VIOMUNDO

Diário da Resistência


À professora Helley Abreu, que se encantou, salvando alunos: Presente!
Falatório Você escreve

À professora Helley Abreu, que se encantou, salvando alunos: Presente!


06/10/2017 - 16h50

É como diz o gigante Guimarães Rosa, mineiro como a professora Helley: O mundo é mágico. As pessoas não morrem, ficam encantadas.

Ato heroico de professora salva muitos estudantes

Mesmo ferida e em chamas, Heley Batista tirava os meninos da sala pela janela

Luiza Muzzi, em O TEMPO

“Minha menina salvou tanto anjo, não é possível que os anjos não vêm salvar ela”.

Durante todo o dia, dona Valda Terezinha de Abreu, 66, mãe da professora Heley de Abreu Silva Batista, 43, acreditava e rezava, reunindo todas as suas forças.

“Estamos em corrente de oração e colocando tudo nas mãos de Deus. Deus é vivo, Ele não é morto não”.

Mas a noite desta quinta (5) levou consigo as esperanças de recuperação da professora, que teve 100% do corpo queimado na tragédia da creche Gente Inocente, em Janaúba.

Na tentativa de salvar suas crianças, Heley se feriu gravemente. Com o próprio corpo em chamas, a professora tentava abafar o fogo ao mesmo tempo em que tirava os alunos pela janela – o vigia havia fechado a porta. Na tarde desta quinta-feira (5), o Corpo de Bombeiros chegou a confirmar o óbito de Heley, mas recuou. Corajosa, ela lutou até o fim.

“Toda vida ela foi assim, uma mulher que não tem medo de nada. Ela enfrenta qualquer parada. É da natureza dela”, conta a mãe. “Ela foi uma heroína de ter salvado essas crianças. Ela estava queimada e insistia em tirar as crianças. Acho que ela salvou a maioria. É a força que Deus deu para ela, de ter essa coragem. Só Deus mesmo, sabe. Eu nem sei”.

Na véspera do acidente, dona Valda passou o dia com a filha. “Ela ficou a tarde comigo aqui, mas achei ela muito triste, não sei porque”.

Heley tem três filhos, sendo o mais novo de apenas um ano. “Os filhos adolescentes estão em pânico”, diz a mãe.

Professora há quase duas décadas, Heley era apaixonada por crianças e muito querida na cidade. “Minha casa hoje (5) ficou lotada de visitas. Agora está nas mãos dos médicos e de Deus”, resumiu a mãe, com um pedido final: “Orem por ela”.

O terror na creche remete a uma tragédia pessoal da professora. Há 12 anos, um filho recém-nascido de Heley morreu afogado em uma piscina. À época grávida, a professora sofreu bastante e enfrentou a dor na sala de aula, ao lado de outras crianças.

‘A conduta dela foi heroica’, diz delegado sobre professora que morreu em creche em Janaúba

Por Marina Pereira e Juliana Peixoto, G1 Grande Minas

Uma das vítimas do incêndio criminoso em uma creche em Janaúba, no Norte de Minas Gerais, Helley Abreu Batista entrou em luta corporal com o autor do crime para tentar salvar seus alunos.

“A conduta dela foi heroica, ela mostrou que estava ali realmente pra proteger todas aquelas crianças”, disse o delegado Bruno Fernandes Barbosa sobre a educadora, de 43 anos.

Ela teve 90% do corpo queimado e morreu no hospital cerca onze horas depois da tragédia. Além de Helley, cinco crianças morreram depois que Damião Soares dos Santos, de 50 anos, ateou fogo ao seu próprio corpo e ao corpo de alunos do Centro Municipal de Educação Infantil Gente Inocente. Santos morreu no hospital, poucas horas após o crime.

Entre os colegas de profissão, Helley é definida como uma guerreira, que sempre cuidou dos seus alunos com muita dedicação. “Ela era muito cativante, alegre e conseguia envolver cada aluno com seu olhar peculiar. Ser professor é ser Helley Abreu”, disse Eliane Faria, pedagoga que trabalhou como supervisora em uma escola onde a Helley lecionou, em 2016.

A professora era casada e deixa três filhos, de 1, 11 e 13 anos. “Ela alegre, de bem com a vida. Cheia de fé e esperança. Era isso que tinha, muita esperança. Estou desolada como amiga e colega de profissão. Helley lutou até o fim”, conta Elisdete Souza da Silva, pedagoga.

Segundo a Prefeitura, Helley era contratada pelo município desde 2016 e começou a trabalhar no Centro Municipal de Educação Infantil Gente Inocente, onde ocorreu a tragédia, neste ano. O corpo dela está sendo velado em Janaúba e o enterro está previsto para às 16h desta sexta-feira (6) no Cemitério São Lucas.

Leia também:

Zanin: Moro exigiu prova. A defesa apresentou. Aí veio o iluminismo 



6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Maíra Bulgarelli Pessoa

18 de outubro de 2017 às 10h51

São de pessoas assim que o mundo precisa! Eu, como todos que leram esta reportagem chocante, fiquei extremamente admirada com O ATO DE CORAGEM que ela manifestou, salvando todas as crianças que ela pôde salvar, que heroína! O seu pensamento fixado e concentrado na salvação das crianças prova que ela era uma pessoa maravilhosa em todos os momentos de sua vida, e não somente naquele que, infelizmente, levou sua vida, mas a sua Presença ficará eternamente em nossos corações. Parabéns, Helley !! Você está com Deus e seus Anjos, abençoada seja!

Responder

Morvan

08 de outubro de 2017 às 09h59

Bom dia.

Apesar da dor, de imaginar, sequer, o acontecido, são pessoas anônimas, que fazem seu trabalho com total dedicação, como a cidadã e profª Helley Abreu, que nos refrigeram a crença no ser humano.
Queiramos ou não, o misto de alegria, por sua remarcável atitude, e a tristeza pela perda de sua vida, bem como das crianças. Impossível não relembrar a história do autor de “Quando Eu Voltar A Ser Criança“, Janusz Korczack. Sobre ele, aqui.
Ambos amavam tanto seus alunos que se por eles imolaram. Muito triste, mas reitero a estranha sensação de alegria e crença na humanidade, ao ver estes holocaustos de hoje e os de ontem, e a atitude dos que a eles respondem com luta, não capitulam…

Saudações “#ForaTemerGolpsista; Eleger o ‘Jara’, recobrar o país das mãos dos destruidores. Reforma do Golpiciário urgente. Com esta curriola togada, jamais teremos democracia“,
Morvan, Usuário GNU-Linux #433640. Seja Legal; seja Livre. Use GNU-Linux.

Responder

Carlos Eduardo

08 de outubro de 2017 às 03h07

Com certeza esse é um exemplo do amor! E Deus é amor. Essa Heroína nos deu o exemplo de que Deus está conosco, assim como ela está com Deus! Estamos todos desolados com tantas tristezas que a cada dia temos visto no Brasil, mas uma vitória do amor como essa jamais poderá passar desapercebido! Que os seres superiores, irmãos em Deus, a recebam com todo amor que ela merece, que a conforte, pois ela cumpriu, com muito amor (que é Deus), o seu papel!
Isso nos permite ver uma esperança de amor, agora devemos torcer para que esse amor chegue a vitória que o Brasil merece, pois essa Heroína venceu!
Muito obrigado, Helley!

Responder

Lindalva Cândido de Freitas Silva

07 de outubro de 2017 às 18h10

Hellen de Abreu morreu para salvar seus alunos, isso é uma prova de amor muito grande que ela tinha pelas crianças, preferiu morrer em prol da vida das crianças. Mais ela continua viva no coração do povo no mundo inteiro. É com certeza ela está com o senhor Jesus acompanhada com as outras crianças que ela não conseguiu salvar.

Responder

Edgar Rocha

07 de outubro de 2017 às 03h28

Só uma palavra: Vitória!
Helley venceu o medo, a dor, o instinto de autopreservação, o terror paralisante da crueldade alheia, o conformismo de quem faz o que pode e se curva à sua própria humanidade… O amor e a consciência são sempre possíveis, sempre urgentes, inapeláveis, sublimes, invencíveis!
Que mulher! Que ser humano!

Que vergonha…

Responder

Ana Letícia

06 de outubro de 2017 às 17h37

Meu Deus, que ato de coragem de Heley de Abreu Silva Batista!

Espero que os anjos estejam ao teu lado nesse momento abençoada.

Me emocionei lendo essa matéria.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!