Escândalo da taxa libor pode ser golpe devastador na credibilidade do sistema financeiro

Tempo de leitura: 4 min

O escândalo envolve cerca de 20 grandes bancos internacionais e um mercado de cerca de 500 trilhões de dólares, quatro vezes o PIB dos Estados Unidos. Em entrevista à Carta Maior, o professor de Economia do Centro de Investigação de Mudança Sócio-Cultural (CRESC), da Universidade de Manchester, Michael Moran, assinalou que este escândalo pode ser um golpe devastador na frágil credibilidade do sistema financeiro internacional. A reportagem é de Marcelo Justo, direto de Londres.

por Marcelo Justo, Londres, em Carta Maior, sugerido por Marco Aurelio

Londres – A atual crise econômica mundial é filha do estouro financeiro de 2008. O resgate das principais instituições financeiras, os pacotes de estímulo fiscal e a recessão mundial conduziram à crise da dívida soberana com epicentro na eurozona. Os resgates de Grécia, Portugal e Irlanda serviram para evitar uma crise dos bancos e entidades credoras desses países. Na Irlanda, o Estado assumiu toda a dívida construída por seus principais bancos: o balanço fiscal passou do superávit de 2007 para um prejuízo equivalente a 32% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2010.

O escândalo da manipulação da taxa interbancária Libor que estourou na semana passada é uma nova etapa desta longa crise do sistema financeiro. O escândalo envolve cerca de 20 grandes bancos internacionais e um mercado de cerca de 500 trilhões de dólares, quatro vezes o PIB dos Estados Unidos. Em entrevista à Carta Maior, o professor de Economia do Centro de Investigação de Mudança Sócio-Cultural (CRESC), da Universidade de Manchester, Michael Moran, assinalou que este escândalo pode ser um golpe devastador na frágil credibilidade do sistema financeiro internacional.

Há nove entidades reguladoras investigando a manipulação das taxas Libor. É um escândalo global, mas tem o mesmo potencial sistêmico que teve a quebra do Lehman Brothers em 2008?

A taxa Libor tem um impacto mundial. Ela determina a taxa pela qual se empresta aos bancos e isso, por sua vez, se transmite às taxas de juros pagas pelos consumidores e pelo mundo produtivo em seus empréstimos. Como Londres é o centro financeiro mais importante do mundo, juntamente com Nova York e Tóquio, uma manipulação dessa taxa afeta o sistema bancário no Brasil ou na Tailândia. Além disso, o escândalo expõe o nível de desregulação e descontrole com que operam os mercados financeiros. O que ocorreu não foi uma conduta ilícita de 14 traders como disse quarta-feira o diretor do Barclays, Bob Diamond, ante o parlamento britânico.

O atual escândalo é um novo golpe na confiança de que necessita um sistema financeiro para existir. Acaba de começar, mas tem meses e mesmo anos pela frente. Nos Estados Unidos podemos ter uma catarata de demandas judiciais. No Reino Unido, reabriu em toda sua dimensão o debate sobre a regulação do sistema financeiro no momento em que ainda está se discutindo a nova lei, que até agora parecia uma versão muito aguada da proposta original. Acreditamos que agora vai aumentar muito a exigência para que as bancas comercial e especulativa fiquem claramente separadas.

Como se manipula uma taxa interbancária?

A taxa Libor não reflete o que os bancos estão fazendo no mercado. Ela reflete o que os bancos dizem. Os 16 bancos mais importantes de Londres dizem diariamente que taxa de juro pensam que terão que pagar por pedir dinheiro emprestado. A Associação bancária que coordena a valoração da taxa descarta as estimativas mais altas e as duas mais baixas, tirando uma média com o restante das estimativas dos bancos. Essa taxa média é o Libor que funciona como ponto de referência para a determinação da taxa pela qual os bancos vão emprestar dinheiro. A estimativa feita por cada banco não é arbitrária: ela tem que cair dentro de uma zona de credibilidade. Mas com o volume de operações em jogo, uma variação de 0,5% significa bilhões.

Além dos bancos, quem são os ganhadores e os perdedores com essas manobras?

A manipulação ocorreu tanto para baixo como para cima, com o que havia grupos que podiam perder em um momento e ganhar em outro: os bancos ficavam sempre em melhor situação. Ou seja, se a taxa libor baixa isso tem um impacto na taxa que os consumidores pagam por seus empréstimos: os consumidores se beneficiam. Mas, ao mesmo tempo, os investidores, os fundos de pensão, recebem menos juro por seus empréstimos. Um dos dramas é que atores muito importantes do mercado financeiro acreditavam que a taxa Libor era parte de um cálculo honesto e transparente da taxa de juros.

Lembremos também que o escândalo está centrado, no momento, no Barclays porque ele foi o primeiro a ser multado pelas autoridades regulatórias dos Estados Unidos e do Reino Unido, mas há quase 20 outros bancos envolvidos. É óbvio que o escândalo crescerá. Nas próximas semanas começaremos a entender a verdadeira dimensão desse escândalo. Em última instância, o que está em jogo é a estrutura do sistema bancário e do sistema regulador.

Tudo isso está ocorrendo paralelamente à crise da eurozona, na qual a vulnerabilidade do sistema bancário é muito clara. Pode haver um contágio deste escândalo que piore a situação dos bancos europeus? Pode haver uma repetição de 2008?

A crise europeia implicou uma contínua injeção de recursos para alavancar os bancos. Isso teve um forte impacto político nos países resgatados. Ao mesmo tempo, as intervenções do Banco Central Europeu (BCE) para alavancar os bancos resultaram na absorção de dívidas incobráveis dessas entidades. Em algum momento, o próprio BCE terá que dar conta dessas dívidas. O sistema é muito frágil. Seria uma estupidez descartar uma repetição do que ocorreu em 2008. Isso pode ocorrer de várias maneiras. A mais óbvia é a derrocada da eurozona. Um grande mistério é qual a situação real dos bancos britânicos face à essa situação. Sabemos que estão bastante expostos a Espanha, por exemplo. Não sabemos, porém, que impacto todo esse escândalo da taxa libor terá sobre o sistema financeiro britânico.

Tradução: Marco Aurélio Weissheimer

Leia também:

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Manipulação da Libor: Transferência imensa de fundos da sociedade a bancos « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Escândalo da taxa libor pode ser golpe devastador no sistema financeiro  […]

Flávio Aguiar: O lado mais sinistro do sistema bancário « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Escândalo da taxa Libor pode ser golpe devastador na credibilidade do sistema financeiro […]

Nouriel Roubini: A tempestade global perfeita, em 2013 « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Roubini, que consequências o escândalo da taxa Libor terá na cultura dos […]

Nelson

A propaganda até que se amainou um pouco nos últimos anos. Porém, durante as décadas de 1980 e 1990 e início dos anos 2000, ela esteve com “a corda toda”. Falo da propaganda altamente ideológica, repetida à exaustão, feita com o fim de nos convencer de que a privatização seria a solução para todos os males.
Segundo a propaganda, era entregarmos tudo à iniciativa privada e teríamos o passaporte para vivermos no melhor dos mundos, num quase-paraíso.
A pergunta, inevitável.
Por que estamos a padecer de uma crise monumental, sem precendentes, se no planeta inteiro, praticamente tudo está sobre o controle da iniciativa privada? E se o pouco que não está sob controle privado já trabalha sob as regras do tal “mercado”, que significa regras privadas?
Se a iniciativa privada iria acabar inclusive com a corrupção – que, segundo a propaganda é coisa exclusiva do setor público/estatal – como é que surge agora a fraude na taxa Libor?

Marco Aurelio

Vão dar um belo pé-na-bunda dos espanhóis,depois da festa de inflação de ativos imobiliários por lá.

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-banco-central-europeu-e-a-divida-espanhola

O Banco Central Europeu e a dívida espanhola
Enviado por luisnassif, seg, 09/07/2012 – 10:17

Do El País

García-Margallo exige al BCE que compre deuda de España de “forma masiva”

El ministro de Asuntos Exteriores y de Cooperación, José Manuel García-Margallo, ha vuelto a exigir al Banco Central Europeo (BCE) que intervenga y compre deuda pública “de forma masiva” con el objetivo de que “los especuladores entiendan que si apuestan contra el euro van a perder”. Las declaraciones del ministro, que ya reclamó sin éxito el apoyo del organismo presidido por Mario Draghi en el anterior episodio de acoso a España en los mercados de hace apenas dos semanas, han tenido lugar con la prima de riesgo en franca subida y cerca de máximos. …

Marco Aurelio

Outro fato interessante(como costuma dizer,ironicamente,o Hobsbawn):o PIB mundial é menor do que 80 trilhões de dólares,segundo a CIA.Então,utilizando o mecanismo de reservas fracionárias e outros ardis do sistema financeiro,esses 80 trilhões viraram 800 trilhões de dólares em papel pintado:http://www.washingtonsblog.com/2012/07/big-banks-criminally-conspire-to-rig-800-trillion-dollar-market.html

….Specifically, according to the CIA’s World Factbook, the global economy – as measured by the world’s gross domestic product – is less than $80 trillion:https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/xx.html

In contrast, over $800 trillion dollars worth of investments are pegged to the Libor rate. In other words, a market more than 10 times the size of the entire real world economy is effected by Libor.

