VIOMUNDO

As sete semanas vividas por Genoino na Papuda deterioram sua saúde

25 de junho de 2014 às 12h52

por Conceição Lemes

Provavelmente nesta quarta-feira 25, o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) julgará os recursos dos advogados do José Genoino Neto, 68 anos, solicitando que o ex-presidente nacional do PT cumpra a pena em regime domiciliar.

Condenado no julgamento da Ação Penal 470 (AP 470) a 4 anos e 8 meses de prisão em regime semiaberto, Genoino está de volta, desde 1º de maio, ao Centro de Internamento e Reeducação (CIR) da Penitenciária da Papuda, em Brasília.

O ministro Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), respaldado em laudo da UnB, revogou a sua prisão domiciliar provisória.

Em reportagem publicada pelo Viomundo em 1° de maio, o cardiologista o cardiologista Geniberto Paiva Campos, ex-professor de Cardiologia na Universidade de Brasília, advertiu: “Genoino não conseguirá atingir o nível ideal de anticoagulação”.

Não deu outra.

A anticoagulação do sangue não só não atingiu o  nível ideal. Piorou. Assim como deterioram outros parâmetros da saúde, desde que ele voltou para a Papuda, em 1º de maio.

É o que demonstra relatório médico do doutor Geniberto Campos, anexado ao pedido de prisão domiciliar encaminhado ao STF (na íntegra, mais abaixo) .

Ele diz (os negritos são desta repórter):

Trata-se de paciente hipertenso, coronariopata, portador de aterosclerose carotídea.

Desde seu retorno ao presídio apresentou alguns episódios de crise hipertensiva, com elevação importante dos níveis pressóricos sistólicos, que requereram o uso de medicação de urgência.

O perfil de coagulação foi repetido em 20 de maio de 2014, com RNI = 1,93 que, embora não tendo  atingido o  nível terapêutico ideal, evidenciou melhoras.

Novos controles sequenciais realizados até o momento mostram a perda gradativa do controle terapêutico da anticoagulação, com os seguintes níveis de RNI: em 26.05 => 1,71; em 02.06 => 1,64 e em 09.06 => 1,47.

A perda  constante do nível terapêutico da anticoagulação pode conduzir a  situações potencialmente danosas, mas evitáveis,   como risco  de  AVC (derrame cerebral) e de processos embólicos.

Em contato com os médicos do presídio da Papuda sugerimos, enfaticamente, manter as doses de anticoagulante com as quais, em sua residência, o paciente vinha obtendo controle  terapêutico adequado,  levando-se em conta que o fator dieta é um item fundamental nesse processo.

Considerando que o aumento da doses de anticoagulantes adicionaria riscos de sangramentos (hemorragias), eventualmente fatais, foi tomada a decisão de manter as doses que, comprovadamente, mantinham o paciente em níveis terapêuticos ideais (RNI entre  2 e 3).

Observe-se, ainda, que o paciente, no período de referência, apresentou um ganho de peso significativo – cerca de 1 kg/semana o que, sem dúvida, acrescenta riscos ao seu quadro clínico.

Diante dos dados da sua evolução clínica e a cardiopatia de alto risco de que o paciente é portador, reiteramos a conveniência da continuação de seu tratamento em ambiente doméstico.

Em bom português: as últimas sete semanas vividas por Genoino na Papuda mostram que foram perdidos os controles da pressão arterial, do seu peso corporal e da anticoagulação do sangue.

E a pressão arterial descontrolada pode causar outra dissecção da aorta, novo acidente vascular cerebral (AVC) ou um infarto do miocárdio devido aos fatores de risco associados. Acrescente-se aí o uso de anticoagulante que aumentaria o risco de problemas cardiovasculares.

Vamos por partes.

O aumento do peso, que por si só já aumenta o risco cardiovascsular,  está ligado diretamente à alimentação inadequada.

Quanto à coagulação sanguínea, Genoino tem hipocoagulabilidade, que,cem “leiguês”, significa que o sangue coagula menos do que deveria.

Após a cirurgia para correção da dissecção da aorta, em julho de 2013, Genoino teve um episódio de fibrilação atrial. É uma alteração no ritmo do coração que forma trombos nas cavidades do órgão. Os trombos são coágulos que vão crescendo. Acontece que os trombos se fragmentam, formando êmbolos. Esses êmbolos ganham a circulação do restante do organismo, podendo obstruir a passagem do sangue para áreas nobres.

