Moisés Mendes: Rita Lee e a geração que chegou à velhice e está indo embora

Tempo de leitura: 3 min

Rita Lee e a geração que chegou à velhice

“A geração da segunda metade do século 20, talvez a mais revolucionária, a mais inquieta, a mais inventiva e a que mais afrontou costumes, governos, normas e leis, essa geração está indo embora”

Por Moisés Mendes, no Extra Classe

Jovens não dizem o que os avós repetem quando da morte de gente da idade desses avós. Os avós dizem: não pode, não nessa idade, não agora.

Como se os idosos que estão partindo estivessem em dessintonia, em idade e tempo, com o que deveria ser a hora da morte.

Jovens não sabem direito que Rita Lee  já foi jovem. Rita morreu com 75 anos. Deveria durar 120 anos ou ser eterna. Mas durou o que é o tempo médio de vida de um idoso de classe média.

Mas nós achamos que ela foi cedo, que não era a hora e que há algo sem sentido na morte de alguém com a força de Rita Lee.

E aí vem então o que não queremos ver. Que a morte de Rita nos avisa sobre o fim da turma do nosso tempo, do tempo dos avós que eram os jovens do século 20.

Vemos o que fomos, com o verbo no passado, morrendo junto com Rita Lee. E nos negamos a admitir que é a nossa geração, essa geração ao redor dos 70 anos, que está indo embora.

Não é mais como aconteceu com Elis, que se foi com 36 anos. Nem Raul Seixas, com 44, ou Gonzaguinha com 45. Todos antes do tempo.

Muitos dos nossos ídolos, os ídolos da nossa geração, estão morrendo agora na velhice. Doentes, mas já idosos. Rita Lee era uma idosa.

É o que nos dói. Nos maltrata talvez mais do que a lembrança dos que morreram cedo, como Jim Morrison, que estaria hoje com 79 anos. E morreu com 27.

Che Guevara iria fazer aniversário agora, no dia 18 de maio. Teria 95 anos. Che Guevara hoje estaria com quase um século.

E então morre Rita Lee, no mesmo dia em que morreu o ex-deputado David Miranda, com apenas 37 anos.

Miranda é do nosso tempo de luta e resistência de democratas, negros e gays, mas não é da geração de Rita Lee, da nossa geração, dos que também resistiram e começam agora a morrer todos os dias.

A geração da segunda metade do século 20, talvez a mais revolucionária, a mais inquieta, a mais inventiva e a que mais afrontou costumes, governos, normas e leis, essa geração está indo embora.

Por isso nos abatemos com a morte de Rita Lee, mesmo sabendo que ela estava doente há muito tempo.

Porque gostaríamos que ficasse mais um pouco ao lado da gente e do rock que também está se despedindo de nós.

Nossos avós torciam para que parentes e vizinhos não fossem embora, e nós não entendíamos direito aquele apego a quem já tinha idade para morrer.

Nos damos conta agora, com a morte de Rita Lee, e depois de uma sequência de mortes, que estamos nos despedindo dos ídolos da nossa geração agora idosa.

Os jovens nos olham, diante do nosso assombro com o previsível, e se sentem como nos sentíamos diante de nossos avós lá no meio do século passado.

Envelhecemos e estamos todos prontos para a despedida de alguém, a qualquer momento, e essa é a realidade a que estamos nos acostumando.

Ainda estamos no gerúndio. Estamos nos dando conta de que Rita Lee foi embora na hora errada porque deveria ficar mais tempo por perto, para que morresse depois da gente.

Mesmo que não cantasse mais e não fizesse shows, não importa. O que desejamos mesmo, e esse é o nosso desejo sincero, é que eles se despeçam depois, para que não fiquemos sozinhos.

É o pior sentimento de perda com o fim dessa geração de figuras de exceção. A sensação de que estamos ficando desamparados da proteção das suas artes e bravuras de humanos fora de todos os padrões.

Estamos nós, os comuns, vendo os incomuns morrerem antes, o que só parece um consolo, porque continuamos aqui, mas é também um desalento.

Morreu a ovelha negra, a mais abusada, a mais negra, a mais alegre, inquieta e barulhenta, a nossa irmã boa de briga, a deusa pagã do Butantã. Deusas também morrem na velhice.