As the Wall Street Journal reports today:http://online.wsj.com/article/SB10001424052702304299704577500982100334286.html?mod=googlenews_wsj

More than $800 trillion in securities and loans are linked to the Libor, including $350 trillion in swaps and $10 trillion in loans…….

SOBRE O MECANISMO DE RESERVAS FRACIONÁRIAS:Money as Debt ( Legendado PT ) http://www.youtube.com/watch?v=1x3o1milZk8

Aqui o documento Modern Money Mechanics onde o próprio FED explica como funciona o sistema:
Introduction

The purpose of this booklet is to describe the basic process of money creation in a “fractional reserve” banking system. Theapproach taken illustrates the changes in bank balance sheets that occur when deposits in banks change as a result of monetaryaction by the Federal Reserve System -the central bank of the United States. The relationships shown are based on simplifyingassumptions. For the sake of simplicity, the relationships are shown as if they were mechanical, but they are not, as is described later in the booklet. Thus, they should not be interpreted to imply a close and predictable relationship between a specific centralbank transaction and the quantity of money………..

http://pt.scribd.com/doc/3990690/Modern-Money-Mechanics

Como bem colocou um leitor aqui do Viomundo,os maiores bancos dos EUA criaram um tsunami de papel em cima de ativos.Tudo começou com a extinção da lei Glass-Steagal,da época de Roosevelt, por Bill Clinton em 1998/99.Eram os anos noventa, a época da ideologia da desregulação financeira:

http://demonocracy.info/infographics/usa/derivatives/bank_exposure.html

    Daniel Campos

    Mas o maior poder dos bancos é exatamente este, “criar dinheiro do vácuo”. É por isso que eles dominam tudo e a todos, porquê enquanto pessoas comuns têm que produzir produtos para serem vendidos ou vender a sua força de trabalho (como funcionários) para terem dinheiro, os bancos só precisam emprestar dinheiro que eles na verdade não têm.

    Quando você pega digamos mil reais emprestados do banco, o banco não precisa ter mil reais no cofre dele. Mas quando você paga o empréstimo, ele passa a ter mil reais sem ter feito um esforço sequer, só precisou esperar. E isso sem contar os juros.

    É por isso que enquanto se têm uma economia _real_ (salários, mercadorias, indústrias) de 80 trilhões temos uma economia “virtual” de 800 trilhões.

    E depois quando eu digo que devia-se enforcar todos os banqueiros, ainda acham que eu estou exagerando…

Marco Aurelio

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/as-questoes-estruturais-da-crise-na-europa

As questões estruturais da crise na Europa
Enviado por luisnassif, seg, 09/07/2012 – 09:06
Por Assis Ribeiro

Do Ipea

A Europa se endividou para salvar os bancos

Dércio Garcia Munhoz

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/ministro-britanico-critica-bancos

Ministro britânico critica bancos
Enviado por luisnassif, seg, 09/07/2012 – 08:56

Da Folha

Bancos sufocam a economia, critica ministro britânico

Para Vince Cable (Negócios), instituições financeiras pensam em lucros de curto prazo e cortam crédito

De acordo com ele, Reino Unido trabalha em reforma bancária para separar áreas de varejo e investimentos

RODRIGO RUSSO, DE LONDRES

O ministro britânico dos Negócios, Vince Cable, afirmou ontem à emissora de TV BBC que os bancos estão sufocando a recuperação econômica do país por adotarem práticas que focam apenas lucros no curto prazo e que não estimulam as empresas.

Mardones Ferreira

É preciso tratar desse importante assunto em outros artigos, pois a fraude é gravíssima e serve de alerta para todo mundo. E o Brasil é um país que vive chantageado pelos bancos, que vem tendo lucros exorbitantes desde a implantação do Real.

E é importante citar que embora o crime da manipulação tenha ocorrido, a autoridade inglesa multou o Barclay e ainda segue investigando o tema. A falta de regulação do sistema financeiro mundial já deu provas de sua desvantagem para a população e vantagem para os banqueiros.

Infelizmente, a gente vive a reboque do mundo. E vamos esperar o resto do mundo tomar uma iniciativa para fazer algo aqui dentro. Os analistas do mercado brasileiro já falam que os bancos vão aumentar as taxas administrativas para manter os lucros altos e evitar o efeito da baixa nas taxas de juros, que foi impulsionada pelos bancos públicos.

Por aqui, ainda há muitos interlocutores dos bancos que defendem e gritam os patrões e não querem regulação desse ramo mundialmente corrompido.

RicardãoCarioca

A roubalheira que ainda existe no sistema financeiro é o único motivo pela resistência à regulamentacão bancária no primeiro mundo.

Paciente

Ou ninguém tinha reparado que as “crises de desonestidade” do capitalismo coincide com a queda do Muro?

Caiu o Muro, acabou o medo!

Medo de “Ocupe Wall Street” (Rá! rá! Faz-me rir…).

Os integrantes do “Ocupe Wall Street” estão vexados se virando para pagar o cartão de crédito e comprar um “Play Station” e consumir um “tablete” (em português, fala-se “tablet”…).

Paciente

Ah, Lenine numa crise dessas…

O que regulava o capitalismo dentro da decência minima era o medo do “ouro de Moscou”!

Agora, pode pintar e bordar…

Medo de quê? Medo de quem? Atocha, meu filho!! E “guenta”!!!

JottaElle

Mais um grande escândalo internacional e depois só nós brasileiros somos corruptos e desonestos. Nada novo para quem já leu o livro “A corporação” de Joel Bakan. Para quem não gosta de leitura há o documentário de mesmo nome disponível em http://youtu.be/Zx0f_8FKMrY

O_Brasileiro

Os psicólogos que me corrijam, se eu estiver errado, mas a apatia das pessoas diante do caos financeiro é fabricada, e o sistema é controlado pelas elites financeiras através principalmente da mídia e das escolas.
Vários são os instrumentos para induzir o estresse na mente das pessoas: estímulo à competição, estímulo ao consumismo, notícias sobre violência, notícias sobre corrupção, notícias sobre problemas nos serviços públicos, notícias sobre impunidade, estímulo até à promiscuidade. Tudo gerando um estado de hiperestímulo que vai enfraquecendo as defesas das pessoas diante da ideologia imposta pelo sistema dominante, bem parecido com o que se faz nas sessões de tortura ou em algumas seitas religiosas.
Não é a toa que os grandes conglomerados financeiros investem maciçamente na mídia e querem ter o controle sobre o sistema educacional, de preferência, privatizando-o, assim como a mídia é privatizada.
Quero ver liberdade de expressão contra o sistema em escolas e universidades particulares. Praticamente inexistem greves feitas por professores e funcionários em instituições particulares.
Falar em mudar o sistema para povos em transe, totalmente domesticados, é tarefa para décadas, ou até séculos.

R Godinho

Um pequeno reparo: 500 trilhões de dólares são quase 35 vezes o PIB dos EUA, e não quatro vezes…

    francisco pereira neto

    É isso aí Godinho.
    Fiquei incrédulo com os números.
    Pelo que eu sei, o PIB dos EUA são cerca de 14 trilhões de dólares.

paulo roberto

O que está faltando é que as pessoas honestas e decentes que detêm uma parcela de poder façam alguma coisa. Não dá mais pra deixar uma meia-dúzia de marginais fazendo o que bem entende e prejudicando a vida de todo mundo. Ou será que não tem ninguém honesto e decente com algum poder?

Marco Aurelio

Bom…aí vai a tradução(pessoal da Vila Vudu e amigos:perdoem qualquer impropriedade).
Mas…antes um comentário:

Se vocês forem no site da agência de regulação do mercado financeiro inglês,a FSA,vão encontrar o seguinte texto:

http://www.fsa.gov.uk/about/who

The Financial Services Authority (FSA) is an independent non-governmental body, given statutory powers by the Financial Services and Markets Act 2000. We are a company limited by guarantee and financed by the financial services industry. The Board sets our overall policy, but day-to-day decisions and management of the staff are the responsibility of the Executive Committee…

