VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Você escreve

Altamiro Borges: A urgência da mobilização pela banda larga


10/05/2010 - 23h18

A urgência da mobilização pela banda larga

por Altamiro Borges, em seu blog

O governo Lula anunciou na semana passada o seu Plano Nacional de Banda Larga (PNBL). De imediato, ele gerou reações antagônicas. Os movimentos sociais que lutam pela democratização da comunicação saudaram a iniciativa. Já as multinacionais da telefonia, as oligarquias midiáticas e os partidos das elites bombardearam o plano. Apesar da concorrência no setor, o capital se uniu para defender seus interesses de classe. Fica patente que será preciso forte pressão para que o PNBL saia do papel e garanta acesso à internet de alta velocidade para milhões de brasileiros.

O grande mérito do plano anunciado é que ele tem como base a presença reguladora do Estado, visando baixar os preços ao usuário e ampliar a cobertura da internet. Ele estabelece a Telebrás como gestora, fixa investimentos de R$ 13,2 bilhões e define a audaciosa meta de atingir 40 milhões de residências conectadas à internet em alta velocidade até 2014 – com um preço que varia de R$ 15 a R$ 35. “Efetivamente, a Telebrás está sendo reativada”, enfatizou Erenice Guerra, ministra-chefe da Casa Civil, para a irritação dos adoradores do deus-mercado.

Fórum Brasil Digital

Para as entidades engajadas na luta pela democratização da comunicação, o plano é, no essencial, positivo. “Além de confirmar a criação da rede nacional de fibra ótica gerenciada pela Telebrás e de uma série de programas de investimentos e desonerações fiscais para os pequenos provedores, o PNBL abarca entre seus objetivos vários aspectos da inclusão digital”, explica Cristina Charão, do Observatório do Direito à Comunicação. Ela destaca ainda como novidade a criação de uma instância participativa para a formulação de políticas futuras para a banda larga.

O Fórum Brasil Digital será formado por membros do governo, dos órgãos ligados à governança da internet, dos setores empresariais e de representantes dos usuários e de entidades da sociedade civil. Segundo Cesar Alvarez, coordenador do Programa de Inclusão Digital do governo, ele será constituído nos próximos 30 dias e terá a função de propor políticas públicas para a banda larga, incluindo temas como conteúdo, direitos civis, segurança, além de questões de acesso e mercado. A decisão governamental de criar este fórum também foi motivo de chiadeira dos empresários.

Onda terrorista dos monopólios

Em nota conjunta, várias entidades da chamada sociedade civil já manifestaram o seu apoio ao PNBL, mesmo apontando algumas limitações – como a não utilização integral dos recursos do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) e a ainda baixa velocidade no uso da internet. “Numa comparação com os padrões internacionais, estas velocidades sequer são consideradas banda larga. O plano, portanto, poderá resolver as lacunas do acesso, mas não enfrentará as questões relacionadas à desigualdade tecnológica”, aponta Cristina Charão.

Apesar destas lacunas, há compreensão de que a efetiva implantação do PNBL demandará muita pressão dos movimentos sociais. Do outro lado, a reação dos monopólios do setor é brutal. Eles rejeitam, até de forma irracional, a reativação da Telebrás como gerenciadora da rede nacional de fibra ótica. Afirmam, num coro neoliberal, que esta decisão é “estatista” e engessará os lucros do setor. Alegam que o preço previsto para que os serviços cheguem ao usuário final não estimula novos investimentos privados e já ameaçam boicotar o PNBL.

Alvo é a reativação da Telebrás

Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, as empresas de telefonia pretendem inclusive acionar a Justiça para inviabilizar o plano. As poderosas operadoras, como Telefônica, OI, Vivo e Claro, rejeitam o uso da Telebrás como gestora do projeto. Alegam que a presença da estatal na oferta de banda larga “quebra os contratos firmados” no processo de privatização do setor de telefonia, durante o reinado de FHC. O Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e Serviço Móvel Celular e Pessoal (Sinditelebrasil) divulgou nota agressiva contra o PNBL.

Reforçando o terrorismo das multinacionais, a oligarquia midiática usa os meios de comunicação – uma concessão pública – para fustigar o plano e espalhar confusão na sociedade. Difunde que o projeto é “eleitoreiro” e “demagógico”. Já os partidos conservadores repercutem a chiadeira no parlamento. O DEM anunciou que acionará a Justiça contra o PNBL. Segundo o líder dos demos na Câmara Federal, deputado Paulo Bornhausen, ligado às empresas de radiodifusão, o objetivo é barrar a “reestatização da Telebrás” para evitar o “desequilíbrio na competitividade do mercado”.

“Serviço caro, lento e de má qualidade”

Apesar da virulência dos ataques, o governo Lula garante que não recuará do seu plano. Segundo Cesar Alvarez, até o final de 2009 o Brasil possuía apenas 12 milhões de domicílios conectados à internet, o que comprova a ineficiência do setor privado. Durante o anúncio oficial do PNBL, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, também criticou os serviços prestados pelas teles – que “são poucos, caros e de má qualidade. É uma banda larga bem estreita”. Ele reafirmou que a Telebrás pretende ingressar no mercado na oferta por “atacado”, mas enfatizou que ela poderá também atender as demandas domiciliares caso as empresas de telefonia sabotem o plano.

Para reforçar a sua decisão, o governo lembra que o gasto com banda larga na renda mensal per capita no país é de 4,5%, enquanto que na Rússia é de 1,68% e nos países desenvolvidos é de 0,5%. Os valores no Brasil representam cinco vezes os do Japão, 2,7 vezes os da Rússia e 2,5 vezes o do México. Além de caro, o serviço ofertado pelas teles é lento: 33% das conexões são de até 256 kbps e apenas 1% delas são superiores a 8 Mbps. Estes obstáculos que é explicam porque apenas 21% dos domicílios, concentrados nas regiões Sul e Sudeste, têm banda larga.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



57 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Carlos

12 de maio de 2010 às 14h44

Aloysio Biondi escreveu: O assalto dos telefones
Leia em:http://www.aloysiobiondi.com.br/spip.php?article3

Mais de Biondi sobre privatizações: http://www.aloysiobiondi.com.br/spip.php?page=rec

Responder

Supertramp68

12 de maio de 2010 às 13h23

O Nelson da Star Overseas tambem apoia o PNBL… É isso ai, Internet em alta velocidade é um direito do cidadão. Já temos segurança, educação, esgoto tratado, habitação para todos (acabamos com as favelas do pais) e uma malha rodoferroviaria de dar inveja a qualquer europeu. Acabamos com a mortalidade infantil, com as altas taxas de criminalidade inclusive no congresso e agora queremos navegar na internet na banda larga.
Pagamos 25% de ICMS na telefonia, 75% de impostos na internet móvel e os lucros das empresas privadas é que são o X da questão.
LULA O MAIS INFLUENTE DOS TWITTEIROS (segundo a Time) PARA PRESIDENTE DO MUNDO VIRTUAL

Responder

Gerson Carneiro

12 de maio de 2010 às 12h33

"As poderosas operadoras, como Telefônica, OI, Vivo e Claro, rejeitam o uso da Telebrás como gestora do projeto".

As multinacionais querem "peitar" nossa soberania? É isso que estou entendendo? Que atrevimento!

"Apesar da virulência dos ataques, o governo Lula garante que não recuará do seu plano".

Esse é o governo que eu quero. Que não se borra ante a pressões. Não foge. Não vai à Dinamarca posar ao lado de "astro" californiano, abandonando o barco aqui.

AVANTE!

Responder

J. Carlos S. Pereira

12 de maio de 2010 às 02h05

Se em algum lugar do mundo precisarem de uma prova definitiva da ineficiência da privatização, temos aqui o melhor de todos os exemplos: as operadoras de telefonia. É até intrigante como conseguem concentrar em apenas uma área de telecomunicações tanta incompetência a preços extorsivos. E, por outro lado, é surpreendente que até hoje o governo não tenha oferecido pelo menos UMA alternativa estatal para quem não quer ficar nas mãos dessa bandidada que assumiu a telefonia no Brasil. Considero ser um DIREITO dos consumidores quererem ser atendidos por uma empresa estatal, não só na área de telefonia, mas em todas as áreas que estivermos restritos às empresas privadas. Pelo que sabemos, por termos sido testemunhas pessoais, os serviços de telefonia oferecidos por empresas estatais eram INFINITAMENTE melhores e mais baratos do que a camisa-de-força privada que temos hoje. Em meu estado, p.exemplo, MG, existia a Telemig e, posteriormente, a Telemig Celular que utilizava tecnologia de ponta, era muito eficiente e muito mais barata do que depois de privatizada. A privatização da telefonia foi uma das maiores TRAGÉDIAS perpetradas pela tucanalha em nosso país, que tinha como único objetivo enriquecer os intermediários, os daniel dantas da vida. Nunca passou pela cabeça de um tecnocrata tucano o bem comum e sim o enriquecimento dos que receberam em doação as empresas de telefonia e as demais, para depois retribuírem com gordas doações aos políticos tucanos. Só isso.

Responder

    Supertramp68

    12 de maio de 2010 às 17h54

    Pelo contrario, a telefonia é o melhor exemplo da privatização. Pulamos de miseros 20 milhões para 235 milhões de serviços de telefonia após a privatização. Já ultrapassamos dos 100 milhões de celulares. Qto aos preços, que tal 25% de ICMS na telefonia? 75% de impostos sobre internet móvel? Será que os lucros são assim tão exorbitantes? Quanto pagaremos pela Estatal, alem dos impostos?

Fabio_Passos

12 de maio de 2010 às 02h57

É dever do Estado garantir cidadania.
Na Islândia o acesso a banda larga recentemente tornou-se um direito fundamental dos cidadãos.

Garantir a universalização do acesso a banda larga é questão fundamental para o Brasil.

Não podemos permitir que o lobby destas cias privadas – que oferecem uma porcaria de serviço caro e limitado a poucos – impeça o acesso de todos os brasileiros a banda larga barata e de qualidade.

Todo brasileiro na rede!
Temos de democratizar o acesso a informação.

Responder

Augusto Gasparoni

12 de maio de 2010 às 01h46

Qual é a mobilização que nós, simples mortais, podemos fazer para alcançar tão nobre e importante objetivo? Me disponho a assinar qualquer manifesto de apoio à reativação da Telebras, pois o meu testemunho é de usuário de um péssimo serviço de banda larga em Juiz de Fora – MG (atendido pelo sistema Oi-Telemar), assim como de um serviço muito caro de telefonia, no ambito geral. Para esclarecer a alguns comentaristas, ou leitores, pago por 1 Mega, e às vezes a taxa de down-load vai a 7 Kbps, 7 Kbps.

Responder

Edson

12 de maio de 2010 às 00h49

Só para se ter uma idéia do poder do cartel da banda larga: em fevereiro solicitei o serviço de banda larga da OI, inicialmente queria algo em torno de 8 mega de velocidade, me disseram que na minha região teria apenas de 4 mega.resolvi aceitar. Tive que contratar um provedor – optei pelo globo.com – quando liberam a banda me disseram que minha casa não chegaria a 2 mega (era final de rede, em torno de 3.800 metros distantes da centarl telefonica). Neste dia recebi um telefonema mandando anotar um login e uma senha, a pessoa no outro lado da linha me disse que a Oi tinha convênio com o Terra e desligou o telefone, hoje reclamei pois recebi um boleto do terra me cobrando pelo serviço que não solicitei. a atentende ficou braba e disse que contratamos o portal on line, disse-lhe que eu não havia feito tal pedido. Ela disse que foi a minha esposa (que nem sabe mexer direito em um computador). Solicitei o cancelamento, a moça disse que não poderia fazer tal coisa pois eu não era o titular. E eu passei por idiota.

Responder

Cecéu

12 de maio de 2010 às 00h41

A ganancia e a irresponsabilidades foram tantas, que as "beneficiárias" assumiram tudo sem poder cumprir. E os lucros foram tantos, tantos, que inspiraram a farra financeira e não o investimento. E achavam que o brasileiro jamais reclamaria e, se reclamasse, seria coisa pequena, porque a imprensa estaria dominada. Jamais esperariam que o Estado interviesse na situação. Isto só foi possível, nobres amigos, porque o sistema neoliberal se desmoralizou, e o Pensamento Único pifou.

Responder

Romano

12 de maio de 2010 às 00h26

O desespero dos mamateiros da privataria é patológico; eles não querem que os brasileiros saiam das trevas dessa banda larga fajuta que amorcega a renda do brasileiros como não ousariam em seus países de origem. A associação dos coronéis midiáticos à aflição dos primeiros demonstra o quanto eles tem medo do brasileiro com meios eficientes para escapar de seus conteúdos de esgoto. Uma banda larga verdadeira, e não essa estelio-banda, será a verdadeira TV digital: com milhares de opções de canais e diversificada fonte de produção de conteúdos.

Responder

Flavio Lima

11 de maio de 2010 às 22h48

A desculpa da quebra dos contratos de 1997 é ridiculo de tão esfarapada. Alias, esses contratos são um lixo, vão durar quanto tempo? O governo tem que ser realmete firma nessa questão, e por o plano pra funcionar.

Responder

Aldo Luiz

11 de maio de 2010 às 22h40

Continuação do anterior [youtube sjJxSCu5muQ&feature=relatedhttp://www.youtube.com/watch?v=sjJxSCu5muQ&fe… youtube]

Responder

Aldo Luiz

11 de maio de 2010 às 22h37

Quanto mais televisão mais alienação e menos saberemos o que planejam os senhores de Serras e FHCs para nossos próximos dias… A banda larga é lerda e estreita para não acessarmos a internet e vermos informações importantíssimas como estas… Sem banda larga é quase impossível tomar conhecimento de informações em um documentário vital como este
[youtube DEgVIRsL3Ww&feature=relatedhttp://www.youtube.com/watch?v=DEgVIRsL3Ww&fe… youtube]

Responder

ANTONIO ATEU

11 de maio de 2010 às 22h13

• A Câmara dos Deputados aprovou na noite desse 4 de maio o reajuste de 7,7% às aposentadorias maiores de um salário mínimo, além do fim do fator previdenciário. Embora o reajuste seja rebaixado, menor que o índice concedido ao salário mínimo (9,6%), ele é maior que os 6,14% que o governo pretendia conceder e o fim do fator, por sua vez, é vitória parcial do movimento dos aposentados. De conjunto, foi uma dura derrota ao governo Lula.

Derrota do governo
Durante toda a extensa negociação entre o governo e os deputados, foi repetido reiterada vezes que Lula vetaria qualquer momento acima dos 6,14%. Tal valor, inicialmente acordado com as centrais sindicais, como a CUT e a CTB, equivale à inflação e 50% da variação do PIB de dois anos antes, ou seja, de 2008. Na Câmara, avançou-se a uma proposta de 7,7% de reajuste, referente a 80% do PIB daquele ano. O governo deu a entender então que poderia aceitar, no máximo, 7%. http://www.pstu.org.br/

Responder

Marco Leite

11 de maio de 2010 às 22h10

Santa ZICA, a Santa dos azarados, aquela que protege as bruxas dos males que a vida oferece. Santa ZICA, a Santa que azarado pode recorrer para resolver seus problemas de ZIQUIZIRA, URUCUBACA e MALDIÇÃO. Santa ZICA, a Santa do forfé, caso esteja necessitando de ajuda solicite a Santa que lhe faça um milagre no sentido de tirar toda a MALDIÇÃO que o acompanha no cotidiano.

Responder

Luiz Heschet

11 de maio de 2010 às 21h14

Blogueiros unamo-nós e façamos pressão. Internet hoje é uma necessidade. Imaginem vocês a nossa força na Blogosfera com 30 a 40 milhões ligados. É um tsuname neste País! Que o Governo reative a Telebrás e tire esta teta da boca desta multis! E não é só isto não façamos pressão para acabar com a obrigatoriedade da assinatura e baixar o preço para o usuário da ligações fixa e móvel!
Vamos juntos!

Responder

Luiz g. simões

11 de maio de 2010 às 20h46

Faz muito bem o governo em reativar a telebrás, aqui em Bauru a internet é uma piada de mal gosto, o famoso combo, net
fone e tv a cabo anda uma droga, o sinal não funciona, interrompe facilmente, cai toda hora, a gente cansa de reclamar,
eles não resolvem o problema!

Responder

Dil

11 de maio de 2010 às 20h44

Desculpa mudar o assunto ,mas acho que é do interesse de quem cobre a mídia mais depreparada e tendenciosa do mundo: Na entrevista coletiva de hoje, Dunga coloca imprensa golpista (é amigos, no futebol se bobear a coisa ainda é pior..)no seu devido lugar. Vale a pena ver. Postei lá no blog.

Responder

    francisco.latorre

    11 de maio de 2010 às 22h33

    dunga/jorginho..

    desconstruiu a imprensa na entrevista.

    estraçalhou.

    os manipuladores tão apanhando de todo lado.

    ninguém aguenta mais. é geral a bronca. deu.

    decadência. terminal. saco-cheio. geral.

    tão pedindo. e levando.

    século vinte um. arrasando a pirâmide.

    ..

francisco.latorre

11 de maio de 2010 às 20h28

a telebrás é nossa.

e ninguém tasca.

estamos retomando as ondas do céu. tirando da privada.

a próxima é a vale. pra retomar o subsolo.

não demora muito mais não.

dilma13.

..

Responder

Ary

11 de maio de 2010 às 16h48

Gente,eu tenho uma internet 3G da Claro e é o Ó do borogodó!!

Me ofereceram uma internet ilimitada de 600 kbps.

Pois bem,nem é tão ilimitada assim,porque ao atingir a cota de tráfego,que é de um Mega, automaticamente cai para 128 kbps,e aí carregar vídeo,torna-se impensável. Exceto se deixar carregando o dia todo.

E 600 kbps,só no papel mesmo,porque raramente atinge essa velocidade.

Fui ler no contrato e,em letras minúsculas,tá lá: A operadora garante 10% da velocidade,ou seja,60 kbps. E o pior,é que sempre estou medindo a veloicdade,e ela fica sempre em torno de 60 kbps. As vezes atinge 200,300,mas raramente atinge 600. Isso é propaganda enganosa.

Por isso sou favorável ao PNBL. E essas operadoras vão todas se ferrar!!

Chega de ser palhaço desses cartéis,que não tem concorrência coisa nenhuma. todas elas trabalham no mesmo sistema.

Responder

alexjova9999

11 de maio de 2010 às 16h42

A VOZ DO DONO, O DONO DA VOZ E OS DONOS DE TUDO

Blog Tijolaço – Brizola Neto
terça-feira, 11 maio

A capa e o conteúdo do jornal O Globo de hoje revelaram a Serra o que um dia, num único jornal do sistema, pode fazer à sua candidatura. Não que seja diferente ao que fazem dúzias de vezes com Dilma, mas foi, como dizia uma música dos anos 60, “a volta do cipó de aroeira no lombo de quem mandou dar”.