Leia também:

Vídeo: O dia em que Sócrates, Vladimir e Casagrande invadiram o show de Rita Lee

Morre Rita Lee, rainha do rock brasileiro e padroeira da liberdade

Pedro Carvalhaes: Obrigado, Rita Lee

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Liliane Carvalho

Quanto apego, gente! Rita teve uma vida plena e longa, só contrário de muita gente. 75 anos é bastante tempo sim, se não aproveitou mais foi porque não quis ou não se cuidou, no caso dela. E parem de achar que sua geração foi a melhor, a geração dos seus pais achava a mesma coisa e provavelmente tinha muitas críticas sobre a geração de Rita Lee. Morrer faz parte da vida, a maioria das pessoas mal sabem quem foi essa artista, nem se impotam, afinal os boletos não esperam. Enfim, daqui a cinquenta anos ninguém vai lembrar dela ou de qualquer um de vcs, então em vez de lamentar, aproveitem o pouco tempo que ainda resta a vcs

Katia Daud

Esse texto enorme, medíocre e, ainda por cima colocar o bandido tal de Che Guevara no assunto, é de uma crueldade sem tamanho. Deixe a querida Rita Lee descansar em paz!!!

Maria das Graças Pires

Infelizmente a Rita fumava 3 maços e meio de cigarros por dia e passou anos atrás lutando contra os ácidos e maconha . Um dos filhos ajudou muito a ela. Então ela era uma idosa com sérios problemas de saúde.

Ana

Texto medíocre.

ELZIRA NEIDE CARDOSO

É…Maria Carvalho, não haverá, nossos netos não terão por quem chorar, infelizmente. Nem da música,nem da política.
Vivemos uma era de mediocridades. Não terão Ritas Lee, Stevie Wonder, Chico, Caetano, Tom Jones ou Tina Turner, para lamentar a morte.

Karenina

Só não concordo com a afirmação de que é o pessoal da “segunda metade do século passado”: ela e os que estamos perdendo ainda são da primeira metade, inclusive aquele ano mágico -1942-que gerou tantos artistas maravilhosos.

Rogério Carvalho

Putz. Colocar Chê Guevera no mesmo patamar de Rita Lee e outros ícones é brincadeira.
Talvez o colunista desconheça a verdadeira biografia dele.

+almeida

Uma homenagem em texto/canções, para Rita.

RITA “Canções” LEE

Alô! Alô! Marciano, Tô um lixo – Vamos tratar da saúde, Vamos voltar ao princípio porque, Eu vou me salvar. Eu e mim, Filho meu, você ainda duvida?
Hey boy, O amor em pedaços, Coração em crise, O futuro me absolve.

João ninguém, Reza, Perto do fogo, Porque lá é o fim.
Hoje É o primeiro dia do resto da sua vida, Caso sério.
Que loucura, Hino dos malucos, Pirata cigano, Mutante, Caçador de aventuras, Anjo forasteiro, Apocalipse.

Obrigado não, Balada do louco, Me recuso.
Ando meio desligado, Divagando, Círculo Vicioso,Volta ao mundo, Teimosia, Farsa, Mentiras, Flagra, Deprê, Pirataria, Fora da lei, Bobos da corte, Vida de cachorro, O bode e a Cabra, Jiló, O que você quer –
Eu quero ser sedado.

Nessas alturas dos acontecimentos, Dias melhores virão – Agora é moda, O circo, Yêyêyê, Copacabana, Atlântida, Bagdá, Shangrilá,
Jardins da Babilônia,
Fonte da juventude, Jardim de Allah,
Uma noite em Hong Kong, As mina de Sampa, Avenida paulista, Troca-toca.

Eu sou do tempo, Cartão Postal,
M te vê, Luz Del Fuego, Strip Tease, Panis et circenses, Tititi,
Maria mole, Sassaricando, Bixo grilo, Banho de lua, Hullahulla,
Tatibitati, Balacobaco –
Lança perfume, Erva venenosa
– Ôrra meu! , É proibido fumar.

Desculpe o Auê, Chega mais,
Mon Amor – Frique comigo, Xuxuzinho, Baila comigo,
Tentação do céu –
Com a boca no mundo, Pra você eu digo sim, Cecy bom, Doce Vampiro, Dançar pra não dançar,
Aqui ali em qualquer lugar.

Entre sem bater, Moleque sacana – Beija-me amor, Beijo exagerado,
Na linha e na lei, Perto do infinito –Precisamos de irmãos,
Todas as mulheres do mundo,
Amor e sexo – Já te falei,
Nunca Fui Santa, Agora só falta você, Eu e Meu Gato.

Choque cultural,
Bwana, Arrombou a festa,
Músico problema,
Menino, Não vá se perder por aí,
Se manca, Pow – Calma.

Papai me empresta o carro, Sou fiel,
A minha menina, A fulana,
Maria ninguém –
Coisa de casal, Tudo por amor,
Amor objeto, desculpe babe,
Flerte fatal, Esse tal de Roque Enrow.

Corista de rock, Vingativa, Perigosa, Vira lata de raça, Tão, Vítima,
Tipo inesquecível – Miss Brasil 2000,
Doce pimenta, Favorita,
Paixão da minha vida atribulada.

Aviso aos meliantes, Minha vida, Vidinha, É a vida – Nem luxo nem lixo, Pé de meia, Dinheiro, Ambição, Fissura, Insônia, Gororoba,
Fruto proibido, Zona zen,
Minha fama de mau, Saúde –
Tudo vira bosta.

