VIOMUNDO

Diário da Resistência


Lassance: Dentre os privilégios dos presos, ouvir Ilze dizer “pitzolato”
Você escreve

Lassance: Dentre os privilégios dos presos, ouvir Ilze dizer “pitzolato”


24/12/2013 - 21h09

21/11/2013 – Copyleft

Os 10 privilégios dos petistas presos

por Antonio Lassance, em Carta Maior

A começar, a prisão foi decretada em uma data toda especial. A última vez que tanta gente foi presa em um 15 de novembro foi em 1889.

É grande e escandalosa a lista de privilégios a que José Dirceu, José Genoíno e Delúbio Soares estão usufruindo em sua estada no Planalto Central.

1) A começar, a prisão foi decretada em uma data toda especial. A última vez que tanta gente foi presa em um 15 de novembro foi na própria Proclamação, em 1889. Os presidiários eram, em sua maioria, da Família Real, os Orleans e Bragança. Ou seja, a data não é para qualquer um.

2) Eles (os petistas, não os Orleans e Bragança) tiveram o privilégio de serem presos antes do fim do processo, o que também não é pra qualquer um.

3) Os três, como poucos, foram presos sem a expedição da carta de sentença, o que constitui uma ilegalidade.

4) A lei determina que o preso deve cumprir a pena em seu estado de origem, a não ser excepcional e justificadamente. Mas eles tiveram o privilégio de serem levados a Brasília, de jatinho, por ordem não de um juiz qualquer, mas de Sua Excelência Excelsa e Magnânima, o presidente do Supremo. A falta de um motivo declarado para essa operação espetaculosa gerou a estranheza de ministros do próprio STF, tamanho o… privilégio.

5) Condenados ao regime semiaberto, foram levados a um privilegiado estabelecimento prisional de regime fechado.

6) O fato provocou a hesitação do diretor do Complexo Penitenciário da Papuda em recebê-los. O impasse garantiu aos condenados o privilégio de ficarem mais de quatro horas dentro de um ônibus, aguardando uma decisão.

7) Para abreviar a demora e poupá-los do cansaço, eles tiveram o privilégio de passar o final de semana naquele mesmo aprazível estabelecimento, contrariando o regime semiaberto. Uma comentarista de TV, sem ruborizar, externou sua opinião de que isso não poderia ser considerado prisão, e sim “custódia”. Valeu pela tentativa.

8) Juristas como Dalmo Dallari, Hélio Bicudo, Ives Gandra Martins e Reginaldo Oscar de Castro consideram que a situação a que José Genoíno foi submetido fere as leis brasileiras e é uma clara violação aos tratados internacionais. Realmente, não é qualquer um que tem o privilégio de ter juristas desse naipe preocupados com suas condições. Não importa quais sejam as condições; o que vale é o privilégio de receber tais comentários.

9) Segundo o Instituto Médico Legal, Genoíno precisa de “cuidados específicos medicamentosos e gerais, controle periódico por exames de sangue, dieta hipossódica, hipograxa e adequada aos medicamentos utilizados, bem como avaliação médica cardiológica especializada regular”. Por fazer uso regular de anticoagulante oral, deve ser submetido a exames de sangue periódicos para verificar sua coagulação sanguínea. É mesmo muita mordomia. Estão querendo fazer o Estado de babá.

10) Mas o cúmulo do privilégio quem teve não foi nenhum dos presos, e sim o senhor Henrique Pizzolatto, que garantiu o requinte de ter sua situação relatada pela comentarista de assuntos da Santa Sé, Ilze Scamparini. Graças a ela, veio a revelação de que a pronúncia correta dos zês de Pizzolato é a mesma da palavra pizza (tipo “pitzolato”). A primeira matéria foi feita pela repórter tendo justamente uma “pizzeria” ao fundo. De quem terá sido a tão sofisticada ideia? De todo modo, pelo didatismo, “grazie”!

Leia também:

Estadão e Haddad: Luta de classes não pode!





25 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

FrancoAtirador

26 de dezembro de 2013 às 21h13

.
.
HUMOR

Como transformar 5% de crescimento de vendas em crise

Por Luis Nassif, no GGN

As vendas em Shoppings Centers aumentaram 5% em 2013, segundo a associação do setor, próximo aos 6% de crescimento em 2012.

Foram abertas novas lojas e, portanto, as vendas distribuídas entre mais lojas.

Mesmo com o aparecimento de novas lojas, o faturamento das lojas antigas ficou estável.

Ou seja, a expansão do consumo foi suficiente para garantir a entrada de novas lojas sem afetar o faturamento das anteriores.

Abaixo, a manchete do G1 ressaltando o crescimento das vendas totais.

Em seguida, da UOL, anunciando o pior Natal em cinco anos, com base na seguinte declaração:
“Esse foi o pior Natal em cinco anos.
Se não fosse o crescimento orgânico dos shoppings e as expansões, não teria havido crescimento nenhum”, diz Nabil Sahyoun, presidente da Alshop.

