resultando em quase nada de aproveitável para a nação.
Parabéns Nicollelis!

Este senhor (Larry ou Letha)é na verdade um editor :
http://www.linkedin.com/pub/letha-woods/22/4a2/898

Responder

    Conceição Lemes

    07/05/2014 - 00h38

    Luis, o Letha indicado no link nao tem o C no nome. Chama-se Letha Woods.abs

    FrancoAtirador

    07/05/2014 - 04h54

    .
    .
    De repente, o Larry fez cirurgia,

    para mudança de sexo, e virou Letha.

    Nessa Ficção Científica do Ed Jay Ti

    nada é descartável, tudo é possível.
    .
    .

luisa antonio

06/05/2014 - 23h43

Esse Larry deve ser o pseudonimo do Cerra, para ganhar a tal bolsa.
O mais triste é que os recursos destinados à ciência dos brasileiros, continuam irrigando pesquisadores que só se preocupam com as benesses pessoais, resultando em quase nada de aproveitável para a nação.
Parabéns Nicollelis!

Responder

Marat

06/05/2014 - 23h22

O Viomundo tem a Conceição!
O mundo vil do PIG tem: Cantanhêde, Shereazade, Bóris, Nêumane, Padrão, Jabor, Waak, Bonner, Dora Kramer, Mitre, Sardenberg, Leitão, Mainardi, Azevedo, Piotto, Koghi e outros quem chegam à quinta coluna… Junte esse “time” e ele toma um banho da graaaaaande Conceição… PIG é medieval, é Idade das Trevas, se comparado à Conceição!

Responder

    FrancoAtirador

    07/05/2014 - 04h39

    .
    .
    PIG?!?

    Tá mais parecendo Comando de Caça aos Comunistas (CCC)…

Emerson

06/05/2014 - 23h09

Olá a todos.

Verifiquei o artigo “Transfer of information by BMI” na base de dados “Scopus”. Este artigo aparece com três autores: Tehovnik, Woods e Slocum. Woods aparece como autor apenas deste artigo e seu nome está registrado como “Letha C. Woods”.

Responder

abrantes

06/05/2014 - 22h59

Falando o português claro.Esse Larry C Woods é muito Cara de Pau.

Responder

Jean

06/05/2014 - 20h46

Ótimo artigo. Parabéns!!

Responder

Urbano

06/05/2014 - 20h22

É como eu já cheguei a dizer por aqui e com outras palavras, que o cara pode ser um tamporoso da NASA, resolver uma equação de quinto grau num piscar de olhos e, mesmo assim, ser uma anta de carteirinha, com um ego saturado de inveja e maldade. Dessa malta, 99,99% se encontra na oposição ao Brasil e ao Mundo, desde que se entende de gente; o restante está apenas atrasado na caminhada para lá.

Responder

Silvestre

06/05/2014 - 19h54

As reportagens da Conceição são como histórias de mistério de detetives.
Podia fazer cosplay:

Responder

    Ana Clara

    06/05/2014 - 22h21

    Realmente, Silvestre, as reportagens da Conceição Lemes são como histórias de mistério de detetive. Ela vai fundo. Investiga pra valer. Com muita seriedade e critério. Por isso, vcs fazem a diferença. Parabéns, Conceição. Parabéns, Viomundo. abs

Deixe uma resposta