VIOMUNDO

Diário da Resistência


Yarochewsky: Por todas as vítimas da ditadura militar, não ao fascismo de Bolsonaro e Mourão!
Memorial da Democracia
Falatório Política

Yarochewsky: Por todas as vítimas da ditadura militar, não ao fascismo de Bolsonaro e Mourão!


18/09/2018 - 20h03

Vladimir Herzog foi assassinado no DOI-COI, em São Paulo, pelos colegas de farda do capitão do Exército Jair Bolsonaro e do general Mourão. Memorial da Democracia

Não ao fascismo: por Herzog e por todos que foram vítimas da ditadura

por Leonardo Isaac Yarochewsky, no Justificando

No ano de 1975 – governo do general Ernesto Geisel – o rabino Henry Sobel se recusou a enterrar o jornalista Vladimir Herzog na ala dos suicidas do cemitério israelita.

Sobel não aceitou a versão oficial, apresentada pelos militares, acerca das circunstâncias da morte de Herzog nos porões do DOI-CODI em 25 de outubro de 1975.

O nome de Vlado – nascido na antiga Iugoslávia e filho de judeus – tornou-se fundamental no movimento pela restauração da democracia no país após o golpe de 1964.

Uma semana após seu assassinato, em 31 de outubro de 1975, Sobel juntamente com Dom Paulo Evaristo Arns e Jaime Wright realizaram um ato ecumênico em homenagem ao jornalista Herzog na Praça da Sé.

O evento reuniu 8 mil pessoas, além dos 500 policiais e agentes da repressão.

No ano de 2018, em entrevista ao programa Marina Godoy Entrevista (RedeTV), o candidato à presidência Jair Bolsonaro declarou que “alguns inocentes acabaram tendo um fim que não mereciam, no meu entender“.

E prosseguiu: “Lamento a morte dele, em que circunstância, se foi suicídio ou morreu torturado. Suicídio acontece, pessoal pratica suicídio“.

Ao ser questionado se não deveria reconhecer o assassinato de Vlado, o candidato Bolsonaro respondeu: “Essa é uma história que passou“.

Não, definitivamente essa história não passou. A ditadura militar e o fascismo continuam vivos na fala do candidato capitão do exército e do seu vice general. Frases do tipo:

1- “Eu fui num quilombola em Eldorado Paulista. Olha, o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada! Eu acho que nem para procriador ele serve mais. Mais de R$ 1 bilhão por ano é gastado com eles” (Em palestra no Clube Hebraica, abril de 2017).

2- “Ela não merece (ser estuprada) porque ela é muito ruim, porque ela é muito feia, não faz meu gênero, jamais a estupraria. Eu não sou estuprador, mas, se fosse, não iria estuprar porque não merece”.

3- “Eu sou favorável à tortura, tu sabe disso” (A um programa de TV, em 1999). E “O erro da ditadura foi torturar e não matar” (Em entrevista no rádio, em junho de 2016).

4- “Não é questão de gênero. Tem que botar quem dê conta do recado. Se botar as mulheres vou ter que indicar quantos afrodescendentes” (Em entrevista em Pouso Alegre, questionado se aumentaria o número de mulheres no ministério, em março de 2018).

As declarações do capitão do exército revelam o seu desprezo pela dignidade da pessoa humana como postulado do Estado Democrático de Direito. As ideias e propostas de Bolsonaro/Mourão afrontam a democracia.

A democracia, ao que tudo indica, leva à tolerância. A tolerância com as diferenças e divergências são próprias de regimes democráticos que têm na pluralidade um de seus principais pilares.

Porém, quando as ditas “diferenças” e “divergências” são incompatíveis com a própria democracia – que como asseverou Winton Churchill “é a pior forma de governo, com exceção de todas as demais” – não parece possível sustentar tolerância, para aqueles que se opõem à própria democracia e aos valores do Estado Constitucionala.

Por seu turno, o fascismo, como bem observou Rubens Casara – na apresentação do livro da filósofa Márcia Tiburi – “possui inegavelmente uma ideologia de negação.

Nega-se tudo (as diferenças, as qualidades dos opositores, as conquistas históricas, a luta de classe etc.), principalmente, o conhecimento e, em consequência, o diálogo capaz de superar a ausência do saber.

O fascismo é cinza e monótono, enquanto a democracia é multicolorida e em constante movimento.

A ideologia fascista, porém, deve ser levada a sério, pois, além de nublar a percepção da realidade, produz efeitos concretos contrários ao projeto constitucional de vida digna para todos.