REPARARAM QUE A FSA É INDEPENDENTE DO GOVERNO,MAS DEPENDENTE DA INDÚSTRIA FINANCEIRA??Assim dá para entender um dos porquês dela não ter feito nada para evitar que os consumidores fossem lesados pelos bancos privados.A CVM,aqui do Brasil,permitiu ao Daniel Dantas algumas liberdades,lembram??O PHA e o jornalista Possebom publicaram várias matérias sobre isso.Bem……….lá vai a tradução:

Bancos manipularam a LIBOR por décadas

by Washington’s Blog

Global Research, July 7, 2012
Washington’s Blog

Veterano da indústria financeira, intimamente envolvido no processo de fixação da Libor, diz que a taxa foi manipulada por 15 anos

Nós afirmamos,em artigo anterior[1],que a taxa Libor estava sendo manipulada desde,pelo menos,por volta de 2005….e continuou assim, por mais tempo, mesmo depois de a manipulação ter sido denunciada.
O jornal Financial Times começou a noticiar a manipulação em 2007.O Wall Street Journal em 2008(veja em [3],[4],[5],[6],[7]).
Porém,como The Economist relata recentemente,a manipulação começou um pouco antes[8]:
A FSA(Financial Services Authority) identificou o enviesamento das taxas desde antes de 2005,inclusive com relatos de profissionais do mercado financeiro afirmando que os problemas ocorrem desde muito antes daquele ano:”Há quinze anos que sabemos que a LIBOR é uma taxa manipulada,enviesada”,diz um antigo profissional do mercado financeiro intimamente envolvido no processo de fixação da taxa LIBOR.Isso era um daqueles segredos bem guardados,o regulador se mantinha dormindo,o Banco da Inglaterra não estava “nem aí” e….[os bancos envolvidos também] satisfeito com as taxas de referência”.Outro veterano diz:”Voltando ao final dos anos oitenta,quando eu era operador do mercado financeiro,me lembro que via algumas fixações de taxas bastante estranhas……..Com operadores financeiros,se você atualmente não pressioná-los a diminuir as taxas,com certeza eles vão roubá-lo”.
Dado que os proprietários de imóveis, estudantes, portadores de cartões de crédito[9] e outros mutuários pagam mais quando as taxas são mais elevadas, os bancos parecem ter espoliado consumidores por 10 anos durante o estouro de consumo(a bolha de crédito fácil) até a crise financeira.
Achamos que os advogados podem ganhar em enormes ações judiciais[10] contra as empresas financeiras,apoiando-se somente na tese da manipulação de taxas.
Assim como Yves Smith afirma[11]:
Espero que as empresas envolvidas enfrentem um verdadeiro enxame de gafanhotos em litígios judiciais. Os advogados podem realizar o que os reguladores e os políticos se recusaram a fazer: tirar dos bancos os maus ganhos obtidos e fazer com que seus vaidosos executivos e colaboradores paguem alguma coisa por aquilo que causaram. O dia do julgamento pode, finalmente, estar chegando.

Washington’s Blog is a frequent contributor to Global Research.  Global Research Articles by Washington’s Blog

1) http://www.washingtonsblog.com/2012/07/big-banks-criminally-conspire-to-rig-800-trillion-dollar-market.html
2) http://www.ft.com/cms/s/0/8c7dd45e-6b9c-11dc-863b-0000779fd2ac.html
3) http://online.wsj.com/article/SB120831164167818299.html?mod=hps_us_whats_news
4) http://online.wsj.com/article/SB120831164167818299.html?mod=hps_us_whats_news
5) http://online.wsj.com/article/SB120966299679159903.html?mod=2_1569_leftbox
6) http://professional.wsj.com/article/SB122221601788869423.html?mod=testMod&mg=reno64-wsj
7) http://online.wsj.com/article/SB122445523400648381.html?mod=testMod
8) http://www.economist.com/node/21558281
9) http://www.washingtonsblog.com/2012/07/the-biggest-banking-scam-in-world-history.html
10) http://www.telegraph.co.uk/finance/newsbysector/banksandfinance/9363260/Banks-face-crippling-Libor-litigation-costs.html
11) http://www.nakedcapitalism.com/2012/07/yes-virginia-the-real-action-in-the-libor-scandal-was-in-the-derivatives.html

Texto em inglês:
http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=31806

    Conceição Lemes

    Valeu, Marco Aurelio. Obrigada. abs

    Marco Aurelio

    Espero que tenha ficado bom,Conceição.Eu é que agradeço o trabalho de vocês.