Ou seja, se o faturamento não tivesse aumentado
e os shoppings não tivessem crescido,
não teria havido crescimento algum. [!!!]

Durma-se com essa qualidade de informação.

(http://jornalggn.com.br/noticia/como-transformar-5-de-crescimento-de-vendas-em-crise)
.
.

Responder

    Messias Franca de Macedo

    27 de dezembro de 2013 às 01h07

    [PARA A ‘URUBÓLOGA “da globo” & OS OUTROS URUBÓLOGOS!]

    Comércio eletrônico tem 41% de aumento nas vendas de Natal

    qui, 26/12/2013 – 15:58

    Sugerido por Roberto São Paulo – SP

    Do Estadão

    Pesquisa mostra recorde de vendas online no Natal

    GUSTAVO PORTO – Agencia Estado
    SÃO PAULO – As vendas do comércio eletrônico atingiram um recorde de R$ 4,3 bilhões entre os dias 15 de novembro e 24 de dezembro – período considerado de compras natalinas -, alta de 41% ante os R$ 3,05 bilhões do Natal de 2012, segundo dados da E-bit, empresa especializada em informações do varejo online. A movimentação superou a estimativa inicial de alta de 25% entre os períodos.

    Segundo a E-bit, as vendas no período tiveram a contribuição da Black Friday, no dia 29 de novembro, quando o comércio eletrônico movimentou R$ 770 milhões, recorde de faturamento em um único dia de vendas. Segundo Pedro Guasti, diretor-geral da E-bit, os consumidores aproveitaram os descontos na Black Friday para antecipar a compra dos presentes.

    Neste Natal, 10 milhões de pessoas compraram online e gastaram, em média, R$ 300 em cada pedido. A categoria mais vendida foi moda e acessórios, seguida por eletrodomésticos, telefonia e celulares, livros e informática.

    FONTE: http://jornalggn.com.br/noticia/comercio-eletronico-tem-41-de-aumento-nas-vendas-de-natal

FrancoAtirador

26 de dezembro de 2013 às 20h23

.
.
PECADO MORTAL: NOS U.S.A., PAPA É “ACUSADO” DE SER MARXISTA

Do blog de Mauro Santayana, via GGN

Acusado por um conservador norte-americano de ser marxista, Jorge Mario Bergoglio, o Papa Francisco, negou sê-lo, mas disse que não se sentia ofendido, por ter conhecido ao longo de sua vida, muitos marxistas que eram boas pessoas.

A declaração do Papa, evitando atacar ou demonizar os marxistas, e atribuindo-lhes a condição de comuns mortais, com direito a ter sua visão de mundo e a defendê-la, é extremamente importante, no momento que estamos vivendo agora.
A ascensão irracional do anticomunismo mais obtuso e retrógrado, em todo o mundo – no Brasil, particularmente, está ficando “chic” ser de extrema direita – baseia-se em manipulação canalha, com que se tenta, por todos os meios, inverter e distorcer a história, a ponto de se estar criando uma absurda realidade paralela.

Estabelecem-se, financiados com dinheiro da direita fundamentalista, “Museus do Comunismo”; surgem por todo mundo, como nos piores tempos da Guerra Fria, redes de organizações anticomunistas, com a desculpa de se defender a democracia; atribuem-se, alucinadamente, de forma absolutamente fantasiosa, cem milhões de mortos ao comunismo.

Busca-se associar, até do ponto de vista iconográfico, o marxismo ao nacional-socialismo, quando, se não fossem a Batalha de Stalingrado, em que os Alemães e seus aliados perderam 850 mil homens e a Batalha de Berlim, vencidas pelas tropas do Exército Vermelho – que cercaram e ocuparam a capital alemã e obrigaram Hitler a se matar, como um rato, em seu covil – a Alemanha Nazista teria tido tempo de desenvolver sua própria bomba atômica e não teria sido derrotada.

Quem compara o socialismo ao nazismo, por uma questão de semântica, se esquece que, sem a heróica resistência, o complexo industrial-militar, e o sacrifício dos povos da União Soviética – que perdeu na Segunda Guerra Mundial 30 milhões de habitantes – boa parte dos anticomunistas de hoje, incluídos católicos não arianos e sionistas, teriam virado sabão nas câmaras de gás e nos fornos crematórios de Auschwitz, Birkenau e outros campos de extermínio.

Espalha-se, na internet – e um monte de beócios, uns por ingenuidade, outros por falta de caráter mesmo, ajudam a divulgar isso – que o Golpe Militar de 1964 – apoiado e financiado por uma nação estrangeira, os Estados Unidos – foi uma contra-revolução preventiva.
O país era governado por um rico proprietário rural, João Goulart, que nunca foi comunista. Vivia-se em plena democracia, com imprensa livre e todas as garantias do estado de direito, e o povo preparava-se para reeleger Juscelino Kubitscheck Presidente da República em 1965.

1964 foi uma aliança de oportunistas. Civis que há anos almejavam chegar à Presidência da República e não tinham votos para isso, segmentos conservadores que estavam alijados dos negócios do governo e oficiais – não todos, graças a Deus – golpistas que odiavam a democracia e não admitiam viver em um país livre.