Acostumado a mandar demitir repórteres com telefonemas, Serra perdeu a paciencia com “os comunistas do Dr. Roberto” do século 21. “Dos meus comunistas, cuido eu”, teria dito “o mais velho”, em plena ditadura, ao “ministro da justiça” (assim mesmo, entre aspas e em minúsculas) Armando Falcão. Embora não sejam mais comunistas e o Dr. Roberto não esteja mais aí, Serra mexeu num vespeiro, muito maior que o cada vez mais frágil jornal O Globo. Mexeu na Globo, no centro de comando da elite brasileira ( … CONTINUA)

fonte: Tijolaço –http://www.tijolaco.com/

Responder

Jo Rolex

11 de maio de 2010 às 16h23

Se um dia viessem à tona os bastidores da privataria das teles a opinião pública, conduzida pela mídia cooptada, se indignaria com a gatunagem cometida pelos demotucanos mancomunados com as multinacionais corruptoras e os políticos mensaleiros de longa data.
Mas a lei do retorno é inexorável, como disse muito bem a futura presidente Dilma Rousseff, hoje a banda larga é mais importante que a telefonia.
Com a reativação da Telebrás, reconquistamos, legalmente, o domínio estratégico da universalização das comunicações através da evolução tecnológica ironicamente permitido pela imprevidência e ganância dos salteadores da coisa pública que não anteviram o porvir iminente.
Falta impor ao setor de siderurgia a retomada de produção de trilhos para ferrovias, desativados quando da privatização da CSN, o que obriga o Brasil a importar estes ítens de países que importam o nosso minério.
Esta é a eficiência da privatização?

Responder

    @dbenndorf

    11 de maio de 2010 às 19h09

    O governo FHC dizia que as estatais eram ineficientes, ou seja, declarava a si mesmo como incompetente!

Aldo Luiz

11 de maio de 2010 às 15h08

"até o final de 2009 o Brasil possuía apenas 12 milhões de domicílios conectados à internet, o que comprova a ineficiência do setor privado."
Este é o EFICIENTE separatista muro midiocrático que impede o acesso à verdadeira internet, única fonte livre de informação e que a nova ordem mundial precisa e quer calar. A telebrás é fundamental e urgente para derrubar esta muralha virtual que nos matém presos nos labirintos do nada a merce dos "invisíveis" escravocratas.
Sou grato.

Responder

Carlos

11 de maio de 2010 às 14h37

Azenha
FHC é contrário ou favorável ao PNBL e à reativação da Telebrás?
O que ele tem a dizer sobre as alegações das teles?

Responder

    Elvys

    11 de maio de 2010 às 16h07

    Para completar a pergunta: qual a posição do Serra sobre essa questão?

    Carlos

    11 de maio de 2010 às 18h39

    E do Alckmin, do Beto Richa ( candidato tucano a governador do Paraná), … e todos os demais candidatos tucanos e pefelês.

    francisco.latorre

    11 de maio de 2010 às 20h31

    serra é contra.

    ..

Sebastião Verediano

11 de maio de 2010 às 14h03

Nós bloguista e a opinião pública devemos nos mobilizarmos em favor da Telebrás ou através da Telebrás pressionarmos estas Teles que ganham dinheiro a Rodo e oferecem um serviço péssimo. A Internet aqui em Uberlândia é pessima, vive desligando outra hora fica só piscando e não funciona e não adiante reclamar para o Suporte!

Responder

    Luiz Gustavo

    11 de maio de 2010 às 14h12

    Caro Sebastião. Também sou morador de Uberlândia e assim como você estou muito decepcionado com a internet da cidade…. Cara, sem investimento, sem muitas opções realmente viáveis e com uma população alienada…

    Abraços!

Arnold Bezerra

11 de maio de 2010 às 13h52

AZENHA : Porque o Governo não força as operadoras de Banda Larga a oferecerem serviços de horarios diferenciados com preços variáveis? Eu dou um exemplo: no meu caso eu só preciso da Internete das 14 as 21 hs. Outros só das 8 as 12 hs. e assim por diante. Como é hoje, a minha Internet ficaz ociosa eu pago como os outros que a usa 24 hs por dia.
Não teria como fazer uso escalonado e com preços diferenciados?

Responder

    Carlos

    11 de maio de 2010 às 15h04

    Difícil impor, mas fica como sugestão para a Telebrás: oferecer alternativas de horários.

Maria de fátima

11 de maio de 2010 às 13h39

A minha é da CTBC e é cara .Cada dia que passa eles retiram mais carvão da mesma.Sério gente , a minha é estreitiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiisima e é movida a lenha.