    Conceição Lemes

    Claro, Marco. Obrigadíssima. Abração

Almeida Bispo

Na minha opinião de matuto não há segredo: tem dinheiro demais e mercadoria de menos. Num,primeiro momento seria a inflação; se esse dinheiro estivesse nas mãos de consumidores. Mas, como de fato ele só existe contabilmente e, claro, nas contas dos cafueiros, da turma da cafua, só existe uma saída: a queima simbólica de uns 70 por cento dele. Só que isso dá em perda; e todo mundo quer ganhar, principalmente quando alguém está a perder. Vamos pro salve-se quem puder. Eis a herança de Reagan e Tchatcher.

Pimon

500 trilhões de dólares, quatro vezes o PIB dos Estados Unidos??????

Nada, cerca de 25/30x vezes o PIB norte-americano.

Estados Unidos U$ 15.094.025 > 2010.

Oraits????

Gil Moura

Perdoe-me sei que este pode não é ser o local ideal mais gostaria apenas de pedir ajuda ao amigo do Vi o Mundo para divulgar este meu texto contra a entrevista do professor Chico Oliveira no Roda Viva: Uma breve analise da entrevista do intelectual ornitorrinco ao roda viva
Só tem a agradecer…

http://estreladecouro.wordpress.com/2012/07/08/uma-breve-analise-da-entrevista-do-intelectual-ornitorrinco-ao-roda-viva/

Marco Aurelio

http://www.cartamaior.com.br/templates/postMostrar.cfm?blog_id=6&post_id=1028

Quando o extraordinário acontece: Libor, a fraude do século

……No caso da Libor é preciso lembrar que ela definiu parte substancial do pagamento de juros da dívida externa brasileira durante décadas. Significa que o país endividou-se e quebrou nos anos 80, ademais de rastejar na década seguinte, submetido a uma hemorragia de gastos com juros flutuantes, potencialmente manipuláveis pelos principais interessados em sangrar o país: os bancos credores. Se o Barclays o fez agora para baixo, por que o mesmo não pode ter ocorrido com sinal invertido no passado?

Entre os anos 70 e 90 o Brasil desembolsou cerca de US$ 280 bi em juros e amortizações pagos aos seus credores. Mais de US$ 220 bi desse total foram pagamentos feitos entre 1980 e 1990, ao final dos quais a dívida ainda era superior a US$ 120 bi e não parava de crescer. Em 1982 o Brasil quebrou; as torneiras dos bancos se fecharam. Restava o socorro do FMI. As cartas de condicionalidades assinadas para ter aceso a esses recursos–destinados a pagar juros — deflagraram uma espiral de arrocho salarial e cortes de gastos públicos que dizimaram a capacidade de crescimento da economia. Tornariam o país um refém ainda mais vulnerável do sistema financeiro internacional. Qualquer semelhança com o martírio vivido hoje pelas sociedades grega, espanhola, portuguesa ,entre outras, não é coincidência,mas reprodução da mesma lógica.

Marco Aurelio

Banks have been Manipulating LIBOR for Decades

by Washington’s Blog

Industry Veteran Closely Involved in the Libor Process Says that the Rate Has Been Manipulated for 15 Years

We’ve previously noted that Libor manipulation has been going on since at least 2005 … and continued long after the manipulation was first reported.

The Financial Times started reporting on the manipulation in 2007, and the Wall Street Journal in 2008 (see this, this, this, this and this).

But as the Economist reports today, the manipulation probably goes back a lot further:

The FSA has identified price-rigging dating back to 2005, yet some current and former traders say that problems go back much further than that. “Fifteen years ago the word was that LIBOR was being rigged,” says one industry veteran closely involved in the LIBOR process. “It was one of those well kept secrets, but the regulator was asleep, the Bank of England didn’t care and…[the banks participating were] happy with the reference prices.” Says another: “Going back to the late 1980s, when I was a trader, you saw some pretty odd fixings…With traders, if you don’t actually nail it down, they’ll steal it.”

http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=31806

    Conceição Lemes

    Marco, vc se habilitaria a traduzir? abs

    Marco Aurelio

    Tô tentando.Me aguarde!

Marco Aurelio

Outro dia um comentarista,aqui do Viomundo,postou esse endereço com esquemas ilustrativos e em proporção do tamanho do problema:

http://demonocracy.info/infographics/usa/derivatives/bank_exposure.html

Sei que fotos podem trazer vírus,Azenha,mas seria ótimo colocá-las para as pessoas entenderem que estamos à beira de um terremoto.

Deixe seu comentário

Leia também