VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Beatriz Cerqueira: Governo de Minas gasta dinheiro público para atacar sindicato

30 de novembro de 2011 às 01h11

Informe publicitário pago publicado fora de Minas Gerais, que levou o PSDB mineiro a recorrer ao Ministério Público

por Luiz Carlos Azenha

Foram 112 dias de greve, encerrados em 27 de setembro passado com a promessa de que haveria negociações. O governo fez uma proposta, rejeitada pelo SindUTE, o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais, sob a alegação de que não atendia à reivindicação básica, a adesão de Minas ao piso nacional.

O governo decidiu, então, levar adiante a votação do substitutivo número 5 ao projeto de lei 2.355. Na noite de 23 de novembro, por 51 votos a 20, o texto foi aprovado.

Para Beatriz Cerqueira, coordenadora-geral do Sindicato, as ações de Antonio Anastasia (PSDB) revelam descompromisso com a política federal de valorização do professor, que se organizou em torno da aprovação do Piso Salarial Profissional Nacional, em 2008. A lei foi objeto de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) movida por governadores de estado até ser confirmada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em abril de 2011.

Em vez de implantar o piso, no entanto, em fevereiro de 2011 o governo mineiro criou uma nova forma de remuneração, o subsídio, estabelecendo que os servidores em educação poderiam optar pelo novo modelo até 10 de agosto. Dos 200 mil servidores que puderam escolher, 153 mil rejeitaram o subsídio.

Agora, com a aprovação do substitutivo, o subsídio será imposto a todos.

Os professores começaram a campanha salarial reinvindicando o piso conforme calculado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), de R$ 1.597,00. Recuaram para o piso calculado pelo Ministério da Educação, de R$ 1.187,00, valor sobre o qual seriam acrescidas as gratificações e vantagens. O governo mineiro pagará R$ 1.122,00 em 2012 com todas as gratificações e vantagens, inclusive vale-transporte e vale-alimentação, já embutidas. Além disso, os professores mineiros em início de carreira perderão direitos adquiridos pelos antecessores. E não há compromisso do governo Anastasia com o reajuste previsto para o piso em 2012 — segundo Beatriz Cerqueira, de 16%.

A dirigente sindical se surpreendeu com o compartamento da bancada governista na Assembleia: “Votaram um projeto que nem eles conheciam e que não discutiram com ninguém”. Como o projeto foi votado em regime de urgência, as sessões se sucederam durante 12 horas. Só a oposição se manifestou. Os governistas ficaram em silêncio.

Beatriz considera que o comportamento não revelou força, mas fraqueza do governo, que se apoiou na tradicional estratégia conservadora diante dos movimentos sociais: criminalização, judicialização e campanhas midiáticas.

Polícia, Justiça e Mídia, onde o governo mineiro ganha todas (sem falar no Ministério Público, que foi quem pediu que a greve fosse declarada ilegal).

O PSDB chegou a ponto de recorrer ao Ministério Público depois que o SindUTE publicou anúncios sobre a greve nos jornais Folha de S. Paulo e Correio Braziliense, alegando que as publicações ficavam fora da base sindical. Por outro lado, o governo Anastasia acaba de lançar uma nova campanha publicitária de “esclarecimento”, em que faz acusações diretas ao SindUTE.

A publicação dos dois anúncios do sindicato foi paga com dinheiro de contribuições voluntárias, portanto, com dinheiro privado; a campanha do governo Anastasia, que inclui comerciais na TV e no rádio, é bancada com dinheiro público.

“Tudo terminou de uma forma extremamente autoritária”, diz Beatriz. “Toda vez que alguém discorda do governo, argumenta, discute conteúdo e debate números, como nós, que temos acompanhado a execução do orçamento do Estado, aí o governo não dá conta do diálogo”, argumenta.

“O que o governo fez foi só adiar o conflito, porque a insatisfação que existe hoje na escola é principalmente por causa de outro elemento: com este projeto o governo retira direitos da categoria. Você tem servidores que têm direito a determinadas vantagens ou gratificações em decorrência da função que exercem que deixarão de existir e não poderão mais ser adquiridas a partir de janeiro de 2012. Então, estamos diante de um governo que não cumpre o que assina, que não consegue estabelecer uma relação de diálogo, não resolve o conflito da relação de trabalho e retira direitos da categoria”.

Aqui, a campanha publicitária do governo de Minas, num anúncio que foi ao ar na rádio Itatiaia:

sindute_informe_publicitario_1411.wma

Aqui, Beatriz fala sobre o processo que levou à “lei do silêncio”:

SILENCIO.wma

E aqui sobre a esmagadora maioria do governo Anastasia, entre outros lugares, na mídia:

GOVERNO FRACO.wma

Leia também:

Homens encapuzados ameaçam líder da greve da Federal de Rondônia: “Você vai morrer”

Fernando Brito: ‘Omissão criminosa da Chevron-Texaco, cumplicidade escandalosa da mídia’

Tarso: “RBS manipulou conteúdo de conferência que proferi no congresso do Ministério Público”

 

70 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Marcia

06/12/2011 - 20h01

agradecimentos ao sr: Azenha pelas matérias publicadas em defesa da classe dos trabalhadores em educação,e todo o nosso desprezo aos deputados que votaram contra nossos direitos , antes garantidos por Lei agora destruídos.