O capitão Bolsonaro e o general Mourão enaltecem a ditadura militar (1964-1985), um dos períodos mais nefastos da história do país.

Negam a história em nome de interesses escusos e eleitoreiros. O capitão, como já dito alhures, revela uma suposta simpatia pelo Estado de Israel, mas nega que judeus – entre eles Vlado Herzog – foi assassinado pelos seus colegas de farda.

Bolsonaro, com seu ódio, com suas declarações misóginas e racistas insulta todas as minorias.

Em uma verdadeira democracia, não há espaço para que seres humanos sejam transformados em objetos e tratados como coisa.

Em uma formulação kantiana, o ser humano é um fim em si mesmo e jamais poderá ser tratado como meio ou instrumento.

Por tudo, independente de preferência política e partidária, todas e todos que estimam a democracia e respeitam o Estado Constitucional, precisam dizer um rotundo NÃO aos candidatos fascistas.

Leonardo Isaac Yarochewsky é Advogado e Doutor em Ciências Penais (UFMG).

Leia também:

Chomsky: Governos de esquerda pegaram leve com a mídia inimiga; nos EUA seria diferente





2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Edgar Rocha

19 de setembro de 2018 às 19h26

Por todas as vítimas da ditadura que nunca acabou na periferia!
Por todos os mais de 200 mil desaparecidos durante o regime democrático!
Por todos os anônimos não-militantes e militantes que morrem diariamente nas mãos do cangaço institucionalizado!
Por Marielle Franco e todos que lutam contra milícias e denunciam a corrupção e cooptação de agentes do Estado!

Por estes, para que a classe média politizada e de esquerda não veja nos fascistas que agora a atacam diretamente uma força política tolerável e negociável! Contra Bolsonaro e sua matilha!

Haddad Presidente! Lula Livre! Democracia sempre e para todos! Sem negociação!

(E sem mais procrastinação com a desgraça dos outros, façam-me o favor!)

Responder

elder pacheco

19 de setembro de 2018 às 11h42

A questão central não é o dia da votação. Mas o Primeiro de Janeiro.
Prestem atenção no ruflar dos tambores. E nas declarações dos bocas de canhão.
Não podemos nos esquecer da História. Procurem Texeira’s Lott’s, civis democratas, os e as antifascistas, movimentos sociais, etc para garantir a posse… Leiam abaixo:
Hoje não é o “fantasma do comunismo”, mas a reação de um caldeirão prestes a entornar nas esquinas, nas praças, nos bares, nos lares, nos morros, favelas, palafitas, no semi-árido, nas matas, nos mares, enfim, a rebelião está se gestando. Não só com o processo eleitoral, mas num descontentamento latente que vem paulatinamente se gestando no tecido social brasileiro. O Povo está cansado, negando a miséria para a qual voltou com os governos golpistas. Está CORUJOSAMENTE observando o cenário. Cabe as instâncias dos movimentos e os partidos dirigentes, dar-lhe a bússola e remar contra a maré fascista que se avizinha, mesmo com o derrotado bolsonazi, nocauteando no pleito que se avizinha. O fascismo de tudo é capaz.
Vejam Lorca. Olhando seus algozes e na boca dos fuzis. Coragem, é o que mostra ao mundo contra os neo-franquistas,hitleristas, mussolinianos, salazarianos, pinochet’s, videlas, somozas, papa doc’s, a junta militar pós 64 no brasil.
Bolsomussolini procura ser a encarnação deste assassinos sob o comando dos EUA.
O mesmo capitão que quase provoca um massacre no Rio Centro em 1981, é da máfia golpista deste psicopata e asseclas. Temos que detê-los, não só no voto (se ocorrer), mas com grandes manifestações de massas país afora, no norte, sul, leste e oeste. O Povo terá que ser convocado para um permanente vigília, pois os golpistas continuarão com seu complô a mando da águia do norte e da morte.
Não é hora de sonolência, esquerda.
Nem um ou uma sentinela somente.
Um olho no peixe e outro no gato.
Um dia a mais é um dia a menos.
Lula/Haddad/Manuela pelo Brasil com o Povo!

https://www.facebook.com/elder.pacheco.3511/posts/447322429009134?__tn__=K-R

http://www.zonacurva.com.br/como-o-general-lott-garantiu-a…

https://www.brasil247.com/…/For%C3%A7as-Armadas-ensaiam-bot…

https://www.brasil247.com/…/Tereza-Cruvinel-%C3%A9-preciso-…

https://www.brasil247.com/…/Tereza-Cruvinel-%C3%A9-preciso-…

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding