VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Você escreve

Lula, ao Terra: As nove ou dez famílias que controlam a comunicação


23/09/2010 - 13h08

Lula: “nove ou dez famílias” dominam a comunicação no Brasil
23 de setembro de 2010

Para Lula, imprensa tem candidato e partido

Bob Fernandes
Gilberto Nascimento

Direto de Brasília

no Terra

A três meses e meio do término de seu governo, o presidente Lula está certo da vitória de sua candidata à presidência da República, Dilma Rousseff, mas recomenda: “cautela”. Numa conversa exclusiva de uma hora com o Terra no Palácio do Planalto, Lula, provocado, esmiúça o que pensa da mídia e sobre a mídia. Diz que, de alguma forma, o país tem, terá que discutir e legislar – no Congresso, ele ressalva – sobre o assunto. Para definir como percebe o olhar da chamada grande mídia, Lula resume:

-Eles têm preconceito, até ódio…

A ênfase, a contundência no julgamento e comentários quando o tema é este, mídia, são permeadas por gestos e palavras que mostram um presidente da República disposto e pronto para o próximo comício. Bem humorado, carregado de adrenalina. Antes do início da entrevista, Lula quer conversar, diluir ansiedades e tensões.

“Baby…”, diz a um jornalista, “pô, que gravador é esse, não tinha um digital?”, provoca outro. Segura a gravata de um terceiro, parece admirar o tecido, os desenhos, e opina:

-Mas essa gravata… esses desenhos parecem uma ameba!

O presidente da República faz as honras da casa, pede que se sirva um cafezinho, uma água antes de, atraído para o tema, partir para o ataque:

– Na campanha passada, os caras diziam porque o avião do Lula… porque o Aerolula… (Estavam) disseminando umas bobagens… vai despolitizando a sociedade. Agora, estão dizendo que a TV pública é a TV do Lula. Nunca disseram que a TV pública de São Paulo é do governador de São Paulo e as outras são dos outros governadores…

Para Lula, críticas à falta de liberdade na área de comunicação, mais do que injustas, não têm sentido. Ele diz duvidar que outros países tenham mais liberdade de informação do que o Brasil:

-Nesse momento do Brasil, falar em falta de liberdade de comunicação? Eu duvido. Eu quero até que vocês coloquem em negrito isso aqui. Eu duvido que exista um país na face da Terra com mais liberdade de comunicação do que neste País, da parte do governo.

O presidente se mostra disposto a um duro embate com setores da mídia: – A verdade é que nós temos nove ou dez famílias que dominam toda a comunicação desse País. A verdade é que você viaja pelo Brasil e você tem duas ou três famílias que são donas dos canais de televisão. E os mesmos são donos das rádios e os mesmos são donos dos jornais.

“No Brasil – foi o Cláudio Lembo que disse isso para o Portal Terra -, a imprensa brasileira deveria assumir categoricamente que ela tem um candidato e tem um partido. Seria mais simples, seria mais fácil. O que não dá é para as pessoas ficarem vendendo uma neutralidade disfarçada”, cobra Lula.

O presidente sinaliza que mudanças nessa área deverão ser discutidas no Congresso Nacional e poderão ser viabilizadas no próximo governo:

-O Brasil, independentemente de que de quem esteja na Presidência da República, vai ter que estabelecer o novo marco regulatório de telecomunicações desse País. Redefinir o papel da telecomunicação. E as pessoas, ao invés de ficarem contra, deveriam participar, ajudar a construir, porque será inexorável.

A seguir, a primeira das três partes da entrevista com Lula que o Terra publica ao longo desta quinta-feira (23).

Terra – Presidente, em 1978 o senhor era um líder operário, estava na Bahia em um encontro de petroleiros, no Hotel da Bahia, eu era um estudante de comunicação, ainda tinha AI-5, censura à imprensa. Na década seguinte, nos anos 80 e 90, em inúmeras conversas com o senhor o assunto acabava de alguma forma passando pelo monopólio na mídia. No ano 2002, na véspera da eleição, de novo conversamos sobre isso. Em 2006, a uma semana do senhor ser reeleito presidente, numa conversa o senhor disse que não iria “tirar nada” de ninguém, que isso não seria democrático, mas que a ideia era redistribuir meios, ajudar os meios, ter uma maior diversidade de opinião. Chegando agora, nesta reta final (em 2010) o senhor tem feito críticas duras, dizendo que a imprensa, a mídia tem um candidato e não tem coragem de assumir e, ao mesmo tempo, o contraditório diz que existiria um Projeto Político, projeto vocalizado outro dia pelo José Dirceu, para “enquadrar meios de comunicação”. Então, queria que o senhor dissesse o que o senhor realmente pensa disso, e se realmente existe uma expectativa, se existe alguma coisa em relação a isso…
Luiz Inácio Lula da Silva – Olha, primeiro, na nossa passagem pela Terra… não pelo Terra, pela Terra, a gente ouve coisas absurdas, que a gente gosta e que a gente não gosta. Veja, qualquer coisa nesse País tem o direito de me acusar de qualquer coisa. É livre. Aliás, foi o PT que, no congresso de São Bernardo do Campo, decidiu que era proibido proibir. Era esse o slogan do PT no congresso de 1981.

Terra – O Caetano vai dizer que é dele…
O que acontece muitas vezes é que uma crítica que você recebe é tida como democrática e uma crítica que você faz é tida como antidemocrática. Ou seja, como se determinados setores da imprensa estivessem acima de Deus e ninguém pudesse ser criticado. Escreveu está dito, acabou e é sagrado, como se fosse a Bíblia sagrada. Não é verdade. A posição de um presidente é tomada como ser humano, jornalista escreve como ser humano, juiz julga como ser humano. Ou seja, temos um padrão de comportamento e julgamento e, portanto, todos nós estamos à mercê da crítica. No Brasil – , e foi o Cláudio Lembo que disse para o Portal Terra -, a imprensa brasileira deveria assumir categoricamente que ela tem um candidato e tem um partido, que falasse. Seria mais simples, seria mais fácil. O que não dá é para as pessoas ficarem vendendo uma neutralidade disfarçada. Muitas vezes fica explícita no comportamento que eles têm candidato e gostariam que o candidato fosse outro. Tiveram assim em outros momentos. Acho que seria mais lógico, mais explícito. Mas, eles preferem fingir que não têm lado e fazem críticas a todas as pessoas que criticam determinados comportamentos e determinadas matérias.

Terra – Então, não existiria nenhum projeto futuro…
Se existir uma idéia, ela será discutida pelo próximo governo. Pelos próximos governos. Ela será decidida pelo Congresso Nacional , porque é impossível você imaginar fazer uma coisa que discuta comunicação se você não passar pelo Congresso. Quando nós tomamos a decisão de fazer a Conferência da Comunicação – nós já fizemos conferências de tudo que você possa imaginar, até de segurança pública -, quando fizemos a Conferência de Comunicação, alguns setores das comunicações participaram, algumas tevês participaram, algumas empresas telefônicas participaram e muitos jornais participaram. Ela foi feita a nível municipal, a nível estadual e nível nacional. Determinados setores da imprensa não quiseram participar e começaram a achar que aquilo era antidemocrático, que aquilo era não sei das contas. Eu não sei qual é a preocupação que as pessoas têm de a sociedade discutir comunicação. Uma legislação que está regulamentada em 1962. Portanto, não tem nada a ver com a realidade que nós temos hoje, com os meios de comunicação que nós temos hoje. Com a agilidade da internet, por exemplo. Então, o que nós achamos é que o Brasil, independentemente de quem esteja na Presidência da República, vai ter que estabelecer o novo marco regulatório de telecomunicações desse País. Redefinir o papel da telecomunicação. E as pessoas, ao invés de ficarem contra, deveriam participar, ajudar a construir, porque será inexorável. Ninguém tinha a dimensão há 15 anos atrás do que seria a internet hoje. Ninguém tinha. Ninguém tem a dimensão ainda do que pode ser a TV digital. E a pluralidade que ela pode permitir de utilização dos canais de televisão. Então, discutir isso é uma necessidade da nação brasileira. Uma necessidade dos empresários, dos especialistas, dos jornalistas, ou seja de todo o mundo para ver se a gente se coloca de acordo com o que nós queremos de telecomunicações para o futuro do País.

