VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Você escreve

Alípio de Sousa Filho: Quantos artistas perderemos mais?


25/05/2012 - 13h32

por Alípio de Sousa Filho, sugestão de Vanda Regina Fernandes

Este ano, a mídia noticiou caso de menino de 12 anos que se matou, em Vitória, vítima de bullying homofóbico na escola. Descrito como criança “alegre e sonhadora”, Roliver de Jesus teria sido continuamente vítima de agressões nas quais era chamado de “bicha”, “gay” etc. Véspera de carnaval, escreveu carta anunciando seu suicídio e enforca-se. Uma colega de Roliver declarou: “ele dizia que queria ser um grande artista”.

Fatos assim não são raros no Brasil e em outros países. Para muitas crianças e jovens, a escola tem sido o lugar para o aprendizado do olhar do preconceito, do estigma e da injúria, seja para praticá-los contra outros, seja para suportar a violência de que se é vítima. Esse aprendizado muitas vezes ocorre simultaneamente com a aprendizagem da própria língua. Aprende-se muito cedo que se pode maltratar alguém com palavras e outros aprendem a carregar por muito tempo (ou para sempre) as sequelas de insultos que funcionam como espécie de interdito à existência. Designados logo cedo por palavras como “bicha”, “veado”, “mulherzinha”, “sapatão”, meninos e meninas, confusos com os sentidos desses termos, vão tendo seus destinos sociais traçados, quando ainda eles pouco ou nada sabem de si. Destinos que podem variar muito: sorte quando são belos! Outros atam alguns ao signo de sua vulnerabilidade psicológica e social produzida pelo estigma.

A pergunta que cabe fazer é: por que razão o governo federal deixou de implantar o programa Escola sem Homofobia, sendo o bullying homofóbico na escola tão corriqueiro e de efeitos tão perversos?

Pergunta especial caberia à Presidente da República, Dilma Rousseff, que vetou o kit educativo contra a homofobia proposto pelo MEC: quantas crianças como Roliver de Jesus, com sonhos de serem artistas, poetas, escritores, filósofos, cientistas, médicos, arquitetos, juízes etc., perderemos mais, por suicídio ou assassinato, sem que o governo promova políticas educativas de combate à homofobia? O que mais nossos governantes esperam para se decidir por corajosas políticas para enfrentar as crueldades praticadas contras gays, lésbicas e transexuais na sociedade brasileira?

Como produto de uma educação social generalizada nas famílias e reforçada nas escolas e pelas mídias, a homofobia somente pode ser combatida por meio de uma contraeducação à educação homofóbica. Contraeducação crítica à ideologia da heterossexualidade como única via normal da sexualidade, que estigmatiza a homossexualidade como anormalidade. Essa contraeducação não pretende ser “propaganda da homossexualidade” (como equivocadamente falou à nação a Presidente da República), mas crítica ao preconceito homofóbico, relativização de instituições históricas como a cultura da heterossexualidade, que, mascarando-se como invenção histórica, impõe-se como um fato natural. Aliás, se o assunto for propaganda, que se observe a heterossexualização da esfera pública por meio de outdoors, novelas, publicidades, canções, como uma espécie de reiteração social obsessiva da heterossexualidade como norma.

Para aqueles que vivem o massacre do preconceito e da discriminação, decisões são esperadas dos governantes, em todos os níveis, que sejam portadoras da esperança que teremos uma sociedade sem homofobia amanhã.

De governos que se apresentam como comprometidos com transformações, não se pode aceitar que permitam a chantagem política, de natureza religiosa ou outra, em nome da governabilidade, admitindo que atrocidades continuem a acontecer contra aqueles que o preconceito pretende isolar como uma maldita espécie sexual à parte. O Brasil não necessita apenas de desenvolvimento econômico, mas também de desenvolvimento cultural, intelectual, moral. Não o terá se continuar conservador e homofóbico.

Alipio de Sousa Filho é professor do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Doutor em Sociologia pela Sorbonne. Editor da Revista Bagoas: estudos gays/UFRN.

Leia também:

Se você é estudante e foi vítima de bullying homofóbico, denuncie



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Obscurantismo faz Serra ‘esquecer’ excelente vídeo educativo « Viomundo – O que você não vê na mídia

19 de outubro de 2012 às 20h58

[…] Alípio de Sousa Filho: Quantos artistas perderemos mais? […]

Responder

Toni Reis: “A estratégia do Serra de rifar os direitos dos homossexuais implodiu” « Viomundo – O que você não vê na mídia

18 de outubro de 2012 às 19h51

[…] Alípio de Sousa Filho: Quantos artistas perderemos mais? […]

Responder

José Geraldo Gouvêa

25 de maio de 2012 às 23h25

Sem querer minimizar a tragédia da perda dos artistas, peço atenção para outra tragédia mais sutil: maior do que número de artistas que ainda perderemos é o tamanho do público que estes artistas poderiam ter. Uma sociedade que oprime quem se inclina para as artes é uma sociedade que cria pessoas insensibilizadas para suas manifestações. O resultado é que os artistas que resistem não têm publico para ouvi-los. O resultado é essa música, essa televisão, esse país sem cultura em que vivemos.

Responder

Eduardo Souto Jorge

25 de maio de 2012 às 23h21

No “terra a terra, no vem ca minha nega” , a pergunta que faco e’ : A situacao geral(principalmente em decorrencia da postura do Governo Federal, como um todo) das pessoas nao heterosexuis , melhorou, esta a mesma ou piorou? E’ simplista mas e’profundo ao mesmo tempo. Pelo seu discurso, a mensagem diz que voce entende que piorou depois de 2002. Estou de alma aberta para falar sobre isso, mas nao me venha de blablabla tipo ” dono da verdade” , por favor. Ja’ nao tenho mais espaco no copo para isso.

Responder

Gabriel Birkhann

25 de maio de 2012 às 18h13

Prezado Azenha,gostaria de publicasse o comentário e post,dica minha,hein!
Ariano Suassuna recebe apoio para indicação a Prêmio Nobel Via @Agencia_Senado http://buracosupernegro.blogspot.com/2012/05/ariano-suassuna-recebe-apoio-para.html
Via Jornal do Senado

Responder

eunice

25 de maio de 2012 às 17h53

O governo Lula, apesar de sua enorme boa vontade, e por culpa das pressões de ignorantes, e de um Congresso basicamente ignorante também, foi um governo medroso. O governo Dilma é um governo acanhado.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!