VIOMUNDO

Diário da Resistência


Ubiratan Santos: Não basta vencer Bolsonaro; é preciso derrotar as forças políticas e econômicas que o sustentam
Lula na abertura 5º Congresso Nacional da Juventude do PT, que aconteceu na sexta-feira, 17 de dezembro de 2021. Foto: Ricardo Stuckert
Política

Ubiratan Santos: Não basta vencer Bolsonaro; é preciso derrotar as forças políticas e econômicas que o sustentam


20/01/2022 - 07h30

Ainda o tema do vice mais adequado para compor a chapa do Lula

Por Ubiratan de Paula Santos

Preliminarmente, acho uma perda de tempo esse debate nominal.

“Segundamente”, se o objetivo se limitar a derrotar Bolsonaro, podemos apoiar qualquer dos candidatos que está no mercado — Doria, Moro, Ciro, a Velhinha de Taubaté — cujas pesquisas atuais apontam como vencedores em um segundo turno.

Mas por razões várias, Lula desponta, atualmente, como o candidato mais competitivo nos 1º e 2º turnos.

Tem liderança de massas, forte inserção no mundo do trabalho, bom apoio no meio cultural, científico, entre os mais necessitados (os pobres e muitos), uma razoável e respeitada interlocução internacional e é capaz de aglutinar as principais forças políticas de esquerda e mesmo dr centro (neste caso, especialmente no importante colégio eleitoral formado pelo NE, mas não só).

Somam-se a isso seus declarados compromissos com a integração da América Latina, a paz mundial, os direitos dos trabalhadores e a suas entidades de representação, a democracia, a preservação e recuperação ambiental, o investimento público para geração de emprego e renda.  Ou seja, é o melhor candidato que a esquerda tem.

O tema da composição da chapa deverá ser conduzido por Lula, PT e partidos aliados, a partir de avaliação do peso dos envolvidos para contribuir para a eleição e governança.  Governança para execução do programa que vem propondo ao país.

Será o Picolé? O Kalil, prefeito de BH? A Magazine Luíza? O Requião? O Chico Buarque? Ou o Zeca Pagodinho?

A meu juízo não basta participarmos das eleições apenas com a finalidade de derrotar Bolsonaro.

Trata-se de derrotá-lo, sim, mas também as forças políticas e econômicas internas e externas que urdiram e vem aplicando no Brasil a política econômica, social, trabalhista, cultural, educacional, na saúde, desde 2016.

Embora parte dessas forças possa achar Bolsonaro disfuncional e tosco, elas são unânimes no apoio às principais políticas em curso desde 2016 (considero o equívoco da Dilma com Joaquim Levi, embora muito grave, um erro de avaliação do melhor percurso para recuperar força e não abraçar do neoliberalismo), como o teto de gastos, a “deforma” trabalhista, a redução do poder de compra do salário mínimo, a redução de poder dos sindicatos, o ataque às aposentadorias, a política monetária, a política para a Petrobrás e demais estatais, o esvaziamento do BNDES, com alguns gourmets, no máximo, tapando o nariz para o armamentismo, as agressões ambientais, às mulheres, aos indígenas, aos negros e às diversidades sexual, religiosa e cultural.

Devemos nos ocupar em como construir um processo eleitoral que incendeie, apaixone, mobilize, encante, que dê esperanças ao povo, aos jovens um presente para terem futuro, aos velhos a possibilidade de envelhecer com dignidade, à cultura e à ciência o incentivo para a alegria de viver e de melhor viver.

Para construir esse processo, não me parece que devamos nos ocupar com abobrinhas ou chuchus.

Se esses legumes forem servidos na sobremesa, segundo turno, sorveremos, mas se ficarmos de braços cruzados na torcida, contentes em tê-los na mesa já como prato principal, vamos dispersar energias, paralisar vontades, aguerrimentos e árduas lutas, que não ajudarão acumularmos força, seja para vencer as eleições, mas principalmente para governar para mudar.

Mudar exige força, acompanhada de habilidade, só essa última não resolve a parada para as difíceis tarefas que o momento impõe.

E não se trata de nenhuma revolução social. Aqui, ninguém ainda endoidou (só eu, rsrs).

O que se busca é construir um país com direitos e uma vida digna para todos, começando para quem não os têm. Retiremos os pijamas e vamos em frente.





2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

20 de janeiro de 2022 às 13h41

Querendo ou não, o Vice-Presidente tem influência
em Grupos Políticos que pressionam o Congresso,
para o bem ou para o mal, dependendo de qual.

Responder

    Zé Maria

    20 de janeiro de 2022 às 13h55

    E o que a Militância de Esquerda NÃO QUER para o Lula
    é um vice-presidenciável que defenda “o teto de gastos,
    a ‘deforma’ trabalhista, a redução do poder de compra
    do salário mínimo, a redução de poder dos sindicatos,
    o ataque às aposentadorias, a política monetária,
    a política para a Petrobrás e demais estatais,
    o esvaziamento do BNDES e as agressões ambientais,
    aos indígenas, aos negros, às mulheres e às diversidades
    sexual, religiosa e cultural”.
    Lembre-se que Vice, uma vez eleito, não se demite mais.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding