VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Você escreve

Fátima Oliveira: Senador maranhense, Gracimar e a maca fria do corredor do hospital


05/10/2012 - 09h50

Fátima Oliveira, no Jornal OTEMPO
Médica – [email protected] @oliveirafatima_

Ao fazer uma limpa em meus guardados, de vez em quando, dou de cara com meu diploma de datilógrafa, obtido em 1968, quando estava no último ano do ginásio. Foi um sacrifício! Saía da escola por volta das 17h30 e ia direto para o curso de datilografia, das 18h às 19h, durante três meses. E aquilo era simplesmente infernal, pois sempre tive muita dificuldade de executar trabalhos manuais.

Não era fácil “tirar” o diploma de datilografia. Não bastava fazer o curso e não ter mais que três faltas mensais. Havia uma prova final de destreza/velocidade: um ditado de mil toques num determinado tempo. Muitas pessoas terminavam o curso e levavam muito tempo para conquistar o diploma; e outras jamais conseguiam!

Para se empregar como datilógrafa, não bastava o diploma: tinha-se de passar no teste da habilidade; daí os “tantos toques por minuto” para comprovar o saber datilográfico. Achava que jamais “tiraria” o diploma, porque usar a máquina de escrever sem poder olhar para o teclado – coberto por uma banqueta de madeira com lugar para os dedos – é castigo doloroso. Treinei durante uma semana, horas e horas a fio, numa máquina emprestada antes da prova. Ufa! Consegui o diploma na primeira tentativa.

Jamais precisei ser datilógrafa para sobreviver. E esqueci tudo! Uso apenas dois dedos, seja para datilografar ou “micrar”. E assim escrevi meus livros, mas morro de inveja de a filharada manejar o teclado do computador como se tivesse feito curso de datilografia, que perdeu a razão de existir, assim como a profissão. Hoje, as máquinas de escrever são peças de museus – a minha, uma Remington que já passou dos 30 há muito tempo; eu a guardo com carinho, enfeitando um armário.

O assunto de hoje surgiu porque reencontrei em BH uma colega que fez curso de datilografia comigo, em São Luís do Maranhão, nos idos de 1968! E nos perdêramos até a semana passada! Coisas de eleição. Ela estava vendo o programa eleitoral na TV, quando apareci por uns “segundinhos de nada” e ela achou que era eu. Ficou em dúvida. No dia seguinte, procurou na internet e me disse que, ao ter certeza de que era eu, ficou muito feliz, e viu tanto o vídeo que, quando nos encontramos, repetiu o que falei.

“Lembra, Fátima, que a professora de datilografia, que era fã do senador La Rocque, só fazia ditados de um livrinho de discursos do senador? Num dia, você falou que, se tivesse idade pra votar, não votaria nele, porque estava abusada daquele falatório falso?”. Sim, relembrei. Discuti com a professora e disse-lhe que, enquanto gente morresse sem atendimento médico no Maranhão só porque não tinha dinheiro para pagar, eu não votaria naquela gente por nada. Eu e Gracimar rimos tanto que choramos.

“Você pensa que gente deve ser cuidada como gente desde que era adolescente”. Ela é cidadã 100% “SUS-dependente”; é diabética e hipertensa; vai muito às urgências; é uma sobrevivente do que declarei na TV: hoje em dia, como médica, sou obrigada a colocar pessoas, dias e dias, numa maca dura e fria em corredor de hospital, o que é o cotidiano nos serviços de urgências em Belo Horizonte. Tão somente porque vivemos numa cidade cujo déficit de leitos de retaguarda para desafogar tais serviços é de cerca de mil leitos e, na Grande BH, chega a 1.200! Não adianta chiar: tal calamidade pública é de responsabilidade da Prefeitura de Belo Horizonte, que detém a gestão plena do SUS.

Sim, Gracimar sabe o que é uma maca dura e fria no corredor de um hospital! Como eu, ela acha que é muito cruel.

Leia também:

Vereadora denuncia instalação de SAMU de “lata” em SP: custam caro, são provisórios e desconfortáveis

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Genoino: “Vocês são urubus e torturadores da alma humana” « Viomundo – O que você não vê na mídia

10 de outubro de 2012 às 01h48

[…] Fátima Oliveira: Senador maranhense, Gracimar e a maca fria do corredor do hospital […]

Responder

Haddad: “Para nós não foi exatamente uma surpresa” « Viomundo – O que você não vê na mídia

07 de outubro de 2012 às 23h22

[…] Fátima Oliveira: Senador maranhense, Gracimar e a maca fria do corredor do hospital […]

Responder

Ibope dá Haddad, Russomanno e Serra com 22%; Datafolha aponta tucano na dianteira, mas PT diz que ele está em terceiro « Viomundo – O que você não vê na mídia

06 de outubro de 2012 às 21h25

[…] Fátima Oliveira: Senador maranhense, Gracimar e a maca fria do corredor do hospital […]

Responder

Tetê

06 de outubro de 2012 às 08h39

Uma crônica que aborda memóriase doces e a luta poolítica do presente . Gostei muito.

Responder

Alberto

05 de outubro de 2012 às 13h09

Fátima Oliveira é uma escritora com um senso de humor e delicadeza de memórias muito raras. Gosto.

Responder

Urbano

05 de outubro de 2012 às 13h09

Falando-se no Maranhão, cadê o espantalho versejador que gosta de agredir o Eterno Presidente Lula?

Responder

Mardones Ferreira

05 de outubro de 2012 às 13h00

Minhas irmãs tb fizeram curso de datilografia. Era como curso de computação na década de 1990.

Responder

Danilo

05 de outubro de 2012 às 12h13

E hoje Senador La Rocque é até nome de cidade aqui no Maranhão…
(http://pt.wikipedia.org/wiki/Senador_La_Rocque)

Responder

    Tetê

    06 de outubro de 2012 às 08h37

    E eu conheço a cidade de Senador La Rocque, um grande favelão

Eliana Cintra

05 de outubro de 2012 às 11h28

Uma crônica gostosa, poética e política. Eu também fiz cursod e datilografia, achava ums aco, mas agora quantas saudades

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Últimas matérias
Amigo de Bolsonaro, Trump proíbe exportação de máscaras, apesar de alerta sobre “crise humanitária” na América Latina

Da Redação O presidente Donald Trump anunciou hoje que assinará um decreto proibindo a exportação, por empresas dos Estados Unidos, de equipamento médico utilizado no combate à pandemia de coronavírus. Isso apesar de a empresa 3M, especificamente acusada de lucrar com a emergência médica, ter dito que a decisão de Trump teria “implicações humanitárias significativas” […]

Ler matéria