Terra – Como essa discussão quase sempre se dá em meio a campanha, a gente não tem a oportunidade de falar assim tão claramente. O que mais incomoda o senhor: é a cobertura (ser) crítica de um lado e não existir a investigação sobre os demais candidatos? Seria isso?
Não, não. Veja, Bob você me conhece há muito tempo e sabe o que eu tenho afirmado. Só existe uma possibilidade no meu governo de alguém não ser investigado. É não cometer erro. Se cometer erro, tem de ser investigado. Isso vale para todo mundo. Agora, eu acho que a imprensa presta um papel importante.

Terra – O senhor está dizendo que ela é desequilibrada? Só está cobrindo um lado e não está cobrindo…
É que eu acho que a imprensa está cumprindo um papel importante quando ela denuncia. Por que? Ou você sabe porque alguém denunciou, ou você sabe porque alguém cobriu ou você sabe porque saiu na imprensa. Quando sai alguma coisa na imprensa você vai atrás. Você vai, então, apurar. De tudo aquilo que é uma feijoada, o que é feijão, o que é carne, o que é costela, o que é carne seca. Você vai separar as coisas para saber o peso de cada uma. E é exatamente o que a gente faz nesse governo. Ou seja, eu vou te dar um exemplo, sem citar jornal. Na campanha passada, os caras diziam, “porque o avião do Lula…”, porque o Aerolula… Passando para a sociedade, disseminando umas bobagens, vai despolitizando a sociedade. Agora, estão dizendo que a TV pública é a TV do Lula. Nunca disseram que a TV pública de São Paulo é do governador de São Paulo e as outras são dos outros governadores. Agora, uma TV para um presidente que está terminando o mandato daqui a três meses, é a TV Lula. Ou seja, esse carregamento de…composto de …de muita …de muita, eu diria, de muito preconceito ou de muita até, eu diria até, às vezes, ódio, demonstra o que? O velho Frias (Octavio Frias de Oliveira, publisher da Folha, falecido em abril de 2007) me dizia: “Lula, o pessoal do andar de cima não vai permitir você subir lá…”. Quem me dizia isso era o velho Frias repetidas vezes: “Lula, cuidado, o pessoal do andar de cima não vai permitir você chegar naquele andar…”. Sabe? Então, o pessoal se comporta como se o pessoal da Senzala tivesse chegando à Casa Grande. E ficam transmitindo uma coisa absurda. Nesse momento do Brasil, falar em falta de liberdade de comunicação….? Nesse momento do Brasil! Eu duvido, duvido. Eu quero até que vocês coloquem em negrito isso aqui: Eu duvido que exista um país na face da Terra com mais liberdade de comunicação do que neste País, da parte do governo. Agora, a verdade é que nós temos nove ou dez famílias que dominam toda a comunicação desse País. A verdade é essa. A verdade é que você viaja pelo Brasil e você tem duas ou três famílias que são donas dos canais de televisão. E os mesmos são donos das rádios e os mesmos são donos dos jornais…

Terra – Nos municípios, isto tem uma capilaridade: o chefe político tal…
Então, muita gente não gostou quando, no governo, nós pegamos o dinheiro da publicidade e dividimos para o Brasil inteiro. Hoje, o jornalzinho do interior recebe uma parcela da publicidade do governo. Nós fazemos propaganda regional e a televisão regional recebe um pouco de dinheiro do governo. Quando nós distribuímos o dinheiro da cultura, por que só o eixo Rio-São Paulo e não Roraima, e não o Amazonas, e não o Pernambuco, e não o Ceará receber um pouquinho? Então, os homens da Casa Grande não gostam que isso aconteça.

Terra – A propósito de “Casa Grande”, sociologia etc…, na semana passada um importante sociólogo, Fernando Henrique Cardoso, evocou Mussolini ao se referir ao senhor como chefe de uma facção. Chegando ao final desses 16 anos (governos FHC e Lula), o senhor acha que ainda existe…
Eu acho que, sinceramente, as pessoas deveriam olhar para o Brasil e olhar para os outros países. E todo o mundo deveria agradecer a Deus o Brasil ser do jeito que ele é, o Brasil ter o governo que ele tem e ter o povo que tem. Eu lembro que o João Roberto Marinho, quando voltou da eleição do México passada, numa conversa que teve comigo falou: “Ô presidente, eu estava no México e foi de lá que eu aprendi a valorizar a democracia no Brasil. Porque, aqui no Brasil, todo mundo acata o resultado. Lá no México, eu vi um milhão de pessoas na rua contra o resultado eleitoral”. Ou seja, aqui no Brasil nós não corremos esse risco. Porque esse País tem um outro jeito de exercitar a democracia. E a democracia ela só será exercitada – vocês estão lembrados que eu dizia quando era líder sindical ainda -, democracia não é o povo ter o direito de gritar que está com fome, democracia é o povo ter direito de comer. Nós estamos chegando lá, estamos chegando lá, então as pessoas, sabe, que talvez tenham problemas ideológicos, problemas de preconceito, ou seja, que não admite que…meus queridos, vejam o que vai acontecer amanhã, sexta-feira; a Bovespa, que tinha ódio de mim, e quando tinha medo de mim ela tinha apenas 11 mil pontos, hoje já chegou a 72 (mil pontos), já chegou a 68 (mil pontos). Ou seja, acima dos 60 mil pontos. E vai exatamente um presidente da República, que tanta gente tinha medo, fazer a maior capitalização da história da humanidade. Ouso dizer: nunca antes na história do planeta Terra houve uma capitalização da magnitude do que vai acontecer na sexta-feira, sabe, com a minha presença.

Terra – E isso lhe dá um prazer especial?
Me dá. Me dá um prazer especial porque é um sucesso do Brasil, é um sucesso da Petrobrás, é um sucesso do investimento em tecnologia, é um sucesso de acreditar neste País. Mas na verdade é o sucesso da ascensão do Brasil no mundo. Ou seja, quem acompanha a imprensa internacional percebe que hoje nós ocupamos na imprensa internacional num mês aquilo que a gente não ocupava em três décadas, há pouco tempo atrás. Porque no Brasil, as pessoas precisam aprender uma coisa: ninguém respeita quem não se respeita. E muita gente do Brasil costumava chegar nos Estados Unidos ou na Europa de cabeça baixa, se achando um ser inferior.

Terra – Tirava o sapato…
É. Eu, quando eu tomei posse, disse para os meus meninos: se alguém tirar o sapato, se eu souber, porque também não vou, não estou com eles, mas também se chegar lá para tirar o sapato é melhor vir embora. Porque eu mando embora. A única coisa que eu acho que vai acontecer lá é o seguinte: o Brasil vai sair mais honrado deste processo, o Brasil vai sair mais forte e não vai ser o Lula que vai ganhar, o Lula está fora disso em dezembro, meu filho.

Terra – O senhor está se referindo a isso por causa da pergunta, Mussolini…?
É, por causa disso, ou seja, eles confundem populismo com popular. Eles não sabem o que é popular porque eles nunca tiveram perto do povo. Essa gente, essa gente que não gosta de mim, na época das eleições até sorri pros pobres, até fazem promessa pros pobres, mas depois das eleições… o pobre passa perto deles um quilômetro. Então, sabe, isso é uma confusão maluca entre o populismo e o popular. O que é o populismo? É um cara, sabe, que não tem nada a ver com ninguém e aparece fazendo promessas, aparece fazendo política demagógica. Não é o nosso caso. Todas as políticas minhas são decididas, Bob… Já foram 72 conferências nacionais, conferências que começam lá no município, vai para o Estado e vem pra cá. Algumas conferências participaram 300 mil pessoas até chegar na conferência nacional. E aí nos decidimos as políticas públicas. Então eles…obviamente eu acho que tem muita gente incomodada e eu não tenho culpa, eu não tenho culpa. Sabe, tirar deles incomodou muita gente no Brasil. A Coroa Portuguesa durante muito tempo ficou incomodada por conta daqueles que diziam que era preciso mudar. Ficaram incomodados até com Dom Pedro quando ele quis mudar. Por que não ficar comigo?

