VIOMUNDO

Marco Aurélio Mello: “A pior ditadura é a do Judiciário”

07 de março de 2016 às 10h46

bancoImagemFotoAudiencia_AP_298381

‘A pior ditadura é a do Judiciário’, diz Marco Aurélio Mello

no Valor, via Conversa Afiada 

“O país está desprovido de segurança jurídica para a quadra delicada que o país atravessa”. Marco Aurélio Mello é o mais falante dos ministros do Supremo Tribunal Federal.

Ao contrário da maioria de seus colegas, costuma dispensar o ‘off’, recurso jornalístico para ocultar a fonte da informação. A condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é apenas a última das condutas do Judiciário que o indignou. O ministro as coleciona às pencas. Ao elencá-las, dispara: “A pior ditadura é a ditadura do Judiciário”.

Na lista das decisões que, na opinião de Mello, denota falta de transparência do “poder que deveria dar o exemplo” está a decisão do seu colega Luiz Edson Fachin de retirar da pauta do plenário a denúncia da Procuradoria Geral da República contra o senador Renan Calheiros (PMDB-AL). “Não é bom quando se retira um processo que tramita há tanto tempo”, disse o ministro. “Gera uma insegurança enorme”.

Liberado para julgamento havia duas semanas, o caso foi devolvido à PGR em atendimento a pedido da defesa, que alegou ‘falha processual’. Ao tomar posse no ano passado, Fachin herdou o processo do ministro Ricardo Lewandowski, que passou a presidir a Corte.

Na denúncia, oferecida há três anos, a procuradoria acusa o presidente do Senado de apresentar notas fiscais falsas ao Conselho de Ética para se defender de um processo de cassação de mandato em 2007. Renan foi acusado de se valer da empreiteira Mendes Junior a pagar a pensão de uma filha que teve fora do casamento. O escândalo levou Renan a renunciar à presidência do Senado, na primeira vez em que ocupou o cargo.

Defensor da renúncia dos quatro da linha sucessória – Dilma Rousseff, Michel Temer, Eduardo Cunha e Renan Calheiros – Mello reconhece que o açodamento prejudica o papel a ser desempenhado pelo Judiciário num momento de crise institucional.

As cortes superiores, na visão de Mello, não devem ser protegidas sob o manto da intangibilidade. Por isso, defende a apuração da denúncia de que a presidente Dilma Rousseff teria negociado nomeações para o Superior Tribunal de Justiça em função do voto do indicado pela soltura de empreiteiros presos, como, segundo a “Isto É”, consta da delação premiada do senador Delcídio do Amaral (PT-MS): “Não somos semideuses, somos apenas operadores do Direito”.

Voto vencido na decisão que liberou a execução de pena para as sentenças de segunda instância, o ministro tem se posicionado na contramão de uma Corte que confirma 96% do que emana da 13ª Vara de Curitiba. Mello não integra a segunda turma, responsável pelas decisões referentes à Lava-jato, mas, se instado a votar, não teria referendado a prisão de Delcídio nem a do banqueiro do BTG Pactual, André Esteves. “O Estado de Direito requer que sejamos contramajoritários”, diz. “A Constituição fala em prisão em flagrante, mas o caso tinha ocorrido havia três dias, como é que pode?”

O ministro não tem dúvidas de que o processo criminal no Brasil é moroso e que a paralisia decisória das relações entre o Legislativo e o Executivo é prejudicial ao país, mas diz que essas deficiências não podem ser corrigidas por um Judiciário que modifica as regras do jogo: “A despeito de estar fragilizado, é o Congresso que legisla. Se o Supremo não exercer autocontenção, onde vamos parar?”

Marco Aurélio estava num hotel em São Paulo para uma entrevista que concederia, naquela noite, a uma rede de televisão. Pela manhã, ao desembarcar em Congonhas, deparou-se com o aeroporto transformado em praça de guerra. Externara, havia pouco, sua opinião sobre o ocorrido: o ato fora ilícito porque coerção pressupõe recusa a uma intimação prévia. “Até o regime de exceção observava a norma”, diz.

Reconhece adotar postura antipática, dadas as pesquisas de opinião que indicam a impopularidade deste governo e a indignação com atos do ex-presidente, mas não pretende se calar contra o que chama de ‘justiçamento’.

Não aceita o argumento apresentado pela força-tarefa de Curitiba, de que a condução coercitiva se dera para proteger o ex-presidente, visto que, na última vez em que um depoimento foi marcado em São Paulo, houve confronto entre manifestantes em frente ao fórum. “Eu, como cidadão, não gostaria de ser protegido dessa maneira”, afirma.

Seu garantismo nunca lhe fez um ministro popular entre os petistas, mas foi dele que partiu o mais desarrazoado ataque à decisão do juiz Sérgio Moro que mandou levar Lula à força para depor: “Aplaudo o Moro, mas não se avança culturalmente debaixo de vara”. Antes de encerrar a entrevista, Mello convoca a assessora com um chiste: “Acho que agora posso passar pelo PT para pegar minha carteirinha”.

 

Leia também:

Lindbergh Farias: Globo quer repetir a história do golpe militar de 1964 como farsa 

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR
28 - jul 1

Advogado de Lula na ONU: “Juízes não podem ser acusadores. É uma grave falha do sistema penal brasileiro”; veja o vídeo

Geoffrey Robertson, um dos maiores especialistas do mundo em direitos humanos em cortes internacionais

Logo da ONU
28 - jul 2

Por que os advogados de Lula acionaram a ONU? Perguntas e respostas

Para entender melhor o que a medida significa

 

7 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

FrancoAtirador

07/03/2016 - 14h23

.
.
No Processo Penal, Qualquer Pessoa póde ser arrolada como Testemunha.
.
Mas a Procuradoria Regional da República do Paraná não precisava exagerar…
.
(https://youtu.be/RtODypgkGAY)
(http://www.pragmatismopolitico.com.br/2016/03/gafe-na-lava-jato-capoteiro-presta-depoimento-a-moro-por-videoconferencia.html)
.
.

Responder

Hugo C A

07/03/2016 - 14h11

Vou avisar, a perseguição a Dilma, Lula e ao pt está sediada nos Estados Unidos; imagino , na verdade creio que todos aqui são esclarecidos para saber da agressividade e corrupção do império em outras nações ; para os ianques ,os herdeiros do direito divino à arrogância, América Latina é seu quintal e ,nós ,seus escravos. Desde de que Dilma Rousseff, junto aos Brics e com a liderança de China e Rússia, se propuseram a uma desdolarização de suas economias, em busca de autonomia e soberania face as fraudes constante no sistema financeiro internacional para impedir o crescimento dos emergentes, os servos do império em Brasil, obsoleta mídia e partidos colonizadores como PSDB E PMDB agiram obsessivamente; desde esse dia, quando ousou libertar o Brasil, os americanos declaram uma guerra interna contra esta presidenta e seu partido. O dólar , como contráditorio moeda nacional e internacional, é sua força e sua fraqueza.Como sempre , fazem tudo à sombra, cooptando as mais corruptos com seu dinheiro aparentemente pego em árvores. Atentem-se a isso; Joaquim Levy, nomeado para solver a “crise” brasileira ,de imediato a aprofundou inconsequentemente e foi com urgência retirado do cargo; o que lhe aconteceu, como prêmio, foi nomeado diretor financeiro do banco mundial, instituição notoriamente controlada pelos Estados Unidos e seus aliados na Europa; chequem se não confiam. Queremos libertar o Brasil , os velhos colonizadores nos assediam. Mas iremos vencê-los por que subestimaram a nosso povo, o ultrajaram. Força Dilma Rousseff, a verdade está ao nosso lado!

Responder

    Olga

    07/03/2016 - 17h59

    Concordo com vc. Estes sujeitos são nada mais que atores e servos de um circo armado lá, nos EEUU. América Laitna sempre foi proveedora de recursos e riquezas para a Europa e o imperio, e seguimos sendo o armaçem em que eles podem e se sentem com direitos que pegar o que quiserem. E o petróleo do pre-sal, alem de outros recursos muito importantes do Brasil é de interese deles, não querem competitividade e aqui es muito mais facil criar desestabilização para os cretinos de sempre entregrem em bandeja o pais. Em outros países são os mesmos europeios e americanos que promovem as guerras com altos custos para a apropiraçõ indevida dos recursos.
    Agora o circo foi armado, podemos esperar qualquer coisa acontecer, o inimaginável pode suceder, muitos fatores confluem para isso. Isto não é uma briga esquerda -direita, isso é o que aparenta. É a elite colaborando com forças exteriores para a entrega dos bens do Brasil. que é clave por seu tamanho e peso em América Latina.

Eduardo Giimarães

07/03/2016 - 12h40

Pobre do Poder Judiciário constituído que se coopta com a imprensa dominante para dar força a seus atos legais! Que democracia é essa, onde delações, decisões, mandados, depoimentos etc.em juizado constituído pela lei , instituto máximo da segurança do cidadão, são postados em jornais, revistas,TV e sites, tudo antecipadamente às autoridades da república , em caráter de preferência, domínio, de um grupo midiático que parece ser o poder maior da democracia brasileira! Nossa democracia criou um “monstro ” chamado “Globo” sobre o qual os poderes executivo, legislativo e judiciário estão inteiramente submetidos! Porquê? O Brasil precisa reagir ao domínio da Globo! Não temos oposição política respeitável como é recomendável! A TV Globo ocupa este espaço e se tornou fábrica de verdades e mentiras para cumprir se objeto empresário/ familiar. Todo o resto”Executivo, Judiciário e legislativo”é uma mentira, que pode se tornar verdade se a GLOBO quiser!

Responder

    Olga

    07/03/2016 - 18h09

    O 4to. poder esta com toda certeza abafando os outros, se não manipulando e usando a seu bem dispor. Lamentável, eles filtram noticias da crise em outros paises e os brasileiros crem que somente aqui tem crise..distorcem noticias, depoimentos e documentos, sublinham o negativo e esquecem do positivo, criando assim um sentimento constrangedor e nocivo na população. É como um martelo batendo todo dia na mesma tecla…fazendo sua função destruidora.

Eduardo Giimarães

07/03/2016 - 12h31

Pobre do Poder Judiciário constituído que se coopta com a imprensa dominante para dar força a seus atos legais! Que democracia é essa, onde delações, decisões, mandados, depoimentos etc.de juiz constituído pela lei , instituto máximo da segurança do cidadão, são postados em jornais, revistas,TV e sites, tudo antecipadamente às autoridades da república , em caráter de preferência, domínio, de um grupo midiático que parece ser o poder maior da democracia brasileira! Nossa democracia criou um “monstro ” chamado “Globo” sobre o qual os poderes executivo, legislativo e judiciário estão inteiramente submetidos! Porquê? O Brasil precisa reagir ao domínio da Globo! Não temos pposição política séria como é recomendável! A TV Globo é a verdade! Todo o resto”Executivo, Judiciário e legislativo”é uma mentira, que pode se tornar verdade se a GLOBO quiser!

Responder

Deixe uma resposta