“No caso do Genoino, os êmbolos foram para o cérebro e provocaram um pequeno derrame [acidente vascular hemorrágico, AVC]“, explicou-nos em outra reportagem o cardiologista Geniberto Paiva Campos. “Por isso, ele toma o anticoagulante varfarina, anticoagulante que atua para não deixar formar trombos.”

O anticoagulante “afina” o sangue, evitando o tromboembolismo.

Para ter esse benefício, é indispensável que o anticoagulante atinja o seu nível ideal no sangue do paciente. Do contrário, persiste o risco de formação de êmbolos e obstrução da circulação.

Por isso Genoino faz periodicamente a dosagem da coagulação sanguínea: TAP/RNI.

Traduzindo. TAP é Tempo de Ativação da Protombina. RNI, Regulação Normatizada Internacional. Esses dois parâmetros indicam se o paciente está ou não anticoagulado. O objetivo é o RNI ficar entre 2 e 3.

No  caso de Genoino, o RNI está  ficando cada vez mais abaixo de 2, que é nível desejado, ou o alvo terapêutico. E isso é grave, pois ele tem risco de novo tromboembolismo, que pode ser fatal.

Vale relembrar que, além da do anticoagulante varfarina, a dieta de Genoino tem de ser com pouco sal, pouca gordura e restrita em alimentos ricos em vitamina K, pois ela interage com o anticoagulante, diminuindo a ação desse remédio.

Isso significa consumir com parcimônia, por exemplo, brócolis, couve-flor, grão-de-bico, espinafre, nabo, beterraba, lentilha, fígado, aipo, feijão verde, abacate, azeite, mamão, agrião, mostarda e salsa.

Resultado: como Genoino não recebe esse tipo de alimentação na cadeia — ele come o mesmo dos demais presos — , ela está dificultando o controle da coagulação. Ao mesmo tempo,  essa dieta aumenta o peso e favorece o aumento da pressão arterial.

— Mas por que Genoino não reclama  do tipo de alimentação? — alguns devem estar perguntando.

Imagine ficar reclamando da dieta da Papuda, como se aquilo fosse um hotel 5 estrelas.

O mais correto seria retornar à prisão domiciliar, que é mais adequada às suas atuais condições de saúde.

Mandá-lo de volta à Papuda foi de uma truculência, desumanidade e covardia sem tamanho.

Por isso, eu, Conceição Lemes, defendo desde o princípio a prisão domiciliar. Deixá-lo no cárcere é uma temeridade. Uma irresponsbilidade.

Sem o controle dos níveis de coagulação, da pressão arterial, da sua dieta e do seu peso corporal – e dando de barato o incalculável estresse psicológico da cadeia – o Genoíno corre riscos elevados. Criminosamente, desnecessários.

***********

RELATÓRIO MÉDICO ANEXADO AO PEDIDO FEITO AO STF

Leia também:

Kotscho: Quem vai pagar por prejuízos causados pelo terrorismo midiático?

Investigação VIOMUNDO

Estamos investigando a hipocrisia de deputados e senadores que dizem uma coisa ao condenar Dilma Rousseff ao impeachment mas fazem outra fora do Parlamento. Hipocrisia, sim, mas também maracutaias que deveriam fazer corar as esposas e filhos aos quais dedicaram seus votos. Muitos destes parlamentares obscuros controlam a mídia local ou regional contra qualquer tipo de investigação e estão fora do radar de jornalistas investigativos que trabalham nos grandes meios. Precisamos de sua ajuda para financiar esta investigação permanente e para manter um banco de dados digital que os eleitores poderão consultar já em 2016. Estamos recebendo dezenas de sugestões, links e documentos pelo [email protected]

R$0,00

% arrecadado

arrecadados da meta de
R$ 20.000,00

90 dias restantes

QUERO CONTRIBUIR

 

14 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

FrancoAtirador

26/06/2014 - 12h05

.
.
A MAIORIA DOS MINISTROS DO STF RELATIVIZOU O DIREITO À VIDA

Ontem (25/6/2014), o cidadão brasileiro José Genoíno, doente e na condição circunstancial e provisória de presidiário, foi condenado por oito [email protected] do Pleno do Supremo Tribunal Federal a sobreviver encarcerado por mais nove semanas – salvo se [que ironia] conquistar um emprego externo e se não sofrer uma Embolia ou um Acidente Vascular fatal – para só então conseguir receber os cuidados médicos especiais necessários para tratar das graves enfermidades vasculares que o acometem, tais como Aterosclerose Carotídea (http://migre.me/k6Wx8) e Coronariopatia Crônica (http://migre.me/k6WEV), com agravante Hipertensão Arterial, além das sérias complicações causadas pela Dissecção da Aorta (http://migre.me/k6RfJ), mesmo após a Cirurgia a que foi submetido, e até por conseqüência dos efeitos colaterais dos medicamentos prescritos e de aplicação obrigatória, dos quais faz uso contínuo, dada a cronicidade do quadro clínico que se apresenta há alguns anos.