Terra – O Brasil mudou e eu faço a seguinte pergunta, quer dizer, a política brasileira mudou? O senhor antigamente falava muito em reforma política, que era uma das bandeiras e hoje a gente vê os partidos enfraquecidos. Como o senhor avalia hoje a política, a necessidade da reforma política e um adendo: em uma viagem ao Pará, nas vésperas da eleição passada, em um vôo o senhor disse na entrevista que uma das suas primeiras medidas que o senhor tentaria seria a reforma política. Por quê não saiu? Por que é tão difícil de fazer?
Porque a reforma política não é uma coisa do presidente da República. A reforma política é uma coisa dos partidos políticos. E do jeito que os partidos se comportam parece que a gente tem um monte de partidos , todos criticando, sabe, a legislação que regulamenta a política no Brasil. Todo mundo quer uma reforma política, mas ninguém mexe. Porque desagrada a muita gente. Então, veja, eu mandei duas propostas de reforma, de coisas que precisariam mudar para poder melhorar a política brasileira e que não foi votado. Nós mandamos, por exemplo, a regulamentação do financiamento de campanha, para acabar com o financiamento privado e ficar com financiamento público, que na minha opinião é a forma mais honesta de se fazer campanha neste País, a fidelidade partidária… porque o que é o ideal? É você ter partido forte para você negociar com partido. Isso faz parte da democracia. Quando você faz coalizão com partido político você estabelece regras nesta coalizão, você partilha um poder com essa coalizão. Agora, do jeito que está é quase que impossível, porque a direção dos partidos não representa mais os partidos. O líder da bancada não representa mais a bancada, ou seja se criou grupos de deputados, grupos por região, grupos…ou seja, e está muito difícil para eles próprios…então, o que eu acho? Quando eu deixar a presidência, eu quero, primeiro dentro do PT, convencer o PT da necessidade de fazer uma reforma política, convencer os partidos da base aliada do governo da necessidade de se fazer uma reforma política neste País pra que a gente não fique com legenda de aluguel, como nós temos agora.

Terra – Na semana passada, o Lembo disse até naquela entrevista, primeiro que a oposição vai estar em frangalhos nas urnas e ele é do DEM, e que na verdade não vão existir praticamente partidos, só o movimento social e que seria liderado pelo senhor. O senhor concorda?
Eu não concordo porque eu não sou líder do movimento social, eu sou um dirigente partidário. O movimento social tem suas lideranças próprias. Agora, eu acho que…eu não concordo com o Lembo que não tenha partido político, o PT é um grande partido político. Nas pesquisas da opinião pública, o PT aparece com 30% de preferência em qualquer pesquisa que se faça. Demonstração de que isso é um partido, sabe, como poucas vezes no mundo você teve um partido assim, você teve um PRI, um partido comunista mexicano que era extremamente forte e aí sim era populismo, você tinha um partido comunista italiano que tinha 30% dos votos e que era um baita de um partido na Itália, embora nunca tenha chegado no poder, você tinha a social democracia que revezava o poder em uma parte da Europa, os socialistas franceses que revezavam. E você tem no Brasil o PT que é um partido organizado nacionalmente e muito forte. Agora, eu acho que as reformas, elas se darão por dentro dos partidos políticos, dentro do Congresso Nacional. E ela se dará porque nós não precisamos ter uma legenda que aluga na época da eleição, que tem horário de televisão…

Terra – Tiririca é um símbolo disso?
Veja, eu acho…eu não sou contra…

Terra – Como representação, não é demonizando…
Ele tem um partido, ele pode ser filiado no partido como qualquer outra pessoa. Deixa eu lhe falar… o Tiririca é um cidadão que representa uma parcela da sociedade brasileira.

Terra – Mas um voto de protesto…
Eu não sei se é voto de protesto, ele pode surpreender, sabe…eu acho legal o Romário estar entrando na política, acho legal o Bebeto estar entrando na política, o Marcelinho…porque, veja, a política antigamente o que era? Antigamente a política era advogado, professor, funcionário público e empresário. Ora, se você tem jogador de futebol, você tem movimento indígena, você tem…todo mundo tem que se apresentar e o Congresso estará melhor representado . Se eles trabalharem corretamente, serão valorizados. Se as pessoas não trabalharem corretamente, no próximo mandato cairão fora como já provou a história da humanidade e aqui neste País. Então, eu estou tranquilo com relação à necessidade da reforma política, ou seja, a cada dia uma pessoa só cria um partido político. Agora, na época da eleição você precisa normatizar quem é que participa do que, porque quando nós fomos criados em 80 nós tínhamos que legalizar o partido em 15 Estados e dentro de cada Estado em 20% dos municípios. Era um trabalho imenso e ter 3% de voto, sabe, para governo em 82. Não foi fácil chegar e nós fizemos. Então é preciso criar parâmetros para as pessoas organizarem. Você não pode, ou seja, você não tem um partido político, daqui a pouco os deputados são eleitos por um partido tal, antes de tomar posse, já mudaram de partido. Ou seja, você fez uma negociação com o partido que tinha 20 deputados, daqui a pouco esse partido tem 10 e a negociação está feita. Como é que fica?

Terra – Presidente, que PT é esse que neste momento da política brasileira sairá das urnas? E, segunda pergunta, onde o PT, que teve momentos de altos e baixos acentuados durante o seu mandato, onde acertou e onde errou?
Primeiro, o PT tem pouca ingerência no governo, sabe. Quando você ganha um governo, você governa, e na minha o partido tem até liberdade de em vários momentos não concordar com o governo e até fazer oposição ao governo, criticar o governo, sabe? Nós perdemos muita gente que foi do PT porque não concordou com a reforma da previdência do setor público que nós começamos a fazer em 2003. Isso faz parte também da história política do mundo inteiro. Foi assim no partido socialista francês, no alemão, no sueco, no partido democrata americano, acontece em todos os partidos políticos. Eu acho que o PT deu uma ajuda muito grande agora quando aceitou a indicação da ministra Dilma como presidente, ou seja, havia quem dissesse que o PT queria criar caso, que o PT queria uma liderança histórica, alguém com mais vínculo, e o PT aceitou tranquilamente a Dilma e eu acho que PT tomou a decisão madura e coerente, sabendo a minha relação com o PT e o peso do governo na decisão do processo eleitoral. Eu acho que foi uma decisão madura e, obviamente que, muitas vezes aceitando aquilo que a gente fazia no governo. Porque, qual é o problema do governo? Quando você chega no governo, você não participa mais da decisão de um partido. Eu, faz oito anos, sete anos, que eu não vou numa reunião do partido. Porque eu tomei como decisão de que, ao ser eleito presidente da República, eu não poderia governar para o PT, eu não poderia enxergar o mundo apenas pelo PT, eu tenho que enxergar o mundo pela pluralidade da política brasileira e da sociedade brasileira. Então, eu estabeleci uma forte relação com os trabalhadores, é verdade. Mas estabeleci também uma forte relação com os empresários, estabeleci uma relação muito forte com os setores médios da sociedade, porque é isso que é a sociedade brasileira. Ela não é apenas, sabe, vermelha ou azul ou verde. Ela é muito mais colorida do que tudo isso e o presidente da República tem que ficar com uma espécie de magistrado. Agora, quando chega época de eleição não é possível o presidente da República ficar como magistrado porque eu tenho um lado. Eu tenho um partido e tenho candidato.

