VIOMUNDO

Diário da Resistência


Você escreve

Fátima Oliveira: Portaria frustra quem peleja nas emergências


26/07/2011 - 11h38

A política e a rede nacional de atenção às urgências do SUS

Portaria frustra quem peleja nas emergências dos hospitais

Fátima Oliveira, em O Tempo

Médica – [email protected]

O Ministério da Saúde emitiu, no último dia 7, a Portaria nº 1.600/2011, que reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS), demonstrando assim sensibilidade frente a situações que impõem sofrimento adicional a pessoas vulnerabilizadas quando a vida corre risco. Portanto, digo: bravo!

Não é por falta de diretriz nacional que os serviços de urgência são insuficientes e os existentes, alguns precários – de equipamentos, recursos humanos e até medicamentos -, vivem abarrotados a um ponto que, não raro, são obrigados a lançar mão da figura retórica de “fechar o serviço”, temporariamente, em nome da segurança dos admitidos e do limite imposto pela física de que dois corpos não podem ocupar ao mesmo tempo o mesmo lugar no espaço.

A referida política – Portaria nº 1.863/GM/MS – data de 2003, donde se deduz que os pontos de estrangulamento evidenciam que alguém não cumpre o dever constitucional do cargo que ocupa.

Há responsabilidades constitucionais bem definidas: é papel do Ministério da Saúde elaborar a política e é dever dos governos locais, estadual e municipal, executá-la. Logo, o xingamento diante da dificuldade de acesso aos serviços, ainda que na busca de atenção em lugar errado, deve ser estadualizado e municipalizado…

Li e reli muitas vezes a portaria. Diria que as intenções são boas, mas apontam para uma prática aquém, já que a realidade nos diz que portarias ministeriais na saúde serão sempre cartas de intenções enquanto não houver uma Lei de Responsabilidade Sanitária. Fica a pergunta: a nova portaria teoricamente responde aos problemas enfrentados pelo povo e pelos trabalhadores da saúde? Sinto falta de algo…

Das três, uma ou mais: o alemão (Alzheimer) está querendo me pegar; ou a burrice tomou conta de mim; ou a portaria dilui, holisticamente, responsabilidades e competências ao definir que “A Rede de Atenção às Urgências é constituída pelos seguintes componentes: I. Promoção, Prevenção e Vigilância à Saúde; II. Atenção Básica em Saúde; III. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192) e suas Centrais de Regulação Médica das Urgências; IV. Sala de Estabilização; V. Força Nacional de Saúde do SUS; VI. Unidades de Pronto-atendimento (UPA 24h) e o conjunto de serviços de urgência 24 horas; VII. Hospitalar; e VIII. Atenção Domiciliar”.

Se há na saúde serviços que não comportam visões holísticas, embora não sejam “ilhas”, são os de urgência, que devem portar características materiais e humanas que os habilitem a atender, em tempo hábil, pessoas em estado crítico e agudo, cujo foco na missão depende do suporte de práticas de atenção domiciliar, postos e ambulatórios que absorvam a demanda de consultas “comuns” e especializadas, impedindo que deságuem nas urgências coceiras crônicas, perebas, curubas e assemelhados. E, sobretudo, a falta de leitos hospitalares de retaguarda para os casos que necessitam de internação é um gargalo que urge ser superado.

A portaria frustra quem peleja na atenção à urgência e à emergência por não expressar em seus propósitos o calor escaldante das enfermarias superlotadas, o frio gelado dos corredores no inverno; nem o sofrimento de doentes amontoados em macas em corredores, como regra cotidiana, a mais perfeita tradução do inferno de Dante…

Dias e dias a fio numa maca e até nela morrer são retratos dolorosos de desrespeito aos direitos humanos. Quem vai encarar?

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Márcia Lopes

31 de julho de 2011 às 18h10

Penso que a situação dos pronto-socorros e demais serviços de urgências só chegarão a um bom termo se tivermos uma Lei de Responsabilidade Sanitária.

Responder

Alberto

28 de julho de 2011 às 09h20

Azenha, andei lendo sobre a lei de responsabilidade sanitária e é um assunto que merece um debate maior, até mesmo de melhor divulgação do que se trata. Poderia ver a possibilidade de pautar esse debate em seu blog?