Responder

Iris

05/12/2011 - 18h43

Que Deus tenha misericórdia de nós! O professor em Minas tá sofrendo, vocês nem imaginam!!!! Se alguém ainda acredita neste governo tá louco e esqueceram de internar.

Responder

marcelo

02/12/2011 - 20h16

essa é a politica de qualidade na educção publica do governo Anastasia, uma merda so!!!! eu cansei , to saindo da educação, ou melhor da falta de educação que é trabalhar nas escolas publicas na sua grande maioria, aquentar ameaças de aluno, escolas caindo aos pedaços , ser obrigado aprovar aluno que nao sabe assinar nem o proprio nome e ainda receber um salario de merda? vou vender é cachorro quente ta mais certo kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

KINKAS

02/12/2011 - 16h02

PSDB, NUNCA, O BRASIL NÃO MERECE ESSES ABUTRES DO PODER.
FORA AÉCIO, FORA ANASTASIA, FORA PSDB, DEMO E TODA ESSA CORJA QUE SO FAZ INJUSTIÇA.

Responder

Maria Helena

02/12/2011 - 15h25

Minas vive hoje, a lei da mordaça. Além de sermos roubados em nossos direitos, estamos sofrendo, nas escolas, todos os tipos de ameaças das inspetoras. A ditadura se instaurou em MG. Se querem isso para o país é só eleger o Aecim, pai de toda essa truculência.Além de ficar sem aumento ainda fui garfada em 20%, pois faria jus, em 2012 de um quinquênio(10%) e o trintenário(10%).

Responder

jair santos

01/12/2011 - 18h48

Aqui em Minas, paga-se a maior carga tributária do brasil. os serviços públicos cobram as mais altas taxas possíveis, e temos os piores retornos. Estamos perdidos nas maõs destes bandos de demônios do PSDB.

Responder

Ricardo

01/12/2011 - 10h42

Minha conciência está limpa, não voto em pessoas da burguesia.

Responder

edilana lopes

01/12/2011 - 10h19

No ceará não é diferente.
Este texto não é meu, recebi de outro colega, mas ele retrata com perfeição a estratégia sórdida que o governo cearense usou para pôr fim a greve dos professores do estado. Hoje quase uma semana depois do acontecido quando lembro, ainda dói na alma e o meu sentimento de indignação cresce cada vez mais.Como não posso fazer muito só me resta divulgar para que todos do Brasil saibam como agem os governos maquiavélicos:” os fins justificam os meios”
…..(”As cercanias do ginásio Paulo Sarasate pareciam o terminal rodoviário ou o terminal de ônibus do Papicu. Segundo os presentes, dezenas e dezenas de coletivos chegavam de todo o hinterland cearense carregando verdadeiras boiadas amestradas que eram forçadas a votar contra os professores e a favor do governador. Muitos vieram com a promessa de gratuitamente conhecer a capital, comer um sanduíche de mortadela e uma caixinha de suco. Desciam dos ônibus assustados com a grandeza da capital, tímidos e empurrados por uns que pareciam ser seus chefes ou coordenadores. Muitos não eram professores ou mesmo funcionários de escola. o governador teria arregimentado centenas (ou milhares ) de pessoas de várias outra secretarias para lhe apoiar. O ginásio ficou (pela primeira vez) superlotado. 80% dos presentes eram os componentes destes pobres coitados que foram arregimentados pelo governador. Os outros 20% ficaram perplexo e indignado com o “golpe de mestre" que estavam sendo vítimas. Quem acompanha o cenário político local, comparou o que aconteceu naquele momento, com a mesma estratégia e truculência quando o governador derrubou o presidente do PSB (Sérgio Novais) para nomear um assecla de sua confiança. Enquanto os professores estarrecidos, humilhados queimavam seus cartões do sindicato apeoc (o sindicato que se vendeu) como forma de protesto em uma grande e simbólica fogueira à porta do ginásio, os chefes, diretores, coordenadores comemoravam com uísque e camarão em um hotel de luxo da orla cearense. C ´est lá vite. Mas nem tudo está perdido. o professor ,como formador de opinião, tem um papel preponderante neste momento. Ele tem sua tribuna livre (a sala de aula) para mostrar como, infelizmente, as coisas funcionam no nosso país. Os nossos direitos estão assegurados por lei federal desde julho de 2008 e ela terá de ser cumprida em toda sua plenitude. (1/3 para planejamento fora de sala, gratificação de especialistas e outros direitos mais.”)

Responder

Jacqueline Sanches

01/12/2011 - 08h19

Só sabe, entende o que estamos vivendo em MInas quem
aqui está!!!
O jornal local ( MG TV) da bandida Rede Globo, virou programa
de culinária. Isso lembra outros tempos…………………

Responder

Márcio

01/12/2011 - 00h11

Rsrsrs!!! E com tudo isso feito, o tal governador será reeleito e seu padrinho será presidente. KKKKKK!! Será um "choque de gestão" no Brasil!!!! O PSDB(Praga Social do Brasil) com o Aécio, na presidência, irá acabar com o STF e o MPF, pois não funcionam, Só gastam dinheiro público(Teatro). Aí não haverá nada pra atrapalhar os planos do partido. KKKK!! Se bem que nunca atrapalharam, né???

Responder

isabel

01/12/2011 - 00h02

Ontem saiu no jornal O Tempo que Anastasia e mais 9 governadores tem tantas ações contra eles que pode ser pedido seu afastamento. Lógico que não acredito no Judiciário, ainda mais o nossso, mas, que ele tem rabo preso, tem…

Responder

Maria indignada

30/11/2011 - 23h55

o que o governo fez aqui em minas com a educação foi um confisco salarial!
para a midia ele diz que paga mais que o piso salaria,para a classe da educação ele diz que não tem como aplicar o piso no plano de carreira pois não tem dinheiro.Quando se vê encurralado cria um projeto de lei obrigando todos a irem para o subsidio.Como posso acreditar que esse governo é sério e valoriza a educação?
nao somos idiotas, sabemos que fomos passados para trás.Esse o o nosso país da enganação, do disse não disse. Uma triste realidade…..

Responder

Mineira consciente

30/11/2011 - 23h45

Formamos um grupo e vamos impertrar um mandato de segurança contra este tal governo,(nem gosto de falar o nome deste PSDEMONÍACO) E SE PRECISO PARTIR PARA UMA AÇÃO. Sugiro que todos façam a mesma coisa assim incomodaremos a JUSTIÇA. Quem sabe medIante ações pipocando no estado inteiro eles não sintam vergonha de se posicionarem contra o POVO, os quais são pagos para DEFENDER.

Responder

Clayton Coelho

30/11/2011 - 22h16

É bom que o povo brasileiro saiba quem são essa turma do PSDB – Aécio Neves e Anastasia. Não é à toa que o playboy das alterosas vem utilizando o editorial da folha de SP, todas às segundas-feiras, para falar de educação. Ou seja, eles querem deixar transparecer para a sociedade que a política de seu governo é para o povo. Grande engano. Aqui em Minas, nenhum meio de comunicação se atreve a criticar o governo Aécio/Anastasia, e o mais interessante, que essa mesma imprensa clama por liberdade de expressão. Quanta ironia!!!

Responder

josé Henrique

30/11/2011 - 21h42

O desgoverno de Minas rouba os professores para entregar as empreiteirase afins,quero ver o que vai virar este estado depois da farra copa/olimpiada. Que bom se tivessemos um Ministerio Público Estadual,legislativo,OAB.,mas nada disso existe em Minas.

Responder

Maria

30/11/2011 - 21h15

Este tal governador mineiro é a pior espécie de ditador, só está faltando tortura física e prisão.
Ele comprou a mídia, engana os mineiros e deve morrer de rir dos professores que ganham 800 reais por mês. Temos que organizar um amplo movimento social contra o PSDB. Este partido é contra qualquer coisa que possa beneficiar as camadas mais baixas. Eles enganam o povo, mas na verdade representam o grande capital. Questão social pra eles é caso de polícia. E é por isto que os polícias mineiros vão receber 4.000 reais de salário base, sem contar os adicionais. Desta forma, estarão mais dispostos a descer o pau nos pobres que reivindicam melhores salários, ensino e saúde pública de qualidade.

Responder

    Marta

    01/12/2011 - 08h39

    Meu caro eu sou professora e vou ficar pelo quinto mês consecutivo sem receber, se isso não é tortura, é oquê?

João

30/11/2011 - 20h49

Quero está errado, mas tenho a impressão de que o STF não deixará de fazer o jogo sujo do governo de Minas contra a educação pública, pois se assim não for, o desgoverno de Minas que não é bobo, não estaria praticando tantos atos ilegais contra os educadores de Minas.

Responder

El Cid

30/11/2011 - 20h31

O (des)governo do meu estado faz isso porque tem o apoio dessa "elite" cretina que se vangloria de ter suas crianças em escola privada, pra essa gente quanto pior for a educação pública, melhor.

Responder

Maria

30/11/2011 - 20h09

PSDB: já deixou claro qual é o seu objetivo, qual é o seu projeto, a que veio…
Não vamos esquecer do Fernando Henrique e o projeto neoliberal implantado no Brasil. Agora tem esses crápulas querendo dominar tudo e impor uma ditadura. Eles não tem projeto para o povo brasileiro. O povo já percebeu isso. Agora é continuar pressionando e denunciando. Uma hora arrancaremos todos dos cargos públicos, já que defendem uma minoria priviligiada que destrói e oprime a vida da gente.

