VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Você escreve

Zé de Abreu: Condenar Genoino lembra Ionesco


17/12/2012 - 20h56

por Luiz Carlos Azenha

O ator José de Abreu disse esta noite, num debate promovido pelo Centro de Estudos de Mídia Barão de Itararé, que a condenação do ex-presidente do PT, José Genoino, a 6 anos e 11 meses, por corrupção, “é um negócio que lembra Ionesco”, numa referência ao dramaturgo romeno do teatro do absurdo. O objetivo do encontro foi fazer um balanço do julgamento do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal.

Abreu lembrou a vida modesta de Genoíno “numa terra de empreiteiros”.

Ele também revelou que, apesar de ter pedido desculpas formalmente ao ministro Gilmar Mendes, do STF, continua sendo processado por ele — informou que pode ser alvo de uma segunda ação. O ator lembrou que chamou Gilmar Mendes de “Gilmar Dantas corrupto”, mas não conseguirá provar que Gilmar de fato é Dantas.

“Você não sabe o que representa a tua voz”, disse em seguida a secretária de Comunicação da CUT, Rosane Bertotti, se dirigindo a José de Abreu. Ela defendeu que o conteúdo do debate, que levantou uma série de críticas às decisões do STF, seja levado às ruas. Na opinião de Rosane, o risco de não fazer a mobilização popular é que se reproduza no Brasil o que aconteceu em Honduras e no Paraguai, ou seja, um golpe judicial.

Virgínia Barros, da União Nacional dos Estudantes, afirmou que os ministros do STF “rasgam nossa Constituição” e disse temer uma “ditadura judiciária”.

Também criticou a mídia, lembrando: “Aqueles que condenaram Luiz Gushiken nos jornais, deram apenas uma notinha quando ele foi inocentado”. Gushiken, um dos reús na Ação Penal 470, ocupou a Secretaria de Comunicação e em seguida chefiou o Núcleo de Assuntos Estratégicos no primeiro mandato de Lula.

O presidente da Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), Ubiraci Dantas de Oliveira (Bira), lembrou que foi a mobilização popular que impediu a derrubada de Lula durante a crise do mensalão, em 2005. Ele acredita que o objetivo final da direita brasileira é a privatização da Petrobras e a retirada de direitos trabalhistas adquiridos durantes os governos do PT.

“Dez empresas arrastam 70% da publicidade do governo federal”, denunciou Joaquim Palhares, da Carta Maior, argumentando que o principal problema dos governos do PT foi a inexistência de políticas públicas para a sustentação da mídia alternativa. Ele disse que se o governo não enfrentar o problema deveria “suspender a publicidade de todos”.

“O momento é muito difícil. Lamentavelmente nós estamos na defensiva e tudo isso tem uma explicação: estamos no décimo ano de um governo de esquerda que não conseguiu enfrentar a questão da comunicação”, avaliou Palhares.

Do debate também participaram o escritor Fernando Morais, os jornalistas Paulo Moreira Leite e Raimundo Rodrigues Pereira e os professores de Direito Pedro Estevam Serrano e Cláudio José Langroiva Pereira.

No público estavam três dos condenados pelo STF, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o ex-presidente do Banco do Brasil Henrique Pizzolato e o ex-presidente do PT José Genoino.

Em uma de suas intervenções, Pedro Serrano disse que foi um grande erro permitir a transmissão ao vivo das sessões do Supremo Tribunal Federal, por colocar sob pressão os ministros. “Juiz tem de ser um profissional, não um herói”, argumentou. Ele também defendeu um mandato de 10 anos para os ministros, um processo mais democrático para indicar os juizes e a transformação  do STF em uma corte constitucional, essencialmente política.

Segundo Serrano, os ministros atuaram na AP 470 sob intensa pressão da mídia. O ministro Ricardo Lewandowski votou com Joaquim Barbosa em 90% das decisões do relator, observou Serrano, mas isso lhe custou uma série de ataques da mídia, inclusive com ofensas pessoais.

Houve quase consenso de que é preciso promover uma mobilização popular e que devem avançar juntos os debates sobre o STF e a luta pela liberdade de expressão.

Leia também:

Desespero de um lado, comodismo do outro

Marco Maia: Respeitar o Legislativo é defender a democracia

Marco Maia: Câmara pode não cumprir decisão do STF

Lúcio Flávio Pinto: Ocupação da Amazônia ainda segue diretriz da ditadura

Lucro privado, prejuízo público: Um exemplo do capitalismo à brasileira

Cláudio Puty: Celpa, um caso clássico de Privataria Tucana

Exportação em Carajás é crime lesa Pátria

Ildo Sauer: O ato mais entreguista da história

Celio Bermann: Belo Monte serve a Sarney e às mineradoras

Wanderlei Pignati: O que tem na água que você bebe

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



20 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Maierovitch: "Atribuir a um juiz a chicana vira prevaricação, no mínimo" - Viomundo - O que você não vê na mídia

17 de agosto de 2013 às 10h46

[…] Zé de Abreu: Condenar Genoino lembra Ionesco […]