Com essa sentença dos oito ministros do STF que endossaram a decisão autocrática do ex-relator da AP 470 e Füher Supremo, centenas, senão milhares de [email protected], em situação semelhante à enfrentada por José Genoíno, serão [email protected] a cumprir um sexto da pena amontoados nas cadeias espalhadas pelo País, para só então alcançarem a oportunidade de buscar o tratamento específico adequado às doenças graves que @s acometem.

Dessa forma, o Supremo Tribunal Federal, por maioria de votos, preferiu fazer ‘injustiça igualitária e universal’, isto é, decidiu que se o Sistema Prisional é injusto e indigno para muitos, então deve ser injusto e indigno para todos, mesmo que eventualmente o preso corra risco de morte,
eximindo-se, portanto, da responsabilidade fundamental que lhe foi constitucionalmente atribuída, qual seja, a de garantir verdadeiramente a Justiça e a Dignidade Humana a [email protected] @s [email protected]
.
.
Prisão para Genoino

Por Najla Passos, na Carta Maior

O novo relator surpreendeu ao votar pelo indeferimento do pedido do ex-deputado José Genoino trocar o regime semiaberto pela prisão domiciliar, devido aos problemas de saúde que enfrenta:
ele apresenta cardiopatia crônica, agravada por recentes oscilações na coagulação sanguínea.

“Todos os quatro laudos oficiais das juntas médicas – duas da UnB e duas da Câmara – indicaram que a cardiopatia grave do paciente está controlada e não o impede de cumprir a pena e controlar doença na prisão”, afirmou.

Barroso justificou que não pode dar a Genoino um tratamento diferenciado do destinado aos demais presos brasileiros, ainda que seja sensível ao caso, não concorde com os termos da condenação e, filosoficamente, defenda a prisão domiciliar monitorada para todos os criminosos não violentos. “A situação dele não é ela diversa de centenas de outros detentos”, ponderou.

O relator afirmou que, somente no sistema prisional do Distrito Federal, cumprem pena 306 hipertensos, 16 cardiopatas, 10 condenados com câncer, 56 com diabete e 65 com HIV, além dos 11 internados em alas de segurança própria dos hospitais púbicos. Ainda segundo ele, há pelo menos mais 70 casos tão ou mais grave do que o de Genoino: dois condenados com insuficiência cardíaca, um com válvula mecânica, um com leucemia, dois com câncer no testículo e um com câncer no pâncreas.

Barroso, entretanto, garantiu a Genoino o mesmo direito ao trabalho externo que assegurou aos demais réus em regime semiaberto e se comprometeu a autorizar sua progressão para o regime aberto, tão logo ele cumpra um sexto da pena a que foi condenado, o que acontecerá no próximo dia 24 de agosto.

Ele explicou que, no Distrito Federal, o regime aberto pode ser cumprido em casa, conforme farta jurisprudência.
“A celeridade se impõe em função da idade avançada do agravante e do quadro de saúde já descrito”, acrescentou.

Os ministros Dias Toffoli e Ricardo Lewandowisk divergiram do relator.

Segundo eles, a situação de saúde de Genoino vem se agravando desde que ele foi transferido do regime domiciliar para o Complexo Penitenciário da Papuda, conforme comprovam os exames mais recentes. “Os laudos oficiais que identificaram melhora do seu estado de saúde foram feitos quando ele estava em regime de prisão domiciliar”, alertou Toffoli.

Lewandowisk acrescentou que a própria Procuradoria Geral da República, que representa o Estado acusador e é quem fiscaliza a lei, se manifestou favorável ao regime de prisão domiciliar e, por isso, não faria sentido o STF tomar posição mais dura. “Não há controvérsia entre defesa e acusação”, ressaltou.

