VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


NY Times: Como, ao expulsar cubanos e sufocar a OPAS, Trump e Bolsonaro abriram as portas da América Latina para a covid
Foto: Alan Santos/Presidência da República
Você escreve

NY Times: Como, ao expulsar cubanos e sufocar a OPAS, Trump e Bolsonaro abriram as portas da América Latina para a covid


27/10/2020 - 12h19

How Trump and Bolsonaro broke Latin America’s defense against covid 19

Os dois presidentes expulsaram 10.000 médicos e enfermeiras cubanos. Eles desfizeram o financiamento da principal agência de saúde da região. Eles promoveram erroneamente a hidroxicloroquina como uma cura.

Por David D. Kirkpatrick e José María León Cabrera, no New York Times

O coronavírus estava ganhando velocidade letal quando o presidente Trump se encontrou com seu homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro, em 7 de março para jantar em Mar-a-Lago.

Bolsonaro cancelou viagens naquela semana para a Itália, Polônia e Hungria, e o ministro da Saúde do Brasil pediu para ele ficar longe da Flórida, também.

Mas Bolsonaro insistiu, ansioso para polir sua imagem como o “Trunfo dos Trópicos”.

Seus assistentes sorridentes posaram no resort do presidente Trump usando chapéus verdes “Make Brazil Great Again”.

Trump declarou que “não estava nem um pouco preocupado” antes de passear com Bolsonaro pelo clube apertando mãos.

Vinte e duas pessoas na delegação de Bolsonaro testaram positivo para o vírus depois de retornar ao Brasil, mas ele não ficou alarmado.

Trump compartilhou uma cura, disse Bolsonaro aos assessores: uma caixa do medicamento anti-malária hidroxicloroquina, o tratamento não comprovado que Trump estava promovendo como remédio para Covid-19.

“Ele disse que a viagem foi maravilhosa, que se divertiram muito, que a vida em Mar-a-Lago estava normal, tudo se curou, e que a hidroxicloroquina era o remédio que devia usar”, lembrou o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que foi demitido por Bolsonaro no mês seguinte por se opor à utilização da droga.

“A partir daquele momento, foi muito difícil fazê-lo levar a Ciência a sério.”

O jantar em Mar-a-Lago, que se tornaria famoso por espalhar infecções, cimentou uma parceria entre Trump e Bolsonaro baseada em um desprezo compartilhado pelo vírus.

Porém, mesmo antes do jantar, os dois presidentes travaram uma campanha ideológica que minaria a capacidade da América Latina de responder à Covid-19.

Juntos, os dois homens, ferozes oponentes dos esquerdistas latino-americanos, miraram no grande orgulho de Cuba: os médicos que ela envia para o mundo todo.

O Sr. Trump e o Sr. Bolsonaro expulsaram 10.000 médicos e enfermeiras cubanos de áreas empobrecidas do Brasil, Equador, Bolívia e El Salvador.

Muitos partiram sem serem substituídos apenas alguns meses antes da chegada da pandemia

Em seguida, os dois líderes atacaram a agência internacional mais capaz de combater o vírus — a Organização Pan-Americana da Saúde, ou OPAS — citando seu envolvimento com o programa médico cubano.

Com a ajuda de Bolsonaro, Trump quase levou a agência à falência ao reter o financiamento prometido no auge do surto, em uma extensão não divulgada anteriormente.

E com a ajuda de Trump, Bolsonaro fez da hidroxicloroquina a peça central da resposta à pandemia do Brasil, apesar do consenso médico de que a droga é ineficaz e até perigosa.

A Food and Drug Administration alertou em abril passado contra a maioria dos usos da droga para tratar Covid-19.

Um mês depois, Trump anunciou, após um telefonema com Bolsonaro, que os Estados Unidos enviariam ao Brasil dois milhões de doses.

Sistemas de saúde fracos e cidades superlotadas tornaram a América Latina inerentemente vulnerável. Mas ao expulsar médicos, bloquear a assistência e promover falsas curas, Trump e Bolsonaro pioraram a situação, desmantelando as defesas.

Agora, a América Latina, com um terço das mortes no mundo, sofreu mais com a Covid-19 do que qualquer outra região.

Os dois líderes mais poderosos das Américas, Trump e Bolsonaro, são ambos nacionalistas ardentes que desafiam a ciência convencional.

Ambos colocaram o crescimento econômico e as políticas de curto prazo à frente das advertências de saúde pública.

Ambos são profundamente hostis aos governos de esquerda da região — especialmente em Cuba, uma causa que ajuda Trump com os eleitores cubano-americanos no estado da Flórida.

“Em seu zelo para se livrar dos médicos cubanos, o governo Trump castigou todos os países do hemisfério e, sem dúvida, isso significou mais casos Covid e mais mortes de Covid”, disse Mark L. Schneider, ex-chefe de estratégia planejamento para a Organização Pan-Americana da Saúde, que foi funcionário do Departamento de Estado no governo Clinton.

“É ultrajante.”

Países menores e menos poderosos como o Equador sentiram a dor.

O Equador cedeu à pressão americana e mandou para casa cerca de 400 profissionais de saúde cubanos pouco antes da pandemia.

Em seguida, o país também sofreu com o congelamento do governo Trump no financiamento para a organização de saúde, o que prejudicou sua capacidade de fornecer suprimentos de emergência e suporte técnico.

“Ninguém da Organização Pan-Americana da Saúde estava aqui e sentimos sua ausência”, disse o Dr. Washington Alemán, especialista sênior em doenças infecciosas e ex-vice-ministro da saúde do Equador, que diagnosticou o primeiro caso confirmado de Covid no país.

“O apoio não era como nos anos anteriores, nas epidemias anteriores.”

Quase todas as administrações republicanas e democráticas anteriores consideraram a saúde pública da América Latina como de interesse nacional urgente, porque as doenças infecciosas podem se espalhar facilmente entre a América do Sul e a América do Norte.

Funcionários da Casa Branca dizem que o governo reteve pagamentos da organização de saúde para exigir transparência.

Eles argumentam que os Estados Unidos ajudaram a região de outras maneiras, doando dezenas de milhões de dólares por meio de organizações como o Programa Mundial de Alimentos, UNICEF e Cruz Vermelha.

Durante o verão, Washington enviou centenas de ventiladores excedentes diretamente para os sistemas de saúde do governo.

Mas especialistas em saúde pública dizem que a Organização Pan-Americana da Saúde — com escritórios em todos os ministérios da saúde e quase 120 anos de experiência no combate a epidemias — estava em uma posição única para enfrentar a Covid-19.

Até mesmo alguns críticos do programa cubano dizem que punir a agência de saúde sabotou esse esforço.

“A OPAS não tinha as ferramentas e não tinha o dinheiro”, disse o Dr. Mandetta, o ex-ministro da saúde brasileiro que trabalhou com Bolsonaro para expulsar os cubanos.

“A OPAS não podia expandir da maneira que precisava, e no Equador, na Bolívia, havia pessoas morrendo em suas casas e corpos deixados nas ruas por falta de assistência.”

Como isso aconteceu é a história de uma batalha política que se estendeu em várias frentes, de Brasília a Miami e Washington. Deixou cicatrizes de aldeias na bacia amazônica às favelas da cidade equatoriana de Guayaquil.

Pão do céu

Jair Bolsonaro assumiu o poder no Brasil em outubro de 2018, se autodenominando populista trumpiano, falando favoravelmente sobre “ditadura” e acusando o establishment de esquerda de seu país de tirar lições da Cuba comunista.

Prometeu expulsar mais de 8.000 médicos cubanos.

Um predecessor convidou os cubanos cinco anos antes para ajudar a cuidar de mais de 60 milhões de pessoas, a maioria em pequenas comunidades na bacia amazônica, muitas das quais nunca haviam consultado um médico.

Estudos acadêmicos relataram altos níveis de satisfação do paciente e redução das taxas de mortalidade infantil.

A Organização Pan-Americana da Saúde supervisionou os médicos cubanos no Brasil e promoveu seu trabalho como modelo; o governo Obama não fez objeções.

Durante décadas, Cuba enviou profissionais da área médica para preencher lacunas nos sistemas de saúde da América Latina e além.

Cuba pagou aos médicos até U$ 900 por mês, em comparação com os U$ 50 por mês que eles poderiam ganhar em casa.

Mas Havana cobrou de seus governos anfitriões muito mais — cerca de U$ 4.300 por mês para cada médico no Brasil — e embolsou a diferença.

Cuba chamou o programa de humanitário; críticos, observando que Cuba limitou a liberdade dos médicos, chamaram isso de trabalho forçado e tráfico de pessoas.

Durante a campanha eleitoral de Bolsonaro, um jornal divulgou telegramas diplomáticos de seis anos sugerindo que as autoridades brasileiras haviam encaminhado os pagamentos para o programa por meio da organização de saúde, a OPAS, em parte para evitar um debate no Congresso brasileiro sobre como lidar com Cuba.

Bolsonaro acusou a organização de saúde de ser cúmplice da “escravidão moderna” e prometeu se livrar dos médicos. Cuba os convocou de volta antes mesmo de Bolsonaro tomar posse.

A cerca de 6.500 milhas de distância, em Miami, Tony Costa viu uma rara oportunidade.

Um veterano de 80 anos da abortada invasão da Baía dos Porcos, Costa passou décadas trabalhando para derrubar a liderança comunista em Havana.

Quando ele conectou as alegações de trabalho forçado cubano com a Organização Pan-Americana de Saúde com sede em Washington, ele sabia que tinha algo que cativaria o Congresso e a Casa Branca.

“Isso é como pão do céu!”, eu me lembro de ter pensado.

O Sr. Costa logo descobriu Ramona Matos Rodríguez, uma médica cubana que desertou de uma missão no Brasil para Miami, e a ajudou a se tornar a principal demandante em um processo que acusa a Organização Pan-Americana de Saúde de trabalho forçado e tráfico de pessoas.

Em um processo judicial, os advogados da organização disseram que as alegações eram “grosseiramente imprecisas” e “quase não têm nenhuma semelhança com a realidade”.

Especialistas dizem que o processo é, na melhor das hipóteses, um tiro no escuro, mas, na política, teve impacto.

Sem esperar por uma decisão do tribunal, Costa, fundador da Fundação para os Direitos Humanos com sede em Miami em Cuba, levou o processo à atenção de amigos poderosos no Congresso e na Casa Branca.

“É simplesmente desprezível o que eles estão fazendo com esses médicos pobres”, disse o senador Rick Scott, republicano da Flórida, em uma entrevista no mês passado.

Citando as acusações, o Departamento de Estado pressionou Equador, Bolívia e El Salvador até que expulsassem mais de mil médicos cubanos no ano passado.

Mas os golpes maiores atingiram a Organização Pan-Americana da Saúde.

Muitas vezes a OPAS é conhecida como o braço regional da Organização Mundial da Saúde, mas é décadas mais antiga e recebe muito mais financiamento dos Estados membros.

Especialistas em saúde pública atribuem à agência a erradicação da varíola, poliomielite e sarampo da América Latina muito antes de serem eliminados da África e da Ásia.

O governo Trump se concentrou intensamente nos laços da organização com Cuba, embora seu envolvimento com os médicos cubanos tivesse terminado cerca de um ano antes, quando eles deixaram o Brasil.

Os Estados Unidos pararam de pagar suas contribuições anuais de U$ 110 milhões, mais da metade do orçamento básico da agência. O governo de Bolsonaro também congelou o pagamento de U$ 24 milhões.

O Sr. Bolsonaro e sua equipe se recusaram a comentar este artigo. John Ullyot, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, defendeu o corte do financiamento americano como um passo importante “para exigir a prestação de contas de todas as organizações internacionais de saúde que dependem dos recursos dos contribuintes americanos”.

No final de 2019, a agência enfrentou uma grave crise de financiamento. Ela reduziu drasticamente as viagens internacionais, congelou as contratações e cortou drasticamente os contratos dos consultores médicos que realizam a maior parte de seu trabalho prático.

Em seis semanas, a Covid-19 começou a se infiltrar na América Latina.

Corpos nas Ruas

Situada na costa sul do Equador, Guayaquil é uma movimentada cidade portuária cercada por encostas cobertas por favelas.

Bella Lamilla, 70, chegou da Espanha em 15 de fevereiro para visitar sua cidade natal. Mas enquanto estava lá, ela desenvolveu pneumonia.

O Equador não tinha laboratórios com suprimentos ou capacidade para testar o coronavírus, mas a família de Lamilla por acaso a levou a uma clínica privada que emprega o Dr. Alemán, o ex-vice-ministro da saúde.

Ele usou seus contatos para enviar uma amostra aos Centros de Controle de Doenças de Atlanta.

Ela se tornou o primeiro caso confirmado do Equador na noite de 29 de fevereiro.

Em duas semanas, todas as unidades de terapia intensiva da cidade estavam sobrecarregadas.

Os médicos em Guayaquil dizem que conselhos mais práticos da Organização Pan-Americana da Saúde poderiasm ter ajudado a detectar o vírus muito mais cedo, antes que ele tivesse penetrado tão profundamente na cidade.

Em seguida, funcionários mal informados do ministério da saúde e médicos locais agravaram a crise com um erro básico: o ministério recomendou testes baratos de anticorpos contra o coronavírus em vez de testes genéticos mais difíceis e caros.

Os testes de anticorpos produziram falsos negativos no momento em que os pacientes estavam mais contagiosos, levando-os a espalhar o vírus sem saber.

“Era ignorância, com certeza”, disse Juan Carlos Zevallos, epidemiologista formado nos Estados Unidos e nomeado no final de março como ministro da Saúde.

O apoio mais direto de consultores da Organização Pan-Americana da Saúde “poderia ter evitado não apenas esse erro, mas muitos outros”, disse Alemán.

Para muitas famílias, esses erros significaram sofrimento.

Em julho, Patricio Carrillo, 70, visitou um médico em seu centro de saúde local perto de Quito, a capital nacional.

Ele havia recebido um teste de anticorpos negativo e recebeu penicilina para faringite, lembrou seu filho.

“Não tenho nada além de uma gripe”, assegurou Carrillo à família em uma mensagem de voz rouca.

Dias depois, ele morreu de Covid-19.

No principal hospital público de Guayaquil, Paola Vélez Solorzano, 38, uma especialista em doenças infecciosas, pediu aos administradores já em fevereiro que preparassem uma ala de isolamento de coronavírus com 29 leitos.

Ela confiscou 900 trajes de risco biológico descartáveis ​​encomendados por engano para trabalhadores de manutenção.

Mas quando a pandemia chegou, seus preparativos foram “como nada”, disse ela.

Tantas pessoas morreram que os médicos tiveram que passar por cima dos corpos empilhados no chão do necrotério.

“Onde quer que você estivesse, cheirava a carne podre”, disse ela.

Seu colega Galo Martínez, 34, lembra-se de ter olhado pela janela da unidade de terapia intensiva.

“Tudo que eu podia ver era uma multidão de pessoas clamando por ajuda”, disse ele, balançando a cabeça.

Sem equipamento de proteção suficiente, metade dos funcionários do ministério da saúde em Guayaquil adoeceu, disseram os médicos. Mais de 130 médicos morreram.

“Não tínhamos nem máscaras”, disse Zevallos, o ministro da saúde.

Durante os surtos anteriores, os médicos locais atribuíram à Organização Pan-Americana da Saúde a aquisição de suprimentos ou a pressa em encontrar consultores qualificados para fornecer ajuda técnica face a face para laboratórios e hospitais.

Funcionários da agência dizem que desta vez enfrentaram desafios especiais. Materiais de teste e equipamentos de proteção tornaram-se escassos em todo o mundo. No final de março, a paralisação das viagens aéreas comerciais dificultou o envio de especialistas.

Mas a crise de financiamento causada pelo congelamento de Trump também foi grande, mesmo quando os líderes tentaram compensar transferindo recursos para priorizar a resposta da Covid-19.

Jarbas Barbosa da Silva Jr., diretor-assistente da agência, reconheceu que o impacto do congelamento do financiamento americano foi “severo”, mas argumentou que suas consequências eram difíceis de avaliar com precisão.

Na primavera, disse ele, o congelamento ainda não era “uma situação de vida ou morte” para a organização e, mesmo com um financiamento maior, a paralisação de viagens a teria limitado a oferecer sessões de treinamento virtuais.

Mas, falando sob condição de anonimato para evitar irritar o governo Trump, outros altos funcionários disseram que mais dinheiro teria permitido à agência fornecer mais ajuda prática, mais cedo.

As reuniões regionais que poderiam ter discutido os esforços para combater o vírus foram consumidas pela crise de financiamento.

“Vai fechar a sede? Todas essas discussões entraram na pauta ”, disse Felipe Carvalho, que acompanha a organização na organização sem fins lucrativos Médicos Sem Fronteiras.

No terreno do Equador, Carmina Pinargote sentiu a diferença.

Uma veterana oficial do ministério da saúde na costa norte, Sra. Pinargote lembrou como a Organização Pan-Americana da Saúde enviou imediatamente 15 epidemiologistas e especialistas técnicos após um terremoto em 2016. Este ano, disse ela, apenas um consultor da agência chegou em sua região.

“Não vimos a mesma intensidade”, disse ela desta vez.

A saída forçada de 400 trabalhadores médicos cubanos do país também não ajudou.

No Centro de Saúde Martha de Roldós, nos arredores de Guayaquil, o diretor, Hugo Duarte, disse que dois cubanos tiveram que partir meses antes da pandemia.

Os médicos equatorianos teriam sido tão bons, disse ele, se o ministério da saúde tivesse pago o suficiente para preencher as vagas. Mas a perda havia prejudicado a clínica, especialmente quando ele ficou doente por semanas.

“As pessoas estavam caindo mortas na calçada, do lado de fora do centro de saúde”, disse Duarte.

Deus é brasileiro

Enquanto a epidemia estava explodindo no Equador, Bolsonaro voltou ao Brasil de Mar-a-Lago. Ele rapidamente convocou Nise Yamaguchi, um oncologista paulista que havia se tornado uma grande defensora da hidroxicloroquina.

A Dra. Yamaguchi disse ao presidente que o surto não deixou tempo para o tipo de testes clínicos que outros médicos estavam esperando.

O Brasil era conhecido por ter um dos mais fortes sistemas de saúde pública da América Latina no combate a doenças infecciosas. Mas quando dois ministros da saúde se recusaram a apoiar a droga, Bolsonaro os substituiu por um oficial militar leal, enquanto a Dra. Yamaguchi se tornou sua conselheira de maior confiança.

Em uma entrevista, ela disse que a doação de dois milhões de doses de Trump tornou possível o uso do medicamento no Brasil.

“Foi muito importante porque tínhamos uma escassez mundial de hidroxicloroquina na época”, disse a Dra. Yamaguchi.

“Deus é brasileiro, a cura está bem aqui!”, Bolsonaro exclamou para seus apoiadores no final de março.

Ignorando um consenso médico, o ministério da saúde do Brasil ainda fornece hidroxicloroquina gratuita para qualquer pessoa com Covid-19.

E os críticos dizem que a promoção da droga por Bolsonaro, juntamente com sua recusa em usar máscara ou distanciamento social, minou a saúde pública.

“As pessoas dizem: Se eu ficar doente, posso sair e tomar hidroxicloroquina como o presidente” , disse Julio Croda, especialista em doenças infecciosas e ex-funcionário do ministério da saúde.

“As pessoas pensam que podem viver uma vida normal e não precisam de fazer qualquer prevenção”.

O Brasil sofreu mais de 157.000 mortes por Covid-19, um total atrás apenas dos Estados Unidos.

As comunidades indígenas na remota bacia amazônica, que perderam 8.000 médicos cubanos, foram as mais atingidas.

Em comparação com outros brasileiros na bacia amazônica, os indígenas têm 10 vezes mais chances de contrair o vírus, de acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde.

Os cubanos têm sido uma fonte crítica de aconselhamento e tratamento de saúde, muitas vezes fornecendo a única atenção primária para centenas de milhares, disse Luiza Garnelo, médica e antropóloga que trabalha em Manaus para a Fundação Fiocruz.

Sem os cubanos, disse ela, “não há profissionais para diagnosticar”.

Política do anel viário que circunda Washington

Quando a pandemia atingiu, a Organização Pan-Americana da Saúde começou a levantar U$ 92 milhões para enviar especialistas em doenças infecciosas e suprimentos essenciais. A meta foi posteriormente elevada para U$ 200 milhões.

Washington normalmente seria um dos maiores contribuintes. Mas a principal agência doadora, a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional, ou USAID, agora é chefiada pelo Embaixador John Barsa, um crítico cubano-americano de Havana que participou de uma entrevista coletiva em 2019 para divulgar o processo contra a Organização Pan-Americana de Saúde .

Desta vez, os Estados Unidos quase não ofereceram dinheiro novo.

Em maio, o conselho da agência Pan-americana alertou em um relatório interno sobre uma crise iminente.

Referindo-se à organização por seu nome alternativo — Repartição Sanitária Pan-Americana ou P.A.S.B. — o relatório dizia que a retenção de fundos pela administração Trump estava “reduzindo significativamente a capacidade do P.A.S.B. para fornecer cooperação técnica a seus Estados membros e implicar a liberação de muitos funcionários críticos de curto prazo e trabalhadores contingentes”.

No final do mês, o Sr. Trump anunciou que os Estados Unidos estavam se retirando da Organização Mundial da Saúde e o governo congelou temporariamente outras doações à agência pan-americana.

A USAID fez uma exceção: acrescentou U$ 3,9 milhões em doações relacionadas à Venezuela, segundo autoridades.

Esses gastos fazem parte dos esforços do governo para derrubar o governo de esquerda do país. (Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças também enviaram U$ 900 mil)

Por outro lado, a campanha contra a agência apenas aumentaria.

“A OPAS deve explicar como se tornou o intermediário em um esquema para explorar os trabalhadores médicos cubanos”, declarou o secretário de Estado Mike Pompeo em 10 de junho.

Foi necessário financiamento do Canadá para que a organização de saúde enviasse alguns equipamentos de proteção ao Equador, a primeira vez que o fazia para um país.

O presidente Lenín Moreno cumprimentou a remessa de 25 de junho no aeroporto.

Finalmente, sob pressão do Congresso, o governo Trump desbloqueou U$ 65 milhões em 15 de julho, evitando a insolvência da organização.

Pompeo disse que concordou com uma investigação externa do programa de médicos cubanos, e outros fundos foram liberados pouco tempo depois, após uma suspensão de cerca de três meses.

“A OPAS está posicionada de maneira única para realizar a resposta da Covid-19 em certos países onde não há alternativa viável”, escreveu um funcionário do Departamento de Estado em 15 de julho em um e-mail informando aos funcionários do Congresso sobre o pagamento.

Rescaldo

Pegar o vírus não fez nada para mudar a perspectiva de qualquer um dos presidentes. Bolsonaro, de 65 anos, foi infectado em julho e apresentou apenas sintomas leves. Ele comemorou sua recuperação com um passeio de motocicleta e ficou ao lado da hidroxicloroquina.

O Sr. Trump, 74, silenciosamente parou de promover essa droga. Quando ele foi brevemente hospitalizado com Covid-19 no início deste mês, ele recebeu outros medicamentos. Ele começou a descrever alguns deles como curas milagrosas e voltou a descartar o vírus.

“As pessoas estão cansadas da Covid”, disse ele esta semana em uma teleconferência de campanha. “As pessoas estão dizendo: Tanto faz. Apenas nos deixe em paz“.

Funcionários da Organização Pan-Americana da Saúde afirmam ter arrecadado apenas U$ 46,5 milhões dos Estados membros para atingir sua meta de U$ 200 milhões para combater o vírus.

O governo Trump continua pressionando outros países a expulsar médicos cubanos.

Uma organização de estados caribenhos condenou neste verão a Casa Branca por ameaçar colocar na “lista negra” aqueles que se recusam.

Outros países conhecidos por seus sofisticados sistemas de saúde receberam bem a ajuda cubana.

Um grupo de 40 trabalhadores médicos cubanos foi a Torino, na Itália, na primavera passada para ajudar a combater a pandemia, disse Carlo Picco, que dirige os serviços de saúde na cidade.

“Os cubanos foram uma história de sucesso para nós”, disse ele.



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Henrique Martins

27 de outubro de 2020 às 19h20

Complementando comentário anterior
Lembram que o presidente ‘de alguns’ mandou o gado invadir os hospitais com pacientes de Covid?
Agora o gado acha que pode fazer o que quiser nos hospitais.

Responder

Henrique Martins

27 de outubro de 2020 às 16h08 Responder

Henrique Martins

27 de outubro de 2020 às 15h21 Responder

Henrique Martins

27 de outubro de 2020 às 13h28

Complementando comentário anterior:
Detalhe: o hospital do Rio de Janeiro é federal. Com certeza trata Covid.

Responder

Henrique Martins

27 de outubro de 2020 às 13h17

https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2020/10/27/incendio-em-hospital-tem-paciente-que-nao-sabemos-onde-esta-diz-tecnica.htm

https://www.cnnbrasil.com.br/nacional/2020/08/29/incendio-de-grandes-proporcoes-atinge-hospital-em-brasilia

https://www.correiobraziliense.com.br/cidades-df/2020/10/4882936-pacientes-de-hospital-na-asa-norte-sao-evacuados-apos-incendio.html

Só quero saber se estes hospitais por acaso tratam Covid.
Sim. Porque dois incêndios foram em Brasília nos dias 29 de agosto e 17 de outubro deste ano.
O terceiro incêndio – o mais grave – foi hoje (27 de outubro) no Rio de Janeiro.
O Rio de Janeiro é um antro Bolsonarista e lá está a turma miliciana do presidente ‘de alguns’.
O presidente ‘de alguns’ por sua vez está em Brasília e trava uma luta insana contra a saúde pública no Brasil.
Precisa ser paranormal ou desenhar?

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!