Responder

Lincoln Secco: A História os absolverá - Viomundo - O que você não vê na mídia

13 de agosto de 2013 às 09h36

[…] Zé de Abreu: Condenar Genoino lembra Ionesco […]

Responder

Genoino na Câmara: Volto com “a consciência sincera dos inocentes” « Viomundo – O que você não vê na mídia

03 de janeiro de 2013 às 20h41

[…] Zé de Abreu: Condenar Genoino lembra Ionesco […]

Responder

FATOS & FOTOS

20 de dezembro de 2012 às 06h18

[…] Por Luiz Carlos Azenha, no blogViomundo: […]

Responder

Tucano de Alagoas entre governadores solidários a Lula « Viomundo – O que você não vê na mídia

18 de dezembro de 2012 às 19h56

[…] Zé de Abreu: Condenar Genoino lembra Ionesco […]

Responder

Líder do PT no Senado ataca convite a FHC feito por líder do PT na Câmara « Viomundo – O que você não vê na mídia

18 de dezembro de 2012 às 18h13

[…] Zé de Abreu: Condenar Genoino lembra Ionesco […]

Responder

Pedro Serrano: “Não houve o valor do juízo imparcial” « Viomundo – O que você não vê na mídia

18 de dezembro de 2012 às 17h01

[…] Zé de Abreu: Condenar Genoino lembra Ionesco […]

Responder

Willian

18 de dezembro de 2012 às 14h25

Henrique Pizzolato não deve gostar tanto assim do Lewandoviski como vocês. Além da inocência do Genoíno e do José Dirceu, defenderam também o Pizzolato?

Responder

Joe

18 de dezembro de 2012 às 10h24

Sou defensor de regulamentação da mídia e da profissionalização das relações trabalhistas(praticamente é um setor “informal””).
Agora pense no seguinte, o gov põe em pauta a pluralização da mídia, a mídia anuncia um golpe e supremo da suporte a mídia.
Todo o processo acabaria no Supremo, que daria “direito adquirido” a mídia. Desgaste para o gov e nenhuma solução para a cidadão.

Na minha opnião a solução é fechar a porta, cancelar todas as campanhas nos grandes meios, parar de sustentar os caras.

Não quero meu imposto alimentando que prega o ódio, preconceito de classe e sabota meu país.

Responder

Rodrigo Leme

18 de dezembro de 2012 às 06h57

O debate foi bem rico em opiniões, não? Tem os que são contra a condenação, os que são mais contra a condenação, os que são a favor da inocência dos bandidos…pluralidade é isso aí. Se tudo der certo, “debates” como esse serão o saldo de se “enfrentar a questão da comunicação”.

Responder

    Gerson Carneiro

    18 de dezembro de 2012 às 08h57

    Você fumou o cigarro estragado da pequena Sônia?

    A reunião para defender a petulância do STF é no Instituto Millenium.

Gerson Carneiro

18 de dezembro de 2012 às 03h40

Sem pressão nas ruas o STF nadará a passos largos. Aliás, chegou aonde chegou porque os Ministros sentiram-se seguros e muito à vontade. Mandaram colocar uma grade entorno do prédio do STF mas não apareceu ninguém para protestar. Ficamos apenas no conforto de nossas casas, no twitter.

Se houver manifestação na rua estarei lá. Revolta apenas no twitter é tão eficiente quanto esperar reação eficaz do Marco Maia.

Estamos assistindo passivamente ao golpe jurídico-midiático.

Responder

    Willian

    18 de dezembro de 2012 às 14h26

    Leve um cartaz dizendo que José Dirceu é inocente.

    Rodrigo Leme

    18 de dezembro de 2012 às 16h49

    Assim que libertarem Dirceu e Genoíno, o próximo passo é quem? Marcola? Esse negócio de justiça não funciona não, liberdade pra quem é criminoso já!

silvia macedo

18 de dezembro de 2012 às 00h24

Já antevejo nossa mobilização. Quem começará a organizar? É marcar o dia. Motivo não falta.

Responder

lindivaldo

17 de dezembro de 2012 às 23h10

Nossa admiração e respeito ao talentoso Zé de Abreu e a tantos outros que não temem enfrentar uma mídia golpista e raivosa ao questionar um julgamento político que está envergonhando o Brasil!

Responder

    Rodrigo Leme

    19 de dezembro de 2012 às 08h55

    Há quem diga que o que envergonha o Brasil é gente disposta a se mobilizar para defender criminoso.

Nisio

17 de dezembro de 2012 às 22h48

Hoje foi montado mais uma peça do golpe. Mobilização popular já. Acorda parlamentares do PT e das esquerdas.

Responder

J Claudio

17 de dezembro de 2012 às 21h21

O Brasil precisa ir as ruas sim. O que está acontecendo é um tribunal de exceção, com o aval do imprensalão golpista. Mas tem de partir das instituições democráticas legítimas como sindicatos, movimentos sociais,UNE, redes sociais etc. etc.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.