Em um mundo em que há nações, como o Brasil, em que padres fascistas pregam abertamente, na internet e fora dela, o culto ao ódio, e a mentira da excomunhão automática de comunistas, as declarações do Papa Francisco, lembrando que os marxistas são pessoas normais, como quaisquer outras – e não são os monstros apresentados pela extrema-direita fundamentalista e revisionista sob a farsa do “marxismo cultural” – representam um apelo à razão e um alento.

(http://jornalggn.com.br/noticia/papa-francisco-e-a-ascensao-do-anticomunismo)
.
.

Responder

Messias Franca de Macedo

26 de dezembro de 2013 às 19h05

[BOMBA? NÃO! DINAMITE! CAROS AMIGOS nº 201 – Imperdível dezembro 20, 2013. TREMEIS GOLPISTAS RUMO Á PAPUDA!]

Celso Bandeira de Mello: “Quem julgou foi a imprensa”

Publicado em Terça, 29 Novembro -0001 20:53

Jurista Celso Bandeira de Mello fala dos erros do Supremo na ação penal 470 e defende o impeachment de Joaquim Barbosa

Por Aray Nabuco, Frédi Vasconcelos, Lilian Primi, Wagner Nabuco Celso

Bandeira de Mello é um dos juristas e constitucionalistas mais respeitados do País e a ele atribui-se, inclusive, a indicação de alguns ministros do Supremo nomeados por Lula. Mas nesta entrevista exclusiva critica as decisões tomadas na ação penal 470, conhecida como mensalão, e chega a defender o impeachment do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, por pelo menos dois erros que julga terem acontecido, a supressão de dois graus de jurisdição, “direito de todo réu”, e a inversão do princípio de que alguém é inocente até que se prove o contrário. “Eles aceitaram a culpa até que se prove a inocência”. Bandeira de Mello aponta como causa desses erros a vaidade dos juízes e chega a dizer que quem julgou foi a grande imprensa. “O poder da imprensa é uma doença avassaladora, poucos homens têm coragem de resistir àquilo que se apresenta como sendo a voz comum”. Antigamente, quando eu era jovem advogado, a frase mais comum era “o juiz só fala nos autos”. Para ele, hoje, o que seria uma medida democrática, a transmissão ao vivo de julgamento, acabou atiçando ainda mais essa vaidade. Veja abaixo os principais trechos da entrevista. Caros Amigos – O senhor deu declarações sobre erros no julgamento da ação penal 470, o mensalão, quais são esses erros? Celso Bandeira de Mello – Primeiro, no julgamento foi suprimido um grau de jurisdição, foram levadas para o Supremo pessoas que não tinham de ir diretamente. Aí, violou o direito. De todos os condenados, só três estavam nessa situação. O direito universalmente prevê mais de um grau de jurisdição porque o ser humano é falível, pode errar. Então, ter mais de um julgamento é uma possibilidade de minorar as falhas humanas. Essa é a primeira e gravíssima falha, o que foi a primeira coisa a ser julgada na aceitabilidade da ação. Uma segunda questão de extrema gravidade foi praticamente a inversão do princípio de que alguém é inocente até que se prove o contrário. Eles aceitaram a culpa até prova de inocência. E nem prova de inocência eles aceitaram. Algumas pessoas, caso típico do Zé Dirceu, foram condenadas sem absolutamente nada que pudesse levá-lo à condenação, não houve nenhuma prova contra ele. Tudo isso faz crer que existia o desejo de desmoralização do governo Lula. E se é para punir alguém por ser superior, então tinha que chegar até o Lula. Mas isso era audácia demais, eles não tinham coragem de chegar lá. O Lula poderia criar algum movimento que pudesse causar o enfraquecimento deles, então eles foram até o mais alto antes de chegar ao Lula. Isso é uma violação flagrante do princípio da inocência até prova em contrário. A teoria do domínio de fato foi mal aplicada, conforme disse o criador dessa teoria. Aquilo foi para pegar os nazistas depois da guerra. Não acompanho muito porque minha área não é direito penal, mas o autor dessa teoria chegou a dizer que não era aplicável ao caso brasileiro. Leia a entrevista completa na edição 201 de Caros Amigos nas bancas ou loja virtual Edição 201 – Editorial e Sumário MAIS DEMOCRACIA Quem governa um país? O grito das ruas de junho para cá deixou claro o recado por um Brasil onde as instituições e poderes funcionem de fato, garantindo direitos a qualquer cidadão igualmente, mas infelizmente o ror não atravessou as paredes de certos gabinetes.O País foi assaltado no direito e na Justiça por um governo paralelo, deveras conhecido, que nutre raiva e ódio contra qualquer um que ameace seus privilégios, mantidos a golpes e tramoias contra a democracia e os direitos fundamentais. Não se trata da defesa de políticos ou partidos, mas o processo da Ação Penal 470, o chamado mensalão, em vários aspectos, tem se configurado mais um desses golpes que há décadas mantêm o atraso no País e diferencia os cidadãos pela cor, seja de pele ou ideológica. O que parece vingança expõe, para todo o mundo, a fraqueza das instituições da jovem democracia brasileira, o que somente mais luta popular poderá mudar. Oligopólios “Eles”, diz Celso Bandeira de Mello nesta edição, ao resumir no pronome pessoal os oligopólios da mídia hegemônica e alas reacionárias da sociedade, que julgaram e decidiram a sentença, acompanhada por Joaquim Barbosa. Os desvios no processo legal ainda estão sendo revelados e a sujeira embaixo do tapete apenas começa a aparecer, mas já são patentes os atropelos ao direito para se chegar ao objetivo estabelecido de antemão pelo “governo paralelo” que ainda sobrevive nas heranças de ditaduras e ditadores. E como colocar esses poderes paralelos em seus lugares? No que diz respeito à mídia reacionária, uma esperança é mirar no exemplo da Argentina, onde foi aprovada a Ley de Medios, que impede a ditadura da opinião única – e, em geral, manipulada. A Caros Amigos faz um pequeno exercício ao simular a aplicação da lei deles no Brasil. Para completar este exercício, esperançoso, obviamente, o professor da Universidade de Buenos Aires, Martin Bacerra, que participou ativamente dos debates da lei argentina, aborda os avanços e o que falta na luta popular para democratizar o espectro eletromagnético. Na entrevista exclusiva Celso Bandeira de Mello chega a defender o impeachment do presidente do STF, Joaquim Barbosa, por pelo menos dois erros que julga terem acontecido, a supressão de dois graus de jurisdição, “direito de todo réu”, e a inversão do princípio de que alguém é inocente até que se prove o contrário. “Eles aceitaram a culpa até que se prove a inocência”.