Terra – O senhor tem sido muito cobrado por estar interferindo na eleição….
Deveria ser, deveria ser cobrado quem perdeu. Quem não conseguiu fazer o sucessor, porque o sucessor é uma das prioridades de qualquer governo para dar continuidade a um programa que você acredita que vai acontecer. Imagina se entra no Brasil para governar alguém que resolve querer voltar e privatizar a Petrobrás? (pausa) Onde vai o pré-sal? Ou alguém que resolva não mudar a lei e permitir que a lei do petróleo continue a mesma? A gente sabendo…o contrato de risco é quando a gente corre riscos. Mas quando a gente sabe onde tá bichinho do ouro preto, por que a gente vai fazer contrato de risco? Então, nós temos que se apoderar desta riqueza a bem do povo brasileiro, é um patrimônio do povo, não é um patrimônio da Petrobrás. Então, nós temos medo de que este País sofra um retrocesso. Por isso que eu tenho candidato. Seria inexplicável para a sociedade se eu entrasse numa redoma de vidro e falasse: olha, aconteça o que acontecer nas eleições, o presidente da República não pode dar palpite. Mas nem para escolher o Papa acontece isso.

Terra – Presidente, essas eleições já estão definidas?
Olha, nunca existe eleição decidida. Eu sempre acho que eleições e mineração a gente só sabe disso depois do resultado. Abriu a urna, agora não tem urna para abrir…

Terra – Mas tem o negócio de identidade (carteira de identidade) que pode complicar…
Olha, teria problema de identidade se você não tivesse elevado 36 milhões de pessoas da classe C. Esse povo agora está comprando, esse povo está entrando na loja, está fazendo crédito esse povo tem documento, fotografia… O que eu acho extremamente importante é que nesse processo eleitoral, a gente precisa primeiro ter muita cautela. Esse é o momento de um time que está ganhando de dois a zero. O adversário está dando botinada, está chutando no peito, está chutando na canela, o juiz não está apitando falta e nós não podemos perder a cabeça, porque o que eles querem é expulsar alguém do nosso time, para a gente ficar em minoria. Então, agora é muita cautela, vamos fazer troca de passes entre nós, vamos fazer a bola correr. Como dizia o Parreira, quando estava dirigindo o Corinthians, nós vamos ficar dominando a bola, ou seja, o tempo que a gente estiver com a bola é o tempo que a gente não toma gol…





91 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Reinaldo C. Zanardi

24 de setembro de 2010 às 19h06

Isso é uma aula de democracia. Os demos e tucanos deveriam aprender com o Lula.

Responder

José Vitor

24 de setembro de 2010 às 11h33

O site do "Movimento em Defesa da Democracia" está registrado em nome de um tucano de quatro costados.
É propaganda eleitoreira mesmo.
——————————————————–
domínio: defesadademocracia.com.br
entidade: Edsom Ortega Marques
——————————————————–

Responder

Guilherme Milani, SP

23 de setembro de 2010 às 23h12

Dilma vai afundar ainda mais o PiG, sabem como? Dando banda larga barata a quem hoje ainda não acessa a internet. Trazer essa gente pro mundo digital é dar-lhes a oportunidade, como a nós foi dada, de fazer o julgamento pessoal entre aquilo que o PiG divulga e o que da fato acontece. Tudo o que for escondido estará aqui, nos blogs progressistas. Pros demo-tucanos isso seria o fim. O povo mais humilde consumindo e pensando, com banda larga barata e TV digital de graça? Que horror! Já imagino a cara de ódio do Sérgio Guerra, o Pitbull do Serra… E isso me diverte!!!

Responder

ValmontRS

23 de setembro de 2010 às 23h07

Não é possível que um jornalista seja tão mal-informado! Só pode ser má fé! ASPAS
"Na rota da ditadura"
Villas-Bôas Corrêa do JB
"Sem liberdade de imprensa não há democracia. Este é um velho truísmo que a história do mundo civilizado tem confirmado, sem exceção. E é o que assusta na guinada de Lula, em plena campanha pela censura à imprensa. […]
"O 'Ato contra o golpismo midiático', convocado para hoje, em São Paulo, por centrais sindicais, por sindicatos, pelos partidos governistas e os chamados movimentos sociais, é um arrepiante retrocesso na nossa frágil democracia, fragilizada pelos escândalos nos três poderes. [ …] Lula lançou o brado retumbante: 'A população não precisa mais de formadores de opinião'. E no grito às margens do córrego: 'Nós somos a opinião pública'. O ato cívico pró-ditadura será realizado no auditório do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Paulo e é patrocinado por 'blogueiros progressistas'."

Responder

ValmontRS

23 de setembro de 2010 às 22h53

Até tu, Ancelmo Gois! Na trincheira dos golpistas! Trezentas ASPAS!

"Mundo maluco II" – Ancelmo Gois

"O Clube Militar promove hoje um seminário “Democracia & Liberdade de Expressão”.
No mesmo dia, em São Paulo, alguns sindicatos realizam um ato contra a imprensa.
Na ditadura, era o contrário."

Cinismo generalizado (o trocadilho infame é nosso).

Responder

ValmontRS

23 de setembro de 2010 às 22h48

De exercito.gov.br/resenha/homepage.htm
'Precisamos ficar atentos a isso'
Para plateia de militares, Gabeira critica 'tentações' do governo petista
Miguel Caballero

Um ex-combatente armado da ditadura aplaudido por uma plateia de militares, ao discursar sobre o risco de desestabilização democrática do país, liberdade de imprensa e a “sedução” do governo pelo totalitarismo.

Perguntado pelo presidente do Clube da Aeronáutica, brigadeiro Carlos Batista, sobre possíveis semelhanças entre o atual cenário político e o do período pré-golpe em 1964, Fernando Gabeira ressalvou inicialmente um “amadurecimento político” do país e criticou o governo federal, que, na sua visão, tem a “tentação de suprimir a liberdade de imprensa e até as próprias leis”. Para o candidato do PV ao governo do Rio, o Brasil, depois de flertar com a “democracia plebiscitária presente em países como Venezuela, Bolívia e Equador”, caminha para um modelo similar ao argentino.

Responder

kimparanoid

23 de setembro de 2010 às 22h16

Com simplicidade e sabedoria, Lula responde ao grupo de ilustres que lançou o "Manifesto em Defesa da Democracia" (vulgo "Manifesto em Defesa da Oligarquia" ou "Manifesto do Partido Golpista"). As melhores frases, na minha opinião, foram:

"O que acontece muitas vezes é que uma crítica que você recebe é tida como democrática e uma crítica que você faz é tida como antidemocrática. Ou seja, como se determinados setores da imprensa estivessem acima de Deus e ninguém pudesse ser criticado."

"Porque no Brasil, as pessoas precisam aprender uma coisa: ninguém respeita quem não se respeita."

"[…] eles confundem populismo com popular. Eles não sabem o que é popular porque eles nunca tiveram perto do povo."

Responder

ValmontRS

23 de setembro de 2010 às 22h12

Olha a cara de pau! aspasssssssss

"Tempos petistas" – Merval Pereira
“'Por ironia do destino, os militares estão organizando um evento para defender a liberdade de imprensa no mesmo dia em que os sindicatos e os movimentos sociais organizam uma manifestação para atacar a liberdade de imprensa. Os tempos mudaram'. O comentário de Paulo Uebel, diretor executivo do Instituto Milennium, é sintomático dos tempos que estamos vivendo."
"O Clube Militar está realizando no Rio um painel intitulado “A democracia ameaçada: restrições à liberdade de expressão”, hoje à tarde, do qual participarei com Reinaldo Azevedo, da “Veja”, e o diretor de assuntos legais da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), Rodolfo Machado Moura."

Responder

ValmontRS

23 de setembro de 2010 às 22h04

Responda rápido: o que tem a ver LIBERDADE DE IMPRENSA com CLUBE DE MILITARES?
Esse tal "seminário" organizado pelos piguentos é de uma sutileza SUÍNA!

Responder

Francisco

23 de setembro de 2010 às 21h48

Não vejo nada demais em substituir compulsoriamente a posse de concessão depois de trinta anos da outorga. Evita vicios, cristalizações e faz o dinheiro circular. O que as familias concessionárias já ganharam de grana é muito mais do que o suficiente. Indeniza e chama outro.

Responder

Bira da Vila

23 de setembro de 2010 às 21h42

ok, tomara que seja aprovado, gostaria muito de ver o meu comentario postado!

Responder

Bira da Vila

23 de setembro de 2010 às 21h40

É isso mesmo, a elite Brasileira vai ter que se conformar com a vitoria da senzala, o preconceito e a exploração da classe pobre deixou de existir quando um representante do povo se tornou presidente da republica do Brasil.

Responder

Well Costa

23 de setembro de 2010 às 21h05

"Olha, teria problema de identidade se você não tivesse elevado 36 milhões de pessoas da classe C. Esse povo agora está comprando, esse povo está entrando na loja, está fazendo crédito esse povo tem documento, fotografia…" a diferença dele para os outros é que ele fala a nossa lingua, sem demagogia, sem frescura, é por isso que ele é entendido por todos. VIVA O BRASIL VIVA A REDE VIVA O LULA!!!

Responder

maconheiro

23 de setembro de 2010 às 20h58

Nova pesquisa para presidente http://www.youtube.com/watch?v=famrQMXBPkA&fe

Responder

Carlos Morelli

23 de setembro de 2010 às 20h44

O mercadante também será "o cara" para São Paulo.

Responder

Carlos Morelli

23 de setembro de 2010 às 20h43

Ele é o cara.

Responder

Papalegua

23 de setembro de 2010 às 20h18

É exagero dizer que algumas famílias controlam as comunicações no Brasil.
Veja: direto do site da RBS (Globo) : O Grupo RBS opera diretamente ou por meio de contrato de afiliação:
– 18 emissoras de TV aberta afiliadas à Rede Globo
– 2 emissoras de TV locais 
– 25 emissoras de rádio
– 8 jornais 
– 7 portais de internet
– 1 empresa de eventos Operação mobile marketing Operação segmento rural Operação segmento jovem Operação e-business 
– 1 editora
– 1 gravadora 
– 1 empresa de logística Fundação Maurício Sirotsky Sobrinho

Responder

Digger

23 de setembro de 2010 às 19h57

Desde quando liberdade de imprensa é sinônimo de privilégio e oligopólio de algumas famílias? E de que essas famílias podem controlar com ideologia partidária e mão-de-ferro, concessões públicas que deveriam ter a fiscalização da sociedade como um todo?
Está muito clara a tendência e o compromisso partidário da grande mídia conservadora, reacionária e contraria aos interesses comuns da nossa sociedade. Percebe-se que defendem ardorosamente as oligarquias plutocratas da qual fazem parte.
A contrariedade é muito grande, chegando ao absurdo de apoiarem no passado, os golpistas de 19 64.
Hoje “disfarçadamente”, mas nem tanto, procuram a toda hora desmoralizar e conspurcar contra pessoas de um governo democrático popular e com grande aprovação. Ficam enlameando com acusações muitas vezes infundadas, dando-se no direito de julgarem e condenarem sem o devido processo legal.
O poder da imprensa não é absoluto e com fé pública, subordina-se aos poderes constituídos do Estado Nação.

Responder

Lucas Cardoso

23 de setembro de 2010 às 19h54

"Nunca antes na história do planeta Terra"

RÁ! Até o Lula faz piada com o bordão do Lula.

Responder

carmen silvia

23 de setembro de 2010 às 19h40

Depois de uma entrevista desta dizer que o nosso presidente é uma ameaça a democracia? só sendo muito estúpido ou muito mal intencionado.Que não gostem dele e do seu geito de governar é um direito de qualquer pessoa,agora por favor vamos argumentar com mais propriedade e consistência,esses neocansados tem todo direito de se organizarem, se manifestarem mas por favor se qualifiquem.O que dá pra observar é um despreparo intelectual e um desconhecimento do país absurdos,são pessoas que vivem em suas redomas preocupadas com o seu mundinho e quando sentem que alguma coisa vai mexer em seus privilégios saltam da redoma como se estivessem saltando de uma nave espacial e começa a vociferar a partir de seu egocentrismo como se isso fosse a exata tradução do que sente uma maioria.

Responder

Maria Thereza

23 de setembro de 2010 às 19h25

Ele é democrata, popular, inteligente. É brasileiro. É filho do Brasil. É Lula. E vamos com Dilma, para mais(pelo menos) 4 anos de inclusão social. de crescimento, de soberania, de orgulho de ser brasileiro, de nós sermos ouvidos. Quase não dá para destacar a frase, de tão linda que está a entrevista. Pra mim, apesar dessa dificuldade, é quando Lula diz que "democracia não é o povo poder gritar que tem fome. É o povo poder comer".

Responder

Claudio

23 de setembro de 2010 às 19h09

Azenha,

Acredito que Lula deveria ter feito essas reformas.

Vai ser preciso muito jeito porque os hôme vão ficar uma fera, tem que antes exorcisar essa turma.

Responder

    @matinta_perera

    23 de setembro de 2010 às 22h31

    o problema é ter o congresso que se tem. o senado que se tem, e o lobby que se tem. tá lá o Instituto Millenium que não me deixa mentir.

Claudio

23 de setembro de 2010 às 19h07

Azenha, é o seguinte.

Lula para governador geral do mundo.

– Vá ser inteligente assim longe sô !

Responder

El Cid

23 de setembro de 2010 às 18h05

A melhor frase é essa:

“o Brasil vai ter que discutir novo marco regulatório de Telecomunicações”.

Tem que democratizar a mídia e os formadores de opinião,pode fazer pra começar, distribuir o monopólio que a globo tem de publicidade, aumentar o número de concessões, que a internet continue livre e aumentar ainda mais o número de pessoas que acessam.

A era Marinho e cia tem que acabar!

Responder

Renato

23 de setembro de 2010 às 17h53

Qualquer discussão sobre o novo marco regulatório dos meios de comunicação ele precisa passar por:
1) no congresso nacional( 2 aprovações na camara e 2 aprovações no senado)
2) pela sociedade, através de plebiscito, após aprovação do congresso nacional.
Nada de discussões nas conferências esquerdas de comunicação.

Aliás, Temos os instrumentos de consultas públicas e não usamos.
Na Venezuela isso é muito usado, apesar do Chavez.

Responder

    Sandra Caballero

    23 de setembro de 2010 às 21h42

    Isso é muito usado PELO Chaves

    renato

    23 de setembro de 2010 às 23h45

    Então vamos lá: Imprensa controlada pelo Governo + Governo Ditador de Esquerda = Democracia para esquerda Ver.
    Não existe Democracia sem sonhos individuais.

Renato

23 de setembro de 2010 às 17h47

Ótimo, Copa do mundo será pela TV a cabo. E a de 2014 na inglaterra, como represália da Fifa por causa do fim da Rede Globo.

Responder

    @matinta_perera

    23 de setembro de 2010 às 22h33

    ah… se o nosso problema fosse transmissão de copa do mundo…

    Renato

    27 de setembro de 2010 às 16h50

    Falando um pouco sério.
    O brizola foi espertacular quando afirmou que iria discutir o monopólio da rede Globo de televisão.

    Como um novo marco regularório, devemos discutir se os ladrões das Igrejas evangélicas (IURD (BEM), AD(belem e madureira), IIG(MRRS)) podem ou não podem ter emissoras de televisão e salário de jornalistas demetidos da Globo serem pagos com fruto de butim.

José Pepe

23 de setembro de 2010 às 17h38

Sugestao para as pessoas do bem. Nao gastemos nosso precioso tempo com os Hendersons da vida. Os caes latem e a caravana passa! O desprezo e a nao resposta vai deixá-los mais perdidos que "cego em tiroteiro" Saudaçoes petistas!

Responder

piazalunga

23 de setembro de 2010 às 17h32

Um candidato mente

Um candidato mente!
Mente desesperada-mente
Mente diferente
Mente disfarçada-mente
Mente com ajuda de outros entes
Que também mentem velhaca-mente
Mentem que são independentes
Mas receberam no passado e querem lá na frente
O que dizem que outros recebem farta-mente
Agem impuni-mente
Tentando influenciar mentes
Aparecendo até ao lado do presidente
Mentindo que são da mesma gente
Com outro interesse em mente
A eleição unica-mente
Mentem diuturna-mente
O candidato diz ser transparente
Mas se nega à entrevista aberta-mente
Censurando jornalista mal educada-mente
Dando-lhe as costas soberba-mente
Porém isso, prudente-mente,
Não é divulgado reiterada-mente
Manipulam aberta-mente
E escondem o que lhe é inconveniente
Quando ele fala humilde-mente
Disfarça o que é real-mente
Demagogo so-mente
Trabalha lenta-mente
Até o que fez concreta-mente
Se esfarela rápida-mente
Ponte, metrô… moinhos de vento, apenas-mente.
Em são paulo pricipal-mente!
Eis porque aqui governam eterna-mente…
Lamentável-mentem!

Responder

    Nizinha

    23 de setembro de 2010 às 19h11

    Que delícia de poesia. Parabéns. O verso é bom quando não mente sobre a realidade. O seu é muito bom.

El Cid

23 de setembro de 2010 às 17h29

Que ótimo que esse assunto veio à tona. Ninguém mais poderá impedir que possamos crescer também na área da comunicação, como convém que seja para todas as questões do país.
Um ganho e tanto dessas eleições, com grande participação da blogosfera.

Responder

Epaminondas

23 de setembro de 2010 às 17h23

Pessoal,
Nem do caetano nem do sindicato.

"É proibido proibir."
Frase grafitada nos muros de Paris no movimento de maio de 68.
Outras frases:
"Abaixo a sociedade de consumo."
"Parem o mundo, eu quero descer."
"Proibido não colar cartazes."
“A humanidade só será feliz quando o último capitalista for enforcado com as tripas do último esquerdista.”
"A novidade é revolucionária, a verdade, também."

Quem quizer ver mais frase acesse:
http://g1.globo.com/Sites/Especiais/Noticias/0,,M…

"Conheça 68 das frases mais marcantes de maio de 68
Slogans nos muros e cartazes espalhados por Paris marcaram o movimento.
Irreverentes, buscavam provocar os cidadãos e as autoridades francesas."

Responder

Ronaldo

23 de setembro de 2010 às 17h21

Ontem, no noticiário da manhã, o apresentador da BandNews São Paulo, acho que o Eduardo Barão, disse que estavam ocorrendo várias manifestações em rodovias paulistas patrocinadas pelo pessoal do MST, que, "como sempre" só serviam para atrapalhar a vida do paulistano. Só que as manifestações eram do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto em São Paulo, em protesto contra despejos e remoções para obras preparatórias à Copa do Mundo de Futebol de 2014. Será que eles sabe diferenciar uma coisa da outra? A emissora nem se deu ao trabalho de checar as informações antes de divulgá-las. Ou, como diria a coleguinha Soninha Francine, é apenas coincidência dizer que o MST está atrapalhando a vida do paulistano em plena véspera das eleições? Já deixei de ouvir a CBN por causa das matérias tendenciosas da emissora global. Acho que vou ser obrigado a ouvir só música no rádio.

Responder

El Cid

23 de setembro de 2010 às 17h09

… pensando bem, acho que Bin Laden deve estar p*** da vida com o PIG !!

Uai, este pode lhe tomar o primeiro lugar nas ações terroristas, não acham?!

Responder

Gilberto

23 de setembro de 2010 às 17h08

Dilma Lá, Brilha uma estrela,
Dilma Lá, Cresce a esperança.
Dilma Lá, de um Brasil criança.
Pra fazer, brilhar nossa estrela…

Responder

    Manu

    23 de setembro de 2010 às 19h30

    sem medo deste infeliz (Serra!), quero ver chegar…
    Dilma lá

Klaus

23 de setembro de 2010 às 17h00

Durante o governo Lula, quantos membros destas famílias foram condecorados? Que eu me lembre, alguns Marinhos, Civitas e Frias. Quando da entrega destas condecorações, qual foi o discurso de Lula ou de seus representantes? Na morte de Roberto Marinho ou de Seo Frias, qual foi a mensagem de Lula, o que disse ele sobre estes barões da imprensa? Lula tem um discurso para cada ocasião, dependendo da plateia a que queira atingir.

Responder

El Cid

23 de setembro de 2010 às 16h57

acabo de ver a entrevista no Blog do Planalto, muito boa, mostrando como se faz jornalismo de verdade e, o Presidente Lula como sempre, dando aula de sabedoria e de conhecimento do que a grande mídia chama de “povão”. Dá pra não ter orgulho?

Responder

obede

23 de setembro de 2010 às 16h57

Caros comentaristas,

Sou participante deste espaço que pouco comenta, creio que pela falta de articulação rápida de minhas idéias, portanto, mais me apraz ler a diversidade das opiniões e verificar a busca pela verdade, até mesmo quando ela não é positiva para o grupo que, na minha modesta opinião, tem conduzido o destino da nossa nação para rumos que nos levam à justiça social, capitaneado pelo Presidente Lula. Dentro desta perspectiva, o da busca pela verdade, O Caso Erenice foi emblemático, visto que expôs algumas mazelas que nosso sistema de lotação de cargos de confiança trazem consigo, exemplificadas com o caso da contratação de familiares de Erenice, enquanto Ministra da Casa Civil, ou quando assessora da Ministra.
O Presidente Lula foi de um raciocínio simples e extremamente eficaz, quando usou a figura da Feijoada. Não negou as faltas que venham a ser constatadas, pelo contrário, disse que devem ser devidamente investigadas, passando a idéia de não conivência com eventuais desvios, já que após as investigações o Ministério Público tem total liberdade para exercer suas funções e denunciar quem vier a ser culpado, do mesmo modo o Poder Judiciário, que encontrando elementos para condenar, condena. A sagacidade de Lula não está ligada somente a essa demonstração de justeza, mas também pela exposição da razão de sua indignação com o denuncismo dos "arautos dos bons costumes" de ultima hora, encarnados pelos grandes jornais e grandes redes de tv (exceção para Record). O Presidente discorre sobre as mudanças ocorridas em seu governo, subsidiadas por conferências nacionais DEMOCRATICAMENTE constituídas, aborda a preservação da liberdade de imprensa e possibilidade de críticas. Mas o pulo do gato está na demonstração que pouco democrática é a distribuição dos meios de comunicação que hora lhe acusam de ser autoritarista, e que eles estão muito mais ligados ao poder ecônomico que com o povo, pois não há isonomia de tratamento ao governo e sua candidata em relação ao candidato das oposições siamesas da atualidade, a política e a midiática.
Creio que é necessário para a candidatura oficial, tocar no problema que o episódio Erenice suscitou e fazer uma limonada com este caldo azedo que escorreu no processo de escandalização promovido por mídia e alguns partidos, cuja motivação foi politiqueira sim.
Finalmente, Lula usa de sua credibilidade perante a população brasileira e a crítica mundial, para, de modo mais ameno que aquele usado no palanque, fazer a mesma crítica a elite ecônomica financeira e midiática.

Saudações Democráticas!

Responder

    obede

    23 de setembro de 2010 às 17h01

    Esqueci:

    Lula fez a crítica e apresentou uma proposta! Discussão da Regulamentação do Setor de Meios de Comunicação. Esse senhor é mesmo um interlocutor fantástico!!

frederico

23 de setembro de 2010 às 16h33

sugestão para Site com as"idéias do PIG:

nãoviomundo.arg.br

hahahahaha

Responder

Paulo

23 de setembro de 2010 às 16h24

Lula, E tome notícia boa: "Mercado de trabalho volta a crescer no ritmo do pré-crise" – http://jc.uol.com.br/canal/cotidiano/economia/not

Responder

ANNA

23 de setembro de 2010 às 16h19

E para fecharmos com chave de ouro :

“LULA, O FILHO DO BRASIL”" É O FILEM BRASILEIRO ESCOLHIDO PARA A DISPUTA DO OSCAR
http://entretenimento.br.msn.com/famosos/noticias

Dessa vez não passa! a tucanada vai arrancar as penas e ficarão pelados( como o Maradona ameaçou)

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

João

23 de setembro de 2010 às 16h10

Da para entender o motivo de tanto desespero do PIG? Imaginem, sabendo que do lado deles esta o Zé Pedágio, o FHC, o Artur Vigarista Virgílio, Alvaro Botox Dias. É Companheiros, só apelando mesmo.

Responder

easonnascimento

23 de setembro de 2010 às 16h05

Este é realmente "o cara". Sabe tudo sobre política. Conheça a história política de vários países. Conhece a história da diereita e da esquerda como ninguém. É um estrategista que deu um nó nos adversários. E este homem não pode depois de apanhar aqui dentro da mídia tupiniquim, rasteira, raivosa e preconceituosa, se defender das agressões? Ora bolas, para quem governou levando o país pra onde está agora Lula pode mais. É uma das maiores lideranças do mundo e isso não são uns poucos que acham. Muita gente no mundo reconhece seu valor. Por aqui uma minoria atrasada pensa diferente e o engole a seco. FHC e discípulos que o digam.
http://easonfn.wordpress.com

Responder

Lidia Fernandes

23 de setembro de 2010 às 15h49

Linda entevista.Parabens ao povo brasileiro por ter um presidente tao sabio politicamente.
Vamos em frente pessosl,nosso Brasil e DILMAIS!!!

Responder

Carlos Albergaria

23 de setembro de 2010 às 15h45

Graças a Deus Lula é um torneiro mecânico e não um sociólogo ou "economista/engenheiro". Quem é analfabeto ou um poste? Lula ,Dilma .É melhor estes letrados em Universidades, elevados a "JENIOS" pela propaganda enganosa da mídia golpista, fazerem vestibular para ingressar na Universidade da Vida e estudar bem a matéria FILOSOFIA DO AMOR AO POVO BRASILEIRO. Que entrevista. INCONTESTÁVEL pelos resultados alcançados. ALBERGARIA

Responder

Maria Dirce

23 de setembro de 2010 às 15h26

O maior presidente de todos os tempos que esse país teve indubitavelmente, chama-Luláaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

Responder

Fernando Souza Jr.

23 de setembro de 2010 às 15h14

Lula é um gênio político e pauta a política brasileira há duas décadas. Ele está como aqueles craques veteranos que decidem o jogo em poucos lances, correndo mínimo risco. Este é um dos motivos da oposição ter tanto ódio dele. Os outros são: porque ele é nordestino, de origem humilde, metalúrgico e sem-dedo. E porque o governo dele é um sucesso.

Responder

Cícero Rogério

23 de setembro de 2010 às 15h08

Lição de política, cidadania e jornalismo de qualidade! Estão todos de parabéns (entrevistadores e entrevistado).

Responder

juarez campos

23 de setembro de 2010 às 14h49

Tem que ensinar isto para o Mercadante.

Responder

Bonifa

23 de setembro de 2010 às 14h39

Tem gente que diz que Lula foi bonzinho demais, etc., etc…. Acho que todo mundo está fingindo que esta espécie de imprensa é, de fato, imprensa. Acordem, vocês não estão vendo que esta imprensa não é imprensa, e sim uma poderosa agremiação de direita que está a ponto de perder sua influência decisiva sobre a política do Brasil? E que esta agremiação tem ramificações internacionais, como um monstro direitista que é recebida de braços abertos pela imprensa internacional, que julga que deve protegê-la e ampará-la?

Responder

Célia Maria Ribas

23 de setembro de 2010 às 14h37

Belíssima entrevista! Pena que poucos conseguem ler.

Responder

Emília

23 de setembro de 2010 às 14h10

"Ninguém respeita quem não se respeita". "Eles não sabem o que é popular porque eles nunca tiveram perto do povo".
Duas frases que resume bem o pensamento do cidadão Lula. Li a entrevista e, como leitora contumaz sei interpretar um texto, não vi no pensamento do Presidente um demagogo, um populista, um ditador, eu vi um cidadão brasileiro APAIXONADO pelo Brasil. E, Azenha, cidadãos como ele existe muito por Brasil afora.

Responder

Donizeti - SP

23 de setembro de 2010 às 14h09

Lula é um mestre da política, somente faço um alerta:

– a direita demo/tucana e a midia conservadora vão armar algum golpe ás vesperas do primeiro turno para tumultuar, isso é "pule de dez" que vai acontecer.

Vão simular um atentado ou coisa dessa natureza, com pessoas feridas ou até mortos e atribuir a culpa ao PT, ao Lula e a Dilma.

Essa história da " blusa " que parou o Metrô paulistano terça feira é uma coisa muito estranha, parece preparação de alguma armação.

Voces já imaginaram um atentado no Metrô de São Paulo e os tucanos e a mídia conservadora atribuindo a culpa a algum petista ou que foi filiado ao PT às vésperas do primeiro turno ?

Acho que é por aí que vem a famosa " bala de prata " da direita serrista midiática antes do primeiro turno.

FICA O ALERTA À TODOS OS VERDADEIROS DEMOCRATAS E PATRIOTAS DO BRASIL.

Responder

    Carlos

    23 de setembro de 2010 às 14h24

    E a coisa contece justamente num momento de eleição sindical…

    Fernando Souza Jr.

    23 de setembro de 2010 às 15h11

    Donizete, também pensei nisso esta noite, depois do que a Soninha Bicicletinha falou do metrô. Não duvido de nada vindo dessa gente, eles estão dispostos a tudo. Grotesco Azevedo e Merval Golpeira estão hoje no Clube Militar tendo (e dando) aula de golpe. O Gabeira foi lá ontem e pediu o exército nas ruas. A que ponto chegamos!

    Heitor Rodrigues

    23 de setembro de 2010 às 16h07

    Donizete,
    Na íntegra da entrevista de Lula no Terra, êle fala que errou em 1994 quando enfrentou o Plano Real e não tinha o que dizer contra.
    Na pergunta seguinte, o repórter pergunta: – O que a oposição está fazendo de errado na campanha?
    A resposta de Lula: – Isto eu não posso dizer… eu não posso contar de que lado vou cobrar o pênalti.

    Para enfrentar a bala de prata, Lula deve ter um arsenal que vai desde o deboche até a nitroglicerina pura. Caberá ao Serra escolher entre sair das urnas com um sorriso amarelo ou desdentado.

    dukrai

    23 de setembro de 2010 às 17h16

    essa é pra arrebentar de rir, um Vampiro banguela ou com icterícia

    Flavio Lima

    23 de setembro de 2010 às 20h18

    Podi crê, Heitor!
    Esse é o MEU PRESIDENTE, em quem eu me comprazo!
    Viva o Brasil!
    Viva o Povo Brasileiro!

José Vitor

23 de setembro de 2010 às 14h02

Lula foi bonzinho demais. O problema nem é tanto a imprensa fazer campanha para um candidato, mas sim fazer uma campanha ***canalha***. Não vejo o dia dessa máfia midiática quebrar.

Responder

Edson Roberto

23 de setembro de 2010 às 13h57

Lula… sábio como nunca….. inteligente como sempre!!!!
E o "Jênio"….. chora mais um pouco!!! rsss

Responder

João Luiz

23 de setembro de 2010 às 13h57

"E a democracia ela só será exercitada – vocês estão lembrados que eu dizia quando era líder sindical ainda -, democracia não é o povo ter o direito de gritar que está com fome, democracia é o povo ter direito de comer."
Não tem trololó de uspiano com doutorado nos esteites que traduza melhor o que significa essa frase do Lula.
Rapaz, a diferença é gritante. Realmente, a oposição não tinha nem chance.

Responder

Elumar

23 de setembro de 2010 às 13h54

"Lula, o Filho do Brasil é candidato brasileiro ao Oscar 2011", deu no RedeBrasilAtual

Responder

    Klaus

    23 de setembro de 2010 às 17h30

    Verdade, o Ministerio da Cultura escolheu hoje.

Pedro Vizcaya

23 de setembro de 2010 às 13h50

O Lula Errou, são umas sete ou oito pois duas estão do lado dele (Sarney no Maranhão/Amapá e Collor em Alagoas). Se quiser é so não renovar a concessão destes mitomanos e está tudo otimo.

Responder

    Carlos

    23 de setembro de 2010 às 14h23

    Caso a caso, quando vencem as concessões?

    Renato

    23 de setembro de 2010 às 17h55

    Ainda que um/a presidente/a não queria renovar uma concessão, por exemplo, da Globo, isso terá que ser ratificado pelo Senado.

    Na Venezuela isso não ocorre. O Executivo decidiu, ponto final

    renato

    23 de setembro de 2010 às 23h48

    Corrigindo, o erro de digitação:
    Ainda que um/a presidente/a não queira renovar uma concessão, por exemplo, da Globo, isso terá que ser ratificado pelo Senado.

    Na Venezuela isso não ocorre. O Executivo decidiu, ponto final

    Maria 1

    23 de setembro de 2010 às 16h31

    Sarney, Collor, é bom não esquecer, são parlamentares. Eleitos pelo povo de seus respectivos estados. O Chefe do Executivo, quem quer que seja, não pode prescindir de apoio no Congresso. Somente os eleitores podem retirá-los da vida pública. Ou a justiça. E, até agora, não o fizeram.

ruypenalva

23 de setembro de 2010 às 13h49

A Famiglia Midiática é Cosa Nostra. Existe até isenção para importação de produtos de mídia para eles (câmeras, camcorders, gravadores, ilhas de edição) enquanto a maior parte do povo paga imposto de mais de 100%. Tem que botar o imposto de renda para analisar Estadão, Folha, Globo, Veja – tem truta, sempre se encontra.

Responder

    Carlos

    23 de setembro de 2010 às 14h22

    Benefícios também para importação de papel para jornal e revista?

Henderson Sousa

23 de setembro de 2010 às 13h46

Ora, então ele deveria regozijar-se. Nos países pelos quais ele nutre simpatia de forma demasiada só uma família "domina" a mídia: A Chavez na Venezuela e a Ahmadinejad no Irã.

Ah, mais uma coisa: mais de 15.000 assinaturas para o Manifesto em defesa da democracia. Ou seja, o plano bolivariano com o qual os senhores sonham é de difícil execução nesta plaga.

Saudações.

Responder

    Emília

    23 de setembro de 2010 às 14h27

    Henderson, você está no Brasil, criança e não na Venezuela. Que confusão, a imprensa de lá veio se estabelecer aqui, mas nós somos BRASILEIROS, e não venezuelanos, bolivarianos (que país é esse? será que não quis dizer bolivianos não?) .

    El Cid

    23 de setembro de 2010 às 16h39

    Emília, veja que interessante (e para o lacerdinha acima): FHC compra a emenda da reeleição = estadista. Lula deixa o cargo no prazo e tenta fazer sucessora no voto = ditador.

    É isso?

    … é o que o "imbecil" do "avatar hipócrita" acima, que passar com a sua opinião tola…

    Julio_De_Bem

    23 de setembro de 2010 às 17h24

    Acho que xingar não é o mais adequado. Como o próprio presidente falou, é o que eles querem, expulsar algum dos nossos pra ficar em minoria. Porém, com a falta de argumento da oposição, o jeito é caluniar e forjar informações (como essa, a respeito da Venezuela, que qualquer um que estuda no segundo grau sabe). Melhor deixa-lo expressar sua indignação, seu ódio, seu preconceito e principalmente -que não passe disso – sua falta de informação. Pelo bem da democracia e pela calma e tranquilidade de quem está fazendo tudo certo com razão têm.

    El Cid

    23 de setembro de 2010 às 18h00

    Caro Júlio, esse "lacerdinha" vem aqui no blog e como é próprio dos "pombos enxadristas", expressa a verdadeira essência da iniquidade !! e muitos aqui não toleram esse comportamento… resultado: ele fala o que quer e ouve o que não quer !!

    … e repare no "avatar" dele (onde ele mostra o que ele é): numa boa, enquanto eu estiver por aqui, ele vai tomar as sarrafadas que ele merece (e ele adora ser espinafrado !!) !!

    Julio_De_Bem

    24 de setembro de 2010 às 01h31

    Se você alimentar um pássaro a beira de sua janela, ele voltará todos dias pra receber mais e mais.

    El Cid

    24 de setembro de 2010 às 17h31

    Caro Júlio, sua reposta é carregada de uma imensa sabedoria e faz juz ao seu avatar: és uma pessoa do bem… respeito muito as suas considerações…

    … mas quanto a este corvo que vem a defecar suas asneiras neste blog, terá o que ele merece !!

    Sérgio C. Morales

    23 de setembro de 2010 às 14h36

    Henderson, na Venezuela, a maioria esmagadora dos grandes jornais, rádios e emissoras de televisão são da oposição a Chávez e pregam o golpe contra ele e até o seu assassinato diuturnamente! Isso é o que dá ler o PIG! Fica desinformado do mais básico sobre o que pretende opinar.

    El Cid

    23 de setembro de 2010 às 16h33

    Sérgio, Sérgio… exigir decência e inteligência deste "pústula" acima é PERDA DE TEMPO !!!

    … mas você tentou, isso é importante !!

    TavaresdeMello

    23 de setembro de 2010 às 23h43

    Esse aí, é um "genenérico" tentando se assemelhar ao famoso Professor Hariovaldo Almeida Prado.

    Aqui – "…mais de 15.000 assinaturas para o Manifesto…" – o pobre genérico foi quase engraçado.

    O cabrinha da risadinha "hehehe" ( pô! esqueci o nome dele) era menos sofrível…

Bernard

23 de setembro de 2010 às 13h42

Genial a resposta da última pergunta, matou dois coelhos com uma caixa d'água só! hehe

Responder

CASEMIROGUIMARAES

23 de setembro de 2010 às 13h39

FALO, COMPANHEIRO,NAO DEIXA A PETECA CAIR,MUITA CALMA E SERENIDADE, O BRASIL NAO PODE PARAR AGORA TO CONTIGO COMPANHEIRO, EM 83 ESTAVA NA VOLKS CONTIGO, PARABENS 7 % PIB E RECONHECIDO MUNDIALMENTE, VIVA O PT VIVA BRASIL,

Responder

Eugênio

23 de setembro de 2010 às 13h34

Beleza de texto. Magnífica entrevista. Ótima, excelente postagem. Parabéns Azenha!!!

P.S. (01) Quem jogou melhor ontem?? O Elias (o convocado) ou o NeyMAU (o barrado) ???

P.S. (02) Entendeu porque o LULA deixou o discurso e foi assistir o jogo??

Responder

trombeta

23 de setembro de 2010 às 13h21

Certo Lula, chegou a hora de acertar as contas com a mídia golpista, amadureceu a fruta, vamos derrotá-los e fazer uma nova lei de comunicação no país, chega de empurrar com a barriga o que já deveria ter sido feito, não pode meia dúzia de famílias proprietárias ditar como 200 milhões de brasileiros devem pensar ou deixar pensar, vamos pôr fim a democracia a la carte do baronato midiático.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding