VIOMUNDO

Diário da Resistência


Adilson Filho: Mídia brasileira, sócia do projeto de imbecilização geral da nação
Laerte
Você escreve

Adilson Filho: Mídia brasileira, sócia do projeto de imbecilização geral da nação


07/11/2018 - 23h32

A imbecilização geral da nação

por Adilson Filho, especial para o Viomundo

Cultivar a ignorância como valor social, será essa a contribuição do Brasil recém-saído das urnas para o mundo?

Pior do que a inclinação para se manter afastado do conhecimento e de ostentar a própria burrice por aí, crente que ‘tá abafando’, é a impossibilidade crônica que esse novo perfil nacional tem de pensar por si mesmo.

O nosso tipo de burrice não encontra paralelo.

Caracteriza-se pela total falta de originalidade: é todo-mundo-repetindo-a-mesma-coisa-somente-porque-tá-todo-mundo-repetindo-a-mesma-coisa e pronto.

A atrofia das capacidades de duvidar, questionar, aprofundar faz desse novo brasileiro — que, agora, bate mais forte no peito, pois viu que não está  sozinho — o maior imitador de papagaio do planeta.

O que está acontecendo aqui precisa ser estudado urgente.

Povo que terceiriza opinião dessa forma tão vulgar está fadado a viver eternamente manipulado e alienado até dos seus sentimentos mais básicos de admiração, indignação, etc.

Eu acho que esse tipo de ignorância adoece de verdade. Eu vejo todo dia pessoas que estão nitidamente doentes.

O seu líder máximo, hoje, pode falar e fazer o que quiser que nada chocará nem despertará um pingo sequer de espanto em ninguém.

O sujeito pode até aparecer nu com metralhadora numa mão e  megafone na outra, vociferando um repertório inédito de barbaridades…E nada.

Se não houver muitos formadores de opinião para bradar contra o óbvio, esse absurdo passa batido.

Assim, amanhã ocorrerá algo mais escabroso que também será solenemente ignorado na “República dos Apedeutas e Broncos”.

No Brasil, todos nós sabemos, que um absurdo só vira absurdo quando todo mundo, pelos quatro cantos do planeta, diz que aquilo  é um absurdo.

E para todo mundo achar que é um absurdo, o absurdo precisa ‘pegar’, virar moda, passar pelo JN, estar na capa da revista, na primeira página do jornal pendurado na banca, no rádio do taxista, e por aí vai.

Não precisa ser gênio para constatar que só há uma maneira (pelo menos, mais imediata) de esse “concreto pesado” começar a rachar.

É a imprensa brasileira cumprir o seu papel de informar com isenção e compromisso público, de fazer denúncia social com o mínimo de responsabilidade.

Quanto a isso, tem que ser por um bom tempo, pois a gente pode esquecer.

A mídia brasileira, a cada dia que passa, nos prova que, mais do que nunca, está firme e forte para ser sócia do projeto de imbecilização geral da nação.

Leia também:

Bancos embolsaram R$ 354 bi só em juros no ano passado

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



17 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

10 de novembro de 2018 às 17h09 Responder

Monica

10 de novembro de 2018 às 11h16

Tem erro na edição:
Assim, amanhã ocorrerá algo mais escabroso que também será solenemente ignorado na República dos

aquilo passa batido e amanhã virá algo ainda mais escabroso que será da mesma forma solenemente ignorado na “República dos Apedeutas e Broncos”

Responder

    Conceição Lemes

    10 de novembro de 2018 às 14h30

    Obrigadíssima pelo alerta, Mônica. Corrigimos. abs

Zé Maria

09 de novembro de 2018 às 17h20

Antonio Andrade: Mais um Traíra do PMDB Preso.

JBS financiou ilegalmente a campanha de Eduardo Cunha (PMDB)
para a presidência da Câmara com um total de R$ 30 milhões.

Segundo as investigações da Polícia Federal, parte desse recurso foi repassada para os candidatos a deputado do MDB de Minas, como forma de garantir a aprovação do PMDB ao nome de Andrade para compor a chapa com Pimentel.

https://www.otempo.com.br/capa/pol%C3%ADtica/propina-da-jbs-teria-pago-indica%C3%A7%C3%A3o-de-andrade-a-chapa-de-pimentel-1.2065974

Foto: acordo selado entre Antonio Andrade (PMDB) e Aécio Neves (PSDB)
https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Capa_do_Jornal_O_Tempo_de_03_de_outubro_de_2016.png

Responder

Bel

08 de novembro de 2018 às 15h44

Precisamos evitar o pensamento único. Precisamos ter dois pensamentos: Brasil, ame-o ou deixe-o.

Responder

Bel

08 de novembro de 2018 às 15h42

A mídia brasileira é cega, surda e falante. Tem um pensamento que vem à tona cada vez que vejo foto do Trump. Ele pode ser um falastrão, um arrogante, mas jamais iria privatizar um pré-sal se fosse descoberto em mares do norte. Ele não é bobo de entregar nas mãos da iniciativa privada uma riqueza tao grande que faz os EUA entrara em guerras sem fim por causa do petróleo. E isso porque a iniciativa e ¨findativa¨ privada findou com o petróleo deles. O Brasil está entregando petróleo aos estrangeiros mas parece não se dar conta que daqui a alguns anos terá que entrar na guerra para comprar da Venezuela e outros países. E isso a mídia brasileira não debate. Pobre Brasil rico!

Responder

Zé Maria

08 de novembro de 2018 às 15h07

“Quem não se movimenta não sente as correntes que o prendem”
Rosa Luxemburgo

Estudantes da UFRRJ escracham Professor, vulgo filósofo,
Paulo Ghiraldelli, que “abusa, discrimina e dá risada”

https://youtu.be/xwp7IoRMjt8
https://twitter.com/luisnassif/status/1060524775804727299

Responder

Hudson

08 de novembro de 2018 às 12h27

Quando a ignorância provoca orgulho

Ayrton Centeno

«««Há uma espécie de orgulho de ser burro. Como escreveu um amigo, é a “burrice-ostentação”. Algo que não exige maior esforço. Afinal, não é necessário estudar para ser fascista.»»»

https://www.brasildefato.com.br/2018/11/07/quando-a-ignorancia-provoca-orgulho/

Responder

Sebastiao Geraldo de Lima

08 de novembro de 2018 às 06h02

O único pensamento correto é o seu? E muito tolo, tosco e tacanho não perceber que a sociedade pensa por si e guarda valores morais que, por pessoas como você, foram esquecidos. Sua pena, não é a verdade absoluta. Ela dá pena.

Responder

    Mau Rufino

    08 de novembro de 2018 às 13h50

    Aqui ta a prova concreta do que Adilson Filho citou, o Sebastiao Geraldo de Lima falo, falou e não disse nada.

    Carlos Valentin

    08 de novembro de 2018 às 14h14

    Leu e não entendeu, e claro, na falta de argumentos, começa a ofender, deve ser daqueles que defendem escola sem partido, (sem partido da oposição claro) educação moral e cívica, aula de catequese e outras hipocrisias mais. Eu já defendo justiça sem partido, juiz sem partido. O universo e a imbecilidade são infinitos. tsctsc

    Carlos Valentin

    08 de novembro de 2018 às 14h15

    Tai um que sente orgulho.

    cid elias

    08 de novembro de 2018 às 14h18

    o sebastiaao! a charge cabe exatamente na sua persona. idiotizado e ainda se acha.

    cid elias

    08 de novembro de 2018 às 14h20

    sebestao, “valores morais“ tipo do onix lorenzetti? do magno corrupto malta? do alexandre caneco frota? idiotizado ate a medula!

    Vera Lucia P. da Silva

    08 de novembro de 2018 às 16h35

    Eu gostaria que você estivesse certo, mas não é assim o brasileiro, a sociedade é sim comandada e nessa eleição demonstrou não guardar valores nenhum e nem pensar por si mesma, o povo tem preguiça de pensar e não sabe que não sabe. O brasileiro está se tornando um povo muito perigoso, e a culpa é do FLÚOR (veneno que afeta os nossos neurônios) que colocam na nossa água desde a ditadura militar.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.