Responder

Alberto

28 de julho de 2011 às 09h18

A atenção à saúde precisa de soluções em muitos pontos. Vejo que as pessoas têm dificuldade para compreender as três esferas do SUS, o grau de responsabilidade de cada uma, por outro lado há também a dificuldade de compreender que muito do que não temos acesso é de responsabilidade do governo local, em particular e em primeiro lugar os prefeitos. Também acho que é preciso discutir mais a Lei de Responsabilidade sanitária da qual a autora fala, sem ela é difícil responsabilizar os omissos. Sem ela também a saúde fica mais e mais judicializada. E a judicialização da saúde não é o melhor caminho para garantir o acesso, em geral é a saída de quem não encontrou saída

Responder

Elsi Santos

27 de julho de 2011 às 21h04

O SUS é uma grande conquista popular e democrática. Temos de ser incansáveis na luta para tornar o SUS realidade. A situação dos pronto socorros no país é de caos. Precisamos pensar muito sobre o assunto. E ao mesmo tempo lutar porque questões de saúde não esperam o amanhã. Exigem o hoje. Também compreendo que a Lei de Responsabilidade Sanitária é mais do que urgente. Precisa existir. Por muitos motivos. Gostari de solicitar ao VI O MUNDO uma matéria especial sobre tal lei, incluindo uma análise das propostas que existem. Não entendo porque Lula não enfrentou essa parte. Mas espero que a presidenta Dilma o faça.

Responder

Regina Braga

27 de julho de 2011 às 20h42

A Lei dos SUS não vai ser aplicada em Sampa,né!?Porque, por aqui estão retirando 25% dos leitos,imaginem um atendimento de urgência?

Responder

Tetê

27 de julho de 2011 às 11h23

Não entendi por que “O_Brasileiro” deletou o comentário dele, que eu considerei adequado e muito esclarecedor, especialmente porque ele nos dizia o que considerava necessário enquanto competência para trabalhar em Pronto-Socorro e que seria o Estado (gov. federal, estadual e municipal) que deveria pagar por tais cursos.
Mas cada um sabe de si. Ele deve ter os motivos dele para ter deletado o comentário. medo de retaliações, pode ter sido um deles, infelizmente.
Porém eu faço um apelo a ele que discorra sobre ATLS (para cirurgiões) e ACLS (para clínicos) par que esclareça mais a opinião dele que tais profissionais que trabalham em Pronto-Socorro deveriam ter esses cursos.

Responder

Tetê

27 de julho de 2011 às 01h51

matou a pau, mestre. Não conheço tanto do assunto quanto você, que deve ser médico para discorrer sobre o assunto com tanta propriedade, mas entendi o que falou. Completamente de acordo. Mas poderia explicar para nós essas siglas ATLS (para cirurgiões) e ACLS (para clínicos)? Creio que enriqueceria mais o debate.
Gente comum como eu precisa entender mais e mais do assunto. É lutar a toda hora e sempre.
Mas a Dra. Fátima Oliveira está coberta de razão: as coisas só vão ter solução quando tivermos uma Lei de responsabilidade Sanitária pra esfregar na cara de governadores e de prefeitos.

Responder

Salete da S. Neres

26 de julho de 2011 às 22h54

Gente, parece que não é um assunto de interesse público! Ninguém se interessa por ele… até que um dia precise ficar numa maca num pronto-socorro da vida e até morrer lá. No dia em que experimentarem ficarão indignados. E talvez seja tarde. Bem tarde.

Responder

Paulo

26 de julho de 2011 às 22h31

Fátima , vem em boa hoa seu texto ,pq ao sair da Conferencia Municipal de saude Bh , neste domingo , abarrotado de caderninhos e livrinhos c/ todas essas diretrizes , fiquei confuso . Na prática , o evento realizado foi uma farça , um rolo compressor em cima dos participantes que gostariam de expor suas idéías e reflexões a respeito das práticas e atuações dos gestores locais , que por hora , estão comprometidos com as relações promíscuas com os setores privados , ávidos em se estabelecerem nessa negociata promovida pelo atual prefeito , Marcio Lacerda e seu secretário na saúde , grandes entusiastas das PPPs .
Abçs
Paulo

Responder

Paulo Henrique

26 de julho de 2011 às 19h27

Se saiu uma nova política e ela não dá conta dos problemas é pressionar o Ministério da Saúde para revisá-la.
Assim entendo. Mas esses pronto socorros com cara de campo de concentração porque amontoam doentes que precisam se internar e não conseguem vaga isso tem de acabar. Estoud e acordo que a situação é de direitos humanos

Responder

Paulo Teixeira

26 de julho de 2011 às 15h50

A pergunta é mesmo: "Quem vai encarar?" Muito bem Dra. Fátima. Agora eu pergunto: quem vai responder? Muito triste a situação dos pronto-socorros em nosso Brasil

Responder

Tatiana Seixas

26 de julho de 2011 às 13h48

QUEM VAI ENCARAR? Precisa alguém responder.
"A portaria frustra quem peleja na atenção à urgência e à emergência por não expressar em seus propósitos o calor escaldante das enfermarias superlotadas, o frio gelado dos corredores no inverno; nem o sofrimento de doentes amontoados em macas em corredores, como regra cotidiana, a mais perfeita tradução do inferno de Dante…

Dias e dias a fio numa maca e até nela morrer são retratos dolorosos de desrespeito aos direitos humanos. Quem vai encarar?"

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.