VIOMUNDO

Diário da Resistência


Patrus: Declaração Universal dos Direitos Humanos segue como bússola na luta por um mundo mais justo
Crianças lendo a Declaração Universal dos Direitos Humanos, pouco após sua adoção, em 1948 Foto: Arquivo da ONU
Você escreve

Patrus: Declaração Universal dos Direitos Humanos segue como bússola na luta por um mundo mais justo


11/12/2018 - 13h48

70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos e a luta por um mundo mais justo

por Patrus Ananias, via assessora de imprensa

Quero hoje lembrar os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada em 10 de dezembro de 1948 pelos Estados-membros da ONU, refletindo especialmente sobre duas potentes linhas que ela estabelece.

Primeiro, sua força para integrar os direitos individuais aos direitos sociais. E, junto disso, a forma como aponta no sentido de uma”nova geração de direitos sociais”.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos é muito concisa, com seus 30 artigos.

É uma conquista civilizatória, mas em si tem efeito moral — não é uma lei.

Seus princípios tornam-se lei quando são incorporados à legislação de cada país, conforme fez o Brasil com a Constituição de outubro de 1988.

A partir disso, têm-se os Direitos Humanos constitucionalizados.

A Declaração abrange igualmente a garantia de proteção do ponto de vista corporal e do espírito.

Na forma como se abre para direitos que são estabelecidos como fundamentais para todas as pessoas, está presente nela a dimensão coletiva e comunitária.

Uma de suas contribuições mais importantes para o Direito é a reunião, no mesmo conjunto de princípios, de direitos individuais (liberdade de locomoção, de pensamento e religião, por exemplo) a direitos sociais, econômicos e culturais amplos, relacionados com a educação, com os cuidados preventivos e curativos com a saúde, com a moradia decente.

Reside aí parte de sua beleza, em estabelecer garantias individuais e sociais às quais todas as famílias, todas as comunidades mais fragilizadas devem ter acesso.

Porém, a Declaração dos Direitos Humanos avança ainda mais. Ela se abre para o estabelecimento de direitos então considerados “novos”, como a alimentação e a assistência social.

Até então, estes eram direitos que se esperavam garantidos pela via da caridade, da generosidade.

Claro, queremos uma sociedade de pessoas generosas, mas não se pode depender apenas da boa vontade das pessoas para necessidades tão essenciais.

Em seu vigésimo quinto artigo, a Declaração estabelece o direito de “assegurar a si e à sua família saúde e bem-estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis”.

A alimentação, primeiro degrau de uma vida digna, desponta como direito fundamental.

A Declaração Universal aponta para o futuro da humanidade, afirmando o que as Constituições nacionais e as convenções internacionais buscarão garantir como uma”nova geração de direitos sociais”, além dos já estabelecidos (educação, saúde, moradia).

Em poucos dias, será o momento de relembrarmos uma data trágica — os 50 anos de promulgação do Ato Institucional número 5.

Quando fui aluno da faculdade de Direito, no início dos anos 70, participei do Movimento de Justiça e Não-Violência e do movimento Habeas Corpus.

O habeas corpus havia sido extinto no país para prisões por questões políticas e nossa luta era por sua restituição como direito inegável.

Naquele momento, bem como em tantos outros na luta contra a ditadura militar, a Declaração Universal dos Direitos Humanos foi documento fundamental em nossa luta.

Guardo por ela imenso carinho, pelo que representa e pelo que aponta como ideal humanista. Ela segue, ainda hoje, como bússola na luta por um mundo mais justo e que garanta dignidade para todos.

*Patrus Ananias é deputado federal (PT-MG), ex-ministro do Desenvolvimento Agrário,que implantou o Bolsa Família, e do Desenvolvimento Agrário.

Leia também:

O Globo mostra casa do motorista sumido dos Bolsonaro

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.