VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Deputados do PT usam manchete que sumiu de O Globo contra Moro; leia íntegra

10 de julho de 2018 às 23h54

Da Redação
Em reclamação disciplinar contra Sérgio Moro no Conselho Nacional de Justiça, os três deputados do PT que deram entrada no pedido habeas corpus para o ex-presidente Lula — Paulo Pimenta, Wadih Damous e Paulo Teixeira — utilizam a manchete que desapareceu da edição eletrônica de O Globo: Polícia Federal e Moro se articularam para manter Lula preso.
Publicada na edição eletrônica do diário conservador carioca, a manchete foi posteriormente substituída.
Usando o cache do Google, o Viomundo recuperou a manchete — como, aliás, vários internautas:
Ironicamente, Moro usou uma manchete de O Globo sobre o triplex do Guarujá, desmentida pela defesa do ex-presidente, para condenar Lula.
O juiz de Curitiba, em férias, atuou indevidamente no caso do habeas corpus, pregando desobediência à decisão de uma instância superior.
Resumo da representação dos deputados petistas:

Os comportamentos [do juiz], devidamente contextualizados, mais do que sugerem, evidenciam descumprimentos conscientes e voluntariamente ousados de decisões judiciais superiores, caracterizando abrupta extrapolação de sua própria competência e suspeição. […]Todos estes fatos, acrescidos de outras ocorrências no curso da operação ‘lava jato’, evidenciam o flagrante desrespeito do magistrado representado para com decisões de instâncias superiores, motivando, por mais de uma vez, em devidas reprimendas e pedidos de desculpas frente a desembargadores ou magistrados.

Apoie o VIOMUNDO

Crowdfunding

Veja como nos apoiar »

O lado sujo do futebol

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Entre os mais vendidos da VEJA, O Globo, Época e PublishNews. O Lado Sujo do Futebol é o retrato definitivo do que acontece além das quatro linhas. Um dos livros mais corajosos da história da literatura esportiva, revela informações contundentes sobre as negociatas que empestearam o futebol nos últimos anos. Mostra como João Havelange e Ricardo Teixeira desenvolveram um esquema mafioso de fraudes e conchavos, beneficiando a si e seus amigos. Fifa e CBF se tornaram um grande balcão de negócios, no qual são firmados acordos bilionários, que envolvem direitos de transmissão e materiais esportivos. Um grande jogo de bolas marcadas, cujo palco principal são as Copas do Mundo.

por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet.

Compre agora online e receba em sua casa!

 

8 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Fernando

11/07/2018 - 13h34

País sem lei, onde um juiz de piso escreve sua própria constituição, um Supremo de Covardes, uma presidente do Supremo que é literalmente mandada por um recruta e que ela põe o rabo entre as pernas e obedece sem pestanejar.
Fica claro que os juízes homens mandam na Carminha.

Responder

lulipe

11/07/2018 - 09h56

Decisão da Presidente do STJ defendendo a “interferência” do Moro:

https://www.conjur.com.br/dl/hc-laurita-vaz-stj-lula-favretopdf.pdf

O resto é mimimi, chororô e gasto de papel….

Responder

    MAM

    11/07/2018 - 14h41

    ” coube ao Juízo Federal de primeira instância, com oportuna precaução, consultar o Presidente do seu Tribunal se
    cumpriria a anterior ordem de prisão ou se acataria a superveniente decisão teratológica
    de soltura.” Não sou especialista, ok, mas até onde pude me informar, também não é mais de competência de Moro interferir nesse caso. O que era responsabilidade dele, já foi. É como o empregado querer mandar no patrão. Esteja Favretto certo ou errado, não cabe a Sérgio Moro interferir. Tá parecendo aquela criança mimada que, aos prantos, corre para os pais para dedurar o irmão que roubou seu pirulito. Ainda mais quem, o juiz mais provinciano e picareta de que se tem notícia.

    Ibsen Marques

    12/07/2018 - 11h28

    Engano seu. A decisão corrobora a judicialização da política e a politização do judiciário. O resto é cegueira.

henrique de oliveira

11/07/2018 - 09h06

O grande problema do judiciário brasileiro são 2 , o primeiro é os covardes o segundo são as putas.

Responder

Julio Silveira

11/07/2018 - 04h46

O PT age tardiamente contra essa manipulação que gerou o golpe. Pois era evidente que havia essa parceria que deu até premio (corrupção?) ao juridico que foi transformado em muso do golpe pela Globo, dando a ele uma celebridade que o fez aumentar seus ganhos de formas impensaveis aos menos astutos, da venda de livros a eventos pagos nacionais e até internacionais. E a PF tem estado a muito tempo tão independente que já se tornou um outro poder a serviço de seus interesses e sob o comando sabe-se lá de quem, informalmente.

Responder

orlando bonfilho

11/07/2018 - 00h43

Isso mesmo Oseias. Não é difícil de desmascarar essa falcatrua e canalhice praticadas por agentes públicos com o intuito de não conceder a liberdade ao Lula. Está cada vez mais claro que parte do judiciário e parte de algumas instituições públicas estão a serviço dos golpistas, da casa grande escravizadora, de uma elite podre brasileira que não permite que outras pessoas possam ascender na vida. Estamos na luta por LULA LIVRE, ELEIÇÕES SEM LULA É FRAUDE, LULA PRESIDENTE COM CONSTITUINTE.

Responder

Oseias

11/07/2018 - 00h05

Uma quebra do sigilo telefônico dos participantes da articulação seria muito bem vinda.

Responder

Deixe uma resposta