VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Juliana Cardoso: Tucanos e a empresa canadense Bombardier fizeram paulistanos de cobaias
Assessoria de imprensa da vereadora Juliana Cardoso
Resistir e Lutar

Juliana Cardoso: Tucanos e a empresa canadense Bombardier fizeram paulistanos de cobaias


16/03/2020 - 15h27

Construção do monotrilho fez paulistano de cobaia

Empresa canadense Bombardier e governos tucanos proclamavam que seria o único monotrilho no mundo com alta capacidade de passageiros

por Juliana Cardoso*

Sem funcionar desde 29 de fevereiro por problemas no sistema de pneus (isso mesmo, pneus), a Linha 15-Prata do monotrilho continua a provocar dores de cabeças nos moradores da zona leste da cidade e que dependem desse meio de transporte para chegar ao trabalho ou à escola.

Centenas de passageiros que utilizam o monotrilho, inaugurado até o bairro de São Mateus há menos de três meses, são obrigados a enfrentar ônibus superlotados e o trânsito lento.

Os problemas com esse modal de transporte eram previsíveis.

Diversos especialistas em transporte público denunciaram lá atrás (em 2009) essa falsa promessa do então governador José Serra e o prefeito Gilberto Kassab.

Ambos repercutiram o que a Bombardier (multinacional canadense) garantia: o transporte seria de alta capacidade para absorver passageiros. E mais. Seria uma construção bastante rápida e bem barata.

Previsto para ser entregue da estação Oratório até São Mateus em 2012, o monotrilho demorou sete anos para ficar pronto. E foi inaugurado somente em dezembro do ano passado.

Com vários aditivos em seu contrato, foram gastos até o momento R$ 5,4 bilhões em algo que não funciona.

Por esse valor daria para terem sido construídos nove quilômetros de metrô convencional subterrâneo e que transporta até 60 mil passageiros/hora.

O problema com os pneus furados não foi caso isolado. Técnicos, inclusive canadenses, ainda não descobriram a causa ou pelo menos não é do conhecimento público. Com isso, o monotrilho continua parado.

Nesse curto período em que esteve em operação o monotrilho apresentou seguidas falhas. Até uma eventual colisão entre duas composições foi evitada por uma operadora.

A questão central é que o governo do Estado aceitou e vendeu a ideia, inclusive para técnicos do metrô, de que o monotrilho seria capaz de fazer alto carregamento de passageiros e com velocidade.

Projetado para transportar 35 mil passageiros/hora, o monotrilho estava recebendo 50 mil/hora.

Em 2015, nosso mandato organizou uma audiência pública sobre o assunto. Na ocasião, os especialistas convidados foram unânimes nas conclusões: monotrilho não é metrô. E que esse modal não suportaria a grande demanda dessa populosa região.

Hoje, começam a surgir o reconhecimento geral de que o mais viável teria sido expandir o metrô, esse sim autêntico transporte de massa. Mas o governo do Estado insistiu e o resultado hoje é lamentável.

Agora a Secretaria de Transportes Metropolitanos anunciou que pretende cobrar os prejuízos da paralisação e declarar até inidôneas as empresas (empreiteiras Queiroz Galvão e OAS, além da Bombardier) que construíram o monotrilho.

A sensação que fica dessa história é que a Bombardier fez do monotrilho um campo de testes e dos moradores cobaias. Afinal, proclamavam que seria o único monotrilho no mundo com alta capacidade.

*Juliana Cardoso é vereadora (PT), vice-presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Criança, Adolescente e Juventude e membro das Comissões de Saúde e de Direitos Humanos da Câmara Municipal de São Paulo.



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Felipe

18 de março de 2020 às 00h30

O tema do monotrilho, especificamente a Linha 15, bem como suas potenciais consequências foram debatido no trabalho abaixo, envio para referência:
https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-08032017-135118/pt-br.php

Responder

Jardel

17 de março de 2020 às 22h47

Se tem uma coisa que os governos tucanos sabem fazer bem, é torrar dinheiro publico com obras superfaturadas. Na construção do Rodoanel houve superfaturamento tanto na obra quanto nas desapropriações. Paulo Preto, o operador da grana, encheu os bolsos da tucanalha.

Responder

Luiz Cláudio

16 de março de 2020 às 20h55

Eu queria chamar A tucanalha de gata safada. Pode?

Responder

Luiz. Cláudio

16 de março de 2020 às 20h53

A tucanalha paulista e brasileira é inimputável, além de incompetente, entreguista e debochada.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!