VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Altamiro Borges: Suspensão temporária de demissões na Estácio confirma que agora é guerra contra a escravidão de Temer

11 de dezembro de 2017 às 11h13

Demissões na Estácio e a guerra na Justiça

por Altamiro Borges, em seu blog

Em editoriais raivosos, a mídia privada – nos dois sentidos da palavra – tem confessado o seu temor diante das batalhas jurídicas que eclodirão com a vigência da “deforma” trabalhista. Ela inclusive já declarou guerra aos procuradores e juízes do trabalho, em mais uma abjeta campanha de calúnias.

A suspensão temporária das 1.200 demissões na instituição privada de ensino superior Estácio, determinada pela Justiça do Trabalho do Rio de Janeiro nesta quinta-feira (7), confirma que este será um campo privilegiado de lutas no próximo período.

Apostando na mobilização das bases e nos recursos jurídicos, os sindicatos poderão travar o processo de retorno à escravidão imposto pela quadrilha de Michel Temer a serviço do capital que financiou o golpe no Brasil.

A decisão, proferida pela juíza Ana Larissa Caraciki, foi tomada três dias após a Estácio confirmar a sua intenção de demitir antigos docentes para contratar novos com base na nova legislação.

A universidade batizou a maldade de “reorganização institucional”, mas imediatamente foi acionada pelo Sindicato dos Professores do Rio de Janeiro (Sinpro-RJ).

A Justiça acatou a queixa, suspendeu provisoriamente os desligamentos e deu prazo de 72 horas para a instituição apresentar a lista dos professores já demitidos, bem como os respectivos termos de rescisão contratual, a relação dos docentes que ainda planeja dispensar e quantas vagas pretende preencher nos próximos semestres. Por meio de sua assessoria, a Estácio informou que vai recorrer da decisão liminar.

“No momento atual, não há mais espaço para ingenuidade. Por óbvio, a demandada tem por objetivo criar um exército de reserva de professores, de mão de obra qualificada, porém disposta a se sujeitar, de um ano para o outro (de um semestre letivo para o outro), a condições de trabalho inferiores e precárias, sendo certo que não há postos de trabalho imediato para sua realocação, seja pela época do ano, seja pela crise que assola o país, mas que parece não afetar a demandada”, argumentou a juíza Ana Larissa Caraciki ao conceder a liminar solicitada pelo sindicato que ingressou com uma Ação Civil Pública contra a demissão coletiva.

A derrota da instituição de ensino, uma das maiores do país – com cerca de 500 mil alunos –, deverá estimular milhares de ações na Justiça.

Animadas com a nova legislação, poderosas empresas – que financiaram o golpe dos corruptos que alçou ao poder a quadrilha de Michel Temer e estão sendo recompensadas pelos usurpadores – já orquestram a sua “reorganização institucional” para esfolar os trabalhadores.

Na semana passada, também no Rio de Janeiro, o Instituto Brasileiro de Medicina de Reabilitação (IBMR) confirmou o desligamento de docentes, despertando a reação de alunos que lamentaram as demissões nas redes sociais.

Dias antes, o Grupo Pão de Açúcar anunciou que “testará” uma nova jornada de trabalho, ainda mais lesiva aos funcionários.

Segundo notinha da Época, “o GPA pode testar em algumas de suas lojas a jornada de trabalho de 12 por 36 horas, que passou a ser aceita com a reforma trabalhista. A jornalistas, o presidente da companhia, Ronaldo Iabrudi, afirmou no entanto que a empresa ‘olha com muita cautela e muita responsabilidade’ os novos modelos de contrato permitidos pela reforma. De acordo com o executivo, a companhia avalia implementar a nova jornada num formato ‘piloto’ em algumas lojas”.

A tal “cautela” do Grupo Pão de Açúcar tem outro nome: medo de processos na Justiça. Agora é guerra!

Leia também:

Condução coercitiva tem dimensão de espetáculo, diz desembargadora

Apoie o VIOMUNDO

Crowdfunding

Veja como nos apoiar »

O lado sujo do futebol

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Entre os mais vendidos da VEJA, O Globo, Época e PublishNews. O Lado Sujo do Futebol é o retrato definitivo do que acontece além das quatro linhas. Um dos livros mais corajosos da história da literatura esportiva, revela informações contundentes sobre as negociatas que empestearam o futebol nos últimos anos. Mostra como João Havelange e Ricardo Teixeira desenvolveram um esquema mafioso de fraudes e conchavos, beneficiando a si e seus amigos. Fifa e CBF se tornaram um grande balcão de negócios, no qual são firmados acordos bilionários, que envolvem direitos de transmissão e materiais esportivos. Um grande jogo de bolas marcadas, cujo palco principal são as Copas do Mundo.

por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet.

Compre agora online e receba em sua casa!

 

3 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

baader

12/12/2017 - 16h58

tenho que manter contato com um professor da estácio. negro, homossexual, nascido e criado na periferia, não acredita em golpe. e não aceita ler blogues sujos, como lhe mostrei em certa ocasião.

Responder

Fernando

11/12/2017 - 11h40

É isso que dá bater panela qdo se tem trabalho, lazer, viagens, faculdade e comida em casa. Qual será a primeira redacao de jornal que irá demitir milhares ?
Qual será o primeiro órgão público que irá demitir milhares ?
Rumo a pejotizaçao e escravidão.

Responder

Luiz

11/12/2017 - 11h31

Só a mobilização e a guerra salvarão o Brasil da quadrilha instalada no poder sob o comando do capital financeiro. Não podemos admitir essa tal alteração do sistema presidencialista, capitaneado pelo jagunço Gilmar Mendes, filhote do velhaco criminoso FHC. O atual poder instalado em Brasilia não tem compaixão do povo, portanto, não devemos ter compaixão deles. Guerra é guerra. Vamos parar o Brasil e mostrar que aqui existe povo.

Responder

Deixe uma resposta