Ele lembrou que, conforme a procuradoria observou, o próprio sistema prisional afirma que não tem condições técnicas de prestar o atendimento necessário a Genoino.

“Há outro parecer oficial que não foi trazido à baila, do Instituto Médico Legal de Brasília, que afirma que o paciente é acometido de doença grave, crônica, agudizada, que necessita de cuidados especiais”, acrescentou.

Além disso, alegou a informação de que as recentes oscilações nos índices de coagulação no sangue que podem causar hemorragia ou acidentes cardiovasculares suscitam dúvidas de que ele esteja tendo o tratamento adequado.

“Se o paradigma persiste, a solução deve ser a mais favorável ao sentenciado. Negar o pedido de Genoino significa estender este paradigma às centenas de outros presos do sistema prisional brasileiro”, observou.

(http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/STF-libera-trabalho-externo-para-Dirceu-mas-mantem-Genoino-na-prisao/4/31253)
.
.

Responder

Fábio

26/06/2014 - 10h22

Enquanto isso o Dantas Soltinho da Silva…o Cachoeira…..

Responder

alex

26/06/2014 - 01h44

Como tem trolls cara de pau. São recrutados e pagos para falarem merda na blogosfera! Ainda bem que a gente sente o cheiro de longe …

Responder

Fabio Passos

25/06/2014 - 23h43

Libertem os presos políticos!
Libertem José Genoíno, Herói do Povo Brasileiro!
Toda solidariedade as vítimas da farsa do mentirão.

Responder

    Serapião

    27/06/2014 - 08h24

    Comprar na Câmara de Deputados voto favorável ao governo com dinheiro furtado é crime, ou só é crime se o voto for desfavorável?

    Fabio Passos

    27/06/2014 - 23h03

    Crime quem cometeu foi o PiG… quando encheram sua cabeça com esta m toda. rsrs

lulipe

25/06/2014 - 21h05

Vai continuar assistindo os jogos da copa na Papuda.Ainda há juízes em Berlim!!!

Responder

    Fabio Passos

    25/06/2014 - 23h41

    Comemorando a injustiça e a patifaria de novo, PiG-boy?
    Meu companheiro José Genoíno, preso político, encarcerado na papuda, é um homem íntegro. Ninguém, jamais, vai falar algo assim de você, não é?

Fabio Passos

25/06/2014 - 20h59

Que “justiça” de m.
Os fantoches togados continuam tentando assassinar José Genoíno.

Toda solidariedade a José Genoíno, Herói do povo brasileiro.
Um homem íntegro, que dedicou sua vida na luta por Democracia e Justiça Social.

Somados todos os togados deste supremo embuste… não tem uma fração das Virtudes e da Coragem de Genoíno.

O stf é um mero anexo do PiG!

Responder

Vlad

25/06/2014 - 20h12

A manha não deu certo.
Chama o Fred pra dar umas dicas.

“O novo relator do processo do mensalão, ministro Luís Roberto Barroso, votou nesta quarta-feira por rejeitar o pedido de prisão domiciliar feito pela defesa do ex-presidente do PT José Genoino, preso desde novembro do ano passado. A posição de Barroso foi acompanhada por sete ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), com exceção de Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli. O presidente do STF e ex-relator do mensalão, Joaquim Barbosa, não compareceu à sessão.”

Responder

    Fabio Passos

    25/06/2014 - 21h20

    “Trata-se de paciente hipertenso, coronariopata, portador de aterosclerose carotídea”

    Não é manha.
    José Genoíno está em condições que agravam seus problemas de saúde e colocam em risco a sua vida.

    José Genoíno é um homem íntegro. Características reconhecidas por quem conhece sua história e está bem informado.

MAAR

25/06/2014 - 17h11

Hoje existe a chance da Suprema Corte iniciar o resgate da plena vigência do Estado Democrático de Direito, através do imperativo respeito à legislação em vigor, às Normas Constitucionais e aos elementares Princípios Jurídicos. A cidadania atenta espera dos Excelsos Julgadores coerência, coragem e isenção para retificar as graves distorções já evidenciadas. E vale lembrar que o julgamento maior será realizado pelas gerações futuras, à luz dos fatos e História.

Responder

Urbano

25/06/2014 - 13h54

O dolo do responsável (ou responsáveis) por essa situação é altamente explícito…

Responder

    Urbano

    25/06/2014 - 13h56

    Eis, portanto, a justiçazinha de boston da staf.

Deixe uma resposta