FONTES: http://www.carosamigos.com.br/index.php/component/content/article/231-revista/edicao-201/3779-celso-bandeira-de-mello-quem-julgou-foi-a-imprensa;

http://www.megacidadania.com.br/caros-amigos-no-201-dez-2013-imperdivel/

Responder

Messias Franca de Macedo

26 de dezembro de 2013 às 19h00

[HILDEGARD ANGEL ESTRAÇALHA A FARSA DO MENTIRÃO, MAIS UMA VEZ!]

A GENTE NUNCA PERDE POR SER LEGÍTIMO, MAS QUEM CONTA A HISTÓRIA SÃO OS VENCEDORES, NÃO ESQUEÇAM!

Publicado em 26/12/2013
O fascismo se expande hoje nas mídias sociais, forte e feioso como um espinheiro contorcido, que vai se estendendo, engrossando o tronco, ampliando os ramos, envolvendo incautos, os jovens principalmente, e sufocando os argumentos que surgem, com seu modo truculento de ser.

Para isso, utiliza-se de falsas informações, distorções de fatos, episódios, números e estatísticas, da História recente e da remota, sem o menor pudor ou comprometimento com a verdade, a não ser com seu compromisso de dar conta de um Projeto.

Sim, um Projeto moldado na mesma forma que produziu 1964, que, os minimamente informados sabem, foi fruto de um bem urdido plano, levando uma fatia da população brasileira, a crédula classe média, a um processo de coletiva histeria, de programado pânico, no receio de que o país fosse invadido por malvados de um fictício Exército Vermelho, que lhes tomaria os bens e as casas, mataria suas criancinhas, lhes tiraria a liberdade de ir, vir e até a de escolher.

Assim, a chamada elite, que na época formava opinião sobre a classe média mais baixa e mantinha um “cabresto de opinião” sobre seus assalariados, foi às ruas com as marchas católicas engrossadas pelos seus serviçais ao lado das bem intencionadas madames.

Elas mais tarde muito se arrependeram, ao constatar o quanto contribuíram para mergulhar o país nos horrores de maldades medievais.

Agora, os mesmos coroados, arquitetos de tudo aquilo, voltam a agir da mesma forma e reescrevem aquele conto de horror, fazendo do mocinho bandido e do bandido mocinho, de seu jeito, pois a História, meus amores, é contada pelos vencedores. E eles venceram. Eles sempre vencem.

Sim, leitores, compreendo quando me chamam de “esquerdista retardatária” ou coisa parecida. Esse meu impulso, certamente tardio, eu até diria sabiamente tardio, preservou-me a vida para hoje falar, quando tantos agora se calam; para agir e atuar pela campanha de Dilma, nos primórdios do primeiro turno, quando todos se escondiam, desviavam os olhos, eram reticentes, não declaravam votos, não atendiam aos telefonemas, não aceitavam convites.

Essa minha coragem, como alguns denominam, de apoiar José Dirceu, que de fato sequer meu amigo era, e de me aprofundar nos meandros da AP 470, a ponto de concluir que não se trata de “mensalão”, conforme a mídia a rotula, mas de “mentirão – royalties para mim, em pronunciamento na ABI – eu, a tímida, medrosa, reticente “Hildezinha”, ousando pronunciamentos na ABI! O que terá dado nela? O que terá se operado em mim?