Responder

    Anael Pedro Jardim

    11 de maio de 2010 às 21h02

    A minha também é daqui de Uberlândia, mas é devagar quase parando. Basta dar um trovãozinho mixuruca, pronto já desligou. Sábado e domingo é uma calamidade fica quase o tempo todo piscando e nada de funcionar. Qual é a agencia Reguladora deste trobolho que vê isto é nada faz.
    Vamos criar a Telebrás logo e dar um chute no trazeiro deste pessoal

Luca breviglieri

11 de maio de 2010 às 12h11

A telebrás tem que colocar os pingos nos ís da telefonia e inclusão digital ante a inercia,ineficiencia e o alto custo cobrados pelas operadoras dessa banda estreita e deliquente.Vamos precionar e apoiar o governo nessa empreitada para termos qualidade e acesso à banda larga que é de direito de todo cidadão

Responder

Carlos

11 de maio de 2010 às 12h05

"rejeitam…a reativação da Telebrás como gerenciadora da rede nacional de fibra ótica."
"decisão… e engessará os lucros do setor."
“acionar a Justiça para inviabilizar o plano.”
"quebra os contratos firmados” no processo de privatização…durante o reinado de FHC. "
“desequilíbrio na competitividade do mercado”

População refém dos grupos privados estrangeiros – na telefonia, na mídia, no parlamento,… – que pretendem substituir o Estado na gestão dos interesses nacionais?

O que FHC tem a declarar?

Responder

Marcelo Ramos

11 de maio de 2010 às 11h59

O povo tem que continuar a se mobilizar. O governo está jogando dentro das regras do deus-mercado mas os monopólios não querem diminuir seu lucro e melhorar os serviços. Vão fazer isso na pressão. Esse debate precisa vir mais à tona.

Responder

Marcos

11 de maio de 2010 às 11h19

É só falar mal da privatização da telefonia que já vem aquela piada pronta: "se não fosse a privatização, ainda teríamos internet discada e não existiriam celulares por aqui."

Bem, se a telefonia não fosse privatizada e fosse administrada por tucanos, provavelmente estaríamos assim mesmo.

Responder

    yacov

    11 de maio de 2010 às 17h38

    Isso é uma grande balela, pois se as telecomunicações braslieiras não tivessem sido sucateadas pelo "farol", o setor acabaria por incorporar os avanços tecnológicos e acredito que hoje teríamos uma banda larga melhor e mais barata para todos. O setor de telecomunicações no BRASIL, antes das privatizações, era um dos mais avançados do mundo. Ocorre que na sanha privatista dos demotucanos, eles simplesmente cortaram todos os investimentos, demitiram e não repuseram a mão-de-obra e assim criararm o mito de sua ineficiência, visando vender as estatais a seus amigos & apaniguados privatistas, a preço de banana.

    "O BRASIL DE VERDADE não passa na glObO – O que passa na glObO é um braZil para os TOLOS"

    Sebastião Verediano

    11 de maio de 2010 às 21h06

    Isto é conversa pra boi dormir. A necessidade obriga o sapo pular. Não me venha com esta conversa de: se não tivesse privatizado, estaríamos atrasados. Onde existe demanda e lucro existe empresas interessadas em ganhar dinheiro. Se não fosse de um jeito seria do outro! Isto é conversa de Tucanos para desculpar as "maracutaias"

Rosa M. L. Costa

11 de maio de 2010 às 10h56

Como disse ontemm o PResidente LULA. "Quem elege a gente são os pobres, que são a grande maioria da
população, mas depois que se elege só os grandes tem acesso ao gabinete do eleito" de memória.
Tudo que favorece o pobre é mal visto no Brasil, por isso somos um dos pais mais miseriveis em numero de
pobres, devido a nossa desigualdade social.

MULHERES COM DILMA.
DILMA PRESIDENTE!

Responder

Glecio_Tavares

11 de maio de 2010 às 10h34

Todos os usuários de banda larga deveriam entrar em ação conjunta contra as teles. Cobram cheio e entregam um décimo. Prestam serviços como se estivessem faznedo um favor. Não investem em pequenas cidades e não oferecem o serviço em determinados estados. O blog cidadania talvez possa nos ajudar em mais essa empreitada juridica.

Responder

    Arnold Bezerra

    11 de maio de 2010 às 13h57

    O que me espanta nisto tudo é exatamente a disparidade de preços, tanto a Internet como a Fixa e Móvel com outros paises. Porque aqui o povo é muito mais póbre e paga muito mais caro por um serviço de quinta?
    Será que é a ganancia em demasia ou eles fazem um caixa dois para comprar os políticos?
    Aqui no Triângulo Mineiro dá para perceber isto!

    yacov

    11 de maio de 2010 às 17h40

    Dentro de grandes cidades, como são Paulo, tem áreas em que, segundo as teles: "não há viabilidade técnica" para disponiblização do serviço. É um abuso!!!

    "O BRASIL DE VERDADE não passa na glObO – O que passa na glObO é um braZil para os TOLOS"

    Romano

    12 de maio de 2010 às 02h23

    Entrar na justiça? Conversa pra boi dormir!
    L á ( justiça, como na Anatel) as Teles dispõe de todas as facilidades, em sofá e acoxuada e com manta de lã de lhama, e um cafezinho sumatra, canapés de trufas italianas mais um licorzinho "highttast, que ninguém é ferro.
    Só Lulão, pra ascender uma luz nesse breu!

Antonio Lyra Filho

11 de maio de 2010 às 09h41

A direita brasileira contra o PNBL.
Eles defendem os interesses das telefônicas em detrimento da população.
Já pensaram se esta gente volta ao poder? Tudo passara a ser diferente do que é hoje.
Farão como sempre um governo voltado para as elites.

Plagiando Regina Duarte> "tenho medo"

Responder

@rldigital

11 de maio de 2010 às 09h02

Esse ponto é fundamental para todos os movimentos populares, sindicais, os blogs e sites de esquerda, enfim, todos os que lutam contra o neoliberalismo.

Urge fazer uma campanha feroz em defesa da Telebras.

Responder

ceci

11 de maio de 2010 às 07h22

Bom diia Luiz carlos!

Responder

paulo rafael pizarro

11 de maio de 2010 às 04h37

Pago muito caro pela banda larga privada.

Responder

Eduardo

11 de maio de 2010 às 04h15

a telefonica daqui de sp acordou. agora está oferecendo 1 mega por 29,90

Responder

    Rosko

    11 de maio de 2010 às 15h27

    Verifique se a velocidade é sempre constante, ou seja, se em dias de grande pico, a velocidade se mantém do contrário estão lesando o consumidor.
    Aqui no Sul, eu sinto grande diferença em determinados horários. Eu paguei por uma velocidade X e oferecem Y. "Assim não dá, assim não pode".

Janes Rodriguez

11 de maio de 2010 às 03h59

E a chamada "Justiça" desse país vai ficar ao lado de quem? Já ficou ao lado de Daniel Dantas e depois da ditabranda. E agora? Será que vai ficar do lado do povo brasileiro? É esperar pra ver.

Responder

beattrice

11 de maio de 2010 às 03h27

Não há cidadão neste país, que não apoie a reativação da TELEBRAS, a menos que tenha sido beneficiado indevida e finaceiramente pela privataria tucana, no limite da irresponsabilidade fernandina.
Ao cerrar fileiras no combate à des-informação e ao regime de tirania que as teles impõem ao brasileiro, o governo LULA cumpre seu destino histórico, resgatando a cidadania e a vontade popular, expressa nas urnas em 2002, reiterada em 2006 e que será reafirmada com Dilma em 2010.

Responder

Milton Hayek

11 de maio de 2010 às 02h57

O PIG está com medo de perder de vez o imaginário da sociedade brasileira.Como é que dizia aquele grego,o Castoriadis???A instituição imaginária da sociedade.
As telefônicas querem só manter o monopólio mesmo.A teta estatal.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.