Independência e vida,
Livre outra vez, Santa Rita de Sampa, Bruxa amarela, Benvinda,
Sem endereço, Mamãe natureza, Odara, Chão de estrelas,
Superfície do planeta,
Eclipse do cometa, Gitâ,
Viagem ao fundo de mim,
Disco voador, História sem fim – Rapaz, Só vejo azul –
Adeus Maria Fulô, Lá vou eu.

Alexandre

Esta geração cheia de mi mi mi,só o que sabem fazer ,e mostrar a banda,e nada mais.

Mário Wilson

Nada a lamentar, a vida segue seu curso. Boas e más pessoas transitam por aqui sempre, vem e vão. Qto a mim só tenho a agradecer por ter vivido essa época , o tempo de Chico Buarque, Jobim, Caetano, Gil, Rita, Gal, Bethânia, clara e tantos bons.

Glaucia

Discordo mt do texto exibido,um tanto equivocado,com relação a idade,esta existe não a idade cronológica, e sim a cabeça da pessoa,com 60,70 ,80 anos,no caso da Rita Lee,era uma jovem senhora, com pensamentos geniais,e estilo jovem de viver a vida! Foi seu corpo cansado doente,mas a mente mt por fazer ainda!!!! Ela queria ficar.

Cristina Reis

É como me sinto nos meus 72 anos. Órfã! O surgimento dos inúmeros sem fim com as melhores Bandas e músicos nacionais e estrangeiros de todos os tempos foram às vozes da minha juventude, e que não farão mais parte das grandes mudanças no comportamento, costumes e rebeldia iniciada com o advento do Blues, Rock and Roll, Bossa Nova e do Tropicalismo. Que época maravilhosa! Quanta liberdade de escolha! Se há um alento, serão os legados e as pegadas que todos eles deixarão no Planeta Terra para a Presente e Futura Geração. Parabéns, pelo conteúdo.

Maria Paiva

Que texto desconexo. Acho que o autor tá confuso pra cacete, ou então, mto pra baixo. Que é isso???? Coisa mais negativa, sem base científica, sem evidência lógica. Fiz questão de ler apesar de achar sem sentido pra ver onde ia dar e vi as repetições inaceitáveis, além de não ter lógica, mal escrito.

Victoria

Tirando a parte do Che Guevara e das entrelinhas politicas, excelente artigo.

Antonio Cabalheiro

Traduziu completamente o pensamento de nossa geração, estamos chocados com essa coisa de chegar a hora de partirmos mas que no caso de nossos ídolos é muito mais doido, vai nossa Rita Lee cantar junto as outras 💫💫💫

Jacila

Errado!!!
Concordo com a Cinthia, a Rita Lee não é IDOSA!!!
Cabeça à frente de muitos, com menos anos, mas tantos preconceituosos!!!
A idade não está no número de anos e sim na cabeça!!!
Será difícil encontrar uma pessoa tão sensível, irreverente e sábia como ela!!!
Isso não tem idade!!!

Rosana

Excelente texto, me fez refletir, me fez analisar, me fez ficar deprimida, exatamente por expor verdades que no dia a dia teimamos em esquecer e ignorar.

Meroujy Giacomassi Cavet

Eu não conseguetia definir melhor o meu sentimento. Texto perfeito, sensível, verdadeiro e forte como é a Rita Lee.

Heloisa Filgueiras Elias

Exatamente o que pensei esses dias após saber da partida de alguém que tanto influenciou minha vida e meu jeito de ser…..sempre estaremos caminhando em direção da próxima vida…..espero tem a sorte e o privilégio de poder abraçar a Rita lá do outro lado! Minha eterna estrelinha!!

Norma Sandra Paulino

Que lindo e verdadeiro o que você nos passou nessa reportagem. Todos deveriam ler e meditar profundamente. Você definitivamente acertou no alvo dos nossos corações. Abraços.

Carla

Rita obrigada!!👏👏❤️

Eliane

Falou tudo!!!!
Agora entendo o que estou sentindo…
Gratidão!!!❤️

Heloisa Helena Godinho Salgado

Amei as colocações da Cynthia Reis e lembrar a Marinalva Bispo para reler o texto. Que fala SÉCULO 20. Realmente ,a Rita nasceu antes de 1950.

Maria Aparecida Lana

Rita Lee foi minha referência do rock and roll em uma época – anos 70, em descoberta plena de uma mulher tomar o caminho que era favorável aos homens nesse segmento. Me senti representada pela força e graça de uma mulher à frente de seu tempo. Ritinha, tu fostes nossa alegria, nossa representação e nossa força. Te amamos pra sempre. Gratidão pra sempre… ♥️♥️♥️🎶🎶🎶

Paulo Bianchi

Infelizmente, a morte faz parte da vida. Impossível escapar.

Alessandra

Penso a mesma coisa Maria Carvalho. Lindo texto,a única certeza que temos é que ao envelhecer iremos ver muitos partir

Adelaide

Essa nossa geração é limitada, estamos indo embora 😢

Cynthia Reis

Não concordo com você.
Rita Lee partiu cedo.
Ela partiu porque foi acometida pelo câncer.
Partiu porque, apesar da ciência já falar em longevidade para a faixa dos 120 anos, ainda não
descobrimos a cura do câncer.
O Che Guevara morreu jovem porque foi assassinado.
Raul Seixas tinha cirrose.
Gonzaguinha sofreu acidente !
Não se pode comparar .
A ciência mostra que a idade de Rita Lee é pouca, para já partir .
A morte dela sem câncer não seria uma morte natural !
Ninguém se conformaria com a morte dela, nessa idade, se não tivesse acometida por uma doença !
Ela podia e desafiou tudo mas jamais conseguiria desafiar a ciência.
Viva Rita Lee !
Pra mim, é imortal !!!!!!!!
❤️

Ju Rock’n’Roll

Colocam ela como Santa, mas esquecem da piada racista que fazia…

Susi Viviane Paolacci Carunchio

Gal, Rita, Paulo, devem estar na maior zona lá em.cima mas lógico que a Gal estaria mãos seria . Eles estão bem se divertindo cantando atuando e nós aqui tristes com.suas partidas tão cedo. Cedo sim, meu tio com 96 anos lúcido independente. Só sucumbiu com 98. Quando me via era uma choradeira só. Agora só saudades.

Maria Nazaré Carvalho

Concordo!
Ótimo texto!

Samantha

O tempo não para, já dizia Cazuza!

Marinalva Bispo

Na verdade, Rita Lee faz parte, não da geração dos anos 20, mas, sim, da geração dos anos 50, já que ela nasceu em 1947.

Lindiomar Celis Santos

Ótima reportagem!. Gostaria de acrescentar que é necessário que todo jovem tenha consciência de que cada dia que passa está envelhecendo, embora isto não seja tão perceptível nos primeiros anos de vida. É necessário que olhemos para todos os idosos, inclusive os anônimos e pensemos o seguinte: Esta pessoa já contribuiu para a sociedade de alguma forma, seja pagando impostos, seja seguindo várias regras que nos são impostas para que possamos conviver melhor em sociedade, seja por meio do seu trabalho. O jovem de hoje será o idoso de amanhã. Aquilo que não é obsoleto, arcaico ou ultrapassado atualmente, poderá sê-lo amanhã, pois os processos de mudança nunca deixam de existir e, se pensarmos nisto jamais iremos debochar daquele idoso que nos compartilha algo que pertenceu à sua juventudade. Pensemose tratemos os idosos como gostaríamos de ser tratados caso alcancemos uma idade longeva, atitudes simples como deixar livres os caixas preferenciais, sempre lembrar-se de que os idosos têm preferência em diversas situações. Não tentar comparar os idosos entre si, pois cada pessoa envelhece de uma forma, uns com quase nenhuma limitação e outros com bastante limitações e, por fim, utilizar a seguinte pergunta: E se eu fosse esta pessoa nesta situação?. Como diria a minha mãe, as únicas pessoas que não se tornarão idosas são aquelas que morrerão jovens. Indo adiante, é necessário que a expectativa de vida dos indíviduos não seja apenas um número e, sim que haja políticas públicas voltadas para atender as demandas das pessoas na terceira idade. Já podemos comemorarque atualmente há algumas praças com equipamentos para a prática de exercícios físicos, filas e assentos preferencias e o mais importante: O Estatudo do idoso que nós mais jovens não temos a curiosidade de conhecê-lo porque não imaginos que talvez algum o utilizemos. Concluindo: mencionei muitos fatos que todos conhecemos, mas que não paramos para fazer uma reflexão sobre eles. Uma sociedade justa, não pensa apenas na juventudade, mas também naqueles que contribuiram para que nós pudêssemos chegar até aqui.

Sandra

Apesar de eu ter 11 anos menos que ela e ter curtido muito o trabalho dela, a sensação é de que estamos indo embora aos poucos, que nossa geração está ficando pra escanteio. Mas tudo passa rápido e a geração anterior a nossa já já vai estar na mesma situação

Maria Carvalho

E me pergunto: quem serão os ídolos por quem meus netos irão sentir falta e chorar?

Zé Maria

.

“O essencial não é aquilo
que se fez do homem,
mas sim aquilo que ele fez
daquilo que fizeram dele.”

Jean-Paul Sartre
“O Existencialismo é um Humanismo”
https://www.marxists.org/portugues/sartre/1945/10/29.htm

.

Deixe seu comentário

Leia também