VIOMUNDO

Diário da Resistência


Você escreve

Concessões de energia: Trabalhadores cobram diálogo com o governo


13/08/2012 - 19h15

Usina de Itaipu (Foto Wikipedia Brasil)

do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), via e-mail

Nessa semana, o governo deve apresentar a setores ligados à indústria sua proposta para a renovação das concessões do setor elétrico. Tudo indica que o governo deve decidir pela renovação das concessões – e não pela realização de novos leilões.

A renovação das concessões é defendida pelas entidades dos trabalhadores do setor elétrico e movimentos sociais, articulados na Plataforma Operária e Camponesa para a Energia. Muitas das concessões que vão vencer estão nas mãos de empresas estatais e a não-renovação sinalizaria um aprofundamento da privatização do setor.

“No entanto, não basta apenas renovar, é necessário discutir quais serão as condições para esta renovação. Ou seja, quem será beneficiado com esta energia das estatais brasileiras? Os setores empresariais há muito tempo vem se beneficiando, enquanto que o povo brasileiro vem pagando a conta. Este erro não pode ser cometido novamente”, afirma Gilberto Cervinski, da coordenação do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

As organizações de trabalhadores criticam a forma de tomada da decisão e afirmam que suas propostas foram ignoradas. “Isso é uma falta de democracia, pois o governo ouve apenas um setor, o dos empresários, e deixa de lado os trabalhadores e os movimentos sociais, que também têm suas propostas”, afirma Franklin Gonçalves, presidente da Federação Nacional dos Urbanitários (FNU). Muitas das propostas dos trabalhadores são antagônicas às do setor empresarial, como explica Franklin.

No empresariado, um setor, representado principalmente pela Fiesp, defende a realização das licitações e a não-renovação. Outro setor, a favor da renovação das concessões, defende que a energia seja destinada para o mercado livre (ou seja, as grandes empresas), enquanto os trabalhadores defendem que seja para o mercado residencial.

“Além disso, os empresários vão querer manter a terceirização no setor, o que precariza o trabalho. Eles também não defendem que a estatal cumpra seu papel de política pública, inclusive com diálogo com as populações atingidas pelas obras”, afirma Franklin.

“A Plataforma Operária e Camponesa já havia pedido audiência com a Presidência em março desse ano, e até agora não foi escutada. É inadmissível que os setores que se apropriaram do patrimônio público brasileiro com as privatizações voltem a ser beneficiados e o governo terá responsabilidade central nesta decisão”, denuncia Gilberto Cervinski.

Leia aqui as propostas dos trabalhadores e movimentos sociais para a renovação das concessões do setor elétrico.

Leia também:

Dr. Rosinha: Paraguai pode ser acionado na Justiça caso interrompa a venda de energia de Itaipu





3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Greve: Quem não concordar com proposta do governo ficará sem aumento « Viomundo – O que você não vê na mídia

26 de agosto de 2012 às 21h52

[…] Concessões de energia: Trabalhadores cobram diálogo com o governo […]

Responder

A divisão entre os professores grevistas e a “birra” do governo « Viomundo – O que você não vê na mídia

24 de agosto de 2012 às 14h35

[…] Concessões de energia: Trabalhadores cobram diálogo com o governo […]

Responder

Paulo Kliass: A pressa de Dilma e os riscos de mais privatização « Viomundo – O que você não vê na mídia

17 de agosto de 2012 às 13h14

[…] Concessões de energia: Trabalhadores cobram diálogo com o governo […]

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding