VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Tribunal Popular da Lava Jato volta a se reunir hoje; Kakay e Marcelo Tadeu convidam para live, que será transmitida ao vivo
Encerramento do Tribunal Popular da Lava Jato, que aconteceu em 2017 na cidade de Curitiba
Você escreve

Tribunal Popular da Lava Jato volta a se reunir hoje; Kakay e Marcelo Tadeu convidam para live, que será transmitida ao vivo


03/05/2021 - 21h55

Da Redação

O que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu há duas semanas, o Tribunal Popular da Lava Jato concluiu em 11 de agosto de 2017.

Reunidos em Curitiba, juristas e jurados populares tomaram uma decisão inédita, impensável à época: julgaram e condenaram por unanimidade a Lava Jato e o então juiz Sergio Moro.

Quatro anos depois, nesta terça-feira, 4 de maio, o Tribunal Popular da Lava Jato se reencontra.

Desta vez, virtualmente.

Devido à pandemia, será no formato de live, em plataforma de streaming, cedida pelo MST.

A abertura será às 20h, com execução ao vivo do Hino Nacional pelo maestro André Pires (MG), ao piano. Ao final, o trompetista Fabiano Leitão o acompanhará.

O Coletivo Advogadas e Advogados pela Democracia (CAAD) transmitirá todo o evento no seu canal no You Tube, a partir da 19h30.

Os mesmos juristas e jurados populares presentes no julgamento de 2017  participarão do reencontro nesta terça-feira.

Discutirão as recentes decisões do STF quanto ao impedimento da 13ª Vara Federal de Curitiba para julgar as ações da chamada operação lava jato e, sobretudo, quanto à suspeição do ex-juiz Sérgio Moro.

Já confirmaram presença os jurados técnicos Antonio Maués, Cláudia Maria Barbosa, Gerson Silva, José Carlos Portella Júnior, Juliana Teixeira Esteves, Lincoln Schroeder, Michelle Cabrera e Vera Karam de Chueiri.

Também o jurista Eugênio Aragão, responsável pela acusação em 2017, e o advogado criminalista Kakay, incumbido da defesa da Lava Jato.

Como jurados populares participarão: Lúcia Adélia Fernandes, Maria de Fátima de Moraes Ilha, Simone Ribas e Socorro Figueiroa; Deise Lima (Quilombo do Jaó) e o cacique Darã (Aldeia Tekoa-Porã), representando os povos originários e  Roberto Baggio e Adriana Oliveira (MST), os movimentos sociais.

 

O juiz aposentado Marcelo Tadeu Lemos de Oliveira, que presidiu a sessão popular, fará novamente a leitura da sentença condenatória:

“Duas penas restritivas de direitos estabelecendo um comparecimento, pelo período da existência da lava jato, aos seus partícipes a um processo terapêutico de identificação e autoconhecimento de modo a identificar onde errou, quais as razões que levaram a agir dessa maneira, com agressão à ordem jurídica nacional e internacional, que só num ambiente de processo terapêutico será capaz de identificar. Com periodicidade, com relatórios encaminhados à justiça, para tomar conhecimento da evolução do processo terapêutico. Pelo mesmo período, ficarão obrigados a comparecer nas comunidades do Movimento dos Trabalhadores sem Terra para que com eles aprendam a conhecer o Povo Brasileiro”.

O evento está previsto para durar três horas.

As falas dos juristas e jurados populares serão intercaladas por apresentações artísticas (como a do artista popular João Bello e do cantor e compositor Guego Favetti), depoimentos sobre o tema, homenagem às mais 400 mil vidas ceifadas pela covid-19 e seus familiares.

O jurista Marcello Lavenère, que participou do julgamento em 2017 e está em recuperação de saúde, receberá uma carinhosa homenagem com a participação ao vivo de Pedro Tierra.

Pedro Tierra, o maestro André Pires e o trompetista Fabiano Leitão encerrarão o reencontro do Tribunal Popular da Lava Jato com uma apresentação em conjunto.

Ao final, movimentos sociais e populares, centrais sindicais, lideranças indígenas e quilombolas, coletivos e associações organizadas de juristas progressistas e partidos políticos serão convidados a se somar ao CAAD na construção e organização do Tribunal Popular do Genocida.

O governo Bolsonaro, suas políticas e seus ministros serão submetidos a julgamento popular para apurar as responsabilidades diretas na morte dos mais 400 mil brasileiros e brasileiras pela covid-19.





Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding