VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Você escreve

Israel ataca frota que levava ajuda humanitária a Gaza


31/05/2010 - 09h28

Israel ataca barcos que tentavam furar bloqueio a Gaza; ataque repercute no mundo

do UOL

Clique aqui para ver um vídeo divulgado por uma emissora da Turquia

A Marinha de Israel atacou nesta segunda-feira (31) uma frota de seis embarcações com ativistas pró-palestinos que tentavam furar o bloqueio à faixa de Gaza e entregar suprimentos à região.

Segundo a TV israelense, no mínimo 19 pessoas teriam morrido na ação. Em entrevista à rádio do Exército, o ministro da Indústria e Comércio de Israel, Binyamin Ben-Eliezer, disse lamentar as mortes.

A exata localização das embarcações é incerta. Israel teria advertido as embarcações para que não invadissem suas águas territoriais.

Mas, segundo os ativistas, os barcos estavam em águas internacionais, a mais de 60 quilômetros da costa.

Os barcos, organizados pela ONG Free Gaza, levavam 750 ativistas e cerca de 10 mil toneladas de suprimentos para a faixa de Gaza.

Imagens da TV turca feitas a bordo do barco turco que liderava a frota mostram soldados israelenses lutando para controlar os passageiros.

As imagens mostram algumas pessoas, aparentemente feridas, deitadas no chão. O som de tiros pode ser ouvido.

A TV árabe Al-Jazeera relatou, da mesma embarcação, que as forças da Marinha israelense haviam disparado e abordado o barco, ferindo o capitão.

A transmissão das imagens pela Al-Jazeera foi encerrada com uma voz gritando em hebraico: “Todo mundo cale a boca!”.

A frota de seis embarcações havia deixado as águas internacionais próximo à costa do Chipre no domingo (30) e pretendia chegar a Gaza nesta segunda-feira (31)

Israel havia dito que bloquearia a passagem dos barcos e classificou a campanha de “uma provocação com o intuito de deslegitimar Israel”.

Repercussão

As mortes dos ativistas envolvidos na expedição de ajuda aos palestinos causou grande repercussão na comunidade internacional. O Ministério de Assuntos Exteriores da Turquia reagiu duramente ao ataque e, em comunicado, afirma que o governo israelense terá que enfrentar as consequências por seu comportamento.

A Turquia também estabeleceu um centro de crise para acompanhar o desenvolvimento dos eventos.

O embaixador israelense em Ancara, Gaby Levy, foi convocado ao citado Ministério para dar explicações e receber o protesto do governo turco.

O comunicado diz que o Exército israelense usou a força contra um grupo de ajuda humanitária, que inclui “idosos, mulheres e crianças” que viajam nos navios, o que considerou “inaceitável”.

“Tomando como alvo civis inocentes, Israel mostrou mais uma vez que não se preocupa com a vida humana, nem com as iniciativas pacíficas. Condenamos fortemente esta prática desumana de Israel”, acrescentou a nota.

“Este incidente, que aconteceu em águas internacionais abusando da lei internacional, terá consequências impossíveis de compensar”, avisou o Ministério turco.

“Não importa qual seja a razão, esta ação contra civis que atuam com propósito humanitário é impossível de aceitar. Israel terá que enfrentar as consequências de seu comportamento e da violação das leis internacionais”, conclui o comunicado.

O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, que se encontra no Chile cancelou sua visita à América Latina e anunciou que fará declarações nas próximas horas.

O Ministério de Assuntos Exteriores da Grécia iniciou um mecanismo de gestão de emergência com um telefone à disposição dos familiares dos gregos que estão na “Frota da Liberdade”, pois três dos navios que a compõem procedem deste país.

Yanis Maistros, porta-voz em Atenas da seção grega da iniciativa, declarou que “os cinco navios foram sequestrados”; e que “receberam disparos a partir de lanchas e helicópteros israelenses quando estavam navegando em águas internacionais, próximas ao litoral israelense”.

Assim como os gregos, a comunidade europeia também reagiu ao incidente. A chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, pediu hoje às autoridades israelenses uma “investigação completa” sobre o ataque à “Frota da Liberdade”. A diplomata também destacou por meio de seu porta-voz que a UE continua seriamente preocupada com a situação humanitária em Gaza e destacou que o bloqueio é “inaceitável e politicamente contraproducente”.

Segundo Ashton, a comunidade europeia exige a “abertura imediata, incondicional e permanente” das vias de acesso a Gaza para permitir a chegada de ajuda humanitária, bens comerciais e pessoas.

ANP

O presidente da ANP (Autoridade Nacional Palestina), Mahmoud Abbas, decretou três dias de luto nos territórios palestinos devido ao ataque israelense à “Frota da Liberdade”, que se dirigia para a faixa de Gaza, no qual teriam morrido 14 ativistas.

Em comunicado emitido da Cisjordânia, por meio da agência oficial palestina “Wafa”, Abbas não anunciou, no entanto, uma interrupção do diálogo indireto de paz que mantém com Israel.

“O que Israel cometeu contra os ativistas da ‘Frota da Liberdade’ é um massacre”, disse Abbas.

Seu porta-voz, Nabil Abu Rudeina, qualificou a ação de “crime contra a humanidade, já que foram atacados ativistas que não estavam armados e tentando romper o bloqueio sobre Gaza fornecendo ajuda”.

“A agressão israelense terá perigosas consequências na região e no mundo”, advertiu Abu Rudeina.

Por sua vez, o primeiro-ministro palestino, Salam Fayyad, leu diante das câmaras um comunicado no qual assegura que “nada pode justificar” o “crime” cometido hoje por Israel.

“Esse crime reflete mais uma vez a falta de respeito de Israel pelas vidas de civis inocentes e pelo direito internacional”, acrescentou.

Um dos principais assessores de Abbas, o chefe negociador palestino Saeb Erekat, qualificou o ocorrido de “crime de guerra” que “confirma que Israel age como um Estado acima da lei”. Ele pediu uma resposta “rápida e apropriada” da comunidade internacional.

“Eram embarcações civis, que levavam civis e bens civis – remédios, cadeiras de rodas, comida, materiais de construção – para os 1,5 milhão de palestinos fechados por Israel. Muitos pagaram com suas vidas. O que Israel faz em Gaza é horrível, nenhum ser humano esclarecido e decente pode dizer algo diferente”, apontou Erekat.

Por sua vez, o chefe de governo em Gaza do movimento islâmico Hamas, Ismail Haniyeh, qualificou o ataque como “brutal” e convocou um Dia da Ira, ou seja, que os palestinos tomem as ruas em protesto pelas mortes.

Ele pediu à “comunidade internacional, principalmente as Nações Unidas, que ajam o mais rápido possível para proteger os navios e os ativistas e pôr fim ao bloqueio” que mantém Israel sobre Gaza há anos com a cooperação do Egito.

Além disso, pediu a Abbas que suspenda “imediatamente” o diálogo entre israelenses e palestinos com mediação dos Estados Unidos.

Representantes da comunidade palestina com cidadania israelense convocaram para amanhã uma manifestação geral.

Protesto

A ação do governo de Israel também foi alvo de protesto na Turquia e centenas de manifestantes turcos se concentraram nesta manhã em frente das delegações diplomáticas de Israel para protestar contra o ataque israelense.

Desde o começo da manhã, várias centenas de pessoas se concentraram em frente ao consulado israelense em Istambul e tentaram entrar nele.

A polícia bloqueou os manifestantes, cujo número aumentava com a passagem das horas. Outros acamparam em frente ao consulado, que fica na região de escritórios de Levent, lendo versículos do Corão e gritando palavras de ordem contra o ataque de Israel.

Em Ancara, um grupo de manifestantes enfurecidos se concentrou em frente à residência do embaixador israelense, Gaby Levi, do qual se espera que vá ao Ministério de Exteriores da Turquia, pois foi chamado para consultas.

Histórico

Israel decretou um bloqueio quase total à entrada de mercadorias na faixa de Gaza desde que o grupo islâmico Hamas tomou à força o controle da região, em junho de 2007.

O Hamas é acusado pelos disparos de milhares de mísseis contra o território israelense na última década.

Israel diz que permite a entrada de 15 mil toneladas de suprimentos de ajuda humanitária a Gaza a cada semana. Mas a Organização das Nações Unidas diz que isso é menos de um quarto do necessário.

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - A mídia descontrolada e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


38 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Urbano

01 de junho de 2010 às 12h35

(O ‘fato’ dito anteriormente não era específico, mas generalizado. Tudo bem. Espero ter deixado mais claro.)

Nada disso me espanta, por tratar-se de agressão gratuita recorrente, e só não as conhecem quem não quer.

Responder

Luciana

01 de junho de 2010 às 12h32

Vergonhosos para o mundo, realmente os israelenses só mudarão suas atitudes de hostilidades e opressão contra quem não é isrelense se houver boicote a suas empresas. Fingem proclamar a paz, mas pregam o ódio.

Responder

Walter

01 de junho de 2010 às 08h47

Se queremos fazer alguma coisa a respeito disto só tem uma maneira.
Para fazer os Sionistas começarem a conversar seriamente é preciso atingilos ande doi mais, no bolso. Se lançar uma campanha internacional contra todos os produtos e serviços de empresas israelenses e daqueles que o apoiam, rapidamente eles sentaram a mesa e chagaram a um acordo.
È ssimpless. Se vcs qurem fazer alguma coisa, não comprem nada que seja produzidopelos israelanses e seus colaboradores, mesmo atinjindo judeus que não concordam com o atual governo. A resposta virá rápida. A negociação séria e apunição dos culpados.

Responder

    Mars

    01 de junho de 2010 às 10h20

    Já tentaram muito pior que isso numa certa noite de 9 de Novembro de 1938.

    Tente repetir.

FatimaBahia

01 de junho de 2010 às 01h32

Além do choque causado pela agressão cometida por Israel,estou chocada com a baixa repercussão na mídia!Fui ler também os blogs do R7 e nenhum comentou o fato!Nada nos twiters,só nos blogs conhecidos eu vi uma verdadeira repercussão.Estou começando a crer que daqui a 2 dias ninguém mais falará do assunto,tento ajudar clicando nos links do Terra,Globo e R7 para ver se tendo acessos,eles mantêm mais tempo a notícia em suas páginas principais (se concordarem,façam o mesmo).
Não podemos deixar esfriar o assunto,é com isso que eles contam!

Responder

Allan Erick

01 de junho de 2010 às 00h12

UOL do grupo Folha(de Papel Higiênico) de São Paulo MENTE, MENTE e MENTE.

O Hamas não tomou o controle de Gaza "a Força", ao contrário, foi eleito em uma eleição democrática como manda o figurino ocidental. A corrupta OLP foi rechassada pela população de Gaza que não confiava mais em seus representantes.

O Hamas não atira "Mísseis" e sim foguetes caseiros e imprecisos, os "quassams" que mais parecem rojões ou buscapés que usamos em festas juninas!!!

Só mesmo o PIG para divulgar uma "notícia" mentirosa como essa!!

Responder

Supertramp68

31 de maio de 2010 às 23h41

É, quem procura acha… É de uma covardia impressionante enviar cidadãos civis para o sacrificio para conseguir pretextos contra Israel. Foram avisados antes de iniciarem a viagem que seriam barrados. Foram assim mesmo, e foram admoestados a atracarem no porto para inspeção e recusaram. Foram abordados e atacaram os soldados com barras. É semelhante a tentar furar o cerco da PM paulista e reclamar do cacetete. Mas segue os links dos videos, assistam e julguem.
Convite ao Porto http://www.youtube.com/watch?v=qKOmLP4yHb4
Ataque a soldados israelenses http://www.youtube.com/watch?v=gYjkLUcbJWo http://www.youtube.com/watch?v=bU12KW-XyZE

Responder

    Mars

    01 de junho de 2010 às 10h17

    GRANDE SUPERTRAMP 68, MUITO BOM!!!

    Olha só os "PACIFISTAS"!!! , Agora,tomara que não pensem que o vídeo foi editado, que é propaganda Israelense,
    coisa e tal!!!

    Não me admirará se a Marinha Israelense não torpedear os próximos "PACIFISTAS" que tentarem manter o HAMAS.
    Vão virar chiclete de peixe!!!

    Mars

    01 de junho de 2010 às 10h24

    Poste em outros fóruns do mesmo tema pois tem muita gente que ainda acredita
    nos "PACIFISTAS".

    Muito bom kara!!!

Nelson

31 de maio de 2010 às 23h40

Os governos dos Estados Unidos e de Israel são as maiores organizações terroristas doplaneta. Quem diz isso é um estadunidense, descendente de judeus, Avram Noam Chomsky.
Aliás, o mesmo Chomsky foi impedido pelo governo de Israel de comparecer a uma conferência que proferiria em Ramallah, não sem antes ser submetido a um interrogatório que durou tres horas.
Que medo é esse que os poderosos de Israel têm de um senhor de 82 anos?
Será que ele iria perpetrar algum ato terrorista contra Israel?
Que grande exemplo de democracia.

Responder

Irani

31 de maio de 2010 às 21h02

Uma provocação ridícula de Israel à Turquia por conta dos bons ofícios turco em Teerã , pois sabe que não irá acontecer nada com ele junto ao Conselho de Segurança, pois seu escudo não permitirá.

Responder

Leider_Lincoln

31 de maio de 2010 às 15h54

Deve ser por isso que tentaram vender ogivas nucleareas ao regime do apartheid. Vai que alguém tentasse levar remédios aos opressores negros do Soweto? A África do Sul, então um "regime irmão" precisava poder se defender…

Responder

Mars

31 de maio de 2010 às 15h52

Pô moderador!!! vcs estão tirando meus comentários????

Gosto muito do conteúdo deste site, aprecio e concordo com muitos dos artigos.

Creio que é um espaço pra o debate e confronto de idéias e em relação a esse tema específico tenho minha própria opinião, e esta é discordante da maioria.

Gostaria de ver minha opinião expressa neste espaço que respeito muito.

Responder

    Jairo_Beraldo

    31 de maio de 2010 às 21h00

    Calma, mars…devo ter tido uns 15 coments recusados…é que nesta hora, perdemos a razão….apesar que acho que fui light, como este caso merecia ser retratado.

Julio Silveira

31 de maio de 2010 às 11h05

Esse Bin Ladem é o inimigo perfeito, ele serve como a desculpa perfeita para todos os crimes perpetrados pelos Americanos e agora Israel aprende o caminho.
Mais interessante e que com toda a sua CIA, NSA, FBI, SOS, SENSEI, SEILÁ e tantas outras companhias de espionagem que posssuem não pegam o cara.
Que até aonde se tem conhecimento foi produzido pelos próprios.
Até quando os inocentes irão ser dizimados pelos terrorristas amigos e inimigos.

Responder

PEDRO HOLANDA

31 de maio de 2010 às 13h29

´´Israel diz que permite a entrada de 15 mil toneladas de suprimentos de ajuda humanitária a Gaza a cada semana. Mas a Organização das Nações Unidas diz que isso é menos de um quarto do necessário.´´ Peraí… Eu tô doido, ou ninguém tem moral para botar os probrezinhos dos israelenses no esquadro???

Responder

Jairo_Beraldo

31 de maio de 2010 às 13h15

Depois desta covardia, se a comunidade internacional não tomar uma posição mais dura contra Israel, não terei mais dúvidas, que o que sempre pensei é verdade. Inconcebível. Intolerante. Desumano. Indecente. Imoral. Ultrajante.

Responder

Carlos

31 de maio de 2010 às 12h53

“Não importa qual seja a razão, esta ação contra civis que atuam com propósito humanitário é impossível de aceitar. Israel terá que enfrentar as consequências de seu comportamento e da violação das leis internacionais”
Gafe do governo turco, segundo Ubaldo.

"Em entrevista à rádio do Exército, o ministro da Indústria e Comércio de Israel, Binyamin Ben-Eliezer, disse lamentar as mortes."
Cínicos, hipócritas, calhordas.

Responder

Orlando Bernardes

31 de maio de 2010 às 12h49

É, e o perigo para o mundo é o Irã, segundo palavras da Sra. Clinton!

Responder

    Jairo_Beraldo

    31 de maio de 2010 às 13h11

    Os árabes em geral…para Israel e o ocidente civilizado, todo árabe é terrorista.

Mars

31 de maio de 2010 às 12h47

"Frota Humanitária" precisaria de guardas armados?
Vai começar mais um chororô anti-Israel.

Vamos lá, Senhores façam suas apostas!!!

Responder

    Gustavo

    31 de maio de 2010 às 13h17

    Chororó….quanta ignorância, por favor peça desculpas pelo que escreveste, você não tem sensibilidade, os "guardas armados" feriram e mataram quantos soldados? interessante os conflitos de Israel, eles sempre são atacados mas sempre os outros morrem…incrível né?
    E sim o estado de Israel, é sempre foi e sempre será um estado terrorista, pois pratica terrorismo de estado, mas não me chame de Anti-israel ou outra coisa do gênero, pois estas desculpas esfarrapadas de anti isto ou anti aquilo pelo menos aqui não servem!

    Jairo_Beraldo

    31 de maio de 2010 às 12h49

    Mars, olha um dos argumentos do exercito de Israel – "Israel optou por uma resposta contundente e culpa os ativistas pelo acontecido. Eles iniciaram a violência", afirmou à AFP o porta-voz de Netanyahu, Mark Regev. Segundo ele, foi feito o possível para tentar evitar o incidente."
    ABSURDO!

    Mars

    31 de maio de 2010 às 15h14

    ASURDO, é gente com grande acesso á informações apoiarem e servirem de bucha de canhão para o HAMAS!!

    Leider_Lincoln

    31 de maio de 2010 às 19h49

    Hamás? A culpa é das vítimas? Jurava que os assassinos tivessem sido os israelenses. Em águas internacionais, ainda por cima. Mas pagarão por isso, cedo ou tarde. e espero que muito caro. Espanha, Suécia, Dinamarca e turquia já romperam com Israel. Será só o começo. eles ultrapassaram a linha…

    Mars

    01 de junho de 2010 às 10h37

    Amigo, dá uma olhada nesses vídeos

    Convite ao Porto http://www.youtube.com/watch?v=qKOmLP4yHb4
    Ataque a soldados israelenses http://www.youtube.com/watch?v=gYjkLUcbJWo http://www.youtube.com/watch?v=bU12KW-XyZE

    Mars

    31 de maio de 2010 às 18h24

    O pior é que pessoas com acesso á informação apoiarem e servirem de bucha de canhão pro HAMAS!!
    Faça o seguinte, mobilize uma campanha a favor dos remanescentes dos partidários do FATAH que ainda estão com o HAMAS.
    Mobilize a "opinião pública mundial" e mande uns barcos com alimentos, confira seu destino e peça um AR pelo correio.

    O Estado de Israel não é um ESTADO terrorista, aliás, é uma das poucas democracias no Oriente Médio.Sempre será um Estado que valoriza os direitos humanos,até suas forças armadas são classificadas como forças de defesa, contudo como qualquer outro Estado tem o DIREITO de defender seus cidadãos, e SEMPRE o faz da maneira mais responsável possível.

    Leider_Lincoln

    31 de maio de 2010 às 19h51

    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.
    Democracia? Uma democracia onde nem todos são cidadãos? Como a África do Sul era?
    Entrar em águas internacionais e assassinar pacifistas é defesa, mars?
    Mas agora vários países ganharam o direito de defender seus cidadão também não é?
    Parece que mataram turcos, espanhóis, suecos e dinamarqueses e em águas internacionais.
    Não há defesa para assassinos, mars.

    bento de abreu

    31 de maio de 2010 às 13h20

    É um raciocínio bem típico de um pró-guerra (ou seja, pró-Israel).
    Precisava de guardas armados? Claro que não, como ficou provado, eles não valiam de nada, foram massacrados juntos.

César

31 de maio de 2010 às 09h44

Quem Israel pensa que é? Esse povo não faz nada além de atrair a antipatia das pessoas mundo afora. Esse joguinho dos EEUU e Israel já deu pra entojar. O mundo precisava ser mais sério.

Responder

Marcelo

31 de maio de 2010 às 12h42

Nada contra os judeus, mas TUDO contra o governo israelense. Imagine se fosse o Irã que tivesse feito isso…

Responder

    Jairo_Beraldo

    31 de maio de 2010 às 13h10

    Já teria eclodido a terceira grande guerra!

    Mars

    31 de maio de 2010 às 15h16

    É oque vai acontecer daqui a uns pelo menos 6 anos quando líderes islãmicos assumirem posições políticas na Europa. Aí sim todo mundo vai cair de pau contra os israelenses.

    Leider_Lincoln

    31 de maio de 2010 às 19h46

    Ainda teremos de esperar 6 anos?

    Mars

    01 de junho de 2010 às 10h32

    Se o Srº se lembrar, já tentaram "algumas" vezes, em 48 quando tentaram impedi-lo de permanecer em seu território, em 67, quando quiseram blefar, Israel atacou primeiro e depois veio o chororô árabe, depois já em 73 quando atacaram covardemente no dia mais sagrado de Israel.E novamente tomaram um chocolate

    Agora o que o senhor sugere?

    Mars

    31 de maio de 2010 às 15h33

    Deixe de Hipocrisia, Israel é uma das poucas democracias do Oriente Médio, seus líderes de governo são eleitos pela vontade do povo, e a vontade do povo hoje é não continuar sofrendo mais nas mãos de loucos que usam seus próprios cidadãos para insistirem no ódio e não no diálogo.

    Não tenha vergonha de dizer que é anti israel por ser uma linguagem politicamente incorreta. ASSUMA um lado!!!!

    Leider_Lincoln

    31 de maio de 2010 às 19h46

    Realmente: se israrlé uma democracia, o que acontece é obra e graça também do povo israelense.

    dukrai

    31 de maio de 2010 às 19h22

    Qualquer um que não esteja na órbita de Marte concorda com vc


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.