Esse extemporâneo destemor teve uma irrefreável motivação: o medo maior do que o meu medo. Medo da Sombra de 64. Pânico superior àquele que me congelou durante uma década ou mais, que paralisou meu pensamento, bloqueou minha percepção, a inteligência até, cegou qualquer possibilidade de reação, em nome talvez de não deixar sequer uma fresta, passagem mínima de oxigênio que fosse à minha consciência, pois me custaria tal dor na alma, tal desespero, tamanha infelicidade, noção de impotência absoluta e desesperança, perceber a face verdadeira da Humanidade, o rosto real daqueles que aprendi a amar, a confiar…

Não, eu não suportaria respirar o mesmo ar, este ar não poderia invadir os meus pulmões, bombear o meu coração, chegar ao meu cérebro. Eu sucumbiria à dor de constatar que não era nada daquilo que sempre me foi dito pelos meus, minha família, que desde sempre me foi ensinado. O princípio e mandamento de que a gente pode neutralizar o mal com o bem. Eu acreditava tão intensamente e ingenuamente no encanto da bondade, que seguia como se flutuasse sobre a nojeira, sem percebê-la, sem pisar nela, como se pisasse em flores.

E aí, passadas as tragédias, vividas e sentidas todas elas em nossas carnes, histórias e mentes, porém não esquecidas, viradas as páginas, amenizado o tempo, quando testemunhei o início daquela operação midiática monumental, desproporcional, como se tanques de guerra, uma infantaria inteira, bateria de canhões, frotas aérea e marítima combatessem um único mortal, José Dirceu, tentando destrui-lo, eu percebi esgueirar-se sobre a nossa tão suada democracia a Sombra de 64!

Era o início do Projeto tramado para desqualificar a luta heroica daqueles jovens martirizados, trucidados e mortos por Eles, o establishment sem nomes e sem rostos, que lastreou a Ditadura, cuja conta os militares pagaram sozinhos. Mas eles não estiveram sozinhos.

Isso não podia ser, não fazia sentido assistir a esse massacre impassível. Decidi apoiar José Dirceu. Fiz um jantar de apoio a ele em casa, Chamei pessoas importantes, algumas que pouco conhecia. Cientistas políticos, jornalistas de Brasília, homens da esquerda, do centro, petistas, companheiros de Stuart do MR8, religiosos, artistas engajados. Muitos vieram, muitos declinaram. Foi uma reunião importante. A primeira em torno dele, uma das raras. Porém não a única. E disso muito me orgulho.

Um colunista amigo, muito importante, estupefato talvez com minha “audácia” (ou, quem sabe, penalizado), teve o cuidado de me telefonar na véspera, perguntando-me gentilmente se eu não me incomodava de ele publicar no jornal que eu faria o jantar. “Ao contrário – eu disse – faço questão”.

Ele sabia que, a partir daquele momento, eu estaria atravessando o meu Rubicão. Teria um preço a pagar por isso.

Lembrei-me de uma frase de minha mãe: “A gente nunca perde por ser legítima”. Ela se referia à moda que praticava. Adaptei-a à minha vida.

No início da campanha eleitoral Serra x Dilma, ao ler aqueles sórdidos emails baixaria que invadiam minha caixa, percebi com maior intensidade a Sombra de 64 se adensando sobre nosso país.

Rapidamente a Sombra ganhou corpo, se alastrou e, com eficiência, ampliou-se nestes anos, alcançando seu auge neste 2013, instaurando no país o clima inquisitorial daquela época passada, com jovens e velhos fundamentalistas assombrando o Facebook e o Twitter. Revivals da TFP, inspirando Ku Klux Klan, macartismo e todas as variações de fanatismo de direita.

É o Projeto do Mal de 64 de novo ganhando corpo. O mesmo espinheiro das florestas de rainhas más, que enclausuram príncipes, princesas, duendes, robin hoods, elfos e anõezinhos.

Para alguns, imagens toscas de contos de fadas. Para mim, que vi meu pai americano sustentar orfanato de crianças brasileiras produzindo anõezinhos de Branca de Neve de jardim, e depois uma Bruxa Má, a Ditadura, vir e levar para sempre o nosso príncipe encantado, torturando-o em espinheiros e jamais devolvendo seu corpo esfolado, abandonado em paradeiro não sabido, trata-se de um conto trágico, eternamente real.

Como disse minha mãe, e escreveu a lápis em carta que entregou a Chico Buarque às vésperas de ser assassinada: “Estejam certos de que não estou vendo fantasmas”.

Feliz Ano Novo.

Inclusive para aqueles injustamente enclausurados e cujas penas não estão sendo cumpridas de acordo com as sentenças.

É o que desejo do fundo de meu coração.

FONTE: http://www.hildegardangel.com.br/?p=32320

Responder

Euler

26 de dezembro de 2013 às 09h31

Ainda falando de privilégios… ainda hoje, quinta, pela manhã, tive o desprazer de ouvir os comentaristas da Rádio Itatiaia, em Minas, srs Eduardo Costa, Eustáquio Ramos e Carlos Viana. Eles têm o privilégio que poucos brasileiros têm, de usar uma concessão pública (ou seria privilégio público para alguns poucos?) para, todos os dias, atacar os “mensaleiros” do PT, especialmente Zé Dirceu, logo na terra das Minas Gerais, que deu origem ao mensalão tucano, anterior ao do PT, e que está impune até hoje.

Haja privilégios. E os comentaristas têm a cara de pau de comentar o pedido de Marcos Valério para ser transferido para a BH e conseguem, diante deste pedido, duas proezas: 1) não falar nada do mensalão tucano, e 2) incriminar ainda mais José Dirceu, que, segundo Viana, seria, além de privilegiado, protegidíssimo na cadeia. Ou seja, o pedido de Marcos Valério se justificaria porque ele corre risco de morte, ao contrário de Dirceu que receberia toda a proteção do estado.

Até quando o Brasil inteiro será vítima deste privilégio destes comentaristas e destas emissoras de rádios e TVs – Globo à frente, mas não somente -, que recebem R$$$$$$$ bilhões em privilégios públicos, para manter o privilégio de alguns poucos poderem selecionar a quem atacam, e a quem protegem politica e moralmente? E impunemente? Uma vergonha esta ditadura que resiste no Brasil!

Responder

    simonebh

    26 de dezembro de 2013 às 15h02

    Euler, penso o mesmo que você. Às vezes, caio no jornal da Record/MG apresentado pelo Viana: geralmente quer demonstrar equilíbrio e conhecimento, vai destilando ódio e se auto-promovendo, ironizando qualquer ação ou medida que venha do PT ou do governo federal. Não se surpreenda se ele vier a se candidatar nas próximas eleições. Quer parecer bonzinho e amigo dos injustiçados, mas não passa de lobo em pele de cordeiro.

    Tiao Macalé

    26 de dezembro de 2013 às 22h29

    A rádio Itatiaia é o pior câncer que existe em MG.

    Tudo o que ela vomita pela rádio os taxistas repetem dia e noite pelas ruas. É impressionante a quantidade de propagandas do governo de MG nessa rádio.

    O Jornal o Estado de Minas já quebrou (o edifício sede do jornal já está a venda) torço muito…muito mesmo, para que essa rádio Itatiaia vá pelo mesmo caminho.

    Quando visito MG, se tem algum rádio sintonizado nessa estação…eu passo longe…ou peço para trocarem.

    Certa vez eu discuti com um taxista para que ele trocasse de estação de rádio. Disse ao motorista: “Ou o senhor troca de rádio ou eu pego outro táxi. Ele trocou de rádio…”

    Porem, ao trocar de estação ele me perguntou o porque de tanta “revolta” com a Rádio Itatiaia.

    Eu respondi com o seguinte desafio: “Se até o meu destino final, passarem menos de 3 propagandas do Governo de Minas Gerais, eu pago o dobro do valor da corrida, mas se passarem mais de 3 propagandas do Governo de Minas Gerais, a minha corrida sai de graça !?!?”

    O taxista não topou o desafio e manteve o rádio em outra estação.

    Para quem acha que a CBN é golpista…rs

    É porque nunca ouviu a auto-denominada: “A rádio de Minas”

    Essa Radio Itatiaia é mentira dia e noite !!!

    Para quem quiser conferir…ouça a programação das 07:30 as 10:30 da manhã… vocês não vão acreditar nas sandices que são ditas pelos jornalistas dessa rádio: http://www.itatiaia.com.br

    Ahhhh….tem esse deputado estadual aqui que é também locutor esportivo da Itatiaia: https://pt-br.facebook.com/mariocaixaoficial

    Ele já estourou a quantidade de faltas às seções da Assembleia com as suas constantes viagens para narrar jogos do times mineiros !!!

    O que a Assembleia de MG fez ?!?

    Nada !!!

    Afinal, uma Assembleia que não investiga um deputado que tem o seu helicóptero apreendido com meia tonelada de cocaína…vai se preocupar com falta de deputados ?!?

emerson57

26 de dezembro de 2013 às 09h20

os presos (que se apresentaram espontaneamente à polícia)tiveram o privilégio de serem transportados para a capital em voo fretado e melhor: incomunicáveis e algemados!
duas coisas a lamentar no comportamento dos petistas alto funcionários da república: com o silêncio (para preservar os próprios privilégios) os petistas eleitos, Dilma à frente respaldam a condenação sem provas.
a covarde falta de solidariedade aos companheiros presos ao arrepio da lei será julgada pela história.
os ícones petistas deveriam estar junto, apoiando os companheiros de lutas.

Responder

    J Fernando

    26 de dezembro de 2013 às 11h49

    Discordo. A presidente não deve se manifestar sobre decisões do Judiciário. Se você não percebeu, é justamente isso que a mídia quer. No momento que Dilma apontar erros jurídicos deste julgamento estará abrindo uma crise entre os poderes e poderá sim, ser deposta.

    emerson57

    26 de dezembro de 2013 às 21h16

    se o senhor ler com mais cuidado o que escrevi
    perceberá que não digo que Dilma deva ir contra a lei e a justiça do pais.
    mas também não deve ser conivente com o golpe da midia mancomunada com juizes. se o PT se curvar à mídia que a cada dia avança nos seus falsos ataques, sem se defender, um dia eles conseguem…………

    falta o apoio decidido ao companheiro.
    há formas de fazer isso. da maneira que está, o povo menos informado pelo PIG (Proba Imprensa Gloriosa) passa a acreditar, (com a ausência do apoio de Lula, Dilma e dos outros maiores nomes do PT,)
    que de fato Dirceu, Genoino e os outros acusados de ROUBAR o Brasil realmente o fizeram.

    Primeiro Chaves e agora Maduro fizeram e fazem isso na irmã Venezuela. Reultado das últimas eleições: partidos no governo VENCERAM com 72%

Gerson Carneiro

26 de dezembro de 2013 às 07h27

E ontem, 25.12, eu ouvi a mesma lze Scamparini dizer que o Papa disse que “os marginalizados estão mais próximo de Deus”.

Responder

Francisco

25 de dezembro de 2013 às 17h50

Sou totalmente solidário aos petistas presos, mas só quem pode mudar isso (a “isso” não me refiro à prisão, mas a haver uma justiça de classe, no país) é o PT.

Tão logo o PT tome posse e tire o sapato alto, tudo estará sanado.

Por “tomar posse”, me refiro não a realizar todos os PACs do universo, mas a dar conta da agenda política.

Exemplo: cadê os plebiscitos? Cadê os referendos? Cadê o poder popular?

Por “tirar o salto alto”, me refiro a nomear certo, para os cargos certos.

Me recuso a explicar uma coisa tão primária, mas vá lá: o povo elegeu o PT para governar, não “a república”. Governar com “republicanismo” é trair a democracia e o voto do povo.

Tem que exercer o poder com “petismo” e, se possível, com com”PT”ismo.

Responder

    Euler

    25 de dezembro de 2013 às 18h28

    Concordo com você em quase tudo: o PT precisa assumir o governo que lhe foi conferido por milhões de eleitores. Precisa tomar posse de fato do governo federal. Lembrando, apenas de passagem, que quem controla a Polícia Federal, as verbas publicitárias, quem indica o ministro da Justiça, quem indica os ministros do STF, e quem tem a caneta para “comprar” legalmente os deputados – sem precisar de caixa Dois -, como acontece com os governantes de todo o Brasil, é o mandatário maior eleito pelo povo.

    Mas não considero que o PT tenha que “tirar o sapato alto”. Precisa, na verdade, deixar de lado o complexo de vagabundo (quem paga R$ 6 bilhões a Globo para apanhar merece que nome?) e de bajulador das elites dominantes.

    É levar a senzala ao poder, ao invés de se comportar com complexo de inferioridade ante à casa grande. É isto que falta ao PT: coragem de classe!

Rui

25 de dezembro de 2013 às 16h36

Quanta arrogântzia! Ou ignorântzia mesmo? Ela deveria mesmo era fazer uma matéria sobre a Rádio Globo, mas a da Itália e seu hit Il pulcino pio. kkkkk

Responder

    Marat

    25 de dezembro de 2013 às 22h21

    Ignorântzia e burritze da Globo… Abraços

    FrancoAtirador

    26 de dezembro de 2013 às 03h40

    .
    .
    Hilário! Fakes da Scamparini no Twitter:

    (https://twitter.com/ilze_scamparini)
    (https://twitter.com/search?q=Ilze%20Scamparini&src=typd)
    .
    .

    FrancoAtirador

    26 de dezembro de 2013 às 03h46

    .
    .
    13/03/2013 às 21:15
    RD1
    João Paulo Dell Santo

    Repórter da Globo, Ilze Scamparini gravará CD
    PURO CANTO GREGORIANO

    Personagem “folclórica” quando se fala em Roma e assuntos ligados ao Vaticano, a repórter Ilze Scamparini está prestes a conquistar novos fãs – a jornalista virou meme na internet e vem sendo lembrada diariamente desde que Bento XVI renunciou ao trono de São Pedro.

    De acordo com o jornal “Folha de S.Paulo”, Ilze tem planos de gravar um CD.
    O repertório será composto por hits da Bossa Nova, como “O Barquinho”, de Roberto Menescal e de Ronaldo Bôscoli.

    Vale lembrar que a repórter global já canta ao lado de um pianista na noite italiana.

    Procurada, Scamparini não comentou a informação.

    (http://rd1.ig.com.br/televisao/reporter-da-globo-ilze-scamparini-gravara-cd/168232?utm_source=dlvr.it&utm_medium=twitter#sthash.UHfw8jC0.dpuf)
    .
    .

Antonio Silva

25 de dezembro de 2013 às 13h36

Que tal doarmos centenas de exemplares do livro “Privataria Tucana” para todos os detentos da penitenciária Papuda ?

Responder

MarcosLima

25 de dezembro de 2013 às 13h03

Marcos FerreiraLima · Quem mais comentou · Estatística

Faltou o 11) André Richter, Repórter da Agência Brasil
Brasília – O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou a retirada ao ar de um site que apresenta Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal federal (STF), como candidato à presidência da República. O pedido foi feito pelo Ministério Público Eleitoral (MPE).
Eis a força dos CONDENADOS

Responder

Marat

25 de dezembro de 2013 às 11h50

Esse é mais um lance da nossa querida e popular imprensa 50 tons de marrom… Da próxima vez, a empregada da Globo poderia ao menos dar a “notícia” minissaia expondo a cinta liga…

Responder

Marat

25 de dezembro de 2013 às 11h47

Já que o assunto é pizza, quando será julgado o mensalão do PSDB? Quando haverá alguém de peso que questionará a corrupção no judiciário brasileiro?

Responder

João Ferreira Bastos

25 de dezembro de 2013 às 10h03

Em Guantánamo os presos podem ler tantas horas queiram.

Responder

    Antonio Silva

    25 de dezembro de 2013 às 13h39

    O Dep.João Paulo Cunha deveria doar para todos os detentos da Papuda a excelente revista ” A Verdade, Nada Mais que a Verdade – Sobre a Ação Penal 470″

FrancoAtirador

24 de dezembro de 2013 às 22h32

.
.
Entrementes, no Poder Judiciário…

16/12/2013 – 14h25

Barbosa determina que TJ-SP mantenha pagamento de desembargador investigado
sob a acusação de pedir dinheiro a advogados em processos nos quais atuou

O presidente do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), Joaquim Barbosa, acatou no último dia 4 um pedido da defesa do desembargador Arthur Del Guércio Filho e determinou que o TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) mantenha o pagamento integral de seus vencimentos.

Del Guércio viu seu salário ser reduzido por uma determinação do TJ-SP de 2012, que o investiga sob a acusação de pedir dinheiro a advogados interessados em processos nos quais ele atuou. O magistrado está afastado de suas funções desde abril deste ano.

Além disso, desde agosto, ele responde a procedimento disciplinar no CNJ.

Ao analisar o recurso de Del Guércio, Barbosa –que acumula a presidência do STF (Supremo Tribunal Federal) com a do CNJ– destacou que uma resolução do CNJ diz que o pagamento integral do subsídio dos magistrados deve ser assegurado mesmo durante o período em que se responda a processo administrativo disciplinar.

A defesa de Del Guércio considerou a manutenção do pagamento integral uma vitória. De acordo com o advogado José Luis Oliveira Lima, seu cliente tem tido o direito de defesa violado desde o início do processo no TJ-SP.

“A defesa do desembargador nega as acusações e registra que desde o início o direito de defesa foi violado pelo tribunal”.

INVESTIGAÇÃO

A investigação sobre Del Guércio teve início com uma denúncia feita em 18 de março pelo advogado Nagashi Furukawa, juiz aposentado e ex-secretário da Administração Penitenciária de São Paulo. Segundo Furukawa, Del Guércio lhe pediu que enviasse a seu gabinete um advogado para conversar sobre um recurso em exame no tribunal.

A advogada Fabiane Furukawa, sobrinha do advogado, foi enviada ao gabinete do desembargador. Segundo ela, Del Guércio afirmou que precisava quitar um empréstimo contraído para financiar a reforma de sua casa. Em seguida, disse Fabiane, o desembargador anotou o valor de R$ 35 mil num papel e mostrou-o à advogada dizendo que era quanto precisava pagar até o dia seguinte.

Segundo a advogada, Del Guércio sugeriu que ela discutisse o assunto com seu cliente e desse uma resposta no dia seguinte. Além disso, de acordo com Fabiane, ele teria dito: “Não estou vinculando [a entrega do dinheiro] à decisão no processo, mas ficaria muito grato se puder me ajudar”. A advogada diz que a resposta foi negativa.

O desembargador Gilberto de Souza Moreira, da 7ª Câmara de Direito Privado, também foi ouvido pelo tribunal e afirmou que cinco escritórios de advocacia lhe relataram episódios semelhantes.

Ao votar pelo afastamento de Del Guércio, o presidente do TJ, desembargador Ivan Sartori, mencionou a existência de mensagens de texto e registros de contatos telefônicos entre as provas apresentadas contra o magistrado.

“A deplorável conduta do desembargador […] parece não ter sido fato isolado, mas coerente com uma linha de comportamento já conhecida e repudiada por seus pares”, afirmou Sartori em seu voto.

Com 30 anos de carreira como juiz, Del Guércio foi promovido a desembargador em 2005 e atuava na 15ª Câmara de Direito Público do tribunal.

(http://www1.folha.uol.com.br/poder/1256583-tj-sp-afasta-desembargador-suspeito-de-receber-vantagens-indevidas.shtml)
(http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/12/1386260-barbosa-determina-que-tj-sp-mantenha-pagamento-de-juiz-investigado.shtml)
.
.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Blogs & Colunas
Mais conteúdo especial para leitura