Responder

Telma Cristina

30/11/2011 - 19h51

Luiz Carlos Azenha, na profissão de educadora tenho acompanhado seu empenho em ajudar nossa classe. Você tem divulgado tudo que a mídia de Minas não publica por interesses políticos. Agradeço com enorme carinho seu interesse pelas matérias divulgadas em defesa de nossa causa. Ah! e tudo que você posta eu compartilho, querendo ou não é assim que começa uma rede sequencial. Obrigada, abraço. Telma Cristina Soares Reis

Responder

Izabel/Geografia

30/11/2011 - 18h42

O SindUte gasta dinheiro dos filiados (espontaneamente), com nossa aquiescência. Portanto, está absolutamente legal. A categoria, mais do que apoiou, decidiu, que o sindicato assim procedesse. Dessa forma o governo não tem do que condenar o sindicato. O sindicato somos nós.

Responder

Clarice

30/11/2011 - 17h48

Minas Gerais é o " país" do tucanato, ou será do tucanada. Vergonha! nada aqui funciona, Ministério público que deveria defender ataca, desembargadores e procuradores que deveriam agir ,silenciam,, compactuam.Deputados que deveriam ser donos de uma certa oratória, calam e só digitam " sim" 51 mudos. Estamos perdidos e mal pagos. O Federal omisso não dá nem sinal de vida. Eta1 colôniazinha danada!

Responder

Delma

30/11/2011 - 17h06

Segundo o governo de Minas o valor do subsídio é maior do que o do piso. Por que então ele não nos paga o piso para não pesar tanto no orçamento do estado?

Responder

    geraldo maciel

    01/12/2011 - 11h40

    é isso o que sempre pensei e divulguei

    Ivane F.Silva

    01/12/2011 - 14h12

    É o que gostaríamos de saber também. Pedimos menos e ele quer nos dar mais. É muita generosidade a nível nacional, não é mesmo?

    benicio

    03/12/2011 - 06h59

    No meu caso esse governo tem tirado minhas vantagens e muito, porque á tenho 20 anos de tempo de seerviso.

    Abel

    08/12/2011 - 10h30

    Adorei seu questionamento, pois há muito venho perguntado a mesma coisa.É muita bondade do sr. governador querer nos pagar mais do que estamos reinvindicando, dá para acreditar? E ainda tem pessoas que acreditam em papai noel…

Se Nagao

30/11/2011 - 16h20

Bom texto do Professor Boaventura de Souza Santos – Segunda Carta às Esquerdas http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/Segun

Responder

Márcio Oliveira

30/11/2011 - 16h06

A Beatriz é uma guerreira. É Davi tentando derrotar um Golias obeso, que não luta sozinho. Conta com Tribunal de Justiça e Ministério Público e especialmente com o PIG mineiro, ao qual foi imposta, na expressão do deputado Sávio Souza Cruz, uma "censura financeira", que a mídia da província dos Neves aceita de bom grado. Azenha e Conceição, obrigado pelo carinho e atenção com que tratam a triste situação de Minas. Se quiserem se aprofundar um pouco mais e se estarrecer um pouco mais também, investiguem a criminosa situação da Cemig, a estatal (?) mineira onde quem manda é a Andrade Gutierrez. Comecem pela forma como a Andrade Gutierrez adquiriu sua imensa cota no capital da Cemig (a triangulação envolvendo a Light) e venham até os dias de hoje, não se esquecendo de passar pela tragédia de Bendeira do Sul, com suas 16 mortes. Uma serpentina foi torturada para confessar esse crime que deveria constar na ficha do Aécio Never (o que apoia o bafômetro, mas não sopra) e do Anastazista, seu preposto.

Responder

Marcos

30/11/2011 - 16h01

Apenas gostaria que os blogueiros "sujos' que têm amplitude nacional que procurasse observar mais Minas Gerais, se preocupa muito com São Paulo e depois poderão ser surpreendidos com o que vem se moldurando no estado de MG.
A censura velada que a irmã de Aécio Never, Andréia Neves impõe através de poupudas verbas do estado com dinheiro público para criar uma imagem mentirosa de Aécio.
Aqui como dizem não se respira liberdade e, sim, o pior da ditadura, a da informação comprada.

Responder

    Klaus

    30/11/2011 - 20h26

    No dia que se definir que Aécio é candidato à presidência eles olham mais pra MG. Até lá, vão se equilibrando nas duas canoas.

    Taiguara

    30/11/2011 - 20h48

    Venho dando esse "GRITO DE ALERTA" já há algum tempo. Parece que, finalmente, começam a vazar para além das montanhas de Minas as barbaridades praticadas, à frente do governo de Minas, já no terceiro mandato, por esse aprendiz de déspota que é o Baladeiro do Baixo Leblon. Caso essa figura nefasta chegue ao Planalto nós, mineiros, num futuro próximo seremos responsabilizados por isso.Nãopodemos nos omitir. Esse Baladeiro transformou Minas Gerais numa espécie de Maranhão do Sul . O Brasil precisa ser alertado para esse perigo iminente. Sugiro a todos que lancem, abaixo de qualquer comentário que se faça sobre esse playboy, um S.O.S. chamando a atenção para esse grave momento que vivemos.
    O PERIGO MORA MINAS. E,pior, dirige bêbado

Euler Conrado

30/11/2011 - 15h13

Além de tudo o que foi dito, é preciso enumerar alguns atos praticados pelo governo de Minas contra os educadores:

1) reduziu o salário nominal de 153 mil educadores que optaram pelo sistema de vencimento básico, rejeitando o subsídio. A partir de julho de 2011, os educadores tiveram seus salários reduzidos ao valor de 2010 – e quem ficou no subsídio continuou recebendo o reajuste salarial aplicado no início do ano. Portanto, o governo de Minas praticou duas ilegalidades somente com este ato: agrediu o princípio da irredutibilidade salarial – coisa proibida pela Constituição Federal; e o princípio da isonomia, já que uma parcela da categoria recebeu reajuste em 2011 e a outra parcela ficou privada deste reajuste a partir de julho;

2) o governo reduziu os percentuais de promoção (mudança de nível, que ocorre a cada cinco anos, quando algum servidor consegue novo título acadêmico), e progressão (mudança de grau, que ocorre a cada dois anos). Estes percentuais foram rebaixados, respectivamente, de 22% para 10%, e de 3% para 2,5%. Com isso, o governo destruiu o plano de carreira vigente no estado para os educadores – as demais carreiras do estado continuam com os percentuais citados, sem alteração;

3) incorporou o vencimento básico ao subsídio, criando assim uma parcela única, remuneração total, e com isso descaracterizando a Lei do Piso. O piso foi criado para valorizar o salário inicial, vencimento básico, sobre o qual devem incidir as vantagens e gratificações conquistadas pelos servidores. Ao acabar com o vencimento básico e com as gratificações, o governo desvincula a remuneração dos educadores da Lei do Piso, que prevê reajustes anuais baseados no custo aluno ano, cujos índices são superiores à inflação.

Mas, é bom que se diga também, que o governo federal tem sido omisso e parceiro dos governos estaduais nos seus ataques aos direitos dos educadores. O governo federal nada fez para cobrar dos governos estaduais a correta implantação do piso, que é lei federal e cujo financiamento prevê o compartilhamento entre os três entes federados. E ainda agora, um deputado federal do PT do Ceará, aprovou relatório propondo a redução dos índices de reajustes anuais do piso. Trata-se de mais um golpe contra os educadores de todo o Brasil.

Em 2011 houve greves em cerca de 23 unidades da Federação, o que mostra que a Lei do Piso, criada para valorizar os educadores, tem funcionando de forma inversa. Ou seja, está criando uma verdadeira desilusão da categoria com o presente e o futuro da Educação pública no Brasil. Trata-se de uma política orquestrada pelas elites dominantes, envolvendo todos os partidos que governam nas três esferas, para sucatear a educação pública na modalidade ensino básico. E Minas, nesse cenário, constitui o pior exemplo de política de choque de confisco salarial encaminhada pelo atual governador, em continuidade à política do seu padrinho político, e atual quarto senador pelo Rio de Janeiro.

Responder

Polengo

30/11/2011 - 14h53

“Tudo terminou de uma forma extremamente autoritária”
Lembra São Paulo, onde eles gastam dinheiro publico em:
– Bombas de gás contra estudantes e professores
– Fazendo propaganda da sabesp na nordeste
– Comprando revistinhas e jornalecos dos seus cumpádis
– etc.

Responder

betinho2

30/11/2011 - 13h04

E o Ímpério com medo de desenhos….de CRIANÇAS….é mole?…rsrs
http://dilma13.blogspot.com/2011/11/eua-censuram-

Responder

Jairo_Beraldo

30/11/2011 - 12h10

E enquanto isso, aqui em Goiás, a quadrilha tucana, capitaneada pelo imaculado Reizinho M. Perigo (responde ainda a 38 processos na justiça, por isso o imaculado…faltam alguns para se igualar ao idolatrado pelos paulistas, P. Maluf), para doar o sistema público de saúde aos "aliados", fazem toda sorte de barbárie com os usuários, funcionários e gestores da saúde. Não se sabe mais a quem recorrer, pois o MPE-GO, parece um forte "parceiro" do imaculado reizinho, não se importando com a população que está desesperada com a situação caótica que mais parece produzida, que de fato. E para minha surpresa, vi uma chamada da quadrilha tucana, ontem na tv, chamando o PT de ratos ladrões. Fui ilário…lembrou-me G.W.Bush com suas teorias de armas quimicas e biologicas de destruição em massa no Iraque.

Responder

luiz carlos s. matos

30/11/2011 - 11h56

Aqui em São Paulo estamos amargando a mesma situação.Precisamos dar uma lição de democracia nesses 'demotucanos"nas próximas eleições e para isso devemos nos informar melhor sobre quem realmente está ao lado do povão e quem está ao lado do povão só na hora da propaganda eleitoral .Uma opção de informação é este siteque analisa os fatos á partir do contraditório e não do que o Pig informa e comenta.

Responder

joão33

30/11/2011 - 11h37

esta situação só pode ser mudada ,com ação no lugar certo , como que o psdb ganha eleições com esta agenda e este comportamento , a raiz de tudo começa desde como é administrado as eleiçoes pelo t.s.e. , as maracutaias começãm dai e são muito graves , todos devem se juntar e acompanhar tudo o que o governo faz ,corpo a corpo , seguir o dinheiro as licitaçõies , não dar sossego , trazer tudo a luz do dia , por que nada do psdb em minas e no brasil , passa no crivo de uma auditoria , esse povo é covarde , ministério publico , tribunal de contas e3 todo o resto . marcação cerrada , esta muito fácil para eles fazerem o que fazem , vamos dificultar ao máximo.

Responder

Paulo Lopes

30/11/2011 - 11h20

Minas e São Paulo , acorde antes que seja tarde
ainda tem tempo.
plf

Responder

Cart

30/11/2011 - 11h03

O povo não é maioria ai em MG, o que está havendo? Parece que vc's de Minas estão é brigando com os Paulistas, estão querendo ser os dois estados psdb para sempre! Vamos mudar isso pois nem um ente federado do nosso Pais merece este governo do psdb, só virareos esta página quando aprendermos o que é melhor para nós hoje e para os nossos queridos filhos amanhã.

Responder

Fabio SP

30/11/2011 - 10h52

Que inversão de valores!!! Queria que o governo do estado pagasse com quê? eles só tem dinheiro público…

E desde quando contribuição sindical obrigatória é dinheiro "privado"…

Responder

    Marcos

    30/11/2011 - 15h54

    No caso do Sind-UTE – MG existem os profissionais que são filiados e os que não são. A filiação não é obrigatória, muito menos a contribuição.
    Se esclareça.

    Ze Duarte

    30/11/2011 - 18h10

    se esclareça você, há mais de uma contribuição sindical, uma delas é considerada tributo e é obrigatóriam… essa devia ser extinta

    Giovane

    30/11/2011 - 16h22

    Meu caro, a questão não é com que dinheiro pagar, e sim pagar o que com o dinheiro público.
    Usar dinheiro p´blico para publicidade mentirosa é crime.
    Quanto a contribuição sindicaal, vc deveria se informar melhor, pois ela é voluntária. Sendo assim a contribuição Sindical é dinheiro Privado sim. Nós é que autorizamos o desconto em folha.
    Por fim, quando for usar expressões como a que usou "inversão de valores", saiba aplicá-las em um contexto que vc realmente saiba utilizar.
    Não tente defender o indefensável.

    Getulio

    30/11/2011 - 16h23

    A tal contribuição sindical que vossa senhoria fala não é obrigatória!! Os servidores OPTAM por sindicalizar-se. Portanto, não é dinheiro público, mas sim dinheiro daqueles que desejam se unir em prol da reivindicação de direitos trabalhistas e da conquista de outros mais.

    Fábio

    30/11/2011 - 19h28

    Que bobagem está falando!!!
    A contribuição é OBRIGATÓRIA SIM!!!!
    Mesmo quem não é sindicalizado paga 1 dia do trabalho no início do ano.

    Giovane

    30/11/2011 - 21h56

    Você deve se realmente se informar mais. Desta contribuição anual, o Sindute abriu mão, mas o governo continua cobrando dos servidores e deposita em juízo, para jogar os servidores contra o sindicato.
    Antes de dizer besteira, se informe…

    Debora Santos

    01/12/2011 - 09h37

    Caro Fábio, o sindicato dos professores de MG não recebe o repasse dessa contiribuição compulsória de um dia/ano há mais de três anos – o que é de se perguntar em qual poupança excusa o governo tem aplicado esse dinheiro -, quanto à contribuição sindical mensal, a qual é sim opcional, eu e todos os que lutaram por sua valorização profissional querem mesmo é que o sindicato gaste cada centavo a nosso favor, é exatamente para isso que contribuímos, não para o silêncio do rabo entre as pernas.

    Rose

    04/12/2011 - 13h01

    Isso mesmo, a contribuição mensal é para nos defender e por isso escolhemos Beatriz Cerqueira. Engraçado os puxa sacos do governo não querem nem saber onde eles colocam o nosso dinheiro. Cadê o dinheiro do nosso piso? Cadê o Prêmio Percentual já aprovado em orçamento para 2011? De onde o governador tirou o dinheiro para comprar os Deputados que se calaram e votaram contra a EDUCAÇÂO DE QUALIDADE EM MINAS GERAIS? Porque não foi só contra os professores que a falta de valorização recai.
    Trabalho para a Rede Municipal e também sou cobrada o imposto sindical anual e esse dinheiro não vai para sindicato, pois nem o temos. Essas pessoas quando opinam deveriam se informar melhor.

    carlos5

    30/11/2011 - 19h59

    o q o Sr diz, simplesmente não é verdade!

    sou bancário, não sou e nunca fui sindicalizado e todo ano sou descontado COMPULSÓRIAMENTE em 1 dia de trabalho (1/30 do meu salário) como "contribuição sindical"…

    só há 1 forma de escapar disso… se vc provar para o RH da sua empresa q o Sr já contribuiu para o sindicato da sua "classe"…

    além do mais, Lula autorizou o repasse de R$ 1BI/ano para os sindicatos e centrais sindicais, e ainda teve a cara de pau de vetar o controle de gastos dos sindicatos pelo TCU, alegando q isso feriria a "independencia sindical"!

    os sidicatos no Brasil, vivem sim de DINHEIRO PÚBLICO!

    renata

    06/12/2011 - 12h26

    Privado no sentido de que só se sindicaliza quem quer , portanto , autorizamos o desconto para que nossa causa seja divulgada e defendida….pela sua observação deve ser conivente com os desmandos desse ditador.E mais ….o dinheiro público deve ser usado para garantir os interesses do povo e não para o governo fazer propaganda de si ,do seu projeto ,Reflita…. ou tentar defender o indefensável….o fato de não cumprir a lei do piso.reflita….

alexandre

30/11/2011 - 10h20

Esse é o DNA bandido dos demotucanos. Aqui no Ceará, onde a família gomes fez seu coronelismo imitando o pai deles (tasso "tenho jatinho porque posso"), eles atuam de forma bem semelhante, dominam a mídia, o legislativo e, ao que parece, o judiciário.

Responder

Marcos

30/11/2011 - 10h10

Quem quiser ver uma tabela com mais exemplos comprarando o subsídio e o piso salarial entre no link:
http://mdfnoticias.blogspot.com/2011/11/as-perdas

e para ver as fotos dos deputados que votaram com o governo e contra neste link:
http://mdfnews.wordpress.com/ ou neste http://mdfnoticias.blogspot.com/2011/11/educacao-

Responder

sergio

30/11/2011 - 10h05

1. O governo mineiro publicou anúncio na FSP de sábado, 26/11/11, a respeito de sua política salarial para os docentes da educação. Não consta que o PT entrou com qualquer medida a respeito disso.
2. O PT mineiro (com raras e honrosas exceções) está preocupado é em ocupar a vice-prefeitura de Belo Horizonte. Nada mais que isso.
3. As principais lideranças do PT mineiro (Fernando Pimentel e Patrus Ananias) se calaram diante dessa absurda ação do governo estadual. Não manifestaram, como militantes políticos, qualquer solidariedade aos trabalhadores da educação estadual.
4. O PT nacional também se calou perante os fatos ocorridos em Minas. Nada de mais, posto que, na mesma época, o governo Dilma cortava ponto dos trabalhadores dos Correios e dos trabalhadores dos IFETs e simplesmente não os recebia para qualquer negociação.

Responder

Lu_Witovisk

30/11/2011 - 09h16

Modo PSDB de governar. Esses caras devem ter titica no lugar do cerebro, eles acham que dessa maneira vão permanecer no poder?? Sera que são tão delirantes que esqueceram que para ter poder precisam de povo, não so de policia, justiça e midia?? Esse partido está naufragando mais a cada dia. Noticias de SP, MG e PR não são nada animadoras. So entenderia essas atitudes se eles estivessem confiando em alguma baixeza (golpe mesmo ou o tal voto distrital), de outro jeito é o naufrágio.

Responder

eunice

30/11/2011 - 09h11

Ministério Público pedindo que a greve seja ilegal?
Mas o Min. Público não deveria estar do lado do público que lhes paga salário?

Responder

    helio

    30/11/2011 - 10h49

    NÃO o de MG!! O MPE é arqui inimigo dos trabalhadores e do povo em geral, é irmão gemeo das agencias desreguladoras ANATOAS, ele prejudica aqueles a quem deveria defender e protege aqueles a quem deveria fiscalizar e punir, esses são os órgãos de controle em MG, não é a toa que Minas é campeã no quesito ´RISCO DE CORRUPÇÃO´ pesquisado pelo Instituto Ethos que coloca Minas em primeiro seguida de Pará e Maranhão, lugares que tem órgãos de controle Controlados pelo Gov do estado e imprensa cooptada, eis a Minas verdadeira para os que não conhecem!

    Cida

    30/11/2011 - 20h02

    É isso mesmo! É vergonhosa a atuação do Ministério Público em Minas. Não sei para que mesmo servem esses órgãos e tanto dinheiro gasto com o poder judiciário por aqui. É o povo que tem os maiores salários depois dos políticos, é claro! E no entanto?
    Não servem para nada! Mobilização, pessoal! Muito trabalho para nós.

E S Fernandes

30/11/2011 - 08h40

Este é o PSDB governando para você…

Infelizmente, no meu Estado, PR, temos um governo também do PSDB que ainda não cumpre, integralmente, a lei do Piso para o magistério. Ficou para trás a hora-atividade.

Mas no geral tais governos são antipovo e antitrabalho. Não todos, mas alguns membros do PSDB "avançaram", inclusive, da direita para a extrema-direita. Não há como ter dialogo com estas pessoas. Elas devem ser derrotadas e destruidas politicamente.

Responder

    luc

    08/12/2011 - 16h54

    nós nao somos responsaveis pela ma administração dos recursos publicos, nem de mg e nem do nosso pais.somos apenas pagadores honestos do ke nos é imposto, imposto disso,imposto dakilo, enqto o cabide de empregos do estado so vai aumentando….se tivesse tido competencia para governar nao teria dado "passos mais largos ke as pernas" portanto o nosso salario devido, ja teria sido pago… se a gnt atrasa um dia com nossas contas …la vem juros…o gov deveria nos devolver isso com juros tbm… uma vz ke nao honrou seu compromisso com o funcionalismo publico.
    ainda tenho esperanças ke nosso povo seja mais observador e cobre melhor de nossos governantes…
    um abraço.

Mestra

30/11/2011 - 07h26

Os professores têm que parar de votar nesse partido. Sim, porque tem muito professor que ainda vota no PSDB por puro preconceito contra os partidos de esquerda.
Agora, o jeito é sair às ruas nas próximas eleições e ir de casa em casa trabalhar contra a reeleição desse governador . E falar de política dentro da sala de aula, na reunião de pais, e em todos os momentos da vida e nas relações interpessoais.

Responder

    helio

    30/11/2011 - 10h52

    Pois eu já penso que só o impeachement desse Anastazista dá jeito em Mg, imagine esperar mais 3 anos aguentando esse ditador sendo que em menos de um ano ele já mostru a que veio, vai destruir MG, ou o que restou dela e não conseguiram doar para inicitaiva privada ainda, se o povo mineiro for esperar 2014 o estado terá um dono em 2014 aliás será loteado entre varias empresas.

    Klaus

    30/11/2011 - 20h23

    Não seria golpe ou terceiro turno?

    Professora

    30/11/2011 - 19h59

    Sou professora e já estou fazendo isso. No norte de Minas Gerais Anastasia/Aécio (argh!) não tem vez!

Marcos

30/11/2011 - 05h15

Não se pode dizer apenas governo Anastasia, mas sim, Governo Aécio/Anastasia, pois, tudo isso visa atender a um projeto neoliberal com o objetivo de levar Aécio Never a presidência da república. Por isso, é encessário o controle da mídia que é partidária desse grupo através de poupudas verbas de publicidade. O jornal Estado de Minas, o jornal Hoje em Dia não publica nada contra o governo. O Jornal o Tempo, às vezes, quebra essa regra e divulga. Por outro lado as TVs também estão fechadas para os movimentos sociais.
Minas, com Aécio/Anastasia e a irmã de Aécio Never, Andréia Neves que é a cherifa da mídia, vice um estado de exceção. Uma ditadura imposta através das mídias com o único propósito de blindar o gvoerno do "choque de gestão". "choque de gestão" que fez com a Minas multiplicasse a sua dívida. Em 2002 a dívida de Minas era de 12 bilhões de reais, hoje ultrapassa os 70 bilhões. E não podemos esquecer do teatro que Aécio Never promoveu na mídia em 2004 anunciando o "défit zero", dizeno que era o fim do cheque pré-datado em Minas. Tudo marketing com o apoio da mídia mineira e parte da nacional que representa as elites.
Então essa política em relação aos Professores do estado foi um assalto aos direitos adquiridos ao longo da carreira de milhares de pessoas. E este assalto não vai ficar só na educação, parece que se quer estender à polícia civil e pessoal da saúde.
Veja um exemplo. Um Professor que tenha 18 anos de trabalho perceberá em 2012 um salário bruto de R$1.438,03 pela lei que foi aprovada em 23/11/2011. Se o governo Aplicasse a lei do Piso Nacional como assinou documento com testemunhas e depois rasgou, o valor do piso mais as vantagens em 2012 seria de R$1.433,96 (Piso Salarial incluído o reajuste pelo MEC de 16,69%) + R$430.18 (3 quinquênios – 30%) + R$645,28 (9 biênios – 45%) + R$286,79 (Pó de Giz) + R$34,50 (auxílio transporte) = R$2.830,71.
Portanto, o governo Aécio está dando um calote de R$1.392,68 a esses professores. Os Valores variam de acordo com o tempo de serviço. Todos estão sendo prejudicados mais quanto mais tempo de serviço, maior serão as perdas.
Este é o projeto neoliberal de Aécio que quer ser presidente do Brasil.

Responder

    helio

    30/11/2011 - 10h56

    Anastazista é o ´administrador´ dessa década de gov Aócio/anastazista, pois antes dele tivemos tambem o demonio do Azeredo que neste momento inclusive deve estar tentando aprovar o AI-5 DIGITAL na surdina como é de seu feitio, e Aócio é a cara do governo, a estampa do playboy de 50 agradou aos eleitores mineiros e a mente diabólica por trás dos dois é a de Andrea Never a Censora de MG, é um trio dos infernos que mandou manda e mandará em MG enquanto existir otários que os reelejam como vem fazendo há mais de 1 década.

    CARLOS

    01/12/2011 - 07h33

    GENTE, VAMOS MOBILIZAR UMA CAMPANHA DE IMPEACHMENT CONTRA ESTE ANASTASIA PARA ELE SOFRER AS CONSEQUENCIAS DE NÃO ATENDER AO POVO !!! O QUE ESTAMOS ESPERANDO! A HORA É AGORA.

    Conceição Lemes

    01/12/2011 - 09h09

    Carlos, letras minúsculas nos próximos comentários, por favor. abs

Deixe uma resposta